Ensino Médio: novas sequências didáticas chegam à Plataforma Opet INspira

Uma grande notícia para os professores e estudantes do Ensino Médio! A equipe de Tecnologia Educacional da Editora Opet acaba de publicar na plataforma educacional Opet INspira uma série de 27 sequências didáticas digitais para o Ensino Médio. Materiais inéditos e exclusivos, desenvolvidos em parceria com professores especialistas, que contemplam todos os componentes curriculares deste segmento: Língua Portuguesa, Literatura, Língua Inglesa, Arte, História, Geografia, Sociologia, Filosofia, Matemática, Física, Química e Biologia. Produzidos com todo cuidado e rigor para auxiliar professores e estudantes, eles podem ser acessados pelos parceiros públicos e privados da Editora.

As sequências didáticas digitais são aulas prontas, em formato PowerPoint – ideais para o compartilhamento em ambientes de ensino remoto como o do Meet –, especialmente elaboradas para os professores que utilizam o material didático da Coleção Cidadania do Ensino Médio. “Com as sequências didáticas, os professores terão em mãos as apresentações com as telas dos estudantes”, explica a editora Eloiza Jaguelte Silva. “Além dessas telas, porém, eles também terão ‘telas ocultas’ com as orientações didáticas de cada etapa. A ideia é fortalecer e facilitar o trabalho docente”, observa.

Trabalho de inteligência –  A produção de uma sequência didática é um processo cuidadoso, que envolve planejamento e compromisso com a educação. No caso das 27 sequências didáticas digitais recém implantadas na plataforma educacional Opet INspira, elas foram desenvolvidas e direcionadas para a aprendizagem essencial de cada unidade, seu objeto de conhecimento, enfatizando a habilidade a ser desenvolvida proposta pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento que é referência fundamental para os professores brasileiros.

Em cada sequência, o professor é orientado passo a passo para que o objetivo de aprendizagem seja alcançado e a habilidade seja desenvolvida pelo estudante. Ao todo, são cinco passos:

        • O ponto de partida, que é resgate do conhecimento prévio e das práticas sociais anteriores, mobilizando para uma nova aprendizagem.
        • A problematização, identificação dos principais problemas postos pela prática social e definição de quais conhecimentos precisam ser dominados.
        • A intervenção, que é apropriação dos instrumentos teóricos e práticos para resolver os problemas (nesta etapa, o estudante é protagonista ao superar o senso comum, ampliando o conhecimento por meio de pesquisas, sistematização de informações, cruzamento de dados etc.).
        • A criação/avaliação, que é uma nova forma para entender a teoria e a prática social a que se teve acesso, permitindo que se perceba o processo de apropriação do conhecimento.
        • E o compartilhamento, que é a demonstração do desenvolvimento atual do estudante (ela traz uma nova proposta de ação a partir do que foi aprendido e uma nova perspectiva nascida da soma entre estudo teórico e pela prática).

“Os materiais didáticos desse segmento serão impactados positivamente pela proposta das sequências didáticas. E isso porque criam situações que mobilizam os estudantes para novas aprendizagens e novos desafios. E, no caso dos professores, eles têm em mãos um material rico de possibilidades, que amplia seu repertório didático”, avalia Eloiza.

Novidades à vista – Eloiza observa que as sequências didáticas são parte de um movimento da Editora Opet no sentido de fortalecer os materiais oferecidos ao Ensino Médio. Mas, não só isso. Nos próximos meses, teremos muitas novidades. No Brasil, hoje, estamos passando por um momento especial com a chegada do ‘Novo Ensino Médio’. É um projeto ousado e inovador para atender diferentes perfis de escolas, que reflete as necessidades contemporâneas de uma formação integral dos nossos estudantes”, explica.

“Além do aprendizado acerca das áreas do conhecimento, o ensino vai se voltar também para o desenvolvimento de competências e habilidades que preparem os estudantes para as questões da vida acadêmica, pessoal e profissional. E nós, da Editora Opet, estamos caminho juntos e nos antecipando. Esse é só o começo de uma grande transformação!”, finaliza.

Como acessar – Para acessar as sequências didáticas, basta entrar na plataforma educacional Opet INspira usando login e senha e, em seguida, clicar no ícone “Apresentações” no menu geral (ícone ao lado). Daí, basta clicar em “Ensino Médio”. Pronto – fácil, rápido e altamente educativo!

App Opet INspira: a melhor educação digital no seu smartphone ou tablet!

Excelente notícia para quem é apaixonado, como nós, por tudo o que a educação digital oferece: a Editora Opet acaba de lançar o aplicativo da plataforma educacional Opet INspira nos serviços de distribuição digital Google Play (sistema Android) e App Store (sistema IOS). Para baixar o aplicativo – que, por sinal, é bem leve em termos de memória –, basta acessar as lojas digitais, pesquisar por “Opet INspira” e fazer o download gratuitamente.

O aplicativo é nativo, ou seja, sua engenharia aproveita todo o potencial do smartphone onde foi instalado, seja ele Android ou IOS, e dá acesso aos recursos e comodidades da plataforma. “Para isso, basta que a pessoa entre com o login e a senha do Google ou da própria plataforma”, explica Luciano Rocha, coordenador de Tecnologia Educacional da Editora Opet.

O app, observa, é persistente, ou seja, basta ingressar com os dados de acesso uma única vez e a partir daí, sempre que ele for acessado, o ingresso é instantâneo. “Pensamos em facilitar ao máximo a experiência de acesso das pessoas ao aplicativo. É rápido e muito fácil”.

