Vídeos educacionais: uma revolução frame a frame

Nos últimos anos, em especial com o avanço e a popularização das tecnologias digitais, vivemos uma revolução no audiovisual. Um grande movimento que, para a alegria de quem educa, chegou “com tudo” aos estudantes e aos professores de todos os níveis, da Educação Infantil à pós-graduação.

Hoje, por exemplo, é possível acessar conteúdos de todos os componentes curriculares imagináveis (da Química à História, do Sânscrito à Astrofísica e muito mais) em diferentes formatos de vídeo. O objetivo? Fortalecer o processo de ensino-aprendizagem por meio da atração, da inteligência, da clareza, da cor, dos sons e do movimento.

Os vídeos da plataforma educacional Opet INspira

Com a plataforma educacional Opet INspira, lançada há cerca de três anos, a Editora Opet chegou com força ao universo da educação digital. A plataforma – uma das mais acessíveis do país, com um grande número de objetos de aprendizado e recursos tecnológicos originais – participa diretamente da educação de milhares de brasileiros.

Para os estudantes, a plataforma oferece fantásticos recursos de aprendizagem. Para os professores, disponibiliza ferramentas e meios para um ensino personalizado, ao mesmo tempo original, criativo e integrado à proposta pedagógica Opet – uma proposta de educação humana e cidadã.

Entre esses recursos, é claro, estão os vídeos digitais.

Produções originais

Direto do estúdio da Editora Opet: Cristina Chagas com o analista de audiovisual Roger Wodzynski (de pé) e o técnico em audiovisual Giovane Sartori.

O primeiro diferencial dos vídeos disponíveis na plataforma educacional Opet INspira é a originalidade. Os vídeos, como explica a coordenadora de Projetos em Tecnologia Educacional da Editora Opet, Cristina Pereira Chagas, são desenvolvidos pela equipe editorial da Editora e envolvem especialistas de diferentes áreas, do próprio audiovisual à roteirização, revisão e validação pedagógica.

Em sua maioria, os vídeos são produzidos no estúdio da própria Editora. “Com a implantação do nosso estúdio, que aconteceu antes do início da pandemia, criamos um diferencial de mercado”, avalia Cristina. “A começar pela conexão entre os vídeos, os materiais impressos e a proposta pedagógica da Editora. Essa é uma relação poderosa, que relaciona as ferramentas e fortalece o trabalho educacional.” 

Ela destaca os vídeos produzidos para a Educação Infantil e para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental. “São materiais autorais riquíssimos, com conteúdos inéditos em relação ao que existe no mercado brasileiro.”

Em alguns casos, as produções são editadas por empresas parceiras, mas sempre seguindo os roteiros e tendo a validação final do time editorial e de Tecnologia Educacional Opet.

Além disso, todos os vídeos produzidos estão alinhados ao material impresso, e os docentes podem utilizá-los como objetos educacionais digitais em suas aulas nas modalidades presencial e híbrida.

“No acervo da plataforma, além das vídeo-aulas, os estudantes e os professores encontram vídeos em outros formatos ou linguagens audiovisuais”, conta Cristina. “E eles se baseiam em tecnologias consagradas e avançadas, que encantam e engajam os usuários.”

Mas, quais são essas linguagens ou formatos “extras” dos vídeos da plataforma? Vamos conhecê-los em detalhes!

(*) – AH, E PARA ASSISTIR OS VÍDEOS, BASTA CLICAR NAS IMAGENS!

Whiteboard: muito além do quadro branco

Calendário e dias do ano: exemplo de vídeo “Whiteboard” na plataforma educacional opet INspira.

Animações do tipo “Whiteboard” – do inglês, “quadro branco” – ficaram muito conhecidas nos últimos anos, em especial por conta da publicidade. Você, é claro, sabe do que estamos falando: são animações que se desenrolam como se estivessem sendo desenhadas em um quadro branco, com canetas coloridas de ponta de feltro. Um processo encantador, que envolve desenhos tracejados que são verdadeiras obras de arte em movimento.

Normalmente, os desenhos são apresentados de duas formas: ou eles “surgem do nada”, traço a traço, ou são “desenhados” por uma mão que também é parte do formato. Legal, né?

Com as técnicas do “Whiteboard Animation” é possível, por exemplo, explicar conceitos complexos de forma dinâmica e de fácil entendimento, com setas, formas geométricas e outras marcações. E, como os desenhos são “fofos”, eles geram um encantamento especial.

Vídeo-narrativa: uma “pegada” de mini-documentário

As vídeo-narrativas se inspiram na liguagem dos documentários.

Os vídeos narrados (ou vídeo-narrativas) usam duas linguagens poderosas – a sonora e a visual – para transmitir sua mensagem. Eles muitas vezes têm uma “pegada” mais de vídeo-documentário, e exigem tanto uma narração de alta qualidade quanto uma conexão perfeita entre o elemento visual (o vídeo) e o texto narrado.

Que, aliás, tem um formato próprio, diferente daqueles que encontramos nos textos lidos. O mais interessante, em relação às vídeo-narrativas, é perceber que não temos duas linguagens (som e vídeo) sobrepostas, mas uma soma que acaba produzindo um resultado extra, original e poderoso, em especial para a educação.

Animação? Ah, animação!

Exemplo de vídeo de animação na plataforma educacional Opet INspira: uma linguagem convidativa e interessante.

Animações são velhas conhecidas de quem ama cinema. Na verdade, elas nasceram junto com os filmes, no início do século 20. Nas últimas décadas, com os computadores e novas gerações de artistas, viraram uma febre global. Hoje, há produções encantadoras produzidas em muitos países!

Esse formato/linguagem, é claro, também foi incorporado ao universo da educação, com excelentes resultados. E é justamente essa proximidade com os jovens, esse interesse que as pessoas têm nas animações, um fator de aproximação e engajamento. Lembre-se: uma aula com direito a uma animação não é apenas uma aula… é um evento!

Se você já é parceiro da Editora Opet, acesse agora a plataforma educacional Opet INspira e assista os vídeos! Se ainda não é, converse conosco!

