Jogos Educacionais Digitais: o novo e divertido recurso da Plataforma INspira!

Nas últimas quatro décadas, a humanidade viveu uma experiência lúdica extremamente interessante: a dos jogos eletrônicos, que chegaram com a popularização dos computadores pessoais e se aceleraram com a internet e os smartphones. A atenção que crianças e adolescentes davam a esses jogos chamou a atenção dos educadores, que já conheciam o valor dos jogos tradicionais no processo de ensino-aprendizagem.

Pois bem: usando os mesmos recursos tecnológicos, eles começaram a desenvolver jogos educacionais digitais que, além de facilitar a aquisição de conteúdos, divertem e engajam. Os jogos, vale observar, também dão uma importante contribuição cognitiva: eles estimulam o raciocínio dedutivo, o desenvolvimento de estratégias para a resolução de problemas e a memorização.

Neste primeiro semestre de 2021, a Editora Opet está lançando uma série de jogos educacionais digitais na plataforma INspira. São 22 jogos educacionais exclusivos (de um total de 30, que serão lançados nos próximos meses – e outros virão!), em língua portuguesa e inglesa, desenvolvidos por nossos especialistas em Tecnologias Educacionais (TE) e do departamento Editorial. “Com esses primeiros jogos, passamos a oferecer mais um recurso importante dentro da plataforma Inspira. O foco, neste momento, são as crianças da Educação Infantil e os estudantes dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental”, diz Cristina Chagas, analista de Tecnologia Educacional da Plataforma Opet INspira, colaboradora da Editora que atuou na equipe de desenvolvimento desses recursos.

Cristina observa que os jogos foram concebidos dentro de uma proposta pedagógica integrada ao trabalho com os materiais didáticos e à metodologia. “A neurociência já comprovou o grande potencial dos jogos digitais para a aprendizagem e o desenvolvimento cognitivo das crianças e adolescentes. Não basta, porém, apenas jogar, mas relacionar os jogos a objetivos educacionais bem definidos”, observa Cristina. “E isso, os jogos digitais da plataforma INspira fazem. Eles são uma excelente estratégia pedagógica para o desenvolvimento de conhecimentos, com imaginação e criatividade.”

Telas de alguns dos jogos desenvolvidos pela Editora Opet dentro da Plataforma INspira.

Realidade digital – Na plataforma educacional Opet INspira, recursos semelhantes também são usados para engajar e oferecer conhecimentos aos estudantes dos Anos Finais do Ensino Fundamental e do Ensino Médio. São os simuladores – atualmente, 66, número que também será ampliado -, que permitem reproduzir digitalmente um grande número de experiências de disciplinas como a Física, a Química e a Biologia. Os simuladores, vale observar, são um recurso inteligente e acessível para aproximar os estudantes de uma vivência mais “empírica” dos fenômenos estudados.

Refração da Luz: Exemplo de simulador para o ensino de Física.

Brincar e aprender – Para acessar os jogos e os simuladores, basta acessar o Portal INspira, entrar com o login e senha e no menu principal clicar em “Jogos” e/ou “Simuladores”.

Confira uma síntese dos jogos que já estão disponíveis no portal:

“Brincando com Formas”: o objetivo é que a criança produza desenhos explorando a diversidade de formas, cores e complementos, estabelecendo aproximações com noções matemáticas relacionadas a espaço e forma.

“Brincando de Encaixar”: o objetivo deste jogo é que a criança identifique a silhueta da imagem correspondente e associe com a sua respectiva forma.

“Como se Escreve?”: o objetivo deste jogo é que o estudante identifique a forma correta de escrever o nome dos animais apresentados levantando e testando hipóteses sobre o sistema de escrita alfabético.

“Estoure os Balões – Alfabeto”: o objetivo deste jogo é que a criança identifique as letras e a sequência do alfabeto.

“Jogo da Memória – Aves”: O objetivo deste jogo é que a criança identifique o par de diferentes espécies de aves, desenvolvendo a atenção e a memória e ampliando seus conhecimentos sobre o tema.

“Jogo da Memória – Frutas”: O objetivo deste jogo é que a criança identifique o par de diferentes tipos de frutas, desenvolvendo a atenção e a memória e ampliando seus conhecimentos sobre o tema.

“Jogo da Memória – Mamíferos”: O objetivo deste jogo é que a criança identifique o par de diferentes espécies de mamíferos, desenvolvendo a atenção e a memória e ampliando seus conhecimentos sobre o tema.

“Jogo da Memória – Meios de Transporte”: O objetivo deste jogo é que a criança identifique o par de diferentes meios de transporte, desenvolvendo a atenção e a memória e ampliando seus conhecimentos sobre o tema.

“Ligue e Conte”: O objetivo deste jogo é que a criança identifique a forma de animais e brinquedos, reconheça as cores e estabeleça a relação entre número e quantidade (até 9).

“Meu nome é”: O objetivo deste jogo é que a criança identifique cada animal e escreva o seu nome, levantando e testando hipóteses sobre o sistema de escrita para ordenar as letras que formam cada nome.

“Pianinho”: O objetivo deste jogo é que a criança explore as notas musicais em improvisações e composições e experimente tocar canções a partir das notas dadas.

“Que Animal é Este?”: O objetivo deste jogo é que a criança identifique a palavra que nomeia cada animal a partir das hipóteses que possui sobre o sistema de escrita alfabético.

“Super Jogo da Memória – Animais”: O objetivo deste jogo é que a criança identifique o par de diferentes espécies animais, desenvolvendo a atenção e a memória.

“Super Livro de Colorir – Animais”: O objetivo deste jogo é que a criança explore variadas possibilidades de usos e combinações de cores para pintar imagens de animais.

“Super Livro de Colorir – Meios de Transporte”: O objetivo deste jogo é que a criança explore variadas possibilidades de usos e combinações de cores para pintar imagens de meios de transporte.