E o que muda em relação ao acesso via desktop, a partir do site www.opetinspira.com.br? Salvo os ajustes de layout necessários à navegação na tela menor do smartphone ou do tablete, nada. “As ferramentas, conteúdos e comodidades são exatamente os mesmos”, observa Luciano.

Luciano Rocha: “Pensamos em facilitar ao máximo a experiência de acesso das pessoas ao aplicativo”.

A Plataforma – A plataforma educacional Opet INspira foi desenvolvida pela Editora Opet para oferecer ferramentas e conteúdos educacionais digitais de alta qualidade aos estudantes, professores, gestores e familiares que utilizam os selos educacionais Sefe (área pública) e Opet Soluções Educacionais (área privada). São objetos de aprendizagem, jogos educacionais, vídeos, simuladores, quizzes, planos de aula, arquivos sonoros, trilhas de aprendizagem e muito mais, conectados aos materiais didáticos e à proposta Opet de uma educação humana, cidadã, protagonista e significativa.

A evolução da plataforma, aliás, é constante: além da alimentação permanente com novos conteúdos – a maioria, produzida pelo próprio time de especialistas da Editora –, ela também passa por atualizações frequentes de seus recursos. Uma delas foi a integração com as ferramentas Google Workspace for Education, utilizadas por milhares de professores, estudantes, gestores e familiares parceiros Opet nas aulas online. A plataforma também é uma das melhores do Brasil em termos de acessibilidade.

“Nossa maior preocupação é tornar a plataforma educacional Opet Inspira cada vez mais relevante para a educação. E, é claro, cada vez mais amigável para os usuários”, conclui Luciano.

Se você ainda não baixou o app Opet INspira, baixe agora:

Opet inDICA: é tempo de avaliação da aprendizagem!

Estudante da rede municipal de ensino de Criciúma realiza a avaliação do Programa INdica.

Os municípios de Criciúma e Grão-Pará, situados na região sudeste de Santa Catarina, acabam de dar um passo importante para o aprimoramento de sua educação pública. Ambas as redes municipais de ensino realizaram recentemente as avaliações presenciais do Programa Opet inDICA de Gestão da Aprendizagem.

Desenvolvido pela Editora Opet, o inDICA já atendeu dezenas de municípios em todo o país e, neste ano, vem despertando o interesse de muitas equipes de gestores interessadas em fortalecer a aprendizagem em suas instituições e redes de ensino.

A avaliação presencial (seguindo todos os protocolos de segurança da Covid-19) do Opet inDICA consiste na aplicação de provas escritas para a verificação do nível de aprendizagem dos estudantes. Ela é uma etapa fundamental do programa, que se compõe de uma série de elementos que vão das tratativas iniciais com os gestores à proposição de intervenções. Além de um material didático estruturado para atender a essa demanda e formações pedagógicas com gestores e professores.

Imagem da avaliação em Criciúma. Em todos os municípios onde ocorre a avaliação presencial, os protocolos sanitários são seguidos rigorosamente.

“Quando falamos em avaliação, no caso do Opet inDICA, estamos falando em um trabalho completo, complexo e individualizado para cada cliente, seja ele uma rede municipal ou uma escola privada”, explica Silneia Chiquetto, coordenadora pedagógica da Editora Opet. É possível avaliar os estudantes do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental – a escolha é feita pelo cliente.

“É uma ação feita sob medida com municípios e escolas parceiras ou não dos sistemas de ensino da Editora Opet. Ou seja: não é necessário utilizar um sistema de ensino da Editora para contratar o inDICA. Criciúma, por exemplo, não utiliza nossos materiais, enquanto Grão-Pará os utiliza”, observa Silneia.

Estudantes de Grão-Pará, município parceiro da Editora Opet, durante a avaliação do programa inDICA.

Conhecimento profundo – A execução do programa abrange ouvir as demandas, conhecer as necessidades da escola ou rede de ensino, planejar e realizar a avaliação dos estudantes, compilar, tabular e interpretar os dados, apresentá-los, propor intervenções para fortalecer o aprendizado, auxiliar nas mudanças.  Um processo cuidadoso, que ocorre ao longo de vários meses.

O trabalho, ressalta Silneia, envolve uma parceria profunda com professores e gestores e, também, a expertise de vários profissionais da Editora. “Em primeiro lugar, vem a equipe do Pedagógico, que levanta informações sobre o que o cliente deseja, a quantidade de alunos e a data de aplicação da avaliação. A formação pedagógica para a utilização dos livros do Programa inDICA, a orientação dos professores aplicadores e daqueles que receberão os dados gerados após a avaliação.” Esses dados são os níveis de proficiência, apresentados em todos os níveis de especificidade: estudante, turma, escola, rede de ensino.

A materialização dos cadernos de provas também envolve outros setores: o Editorial, responsável pela geração dos itens a serem avaliados e pela montagem dos gabaritos nominais, e o Faturamento, que trabalha com as gráficas para a impressão e distribuição aos municípios. Nessa etapa, o Pedagógico entra em cena mais uma vez, no envelopamento, envio e supervisão da aplicação das provas pelo município ou escola.

“Até chegar nessa etapa, de aplicação das provas, desenvolvemos um planejamento cuidadoso com as equipes de gestão. Esse trabalho conjunto segue após a aplicação, na leitura e interpretação dos dados, assim como na reflexão estratégica das ações a partir dos resultados”, explica Silneia.

Os resultados da avaliação escrita são apresentados pela Editora entre 20 e 30 dias após o envio dos gabaritos pelo cliente. Esses resultados são apresentados eletronicamente, via plataforma educacional Opet inDICA, por meio de um relatório impresso e, também, por um profissional do Pedagógico da Editora que os explica aos gestores e professores. Com base nos resultados e no diagnóstico, os gestores e a equipe pedagógica da Editora podem estabelecer ajustes e correções de rumo.

