Pandemia e Desigualdade Educacional

Um relatório divulgado pela UNESCO no mês de junho alertou que, devido à pandemia, houve um aumento das desigualdades educacionais no Brasil. Com a impossibilidade de aulas presenciais, o ensino remoto foi a única solução cabível para a maioria das escolas. Porém, uma parte dos estudantes brasileiros não tem acesso aos recursos necessários para assistir e aprender com as aulas online.
Esse é um problema para todos os brasileiros, pois a Educação é assunto de interesse público e de direito comum, seja ela promovida pela rede pública ou privada. É uma prioridade social que deve ser defendida por todos os que acreditam em um futuro melhor construído pelo conhecimento.
Por isso, hoje, falaremos sobre os legados da pandemia para a educação e também sobre boas práticas que todos podemos adotar para diminuir a desigualdade educacional no Brasil.

O que a pandemia nos ensinou sobre o ensino?
E ensino remoto gerou vários desafios, que, muitas vezes, geraram insegurança, frustração e cansaço – o que faz sentido, dado o ineditismo da situação. Porém, essas dificuldades tornam-se aprendizados quando pensamos nas habilidades que precisamos desenvolver para ter um sistema de ensino mais potente e resistente.

A capacidade de adaptabilidade e a autonomia desenvolvida pelos estudantes, certamente, expandirá seus espaços e condições de aprendizado. Além disso, vimos a importância de promover uma educação na qual o estudante é o protagonista de todo o processo e portador do seu projeto de vida, capaz de aprender por desejo e necessidade e não por obrigação.
Percebemos também que a discussão sobre inclusão digital na educação precisa ser aprofundada. O Brasil deve, necessariamente, ser um país mais digital, com maior acesso à internet.

Vimos também, com muita emoção e orgulho, professores fazendo visitas voluntárias às casas de estudantes que não têm acesso ao computador e internet para assistir às aulas. Isso no ensina sobre dedicação e amor à profissão.
Entre anseios e aprendizados, de uma coisa nós não podemos esquecer: a desigualdade educacional é grande e a luta para mudar essa realidade é de todos os cidadãos.

Boas práticas para diminuir a desigualdade educacional.

Algumas práticas de consciência coletiva, responsabilidade social e generosidade são essenciais para combater a desigualdade educacional. Você, como cidadão, pode ajudar seu país a partir do apoio à educação:

  • Estamos próximos de uma eleição municipal. Escolha candidatos que se preocupem em promover e fiscalizar a educação pública. Conheça, também, suas propostas em relação às tecnologias digitais.
  • Procure conhecer e fazer contato com os gestores da escola pública mais próxima da sua casa, ou daquela onde sua filha ou filho estudam. Busque saber como ajudar.
  • Doe livros e materiais escolares para estudantes de baixa renda.
  •  Se você conhece os meios digitais, ofereça-se para orientar professores de mais idade que ainda não conseguiram se adaptar às ferramentas online.
  •  Participe de debates e da fiscalização das políticas públicas para educação.
  •  Seja voluntário ou voluntária em projetos de escolas públicas.
  •  Defenda uma educação de qualidade como direito básico de todos os brasileiros.
  • Seja solidário e consciente em relação às causas e lutas sociais.
  •  Defenda uma educação que aproxima e liberta.

Nós, como instituição advinda de um grupo educacional privado, trazemos este debate porque nossa missão é promover uma educação humana, cidadã, transformadora e inovadora. Para isso, é imprescindível defender o acesso ao ensino por todas as crianças e adolescentes como direito básico e dever da sociedade e do Estado – algo que, aliás, está previsto na Constituição (no Artigo 208). Assim, podemos vislumbrar um futuro melhor para todos!

Parceiros Opet: o folclore digital do Instituto da Criança

O folclore, este universo de saberes, crenças, conhecimentos e artes populares, é um dos grandes patrimônios da humanidade. No caso do Brasil, ele é especialmente rico, já que nasce das contribuições das culturas indígenas, africanas e europeias que formaram a nossa sociedade.

O folclore brasileiro deve ser mais conhecido e vivido, em especial pelas novas gerações. Foi pensando nisso e tendo como motivo o Dia do Folclore (comemorado no dia 22 de agosto) que o Instituto da Criança, parceiro da Editora Opet em São Gonçalo do Amarante (RN), promoveu um festival de folclore online que mobilizou gestores, professores, estudantes e famílias.

A coordenadora do Ensino Fundamental II (Anos Finais) do Instituto, professora Ranilza Silva, conta que o “Festival Folclórico Online IC” teve como tema o folclore, com foco nos aspectos culturais locais. “Quisemos resgatar nossa cultura e valores. Além de retratar o folclore brasileiro, foi um momento para falar das nossas histórias e raízes. Buscamos mostrar que, assim como em outras cidades, São Gonçalo do Amarante também é rica em cultura.”

Live sobre folclore envolveu professores, estudantes e familiares em São Gonçalo do Amarante (RN). Crédito: Instituto da Criança

A professora Luara Carvalho, de Língua Portuguesa, coordenou o projeto junto com Ranilza. Ela explica que uma das finalidades do festival foi trazer mais conhecimento e leveza à vida das pessoas. Pensamos em algo que pudesse estimular nossos alunos e professores e avivar as memórias do que é nosso, da nossa cultura. Então, passamos a pensar quais aspectos do folclore gostaríamos de vivenciar com os nossos alunos. Selecionamos trava-línguas, brincadeiras, lendas e crendices.” Nesse processo, a escola contou com a participação de um artista local, Victor Melo, que enriqueceu festival.

Para festejar o folclore, a escola usou todas as ferramentas digitais disponíveis: WhatsApp, Instagram, Google Meet (oferecido pela Editora Opet) e Youtube. E deu muito certo. “Foi uma semana repleta de ‘folguedos’”, ri Luara.

