EXTRA! EXTRA! Saiu a relação dos trabalhos inscritos para o IX Prêmio Ação Destaque!

Confira se o seu trabalho foi aprovado para apreciação pela comissão julgadora do prêmio. Atenção: o prazo final para o para envio de recursos é a próxima segunda-feira, dia 09 de setembro. Os recursos devem ser enviados para o e-mail pedagogico@opet-sefe.com.br

 

Adriana Pirola Ansiliero – Arroio Trinta

Adriane Ranieri Leal – Santana de Parnaíba

Aletheia Cristiane Blau – Alto Taquari

Aline Franciele Graebin Wutke – Nova Santa Rosa

Aline Montoia Santos Duarte – Santana de Parnaíba

Aline Regina de Oliveira – Arroio Trinta

Aline Risso Sousa Rodrigues – Santana de Parnaíba

Aline Roberta da Silva – Jacarezinho

Alisandra Ribeiro – Santana de Parnaíba

Ana Claudia Cury – Santana de Parnaíba

Ana Cláudia da Silva Cardoso – Santana de Parnaíba

Ana Cristina de Jesus Oliveira – Santana de Parnaíba

Ana Cristina dos Santos Dzoba – Pitanga

Ana Karina Falchetti – Salto Veloso

Ana Karoline Lopes de Sousa – Ceará

Ana Lucia Ribeiro dos Santos – Fraiburgo

Ana Paula Pedrina – Cambará

Andrea Mendes Avona – Santana de Parnaíba

Andreia Ap. Rangel Santos – Santana de Parnaíba

Andréia Aparecida dos Santos – Cambará

Andreia do Amaral Rodrigues Jesus – Campina Grande do Sul

Andreia Maria de Jesus Ricardo – Jacarezinho

Andressa Sangaletti – Treze Tílias

Andrieli Cristiane Gonçalves Pozzer – Pinhalzinho

Angela Cristina de Oliveira Almeida – Cambará

Angela Ferreira de Moraes – Campina Grande do Sul

Angela Maria Ribeiro Serafini – Fraiburgo

Aparecida Gomes Freire – Santana de Parnaíba

Ariane Angelita de Oliveira – São Miguel do Oeste

Ariane Cristina Xavier – Ilha Solteira

Beivetti Brasili Branco – Santana de Parnaíba

Benilda Loch Blau – Pitanga

Benildes Madureira Barcelos – Alto Taquari

Bernadete Ferrari Vargas – Campina Grande do Sul

Bernadete Gurnaski de Lima – Turvo

Carina Aparecida Stadler – Pitanga

Carlos André Lourenço e Silva – Santana de Parnaíba

Carolina Rochelli Policarpo Ventura – Paranaguá

Cássia Neves Rodrigues Costa – Alto Taquari

Cátia Juliana Esídio Santana – Santana de Parnaíba

Celene Taborda – Pitanga

Cintia Natania da Silva Rodrigues – Campina Grande do Sul

Claudia Regina Cavanha Cavalheiro – Campina Grande do Sul

Cledson da Silva – Pitanga

Cliciane de Souza Meduna – Paranaguá

Cristiana Aragão Lima – Ceará

Cristiane Ferreira de Souza – Campina Grande do Sul

Cristiane Rigo Goberte – Vargeão

Cristielaine Aparecida Alves de Souza – Santana de Parnaíba

Daniela Aparecida Bartolomeu Bagali – Cerqueira César

Danielle Moreira Francisco – Paranaguá

Daniely do Rosário – Paranaguá

Débora Rederd França Vidal – Paranaguá

Deisy Estela Santiago Heringer Avelar – Santana de Parnaíba

Denise Regina Wagner Tortato – Entre Rios do Oeste

Denise Zimmermann Schuller – Arroio Trinta

Diana Leticia Chiodelli – Chapecó

Dilliany da Silva Marques – Sobral

Dinalda Andrade Vicente Bento – Cerqueira César

Dirce Aparecida Pereira Dos Santos – Pitanga

Ederli Margreiter de Mélo – Treze Tílias

Edilaine Aparecida Moreto Vilar – Águas de São Pedro

Edna Regina Albini Pereira Kaminski – Paranaguá

Eglantina Melo Rocha – Sobral

Elaine Cistina Oliveira da Silva Prado – Alto Taquari

Eliane Garcia Dantas – Campina Grande do Sul

Eliane Maria Kremer – Pinhalzinho

Elianer Fátima Linder Mayer – Salto Veloso

Eliciane Cristina de Oliveira Cegatte Arantes – Cambará

Elisandra Aparecida Czekalski – Irati

Elisandra Cristina dos Santos Galo – Santana de Parnaíba

Elisangela Silva de Castro – Ceará

Elizabeth Leal da Costa – Santana de Parnaíba

Elkynice Silva de Oliveira – Ceará

Ellen de Lima Fossa – Santana de Parnaíba

Elza Aparecida Alves Malandrin – Cambará

Emanuelle Christyne Rueda Alves – Paranaguá

Emília Helena da Silva Pedroso – Campina Grande do Sul

Erica Rodrigues da Silva – Campina Grande do Sul