“Vozes dos Animais”: O objetivo deste jogo é que a criança identifique qual animal produz o som emitido, ampliando seus conhecimentos sobre o tema.

“Balloon Alphabet”: Jogo em língua inglesa cujo objetivo é que a criança identifique as letras e sequência do alfabeto.

“Kid Maestro”: Jogo em língua inglesa cujo objetivo é que a criança explore as notas musicais em improvisações e composições e experimente tocar canções a partir das notas dadas.

“Memory Game – Birds”: Jogo em língua inglesa cujo objetivo é que a criança identifique o par de diferentes aves, desenvolvendo a atenção e a memória e ampliando seus conhecimentos sobre o tema.

“Memory Game – Fruits”: Jogo em língua inglesa cujo objetivo é que a criança identifique o par de diferentes tipos de frutas, desenvolvendo a atenção e a memória e ampliando seus conhecimentos sobre o tema.

“Memory Game – Mammals”: Jogo em língua inglesa cujo objetivo é que a criança identifique o par de diferentes espécies de mamíferos, desenvolvendo a atenção e a memória e ampliando seus conhecimentos sobre o tema.

“Memory Game – Means of Transportation”: Jogo em língua inglesa cujo objetivo é que a criança identifique o par de diferentes meios de transporte, desenvolvendo a atenção e a memória e ampliando seus conhecimentos sobre o tema.

Educação Socioemocional e Tecnologia: os novos livros das coleções para familiares da Editora Opet

A Editora Opet está iniciando 2021 com uma excelente notícia: estamos lançando novos livros das coleções “Família Presente”, para familiares de estudantes da Educação Infantil, e da “Família & Escola”, voltada aos familiares de estudantes do Ensino Fundamental. Os livros são de autoria da professora Oralda Adur de Souza, que alia pesquisas e vivências sobre a relação família e escola. Ela é doutora em Educação pela UFPR, com estágio de pós-doutoramento no tema “Família na Sociedade Contemporânea”.

“A Editora oferece três coleções destinadas aos familiares: ‘Família Presente’, ‘Família & Escola’ e ‘Encontro com Familiares’. Os livros dessas coleções precisam ser revistos e atualizados constantemente, em função das inovações e das demandas que são próprias da sociedade e da educação”, explica Oralda.

Os novos volumes, conta ela, trazem informações e reflexões relacionadas ao momento que estamos vivendo. “Esse momento nos fez rever vários aspectos da convivência humana. Diante de uma situação de pandemia, tivemos que mudar hábitos, comportamentos, e vivenciar alguns valores humanos que talvez estivessem um pouco esquecidos. Foi e está sendo preciso exercitar muito a empatia, a resiliência, e aprender a lidar melhor com as nossas emoções”, avalia Oralda.

O momento também impôs a familiares, professores e estudantes a necessidade de aprender a lidar com as novas tecnologias digitais para seguir trabalhando e estudando de forma remota. “Com o distanciamento social, familiares e professores perceberam o quanto essas tecnologias podem e devem ser utilizadas a favor da aprendizagem de crianças e adolescentes. E os novos livros das coleções dos familiares abordam esses aspectos”, conta Oralda.

Resiliência – Ao analisar os últimos meses a partir de uma perspectiva da educação, ela observa, em primeiro lugar, a enorme capacidade que as pessoas têm de se adaptar às novas situações para superar desafios. “Em se tratando do processo de escolaridade das crianças, em tempos de distanciamento social, os familiares passaram a acompanhar de perto a aprendizagem dos filhos e filhas nas suas casas. Os professores, por sua vez, foram em busca de novas formas de levar até os estudantes as suas propostas de trabalho didático. Com isso, foi possível perceber a importância do trabalho coparticipativo entre esses dois contextos de convivência humana.”

Oralda Adur de Souza: pandemia forçou a sociedade a repensar hábitos e comportamentos, com reflexos importantes sobre a relação entre a família, a escola e a educação.

Algo que, observa Orada, só foi possível graças à união de esforços entre família e escola – um elemento que é central na proposta pedagógica da Editora Opet, com os selos educacionais Sefe (área pública) e Opet Soluções Educacionais (área privada). “Talvez a constatação que vai ficar é a de que, em qualquer situação, quando escola e família atuam juntas, o resultado pode ser melhor para o desenvolvimento e aprendizagem das crianças.”

Autonomia – Vários relatos mostram que, com a parceria entre família e escola, as crianças se mostram mais autônomas e seguras, mesmo em um momento tão complexo como o que estamos vivendo. “Quando a pandemia acabar, esse processo colaborativo que se fortaleceu neste momento tão difícil para os seres humanos pode continuar ocorrendo de forma presencial, com mais naturalidade, já que o sucesso dos filhos/estudantes é o que todos almejam”, observa Oralda. E a Editora Opet estará com as famílias e a escola nesse processo, trazendo reflexões, livros e formações para o melhor desenvolvimento da educação.

Educação Digital: colaboradores da Editora avançam nas certificações “Google for Education”

Desde antes da pandemia, a Editora Opet trabalha para oferecer ferramentas digitais que garantam apoio a uma educação da mais alta qualidade. Desenvolvemos a Plataforma INspira, que se conecta às nossas coleções e traz sequências didáticas, conteúdos complementares multimídia, jogos e avaliações. E, desde março, somos parceiros Google para a oferta, aos nossos clientes públicos e privados, dos recursos do Google for Education. Hoje, as ferramentas Google são utilizadas por 137 mil pessoas – entre professores, gestores, estudantes e famílias – parceiros da Editora Opet.

Como a experiência mostra, porém, não basta apenas adquirir ferramentas. É preciso saber utilizá-las e saber instruir as pessoas para que as utilizem e aproveitem ao máximo. E, é claro, manter nossa própria equipe atualizada – até mesmo porque, tanto no caso da Plataforma INspira quanto do Google for Education, as atualizações são permanentes.