“Começamos com um bate-papo descontraído com o Victor Melo, que interpreta vários papéis e que compareceu à live caracterizado de Birico, um personagem do Boi de Reis, Bumba Meu Boi ou Boi Calemba, como é mais conhecido em nossa região”, conta.

Cada dupla ou grupo de professores ficou responsável por uma atividade. A escola preparou “desafios folclóricos”, que eram prontamente respondidos pelos estudantes. O grau de engajamento deles e das famílias foi altíssimo.

O primeiro desafio, explica Luara, foi gravar um vídeo com um desafio trava-língua, o segundo foi outra gravação para explicar sobre uma brincadeira e o terceiro foi postar uma foto caracterizada de um mito do folclore brasileiro. “As criações ficaram incríveis!”, comemora.

Estudantes caracterizados como Iara e o Boto para um dos desafios do Festival de Folclore. Crédito: Instituto da Criança

Finalizando o projeto, os professores fizeram um bate-papo online via Google Meet e transmitido pelo YouTube no canal da escola. “Falamos sobre as crendices que crescemos ouvindo, fazendo e/ou vivendo de alguma forma”, explica Luara. A temática foi “Eu cresci acreditando em…” e gerou várias histórias, memórias e explicações. Com apoio do professor de História, foi possível ir mais longe na compreensão das crendices e dos mitos.

Colaboração Opet – A Editora Opet, que é parceira do Instituto da Criança, ajudou a viabilizar o processo. E isso se deu por meio tanto da tecnologia quanto dos materiais didáticos. As ferramentas digitais foram de grande importância”, conta Ranilza. “A Plataforma Inspira foi um apoio durante as aulas dos professores ao longo da semana, assim como o Meet do Google for Education, que possibilitou reunir os professores em um só lugar virtual para levarmos o conhecimento aos nossos estudantes no último dia do projeto.”

A coordenadora destaca a importância da parceria com a Editora para o sucesso digital da escola. “A Opet vem contribuindo de forma significativa com as ferramentas digitais, e os nossos professores-aprendizes desse novo formato estão ressignificando as aulas. Os projetos vão além dos conteúdos, pois buscamos resgatar valores históricos e vivências que internalizam a vida pessoal e social dos nossos estudantes.”

Sobre a integração entre a proposta do festival e as coleções Opet, quem fala é a professora Luara. “Houve uma integração perfeita! Em especial, com o material de Língua Portuguesa, que, através do gênero textual lenda e da prática da oralidade, conseguiu ampliar e enriquecer o trabalho.”

Escola antenada – A professora Janaína Bezerra é a assessora pedagógica da Editora Opet responsável pelo atendimento do Instituto da Criança. Para ela, o Festival de Folclore é um exemplo de valorização do material Opet dentro do contexto atual. “Além das ferramentas tecnológicas, a escola integrou o uso do material físico e da nossa proposta de educação, o que vai totalmente ao encontro da finalidade da parceria.”

Segundo Janaína, a parceria com o Instituto da Criança é muito sólida e veio para ficar. “A escola tem um projeto educativo alinhado com o material didático e a filosofia Opet de uma educação humana, cidadã, transformadora e inovadora. A equipe acata nossas sugestões e está antenada com nossas orientações através das formações pedagógicas.”

Educação Privada: o sucesso do Colégio Dom Hélder com as ferramentas digitais

Em vinte anos de existência, o Colégio Dom Hélder Câmara, de Afogados da Ingazeira, no sertão de Pernambuco, tornou-se referência em educação. De uma pequena escola que atendia a Educação Infantil e o primeiro ano do Ensino Fundamental, transformou-se em um dos maiores colégios privados da região, oferecendo da Educação Infantil ao nono ano do Ensino Fundamental em instalações de alta qualidade. Desde o início deste ano, o Dom Hélder é, também, parceiro da Editora Opet, que proporciona os materiais didáticos e as ferramentas pedagógicas para todos os níveis de ensino oferecidos pela instituição.

Com a pandemia, o colégio precisou se organizar para dar conta das aulas remotas e da qualidade do ensino. “A pandemia mudou nossas vidas e o momento exigiu que nos readaptássemos”, conta a mantenedora e diretora administrativa e pedagógica, professora Cláudia Valéria da Silva Campos Barros. “Com muito estudo, planejamento e responsabilidade, iniciamos os atendimentos com as aulas remotas, já com a parceria da Editora Opet.”

Ela destaca, nesse processo, o apoio pedagógico oferecido pela Editora. “A parceria com a Editora Opet foi fundamental para o sucesso do nosso trabalho. As ferramentas de apoio proporcionaram um atendimento de qualidade, aproximando professores, estudantes e familiares, dinamizando o ensino e garantindo uma aprendizagem eficaz”, observa.

Segundo Cláudia Valéria, a Editora Opet tem sido fundamental em termos de apoio e capacitação para o “novo normal”. “A promoção de lives excelentes, com temas pertinentes para o momento, as formações pedagógicas e os inúmeros atendimentos foram fundamentais para o sucesso do nosso trabalho”. Um sucesso que se reflete, por exemplo, no engajamento dos estudantes e de suas famílias ao sistemas de aulas remotas.

“Com a utilização das novas ferramentas educacionais, o Dom Hélder deu  continuidade ao atendimento e proporcionou momentos satisfatórios de estudo e aprendizado. Mesmo remotamente, os cuidados com a aprendizagem continuam a permear a nossa prática”, garante. A mantenedora também destaca a aproximação das famílias, que se tornaram grandes parceiras do colégio, e de sua equipe de gestores e professores, que vêm realizando um excelente trabalho.