Sem “lacração” nesta hora: a era digital e o preconceito linguístico

O preconceito linguístico é um desafio de comunicação da era digital.

Em tempos digitais, a comunicação ganhou uma dimensão extraordinária. Afinal, em nenhuma outra época tantas pessoas falaram tanto… para tanta gente! Em todo o mundo, vídeos curtos, lives, podcasts, memes e textos nas redes sociais e nos aplicativos de conversa “dão o recado” continuamente. São bilhões de mensagens e muitos terabytes trocados todos os dias.

Em meio a tamanha oferta e a tantas novidades, surgem, é claro, os “fiscais da língua”, que se encarregam de “apontar o dedo” para os falares e as escritas alheias com base no que identificam como “norma culta”. Mas, eles estão certos em “detonar” os supostos erros alheios? Ou estão manifestando preconceito linguístico?

Cristiane Marthendal de Oliveira (foto) é editora no time editorial Opet. Licenciada em Letras, Língua Portuguesa e Literatura pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), ela foi responsável, entre outras missões, pela roteirização e validação da série de mais de sessenta vídeos sobre os gêneros textuais disponível na plataforma educacional Opet INspira. Como profissional e como apaixonada pelas letras, ela acompanha com interesse os movimentos comunicacionais nas redes, das “lacrações” às discussões sérias sobre o assunto. O tema, aliás, é objeto de atenção da própria equipe editorial, gerenciada por Jardiel Loretto Filho.

Preconceito linguístico, norma culta e norma padrão

Uma de suas grandes preocupações é com o preconceito linguístico, que simplifica um universo expressivo muito rico, amplo e, principalmente, dinâmico. Um exemplo? A ideia de norma culta, usada como uma espécie de “talismã” por muitos críticos das comunicações alheias.

“O termo ‘norma culta’, em si, já traz um juízo de valor, já que ‘culta’ se refere à cultura, que não está ligada a somente uma das variantes da língua. Ao falar em ‘norma culta’, estamos pressupondo que as outras formas de se expressar sejam ‘incultas’ e, por isto, menos importantes”, observa Cristiane.

E é claro que elas não são, uma vez que expressam elementos culturais, históricos e locais. Um exemplo? Os falares regionais brasileiros, que acrescentam à língua palavras de origem indígena, africana ou, mesmo, de outras culturas (como a hebraica, grega, árabe, francesa, espanhola, alemã, japonesa…). Outro exemplo? Gírias e expressões de nicho nascidas justamente da dinâmica da cultura digital, que sintetizam e transmitem rapidamente ideias.

Desvendando o preconceito linguístico

Criticá-las, porém, é fácil, com base na ideia de que “eu me expresso certo e você, errado”. “O linguista Marcos Bagno, a maior autoridade brasileira no assunto, define o preconceito linguístico como todo juízo de valor negativo em relação às variedades linguísticas de menor prestígio social”, explica Cristiane.

“Assim, debochar ou constranger qualquer pessoa que use uma variedade linguística que não a norma padrão é exercer preconceito linguístico”, observa. O mais interessante, conclui, seria utilizar o termo “norma padrão”, que indica a variante linguística que é ensinada na escola e nos ambientes acadêmicos, ou seja, a variante linguística de maior prestígio social.

Uma questão estratégica

Mas, isso significa, então, que devemos abandonar a norma padrão e “aceitar” todos os falares? Não! A questão é muito mais de caráter estratégico, no sentido de aprender a norma padrão – que é a variante da língua associada à gramática normativa usada em situações de formalidade – mas, também, conviver com e respeitar outras variantes, sabendo quando e onde utilizá-las. Sabendo, inclusive, apreciá-las no que elas têm de rico e criativo.

“Aprendemos a norma padrão na escola para ampliar nossas possibilidades de comunicação e interação, para ter acesso ao conhecimento acadêmico e nos expressarmos em alguns ambientes”, observa Cristiane. “E não para menosprezar aqueles que não tiveram as mesmas oportunidades, ou que apresentam alguma dificuldade de aprendizagem, como a dislexia, por exemplo.”

Onde está o erro?

Assim, em se tratando de língua, em especial a da modalidade oral, não é adequado falar em “erro”. “Se a interação aconteceu, a língua cumpriu o seu papel”, pontua Cristiane. “Claro que é preciso observar o contexto em que as pessoas estão falando ou escrevendo. Existem situações em que uma variante é mais adequada do que outra. Assim, é importante saber adequar a linguagem ao contexto de comunicação, considerando o interlocutor e a função que língua exerce em determinados contextos de interação.”

A escola e o combate ao preconceito linguístico

Na escola, crianças e jovens aprendem a norma padrão e devem, também, reconhecer variantes linguísticas. E, principalmente, aprender a respeitar as diferenças para “navegar” nos diferentes oceanos da língua sem preconceito. Esse objetivo, aliás, está previsto nas habilidades preceituadas pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) de Língua Portuguesa.

“É importante que os professores de todos os componentes disciplinares conheçam e entendam essas questões, pois a escola deve ser o ambiente que ensina o respeito, que combate todo tipo de preconceito, inclusive o linguístico, em vez de validá-lo”, reforça Cristiane.

As variantes regionais e sociais, observa, estão presentes em diversos textos estudados na escola, desde grandes obras da literatura, como “Grande sertão: veredas”, de Guimarães Rosa, às tirinhas e HQs de personagens como Chico Bento, em letras de canções e muitos outros. “É preciso ensinar a respeitar o direito de todos os falantes se expressarem, independentemente da variante que usam”.

O trabalho da Editora Opet

Na Editora Opet, a produção dos materiais didáticos e das ferramentas educacionais digitais envolve um time de especialistas comprometidos com uma educação humana e cidadã – algo que pressupõe conhecimento e alteridade. Assim, em todos os produtos desenvolvidos para o sistema de ensino estão presentes reflexões para se combater toda forma de preconceito, inclusive o linguístico.

Na Plataforma Opet Inspira, por exemplo, há vários vídeos que tratam de temas como o uso da Linguagem formal e linguagem informal, gírias e estrangeirismos. E já está em produção um vídeo específico sobre o preconceito linguístico.