Eva Maria Gomes – Ceará

Evandro Albino Meurer – Pitanga

Fabio Gonçalves Fernandes – Entre Rios do Oeste

Fabiola Soares Arcega – Paranaguá

Fátima Ludwig – Salto Veloso

Fernanda Aparecida Groscko – Pitanga

Fernanda Consoni – Arroio Trinta

Flavia Pereira Lima – Paranaguá

Franciele Manenti – Macieira

Franscisca Kelly Rocha de Sousa – Ceará

Geovana Meire Gomes de Albuquerque – Ceará

Giane Aparecida Mendes – Pitanga

Gicelda Inês Rigo Frochlich – Treze Tílias

Gisele Custódio da Veiga Ribeiro – Paranaguá

Irene Schafer Sperber – Rancho Queimado

Isabel Cristina Ferrari – Cerqueira César

Isabela Ribeiro Ferreira – Paranaguá

Ivone Bosa Cossa – Arroio Trinta

José Rivânio Mendes de Sousa – Ceará

José Werley Carvalho Braga – Cabreúva

Josiely de Oliveira Santos Corrêa – Paranaguá

Jovana Nunes da Silva – Jacarezinho

Juliana Jorge de Moraes Sarto – Águas de São Pedro

Juliana Saade Jose – Passos Maia

Julita Maria Campos Werlang – Pinhalzinho

Karen Regina Alves – Campina Grande do Sul

Karine Hining Solivo – Pinhalzinho

Karize Morais Leandro – Paranaguá

Kátia Lima Teixeira Guimarães – Ceará

Kátia Raquel Dotta – Salto Veloso

Katia Rodrigues de Moura – Santana de Parnaíba

Kelly Cristini Neuhaus Schmitz – Rancho Queimado

Keren Regina dos Santos Ignacheski – Turvo

Késia Miria Iagla Bueno – Roncador

Laura Cristini do Nascimento Amorim Corrêa – Paranaguá

Leidiane Maria Melo Rodrigues – Ceará

Lenir Angélica Tomaz Madaloz – Santana de Parnaíba

Lilian Ferrarini – Campina Grande do Sul

Lilian Macedo Borba – Paranaguá

Lodomira Ferreira de Moraes – Cambará

Lucely Aparecida Marques de Souza – Alto Garças

Lúcia Helena Soares Braga – Ceará

Luciana Martines do Nascimento – Santana de Parnaíba

Luciana Pinheiro Dos Santos Nogueira – Ilha Solteira

Luciane Andréa da Silva Oliveira – Jacarezinho

Luciane Faber Didomênico – Fraiburgo

Luciane Godoy Bonafini – Paranaguá

Luciane Regina Jacinto Smanioto – Paranaguá

Luciano Pereira da Silva – Santana de Parnaíba

Lucilene de Moura – Campina Grande do Sul

Luiza Bortolaci Pioner – Entre Rios do Oeste

Luziana da Silva Lima – Ceará

Mara Lucia Darivda Orlandi – Cambará

Mara Lúcia Martins dos Santos – Paranaguá

Marcela De Lima Carneiro – Paranaguá

Marcia Alexandra Andrade Ferreira – Santana de Parnaíba

Marcia Marques Monteiro de Castro – Roncador

Marcos Paulo Pontes dos Santos – Paranaguá

Maria Aguinalda Costa Castelo – Ceará

Maria Antoniete Bruno – Ceará

Maria Aparecida Bilovus – Irati

Maria Cristina Zamperlini – Campina Grande do Sul

Maria da Glória – Fraiburgo

Maria das Dores de Lima – Águas de São Pedro

Maria do Carmo Generoso Fajardo – Campina Grande do Sul

Maria Izabelbotko de Almeida – Pitanga

Maria Markim Miczaliczen – Pitanga

Maria Patricia Morais Leal – Ceará

Maria Rosa Martins Mota – Santana de Parnaíba

Maria Valderez Serafim Delmiro – Sobral

Maria Vladenir da Silva Souza –

Marili Moreira Lopes – Paranaguá

Marines Silveira Nielsson – Vargeão

Maristela Rautta Bernardi – São Miguel do Oeste

Marlene de Oliveira Souza – Ilha Solteira

Marthina Anderle – Entre Rios do Oeste

Maryane Aparecida Moraes – São Sebastião da Amoreira

Matheus Edilberto Roth – Paranaguá

Mayra Gascia Justo – Cambará

Michele Aparecida Guerreiro – Jacarezinho

Michele da Conceição Pinto – Santana de Parnaíba

Michele Souza Schutz – Rancho Queimado

Michelle Soares Pereira – Santana de Parnaíba

Mira Carolina dos Santos Zela – Paranaguá

Mirla Lopes de Sousa Leal – Sobral

Nadir Correa Mendes – Paranaguá

Nadir Maciel de Lima – Campina Grande do Sul

Natanael Moreira de Araujo Filho – Santana de Parnaíba

Pamela Luana Facion Alcantara – Santana de Parnaíba

Patricia da Silva Mendes Paton Viegas – Ceará

Patricia Fortes de Arruda da Silva – Campina Grande do Sul

Paula Cristina Garcia Azevedo Frison – Paranaguá