“Percebemos um interesse cada vez maior dos educadores e das instituições de ensino públicas e privadas nos processos avaliativos da aprendizagem, numa perspectiva de diagnosticar para, então, intervir de maneira mais assertiva. E o Programa Opet INdica foi criado para atender bem essa demanda”, analisa Silneia.

Atendimento – Sabrina Miguel Ascari é secretária municipal de Educação e Cultura de Grão-Pará. Ela observa o valor da avaliação para o bom andamento do trabalho educacional a partir do estudante.

A importância da avaliação é analisar o desenvolvimento de cada aluno, sua capacidade de desenvolvimento, e, também, verificar o planejamento desenvolvido pelo professor regente”, explica. Segundo ela, o processo avaliativo desenvolvido em parceria com a Editora Opet correu dentro do combinado, nas datas e horários estabelecidos pela secretaria. Os resultados, informa, serão compartilhados inicialmente com os professores. “Vamos buscar, então, a forma mais adequada de chegar aos alunos. Verificar a dificuldade específica de cada um e buscar atendê-la em sua especificidade.”

A coordenadora geral pedagógica de Criciúma, Silvana Alves Bento Marcineiro, reforça a importância do diagnóstico. “A avaliação do programa nos dará o diagnóstico quanto à defasagem na aprendizagem neste momento em que os estudantes estão retornando às atividades presenciais.” Segundo ela, a partir dos resultados, as escolas do município vão desenvolver um plano de ação com foco nas habilidades que não foram atingidas pelos estudantes.

Visitas técnicas aprofundam parcerias com escolas e municípios

Com os selos educacionais Sefe e Opet Soluções Educacionais, a Editora Opet trabalha com milhares de escolas em todo o país. Uma parceria profunda e rica, que envolve gestores, professores, estudantes e familiares na busca por uma educação protagonista e significativa. Nesse processo, as Visitas Técnicas de Acompanhamento Pedagógico desempenham um papel fundamental.

Seu foco, como explica a coordenadora pedagógica da Editora, Silneia Chiquetto, é lançar um olhar mais específico, mais detalhado, para as escolas parceiras, sejam elas públicas ou privadas. E, a partir daí, refinar e fortalecer o trabalho, na própria caminhada.

E como funcionam as visitas? “Esse é um atendimento em que pedimos licença às escolas para entrar em um dia de funcionamento normal e acompanhar o trabalho nas salas de aula, estar perto dos professores no cotidiano. E ver, de perto, como ele está sendo desenvolvido”, conta Silneia.

A partir dessa observação, os profissionais da Editora responsáveis pela visita técnica – normalmente, os supervisores regionais e, no caso dos municípios maiores, também os assessores pedagógicos – podem fazer intervenções pontuais ou, então, levantar elementos para futuras intervenções.

“Nós observamos, por exemplo, como está sendo desenvolvido o trabalho com as coleções, as ferramentas e as orientações que nascem nas formações pedagógicas”, explica. “A partir daí, podemos auxiliar os professores a avançar.”

Com a pandemia e o distanciamento social, as visitas técnicas também mudaram. Antes, a Editora agendava com os parceiros e a equipe pedagógica fazia as visitas presenciais, que podiam durar um ou mais dias, dependendo do número de escolas visitadas. “Agora, o processo é feito online, também com agendamento”, explica Silneia.

“Os professores e os gestores são chamados para conversar e, neste processo, identificamos as questões e fazemos as intervenções. Neste momento, nós transformamos os vínculos e demos seguimento ao trabalho.”

Apesar da distância, o ritmo de trabalho aumentou. “Com o uso das ferramentas digitais, o número de visitas técnicas cresceu. Usando o Google Meet, o processo ficou mais rápido, prático e menos burocrático. E, como a cada dia as pessoas estão dominando mais as ferramentas, o trabalho fica mais fácil”, observa.

Mato Grosso – Marga Cesca é coordenadora de Educação da secretaria municipal de Educação de Campo Novo do Parecis, em Mato Grosso. Em sua avaliação, as visitas técnicas – mesmo em formato virtual – são importantes para que o trabalho nas escolas da rede municipal de ensino seja mais produtivo e dentro da proposta metodológica dos materiais didáticos Sefe.

Visita técnica online com a equipe de Campo Novo do Parecis e a supervisora regional para os municípios de MT, Danuza Peraceta.

“Os professores da rede pública municipal de ensino necessitam muito desse suporte para que se sintam mais seguros quanto ao uso e aplicação do material com seus alunos”, avalia. “Também os gestores, incluindo aí a equipe da SME, consideram as visitas técnicas importantes para a consolidação da parceria e o melhor aproveitamento do material. Agradecemos muito a presteza e paciência com que a equipe de formação e suporte da Editora Opet tem nos atendido!”.

Parceiros – Fundado há duas décadas, o Colégio Dom Hélder Câmara se tornou uma referência em educação privada no município de Afogados da Ingazeira, no sertão de Pernambuco. A instituição é uma parceira importante da Editora Opet e recebe as visitas técnicas com entusiasmo. “A visita técnica é sempre importante para escola”, avalia a mantenedora e diretora Cláudia Valéria da Silva Campos Barros. “É uma forma de acompanhar e alinhar as ideias e informações que norteiam as propostas e o fazer pedagógico da nossa parceira, a Editora Opet. Direção, coordenação e docência trabalham juntas.”

Diretora Cláudia Valéria: visitas técnicas online mantêm o engajamento dos professores e têm bons resultados.