“Esse é um tema importante e, principalmente, necessário, muito mais em um país tão grande e tão conectado como o Brasil”, diz Cristiane. Assim, aguarde: em breve, teremos boas novidades!

Opet INspira: um “tesouro de quizzes” para o Ensino Médio

Entretenimento e informação são duas palavras onipresentes no universo digital. Quando elas se unem no ambiente da educação digital, o resultado é uma aprendizagem vibrante, instigante e divertida. E é exatamente nesse contexto – nesse desejo de testar os próprios conhecimentos e de superar desafios – que entram os quizzes, listas de perguntas e respostas que desafiam e encantam pessoas em todo o mundo.

Quando surgiram os quizzes?

Os quizzes existem há muito tempo. Há quem afirme que, com esse nome (que vem da língua inglesa), eles já instigavam as pessoas no século 18! E eles se tornaram populares há cerca de 150 anos, com o nascimento da imprensa moderna e o crescimento da alfabetização.

Nas últimas três décadas, com a chegada dos computadores domésticos, da internet, dos smartphones e dos aplicativos, eles viraram uma febre mundial! Hoje, é possível ser desafiado em temas que vão da História à cultura popular, da Física quântica à literatura. São muitas as opções!

Quizzes na educação

Pois os quizzes “caíram como uma luva” na educação. Eles fazem parte da proposta de gamificação, ou seja, do uso de estratégias lúdicas inspiradas na criação dos jogos eletrônicos para o processo de ensino-aprendizagem.

E por que ser desafiado por uma lista de perguntas é tão interessante? Com seu formato direto, de perguntas rápidas e objetivas, os quizzes atraem, instigam e despertam o desejo de responder, acertar e avançar para fases mais complexas e desafiadoras.

E, além do resultado imediato (“certo” ou “errado”), eles dão ao estudante uma noção precisa de seu domínio de um determinado assunto. Para os professores ou os tutores do processo, eles também são um recurso valioso de avaliação da aprendizagem.

Os quizzes Opet INspira

Desde que foi lançada, há cerca de três anos, a plataforma educacional Opet INspira, da Editora Opet, se consolidou como uma das mais avançadas do cenário educacional brasileiro. Ela reúne milhares de objetos de aprendizagem originais e conectados às coleções e ao sistema de ensino Opet, e também recursos para o desenvolvimento de aulas online síncronas e assíncronas. Um ambiente perfeito, ainda, para o desenvolvimento de quizzes educacionais, como os que foram especialmente desenvolvidos para o Ensino Médio.

Neste vídeo especial, sintetizamos nossa relação com os quizzes educacionais. Confira!

Um “tesouro de quizzes” para o Ensino Médio

Hoje, a plataforma Opet INspira possui um grande acervo de quizzes para o Ensino Médio, criados dentro de um projeto que mobilizou especialistas em educação. “Nosso projeto de quizzes para o Ensino Médio contou com a participação de dez professores, além das equipes editorial e de Tecnologia Educacional da Editora”, conta Cristina Pereira Chagas, coordenadora de Projetos em Tecnologia Educacional da Editora.

Esses profissionais trabalharam ao longo de dez meses e produziram nada menos do que 670 listas de perguntas e respostas para os três anos do Ensino Médio. Elas abrangem os componentes de Arte, Biologia, Física, Geografia, História, Língua Inglesa, Língua Portuguesa, Língua Portuguesa – Literatura, Matemática e Química. “Os quizzes estão alinhados com a BNCC e seguem a grade de conteúdos das coleções da Editora”, explica Cristina.

Cristina Pereira Chagas: quizzes estão alinhados com as coleções e com a BNCC.

Quizzes e Ensino Médio: tudo a ver

No contexto do Ensino Médio, os quizzes são um aliado importante no processo de ensino-aprendizagem. Em um momento de aprofundamento dos conhecimentos e de preparação para o ENEM e para os vestibulares – que também utilizam perguntas e respostas em seus processos avaliativos –, eles sevem para testar e para “afiar” conhecimentos. E, o melhor: podem ser utilizados em aula, nas sessões de estudos e até em momentos de tempo livre do estudante, com um viés mais lúdico, mas não menos educativo.

Quero testar meus conhecimentos. Como acessar?

Acessar os quizzes do Ensino Médio – e dos outros níveis de ensino – é muito fácil. Basta ingressar na plataforma (usando seu login e senha) e clicar no ícone “Quizzes”. Em seguida, selecione o componente curricular e o ano nas janelas em cima e, então, clique na aba “quizzes da biblioteca”. Pronto! Agora, é só jogar e testar seus conhecimentos!

Professores também criam quizzes

A plataforma educacional Opet INspira oferece uma ferramenta especial para que os professores personalizem seus próprios quizzes. Para isso, eles devem entrar na plataforma seguindo os menus, localizar um quiz de sua preferência e clicar no botão “Adicionar aos Favoritos”, o que vai gerar uma cópia para sua própria biblioteca. Essa cópia pode ser editada e, quando estiver pronta, publicada para os estudantes.

Na própria plataforma, os professores encontram uma sessão de “Tutoriais” – nos formatos de vídeo e pdf – com todas as informações para o acesso e a criação de quizzes educacionais fantásticos. ACESSE AGORA!

“O mundo pós-escola”: como preparar os estudantes para os desafios que chegam após o Ensino médio?

Ensino Médio chegando ao fim e muitas portas se abrindo… são muitas as possibilidades, os desejos pessoais e as condições colocadas pelo mercado de trabalho. Para onde seguir? Continuar estudando, trabalhar, trabalhar e estudar? Seguir para que área?

Essas, evidentemente, são dúvidas muito comum entre os jovens. A escolha da carreira nunca foi uma decisão simples, muito mais agora, em tempos tão fluidos, de tantas oportunidades e necessidades de conhecimento.