Priscila Vanessa Dante – Águas de São Pedro

Regiane da Silva – Campina Grande do Sul

Regiane Farren – Pitanga

Regina Duarte de Moraes – Santana de Parnaíba

Reginalva Pereira de Olveira – Ceará

Renata de Almeida Gomes – Campina Grande do Sul

Renata Lopes dos Santos – Paranaguá

Rochelly Alves do Monte – Ceará

Rodicler Joana Ribeiro de Moraes – Santana de Parnaíba

Rodolpho Henrique Tomé Machado – Roncador

Rosana Aparecida de Souza Couto – Jacarezinho

Rosangela Lima da Rocha – Fraiburgo

Roseli Maria Machado – Fraiburgo

Roseli Terezinha Secco Felchilcher – Arroio Trinta

Rosemary Aparecido de Faria – Cabreúva

Rosemeire Maria Pinto – Santana de Parnaíba

Rosimara Rodrigues Ribeiro Borges – Campina Grande do Sul

Salete Czerniak – Arroio Trinta

Sandra Mara Gonçalves – Campina Grande do Sul

Sandra Schu – Entre Rios do Oeste

Silva Aparecida Silvestre – Cerqueira César

Silvana Bolzon – Arroio Trinta

Silvia Maria Moreira Gatti – Fraiburgo

Simare Kioko Maebara – Santana de Parnaíba

Simone Galerani de Araújo – Jacarezinho

Sirlei Rodrigues dos Santos Telles de Oliveira – Campo Verde

Sirléia Maria Passoni – Arroio Trinta

Sueli dos Santos – Jacarezinho

Suzana Mendes Magalhães – Ceará

Suzancarla Gonçalves Mera Lehr – Fraiburgo

Suzane Aparecida Pupo – Turvo

Tainara Rego dos Santos – Santana de Parnaíba

Tânia Regina Calazans dos Santos – Campina Grande do Sul

Teresa Maria Barbosa Brandão – Santana de Parnaíba

Thaiz Silva dos Santos – Campina Grande do Sul

Thays Porto de Jesus Cambi – Santana de Parnaíba

Tiago La Serra Boneberg – Santana de Parnaíba

Ueslei Lineker Martins da Silva – Paranaguá

Valdirene da Silva Oliveira – Pariquera-Açu

Valéria Pereira Carneiro – Ceará

Vanessa Aparecida Minetto – Cerqueira César

Vânia Carla Kozlowski – Arroio Trinta

Vânia Ferronatto – Arroio Trinta

Vera Elis Mendes – Paranaguá

Vera Lúcia Meneghetti – Paranaguá

Vilma de Fátima Suzanna – Santana de Parnaíba

Vitória Régia M. do Nascimento – Ceará

Wanderleia Mafra de Moura Correia – Paranaguá

Sônia Roberta Bento – Cabreúva

Editora Opet inicia projeto-piloto de formações pedagógicas online

Primeira formação foi com os professores do Colégio Galileu, de Sorocaba (SP)

A Editora Opet iniciou nesta semana, mais exatamente na segunda-feira (02), um projeto-piloto de formações pedagógicas digitais que vai aproximar ainda mais as escolas parceiras, desburocratizar o processo e fortalecer a sustentabilidade no nosso trabalho. Esse primeiro trabalho foi realizado com o Colégio Galileu, um grande parceiro na região de Sorocaba (SP), e envolveu a formação de professores da Educação Infantil, do Ensino Fundamental Anos Iniciais e também Anos Finais dos componentes de Língua Portuguesa, Inglês, Espanhol, História, Geografia, Matemática, Ciências, Arte e Educação Física.

“O Galileu é um parceiro de muitos anos, que está sempre aberto à inovação e às questões tecnológicas. Eles têm um trabalho muito interessante com os laboratórios de informática e com o nosso portal digital, onde, no ano passado, os professores fizeram uma formação online”, conta a supervisora pedagógica Silneia Chiquetto, responsável pelo trabalho com o Colégio Galileu. “Neste ano, a diretora Cristina Valera Baptista nos solicitou uma formação mais específica, por área. E nós pensamos que seria uma oportunidade de lançar o projeto-piloto”.

Direto do estúdio – Ajustados os detalhes, chegou-se ao formato online. Na Editora, os formadores se comunicaram a partir do recém-inaugurado estúdio de gravação em multimídia, que conta com equipamentos de última geração. A professora e assessora Karen Dias foi uma das formadoras, do Ensino Fundamental. “Eu achei a proposta muito interessante. No início, como é algo novo, fiquei um pouco nervosa, mas à medida que o trabalho foi acontecendo, me senti muito bem. A interação foi excelente!”, conta.