Dentro dessa proposta, na última semana toda a equipe pedagógica da Editora Opet fez a prova para a certificação do nível 01 do Google – Certified Educator Level 01 –, com taxa de aprovação de 70%.

“Essa certificação oficial do Google é voltada a educadores que têm noções básicas do uso das ferramentas Google”, explica a gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto. Fazem parte do conjunto de conhecimentos o Google Drive, Sala de Aula, Meet, Youtube, Documentos, Apresentações, Planilhas, Formulários, Sites, Grupos e Agenda.

“Como nossa equipe já utiliza as ferramentas Google no trabalho formativo que fazemos com os conveniados, essa certificação foi uma forma de chancelar todo esse trabalho.” Para se preparar para o exame, em novembro a equipe fez um treinamento oferecido pela Nuvem Mestra, parceira da Editora na implantação das ferramentas.

Cliciane: certificação do Google é uma chancela para o trabalho realizado pelos assessores pedagógicos e supervisores da Editora Opet.

Cliciane observa as características da prova, que não é técnica, mas envolve uma proposta de repensar propostas para a sala de aula a partir das ferramentas digitais. “Não é, apenas, uma prova e uma certificação. É um processo que mostra e chancela um trabalho que já vem sendo desenvolvido, em termos práticos, desde o início de março.”

A avaliação também tem um caráter de reciclagem, especialmente porque as ferramentas Google estão em constante renovação. “As certificações do Google são válidas por três anos. Esse fato nos estimula a seguir estudando, algo que é fundamental para todo educador.”

Segundo Cliciane, a formação preparatória continua, com vistas à obtenção do nível 02 (Certified Educator Level 02) e da aprovação, no nível 01, dos candidatos que não tiveram sucesso na primeira prova. “A meta da empresa é ter 100% da equipe pedagógica certificada Google e estamos trabalhando para isto de forma permanente.”

O maior ganho, lembra ela, é o da própria educação. “Nossa equipe é formada por mediadores que têm um papel muito importante na difusão e no melhor aproveitamento dessas ferramentas. Ao obter essa certificação, eles têm um reconhecimento importante de suas habilidades e, ao mesmo tempo, levam aos nossos parceiros informações e conhecimentos atualizados.”

A própria Cliciane tem as certificações dos níveis 01 e 02, e vai seguir estudando para obter as quatro certificações do Google – Trainee (03) e Innovator (04). E o que ela aprendeu nesse processo de aquisição de conhecimentos? “Adquiri um olhar mais significativo para as tecnologias, pensando sempre em como facilitar o processo de ensino e aprendizagem em formato remoto.”

Cliciane destaca a importância do estímulo à reciclagem, uma vez que as certificações do Google são válidas apenas por um período de tempo. “É uma provocação para que o educador não fique parado, para que estude sempre. Essa atualização constante é uma meta que buscamos no pedagógico da Editora.”

Integração – Outro colaborador que conquistou o nível 02 de educador certificado Google é Luciano Rocha, coordenador de Tecnologias Educacionais da Editora e responsável pela materialização da Plataforma INspira. Sua meta, em relação às certificações, está na aquisição da excelência, dentro da meta de integração das duas plataformas (INspira e Google for Education) programada para 2021.

Luciano Rocha: certificação e aproximação das plataformas INspira e Google.

“Esses exames serviram para que eu pudesse explorar todo o potencial desses aplicativos nos diferentes cenários de aprendizagem apresentados. E, a partir daí, usar esse conhecimento para ajudar a equipe a desenvolver os recursos de integração entre os conteúdos e objetos digitais da Plataforma Educacional Inspira e as ferramentas do Google. A ideia é oferecer uma experiência ainda mais rica e intuitiva ao nossos parceiros.”

Opet e Cabreúva: os bons frutos de uma parceria fantástica!

As formações pedagógicas – como esta, realizada presencialmente antes da pandemia – são um ponto forte da parceria Opet-Cabreúva. Foto: Prefeitura de Cabreúva.

A Editora Opet e o município paulista de Cabreúva mantêm uma parceria estratégica na educação municipal. As crianças e os estudantes cabreuvenses utilizam os materiais didáticos e ferramentas desenvolvidas pela Editora, e o trabalho dos professores e dos gestores têm a assessoria e o apoio da equipe pedagógica Opet. Uma parceria que, ao longo do tempo, ajudou a construir uma política educacional de alta qualidade, baseada em uma educação humana, cidadã, inovadora e transformadora. E que tem tido bons resultados, como se pode perceber, por exemplo, nos números do IDEB, o Índice Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica. Desde o início da avaliação, em 2007, o IDEB de Cabreúva para a 4ª série/5º ano registrou um aumento de 31,25%, passando de 4,8 para 6,3.

“A parceria entre Cabreúva e a Editora Opet trouxe um enorme crescimento profissional para a nossa equipe, para os professores e para as pessoas do apoio. Além disso, trouxe um grande suporte para a aprendizagem em toda a nossa rede municipal”, avalia a secretária municipal de Educação de Cabreúva, professora Juliana Purificação.

Segundo ela, um dos pontos mais fortes da parceria é a atenção recebida dos assessores pedagógicos da Editora. “O time de profissionais nos atende sempre com solicitude e carinho. Eles estão conosco em todas as atividades e em todas as palestras que promovemos. Isso é gratificante!”, conta.

Um exemplo dessa parceria foi o Fórum de Educação de Cabreúva, realizado recentemente online e que reuniu cerca de 700 profissionais. “Nós tivemos a ousadia de realizar o Fórum, que é um evento importante para debater os rumos da educação, e a Editora esteve presente todos os dias”, conta Juliana. Neste momento de pandemia, aliás, a Editora Opet ofereceu ao município as ferramentas digitais necessárias para que a educação seguisse funcionando.

Secretária Juliana Purificação: parceria com a Editora Opet trouxe crescimento para a educação de Cabreúva. Foto: Patrícia Jacques.