Segundo Cláudia, os professores gostam das visitas técnicas e se sentem confortáveis com o trabalho da equipe Opet. E as devolutivas apresentadas pela coordenação são estratégicas. “Sempre há o que aprender, o que rever, o que conhecer. É um momento rico, com troca de experiências e valorização do material pedagógico.”

Na avaliação da diretora, as visitas técnicas virtuais têm conseguido atender a demanda, mantendo o engajamento e a qualidade do atendimento presencial.  “Nós vemos uma grande preocupação em suprir o presencial, além das vantagens oferecidas pela tecnologia. O trabalho virtual, nesse caso, agiliza e otimiza os atendimentos.”

A avaliação favorável se estende a todo o trabalho desenvolvido na parceria. “A Equipe está sempre disposta a nos atender. De forma calorosa, suprindo nossas necessidades e anseios com relação à realização do fazer pedagógico. E faz de maneira clara e sucinta, corroborando as nossas expectativas.”

Escuta e orientação – Jane Russel é diretora do Colégio Bom Jesus, de Salvador, instituição parceira Opet Soluções Educacionais. Para ela, as visitas técnicas são uma oportunidade de escuta, avaliação, orientações e sugestões para aplicabilidade no dia-a-dia escolar. “Elas aliam a teoria a um contexto real, a fim de possibilitar um efetivo processo de ensino e aprendizagem e fortalecer o aprendizado significativo”, observa.

Diretora Jane Russel: modelo das visitas técnicas online manteve qualidade de atendimento e engajamento dos participantes.

Neste momento de pandemia, explica a diretora, as visitas técnicas ocorreram apenas com a equipe de gestão. “Os gestores avaliam a visita técnica como instrumento de contribuição para aprimorar as ações cotidianas e fortalecer a equipe.” Ela destaca a comodidade do modelo online. “Parabenizo a Opet pela migração das visitas técnicas presenciais para um cenário virtual, com o mesmo engajamento e qualidade de atendimento. Fica até a sugestão: manter no pós-pandemia a visita técnica online.”

Jane Russel observa a importância da parceria com a Editora Opet. “É muito boa, uma parceria de compromisso e responsabilidade.  A assessoria pedagógica com Adriana Fialho é magnífica com muita ética, zelo pela empresa que representa e pela que assessora. Nos presenteia com ricas sugestões, orientações e ensinamentos únicos a nos encantar ainda mais com a Educação.”

Produções originais: Editora alcança a marca de mil vídeos educacionais!

Mil vídeos. Produções originais, feitas com o planejamento, o cuidado e a atenção aos fundamentos teórico-metodológicos que norteiam a Editora Opet. Mil vídeos: milhares de minutos de audiovisuais de alta qualidade, especialmente pensados para auxiliar nossos parceiros na fantástica missão de educar. Resultado de muito trabalho e talento de uma equipe engajada. Como não comemorar uma marca tão importante?

Há alguns dias, a Editora Opet alcançou a marca de mil vídeos de produção própria, desenvolvidos ao longo do último ano – junto com muitos outros objetos, de quizzes a jogos educacionais – e publicados na plataforma educacional Opet INspira. Alguns dos vídeos, aliás, também são utilizados em nossas redes sociais, para mostrar o trabalho da Editora.

“Para nós, a marca de mil vídeos é simbólica. Eles foram produzidos em apenas um ano de muito planejamento e trabalho, e estão totalmente conectados aos materiais didáticos. Mas, mais importantes do que o número, em nossa avaliação, são a originalidade e a qualidade dos conteúdos, que garantem a entrega de um conteúdo educacional de valor”, avalia o diretor de produto da Editora Opet, Gilberto Soares dos Santos.

Gilberto Soares dos Santos: vídeos são conteúdos educacionais de valor.

Gilberto, que comanda a equipe do Editorial – de que o time de Tecnologia Educacional é parte – destaca a relação entre os vídeos, os materiais didáticos e a plataforma educacional Opet INspira, que também passou por um processo importante de evolução ao longo do último ano. Por exemplo, com a integração às ferramentas Google Workspace for Education, que garantem as comunicações e as aulas online de professores, estudantes, gestores e famílias parceiras dos selos Sefe e Opet Soluções Educacionais.

“A Plataforma Opet INspira foi pensada em termos de conexão com os materiais desenvolvidos pela Editora. Para facilitar o processo de ensino-aprendizagem estimulando os estudantes e auxiliando os professores”, observa Gilberto.

Direto do EstúdioRoger Wodzynski é artista visual e arte-educador formado pela UFPR e, ao longo do último ano, participou da produção de todos os vídeos realizados pela Editora. Ele é o responsável pelo estúdio de produção audiovisual da Editora Opet, em Curitiba.

Roger Wodzynski: trabalho segue uma série de etapas até a publicação do vídeo na plataforma.

“Nós temos um estúdio completo, com todos os equipamentos e recursos necessários – das câmeras à ilha de edição – para a produção de vídeos e de videoaulas”, conta. “De modo direto ou indireto, o trabalho do estúdio envolve toda a equipe do Editorial, inclusive com profissionais destacados exclusivamente, como é o meu caso e o do Giovane Sartori, que atua na captação e na edição de imagens.”

Um caminho cuidadoso – Você acessa a plataforma educacional Opet INspira, vai à seção de vídeos, seleciona e começa a assistir em um contexto de aula ou estudo. Fácil, rápido e muito útil, como devem ser as boas tecnologias educacionais digitais.

Até chegar até sua tela, porém, os vídeos passam por um cuidadoso processo de desenvolvimento. “Nós trabalhamos com três etapas: de pré-produção, produção e pós-produção”, explica Roger.