Para a diretora pedagógica do Colégio Galileu, professora Cristina Valera Baptista, a formação online por área foi um sucesso. “É uma inovação que nos aproximou ainda mais. A equipe gostou muito! Ela nos permitiu aumentar a troca de experiências e de vivências. E, em termos pedagógicos, o trabalho é muito rico. Construímos mais uma ponte para o conhecimento”, resume.

Poderoso e sustentável – Silneia Chiquetto destaca o fato de que as formações online são um recurso poderoso. E que funciona muito bem em relação a certos aspectos da educação, em especial no caso das escolas privadas. “Muitas vezes, por conta do relacionamento com as famílias, as escolas particulares têm dificuldade em reservar um dia inteiro para uma formação pedagógica presencial. Com essas formações online, é possível dinamizar o processo e distribuir o tempo de uma forma mais adequada para a escola”, observa. Silneia também destaca a importância desse recurso em relação à sustentabilidade, uma vez que ele substitui deslocamentos físicos – que podem chegar a milhares de quilômetros – sem prejuízos à formação dos professores. “É um recurso a mais, que passa a fazer parte do nosso trabalho com os professores e os gestores em todo o país.”

João Rodrigo Almeida, colaborador da área de Tecnologias Educacionais da Editora Opet e responsável pela condução técnica dos trabalhos, reforça o caráter de facilitação das ferramentas digitais. “A educação não pode prescindir de recursos tão importantes, que agilizam e aproximam as pessoas e os processos de formação pedagógica. E nós nos preparamos, com nosso estúdio, para oferecer os equipamentos adequados a uma comunicação de alta qualidade.” As formações online, aliás, são apenas uma parte das novidades que estão em andamento na Editora em relação às novas tecnologias. Elas incluem, por exemplo, a nova plataforma de recursos digitais da Editora, que está em fase final de desenvolvimento.

 

TECNOLOGIAS DIGITAIS

Jornada digital: Editora Opet inaugura seu estúdio de produção audiovisual

A Editora Opet inaugurou oficialmente ontem, segunda-feira (13) seu estúdio de produção audiovisual. O estúdio, que foi montado em uma sala especialmente reformada na sede da Editora, em Curitiba, é um elemento estratégico para o projeto de fortalecimento dos nossos sistemas de ensino no ambiente digital. “Optamos por fazer o estúdio aqui, em nossa própria sede, para ganhar agilidade e escala de produção. E trabalhamos com muito cuidado para fornecer todos os recursos necessários à demanda que vai surgir”, explica o coordenador de Tecnologias Digitais da Editora Opet, Luciano Rocha. “Nesse estúdio, vamos produzir peças em todos os formatos: videoaulas, fundamentação teórica em formato de vídeo, transmissões ao vivo para formações, tomadas externas e podcasts.”
Para tanto, a Editora investiu em equipamentos de última geração – câmeras digitais com capacidade de gravação em 4k, ilha de edição, set de iluminação profissional, jogos de cromaqui e fundo infinito, teleprompter, microfones profissionais e isolamento acústico. Além disso, conta com a experiência de um colaborador, João Rodrigo Almeida, que é especialista em tecnologias digitais e de comunicação, além de todos os demais colaboradores das gerências editorial e pedagógica. “Temos, agora, a estrutura e a equipe necessárias a atender a plataforma digital, e podemos investir e crescer ainda mais. Estamos dando um passo importante para colocar a Editora Opet na vanguarda dos sistemas de ensino – e isso vai acontecer em muito pouco tempo”, garante Luciano. Nesta semana, aliás, começam as gravações, com a equipe do Pedagógico, da fundamentação teórica das coleções produzidas pela Editora.
Para o diretor de produto da Editora Opet, Gilberto Soares dos Santos, a construção do estúdio é resultado do engajamento da equipe no projeto que vai colocar a Editora Opet entre as mais avançadas do país no cenário de recursos digitais em educação. “Em termos simbólicos, o estúdio representa a segunda fase do projeto. A primeira foi a de construção da plataforma que vai receber os conteúdos digitais e as novas mídias.” A data final prevista para o “embarque” dos primeiros conteúdos na plataforma é 19 de novembro. A plataforma irá ao ar em pleno funcionamento em meados de dezembro.

Santana de Parnaíba: uma parceria muito especial

No início da tarde desta quarta-feira (15), nosso estande na BETT Educar foi brindado com a presença de um parceiro muito especial, o secretário municipal de Educação de Santana de Parnaíba (SP), professor Clécius Romagnolli dos Santos. Ele destacou o valor da parceria e o crescimento mútuo. “Nossa parceria com a Editora Opet é um grande sucesso. Ela é construída em vários aspectos, começando pela formação dos professores, que é feita de acordo com as nossas necessidades específicas. Não é algo que ‘vem pronto’, mas que é construído em conjunto. Isso é muito importante.” A parceria com a Editora contempla todos os estudantes da rede municipal, da Educação Infantil ao Ensino Médio (em Santana, o Ensino Médio é municipalizado).

