A importância da formação continuada

Educar é preparar as pessoas para a vida em sociedade. Para a convivência, a colaboração, os desafios, a sustentabilidade e, é claro, as transformações que acontecem sem parar. Se quem está em sociedade precisa “correr” o tempo todo, quem ensina precisa correr mais ainda! E isso porque os professores têm uma grande responsabilidade. Mas, como preparar quem prepara outras pessoas? Apoiando suas iniciativas e, é claro, investindo em formação continuada.

Um bom exemplo de como as transformações sociais impactam a educação e exigem atualização constante do professor é o cenário atual. Desde o início da pandemia, toda a estrutura de aulas precisou ser modificada. Rapidamente, o ensino passou a ser aplicado no modelo on-line ou híbrido. Isso exigiu novos conhecimentos, metodologias e ferramentas.

 

Evolução tecnológica e neurociências mudam os rumos da educação 

Outro exemplo de transformação social que altera a forma de ensinar é a evolução tecnológica, que se acelerou nas últimas décadas, em especial com a popularização dos computadores e da internet. Ela é responsável por levar para a escola recursos digitais que modificam a estrutura das aulas e possibilitam maior inclusão e um aprofundamento dos conteúdos e possibilidades didático-pedagógicas.

Além disso, os avanços das neurociências também contribuem para modificar a forma de ensinar. Esse é um campo de estudo que visa compreender o modo como o cérebro aprende: a cada descoberta, novas práticas de ensino são incorporadas na educação a fim de garantir uma aprendizagem mais significativa aos educandos.

 

Como as tecnologias e as neurociências se relacionam e impactam a educação

Para deixar mais claro como todos esses elementos – tecnológicos e neurocientíficos – influenciam a educação e exigem do professor um aprimoramento constante, podemos citar alguns novos estilos de ensino baseados em tais descobertas. Os principais modos de ensino recentes são a chamada “cultura maker”, a “educação STEM” e a educação baseada em projetos ou em problemas. Mas existem vários outros que se encaixam nesse cenário de novidades educacionais.

Todos eles têm como ponto de partida o conceito de aprender fazendo. Isso porque, cada vez mais, os estudos neurocientíficos têm demonstrado que praticar algo é uma das formas mais poderosas de aprender um conteúdo novo. Outro ponto que os novos modelos de ensino possuem em comum é o uso de tecnologias no processo de desenvolvimento das atividades.

A aprendizagem STEM, por exemplo, propõe um ensino baseado nas áreas de Ciências, Tecnologias, Engenharia e Matemática (STEM é a sigla formada pelos nomes destas disciplinas em inglês). E isso não só porque essas áreas são mais exigidas no mercado de trabalho atual, mas porque elas se relacionam ao desenvolvimento da cognição – uma verdadeira “musculação cerebral”!

Esse método pode ser aplicado sozinho, mas também pode ser associado aos demais citados anteriormente. Uma das formas de fazer isso é associá-lo à educação baseada em problemas, em que todo o desenvolvimento do trabalho escolar parte de um problema específico que deve ser analisado por meio de hipóteses e observações e resolvido a partir de ferramentas educacionais tecnológicas.

Tantas novidades, é claro, pedem uma escola preparada. E, quando falamos em escola, estamos falando de infraestrutura, gestores e PROFESSORES.

 

O conteúdo da formação continuada deve ser associado a conhecimentos clássicos da educação 

Todos esses novos métodos dialogam e podem ser adaptados ao que o professor foi aprendeu na graduação, como os métodos dos principais teóricos educacionais e os aspectos da psicologia e sociologia do ensino. O fato é: o que se aprende na faculdade é fundamental, mas deve ser conectado e fortalecido por outros conhecimentos, saberes e fazeres, especialmente os relacionados às mudanças tecnológicas mais recentes. Isso atualiza e mantém os conhecimentos. A formação continuada garante ao professor maior conhecimento sobre recursos personalizados e inclusivos.

Além dos métodos e práticas de ensino, a tecnologia também possibilita o uso e até a criação de instrumentos de ensino, como trilhas de aprendizagem e sequências didáticas que facilitam o acesso dos estudantes aos conteúdos e avaliações.

Também contribuem para a elaboração de recursos de tecnologias assistivas, instrumentos que permitem a inclusão de crianças com deficiências ou transtornos de aprendizagem. Esses recursos garantem, por exemplo, a criação de funções personalizadas aos estudantes que utilizam a língua de sinais ou precisam de softwares de voz.

 

As tecnologias digitais facilitam a formação continuada dos educadores 

Os profissionais da educação devem estar atentos às possibilidades que os recursos digitais podem oferecer. Mas, com o dia a dia corrido, cheio de obrigações e responsabilidades, fica complicado encontrar um tempo para manter a rotina contínua de estudos. Um dos pontos positivos das novas tecnologias digitais é que elas facilitam não apenas a educação dos estudantes, mas também a formação continuada dos educadores.

Além disso, sistemas de ensino bem-estruturados e participativos, como é o caso dos oferecidos pela Editora Opet, também oferecem possibilidades para a formação continuada dos docentes. Esse, aliás, é um diferencial Opet: a excelência no trabalho pedagógico.

 

Professores podem se capacitar mesmo a distância 

Afinal, além das capacitações presenciais, existe a possibilidade de os educadores continuarem seus estudos na educação a distância (EAD) – outra facilidade disponibilizada pela Editora Opet aos seus parceiros.  Além disso, os gestores escolares podem implementar, nas escolas, diversas ferramentas e técnicas que aumentam as possibilidades de capacitação dos profissionais da educação.

 

Onde encontrar formas de manter os conhecimentos pedagógicos atualizados? 

Na Opet INspira, uma plataforma educacional da Editora Opet, há diversos recursos, materiais didáticos e objetos de aprendizagem que podem ser incorporados ao dia a dia da escola. Todos eles estão alinhados com as necessidades educacionais da atualidade. Para utilizá-los, basta acessar os documentos e tutoriais disponíveis na plataforma – eles são amigáveis e garantem um acesso rápido e seguro aos recursos. Para quem já é conveniado, basta acessar usando seu login e senha – os mesmos usados para acessar os recursos Google Workspace for Education. Se você não é conveniado, entre em contato conosco e peça para conhecer!

Fortaleza: formações digitais coroam o sucesso da parceria com a Editora Opet

A Editora Opet e a rede municipal de ensino de Fortaleza são parceiras desde 2013. Naquela época, a capital do Ceará iniciava um movimento que a colocaria entre os ambientes de maior transformação da educação pública em todo o país. Apenas para se ter uma ideia, entre 2012 e 2018 o município saltou 81 posições no ranking cearense de alfabetização; e, entre 2011 e 2019, cresceu 48% no Ideb, que passou de 4,2 para 6,2 na 4ª série/5º ano e de 3,5 para 5,2 na 8ª série/9º ano.