“Vivemos um momento delicado, de distanciamento social e aulas remotas, e a Opet não deixou enfraquecer a parceria. Muito pelo contrário!”, observa. “Em nossas aulas, utilizamos várias ferramentas oferecidas pela Editora, como o Google Classroom e o Meet, e seguimos em frente. O uso foi intenso, e isto está ligado, também, às pessoas que deram o apoio necessário. O corpo de colaboradores da Opet é muito preparado.”

A secretária também destaca o acerto da proposta Opet/Sefe de aproximar escola e família. Uma proposta que é reforçada, por exemplo, em encontros com familiares de estudantes como o realizado neste mês no município, em formato online, de que participaram cerca de 350 famílias.

“Aproximação com as famílias tem muito valor. Em cada encontro, vários pontos são discutidos. Além disso, ter a família por perto fortalece o processo de aprendizagem e gera um clima favorável, em que a criança e o adolescente estão no centro, o que favorece seu desenvolvimento humano e social.”

A gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto, destaca o valor da parceria com Cabreúva e a proximidade das pessoas, que, segundo ela, são muito comprometidas com a tarefa de educar. Cliciane também ressalta o valor do trabalho com os familiares.

“O encontro com familiares é um momento especial em que família e escola têm a oportunidade de refletir sobre o desenvolvimento das crianças e adolescentes”, observa. “Dar continuidade aos encontros com familiares em formato online é uma nova forma de nos aproximarmos e pensar juntos em uma educação afetiva, responsável e que potencialize as aprendizagens dos estudantes.”

Trabalho qualificado – Karina Ribeiro Pires é diretora da Escola Municipal de Educação Básica (EMEB) Olga Clini Malvezzi. Para ela, a parceria com a Editora Opet tem um papel importante no resultado de aprendizagem pelos estudantes. “Cabreúva vem desenvolvendo um trabalho qualificado, que está formando alunos críticos, autônomos e criativos”, observa. Ela destaca as muitas formações pedagógicas realizadas com os professores pela equipe da Editora Opet. “Essas formações têm um impacto direto sobre a formação dos alunos.”

Implantação dos materiais Sefe, da Editora Opet, em 2018. Fonte: Prefeitura de Cabreúva.

O valor do tempo – Para o gerente comercial da Editora Opet para a área pública, Roberto Costacurta, o tempo de parceria é a melhor prova do valor do trabalho. “A Editora Opet ajudou Cabreúva a construir uma política de educação que se estende para além dos mandatos. Isso é algo extremamente valioso. Mostra respeito aos cidadãos e, também, um olhar mais profundo para a educação”, avalia.

Santa Mariana (PR) dá um salto no IDEB e se prepara para avançar ainda mais

Nos últimos quatro anos, educação de Santa Mariana deu um salto de qualidade. Foto: Departamento de Ouvidoria e Comunicação Social da PMSM.

Em quatro anos, a educação municipal de Santa Mariana deu um salto: o Índice de Desenvolvimento do Ensino Básico (IDEB) aumentou 13,46%, passando de 5.2 para 5.9. Com isso, o município se adequou à meta projetada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira, o INEP, e está pronto para um novo ciclo de crescimento e superação das metas. Há quatro anos, o município é parceiro da Editora Opet, utilizando os materiais didáticos, ferramentas, implantações, formações e assessoramento pedagógico do selo Sefe – Sistema Educacional Família e Escola para a Educação Infantil, a Educação Especial e o Ensino Fundamental.

Secretária Mara Martins: parcerias fazem com que a educação avance. Fonte: Arquivo pessoal.

A secretária municipal de Educação, professora Mara Martins, destaca a importância da parceria. “Para ter sucesso no plano de ação da secretaria, não basta ter boa vontade e condições econômicas e estruturais. É importante firmar parcerias que façam com que a educação avance.” Segundo ela, a parceria garantiu subsídios para o trabalho. “Nossos profissionais são dedicados e antenados e nosso parceiro, a Opet, é idealizador e fomentador da busca pelo melhor, atualizando os conteúdos multidisciplinares de acordo com a legislação vigente e  o momento histórico”, observa.

A secretária também destaca o valor de sua equipe, assim como a aproximação família-escola, tônica da parceria com a Editora Opet. “O trabalho desenvolvido pelas escolas com o Sefe avançou muito. Os encontros sempre buscam que as famílias se sintam acolhidas e que as crianças sintam que a família é o porto seguro.”

Formação pedagógica realizada com a equipe da Editora Opet antes do período de distanciamento social. Foto: Departamento de Ouvidoria e Comunicação Social da Prefeitura.

Dúvidas e avanços – Ao analisar os avanços da educação de Santa Mariana, a professora Agda Pavanello, diretora da Escola Municipal Pedro Moreira da Silva, resgata o passado recente do município. “Nós começamos a evoluir em 2013, com grandes conquistas a partir de 2015. Os professores ficaram mais motivados e satisfeitos. Eu diria que a nossa educação está avançando graças ao trabalho incansável de todos os envolvidos.” O IDEB de sua escola, por exemplo, saltou de 5.3 para 6.0 em quatro anos, um avanço de 13,02%.

Questionada sobre a parceria com a Editora Opet, a diretora lembra que, no início, ela despertou dúvidas. “Todo trabalho novo gera dúvidas, mas, assim que começamos, percebemos a evolução dos nossos estudantes. Vimos também um grande avanço em relação à aproximação família-escola, algo que é muito importante para o sucesso da educação.”

Diretora Agda Pavanello em um momento de interação digital com a equipe da Editora Opet. Foto: Arquivo pessoal.

A professora Lorena Carnelossi Araujo dá aulas no Centro Municipal de Educação Infantil Etelvina França Machado. Para ela, a parceria com a Editora Opet é muito eficaz no processo de ensino-aprendizagem. Um dos pontos altos, segundo ela, são as formações pedagógicas realizadas pela equipe da Editora. “As formações são muito boas e os formadores explanam o conteúdo de forma clara e objetiva. Eles sempre trazem novidades e ofertam novas possibilidades de ensino e aprendizagem.”