A escola, é claro, desempenha um papel importante em todo esse processo: ela deve dialogar, perceber habilidades e inclinações, abrir horizontes e, principalmente, apoiar os jovens em suas escolhas. Um processo que não começa na etapa final do ensino, mas que deve acompanhar o estudante ao longo de todo o Ensino Fundamental.

Transformação Digital e o futuro do trabalho dos estudantes atuais

A chamada “Transformação Digital”, acelerada em função da pandemia, modificou completamente o mundo e, especialmente, o mercado de trabalho. Nesse cenário, surgem novas funções, cargos antigos são repaginados e outros acabam desaparecendo. Por isso, é importante trabalhar o assunto em sala de aula e mostrar aos estudantes que, além dos conhecimentos técnicos, eles precisam desenvolver habilidades socioemocionais.

Também é necessário mostrar a eles as mudanças do mercado de trabalho frente à transformação digital que vivemos, assim como a importância de se manter atualizado em um mundo que muda o tempo todo.

O futuro do trabalho: pesquisas e tendências que precisam ser consideradas

Para se ter uma ideia, estudos mostram que até 2030 diversas profissões vão deixar de existir, enquanto muitas outras vão surgir. Basicamente, os estudantes de hoje terão cargos e funções que ainda nem existem… já pensou?

Outra mudança, que percebemos especialmente com a chamada geração dos “millennials”, é a do exercício de várias profissões ao longo da vida. Um quadro que é ainda mais forte em um país como o Brasil, em que as pessoas, muitas vezes, são levadas a empreender por conta de fatores econômicos.

A chegada dos estudantes atuais ao mercado de trabalho

Independentemente do cargo que venham a ocupar, quando os estudantes chegam ao mercado de trabalho, precisam lidar não apenas com funções surgindo e desaparecendo. Eles precisam lidar, ainda, com as consequências desse mundo em constante mudança.

Tais consequências manifestam-se em alterações contínuas no ciclo de vida de processos, na necessidade de aprender a utilizar novas ferramentas rapidamente, na agilidade para se adaptar a novas tecnologias, bem como na implantação de automações.

A capacidade de “aprender a aprender”, assim como as habilidades socioemocionais, constroem o profissional do futuro. Então, independentemente da função que venham a desempenhar, os profissionais devem estar sempre prontos a adquirir novos conhecimentos.

Também é fundamental adquirir habilidades socioemocionais, tanto para lidar com um mundo ágil quanto para executar suas funções, já que os trabalhos repetitivos e burocráticos tendem a ser automatizados.

Habilidades e conhecimentos técnicos: na medida certa

O futuro do trabalho é muito mais sobre a capacidade de resolver problemas, tomar decisões, relacionar-se e ter capacidade de foco, planejamento e execução, do que dominar habilidades técnicas.

Afinal, quando o assunto é habilidade técnica e uso de ferramentas, sempre haverá novidades. Então, aqui, a ideia é ter capacidade de aprender rápido e acompanhar as mudanças. No entanto, não estamos falando que as habilidades técnicas também não serão fundamentais.

Novas metodologias de ensino a favor das novas dinâmicas de trabalho

Apesar de as ferramentas digitais mudarem com frequência, existem bases para o funcionamento dessas tecnologias que precisam ser aprendidas. Tanto que algumas das novas metodologias de ensino, como STEM, propõem justamente trazer elementos de Engenharia, Matemática e afins para as aulas.

Linguagem de programação, disciplinas de TI e uso de plataformas, recursos e ferramentas digitais, são fundamentais para preparar os estudantes ao mercado de trabalho.

Ainda mais quando falamos do Ensino Médio, momento que eles já estão com um pezinho nesse mundo de carreiras e profissões. Então, o sistema educacional precisará se adaptar para preparar os indivíduos ao mercado de trabalho em constante mudança.

E isso envolve não focar apenas em tecnologias, já que elas passam por mudanças e melhorias continuamente.

Mesmo assim, é importante busca adotar, na escola, um ambiente tecnológico e de inovação. Sem deixar de lado o ensino de conhecimentos mais tangíveis, ou seja, aqueles que não mudam, já que estão relacionados à natureza humana e, portanto, ao nosso comportamento.

 A importância de trabalhar habilidades socioemocionais com os estudantes do Ensino Médio

Isso ajudará a lidar com as mudanças, já que os estudantes, a partir de habilidades socioemocionais, estarão mais preparados para esse cenário.

E claro, estarão mais preparados para lidar com as pessoas. Afinal, quem sabe lidar com suas próprias questões, sabe lidar muito melhor com o próximo.

Isso é muito bom para todos os envolvidos, ainda mais considerando que os locais de trabalho possuem uma dinâmica cada vez mais diversa, composta por pessoas com culturas, ideias, opiniões e visões de mundo distintas.

Podemos dizer, assim, que para lidar com as pessoas no ambiente de trabalho, com as mudanças constantes no mundo e todas as demais estruturas de mercado, são necessárias muitas habilidades socioemocionais e competências diversas.

E, claro, é preciso mostrar aos estudantes a importância de, diante de tantas mudanças, obter treinamento e desenvolver novas habilidades ao longo de suas vidas profissionais.

Por isso, é fundamental que os educadores abordem esse tema em sala de aula. Seja por meio de conversas, preparação para os vestibulares ou de aplicações de atividades que trabalhem as habilidades socioemocionais mencionadas na BNCC.

Inteligência emocional e BNCC

E por falar em inteligência emocional, não é à toa que a BNCC traz uma série de práticas para a Educação Básica que ajudem os estudantes a desenvolver cinco habilidades socioemocionais. Sendo elas:

  • autoconsciência;
  • autogerenciamento;
  • tomada de decisão responsável;
  • consciência social;
  • habilidades de relacionamento.

Além disso, também é importante adotar um plano de carreira para que eles entendam aonde querem chegar e o que fazem para isso.

 O futuro do trabalho e a Editora Opet

A Opet INspira, plataforma educacional de recursos digitais desenvolvida pela Editora Opet, disponibiliza uma variedade de ferramentas e recursos para preparar os estudantes para o mundo atual.