Em relação à alfabetização na idade certa, o crescimento também foi exponencial: se, em 2012, pouco mais de 50% das crianças conseguiam ler e escrever até os sete anos, em 2019 esse percentual saltou para 94,4%, segundo dados do Sistema de Avaliação da Educação Básica, o Saeb. Um dos melhores índices do Brasil.

Qualidade online – Desde o início do ano passado, Fortaleza e a Editora Opet trabalham juntas para garantir, também, a qualidade das aulas e da educação online. A Editora oferece os materiais didáticos (a Coleção “Caminhos e Vivências”) e as ferramentas digitais (a plataforma educacional Opet INspira e o Google Workspace for Education) para os professores e os alunos do 2º ano do Ensino Fundamental – uma etapa crítica quando o assunto é alfabetização. Além disso, a Editora também fornece os materiais didáticos para a Educação Infantil 04 e 05.

Um trabalho que abrange, também, um elemento estratégico: as formações pedagógicas dentro dos novos ambientes da educação. No último dia 20 de maio, por exemplo, mais de 500 professores do 2º ano do Ensino Fundamental da rede municipal de ensino, divididos em 12 turmas nos períodos da manhã e da tarde, participaram de uma formação online (com uso da ferramenta Google Meet) com um time de oito assessores pedagógicos da Editora.

“Falamos com os professores sobre as habilidades prioritárias para a alfabetização dos estudantes do 2º ano, tendo como suporte teórico o Documento de Referência Curricular do Ceará (DRCC), a plataforma educacional Opet INspira e a Coleção Caminhos e Vivências”, explica o supervisor regional da Editora para o Ceará, Francisco Glaylson Rodrigues. Um trabalho cuidadoso e personalizado, voltado às demandas específicas do Estado do Ceará e da rede municipal de ensino de Fortaleza.

Entusiasmo – Os professores, familiarizados há muito tempo com os materiais e a proposta pedagógica da Editora Opet, participaram com entusiasmo do encontro em formato remoto. “Nós percebemos, em todas as turmas, um alto grau de engajamento e trocas durante a formação”, avalia Glaylson.

Ele observa que, desde o ano passado, já foram feitas várias formações online, sempre com um grande envolvimento das pessoas. “Além disso, ao longo de todo o ano nossos formadores realizam visitas técnicas online às escolas. Um trabalho que é personalizado e muito cuidadoso.” Nessas visitas, além do acompanhamento das atividades, são trabalhadas sequências didáticas e instruções para o uso das ferramentas digitais – e isto porque, tanto no caso da plataforma educacional Opet INspira quando do Google Workspace for Education, as novidades são permanentes.

A gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto, destaca os esforços dos gestores e dos professores de Fortaleza em buscar uma educação de excelência – algo que vem destacando não só a capital, mas todo o Estado do Ceará em um contexto nacional. “Em Fortaleza, há vários anos nós vemos um compromisso real com as mudanças, com resultados concretos. Os ganhos na alfabetização, por exemplo, são notáveis. É muito bom participar desse esforço, que é transformador.”

Facilidades Opet INspira: agora, todas as ferramentas do Google Workspace for Education estão na tela!

A Plataforma Educacional Opet INspira acaba de dar mais um passo em seu processo de integração com as ferramentas Google Workspace for Education. Agora, os usuários Opet INspira podem acessar todas as ferramentas do Google diretamente por meio de menus na própria plataforma – fácil, rápido e descomplicado.

Os professores, por exemplo, têm acesso às ferramentas que mais utilizam no dia-a-dia (sala de aula, Drive, calendário, Gmail, apresentações e Meet) em um menu individual na tela principal da plataforma – é o chamado “Menu Geral”. “Nesse menu, que aparece na primeira linha da tela de opções, o docente vai encontrar todas as ferramentas de comunicação e compartilhamento do Google. Isso dinamiza o uso da tecnologia”, explica Luciano Rocha, coordenador de Tecnologias Educacionais da Editora Opet e do trabalho na plataforma. “Se ele quiser, pode, por exemplo, realizar a alteração da senha da sua conta Google sem sair da plataforma.”

Além desse menu, há outro, disponível a todos os perfis de usuário (professor, estudante, gestor) – é o “Menu de Etapas”. Ele fica localizado no alto, na barra de acesso aos conteúdos por nível de ensino. “Aqui, dispusemos as ferramentas do Google Workspace for Education de uma forma diferente, segundo a finalidade: colaboração, comunicação, organização e de gestão. Nele, os usuários vão encontrar vinte e uma ferramentas, do Classroom ao Youtube, passando pelo Gmail e por outros recursos. É clicar e acessar”, conta Luciano.

Amigável, útil, necessária – Upgrades como esse, planejados e programados cuidadosamente, são essenciais para que a plataforma Opet INspira se torne cada vez mais amigável, útil e necessária. Uma ação que, como explica Luciano, faz parte de um plano de convergência tecnológica. “Na verdade, nós não vemos a INspira e o Google como duas plataformas educacionais, mas como plataformas que oferecem serviços diferentes e complementares. A Inspira fornece conteúdos de alta qualidade, integrados aos nossos materiais didáticos, e a Google fornece ferramentas de colaboração e comunicação. Ao agregá-las, reunimos o melhor dos dois mundos em uma plataforma educacional muito poderosa.”

Sobre a posição da plataforma Opet INspira no cenário educacional brasileiro, Luciano – que acompanha de perto o que acontece no mundo em relação a tecnologias digitais – observa que ela já está entre as principais. “Temos cerca de um ano e meio de uso efetivo. Nesse período tão curto de tempo, conseguimos construir uma plataforma robusta. Temos muito a caminhar, até mesmo porque as atualizações e o acréscimo de conteúdos são permanentes”, avalia. “Mas, estamos caminhando para nos tornar a maior e a melhor plataforma educacional do mercado brasileiro. Com a parceria com o Google, o potencial de desenvolvimento é muito maior.”

E você, já experimentou os novos menus do Google Workspace for Education na plataforma educacional Opet INspira? Acesse agora e experimente ou entre em contato conosco para conhecer!

Live da Editora Opet reúne 12 mil professores em Maringá (PR)

Nesta semana, na segunda-feira (26), a Editora Opet promoveu uma live para os professores da rede municipal de ensino de Maringá, um dos principais municípios paranaenses. O encontro, que teve como tema “Por uma Educação Inovadora” – com foco nas metodologias ativas e nos modelos híbridos no processo de ensino-aprendizagem – envolveu nada menos do que 12 mil participantes, nas duas sessões realizadas ao longo do dia. O trabalho foi coordenado pela supervisora pedagógica da Editora, Rúbia Cristina.