Lorena também destaca a qualidade dos materiais didáticos. “O material é rico em detalhes, cores e formas, tudo pensado para a criança de acordo com cada faixa etária. Além disso, os conteúdos seguem uma sequência gradativa de complexidade, estão sempre associados.” Segundo ela, os materiais vêm cumprindo um papel importante durante o período de aulas remotas. O mesmo vale em relação à aproximação entre as famílias dos estudantes e a escola, que é importante para o trabalho virtual.

Para a professora Rosa Maria Souza Ferreira, que dá aulas para turmas de 2º e 5º ano nas escolas municipais Carmela Dutra e Pedro Moreira da Silva, os bons resultados da parceria com a Editora Opet se mostram na aprendizagem. Uma parceria que, segundo ela, propõe aos docentes uma perspectiva inovadora, reflexiva e interdisciplinar sobre a educação. “Eu destaco esse olhar crítico e avaliativo, que vem ao encontro das necessidades dos nossos estudantes.”

Educação Especial – Por suas características, a educação especial exige um suporte ainda mais intenso para os professores, estudantes e famílias. E esse suporte é encontrado na parceria com a Editora Opet. “Os materiais contemplam conteúdos adequados ao ensino, principalmente na questão estética. As imagens são grandes e coloridas, e isso chama atenção dos alunos.”, explica a professora Edvânia Marconcin, da Escola Municipal Pedro Moreira. Ela destaca a importância das formações continuadas. “Elas são muito boas e dão suporte para a prática docente. Pelo menos eu, como professora, fiz e faço uso de dicas e estratégias de atividades abordadas na formação.”

DedicaçãoA gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto, atribui o sucesso da educação municipal de Santa Mariana ao trabalho cuidadoso realizado nos últimos anos. “Vemos planejamento e, também, uma equipe de gestores e professores motivada, que valoriza a parceria, os materiais didáticos, os momentos formativos e o diálogo pedagógico. Isso consolida o caminho para que a educação de Santa Mariana avance ainda mais nos próximos anos.”

Para o gerente comercial da Editora Opet para a área pública, Roberto Costacurta, é importante ressaltar o compromisso dos gestores de Santa Mariana com a educação. “Ao longo dos anos, testemunhamos o empenho do prefeito Jorge Nunes, da secretária Mara Martins e de toda a equipe em relação à educação. Foram muitos investimentos e muitas conquistas, que já estão fazendo a diferença para o município.”

Ibirá (SP): uma parceria de sucesso pela Educação municipal

Momentos da educação municipal de Ibirá antes e durante a pandemia. O cuidado é uma das marcas da educação municipal. Foto: SME Ibirá.

Há pouco menos de um ano, no início de 2020, o município paulista de Ibirá e a Editora Opet, por meio do selo educacional Sefe, firmaram uma parceria educacional para a adoção de materiais didáticos, formações pedagógicas e assessoramento técnico de professores e gestores. Uma parceria que abrangeria a Educação Infantil, o Ensino Fundamental I e II, além de um processo de aproximação entre as famílias dos estudantes e a escola.

O trabalho começou até que, em março, a pandemia da Covid-19 mudou radicalmente a “cara” da educação em todo o país. Vieram as aulas remotas e, com elas, a necessidade de oferta e domínio das tecnologias digitais. Algo que, no caso de Ibirá, teve total apoio da Editora Opet, que forneceu as plataformas Inspira e Google for Education a professores, gestores e estudantes, além da formação necessária ao melhor uso das ferramentas e ao desenvolvimento das aulas online. O resultado? Uma educação municipal que, a despeito das dificuldades, se manteve com um alto nível de qualidade – Ibirá possui uma das notas mais altas do IDEB em São Paulo: 7,3.

A gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto, destaca o valor da parceria como chave para entender o sucesso da educação em Ibirá. “Ibirá representa a essência do nosso atendimento pedagógico. Especialmente neste ano, quando ficou provado o enorme valor que têm a própria parceria e o atendimento pedagógico personalizado.”

Para Cliciane, a relação foi muito boa desde o início, quando os gestores e os professores se mostraram dispostos a conhecer e a se aprofundar na proposta pedagógica da Editora. “São pessoas críticas e abertas ao diálogo e às mudanças”, observa.

Segundo ela, a integração das equipes – do município com os times pedagógico e comercial da Editora – também colaborou para o sucesso do trabalho. “Uma prova excepcional da qualidade desse trabalho foi a premiação de uma profissional da rede municipal, a professora Daiane Fazan, no Ação Destaque, nosso prêmio nacional anual para a educação pública.”

O representante comercial da Editora Opet para a área pública na região, Maurício Pessoa Gebran, destaca o comprometimento dos professores e dos gestores com o desenvolvimento da educação. “O envolvimento de todos é muito grande. E nós, de nossa parte, buscamos levar o que temos de melhor. Um exemplo é o dos encontros com as famílias, que estão no núcleo da proposta pedagógica da Opet e que fazem toda a diferença na educação.” Maurício destaca, ainda, a importância dos materiais didáticos de alta qualidade, que serviram como um guia para o momento de educação remota.

EngajamentoHá muitos anos, a professora Alessandra Cristina Moura Pinheiro desempenha um papel importante da educação de Ibirá. Como assistente técnica da secretaria municipal de Educação, ela coordena o processo de gestão, trabalhando em contato direto com as equipes do município e da Editora Opet. Sua avaliação do trabalho realizado em 2020 é bastante favorável.

“A parceria do município de Ibirá com a Editora Opet nos trouxe a segurança que precisávamos. Ela é elogiada pelos professores, equipe de gestores, pais e alunos”, observa. “A principal mudança percebida foi a participação dos professores nas capacitações e atividades propostas, mesmo em tempos de pandemia.”