Pedro Santos Nobre é estudante do nono ano do Ensino Fundamental do Colégio Dom Hélder. Ele valoriza os esforços da instituição para garantir o acesso às ferramentas digitais e ao estudo nesta fase tão difícil para outros estudantes. “Posso dizer que sou privilegiado por estudar em um colégio assim, com os recursos que recebemos.”

Ele conta que, no início da pandemia, não ligava muito para a situação porque pensava que ela seria passageira, coisa de uma ou duas semanas. Em pouco tempo, porém, percebeu que a coisa era séria e se engajou nos estudos remotos. Hoje, ele acha o processo muito interessante: “É mais rápido e até mais relaxado estudar usando o computador. Recebemos um e-mail dedicado para o trabalho e eu gostei muito.” Fã declarado de ferramentas como o Google Meet e o Classroom, oferecidas pela Editora Opet dentro da parceria com a Google for Education, Pedro só tem elogios para o trabalho da escola, que, segundo ele, é muito bem organizado e garante o aprendizado.

A professora Wilma Geysa Diniz Marques dá aulas para o segundo ano do Ensino Fundamental no Dom Hélder. Segundo ela, as ferramentas digitais estão subsidiando o processo de ensino-aprendizagem. “A Editora Opet está de parabéns pelo apoio dado a nós educadores, desde as lives até os atendimentos particulares”, avalia.

Para Wilma, a plataforma digital é o grande destaque deste momento de ensino remoto. “Ela nos possibilita uma interação com os educandos, ligando o vínculo escola e família. Vale respaldar as possibilidades contidas nesta plataforma,  como o modo de apresentação,  atividades-teste e outras que vêm a somar no desenvolvimento da aprendizagem.” Ela vê seus alunos satisfeitos e motivados com as ferramentas digitais, que, neste momento, acabam sendo o único meio de contato com a escola.

Adriana Fialho é a assessora pedagógica da Editora responsável pelo atendimento do Colégio Dom Hélder. Em sua avaliação, um dos diferenciais do Colégio é estar, sempre, na vanguarda. “Os gestores estão sempre à frente e conduzem muito bem os processos de mudança.” Ela destaca, por exemplo, o engajamento para a adoção das ferramentas digitais no período da pandemia. “Nas reuniões formativas para o uso do Google for Education, por exemplo, a participação sempre foi massiva, e os participantes buscavam ir além para aprofundar o trabalho com as ferramentas digitais.” E isso deu muito certo, uma vez que, no Dom Hélder, essas ferramentas têm sido utilizadas com muita eficiência nas aulas e na gestão, por exemplo, para reuniões e eventos online. “Ficamos felizes em contribuir para esse sucesso. É muito bom trabalhar com parceiros que têm esse padrão de qualidade”, conclui Adriana.

Como manter o ensino remoto na Educação Infantil?

O ensino remoto, solução que ganhou força neste período de pandemia, é altamente desafiador, recebendo atenção extra de professores e familiares interessados em garantir a qualidade do processo de ensino-aprendizagem. Na Educação Infantil, há questionamentos sobre a necessidade de se manter o ensino remoto e também sobre como é possível ter aulas virtuais com crianças tão pequenas. Neste artigo, falaremos um pouco sobre o papel da Educação Infantil no desenvolvimento da criança e porque é importante que a família esteja engajada nas atividades remotas junto à escola.

 

Mas, afinal de contas, qual o papel da Educação Infantil?

Na Educação Infantil, trabalhamos capacidades essenciais para o desenvolvimento do ser humano. Os primeiros anos de vida são extremamente importantes para o desenvolvimento das habilidades sociais e expressivas. Além disso, as atividades aplicadas na escola têm o intuito de estimular o desenvolvimento cognitivo e intelectual da criança, preparando-a para processos mais profundos de aprendizado, como a alfabetização, por exemplo. A ludicidade, que é importante em vários níveis, mas especialmente na Educação Infantil, é utilizada de forma direcionada e com teor didático para conduzir tudo.

Em suma, é na Educação Infantil que trabalhamos as potencialidades das criança enquanto ser social, intelectual e emocional, valorizando seus conteúdos e apresentando as cores, formas, sons, rostos e gostos do mundo.

 

Como manter as atividades da educação infantil durante o isolamento?

Os professores da Educação Infantil, assim como dos outros níveis, têm trabalhado para que as atividades e conteúdos possam chegar até os estudantes. Obviamente, toda a interação emocional e sensorial que o professor promove na sala de aula presencialmente não acontece da mesma forma no ambiente virtual. Porém, é importante utilizar esses recursos nas aulas remotas para manter o contato entre as crianças e professores, pois a relação pessoal na Educação Infantil é extremamente importante.

A realização das atividades, é claro, acontece de forma diferente. Na maioria das vezes, quem auxilia as crianças na resolução é a família. É comum ver familiares inseguros em relação a essa nova tarefa de orientar os estudantes nas atividades da escola. Porém, essa interação pode ser extremamente valiosa e trabalhar uma aproximação familiar que pode trazer mais autoestima, autoconfiança e resiliência para as crianças, pois elas veem apoio no seu núcleo de convivência.

Por isso, é importante compreender, que nesse contexto de isolamento, é importante rever e adaptar a dinâmica familiar para que os estudantes tenham adultos a quem podem recorrer quando precisarem de algum apoio. E isso vale, sobretudo, para as crianças da educação infantil.

Nós, da Editora Opet, estamos engajados em contribuir para melhorar a experiência de estudantes, educadores e familiares nesse momento difícil. Por isso, desenvolvemos as Sequencias Didáticas, materiais desenvolvidos com uma linguagem clara e objetiva que pode ser utilizado por professores e pais para a realização das atividades escolares. O material de Educação Infantil é super completo, lúdico e interativo, e nossas ferramentas digitais – as plataformas Inspira e Google for Education – são o que existe de mais moderno em educação remota.