“É uma grande responsabilidade falar para tantas pessoas. Mais do que isso, é uma responsabilidade porque o que trazemos fica gravado e vai influenciar o trabalho desses professores. É por isso que nos esforçamos para oferecer o nosso melhor, seja no cenário presencial, seja no remoto”, observa Rúbia. A live foi aberta aos professores, ou seja, a participação era voluntária – e, mesmo assim, foi muito expressiva, envolvendo outros docentes além dos abrangidos na parceria com a Editora, da Educação Infantil 02 a 05.

“Em nossas parcerias, nos preocupamos muito com a formação continuada, com o acolhimento, o diálogo e a conversa, e estamos conseguindo fazer isso a distância com muito sucesso.” Rúbia destaca o engajamento dos professores, que trouxeram relatos e expressaram dúvidas e opiniões por meio do chat. Eles falaram sobre suas experiências com as metodologias ativas, os modelos híbridos e as coleções e recursos utilizados nas aulas da Educação Infantil.

Ao longo da live, Rúbia abordou vários aspectos da temática, como por exemplo o significado de educação inovadora. “Educação inovadora não é ‘fazer tudo de novo’, reinventar a roda”, observa. “É ressignificar metodologias e recursos que já conhecemos, incorporando elementos novos, para garantir uma educação de qualidade.”

Educação para todos no DIA DA EDUCAÇÃO

Educar é, por princípio, transmitir os conhecimentos acumulados pela humanidade ao longo da história. Esse “transmitir”, porém, vai muito além de uma simples entrega. A verdadeira educação abrange vários elementos, como o cultivo da empatia, do espírito crítico, do olhar complexo para o mundo e da capacidade de se surpreender. Educar é ensinar protagonismo e valores. É estimular a curiosidade, a descoberta e a ação.

A educação, enfim, é a base da sociedade. A partir dela é que se forma cidadãos socialmente ativos, capazes de analisar, compreender e intervir no meio em que vivem.

Educação dentro e fora da escola

O termo educação é constantemente associado ao espaço escolar. De fato, educar passa pelos limites físicos da instituição. Porém, também se estende para além deles. A família, por exemplo, possui um papel crucial na educação das crianças e dos adolescentes. Junto com a escola, ela contribui diretamente para o desenvolvimento adequado dos estudantes. Essa é uma parceria incrivelmente importante, que a Editora Opet faz questão de estimular em seu trabalho com municípios e escolas.

Todos devem compreender o papel da educação na sociedade

A importância do papel da educação deve ser clara para toda a sociedade e não apenas para quem trabalha diretamente com ela. Ao perceber e valorizar a educação, as pessoas aprendem a lutar por ela, a promovê-la, a cobrar qualidade e investimentos públicos.

A partir da educação, a ciência evolui, mas evoluem também os valores de cada pessoa. É possível, a partir do ensino, promover liberdade, autonomia e inclusão.

A educação também é um caminho para o desenvolvimento econômico e social, na medida em que agrega valor ao trabalho e ao que é produzido.

Porém, para que a sociedade olhe para a educação e entenda sua importância – e para que atue de modo a garantir educação de qualidade para todos –, é importante conscientizá-la. Por isso foi criado o Dia da Educação.

Dia da Educação

O Dia da Educação foi criado no ano 2000, após o Fórum Mundial de Educação realizado em Dakar, Senegal. Na ocasião, 164 países – entre eles, o Brasil – se comprometeram em levar a educação básica e secundária a todas as crianças e jovens do mundo. A data é comemorada no dia 28 de abril e tem como objetivo mostrar às pessoas a importância de se valorizar a educação como caminho para um mundo melhor.

Como conscientizar a sociedade sobre o ato de educar

Para promover essa reflexão, as instituições de ensino podem organizar atividades e ações que mostrem à comunidade como os valores educacionais colaboram para a formação da criança e do adolescente e, consequentemente, de um país melhor. O Dia da Educação também busca mostrar que as ações educativas não devem estar restritas ao ensino formal, podendo – e devendo – ser praticadas nos espaços familiares e sociais. A educação é formada por muitos saberes!

Educação e transformações sociais

Nessa data podemos refletir, ainda, sobre as mudanças educacionais dos últimos anos. Desde os anos 2000, quando ela foi estabelecida, houve uma grande transformação na educação escolar, baseada sobretudo nas novas mídias e na difusão cada vez maior da internet e de seus recursos.

Benefícios da tecnologia para a educação

Os meios digitais trouxeram inúmeras possibilidades para o trabalho dos professores. Apenas em relação aos conteúdos, por exemplo, houve um avanço extraordinário, com a chegada de livros digitais, animações, trilhas de aprendizagem, arquivos sonoros, podcasts, jogos e simuladores. Eles fortalecem o engajamento e o protagonismo do estudante.

Esses recursos estimulam a criatividade, a imaginação e a vontade de aprender. Esse cenário contribui ainda mais para o ato de educar, uma vez que trabalhar boas emoções no processo de aprendizagem garante maior retenção do conteúdo.

Educar é encontrar formas de incluir e respeitar a individualidade

Sendo a educação um instrumento para formação do indivíduo, ela deve estar diretamente ligada à inclusão. É preciso incluir de modo que, independentemente de qualquer transtorno ou deficiência, a criança encontre um jeito próprio de superar seus obstáculos e participar ativamente da vida em sociedade. Isso traduz perfeitamente o significado de educar.

Nesse contexto, os recursos digitais educacionais também colaboram de forma significativa, pois permitem a elaboração de conteúdos totalmente adaptados às necessidades específicas de cada educando.

A Editora Opet e o momento da educação

Há décadas, a Editora Opet trabalha para oferecer materiais didáticos, formações pedagógicas, acompanhamento técnico e avaliações da mais alta qualidade. No campo das tecnologias educacionais, vem avançando muito rápido para oferecer os melhores recursos. Sua plataforma educacional, a Opet INspira, já é uma das melhores do Brasil. Ela se conecta aos nossos materiais didáticos e à nossa proposta de trabalho, oferecendo conteúdos educacionais exclusivos e ferramentas que potencializam a educação remota, híbrida e presencial.

Além disso, está conectada aos recursos Google Workspace for Education. A Editora Opet é, hoje, uma das principais parceiras do Google no Brasil no segmento educacional! Seus recursos abrangem desde as coleções didáticas até simuladores e jogos educativos, passando por trilhas educativas, quizzes e mecanismos de busca inteligente. Você precisa conhecer!

Educação para todos no dia 28 de abril

Os recursos Opet INspira também permitem um alto grau de inclusão. Há, por exemplo, funções personalizadas para estudantes que utilizam a língua de sinais ou precisam de áudio. Dentre os recursos, podemos citar ainda teclas de navegação, leitor de página, tamanho de texto e do cursor, espaçamento de texto e contraste.