Além das aulas das disciplinas tradicionais, que podem ser ensinadas a partir de diversas metodologias, como STEM, Sala de aula invertida ou Projetos, há vários recursos para ajudar a inserir os discentes nas tecnologias digitais usadas no mercado de trabalho.

Recursos audiovisuais, possibilitando a criação de vídeos, blogs, apresentações em diversos formatos, uso de áudios entre outros, podem ser usados para aplicar a parte teórica das disciplinas.

Tudo isso pode ser elaborado na plataforma por meio de sequências didáticas, trilhas de aprendizagem e roteiros de estudos. E, conforme informado acima, o mercado de trabalho está cada vez mais inclusivo e, na plataforma Opet INspira, não é diferente.

Nossas ferramentas também permitem a elaboração de aulas acessíveis utilizando o Menu de Acessibilidade que dá acesso a funções personalizadas, como teclas de navegação, leitor de página, tamanho do texto e do cursor, espaçamento de texto, contraste, entre outros.

Então, com a plataforma, os educadores conseguem planejar e aplicar aulas que vão ao encontro de tudo o que é necessário para preparar os estudantes do Ensino Médio para o que vem depois da Educação Básica.

Educação Física: lúdica e inclusiva!

Assessora pedagógica responsável pelas formações da Editora fala sobre as novas práticas nesse componente curricular tão importante. Confira!

A escola desempenha um papel importante no processo de conhecimento e desenvolvimento corpo-mente. No Brasil, a Educação Física é um componente curricular obrigatório da Educação Básica desde 1996, quando a Lei de Diretrizes e Bases da Educação determinou que ela deve estar presente na Educação Infantil, no Ensino Fundamental e no Ensino Médio.

Chegamos, então, a uma questão importante: como fazer com que a Educação Física leve as crianças e os adolescentes a conhecerem e a valorizar o próprio corpo, a saúde e os momentos compartilhados? A resposta começa na escola e no corpo docente: é essencial que professoras e professores encontrem formas de compreender as preocupações, aproximar e motivar os jovens. Uma transformação que se inicia na formação docente.

Milena Nichel é a assessora pedagógica da Editora Opet responsável pelo trabalho com professoras e professores de Educação Física de todo o país, em implantações e formações. Graduada em Educação Física, ela é apaixonada pelo trabalho e considera que o seu componente curricular é um protagonista dentro da escola.

Milena, à esquerda, com professoras durante uma formação antes da pandemia. A busca por recursos e a troca de experiências são constantes nos encontros com os professores de Educação Física.

“As aulas de Educação Física são responsáveis, em grande parte, pelo desemparedamento das crianças e dos jovens. Por romper os limites da sala de aula e encontrar o mundo!”, observa.

“Nas aulas, as e os estudantes deixam a posição sentada, que é comum, e assumem outras posições. Alongam-se, descobrem possibilidades e aproveitem ao máximo essas vivências e experiências em termos teóricos e práticos. Vale lembrar, aliás, que todas essas vivências e experiências são conhecimentos desenvolvidos pela humanidade ao longo do tempo”, analisa Milena.

As formações pedagógicas são momentos de muita animação, que se reflete nas aulas de Educação Física.

Sem receios – Sobre o “fantasma” que ainda ronda as cabeças de alguns estudantes quando o assunto é a Educação Física – o medo da competição, da própria falta de habilidade esportiva e do julgamento dos outros –, Milena afirma que é um tema importante e que deve ser levado em conta pelos docentes. E que há formas de reduzir e mesmo de eliminar esses receios.

“A Educação Física mudou muito nas últimas décadas, quando o cenário formado pelo chamado ‘quarteto mágico’ – futebol, handebol, vôlei e basquete – foi ampliado para outras possibilidades”, explica.

Se, até então, a Educação Física se relacionava a aspectos como a desportivização e a competitividade, hoje as possibilidades vão muito além, e se conectam, principalmente, ao desenvolvimento integral do estudante.

Cruzamento entre Educação Física e Arte: quando os componentes curriculares dialogam, as aulas ficam mais interessantes e os resultados, poderosos.

“Com a Base Nacional Comum Curricular, a BNCC, de 2018, tivemos um grande avanço. A Base propõe seis unidades temáticas a serem trabalhadas nas aulas: brincadeiras e jogos, esportes, ginásticas, danças e lutas e aventuras. A partir delas, as possibilidades de trabalho dos professores são muito grandes. Podemos esmiuçar cada tema e oferecer uma infinidade de conteúdos que proporcionem experiências e conhecimentos para crianças e jovens”, explica.

Em ação – Essas seis unidades e suas múltiplas possibilidades formam a base do trabalho de Milena com os professores das escolas públicas e privadas parceiras da Editora Opet. Lembrando que esse trabalho não implica apenas um “levar conhecimentos”, mas, sobretudo, uma troca de experiências e saberes, uma reflexão e uma reconstrução de conhecimentos. Algo que tem enorme valor, muito mais em um país tão grande e tão rico culturalmente como o Brasil.

“Nós trabalhamos a Educação Física a partir dos materiais didáticos da Editora, ou seja, em conexão com a proposta pedagógica, e também a partir da BNCC e de outras referências. E ampliamos as possibilidades em conjunto com os docentes de cada escola ou município conveniado, de acordo com as necessidades e com os saberes de cada um dos parceiros”, explica Milena.

Desemparedar e proporcionar experiências corporais são expressões-chave nas aulas de Educação Física.

Ao traçar um histórico das formações pedagógicas, Milena reforça o fato de que elas são, sempre, uma via de mão dupla, isto é, de conhecimento e aprendizado construídos conjuntamente. Algo que ganha ainda mais força na percepção de que as e os professores de Educação Física são apaixonados pelo que fazem.

E o que eles mais querem? Segundo Milena, eles se interessam muito por novas práticas que possam enriquecer seus planejamentos e seu trabalho com crianças e adolescentes. “Vejo como muito importante, também, o apoio dos gestores às aulas de Educação Física”, observa.

O reconhecimento do valor desse componente curricular, afinal, é fundamental para a vida e para o desenvolvimento das crianças. “Cada vez mais, as pessoas devem se conscientizar de o quanto o movimento é importante: ele não só é fundamental para o desenvolvimento cognitivo, mas pode salvar vidas!”, garante.