Confira o conteúdo no link abaixo e depois nos conte o que achou.

https://www.editoraopet.com.br/noticias.php

Vitória da Educação Brasileira: Senado aprova PEC que torna FUNDEB permanente e eleva verbas da União.

O texto aprovado por unanimidade pelo Senado amplia gradualmente a destinação de verbas federais para a educação; complementação aos recursos, que hoje é de 10% sobre o montante investido por Estados e municípios, vai chegar a 23% a partir de 2026. Emenda Constitucional deve ser promulgada nesta quarta-feira (26.09).

 

Entenda a PEC e a importância do dinheiro do FUNDEB para a Educação Básica no Brasil

A câmara dos deputados aprovou no dia 21/07 a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que trata da renovação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (FUNDEB) e propõe alterações em sua estrutura. Atualmente, em média 50% dos recursos aplicados à educação são provenientes do FUNDEB, que foi criado em 2007 e expiraria neste ano. Sua renovação veio sendo discutida desde 2015.

Vamos falar mais sobre a importância desse fundo para a educação pública e as características dessa nova proposta. Venha conosco!

 

O que é o FUNDEB?

Criado em 2007, o FUNDEB é um fundo especial de natureza contábil, formado por recursos de impostos e transferências dos Estados e Municípios, além de uma porcentagem de contribuição da União. Ao todo, 20% do que é arrecadado em tributos, na maioria estaduais, como ICMS e IPVA, é destinado ao FUNDEB, cujo valor total é dividido a partir do número de alunos de cada Estado. A quantia estipulada por estudante é de R$ 3 mil e os Estados que não atingem essa arrecadação recebem uma complementação da União, que corresponde a 10% do valor total do fundo.

A verba é utilizada para melhorias nas estruturas das escolas públicas e pagamento de salários dos professores. Em 2019, esse montante equivaleu a R$ 166,6 bilhões – recursos vitais para o funcionamento de toda a rede pública de ensino.

Entretanto, o FUNDEB foi criado como uma medida temporária e teria validade até 2020. Em 2015, uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para renovação do recurso foi apresentada, mas cancelada logo em seguida. Com o prazo final se aproximando, o poder legislativo, engajado pela movimentação da sociedade, de servidores e profissionais da educação, se articulou e retomou a pauta.

 

Novo FUNDEB – o que sugere a PEC?

O texto-base aprovado primeiro na Câmara dos Deputados (por 499 votos a favor e 7 contrários) e depois no Senado (por unanimidade) sugere mudanças no caráter do fundo, no modelo de distribuição e no valor de contribuição da União. Os principais pontos são:

 

Permanência

Uma das principais mudanças é que o FUNDEB passe a ser permanente e previsto na Constituição, sem data de validade como na forma anterior.

 

Modelo Híbrido de Distribuição

A PEC prevê um modelo híbrido de distribuição dos recursos federais, no qual a complementação da União contempla também as redes públicas municipais. O texto leva em consideração as diferentes realidades econômicas entre municípios de um mesmo Estado e elimina uma distorção grave. Com o modelo vigente, cidades mais vulneráveis situadas em Estados mais ricos deixam de receber o investimento, enquanto municípios mais ricos em Estados pobres são contemplados.

 

Reformulação Quantitativa da Distribuição

Foi estabelecido no texto que pelo menos 70% do valor do FUNDEB seja destinado ao pagamento de salários dos professores. Além disso, a proposta também prevê que cerca de 5% da participação da União sejam destinados à Educação Infantil, para que, em caso de falta de vagas nas creches da rede pública, o dinheiro possa ser repassado a instituições privadas sem fins lucrativos.

 

Aporte da União

Hoje, a União contribui com 10% do valor final do FUNDEB. O texto-base propõe um aumento gradativo dessa contribuição, chegando a 23% até 2026.

O aporte ficaria escalonado da seguinte forma:

Com a promulgação da PEC, o novo FUNDEB passa a valer em definitivo a partir de 01º de janeiro de 2021. Uma vitória importante da educação pública e da sociedade brasileira, que poderá ver mais recursos investidos nas escolas e nas pessoas

Ceará: municípios parceiros da Editora Opet dão salto de qualidade na alfabetização

Momentos da Editora Opet no Ceará em 2019/20. Em sentido horário, a partir do alto e à esquerda: formação em Sobral, entrega de materiais em Itaitinga, encontro formativo digital com professores de Fortaleza e formação em Ipu.

Os últimos dias foram de celebração para os 184 municípios cearenses, que alcançaram o nível de alfabetização desejada para o segundo ano do Ensino Fundamental (Anos Iniciais). O resultado foi divulgado pelo Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Estado do Ceará (SPAECE) e se refere a 2019. Ele está diretamente relacionado ao Programa de Alfabetização na Idade Certa (PAIC), uma ambiciosa política de Estado para o resgate e a promoção da Educação Básica, com resultados importantes. Apenas para se ter uma ideia do tamanho da transformação, em 2007 apenas 14 municípios – 7,6% do total – possuíam um nível de alfabetização desejada para a idade certa. Hoje, são 100%.

A Editora Opet, por meio do selo educacional Sefe, faze parte dessa história e desses resultados. Os materiais didáticos e a assessoria pedagógica Sefe – sob a coordenação da professora Oralda Adur de Souza – fizeram parte do PAIC já em 2008, auxiliando o Estado a promover sua revolução educacional. Desde então, o Sefe mantém um escritório pedagógico no Ceará, onde trabalham professores e pedagogos que atendem a vários municípios.