Alessandra também destaca o engajamento de sua equipe em relação ao sistema de ensino. “Quando os materiais Sefe chegaram às mãos dos professores, os gestores deram todo um suporte, pois sabiam que era um material de excelente qualidade e que merecia ser ‘abraçado’, fazendo o melhor que pudessem com o apoio da equipe pedagógica, para o sucesso de todos.”A gestora também observa o empenho da equipe pedagógica da Editora. “Há anos, vínhamos percebendo a desmotivação dos professores em relação às capacitações. A equipe pedagógica Opet tem realizado um trabalho maravilhoso.”

Todo esse trabalho resultou em um ano em que, a despeito de todas as dificuldades, a educação ibiraense se manteve sólida e criativa. O melhor exemplo disso é a professora Daiane Fazan, Que recentemente conquistou o segundo lugar na categoria “Ensino Fundamental – Anos Iniciais” do 10º Prêmio Ação Destaque, promovido pela Editora Opet. O prêmio é um dos mais tradicionais do país no segmento de sistemas de ensino para a área pública.

Daiane se destacou entre os dez finalistas de sua categoria com o projeto “E depois da pandemia? Esperanças e soluções para Estância Turística de Ibirá”, com foco no futuro pós-pandemia e nas relações entre as pessoas e o município.

Reconhecimento da Educação Pública – “Não há palavras para descrever tamanha satisfação ao ser premiada no Ação Destaque”, conta Daiane. “Trabalhamos com afinco para alcançar resultados satisfatórios e eficazes em nosso projeto ao longo do semestre e ver todo o reconhecimento recebido por ele foi uma sensação ímpar – tanto para mim, enquanto educadora, quanto para os estudantes, que se dedicaram sem reservas às aulas e às atividades propostas.”

Daiane se diz muito feliz, também, pelo reconhecimento que o prêmio trouxe para o seu trabalho e para a educação municipal. “Isso é essencial para que a sociedade constate o quanto a escola pública é importante, inovadora e resistente, mesmo em meio aos desafios que nos são impostos, como no caso da pandemia. Um trabalho reconhecido dessa maneira é motivo de esperança e motivação para novos projetos que viabilizem o desenvolvimento pleno de nossas escolas e de nossas crianças.”

O uso combinado dos livros e das ferramentas digitais é outro fator do sucesso da educação de Ibirá. Foto: Daiane Fazan.

Digital + Real: Educação, Realidade Aumentada e o Google for Education

Você provavelmente já 15ouviu falar em Realidade Aumentada (RA). É uma tecnologia relativamente recente que, nos últimos anos, ganhou força, inclusive na educação. E que, com o aumento da velocidade e da capacidade das redes, em especial com a chegada da tecnologia 5G, deve se tornar ainda mais popular em pouco tempo. Assim, prepare-se!

Mas, afinal, o que é a Realidade Aumentada (RA)?

Realidade Aumentada (RA) é o nome dado à tecnologia de sobreposição de objetos digitais ao mundo real, em tempo real, com resultado de “aprofundamento” de informações. Imagine, por exemplo, “ver” dos órgãos internos do seu cachorro de estimação, usando para isso seu próprio smartphone e um aplicativo que traz imagens digitais tridimensionais destes órgãos e os “aplica” à realidade. Ou, então, ter acesso a várias informações sobre uma obra de arte apenas de apontar seu smartphone para ela. Isso é RA!

Ela se diferencia da Realidade Virtual (RV), que é composta exclusivamente de objetos e cenários criados digitalmente – como, por exemplo, nos jogos eletrônicos que simulam planetas alienígenas, cidades ou ambientes históricos.

Para que a Realidade Aumentada seja possível, é preciso um software que “cruze” o real e o digital e um aparelho capaz de fazer a leitura e exibição das imagens. Esses aparelhos podem ser tablets e smartphones ou, então, plataformas específicas. Diferentemente da realidade virtual, a realidade aumentada não cria um mundo completamente virtual e fictício, mas utiliza o ambiente real como cenário para um objeto digital. Um exemplo conhecido? O jogo “Pokémon Go”, que combina geolocalização e interação com personagens digitais.

Realidade aumentada na educação

Imagine o quão cativante seria uma aula em que as ilustrações pudessem “saltar” do livro e ter movimentos, expressões e falas. Ou poder ver, em uma parede da sala de aula, os movimentos do sistema solar, o curso da água pela estrutura de uma planta ou da lava até a erupção de um vulcão.

Com a realidade aumentada, a exposição à informação sensorial aumenta, o que facilita a interpretação, assimilação e compreensão dos conteúdos. É essa possibilidade de imersão que caracteriza a eficiência desse recurso para a educação, além de ser uma tecnologia acessível e de fácil aplicabilidade.

Outra vantagem é que o pano de fundo dessa experiência é o próprio ambiente escolar, o que faz com que o aluno associe aquela experiência de estudo à escola. Além disso, o componente digital faz parte de um universo muito popular e curioso para esta geração, o que coloca o interesse do estudante como ponto de partida para o desenvolvimento da aula e do conteúdo.

O professor

Por mais possibilidades que possa trazer, a tecnologia, por si, não promove educação. Ela é apenas um recurso eficiente para a comunicação entre os agentes do processo de ensino aprendizagem: o professor e o estudante. Por isso, é importante que o professor busque, antes de tudo, conhecer, estudar e compreender a realidade aumentada – assim como os conteúdos ministrados – para poder utilizá-la de forma relevante e contextualizada.

Engajar os estudantes é um dos principais desafios dos professores, e a RA pode ser uma aliada potente para isso.