A história começa com a escolha certa do formato de vídeo para o nível de ensino contemplado – Educação Infantil, Ensino Fundamental (Anos Iniciais e Anos Finais) ou Ensino Médio. “Essa questão é muito importante. Um vídeo para a Educação Infantil, por exemplo, deve ser mais lúdico e ter uma narrativa mais lenta, que permita à criança acompanhar plenamente. Para o Ensino Médio, tem outro ritmo e uma outra demanda de engajamento – é mais direto”, observa. Cada vídeo diz respeito a um ano e a um componente curricular específico e se conecta diretamente ao material didático.

Os vídeos estão disponíveis na plataforma educacional Opet INspira.

A partir daí, também na pré-produção, é feito o “mapeamento”, que é a escolha, feita pelos editores, dos conteúdos que serão trabalhados no vídeo. “Quando o mapeamento é definido, o vídeo segue para a roteirização, que também é feita pelos editores de conteúdo. Em seguida, o roteiro pronto é mandado para o gerente editorial, que faz a validação ou propõe ajustes. A última fase da pré-produção é a análise linguística, feita pela nossa revisora, a Luciana Marandola”, descreve Roger.

Roteiro pronto, entra em cena o narrador ou professor contratado, que vai dar vida ao vídeo ou videoaula. Temos, então, a produção, que implica a gravação dos conteúdos. Na etapa de pós-produção, é realizada a edição e a montagem dos vídeos, que, depois de editados, seguem para a revisão e a validação editorial. A produção é vista, então, pelo gerente editorial, que faz a validação final ou propõe ajustes.

Validado o vídeo, ele é publicado e indexado na plataforma educacional Opet INspira. E está pronto para ser utilizado por milhares de estudantes e professores de todo o país!

Um futuro brilhante – O coordenador de Tecnologia Educacional da Editora, Luciano Rocha, explica que, até o final do ano, a expectativa é dobrar o número de vídeos produzidos pela Editora. “Nossa estimativa é chegar ao final de 2021 com dois mil vídeos na plataforma educacional Opet INspira. Estamos seguindo um ritmo intenso de trabalho – todos os dias, novos vídeos chegam à plataforma”, conta.

Ou seja: enquanto você lê esta matéria, novas produções estão em uma das três etapas de desenvolvimento. Vídeos que enriquecem a plataforma educacional Opet INspira e, principalmente, o trabalho dos professores e a educação dos estudantes parceiros da Editora Opet. Se você ainda não conhece o nosso trabalho, entre em contato!

Arraiá na tela! Escolas comemoram as festas juninas com ferramentas digitais

Você pode até nem ser devoto de Santo Antônio, São Pedro ou São João. Mas, mesmo assim, é bem provável que se divirta com as festas juninas, que estão entre as comemorações mais queridas dos brasileiros. Pudera: ao somar elementos das culturas indígena, africana e europeia, elas fazem uma síntese do que é a própria cultura brasileira – na decoração, nas músicas e danças, na alimentação e nas brincadeiras.

Uma festa como essa, é claro, tem um enorme valor para a educação, e faz parte do calendário da maioria das escolas do país. Ela serve, inclusive, para aproximar as famílias da instituição de ensino e fortalecer a ideia de comunidade escolar. Desde o ano passado, porém, toda essa programação foi seriamente afetada pela pandemia da Covid-19, que impediu a realização de eventos presenciais que possam causar aglomeração.

As escolas, porém, não desistiram da comemoração. Com criatividade, segurança, planejamento e apoio das famílias e das ferramentas digitais – no caso das escolas parceiras da Editora Opet, o Google Workspace for Education e a plataforma educacional Opet INspira –, elas reinventaram a festa no universo virtual.

Valorização da cultura regional – Danielle Nazareno Santos Bastos Meireles é coordenadora pedagógica (Educação Infantil ao 3º ano do Ensino Fundamental I) do Centro Educacional Gabriela, parceiro Opet Soluções Educacionais em Salvador (BA). Para ela, as festas juninas, para além do aspecto lúdico, têm o papel de valorizar a cultura regional. “As crianças passam a conhecer ou a compreender melhor o contexto em que estão inseridas. A valorização do Nordeste existe e pode ser evidenciada com os eventos juninos atrelados a Educação”, observa.

Imagens da festa junina de 2021 do Centro Educacional Gabriela. Valorização da cultura regional e participação massiva dos estudantes e suas famílias. Crédito: Centro Educacional Gabriela.

Em sua instituição de ensino, a festa aconteceu na última sexta-feira, dia 18, e foi feita remotamente, com apoio das ferramentas digitais – mais exatamente do Google Meet, oferecido dentro da parceria com a Editora Opet. “O Meet tem grande importância! Com ele e com outras ferramentas, podemos aproximar as famílias da escola, mesmo que virtualmente. Isso nos permitiu vê-las, ouvi-las e nos divertirmos juntos, ainda que distantes fisicamente”, avalia Danielle.

Imagens da festa junina de 2021 do Centro Educacional Gabriela. Famílias desempenharam um papel importante para o sucesso da festa. Crédito: Centro Educacional Gabriela.

“Nosso planejamento teve como foco principal promover um momento de partilha trazendo alegria – num tempo tão difícil – por meio da música, das brincadeiras e da culinária nordestina, resgatando a cultura compartilhada entre educadores e alunos”, conta ela. E as famílias tiveram um papel-chave na comemoração. “Elas foram convidadas e participaram dançando com seus filhos, degustando alimentos típicos juninos que sugerimos que preparassem juntos e brincando na gincana junina que promovemos.”