Para a assessora pedagógica da Editora Opet, a Educação Física tem muito a oferecer aos demais componentes curriculares. “Se as e os professores de outros componentes adotassem as estratégias pedagógicas da Educação Física – que incluem o desemparedar, o lúdico, os jogos e o movimento –, os processos de ensino e aprendizagem poderiam ganhar em eficácia”, analisa. A aproximação e o foco transdisciplinar e interdisciplinar, aliás, fazem parte da filosofia de trabalho da Editora: eles estão nas coleções, nos planejamentos, nas formações e na vivência de sala de aula.

Saúde na escola e na vida – Milena destaca os muitos benefícios da Educação Física para a saúde. “As aulas de Educação Física, como outras atividades, ocasionam uma liberação hormonal muito benéfica.” Dopamina, endorfina, adrenalina e serotonina estão sempre presentes nas aulas, trazendo bem estar para as crianças e para os adolescentes. É um verdadeiro “prazer em conhecer” o próprio corpo e suas possibilidades, sempre com muita ludicidade.

“Ser corpo é a realidade da vida neste mundo. O corpo somos nós, nossa identidade como manifestação de vida. O motor de toda a educação, enfim, é o lúdico – e, nisto, a Educação Física dá um show!”, decreta.

A gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto, destaca a importância das formações pedagógicas para o fortalecimento das aulas de Educação Física:

“No trabalho de formação continuada com as e os professores de Educação Física, é possível pensar e planejar os momentos com os estudantes, garantindo espaços de aprendizagem que desenvolvam o respeito às diferenças, cooperação, solidariedade e criticidade. É importante considerar que essa criança se desenvolve de maneira integral – em termos físicos e mentais.”

Pernambuco e Bahia: é tempo de implantações!

Momento de implantação no Colégio Avançar, em Paulista (PE).

A proposta Opet de uma educação humana, cidadã, transformadora, protagonista e acolhedora está chegando com ainda mais força às escolas privadas do Nordeste, mais exatamente em Pernambuco e na Bahia. Nos últimos dias, nada menos do que 11 escolas dos dois Estados participaram da implantação dos materiais didáticos, conteúdos e ferramentas digitais do selo Opet Soluções Educacionais. Ou seja, seus professores e estudantes iniciam o ano letivo com um novo sistema de ensino e, principalmente, com uma metodologia educacional inovadora.

“Implantar o sistema de ensino agora, nesta etapa inicial do ano, é uma vantagem para o desenvolvimento do trabalho nas escolas”, observa a professora Adriana Fialho, supervisora regional responsável pelo atendimento, junto com a equipe de assessores da Editora, das novas parceiras da área privada. Ela destaca o entusiasmo dos professores com os materiais didáticos e as ferramentas digitais, e também com a proposta pedagógica de fortalecimento dos laços entre família e escola. “Em todos os atendimentos, percebemos professores muito interessados, receptivos e atentos a tudo, dos livros às possibilidades oferecidas pela tecnologia.”

Como parceiras da Editora Opet, as escolas – professores, estudantes, gestores e familiares – têm acesso à Plataforma Educacional Opet Inspira, uma das mais modernas do país. A plataforma reúne tanto objetos de aprendizado – de filmes a jogos, de simuladores a planos de aula e bancos de questões – quanto as ferramentas Google Workspace for Education, que permitem a realização de aulas online e no contexto de ensino híbrido.

Criação de laços – A professora Lílian Pimentel da Silva (foto à esq.) é diretora do Colégio Professora Maria do Socorro, em Goiana, Pernambuco. Lá, conta ela, a implantação foi um momento de encantamento, algo situado muito além de uma simples “entrega de livros”.

“Em 24 anos de escola, eu não havia presenciado uma criação de laços como a que vi entre a equipe pedagógica e os formadores. Todos ficaram muito à vontade e houve uma troca de conhecimentos. O momento superou todas as expectativas da minha equipe”, avalia.

Adriana Fialho explica que todas as implantações tiveram como objetos os livros “Encantos da Infância”, para a Educação Infantil, e “Coleção Cidadania”, com foco Ensino Fundamental Anos Iniciais, Anos Finais e no Ensino Médio. “Nós percebemos uma afinidade muito grande em relação à proposta da Editora, de uma educação humana, cidadã e que aproxima.”

O professor Glaylson Rodrigues, supervisor regional, participou das implantações com a equipe de assessores. “Nós fomos muito bem acolhidos por todas as escolas. Os professores vieram para os encontros com grande expectativa, que, acredito, conseguimos suprir. E isso porque a proposta da Editora, de oferecer uma educação que aproxima e acolhe, vem totalmente ao encontro do momento atual vivido pelas escolas com o retorno às aulas presenciais”, observa.

Segundo Glaylson, elementos como a proposta de “desemparedamento” da sala de aula, o uso efetivo de metodologias ativas, a formação humana e integral, assim como o acesso a recursos digitais a partir da perspectiva da Cultura Digital, agradaram muito aos participantes. “Eles encontraram tudo isso na Editora, já durante as implantações.”

Vibração – Lílian Pimentel da Silva, a diretora do Colégio Professora Maria do Socorro, quer que o ano letivo de 2022 transcorra na mesma “vibração” da implantação. “A ideia é que essa equipe que formou meus professores esteja sempre presente, tirando dúvidas e trocando informações.” A gerente pedagógica da Editora, Cliciane Élen Augusto, garante que esse é o caminho. “Nossa relação com as escolas parceiras é, ao longo de todo o ano, das implantações à entrega dos portfolios de ações, sempre muito próxima. Nós pensamos na educação como uma construção conjunta, em que estamos sempre dialogando, solucionando e aprendendo. Assim, contem conosco!”.

Confira as fotos de algumas das implantações em Pernambuco e na Bahia:

Na escola Canteiro do Pequeno Príncipe, em Salvador (BA).
Na escola Geração Planeta Criança, Recife (PE).
No CEMP – Centro Educacional Mônica Patricia, em Lauro de Freitas (BA).
Na Escola Planeta Infantil, em Recife (PE).
No Colégio Avançar, em Recife (PE).
Na escola Nosso Ninho, em Recife (PE).