A plataforma educacional Opet INspira foi pensada para uma educação atual, significativa e que respeita a individualidade, reforçando assim, nosso compromisso com os princípios de educar. Nós somos a Editora Opet!

CHA: Conhecimento, Habilidade e Atitude na gestão educacional

“Parabéns, você é muito competente!” – Quem não gostaria de ouvir um elogio como esse? E ele só é tão bom de ouvir porque a ideia de competência é central nas nossas vidas. Nós queremos ser competentes e, principalmente, nós precisamos ser competentes porque isso ajuda muito.

Mas, o que é competência? Fácil: uma competência é um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes que alguém deve ter para atuar em alguma coisa. Para se comunicar, por exemplo, ou para desempenhar uma função profissional com sucesso. Competência é algo aprendido e, assim, faz parte da cultura.

Só que competência não vem sozinha! Para viver, é preciso adquirir uma série delas – e isso é assim porque, em nosso dia a dia, assumimos lugares diferentes em diferentes contextos. No trabalho, na faculdade, na cozinha e até nos momentos de lazer! E a necessidade de tê-las também é dinâmica: ao longo da vida, são muitas as situações que pedem novas competências, que vão sendo adquiridas e acumuladas. E isso é bom! Elas são essenciais para tomada de boas decisões e enfrentamentos dos diversos desafios encontrados ao longo da rotina de uma organização.

O famoso “CHA” – Esse conjunto de características, em especial no campo profissional, é chamado, no universo da Administração, de CHA – a soma de Conhecimentos, Habilidade e Atitudes. E ele é adaptável a qualquer tipo de negócio e área de atuação.

Segundo essa perspectiva, quem quer ter sucesso profissional precisa, necessariamente, “firmar-se bem” em cada um dos pontos do tripé.

Na Editora Opet, nós trabalhamos com educação. Assim, vamos transportar o conceito para dentro das escolas. Os gestores escolares podem se beneficiar bastante do CHA. Com base nas ideias de Conhecimentos, Habilidade e Atitudes, é possível estabelecer critérios para contratação, escolhas de treinamento interno e até formas de gerenciamento. O CHA é uma forma de potencializar as competências dos educadores e exercer uma liderança mais eficaz!

“receita” do CHA

Antes de entender como as competências podem guiar as decisões tomadas em uma escola e quais são essenciais para os profissionais que atuam nela, é preciso entender o que significa cada um dos elementos do CHA. Vamos conhecê-los:

Conhecimento (C)

Conhecimento tem a ver com o repertório pessoal de cada profissional. É aquela soma de conteúdos aprendida durante o processo de educação formal, em cursos, leituras, palestras e outros meios de aquisição de conteúdos. No caso dos educadores, o conhecimento específico para o desempenho profissional pode ser entendido como toda a teoria relacionada à didática, compreensão dos métodos de ensino e novas tecnologias, como os indivíduos aprendem e os benefícios da ludicidade na educação infantil.

Habilidades (H)

No contexto das competências, somar teoria e prática é algo essencial.

Uma competência só se desenvolve, afinal, se os conhecimentos correspondentes aprendidos forem colocados em prática. A essa capacidade de praticar damos o nome de habilidade.

Os conceitos vistos na faculdade e na educação continuada devem servir para que o professor, por meio de ferramentas educacionais, consiga levar o estudante ao desenvolvimento de suas próprias competências.

Aqui, por exemplo, o educador deve associar informações sobre como o cérebro aprende as metodologias de ensino e aplicar o conteúdo da aula através de ferramentas de que dispõe. Isso é a habilidade, a capacidade de usar o que foi internalizado durante anos de estudo em prol de algo, nesse caso o aprendizado das crianças.

Atitude (A)

Atitude é agir. Ela tem relação com a disposição, a intenção e a vontade que o professor tem de aprender, característica que influencia o indivíduo a adotar determinado comportamento frente às novidades e em relação aos demais profissionais e situações pertinentes à função.

Essa competência, apesar de ser comportamental e, portanto, depender quase que exclusivamente da própria pessoa, pode ser estimulada. Os meios certos, inclusive em relação ao apoio das pessoas, podem “desatar nós” e “libertar” as atitudes. Escolas que oferecem uma estrutura de qualidade, recursos tecnológicos, bons materiais didáticos e um bom nível de diálogo e sinergia têm mais facilidade em manter seus professores motivados e “cheios de atitude”.

Relação entre boa liderança e desempenho dos educadores

Tanto os conhecimentos quanto as habilidades podem ser desenvolvidos ao longo da carreira. Claro que o educador já tem um pouco de cada quando inicia sua vida profissional – afinal, as graduações, cursos e estágios servem para fornecer esta base.

No entanto, especialmente com o avanço tecnológico permanente, torna-se necessário adquirir novos conhecimentos e habilidades. Existem diversos fatores que contribuem para a formação contínua de um profissional da educação. Dentre eles, o comprometimento da liderança escolar em oferecer treinamento, formações e recursos pedagógicos eficientes para a realização das aulas. Algo que funciona bem se vier acompanhado, da parte do professor, de uma atitude de assumir esses novos conhecimentos.

Liderança, gestão por competências e os papéis dos gestores escolares

Uma excelente maneira de gerenciar uma escola, considerando as competências dos educadores, é usar o modelo “gestão por competências”. Nele, o gerenciamento de pessoas deve ser focado em entender os pontos fortes e pontos a serem desenvolvidos no profissional.

A liderança deve realizar um mapeamento das competências necessárias para atuar na escola, aplicar avaliações de desempenho e comparar o perfil da instituição com o perfil dos colaboradores.

A partir disso, os gestores elaboram relatórios e planos para o aprimoramento das competências de cada educador, a fim de melhorar a qualidade de ensino na instituição. Essa é uma das melhores formas de entender quais treinamentos e formações são os mais indicados e quais aprimoramentos tecnológicos devem ser feitos nos ambientes da escola.

Como mensurar as competências dos educadores

Ao optar pela gestão por competências, os gestores conseguem mensurar com mais clareza onde o profissional está e onde ele precisa chegar. Por exemplo: um educador pode ser avaliado com nota 10 no quesito conhecimento, mas obter 6 em habilidades devido à pouca experiência ou à falta de conhecimento dos métodos específicos da instituição. Diante disso, o líder terá um gap – do inglês, “lacuna” – e o educador precisará evoluir quatro “pontos” para oferecer a educação esperada na organização em que atua.

Sendo assim, com base nas dificuldades e necessidades reais do corpo docente, é preciso elaborar formas de desenvolver as competências profissionais.