Os seis municípios atendidos pela Editora Opet no Ceará – Fortaleza, Sobral, Ipu, Paracuru, Itaitinga e Ubajara – apresentaram resultados importantes. Apenas para se ter uma ideia, em 2019/2020, nossos municípios parceiros tiveram várias de suas escolas vencedoras do “Escola Nota 10”, que premia os melhores resultados em Português e Matemática por unidade educacional. O prêmio é entregue durante a divulgação dos resultados educacionais do Estado pelo Spaece, o que aconteceu na semana passada.

Para conquistar a premiação, as escolas devem ter, no momento da avaliação, pelo menos 20 alunos matriculados na série avaliada, além de ter, no mínimo, 90% de participação de alunos. No 2º ano, a pontuação deve ficar entre 8,5 e 10, enquanto nos 5º e 9º anos os estudantes devem obter notas entre 7,5 e 10.

Pois bem: dos parceiros da Editora Opet, Sobral teve 25 escolas vencedoras do Prêmio, Fortaleza, uma unidade, Paracuru, 12 escolas e Ubajara, 14. “Em relação a Ipu e Fortaleza, foram os municípios que registraram o maior crescimento em relação ao índice de alfabetização. Ipu dobrou o número de escolas com o índice de alfabetização desejada e se manteve com os melhores resultados de sua região. E Fortaleza consolidou seu bom trabalho no segundo ano do Ensino Fundamental, que é o ano crítico da alfabetização”, analisa Glaylson Rodrigues, supervisor regional da Editora Opet para o Ceará.

Glaylson se diz muito satisfeito com os resultados dos parceiros da Editora, que são fruto de muito trabalho. “Nós contribuímos para além do material de qualidade que chega aos municípios. Participamos com a prestação de um conjunto de serviços, como acompanhamento em visitas técnicas, suporte aos professores e gestores das escolas, além de orientação aos familiares.” Glaylson destaca o esforço dos gestores e dos professores, que se engajam muito para que o trabalho dê resultados.

Vitória coletiva – De acordo com o SPAECE, todos os alunos do segundo ano do Ensino Fundamental (Anos Iniciais) de Paracuru alcançaram o nível desejável de alfabetização e letramento. “Tivemos um salto de qualidade na aprendizagem no 2º, 5º e 9º anos”, conta a professora Joana Angélica Lopes, gerente do Mais PAIC no município. Segundo Joana, os resultados são a soma de uma série de fatores, a começar pelo trabalho coletivo e pelos esforços e talento dos professores. Ela também destaca o valor da parceria com a Editora Opet por meio do selo educacional Sefe.

Equipe do Mais PAIC de Paracuru (professoras Joana Angélica, Lucila Rocha, Silvia Helena, Déborah Magalhães, Mirlândia Sá e Marina Claudia) com o secretário municipal de Educação, Wanderlei Cordulino.

“Na primeira etapa da Educação Básica, o Sefe desenvolve um excelente trabalho com o material estruturado da Coleção Entrelinhas. E também formações continuadas para os professores da Educação Infantil que trabalham temas atuais, como a utilização das mídias, estudos voltados para a BNCC e Referenciais Curriculares para a Educação Infantil.” Ela também destaca o acompanhamento pedagógico nas creches e pré-escolas e o Prêmio Ação Destaque, que valoriza os projetos dos professores. “O sucesso da aprendizagem dos alunos de Paracuru fundamenta-se na assistência de excelência disponibilizada pela Editora Opet-Sefe e na proatividade da Equipe do Mais Paic.”

Uma relação antiga e de valor – O gerente comercial da Editora Opet para a área pública, Roberto Costacurta, lembra que o Sefe esteve ao lado dos municípios cearenses desde 2007, ano de início do PAIC e do acompanhamento pelo SPAECE. “Pela qualidade do nosso trabalho, fomos escolhidos para participar desse grande programa”, conta. “Quando a primeira etapa do PAIC foi concluída, em 2015, o Sefe estava atendendo 64 municípios, um terço do total do Estado. E seguimos atendendo vários deles, com excelentes resultados.”

Para Roberto, os bons resultados dos municípios também são uma vitória da Editora Opet. “Quando uma escola recebe o Prêmio Nota Dez, que é muito importante dados os parâmetros de qualidade exigidos, nós nos sentimos premiados também. E desejamos manter e fortalecer essa bela parceria!”, conclui.

Dia do Folclore Brasileiro

Dia 22 de agosto, comemoramos o Dia do Folclore Brasileiro. Esse universo tão cheio de histórias e da identidade do povo brasileiro vem sendo celebrado oficialmente nesta data desde 1965, a partir do Decreto Nº 56.747. Hoje, falaremos um pouco sobre a definição do folclore, seus estudiosos e os elementos folclóricos brasileiros. Além disso, traremos de dicas para trabalhar essa data com as crianças em casa! Siga conosco!

 

O que é folclore?

 

Quem traz, pela primeira vez, a etimologia da palavra folclore foi o escritor inglês William Jhon Thoms, em 1846. Folk significa “povo” e lore, “conhecimento”. Juntas, representam os saberes tradicionais de um povo.

O folclore é um gênero da cultura popular capaz de traduzir a identidade social de determinada comunidade. É composto por elementos simbólicos e materiais que passeiam entre a música, culinária, artes visuais, literatura, histórias, medicina popular, festas, crenças, etc. É aquilo que um povo acumula e mantém de geração em geração, os costumes enraizados na forma de viver e compreender o seu espaço histórico, social e cultural.

A sociedade brasileira é fruto da confluência de culturas: indígena, africana e europeia. Uma confluência surgida em um contexto social muitas vezes tenso e desigual, mas, ainda assim, profundamente generosa – algo que se mostra no folclore.

Podemos perceber os antagonismos e as individualidades de cada região sendo marcados, mostrando que a diversidade não está somente no DNA, mas na forma comer, festejar, protestar, rezar e viver.