Um pouco de descontração: o secretário Clécius e a superintendente da Editora Opet, Cristina Swiatovski, nos balanços montados dentro do estande da Editora Opet na BETT Educar.


Para a Editora Opet, é um orgulho ser parceiro de um município como Santana de Parnaíba. Apenas para se ter uma ideia, em 2017 Santana registrou o maior crescimento do IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) no Estado de São Paulo – fantásticos 32% em relação à avaliação anterior, de 2015 -, e tem o maior índice entre os 39 municípios da região metropolitana da capital paulista. Além disso, uma auditoria realizada pelo Instituto Ayrton Senna colocou Santana como o melhor município do país no desenvolvimento de competências socioemocionais, contempladas pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e que são muito importantes para o desenvolvimento integral dos estudantes.

Entrevista do secretário Clécius ao canal de vídeos da Editora Opet.

Um fator que contribui para esses resultados é a aceitação dos professores em relação aos materiais da Editora Opet (do selo educacional Sefe). Os materiais são construídos a partir de uma abordagem focada na educação humana e cidadã. “A aceitação dos professores em relação aos materiais e às formações Opet é fantástica. Poucas vezes vi algo assim no município”, observou o secretário Clécius. Para a Editora Opet, é uma honra fazer parte dessa história!

Educação e Aproximação!

A manhã de quarta-feira foi de muita educação e de muita aproximação no estande da Editora Opet na BETT Educar 2019! A começar pela oficina ministrada pelo secretário de Educação de Sobral (CE), Herbert Lima. Ele falou sobre o sucesso da educação pública de Sobral, que alcançou o IDEB de 9,1, o maior do Brasil e um dos melhores do mundo! Sobral valoriza os professores, o currículo, as avaliações e os materiais didáticos! O município é parceiro da Editora Opet – juntos, atendemos 3.200 estudantes da Educação Infantil e do 2º ano do Ensino Fundamental.

Oficina com o secretário de Educação de Sobral, Herbert Lima.


Lucimari Hernandez, professora do Colégio Adventista de São José, participou da oficina e gostou muito. “A oficina foi de grande valia e mostrou que a aprendizagem significativa é possível em qualquer âmbito escolar, e serve de lição. Na rede privada, muitas vezes temos mais recursos e nem sempre alcançamos a nota do IDEB alcançada por Sobral. A palestra do secretário Herbert Mostrou que é possível chegar lá, sim!”

Professora Lucimari Hernandez: “A palestra do secretário Herbert mostrou que é possível, sim, chegar lá em relação ao IDEB.”
Entrevista do secretário Herbert para o canal de vídeos da Editora Opet.


O valor do material – O secretário Herbert Lima destacou a importância dos materiais da Editora Opet utilizados pelos professores e pelos estudantes de Sobral. “Os materiais da Editora Opet são de altíssima qualidade. Eles vão além, diversificam os conteúdos, contemplam todos os elementos e outras atividades. E também trazem o lúdico de uma maneira que promove o aprendizado. Estamos muito satisfeitos com os resultados desta pareceria!”.
Ainda na manhã desta quarta-feira, professores e mantenedores puderam participar da oficina com a professora Marina Rhinow, assessora pedagógica da Editora Opet. Ela falou sobre a implementação da BNCC para a Educação Infantil. À tarde, as oficinas continuam!!

Santana de Parnaíba: diálogo, experiências e informação para 2.400 professores e gestores municipais da Educação

A semana que passou foi de muito diálogo, aprendizado e troca de experiências para os professores e gestores da rede municipal de ensino de Santana de Parnaíba. Ao todo, 2.400 profissionais participaram da primeira formação pedagógica de 2019, realizada dentro da parceria com a Editora Opet. Santana é um dos principais parceiros da Editora Opet no Estado de São Paulo, e utiliza os materiais do selo Sefe – Sistema Educacional Família e Escola. A parceria abrange da Educação Infantil, a partir de três anos, até o Ensino Médio.

A gestora pedagógica da Editora Opet, professora Cliciane Élen, conta que a formação foi realizada por um grupo de 32 formadores e supervisores regionais, que conduziram o trabalho com os professores e os gestores (diretores, supervisores e equipes).

“Neste ano, também tivemos um momento muito especial, que foi uma palestra voltada especificamente aos funcionários das escolas não ligados diretamente à sala de aula”, explica Cliciane. “São pessoas que desempenham um papel importante para o bom funcionamento das escolas, e que também são educadores.”

Outro momento importante foi com os gestores, com foco para aqueles que entraram recentemente na rede municipal. “Esses coordenadores, diretores e vice-diretores estão aprendendo todos os processos da gestão. Nós, como parceiros, fazemos parte dessa orientação e dessa reflexão sobre a função.”

Cliciane se disse muito satisfeita com o que viu e ouviu nas várias salas de aula e espaços que receberam a formação. “Ouvi, de professores e gestores, que nós, da Editora Opet, somos uma parte importante da construção da educação em Santana de Parnaíba. Isso nos anima a avançar cada vez mais”, observa.