Gestão pedagógica e gestão escolar: o papel de cada gestor no desenvolvimento dos educadores 

Antes de entender como cada gestor pode contribuir para diminuir o “gap” entre as necessidades e os valores da instituição e o que cada educador entregar, é preciso saber o papel de cada profissional. Somente com uma liderança escolar competente – organizada, adequada e ciente de suas funções – é possível obter os melhores dos colaboradores.

O gestor pedagógico e a parceria com os professores

As atividades do gestor pedagógico têm relação com as escolhas de ações, métodos e práticas de ensino e aprendizado, assim como dos recursos digitais e estilos de educação.

É esse profissional que pensa e estabelece formas e ferramentas para fomentar a educação da maneira mais adequada, atual, assertiva e atraente para os estudantes.

Esse gestor também lida com a equipe escolar, orientando e implementando melhorias ou alterações no currículo conforme a necessidade das turmas e dos professores.

Gestor escolar e a busca por melhores treinamentos e recursos pedagógicos

Já o gestor escolar lida com questões mais administrativas, como o suprimento de suprimentos básicos, softwares, materiais didáticos e demais ferramentas educacionais.

Ele deve estar sempre a par das atividades escolares para gerenciar com eficiência todos os setores da instituição e garantir a melhor experiência de ensino.

Também é de competência do gestor escolar o controle financeiro, a gestão de estoque, o monitoramento do desempenho dos estudantes, a gestão de contratos, o controle de matrículas. E ele ainda funciona como elo de comunicação entre equipe, discentes, pais e responsáveis.

Como gestores educacional e pedagógico atuam juntos

Como se pode perceber, o gestor escolar deve estar a par de tudo o que acontece no âmbito escolar. Mas ele deve ter em mente que, apesar de também precisar entender das questões pedagógicas, seu trabalho deve estar mais direcionado para o aspecto administrativo.

Sendo assim, o gestor escolar precisa saber delegar algumas funções gerenciais, porém com forte apelo pedagógico, para o gestor educacional, cujo trabalho consiste em manter maior contato com os professores.

Isso permite que o gestor pedagógico avalie e averigue se o educador está desempenhando suas funções adequadamente. Algo que deve ser repassado ao gestor escolar para que este execute as ações necessárias para suprir os déficits encontrados pelo gestor pedagógico.

Onde encontrar recursos e materiais para potencializar as competências dos professores

Uma das melhores formas de trabalhar as competências dos educadores é oferecendo possibilidades de capacitação e excelentes recursos para o trabalho em sala de aula. Na Opet INspira, plataforma educacional de recursos digitais desenvolvida pela Editora Opet, é possível encontrar todo o conteúdo necessário para esse processo.

Há, por exemplo, um acervo gigantesco de objetos de aprendizagem, materiais didáticos, ferramentas de apoio e objetos educacionais digitais – vídeos, imagens, áudios, apresentações e quizzes – que ajudam o educador a colocar todo o seu conhecimento em prática.

Sem contar que os conteúdos da Opet INspira auxiliam os professores na elaboração de avaliações, sequências didáticas e trilhas de aprendizagem, que são formas eficazes de transmitir o conhecimento aos estudantes.

Além das ferramentas para que o professor possa aplicar seus conhecimentos e, assim, demonstrar suas habilidades, a plataforma também dispõe de materiais de apoio para que ele aprenda a utilizar aqueles recursos que ainda não conhece.

Sem contar que há diversas opções de tecnologias assistivas para a promoção de uma educação inclusiva, como teclas de navegação, leitor de página, tamanho do texto e do cursor, espaçamento de texto, contraste, entre outros. Mais uma forma de otimizar o ensino em sala de aula.

Ao utilizar os instrumentos disponibilizados pela plataforma educacional Opet INspira, o professor terá seus resultados potencializados durante as aulas, uma vez que, não apenas ele, mas também os estudantes se sentirão mais motivados. Cenário que estimulará uma atitude mais positiva da parte de todos e, consequentemente, a aquisição de novos conhecimentos e habilidades.

Professores que possuem as características do CHA estão mais aptos a guiar os estudantes por um caminho em que eles também consigam desenvolver suas próprias competências! E nós podemos auxiliá-los neste processo

Plataforma Educacional Opet INspira fica mais inovadora, intuitiva e interativa

Mudanças melhoram o layout, a navegação e o sistema de busca

Há mais de um ano, a Plataforma Educacional Opet INspira passou a fazer parte da vida de milhares de estudantes, professores e famílias de todo o país. Ela é uma poderosa ferramenta educacional criada pela Editora Opet para seus parceiros nas áreas pública e privada, e traz recursos preciosos para o desenvolvimento das aulas remotas. São vídeos, áudios, simuladores, jogos educacionais, quizzes, trilhas de aprendizagem, coleções digitalizadas, provas, documentos oficiais da educação e muito mais!

O trabalho da equipe que desenvolve a Plataforma Educacional Opet INspira não para. E isso porque eles estão trabalhando sempre para torná-la cada vez mais amigável, mais próxima dos usuários.

“A ideia é fazer com que a plataforma seja a mais utilizável possível, direta, descomplicada e muito presente na vida dos estudantes e dos professores”, conta Luciano Rocha, coordenador de Tecnologias Educacionais da Editora e do trabalho com a ferramenta.

Novidades em um clique – E esse trabalho vem dando bons frutos! Hoje,  12 de abril, os usuários que acessam a plataforma estão encontrando algumas diferenças bem interessantes. A primeira delas é no layout da tela, que foi reorganizado. “A plataforma ficou mais bonita, mais harmoniosa. Nossa preocupação, porém, não foi apenas estética”, explica Luciano.

“Tivemos muito cuidado com a usabilidade da interface. Isso porque, com o reposicionamento e o  redimensionamento de alguns dos elementos e espaços, procuramos melhorar a experiência do usuário, tornando os recursos mais acessíveis e a navegação intuitiva.”

Agora, a página de abertura da plataforma conta com banners interativos que apresentam recursos importantes por perfil de usuário e oferecem links diretos. “Basta que o estudante ou docente clique no banner para que a plataforma o redirecione ao recurso apresentado”, explica Luciano.

Pesquisa facilitada – Já o menu de etapas facilita aos docentes e aos estudantes encontrar conteúdos específicos do nível de ensino. “Ao acessar esse menu, filtros são acionados automaticamente, apresentando ao usuário apenas os conteúdos criados para a etapa escolhida”.

Outra novidade é a “busca inteligente”, que mostra os conteúdos e assuntos pesquisados classificados por tipo de objeto. “Se o usuário digitar as palavras ‘futebol’ ou ‘hidrogênio’, por exemplo, terá como retorno de busca todos os elementos relacionados a elas”, explica Luciano.