A RA e o Google for Education

Os usuários do Google for Education – caso dos parceiros públicos e privados da Editora Opet – têm acesso a uma tecnologia poderosa de Realidade Aumentada. Ela atende pelo nome de “Google Expeditions” – um aplicativo – e permite uma exploração do mundo de forma virtual. Seus conteúdos abrangem, por exemplo, temas de História, Ciências, Artes e Mundo Natural, inseridos digitalmente na realidade em animações e gráficos fantásticos em 3-D. Pense, por exemplo, em dinossauros, astronomia, pintores renascentistas, fenômenos naturais, órgãos do corpo humano… tudo isto está lá e pode ser usado em aulas criativas e envolventes! As imagens em 360 graus permitem uma imersão no mundo virtual – e seu cruzamento com o mundo real -, em expedições guiadas pelo professor ou pelos próprios estudantes.

Para acessar o Google Expeditions, os requisitos mínimos são, além da conta no Google, o aplicativo “Expeditions”, disponível gratuitamente nas lojas Play Store e App Store, e um smartphone compatível com o aplicativo. Aos professores, o aplicativo também fornece a possibilidade de criação de conteúdos exclusivos para as aulas.

Para mais conteúdos como esse, acompanhe nosso blog e nossos perfis nas redes sociais.

Papelão, plástico e smartphone: o próprio Google fornece modelos de óculos de realidade aumentada/realidade virtual que podem ser produzidos em casa.

 

Professores parceiros da Editora Opet participando de formação pedagógica com o uso de leitores de Realidade Virtual.

Papelão, plástico e smartphone: o próprio Google fornece modelos de óculos de realidade aumentada/realidade virtual que podem ser produzidos em casa.

“Diálogos Pedagógicos 2020” atraem municípios de todo o país

Momentos dos “Diálogos Pedagógicos 2020”, que reuniu representantes de 75 municípios de todo o país.

A quinta-feira (23) foi muito especial para a Editora Opet: foi quando realizamos os “Diálogos Pedagógicos 2020”, momento de apresentar as soluções do selo educacional Sefe para as equipes pedagógicas de municípios de de todo o país.

Neste ano, o evento, que já é uma tradição da Editora, foi realizado em formato online, respeitando os protocolos sanitários da pandemia. E foi um grande sucesso: ao todo, participaram representantes de 75 municípios, dos Estados do Acre, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe.

“Ficamos muito felizes com a receptividade dos municípios e com o interesse no nosso trabalho”, diz o gerente comercial da Editora para a área pública, Roberto Costacurta. Segundo ele, as dimensões do evento estão além do aspecto comercial. “Com os Diálogos Pedagógicos, fazemos uma aproximação inteligente e respeitosa dos municípios. Não é apenas uma apresentação fria de materiais didáticos, mas um diálogo mesmo, uma oferta e uma troca de conhecimentos”, observa.

No evento de ontem, os participantes foram brindados com uma palestra do professor Renato Casagrande, um dos grandes especialistas em Educação do país. Ele falou sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), relacionando este importante documento ao processo de ensino-aprendizagem na pandemia. Além disso, puderam conhecer em detalhes os materiais e as bases teórico-metodológicas que norteiam o trabalho do Sefe, em apresentações realizadas pela gerente pedagógica da Editora, Cliciane Élen Augusto, e pelas supervisoras pedagógicas Marina Cabral Rhinow (Educação Infantil) e Rúbia Cristina da Costa (Ensino Fundamental, Ensino Médio e Especialidades). E ouviram os testemunhos dos secretários municipais de Educação de Cotia (SP), Luciano Corrêa, e de Fortaleza (CE), Dalila Saldanha. Ambos falaram sobre os bons resultados da parceria com a Editora Opet (Sefe) em seus municípios.

“A parceria com o Sefe se baseia integralmente em um critério técnico, inclusive com a participação dos professores na seleção dos materiais. E ela vem se aprimorando ano a ano com muito sucesso em relação à alfabetização, que era o nosso maior desafio”, observou a secretária Dalila, de Fortaleza. Há cerca de 15 dias, o Ceará divulgou os resultados de seu sistema de avaliação, o SPAECE, que mostrou que 94,4% dos estudantes de Fortaleza são alfabetizados na idade certa. E a parceria com o Sefe atende justamente a Educação Infantil e o 2º ano dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental – etapas críticas para a alfabetização.

O secretário de Educação de Cotia, Luciano Corrêa, destacou o processo seletivo que culminou na escolha dos materiais e soluções Sefe para o município. “Dentre todos os sistemas de ensino, o da Editora Opet foi o melhor. Além disso, ele se destaca na formação pedagógica ampla dos professores, um processo que vimos, inclusive, durante a pandemia, com as formações virtuais. Eu só tenho a enaltecer e a agradecer à Editora Opet.”

Aproximação – A gerente pedagógica da Editora, Cliciane Élen Augusto, destaca os Diálogos Pedagógicos em sua essência, de abrir um canal de comunicação com possíveis futuros parceiros, os chamados prospects, e com os próprios parceiros participantes. “É uma oportunidade de aproximação, de mostrar os fundamentos do nosso trabalho para além dos materiais didáticos. É, também, uma forma de mostrar como uma parceria com um sistema de ensino sério e comprometido amplia o alcance e a qualidade do trabalho de uma secretaria municipal de Educação.”

Para Roberto Costacurta, os municípios brasileiros estão em busca de inovação no campo educacional. Não apenas tecnológica, capaz de dar conta de questões como as colocadas na pandemia, mas humana, cidadã e de alta qualidade. “Isso, a Editora Opet tem a oferecer. Ficamos muito felizes com a confiança de todos os gestores participantes. Foi um bom começo! Estamos à disposição de todos para avançar na parceria.”

Avaliação de aprendizagem na pandemia e no mundo digital: desafios e oportunidades

A avaliação da aprendizagem é um instrumento fundamental para identificarmos a evolução dos estudantes durante todo o processo de ensino-aprendizagem. Ela acontece, em termos gerais, pela aplicação de provas e distribuição de notas. No entanto, a avaliação da aprendizagem não pode e não deve ser resumida a isso.