Cada vez melhor – “O material vem melhorando a cada ano e nos proporciona a ampliar o conhecimento e, com isso, aplicá-lo da melhor forma possível”, diz a professora Val Lage, do Colégio Luís Carlos Barbosa. “Juntando isso ao ambiente e às condições de trabalho, vemos porque a educação em Santana de Parnaíba vem melhorando a cada ano. Estão de parabéns.”

Confira imagens da formação!

(*) – Com informações da ASCOM/Santana de Parnaíba

Um “Raio-X” da equipe pedagógica Opet

Equipe de assessores e supervisores pedagógicos da sede da Editora Opet, em Curitiba.

Em entrevista exclusiva, a gestora pedagógica da Editora Opet detalha a estrutura e o trabalho da nossa equipe pedagógica.

Há alguns meses, Cliciane Élen – professora, pedagoga, neuropsicopedagoga e mestranda em Educação – assumiu a gerência pedagógica da Editora Opet. Colaboradora com bastante tempo de casa, ela conhece em detalhes o trabalho desenvolvido pelos assessores pedagógicos nos municípios e nas escolas privadas parceiras Opet.

Entrevista a Rodrigo Wolff Apolloni

Qual é o papel da gerência pedagógica? Qual sua relação com os materiais pedagógicos?

Cliciane – A gerência pedagógica garante que todo o atendimento pedagógico acontecerá no prazo previsto, atendendo as expectativas dos parceiros, contribuindo para a formação desses profissionais que utilizam os materiais didáticos e, em especial, trazendo novas proposições para ampliar seus repertórios. Temos um olhar atento para o uso do material na formação do professor e sempre buscamos perceber o que podemos fazer a mais. Nosso papel é garantir, também, que nossa equipe esteja atualizada, para atender as pessoas da melhor maneira. Em outras palavras: nós olhamos para o todo o tempo todo, para verificar e garantir que estamos atendendo as expectativas dos nossos parceiros das escolas públicas e privadas.

É possível dizer que, entre as missões da equipe pedagógica, está a de “dar vida” aos conteúdos didáticos cristalizados nos materiais?

Cliciane – É isso mesmo. A equipe “dá vida” a tudo o que está registrado nos livros didáticos, até porque os livros são uma parte das nossas soluções. Eles são o ponto de partida, mas não “acontecem” sozinhos.  Daí a importância da relação entre o formador e o professor, lá na ponta. A formação cumpre esse papel. Sem a formação para o uso dos materiais, o professor atinge parcialmente os objetivos propostos com os estudantes. É possível até chegar a alguns resultados, mas não naquela plenitude que é possível e desejável. Sem a formação pedagógica correspondente, o uso do material fica limitado. Mesmo quando, como no caso da Editora Opet, temos materiais de alta qualidade.

Em que momentos se divide o trabalho da equipe pedagógica?

Cliciane – A formação de implantação do material didático é um momento indispensável. Uma boa implantação é fundamental para a sequência do trabalho. Em seguida vem a formação, que tem um caráter de continuidade do trabalho. Tanto que a nomenclatura mais correta seria “formação continuada”, porque o caráter é este. Por fim, temos a assessoria, que é feita pelos supervisores regionais. Assim, aqui temos dois momentos diferentes para grupos distintos: a formação, feita pelos formadores para os professores, e a assessoria pedagógica, feita pelos supervisores regionais com as secretarias e com as equipes gestoras. Essas ações, porém, se comunicam, elas não são estanques – os supervisores também vão aos professores. Nossa assessoria pedagógica é tão personalizada, tão voltada às demandas de cada parceiro, que é quase uma consultoria. Um trabalho que envolve implantação, formações, visita técnica, palestras, acompanhamento pedagógico e, a pedido dos parceiros, avaliações e uma base de dados.

Formação de professores

Formação pedagógica de início de ano letivo realizada com os professores de Paranaguá, no Paraná (2019). A formação é um momento de aprofundamento dos professores em relação aos conteúdos e ao uso dos materiais didáticos.

Qual é a estrutura da gerência pedagógica da Editora Opet?

Cliciane – Hoje, nós temos a matriz em Curitiba e outros dois polos, um em Natal e o outro em Fortaleza, para o atendimento dos parceiros públicos e privados no Nordeste. Dentro dessa estrutura geográfica, temos a gestora pedagógica, que sou eu, supervisores regionais, (que fazem o acompanhamento pedagógico e organizam toda a logística para os atendimentos), a supervisão pedagógica (que acompanha a elaboração dos planejamentos, das avaliações e de todas as formações) e equipe de assessores especialistas por aéreas e níveis da Educação – Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio, Arte e Educação Física. E contamos ainda com uma profissional que desenvolve todo nosso material de apoio, os layouts das nossas produções.

Qual é o perfil dos profissionais do nosso pedagógico?