Mais novidades – Em breve, outras novidades virão – e em escala macro. “Estamos trabalhando muito no desenvolvimento de um módulo de publicação de livros digitais interativos, que vão expandir enormemente a experiência dos nossos usuários com as coleções. Os livros vão dialogar muito mais com os usuários, oferecer conteúdos extras e conexões com outros conhecimentos, e isto com poucos cliques”, conta Luciano.

Além disso, serão lançados dois aplicativos para dispositivos móveis que, disponibilizarão os conteúdos de áudio, jogos, simuladores e ferramentas educacionais em 3D da plataforma Opet INspira para acesso e armazenamento, inclusive off-line, em celulares e tablets.

“A esteira de desenvolvimento desses recursos já está bem adiantada”, antecipa Luciano. “Pretendemos apresentar em breve essas novas ferramentas e proporcionar uma experiência ainda mais inspiradora aos nossos docentes e estudantes.”

Clique no vídeo abaixo e conheça todas as novidades deste novo momento da Plataforma Educacional Opet INspira!

Professoras de Cotia premiadas no “Ação Destaque” vencem mais um prêmio nacional da área de Educação

As professoras Adriane (E) e Ana Paula (D) com o secretário municipal de Educação Luciano Corrêa.

Ao longo dos anos, os professores da rede municipal de Cotia, município que é um dos mais importantes parceiros da Editora Opet no Estado de São Paulo, vêm ganhando reconhecimento pelo desenvolvimento de projetos relacionados à educação. Eles têm excelente desempenho, por exemplo, em prêmios como o “Ação Destaque”, realizado anualmente pela Editora, e em outros concursos nacionais que valorizam e promovem boas ideias e práticas educacionais.

Recentemente, esse compromisso com uma educação cidadã pautada em projetos foi confirmado mais uma vez: as professoras Adriane Passos Almeida e Ana Paula Nogueira Moreira Borella, vencedoras da última edição do “Ação Destaque”, no final do ano passado, também foram agraciadas no “Prêmio Educação Infantil: Boas Práticas de Professores Durante a Pandemia”, promovido pela Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal em parceria com a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME) e o Itaú Social.

O resultado foi divulgado no site dos organizadores no dia 31 de março. No total, mais de 700 práticas de todo Brasil foram inscritas e 100 iniciativas foram premiadas.

Projetos – O projeto da professora Adriane Passos foi “Escola e Família juntos para ensinar e amar”, e teve como foco o vínculo com as crianças e o acolhimento das famílias. “Tivemos o livro Entrelinhas como registro e complementamos com vídeos chamadas pelo Whatsapp, organizada em grupos, tendo a participação de toda a família”, conta ela. Com esse projeto, vale observar, Adriana também conquistou o primeiro lugar do prêmio Ação Destaque de 2020 na categoria “Educação Infantil”.

E a professora Ana Paula Borella desenvolveu o Projeto “Escola e Família: uma parceria de sucesso”, que busca ensinar de forma lúdica e com criatividade. “O desenvolvimento do projeto ocorreu na plataforma Google Sala de Aula e pelo WhatsApp, por onde eram enviados vídeos com brincadeiras, músicas, contação de histórias e explicações das atividades”, conta.

Segundo ela, foram diversas chamadas pelo Google Meet desde a suspensão das aulas presenciais. Em 2020, Ana Paula obteve o terceiro lugar do prêmio Ação Destaque na categoria “Educação Infantil” com o projeto “O Resgate da Cultura Popular em Tempos de Pandemia e Aulas Virtuais”.

Parceira premiada – Os dois projetos vencedores trazem uma forte relação com os materiais, ferramentas digitais e filosofia de trabalho pedagógico da Editora Opet. O que, na avaliação do gerente comercial da Editora Opet para a área pública, Roberto Costacurta, é uma demonstração cabal do sucesso da parceria com o município.

“Ficamos muito felizes com esses resultados e, em nome da Editora Opet, parabenizamos as professoras premiadas e os gestores de Cotia, que fazem um trabalho de alta qualidade na educação”, observa. “É muito bom ver nossos materiais e ferramentas sendo utilizados de uma forma tão assertiva em prol do conhecimento e da educação de crianças e jovens.”

O secretário municipal de Educação de Cotia, Luciano Corrêa, cumprimentou as professoras. “Parabéns à Adriane e à Ana Paula. Nos enchemos de orgulho de nossos professores. Quando vemos projetos que nasceram aqui premiados e com destaque nacional, ficamos ainda mais orgulhosos.”

(*) – Com informações da Assessoria de Imprensa de Cotia.

Competências em sala de aula

Mais do que adquirir conhecimentos, o aprendizado envolve a capacidade de aplicá-los na vida prática e de assumir uma atitude positiva e curiosa diante das possibilidades que determinado conteúdo oferece.

Esse processo só é possível a partir de uma educação integradora, isto é, um ensino que contemple todas as dimensões do desenvolvimento humano – cognitivo, físico, emocional e cultural.

Em uma educação integradora, a aprendizagem é vista como o desenvolvimento de competências, não apenas como aquisição de conhecimentos.

Nela, aparecem outros dois elementos fundamentais para o processo de ensino-aprendizagem: as habilidades e a atitude.

Entenda como isso se dá na prática!

A tríade do conhecimento: o sentido de desenvolver competências

Competências, como já mencionamos, podem ser definidas como o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes.

Aquisição de conhecimento: primeira etapa

O ensino dos conteúdos das disciplinas de português, matemática, ciências, história e geografia oferece ao estudante conhecimentos essenciais para a vida, aqueles conhecimentos clássicos, acumulados ao longo da história e que devem ser transmitidos para as próximas gerações – são conhecimentos civilizatórios.

Acontece que, se o ensino se detém em “repasse”, a criança simplesmente esquece o conteúdo. Afinal, ela não teve a oportunidade de praticar o que foi apresentado nos livros e aulas, então tudo ainda está muito abstrato para ela. As coisas só fazem sentido se associadas a outras, da própria vida de quem aprende.

Aquisição de habilidades: segunda etapa

A fim de consolidar o que foi aprendido na etapa anterior, é preciso que a criança aprenda a utilizar os conhecimentos de conteúdo escolar em diversos aspectos da vida para solucionar problemas e para entender aspectos do cotidiano.

É muito importante ter em mente que todo conteúdo deve ser útil – a teoria sempre deve andar com a prática. De pouco adianta passar dezenas de exercícios de gramática se o estudante não sabe se comunicar, debater e defender seus pontos de vista com base em argumentos válidos. Uma coisa, aqui, está integrada com a outra!

Da mesma forma, não adianta ensinar fórmulas de matemática se o estudante não compreender que os conceitos desta disciplina podem ser aplicados em várias áreas de sua vida, por exemplo, na vida financeira ou mesmo em projetos.