Plenitude – As festas juninas estão entre as comemorações mais importantes do Rio Grande do Norte, onde, tradicionalmente, elas duram os trinta dias do mês! E as escolas não abrem mão de celebrar. Parceiro Opet, o Plenitude Complexo Educacional é uma das escolas privadas mais tradicionais de Angicos, na região central do Estado. Lá, o “Arraiá Virtual” aconteceu no último sábado, dia 19.

A diretora do colégio, Rosicleide Melo, conta que, neste momento, todo o Estado sofre com um elevado índice de contaminação pela Covid-19, o que levou as escolas do município de Angicos a suspenderem as atividades presenciais há mais de um mês. Diante disso, a festa junina de 2021 foi inteiramente planejada para o cenário virtual.

A diretora Rosicleide Melo e os quitutes da festa. “A cultura junina é brilhante”, diz ela. Crédito: Plenitude Complexo Educacional.

“Quisemos levar alegria às famílias que curtem essa cultura brilhante que é a cultura junina”, explica Rosicleide. “Promovemos uma manhã com muitas comidas típicas, enfeites juninos, brincadeiras como pescaria, adivinhações, uma gincana junina… e não faltaram os trajes matutos para a tradicional quadrilha. Mas, cada um na sua casa!”.

Imagens da festa virtual do Plenitude em Angicos. Todo mundo se divertiu muito! Crédito: Plenitude Complexo Educacional.

Nesse processo, destaca, as ferramentas digitais são aliadas importantes. Não só da festa, mas dos planejamentos, eventos e reuniões com familiares – em 2021, todos os eventos foram realizados digitalmente.

Rosicleide defende o valor das festas juninas para a integração escolar e para a geração de competências entre as crianças e os estudantes. “Os festejos juninos mantêm essa chama acesa do povo nordestino. Além disso, é uma alegria imensa para a comunidade escolar vivenciar esse período.”

As famílias, é claro, participam com muita animação. “Chega o mês de junho e logo querem saber como vai ser a festa, para festejar com capricho”, conta a diretora.  “Elas se empolgam e, junto aos filhos, participam das atividades e brincadeiras propostas pelos professores. Não tem como ficar parado ao som da sanfona do triângulo e da zabumba!”, ri.

Conectados na festa – No Colégio Dom Hélder Câmara, parceiro Opet em Afogados da Ingazeira, no sertão de Pernambuco, a festa remota acontece na sexta-feira, dia 25, e vai envolver os estudantes dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. “Havíamos planejado um arraial diferenciado, uma vez que estávamos com atendimento presencial”, conta Dilma da Silva Queirós, da equipe de coordenação pedagógica.

“Seria um ‘Abraço às Férias’ junino, com brincadeiras, comidas típicas e apresentações. Mas, os números da Covid-19 aumentaram e, mais uma vez, fomos obrigados a ir para o atendimento remoto. Uma das medidas, inclusive, foi antecipar as férias da Educação Infantil.”

Diante disso, a solução foi transferir a festa para o ambiente virtual e para as casas dos estudantes, tudo conectado pelo Google Meet. “Nossos professores farão um ambiente diferenciado, com gamificação das brincadeiras juninas, como pescaria, barraca do beijo, etc.”, explica Dilma. A ideia é que todos os estudantes se caracterizem e levem o cenário da celebração junina para suas casas, compartilhando virtualmente os cenários em uma grande festa. “As ferramentas digitais são de extrema importância para o fazer pedagógico. E Google Workspace for Education tem feito acontecer!”, sintetiza.

ATUALIZAÇÃO: Na sexta-feira, a festa acabou acontecendo em formato híbrido, uma vez que o governo liberou o retorno seguro e condicionado das atividades presenciais. Confira algumas fotos da festa do Dom Hélder – foi muito divertido!

Avanços – A supervisora regional Adriana Fialho é responsável pelo acompanhamento de várias escolas parceiras da Editora Opet no Nordeste e em outras regiões do Brasil. Ela observa que, em 2021, as escolas aproveitaram a experiência de 2020, primeiro ano em que as festas juninas foram virtuais, e avançaram para celebrar de uma forma ainda melhor.

“Eu nunca imaginei esse formato até março de 2020. E, neste ano, as escolas nos surpreenderam com muita criatividade! Os festejos juninos ganham mais força quando interagem com temas como o meio ambiente e também quando têm a participação das famílias na organização do cenário, no vivenciar o que está sendo construído em sala de aula em casa, com a articulação com determinadas áreas do conhecimento”, avalia. “Mais do que a festa, do que a aproximação, é fundamental o acolhimento neste momento de pandemia.”

Adriana também destaca o valor dessa festa para o país, especialmente para o Nordeste. “As festas juninas na Região Nordeste movimentam não só a economia, mas a alma de um povo que tem o brilho nos olhos ao vivenciar cada festividade junina. Faz parte do nosso ser nordestino”, pondera.

O bom uso das ferramentas digitais nas festas juninas reflete um domínio das tecnologias que também vem num processo de crescimento. “As escolas que desde o início da pandemia utilizaram os nossos diferenciais em tecnologias apresentam relatos de crescimento não só em competências e habilidades para todos, mas, principalmente, o reconhecimento de uma escola que não parou, que fez a sua tarefa e personalizou o seu atendimento de acordo com as possibilidades”, avalia Adriana.

Muito além das telas: “contar e mostrar” nas aulas remotas

Com o passar dos meses de ensino remoto, os professores estão cada vez mais preparados para utilizar os recursos digitais na educação com seus alunos. E fazem isso não apenas dominando as ferramentas, mas unindo as tecnologias das aulas remotas a outras práticas de criatividade e engajamento.