Cliciane – Boa pergunta! Antes de mais nada, nossos profissionais são proativos e pesquisadores. Para fazer parte da nossa equipe é preciso, em primeiro lugar, ser um profundo interessado em educação, ir atrás de novas propostas, investigar o que já se tem, trocar experiências e trazer soluções para as questões do dia a dia. Quem trabalha em escola se depara com muitas situações envolvendo professores, estudantes, gestores e familiares. E, muitas vezes, se vê sem saber o que fazer. Uma de nossas missões é estabelecer diálogo com essa pessoa e auxiliá-la. Incentivando, articulando e trazendo propostas para a superação das questões. Assim, quando a gente faz todo esse esforço, tem toda essa vontade, é por um bem maior. Isso é o que nos motiva, que faz com que sejamos educadores.

Formação Educação Física

Em Pitanga (PR), professores de Educação Física participam de uma formação pedagógica com foco nas possibilidades de trabalho em atividades físicas, esportes e jogos.

Ao longo do ano, a equipe pedagógica se reúne várias vezes para dialogar, planejar, aprender e fortalecer o trabalho. Como funciona esse processo?

Cliciane – Há poucas semanas, realizamos o primeiro desses encontros, que foi chamado de “Alinhando as Ideias”. Nós olhamos para o nosso cenário, para os nossos parceiros em todo o país, professores, gestores e estudantes. E, nas discussões, também voltamos às nossas propostas, aos princípios que norteiam o nosso trabalho. Além disso, também trouxemos um palestrante externo, que nos falou sobre a arte da “escutatória”, com base na obra do Rubem Alves. Trabalhamos o ouvir, inclusive para fortalecer nossa capacidade de atender as demandas das escolas e dos municípios parceiros. Em termos figurados, a gente está sempre regando a planta para que ela floresça sempre, independente da época do ano. Sendo primavera ou não, precisamos florescer sempre. E isso vem da equipe, o que é muito legal.

Equipe Pesagógica

A “cara” do pedagógico da Editora Opet em março de 2019.

Carmen Gabardo fala sobre diretrizes teórico-pedagógicas da Editora Opet

Ao longo dos anos, a professora Carmen Lucia Gabardo – pedagoga, mestre em Administração de Sistemas Educacionais pela PUCRS e doutora em Letras e Estudos Linguísticos pela UFPR – se destacou como pensadora e como defensora de uma educação mais cidadã, crítica e capaz de transformar a sociedade. Uma parte importante dessa trajetória foi feita em parceria conosco: primeiro, no início do século 21, com a Base Editorial, que daria origem ao Sefe; depois, com o próprio Sefe e, a partir de 2015, com a Editora Opet, que congrega os selos educacionais Sefe (para a área pública) e Opet Soluções Educacionais (para a área privada). Junto com os colaboradores dos setores pedagógico e editorial, Carmen participa ativamente da construção e da materialização dos princípios filosóficos que norteiam a assessoria pedagógica e os materiais didáticos e da Editora Opet. Uma profissional, enfim, que conhece como poucos os princípios que nos movem na educação.

Nesta entrevista exclusiva, ela falou sobre as Diretrizes Teórico-Metodológicas da Editora Opet e do trabalho de fazer com que essas regras norteiem as coleções utilizadas por professores de escolas públicas e privadas de todo o país.

 

Editora Opet – No ano passado, a gerência pedagógica da Editora se reuniu para debater e estabelecer as Diretrizes Teórico-Metodológicas que passaram a nortear o trabalho desenvolvido com os parceiros das escolas públicas e privadas. A senhora teve um papel importante nesse processo. O que são as Diretrizes? Qual seu papel?

Carmen Gabardo –  A nossa preocupação sempre foi a de desenvolver uma filosofia, a do compromisso com a educação. E, a partir do momento em que você explicita o tipo de formação que se quer, como se quer realmente atingir a população escolar e os professores, cria condições para que esse processo seja de boa qualidade. Entram aí as concepções de homem, sociedade e educação, assim como as questões da função da escola e da família – estes elementos, todos, nos conduzem a uma reflexão teórica.

Então se tem, realmente, uma política educacional que busca uma formação plena do nosso aluno para a cidadania, respeitando o que preceituam as leis maiores que regem a educação. E isso nos possibilita adequar a parte pedagógica, a tradução metodológica desses princípios, em livros para os alunos, no instrumental necessário para o desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem.

Assim, a partir dessa concepção, que nós já tínhamos – que a Editora Opet já possuía e que o Sefe já possuía -, fizemos um entrosamento, uma explicitação, que foi materializada nas Diretrizes Teórico-Metodológicas. E, a partir delas, estamos analisando todas as obras desenvolvidas pela Editora Opet.

Quais são os princípios que norteiam as Diretrizes?

Carmen – A concepção de que o aluno é sujeito da História, que ele produz cultura, de que o ser humano, a partir do momento em que se relaciona, na interação com o outro, se faz e se vê. Assim, a própria concepção linguística é a do outro, do diálogo. Para que a gente possa realmente entender e fazer entender. Ouvir o outro, entendê-lo e trabalhar com ele no desenvolvimento das suas habilidades – do instrumental de conhecimento de que o indivíduo precisa para poder interferir na sociedade, transformando-a, quiçá para num bem comum e justo.