Tudo isso é expressado através de mitos, lendas, canções, danças, artesanatos, festas populares, brincadeiras, jogos etc.

 

Os folcloristas

 

 Os estudiosos do folclore o reconhecem como uma disciplina interligada às demais ciências humanas, como a psicologia, etnologia e sociologia. Isso porque ele trabalha a partir de representações dos anseios, medos, força, identidade, condições materiais e intelectuais, lutas e classes sociais da população brasileira.

Os folcloristas são os responsáveis por identificar esses elementos da realidade material e emocional da população expressa nas festas, figuras, lendas etc. Dentre os vários escritores da literatura e ciência popular brasileira, podemos citar Ariano Suassuna, Amadeu do Amaral, Florestan Fernandes, Inezita Barroso e, um dos mais engajados e experientes folcloristas brasileiros, Luís da Câmara Cascudo.

 

Câmara Cascudo reconhecia o folclore como realidade social, psíquica e cultural, o que implicava interpretá-lo em uma perspectiva sociológica. Fê-lo mais sistematicamente em 1941, com a criação da Sociedade Brasileira de Folclore. Segundo ele, o folclorista deve escrever e interpretar os dados culturais como fenômenos sociais, considerando-os parte das situações de vida em que esses dados foram observados (Gico, 2000. p.55).

 

Principais figuras e elementos do Folclore Brasileiro

 

Como já falamos, a diversidade do povo brasileiro é ilustrada no folclore, visto que temos uma gama enorme de elementos, figuras e representações que o compõe. Porém, há alguns personagens que estão presentes no nosso cotidiano desde a infância, como saci-pererê, curupira, mula sem cabeça, Iara, entre outros. Apesar de parecerem apenas personagens infantis dentro de fábulas e histórias mágicas, essas figuras estão carregadas de representatividade, história e elementos sociais, como toda a questão da valorização e preservação da cultura indígena que a Iara traz, por exemplo.

Além disso, a narrativa que os bois “Garantido” e “Caprichoso” trazem no Festival de Parintins (AM), por exemplo, trata de uma realidade social, de crenças e religiosidade, de emoções e histórias que trazem sentido real a toda a encenação.

As festas juninas, que se estenderam por todo Brasil, também são um grande patrimônio do folclore brasileiro, assim como o frevo, o samba de roda, os Centros de Tradições Gaúchas (CTG), entre outros.

Para que você possa aproveitar esse dia e trazer muita informação, conhecimento e diversão para sua casa nessa quarentena, listamos sugestões de atividades artísticas e leituras complementares para você realizar.

 

Atividades:

 

 1- Os nomes do Bumba Meu Boi.

Essa é uma tradição de ilustra bem a regionalidade do folclore, pois a mesma história recebe 8 nomes diferentes entre as regiões. São eles:

Bahia: boi-janeiro, boi-estrela-do-mar e mulinha-de-ouro

Espírito Santo: boi de reis

Minas Gerais e Rio de Janeiro: bumba ou folguedo-do-boi

Pará, Rondônia e Amazonas: boi-bumbá.

Paraná e Santa Catarina: boi-de-morrão

Pernambuco: boi-calemba

Rio Grande do Sul: bumba, boizinho ou boi-mamão

São Paulo: boi de jacá e dança-do-boi

Atividade: após ler e estudar essa lista com as crianças, escreva os nomes e as regiões separados em pedaços de papel, dobre e junte todos em um saquinho. Ao tirar um papel, o participante deve dizer o nome/região a que se refere. Por exemplo: tirei um papel que está escrito “Boi-calemba”, devo responder que a região em que esse nome é usado é Pernambuco.

 

2- Fantoche da Iara

Uma sereia morena, com cabelos longos e olhos escuros que vive no rio Amazonas. Você pode ler a história completa aqui e depois encenar com fantoches que podem ser feitos com caixas, papelões, retalhos e garrafas pet. Aí, você abusa da criatividade e deixa fluir.

 

3- Circuito Saci-Pererê

Para movimentar todo mundo e gastar essa energia acumulada na quarentena, que tal um circuito feito com uma perna só? Coloque caixas, cordas, tecidos e garrafas que devem ser ultrapassados enquanto o participante pula em uma perna só. Organize os objetos e etapas e divirta-se.

 

Leitura:

1- Os 5 folcloristas brasileiros que você precisa conhecer

https://www.ebiografia.com/folcloristas_brasileiros/#:~:text=Suas%20mais%20variadas%20obras%20partiam,o%20que%20temos%20de%20particular.

 

2- Diz a Lenda – Folclore Brasileiro

http://www.multirio.rj.gov.br/media/PDF/pdf_4251.pdf

Referências:

FRADE, Cáscia. Folclore/Cultura Popular: aspectos de sua História. Encontrado em: https://www.unicamp.br/folclore/Material/extra_aspectos.pdf

 

GICO, Vania de Vasconcelos. Luis da Câmara Cascudo e o Conhecimento da Tradição. UFRN, 2000. Encontrado em: file:///C:/Users/O%20Foca/Downloads/10721-Texto%20do%20artigo-30480-1-10-20161101.pdf

Formações multirregionais em Língua Inglesa envolvem professores de 15 municípios!

Formações multirregionais engajaram os professores de Língua Inglesa.

Os últimos dias foram especiais para muitos professores de Língua Inglesa que utilizam a Coleção “Joy!”, do selo educacional Sefe. Eles se reuniram para formações online com a professora Vera Rauta, autora dos materiais. A primeira formação regional, que aconteceu nos dias 03, 06, 07 e 10, reuniu professores e diretores de Pinhais (PR), Vargeão (SC) e Flor do Sertão (SC). A segunda formação, que começou no dia 12 e terá encontros nos dias 14, 19, 21, 26, 27 e 28, reúne professores e diretores dos municípios de Meleiro, Morro da Fumaça, Passos Maia e São Lourenço do Oeste, de Santa Catarina, Alto Taquari, Campo Verde e Campinápolis, de Mato Grosso, Arandu e Ibirá, de São Paulo, e Paranaguá, Mercedes e Entre Rios do Oeste, do Paraná.