Práticas que envolvem, por exemplo, o uso de adereços nas aulas, o suporte em livros e objetos do cotidiano e até o antigo “mostrar e contar” das aulas de antigamente. Esse é um processo que vem sendo estimulado pela equipe pedagógica da Editora Opet nas formações com os parceiros públicos e privados.

Nesta semana, durante uma formação com os professores da Educação Infantil (1 a 3 anos) da rede municipal de ensino de Paranaguá (PR), o assessor pedagógico e formador Daniel Masetto trabalhou o tema “Os desafios da Educação Infantil no século XXI – sobre o que precisamos pensar?”.

Daniel Masetto: convite a “celebração junina” no contexto de  formação pedagógica teve alto engajamento dos professores.

No quinto encontro com os docentes, ele iniciou as atividades com um tema de forró interpretado por Elba Ramalho, e teve como resposta dos participantes várias manifestações de saudades das festas juninas, que neste ano, por conta da pandemia, não estão acontecendo presencialmente.

“Comentei que poderíamos fazer nossa própria ‘festa’ virtual, como parte da formação. E pedi que eles viessem caracterizados. No dia seguinte, decorei a minha sala, me caracterizei e eles também. O engajamento foi de mais de 85% dos participantes!”, conta. E a formação ficou mais descontraída e colorida.

“Fizemos algumas brincadeiras juninas – como trava-línguas, percussão corporal e brincadeiras cantadas – tomando como referências vídeos da plataforma educacional Opet INspira que têm relação com os temas trabalhados na formação. Foi muito bom”, observa.

Para Daniel, é fundamental ir além dos limites da tela, humanizando ainda mais a experiência do ensino digital e demonstrando suas possibilidades pedagógicas. Isso, observa o assessor pedagógico, tem reflexos importantes sobre o engajamento dos professores e de seus estudantes – eles abrem mais as câmeras, participam mais e se mostram mais.

A gerente pedagógica da Editora, Cliciane Élen Augusto, concorda. Segundo ela, o momento é de ampliação dos limites das ferramentas digitais com uso de outros elementos do dia-a-dia. “Esse é um processo que pode e deve ser estimulado na educação. Em suas casas, as pessoas têm muitos elementos e objetos a mostrar e a transformar com muita criatividade”, observa. “Que tal trazer essas possibilidades para as aulas, integrando-a com os conteúdos da plataforma Opet INspira, as coleções e as ferramentas Google Workspace for Education?”.

Segundo Cliciane, esse processo está sendo estimulado nas formações internas da equipe pedagógica, para que os assessores e os supervisores levem esses elementos para as suas formações. E para que eles sejam replicados nos milhares de aulas ministradas a cada semana pelos professores parceiros da Editora Opet nas redes pública e privada.

Confira imagens do mesmo trabalho feito pelos assessores pedagógicos Daniele Pires e Fernando Correa também em Paranaguá! É formação em clima de festa junina!

Educação Digital: parceiros Opet já acessaram o Google Meet mais de um milhão de vezes!

 

1 460 000

Um milhão, quatrocentos e sessenta mil: este é o número de acessos no Google Meet realizados ao longo do último ano por professores, estudantes, gestores e familiares parceiros da Editora Opet! Enquanto você lê esta matéria, aliás, centenas de usuários parceiros estão usando a ferramenta de videochamadas do Google Workspace for Education para estudar, reunir-se e se comunicar. São muitas conexões!

Apenas para se ter uma ideia, se cada uma dessas conexões realizadas pelo Google Meet durasse apenas um minuto – e elas normalmente duram muito mais –, teríamos o equivalente a 1013 dias ou, então, a quase dois anos e dez meses de uso contínuo! É a melhor prova de seu sucesso como ferramenta educacional digital – e da qualidade da parceria entre a Editora Opet e o Google!

“Em média, temos quatro mil encontros do Google Meet abertos a cada dia”, conta Cliciane Élen Augusto, gerente pedagógica da Editora Opet e entusiasta da parceria com o Google. “É uma ferramenta incrível de comunicação oferecida pelo Google. Ela não apenas supre a demanda gerada pelas aulas online, como também permite outras comunicações, de reuniões das equipes pedagógicas aos encontros com familiares”, observa. “Dentre todas as ferramentas da plataforma Google Workspace for Education, é a mais utilizada.”

Uma das razões para o sucesso do Google Meet, observa Cliciane, é a sensibilidade da empresa para as demandas dos usuários, que implicam atualizações frequentes que enriquecem e melhoram o serviço. “O Meet acabou se tornando a ferramenta por excelência de sala de aula, e isto graças a essa interação, a esse feedback.” Entre as novidades recentes da ferramenta estão funções como a de “levantar a mão” (o que ajuda a organizar as interações e o andamento das aulas) e a do “quadro branco”, que permite expor ou trocar ideias por escrito em um quadro virtual compartilhado.

Cliciane destaca, também, a integração das ferramentas de comunicação do Google com a plataforma educacional Opet INspira, que fornece conteúdos educacionais digitais de alta qualidade, integrados ao sistema de ensino Opet.

Do plano à práticaSilneia Chiquetto é coordenadora pedagógica da Editora Opet. Ela observa que o sucesso dos números do Google Workspace for Education – e, dentro deles, a quantidade de conexões e encontros virtuais realizados pelos parceiros Opet no Meet – demonstram o salto tecnológico e cultural vivido pelos educadores.

“Nós já tínhamos um planejamento de trabalho com a educação digital antes da pandemia. Ele, porém, se realizou e ampliou rapidamente. Nossa equipe se preparou, os professores parceiros também, e o trabalho começou.” Esse trabalho envolveu a formação da equipe pedagógica para as ferramentas do Google Workspace e, também, a formação dos professores parceiros pelos assessores pedagógicos da Editora.