Essa é uma concepção baseada em Vygotsky? [Lev Vygotsky, 1896-1934, psicólogo e teórico do desenvolvimento]

Carmen – Nós temos nossa perspectiva de desenvolvimento humano pautada em Vygotsky. Claro que não negamos outras contribuições de conhecimento, mas Vygotsky foi muito feliz quando falou dessa interação e dessa mediação. E, quando falamos do aspecto linguístico, estamos falando da própria concepção bakhtiniana, porque Bakhthin [Mikhail Bakhtin, 1895-1975, filósofo da linguagem] também vai por essa razão do diálogo, da enunciação, do perceber o outro. E que esse outro realmente é reflexo histórico das condições em que vive, do entorno e com a relação com o outro.

De que forma Paulo Freire entra no DNA do nosso olhar pedagógico?

Carmen – Paulo Freire fez todas as suas pesquisas demonstrando que é a partir da percepção do outro, do mundo do outro, da forma como este outro interpreta o mundo, que podemos fazer as análises, as sínteses, as trocas. Então, é a mesma percepção de um social que se quer participativo, que não tem tantas desigualdades e que permite às possam usufruir, de fato, os bens culturais.

Ou seja: as nossas fontes, os nossos referenciais teóricos, guardam uma coerência que se reflete nas Diretrizes Teórico-Metodológicas.

Carmen – Sem dúvida!

O processo de um sistema de ensino contempla a necessidade de renovar coleções existentes e de se criar coleções novas, que atendam às mudanças no mundo. Como as Diretrizes Teórico-Metodológicas  participam desse processo?

Carmen – Você tem os conceitos estruturantes de cada disciplina, de cada área do conhecimento, e tem esses princípios filosóficos, que indicam como desenvolver determinadas formas de raciocínio e determinadas formas de aprender. Por exemplo: considere um especialista do sexto ao nono ano do Ensino Fundamental, por exemplo, com conhecimento em si da disciplina. Você vai trabalhar com ele didaticamente, e essa didática é que vai se prender à Psicologia, às teorias do desenvolvimento humano, para dizer que ele precisa ter determinadas atividades que desenvolvam as formas de pensar, que estabeleçam certas relações de compreensão crítica, a própria percepção de que esse conhecimento foi construído na História pelos próprios homens e que ele está se refazendo a cada momento. Que a ciência, apesar de estar falando “cientificamente”, também passa por modificações ao longo do tempo. Então, reunimos esses elementos. Por quê? Acreditamos que o indivíduo, quando se apropria do conhecimento, consegue interpretá-lo, perceber as diferentes visões de mundo e atuar em função do bem comum.

Como se coloca uma proposta de viés humanista quanto essa em coleções que são levadas ao mercado?

Carmen – Independente de se trabalhar para escolas públicas ou privadas, o educador, que se diz e se sabe educador, tem um compromisso com o desenvolvimento humano. Então, independente do lugar de onde se vem, quando você produz um livro, este livro deve contribuir para o desenvolvimento do aluno para o bem, seja ele da escola pública ou privada. Consequentemente, o trato que se tem é absolutamente o mesmo. Os profissionais que atuam tanto na escola pública quanto na escola privada (e muitos deles ocupam as duas posições) têm um compromisso com a ciência e com a educação. Eles vão utilizar instrumentos, sejam eles produzidos por uma empresa ou não, da melhor forma. No caso de uma obra que já existia e que está sendo atualizada, como é feito o trabalho de reestruturação? Fazendo-se a análise dela em função, até, das normas educacionais que estão sendo discutidas agora, que é o caso da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelecem tantos conteúdos e tantas metodologias, tantas competências e tantas habilidades. Então, você pega uma obra e a analisa esta obra em função dos princípios filosóficos, psicológicos, pedagógicos, e daí a complementa. Porque o conteúdo está aí, mesmo com a possibilidade de alterações e mudanças que são naturais.

Como você avalia as nossas coleções hoje. E para onde caminhamos?

Carmen – As percepções são feitas partindo do que os usuários dizem, do que apontam. Então, você tem proposições de quem usa, da base. E, como tem percepções dessa base, o que é o fundamental – até mesmo porque, se oferecer a obra e não oferecer o assessoramento, a discussão e o diálogo, estará pecando –, quando você tem esse vínculo, vai vendo que as nossas obras têm tudo para chegar lá. Porque elas provocam. E o profissional arejado, crítico, consegue pegar essas obras, esses elementos, e transformá-los naquilo que é necessário. As obras, enfim, são instrumentos. As obras são vivas porque são utilizadas, e a mediação é feita pelo professor.

Formação de professores em Juazeiro do Norte movimenta mais de 300 pessoas.

A formação de professores promovida pela equipe da área pedagógica da Editora Opet movimentou a cidade de Juazeiro do Norte. Foram mais de 200 professores e diversos gestores educacionais que presenciaram um novo modelo de educação.