Ensino Médio: todo o poder das sequências didáticas!

Plataforma Educacional Opet INspira ganha 172 sequências didáticas

A Editora Opet acaba de carregar 172 novas sequências didáticas para o Ensino Médio na plataforma educacional Opet INspira. As sequências didáticas digitais são aulas prontas, em formato PowerPoint – ideais para o compartilhamento em ambientes de ensino remoto como o do Meet –, especialmente elaboradas para os professores que utilizam o material didático da Coleção Cidadania do Ensino Médio.

“Essas sequências contemplam 12 componentes curriculares e, somadas às 27 sequências que já havíamos disponibilizado há algumas semanas, completam a produção que havíamos planejado para este ano”, explica Luciano Rocha, coordenador de Tecnologia Educacional da Editora Opet.

“São materiais de alta qualidade especialmente desenvolvidos pelas equipes editorial e de tecnologia educacional para fortalecer o processo de ensino-aprendizado em uma etapa crítica da educação.”

No total, a plataforma educacional Opet INspira conta com um total de 600 sequências didáticas em formato Power Point, sendo 199 para o Ensino Médio e 401 voltadas aos Anos Finais do Ensino Fundamental (6º ao 9º ano).

Acessos – Luciano observa que o uso dos recursos da plataforma educacional Opet INspira pelos professores é cada vez maior. E ele vem em um processo que envolve os próprios recursos da plataforma, que são ricos e amigáveis, a conexão entre estes recursos e os materiais didáticos da Editora Opet, as formações pedagógicas associadas à tecnologia e a familiaridade cada vez maior dos professores em relação aos recursos.

“Por dia, até o momento, temos uma frequência média de 650 acessos nessa área específica das sequências didáticas em formato Power Point. Não necessariamente de downloads, mas também de uso direto do recurso. As sequências, aliás, são oferecidas em formato aberto, ou seja, o professor pode utilizá-la literalmente ou personalizá-la de acordo com seu planejamento de aula”, explica Luciano.

Com as novas peças do Ensino Médio disponíveis na plataforma, Luciano acredita que a frequência de acessos deve aumentar muito. “É para isso que trabalhamos. Queremos que os professores enriqueçam suas aulas e tenham acesso a recursos que favorecem sua criatividade e o engajamento dos estudantes.”

Como acessar – Para acessar as novas sequências didáticas, basta entrar na plataforma educacional Opet INspira usando login e senha e, em seguida, clicar no ícone “Apresentações” no menu geral (ícone ao lado). Daí, basta clicar em “Ensino Médio”. Pronto! Fácil, rápido e altamente educativo!

Parceiros Opet ganham medalhas na Olimpíada Brasileira de Astronomia (OBA)

Isabel, Marcos e Maria Eduarda: campeões “astronômicos” do Colégio Vera Cristo.

Para quem vê a educação como um processo lúdico e desafiador, o céu é o limite. Essa frase, que funciona para toda a educação, fica ainda mais interessante quando aplicada aos estudantes e escolas que participam da Olímpiada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), um dos eventos mais tradicionais do tipo promovidos no Brasil.

Fonte: oba.org.br

A OBA é realizada desde 1991 em parceria pela Sociedade Astronômica Brasileira (SAB), Agência Espacial Brasileira (AEB), Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e Governo Federal. E vem atraindo um número cada vez maior de estudantes interessados no céu e nas ciências relacionadas ao seu estudo.

Parceiros vencedores – Há alguns dias, os organizadores da OBA anunciaram os premiados da edição de 2020. E a lista trouxe uma excelente notícia para duas escolas parceiras da Editora Opet no Nordeste, a Escola Dom Mota, escola municipal em Afogados da Ingazeira (PE) e o Colégio Vera Cristo, instituição privada de Juazeiro do Norte (CE). Os estudantes do Dom Mota faturaram nada menos do que 82 medalhas, sendo 29 de ouro, 26 de prata e 27 de bronze. E os estudantes do Vera Cristo levaram três medalhas de prata. Uma prova de que, em ambas as instituições, o ensino das Ciências – e, com certeza, de outros componentes curriculares – caminha junto com a curiosidade, a conexão com a realidade, o lúdico, o protagonista e o significativo.

Cultura Olímpica – A gestora da Escola Dom Mota, professora Magally Zuza de Queiroz, conta que a instituição participa da OBA desde 2013 – e que a competição se transformou um evento muito estimado pelos estudantes. “Ao longo das edições da OBA, as conquistas têm sido ampliadas, de maneira que é uma das olimpíadas do conhecimento mais aguardadas por eles”, conta.

 Segundo Magally, o envolvimento produziu uma “cultura olímpica” dentro da escola, com olhos para outras disputas educacionais de peso. “As medalhas e as menções honrosas que os estudantes ganham a cada edição despertam o interesse de participação em outras olimpíadas, tais como a Canguru, de Matemática, Robótica, Ciências e a Matific.”

A gestora destaca que a conquista dos estudantes só é possível graças ao engajamento dos professores e ao apoio das famílias. “Tudo isso se soma ao processo que criamos em nossa instituição para fortalecer essa participação dos estudantes”, observa. E, de fato, os resultados são impressionantes!

Prata em Juazeiro do Norte – Há 28 anos, Adileia Sampaio Pires é mantenedora e gestora do Colégio Vera Cristo, em Juazeiro do Norte. Em 2020, estudantes de sua instituição conquistaram três medalhas de prata na OBA. Ela conta que o colégio participa da Olimpíada há três anos, e que a meta é transformar esta participação em uma tradição. “Queremos desenvolver o gosto pela astronomia em nossos alunos”. Em 2020, foram premiados os estudantes Isabel Cristina Neves dos Santos (7º ano) e Marcos Antonio da Silva Bezerra (9º ano), dos Anos Finais do Ensino Fundamental, e Maria Eduarda Martins Santos, da 1º série do Ensino Médio.