A formação, como conta a professora Vera Rauta, envolve o trabalho com sequências didáticas da Língua Inglesa produzidas neste ano, que contemplam a metodologia de aprendizagem CLIL (Content and Language Integrated Learning), presente na Coleção “Joy!”.

“CLIL é uma abordagem interdisciplinar que ganhou espaço em escolas brasileiras nos anos recentes e que vem orientando matrizes curriculares internacionais. O objetivo é integrar o aprendizado da língua com o conhecimento de diversas áreas do saber adequado à maturidade do aluno”, explica.

Segundo ela, a adesão dos participantes à formação online foi grande, assim como a adaptação para o momento. “A situação atual é atípica e pegou escolas e educadores desprevenidos. Porém, este momento tem propiciado o desenvolvimento de competências socioemocionais fundamentais para enfrentar os desafios durante a pandemia: a colaboração, a resiliência, a comunicação, a adaptabilidade, empatia, a criatividade. Todos estamos aprendendo juntos um pouco mais sobre a relação ensino-aprendizagem em ambiente digital.”

Vera observa que a Editora tem contribuído para a educação remota com a oferta das ferramentas digitais e, também, de novas formas de aprendizagem. “É preciso ensinar a pensar a cultura digital, prevista como a competência número cinco da Base Nacional Comum Curricular”.

Entre as dúvidas mais comuns dos participantes está a relacionada à elaboração das atividades para os alunos que estão em casa. Nesse caso, Vera recomenda o acesso e o uso dos livros da Coleção, que os colocam em contato com a Língua Inglesa. “Ao manusear o livro, observar as ilustrações, ler as palavras em inglês que já foram aprendidas no ano anterior, o aluno permanece em contato com a língua inglesa, mesmo estando em casa. Os livros também auxiliam nas atividades que estão sendo enviadas”, observa.

Engajamento – A professora Sonia Gonçalves é coordenadora do Ensino Fundamental II de Campo Verde, Mato Grosso. Ela participou da formação e ficou satisfeita. “Foi a primeira formação desse tipo e foi muito satisfatória”, conta. “Os professores se engajaram e, realmente, gostaram das atividades.” Ela explica que, em Campo Verde, a Língua Inglesa está presente da Educação Infantil ao nono ano do Ensino Fundamental. “Depois que adquirimos o material do Sefe, o ensino ficou ainda melhor e com mais qualidade.”

A professora Simone Kaminski Ramos é coordenadora das escolas em tempo integral e projetos complementares da Secretaria Municipal de Educação de Pinhais (PR). Ela acompanhou o trabalho e gostou muito. “A formação ofertada pela Editora Opet foi fantástica! Ela aproximou os profissionais da professora Vera e contribuiu muito para que os professores percebam que a tecnologia precisa estar a nosso favor, principalmente neste momento.”

Segundo Simone, a qualidade dos encontros foi excepcional. “Já somos fãs da professora Vera e, nessa formação, ela se superou. Trouxe muitas sugestões e recursos que podem ser utilizados com os alunos adotando as ferramentas tecnológicas. Nossos profissionais simplesmente amaram e estão ansiosos para colocar em prática tudo que foi visto!”.

12 de Agosto – Dia Nacional das Artes

A comemoração do Dia Nacional das Artes em 12 de agosto foi definida a partir de duas leis que se referem à regulamentação da profissão de Artista e Técnico em Espetáculos e Diversões, sancionadas em maio e outubro de 1978 (Leis Nº 6.533 e Nº 82.385). A oficialização da data institucionaliza a valorização das manifestações artísticas, essenciais para a expressão e a existência humana.

De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), a Arte compõe o quadro de disciplinas do ensino básico, partindo do princípio que enuncia a “liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber”. Sabendo da importância da Arte para a educação, falaremos um pouco sobre sua definição e seu papel social e individual, além de maneiras de trabalhar essa data nas atividades escolares.

 

O que é Arte?

A palavra Arte tem origem no vocábulo latino ars, que significa “técnica” ou “habilidade”. Seu conceito pode ser definido como uma atividade humana que usa de diversas linguagens para expressão de sentimentos, história e cultura, criada dentro de valores estéticos e narrativos, de beleza, equilíbrio e harmonia. Tem caráter subjetivo, pois, embora seja criada com um propósito pelo artista, é percebida por nós a partir da nossa experiência, sentimentos e imaginação. A arte, então, é sempre compartilhada por quem a ela reage.

É fundamental para formação humana, pois é uma poderosa ferramenta de expressão e interpretação de emoções e sentimentos. Além disso, tem uma função social importante, pois é carregada de significados e representações culturais extremamente valiosos para nosso entendimento como sociedade.

 

Quem é o artista?

De acordo com a legislação brasileira, artista é o profissional que “cria, interpreta ou executa obra de caráter cultural de qualquer natureza, para efeito de exibição ou divulgação pública, através de meios de comunicação de massa ou em locais onde se realizam espetáculos de diversão pública”

É o artista que, através da sua criatividade e talento, emociona, alegra, intriga e engaja o público.

Mas, para além de uma definição profissional, artista é aquele que usa da arte para expressar-se de forma genuína, podendo ter inspirações emocionais, políticas, culturais, religiosas, sociais etc. É o indivíduo que traz sua interpretação de algum aspecto do mundo expressa dentro de uma linguagem estética e narrativa, seja ela a música, o teatro, a fotografia, o cinema, a pintura, a arquitetura, a literatura, a dança, o circo ou qualquer outra forma de arte.