Atitude positiva

Tanto a aquisição de conhecimentos quanto a de habilidades podem ser repassadas para uma pessoa. O professor consegue formar o estudante por meio das aulas expositivas e indicações de leituras, bem como a partir da aplicação de atividades, situações-problema e projetos – as possibilidades são muitas!

Já a atitude é um aspecto comportamental, é algo que vem com o indivíduo. Isso não pode ser ensinado, mas pode ser percebido e trabalhado pelo professor. Tem a ver com aquela curiosidade, um brilho nos olhos, a vontade de aprender mais sobre algo.

O docente, então, pode trabalhar com abordagens que estimulem a criança a ter vontade de adquirir conhecimentos e habilidades. Só o fato de o estudante perceber que a teoria apresentada previamente pode ser aplicada em sua vida é um modo de incentivá-lo. É importante, no entanto, manter essa chama acessa. Isso pode ser feito a partir das escolhas do tipo de atividade, trabalho e ensino que se tem em sala de aula.

As crianças e jovens de hoje estão totalmente conectados às tecnologias digitais. Então, por que não utilizar essa realidade como ponto de partida para desenvolver trabalhos? Pode ser por meio de vídeos, podcasts ou na criação de uma animação.

Quais competências devem ser trabalhadas

Essa educação integradora pode partir das competências gerais que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) – um documento basilar da nossa educação – propõe. Confira a seguir:

1. Conhecimento

2. Pensamento científico, crítico e criativo

3. Repertório cultural

4. Comunicação

5. Cultura digital

6. Trabalho e projeto de vida

7. Argumentação

8. Autoconhecimento e autocuidado

9. Empatia e cooperação

10. Responsabilidade e cidadania

Essas 10 competências devem acompanhar o desenvolvimento das crianças desde a Educação Infantil até o Ensino Médio.

Como desenvolver e ensinar por competências

O ensino por competências deve ser feito de forma transversal, pois todas elas podem ser trabalhadas em todas as disciplinas. A competência de comunicação, por exemplo, apesar de estar usualmente envolvida nas aulas de português, também pode ser trabalhada nas disciplinas de matemática ou geografia.

Nas aulas de português, é possível trabalhar aspectos relacionados à qualidade da fala, à capacidade de argumentação e ao uso correto da gramática. Só não podemos esquecer de que a comunicação não envolve somente a fala e a escrita. A interpretação de um gráfico, em problemas de matemática, também configura comunicação, assim como a leitura correta de um mapa na disciplina de geografia.

Outra forma de desenvolver as competências nos estudantes é por meio de projetos em grupos, debates ou aprendizagem baseada em problemas. Dessa forma, é possível trabalhar competências relacionadas à comunicação, socialização e pensamento científico.

Afinal, nesse contexto, a criança precisa utilizar o conhecimento prévio, aplicá-lo no projeto, descobrir como socializar de forma saudável com os demais colegas, comunicar-se adequadamente com eles e argumentar em favor de suas ideias, bem como exercitar o pensamento científico, uma vez que precisa observar, elaborar hipóteses e investigar.

Como deve ser feita uma avaliação por competências

Assim como o modo de ensinar, realizar atividades e desenvolver projetos muda diante de uma educação por competências, a maneira de avaliar também deve ser diferente. A ideia não é deixar de aplicar a avaliação tradicional, mas também partir de outros aspectos para avaliar o estudante.

Antes de escolher uma atividade para averiguar as competências dos estudantes, é importante ter em mente que, nesse caso, mais do que o resultado, deve se avaliar o processo de realização da avaliação. Se as aulas levam em conta a aquisição de competências, com uma educação integradora, então a avaliação também deve partir desse critério.

O professor precisa, por exemplo, compreender e registrar o desempenho de comunicação, pensamento científico, socialização, aplicação de conhecimentos e demais competências ao longo da execução da atividade avaliativa proposta.

Da mesma forma que, como citamos, existem formas de trabalhar intencionalmente para o desenvolvimento da tríade conhecimento, habilidades e atitude, também existem formas de avaliar.

Confira abaixo algumas opções!

●    Desafios de lógica;

●    Análise de casos e situações;

●    Rodas de conversa;

●    Encenação e dramatização;

●    Seminários;

●    Trabalhos em grupo;

●    Debates;

●    Exposições;

●    Saraus;

●    Publicações temáticas, como revistas e jornais.

Durante todo o período em que os estudantes estiverem desenvolvendo os trabalhos, o professor deve analisar se o objetivo final está sendo alcançado. Ele também deve registrar etapas e acontecimentos ao longo do projeto, para posteriormente avaliar se, de fato, as competências necessárias foram empregadas na execução dos trabalhos.

Competências necessárias para os docentes

Além das crianças, os docentes também precisam desenvolver uma série de competências, desde a formação até a atuação em sala de aula, para obter sucesso no ensino dos estudantes.

Tais competências envolvem o conhecimento específico de sua disciplina, assim como de didática, processos de aprendizagem, metodologias de ensino e tecnologias digitais. Tudo o que é fundamental para repassar o conteúdo de modo que o indivíduo realmente aprenda.

Claro que de nada adianta conhecer a teoria se o docente não consegue aplicar todo esse conteúdo em prol do ensino. O professor deve desenvolver um olhar analítico que mostre a ele quais os melhores métodos para determinada situação e indivíduo, a capacidade de liderança e de tomada de decisões, as habilidades necessárias para utilizar as ferramentas de ensino, sejam elas digitais ou não, e demais características que o ajudem a atuar como mediador entre o estudante e o objeto de aprendizagem.

Não se deve esquecer, no entanto, de que a atitude positiva deve vir do próprio professor, a vontade de ensinar, aquele brilho nos olhos que citamos acima. Por isso, é fundamental que esse profissional busque sempre novos caminhos, conhecimentos e habilidades, e esteja disposto a conhecer e considerar novas formas e ferramentas de ensino.

Essa vontade é essencial para que os demais elementos da tríade de competências sejam desenvolvidos.

Como adquirir competências discentes e docentes

Quando falamos em desenvolver competências em discentes, devemos voltar nossa atenção, principalmente, ao professor. É ele que, a partir das próprias competências, guia a criança e o estudante no processo de aquisição de conhecimentos e habilidades. Mas, assim como o docente deve trabalhar para formar os estudantes, o próprio docente (ou a escola) deve focar em sua própria formação.

Atualmente, os métodos de ensino têm se modificado bastante. Com o surgimento de novas tecnologias digitais, surgiram também novas maneiras de praticar a docência. Portanto, é fundamental treinar o professor constantemente para que ele esteja preparado para as novas demandas em sala de aula.