Estratégias como trabalhos em grupo, debates e discussões, realização de autoavaliação por parte dos estudantes, observação e anotações do educador durante as aulas e atividades são alguns exemplos da ampla variedade de formas de avaliação existentes.

Nesse sentido, para uma avaliação da aprendizagem efetiva, é necessário que haja um acompanhamento durante todas as etapas do processo educativo. Que leve em conta as habilidades e dificuldades de cada um como particularidades que devem ser respeitadas e consideradas no processo de ensino-aprendizagem.

A Editora Opet tem na avaliação do aprendizado uma de suas grandes preocupações. Para fortalecer esse processo, criou o Programa InDica de Gestão da Aprendizagem, que traz ferramentas muito precisas para o diagnóstico e o encaminhamento dos resultados.

 

Aa pandemia e suas implicações na avaliação

Diante do cenário de pandemia que estamos vivendo, tanto a avaliação da aprendizagem quanto todo o processo de ensino-aprendizagem precisaram ser repensados e adaptados de acordo com as medidas de distanciamento social adotadas.

Dessa forma, o campo da educação precisou se “desprender” do ambiente presencial e se adaptar à nova realidade no mundo digital. A tecnologia, quando usada com planejamento e criatividade, pode proporcionar um espaço de novas oportunidades e trocas entre estudantes e educadores. Além disso, novas estratégias de ensino e de avaliação foram desenvolvidas como formas de adaptação ao novo cenário.

No entanto, com o intenso uso da tecnologia como principal ferramenta de acesso ao ensino, muitos estudantes não estão conseguindo acompanhar o processo de ensino-aprendizagem devido à falta de acesso tanto à internet quanto a computadores, tablets ou smartphones.

 

Por um lado, o uso da tecnologia demonstrou a possibilidade de adaptação frente a realidade de pandemia para alguns estudantes e educadores. Mas, em contrapartida, escancarou, mais uma vez, a atual realidade brasileira de desigualdade do acesso à educação.

 

Avaliação a distância

Em meio a tantas dificuldades do ensino remoto durante o período de pandemia, está o desafio de realizar a avaliação da aprendizagem de forma remota. Repensar a forma de avaliação e desenvolver estratégias que funcionem no mundo digital têm sido um grande desafio.

Os recursos mais utilizados são os ambientes virtuais de aprendizagem, que servem tanto para a disponibilização de materiais por parte dos professores quanto para a realização de atividades e discussões em fóruns por parte dos estudantes.

Observar o engajamento dos estudantes durantes as aulas online e na realização de atividades nos ambientes virtuais também é uma forma de avaliação adotada.

O uso de alguns aplicativos para aprimorar o processo avaliativo e engajar os estudantes enquanto realizam testes também tem sido opção para os educadores.

Além disso, a relação entre professor e estudante pode ser uma das principais fontes de avaliação de aprendizagem durante o ensino remoto.

Por fim, apostar em diferentes instrumentos de avaliação da aprendizagem pode ser o grande diferencial para os educadores. Além disso, as estratégias utilizadas devem respeitar as habilidade e limitações de cada fase do ensino-aprendizagem para ser aplicadas.

 

Para saber mais:

(*) – Sobre avaliação do aprendizado, escute a edição especial do #OpetCast, o podcast de Educação da Editora Opet, com a supervisora pedagógica Rúbia Cristina da Costa. Disponível em:

https://soundcloud.com/editoraopet/avaliacao-da-aprendizagem-desafios-e-oportunidades

(*) – Sobre o Programa InDica de Gestão da Aprendizagem, escute a edição especial do #OpetCast com seu criador, Luciano Rocha. Disponível em:

https://soundcloud.com/editoraopet/conheca-o-programa-indica-de-gestao-de-aprendizagem

 

Escolas: o futuro da educação é híbrido

O processo histórico transforma as sociedades e a realidade. Esse mesmo processo também transforma as escolas, que, por sua vez, colaboram para as mudanças. É um processo circular, dinâmico, movido por necessidades, desafios, erros, acertos e criatividade.

A escola, é claro, mudou muito e em pouco tempo. Se pensarmos que, há pouco mais cem anos, boa parte da população não ia à escola, que a escola pública era para poucos, que não havia universidades no Brasil e que às mulheres era recusado o direito de avançar nos estudos, vemos que houve grandes avanços.

Hoje, em 2021, em meio a uma pandemia, a Escola mudou novamente. Em outros sentidos, por outros motivos, mas mudou. A virtualização do ensino está nas reflexões e na prática diária de educadores, gestores, famílias e estudantes. Alguns mostram uma resistência compreensível, outros aversão e outros, ainda, um encantamento ingênuo. Fato é que esse assunto está na ordem do dia e precisa ser discutido.

Levando em conta que a escola não pode (nem consegue) ser estática em relação à sociedade, acompanhar a revolução digital e utilizar recursos e ferramentas tecnológicas são coisas imprescindíveis. Porém, não basta incluir um novo recurso ou dar aulas online para adaptar o ensino a uma nova estrutura, sistema e abordagem.

Dentro dos seus limites, as aulas virtuais têm conseguido conquistas no processo de ensino-aprendizagem neste momento de distanciamento social. Um processo importante, uma transformação cultural que, com certeza, terá reflexos no futuro. Mas, que não elimina – em hipótese alguma – o valor das aulas presenciais. Não é caso, aliás, de contrapor esses dois universos, mas de perceber como eles vão funcionar juntos, em um modelo híbrido, aproveitando o melhor de cada componente. Essa, com certeza, é uma das novas discussões da educação, que se soma a tantas outras. E nós, com nosso trabalho presencial, virtual e híbrido, estamos participando!

 

Sugestão de leitura:

Paulo Freire e as Novas Tendências na Educação – Judas Tadeu de Campos

https://ken.pucsp.br/curriculum/article/viewFile/3196/2118