 

Sugestões de atividades escolares para o Dia das Artes

Para celebrar essa data tão importante, indicamos algumas atividades para transportar os estudantes ao mundo das artes e que podem ser realizadas remotamente:

1- Sessão de cinema: escolha um filme que possa ser contextualizado com algum conteúdo curricular e depois promova discussões sobre as interpretações e associações feitas pelos estudantes;

2- Festival de talentos: essa é uma forma de descontrair e engajar os estudantes neste momento de isolamento que pode ser bastante delicado para crianças e adolescentes;

3- Gincana de curiosidades artísticas: formule uma gincana de pesquisa sobre curiosidades do mundo da arte envolvendo obras, museus, artistas e correntes artísticas. Além do tom descontraído de uma “competição”, os estudantes terão acesso a diversas informações e conteúdos diferentes enquanto pesquisam, aumentando seu conhecimento sobre o assunto.

 

Celebrar o Dia das Artes reforça o valor dos artistas e de suas produções para a sociedade, além de nos incentivar a expressar e a interpretar nossas próprias emoções. Essa, que é também uma grande ferramenta educacional, deve ser valorizada e difundida em todos os espaços. Para finalizar, indicamos dois documentários que trazem discussões e histórias importantíssimas acerca do tema. Esperamos que gostem!

SÉRIE “THE GREAT ARTISTS” (2006)

https://youtu.be/l1qzjuM20f4 (Episódio: “Manet”)

 

“LIXO EXTRAORDINÁRIO” (2010)

https://youtu.be/_4Xkml9dJLM

Parceiros Privados: “Jornada Virtual” reúne gestores de escolas privadas do RN

A escolas parceiras privadas da Editora Opet no Rio Grande do Norte começaram o segundo semestre letivo de 2020 com muita energia e com excelentes perspectivas de trabalho, especialmente em relação ao ensino digital, ao ensino híbrido e ao planejamento.

Na última sexta-feira (31), 95 pessoas, entre mantenedores e gestores de nove escolas – Primeiros Degraus, Amiguinhos de Jesus, IEVE, CIVE, Celinho, Sonho de Criança, Cardoso Júnior, Pequeno Mestre e Vitória Kids – participaram de uma formação remota com a supervisora pedagógica da Editora Opet, Rúbia Cristina. Ela falou sobre as possibilidades do Ensino Híbrido – modelo de ensino que tende a se firmar a partir de agora –, planejamento das aulas online e a integração entre os materiais impressos e os materiais digitais.

“A formação sobre Ensino Híbrido foi um momento significativo para pensarmos numa realidade atual e que fará parte da nossa rotina educacional”, avalia Rúbia. “Os participantes tiveram a oportunidade de questionar, compartilhar suas experiências e expor seus pensamentos sobre o ‘novo real’ que estamos vivendo. Juntos, enxergamos possibilidades para um futuro presente!”.

Formação Estratégica – A professora Milka Xavier de Araújo Menezes é diretora pedagógica do Celminho, de Parnamirim, parceiro da Editora Opet há cerca de dois anos no atendimento da Educação Infantil e do Ensino Fundamental – Anos Iniciais. Segundo ela, a formação com a professora Rúbia Cristina foi estratégica. “Ela serviu para deixar a equipe pedagógica cada vez mais orientada sobre o momento que estamos vivenciando, com a clareza nas orientações que precisaremos seguir para atender as novas demandas”, observa.

A diretora se diz satisfeita com a parceria. “A Editora Opet sempre surpreende com o acesso dado e não poderia ter sido diferente neste tempo. Desde o acesso através das aula online, os encontros semanais e a facilidade de sermos atendidos com rapidez.” Sua instituição utiliza diariamente os recursos do Meet, do Google for Education, e esta deve ser a tendência para os próximos meses, na medida em que, segundo Milka, muitas famílias não devem mandar seus filhos para as aulas presenciais nos próximos meses. “Para aqueles que voltarão às aulas presenciais, estamos preparando a estrutura física. Mas, não deixa de ser desafiador, principalmente por atendermos, na maior parte, à Educação Infantil”, observa.

A professora Ranilza Francisca da Silva é coordenadora do Ensino Fundamental 2 (Anos Finais) do Instituto da Criança, de São Gonçalo do Amaranto, parceiro da Editora desde o início deste ano. Ela ficou satisfeita em participar da formação e ver que a escola e a Editora estão caminhando em uma mesma direção em relação ao ensino híbrido e ao ensino digital. “Nossa escola já está trabalhando alguns pontos abordados na formação, como registros das aulas, avaliação diagnóstica e aspectos socioemocionais através das aulas remotas. Assim, vamos   pensando e repensando o retorno das aulas presenciais diante dos parâmetros do ensino híbrido.”

Segundo Ranilza, a parceria com a Editora Opet chegou no momento certo. Tivemos acesso à plataforma Inspira, que nos contemplou com excelentes materiais de suporte para os professores. Com a pandemia, a Opet buscou outras fontes e ferramentas que nos ajudassem com aulas remotas em tempo real. E a Editora nos presenteou com a parceria com o Google for Education.”

A supervisora regional da Editora Opet responsável pelo atendimento às escolas que participaram da formação, Janaína Bezerra, diz que desde o começo da pandemia os gestores e os professores se engajaram muito para garantir a continuidade do trabalho com qualidade e segurança. “Cada um, do seu jeito, conseguiu se adaptar a esta nova realidade. Abraçaram a nossa proposta de uso das ferramentas Google e conseguiram promover de modo criativo a continuidade das aulas”, pondera. “Na formação de sexta-feira, eles demonstraram isso com participação e empenho.”