A mantenedora destaca o papel dos materiais didáticos e ferramentas da Editora Opet nessa conquista. “Eles deram sua contribuição. Tanto para a base quanto para o desenvolvimento dos estudantes no estudo de Astronomia.” Adileia ressalta ainda a importância da participação de toda a comunidade escolar nos bons resultados. “As contribuições vêm da Editora, dos professores, dos gestores e dos alunos.”

Objetivos – Adriana Fialho é a supervisora regional pedagógica da Editora Opet responsável pelo atendimento à Escola Dom Mota e ao Colégio Vera Cristo. Segundo ela, nas duas comunidades escolares a OBA colabora para a aprendizagem nas áreas socioemocional e cognitiva, o que faz toda a diferença.

“Para que competições como essa realmente tenham impacto na aprendizagem, a escola precisa ir além do participar e obter resultados expressivos, que podem colaborar na divulgação do seu trabalho”, observa. “Os gestores e educadores devem perceber a intencionalidade pedagógica, o que se quer alcançar realmente em benefício dos estudantes e da aprendizagem.” Ela destaca alguns resultados importantes da participação dos estudantes, como o despertar de vocações para as Ciências e a aproximação entre os temas da escola e a vida cotidiana.

“Na Escola Dom Mota, nós vemos uma ação focada em olimpíadas e em avaliações externas. A instituição também realiza um trabalho pedagógico muito próximo dos estudantes, que se envolvem e podem vislumbrar o futuro a partir da própria participação nos torneios educacionais”, avalia. “No Vera Cristo, percebemos especialmente o empenho dos gestores e dos docentes, assim como o envolvimento dos estudantes. É um trabalho cuidadoso e personalizado.”

Ensino Médio: novas sequências didáticas chegam à Plataforma Opet INspira

Uma grande notícia para os professores e estudantes do Ensino Médio! A equipe de Tecnologia Educacional da Editora Opet acaba de publicar na plataforma educacional Opet INspira uma série de 27 sequências didáticas digitais para o Ensino Médio. Materiais inéditos e exclusivos, desenvolvidos em parceria com professores especialistas, que contemplam todos os componentes curriculares deste segmento: Língua Portuguesa, Literatura, Língua Inglesa, Arte, História, Geografia, Sociologia, Filosofia, Matemática, Física, Química e Biologia. Produzidos com todo cuidado e rigor para auxiliar professores e estudantes, eles podem ser acessados pelos parceiros públicos e privados da Editora.

As sequências didáticas digitais são aulas prontas, em formato PowerPoint – ideais para o compartilhamento em ambientes de ensino remoto como o do Meet –, especialmente elaboradas para os professores que utilizam o material didático da Coleção Cidadania do Ensino Médio. “Com as sequências didáticas, os professores terão em mãos as apresentações com as telas dos estudantes”, explica a editora Eloiza Jaguelte Silva. “Além dessas telas, porém, eles também terão ‘telas ocultas’ com as orientações didáticas de cada etapa. A ideia é fortalecer e facilitar o trabalho docente”, observa.

Trabalho de inteligência –  A produção de uma sequência didática é um processo cuidadoso, que envolve planejamento e compromisso com a educação. No caso das 27 sequências didáticas digitais recém implantadas na plataforma educacional Opet INspira, elas foram desenvolvidas e direcionadas para a aprendizagem essencial de cada unidade, seu objeto de conhecimento, enfatizando a habilidade a ser desenvolvida proposta pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento que é referência fundamental para os professores brasileiros.

Em cada sequência, o professor é orientado passo a passo para que o objetivo de aprendizagem seja alcançado e a habilidade seja desenvolvida pelo estudante. Ao todo, são cinco passos:

        • O ponto de partida, que é resgate do conhecimento prévio e das práticas sociais anteriores, mobilizando para uma nova aprendizagem.
        • A problematização, identificação dos principais problemas postos pela prática social e definição de quais conhecimentos precisam ser dominados.
        • A intervenção, que é apropriação dos instrumentos teóricos e práticos para resolver os problemas (nesta etapa, o estudante é protagonista ao superar o senso comum, ampliando o conhecimento por meio de pesquisas, sistematização de informações, cruzamento de dados etc.).
        • A criação/avaliação, que é uma nova forma para entender a teoria e a prática social a que se teve acesso, permitindo que se perceba o processo de apropriação do conhecimento.
        • E o compartilhamento, que é a demonstração do desenvolvimento atual do estudante (ela traz uma nova proposta de ação a partir do que foi aprendido e uma nova perspectiva nascida da soma entre estudo teórico e pela prática).

“Os materiais didáticos desse segmento serão impactados positivamente pela proposta das sequências didáticas. E isso porque criam situações que mobilizam os estudantes para novas aprendizagens e novos desafios. E, no caso dos professores, eles têm em mãos um material rico de possibilidades, que amplia seu repertório didático”, avalia Eloiza.

Novidades à vista – Eloiza observa que as sequências didáticas são parte de um movimento da Editora Opet no sentido de fortalecer os materiais oferecidos ao Ensino Médio. Mas, não só isso. Nos próximos meses, teremos muitas novidades. No Brasil, hoje, estamos passando por um momento especial com a chegada do ‘Novo Ensino Médio’. É um projeto ousado e inovador para atender diferentes perfis de escolas, que reflete as necessidades contemporâneas de uma formação integral dos nossos estudantes”, explica.

“Além do aprendizado acerca das áreas do conhecimento, o ensino vai se voltar também para o desenvolvimento de competências e habilidades que preparem os estudantes para as questões da vida acadêmica, pessoal e profissional. E nós, da Editora Opet, estamos caminhando juntos e nos antecipando. Esse é só o começo de uma grande transformação!”, finaliza.

Como acessar – Para acessar as sequências didáticas, basta entrar na plataforma educacional Opet INspira usando login e senha e, em seguida, clicar no ícone “Apresentações” no menu geral (ícone ao lado). Daí, basta clicar em “Ensino Médio”. Pronto – fácil, rápido e altamente educativo!