Também é importante que o docente tenha acesso às novas ferramentas advindas das tecnologias digitais. Isso ajudará na aplicação de seus conhecimentos em prol da aprendizagem dos discentes, tornará o ensino mais efetivo e ainda ajudará a estimular a atitude positiva das crianças e, consequentemente, do próprio professor.

Como preparar estudantes e professores

Na plataforma educacional Opet INspira há diversos materiais didáticos que auxiliam os educadores no desenvolvimento de atividades, avaliações e sequências didáticas.

Além disso, vários desses recursos são digitais, permitindo que o docente crie trilhas de aprendizagem e forneça roteiros de estudos aos discentes.

Sem contar as ferramentas de áudio, os bancos de imagens, os quizzes e os vídeos disponibilizados para professores e estudantes. Todos eles são recursos que ajudam na aplicação e desenvolvimento de atividades integradoras, capazes de trabalhar as competências gerais nas crianças.

Além das ferramentas digitais, diversas histórias infantis são disponibilizadas na plataforma. É um outro tipo de material essencial para estimular a atitude positiva dos discentes diante das atividades propostas, uma vez que trabalha a imaginação, a criatividade e a ludicidade, aspectos que geram muito interesse nos discentes.

Todos esses materiais e conteúdos servem como instrumento para o ensino, de modo que a criança adquira seus próprios conhecimentos e descubra como usá-los em diversas situações cotidianas.

Já para o professor, esses recursos digitais auxiliam na elaboração e aplicação de atividades e avaliações integradoras, permitindo que eles capacitem as crianças de forma mais eficaz e avaliem visando todo o processo e não apenas o resultado.

Os recursos que fazem da plataforma educacional Opet INspira uma das mais acessíveis do país!

Plataforma alcançou nível de acessibilidade de 91% segundo padrão internacional

Acessibilidade. Eis aí uma das palavras mais importantes da educação e da própria democracia. Afinal, é por meio dela, por meio de leis e de recursos cada vez mais avançados, que as pessoas com deficiência garantem o direito fundamental, constitucional, de aprender. Os números são impressionantes e mostram a urgência de se buscar soluções e caminhos para a inclusão: estimativas oficiais indicam que o país possui 9,7 milhões de pessoas com deficiência auditiva, 13,2 milhões de pessoas com deficiências motoras, 6,5 milhões de pessoas com alguma deficiência visual (entre cegos, portadores de baixa visão e de visão subnormal) e 8 milhões de daltônicos – e muitos deles são estudantes.

Há vários anos, a Editora Opet trabalha para garantir recursos de acessibilidade em todos os materiais e soluções que desenvolve. Em tempos mais recentes, levou esse conhecimento e esse compromisso às ferramentas educacionais digitais que desenvolve, como a plataforma educacional Opet INspira. E também conta com os recursos de acessibilidade Google Workspace for Education, parceira na educação digital dos nossos mais de 140 mil usuários. Atualmente, 80% dos recursos Google são acessíveis para pessoas com deficiência, e este percentual segue crescendo.

Sempre acessível – “A preocupação com a acessibilidade, no caso da Editora, nasceu muito antes do nosso projeto de uma plataforma digital. E foi integralmente absorvida por ele”, explica Luciano Rocha, coordenador de Tecnologias Educacionais da Editora Opet. Ele lembra que, desde 2015, com a promulgação do Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei N° 13.146/2015), a legislação brasileira obriga os sites a garantirem acesso às informações para pessoas com deficiência.

“A lei, por si, já seria suficiente para que pensássemos em termos de garantir acessibilidade sempre. Mas, no nosso caso, há também um compromisso com a educação, que deve chegar a todas as pessoas com a mesma qualidade. Assim, assumimos essa preocupação e estamos tornando o conteúdo da plataforma Opet INspira acessível a pessoas com diferentes tipos de deficiências, sejam elas motoras, auditivas ou visuais.”

A plataforma educacional Opet INspira integra duas das melhores ferramentas disponíveis no mercado brasileiro. “Todo o conteúdo textual da plataforma conta com o Hugo, intérprete em Libras da empresa HandTalk. Com ele, os deficientes auditivos podem ter acesso à tradução português-Libras em tempo real em todas as seções da plataforma”, explica Luciano.

No caso das demais deficiências – motora, baixa visão, daltonismo, dislexia e cegueira -, a plataforma oferece as ferramentas de acessibilidade do plugin UserWay. “A UserWay é, sem dúvida, a ferramenta de acessibilidade mais completa do mundo”, garante. Ela permite que os usuários digitais utilizem recursos que auxiliam a navegação, como voz eletrônica para leitura de textos, aumento do tamanho das fontes, melhoria do contraste, uso de fonte legível para pessoas com dislexia, mapa de navegação por teclado e gestos, entre outras possibilidades. “Esses recursos atendem a ampla maioria das dificuldades de acesso.”

E como funciona a validação de todo esse trabalho? Ela é feita por avaliadores de acessibilidade com base em um padrão internacional chamado WCAG 2.0, que oferece diretrizes extremamente detalhadas, voltadas a tornar conteúdos digitais plenamente acessíveis. “Essas diretrizes norteiam o trabalho de acessibilidade digital em todo o mundo”, explica Luciano.

A boa notícia é que, segundo avaliadores que utilizam o padrão WCAG 2.0, a plataforma educacional Opet INspira alcançou um nível de acessibilidade de 91%. “É um nível muito alto, que se destaca entre as ferramentas digitais disponíveis no mercado brasileiro e até internacional”, avalia. Os 9% faltantes para tornar a plataforma completamente acessível motivam a equipe de TE da Editora a trabalhar incansavelmente, até mesmo porque novos recursos educacionais são constantemente incorporados – inclusive na nova versão da plataforma que será lançada na próxima segunda-feira, dia 12.

Formação para a acessibilidade – Na semana passada, a equipe pedagógica da Editora participou de uma formação com Luciano Rocha para o trabalho com os recursos de acessibilidade da plataforma Opet INspira. Nesse trabalho, foi apresentado o menu de acessibilidade, com informações detalhadas sobre todas as ferramentas.

A gerente pedagógica da Editora, Cliciane Élen Augusto, destaca a importância dos assessores e supervisores na divulgação dos recursos de acessibilidade. “Essa ação com as pessoas também faz parte do processo de acessibilidade, na medida em que nossa equipe vai multiplicar os conhecimentos juntos aos professores parceiros. Eles, por sua vez, vão levá-los aos estudantes com toda a qualidade.”

Cliciane reforça o compromisso da Editora com a acessibilidade. “Nossa missão, como Editora, é trabalhar para oferecer educação para todos. E isso tem impacto não apenas na inclusão digital, mas na inclusão social.” Em outras palavras: na Editora Opet, acessibilidade e inclusão aproximam as pessoas… do conhecimento!