Silneia destaca que os professores mergulharam na Cultura Digital – uma das competências previstas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) – e estão se saindo muito bem. “O número de acessos do Google Meet, que está em crescimento constante, demonstra esse engajamento.”

Para a coordenadora pedagógica da Editora Opet, os conhecimentos e hábitos tecnológicos adquiridos ao longo do último ano vão permanecer. “Eles foram integrados à educação. São ferramentas maravilhosas para o ensino híbrido de verdade, com visão de tempo, espaço, recursos e ferramentas. Isso vai trazer possibilidades importantes para o professor.”

Tecnologias que conversam – Luciano Rocha é coordenador de Tecnologias Educacionais da Editora Opet, responsável, junto com sua equipe, pelo trabalho de criação, expansão e alimentação da plataforma educacional Opet INspira. Uma das etapas do desenvolvimento foi, justamente, a de integração das ferramentas Google Workspace for Education – um mesmo login, uma mesma porta de acesso para ambos os sistemas, e a facilidade de “transportar” conteúdos” Opet INspira por meio de recursos como o Google Meet.

“A integração entre a plataforma educacional Opet INspira e o Google WorkSpace for Education é, sem dúvida, um dos nossos grandes diferenciais. Ela contribui para uma experiência mais fluida e simplificada para nossos usuários”, avalia. E o processo de integração não para.

“Já finalizamos a segunda etapa da integração, que era a de trazer todas as ferramentas de armazenamento, organização e compartilhamento Google Workspace for Education para dentro da plataforma”, conta. “Assim, professores e estudantes podem lançar mão dos objetos de aprendizagem produzidos pela Editora e disponíveis na plataforma Opet INspira. E, se quiserem, podem utilizá-las diretamente nas ferramentas de armazenamento e compartilhamento do Google Workspace for Education.”

A parceria da Editora com o Google trouxe vantagens para o setor de Tecnologias Educacionais. As principais delas, a confiança em ferramentas de alta qualidade, com suporte e aprimoramento permanentes, e o tempo ganho pela equipe para o desenvolvimento dos conteúdos. “Pudemos nos dedicar ao que fazemos de melhor, que é produzir conteúdos educacionais relevantes, claros e de qualidade. E oferecer um ecossistema completo de soluções aos nossos parceiros, que coloca a Editora Opet numa posição de destaque no cenário educacional brasileiro”, finaliza Luciano.

Meu relato: “O Google Meet é um recurso primordial para a realização das aulas”

Fabiano Moura Silva é professor de Matemática da Escola Municipal José Cordeiro Vasco, em Campinápolis, município parceiro da Editora Opet na região leste de Mato Grosso. Ele é um entusiasta das tecnologias digitais voltadas à educação e possui um canal de Youtube em que divulga informações sobre o seu componente curricular e, também, sobre temas importantes de seu município.

Fabiano gosta muito das ferramentas digitais oferecidas pela Editora. “Eu faço o uso do Google Meet em minhas aulas e avalio esse recurso como primordial para a realização das aulas, gincanas e até mesmo reuniões pedagógicas”, conta. Segundo ele, não houve maiores dificuldades na apropriação das tecnologias. “Sempre gostei de usar as tecnologias no processo de ensino-aprendizagem e as vejo como aliadas do professor, com uma contribuição significativa para o ensino. Ressalto que a  Editora Opet aprimorou e ampliou  ainda mais esses recursos, contribuindo de forma eficiente e eficaz para o fazer pedagógico com os educandos.”

E os estudantes, como contribuem para a nova realidade da educação digital? “Eles não só gostam, como  também  interagem no processo. Com isso, contribuem de forma satisfatória tanto para o processo de ensino-aprendizagem quanto para o manuseio das tecnologias”, avalia Fabiano.

Arte no pixel: a criação gráfica nos jogos educacionais digitais

Quando pensamos em jogos digitais, pensamos em cores, sons, movimentos, ambientes, contextos e transições de um cenário para outro. Pensamos, também, em personagens, objetos, poderes e objetivos. Tudo muito “vivo”… ou melhor, tudo muito ajustado ao que o jogo quer transmitir, seja ele passado em um ambiente de praia no Havaí ou em um castelo assombrado na Transilvânia.

Os jogos digitais educacionais não fogem dessa regra de encantamento sensorial. Um fator essencial são seus elementos gráficos – layouts, desenhos, cores e tipologias. Produções incríveis, que demandam talento e conhecimento dos profissionais responsáveis. Na Editora Opet, o trabalho de criação desses elementos passa por Eliana Quaresma, coordenadora de editoração e que também atua como artista dos jogos.

Eliana Quaresma, artista gráfica responsável pelas artes e elementos gráficos dos jogos da plataforma educacional Opet INspira.

Trabalhando integrada à equipe de Tecnologia Educacional (TE), ela acompanha todo o processo, passo a passo. Mas, na hora de criar, se baseia muito, também, em suas próprias referências – nas experiências visuais anteriores e nas emoções que elas despertaram.

“Quando vou criar uma arte ou o próprio layout das telas dos jogos, busco, em primeiro lugar, memórias gráficas. Identifico quais se adequam ao projeto e à faixa etária e inicio um processo de pesquisa a fim de abrir o leque de inspirações”, explica. E quais seriam as fontes dessas memórias? No caso dela, capas de livros, jogos infantis, caixas de brinquedos, brinquedos e padrões de estampa de tecidos, ente outras. “São muitas as possibilidades de inspiração!”, sorri.

Inspiração em processo – O primeiro passo para a criação dos elementos gráficos e artísticos de um jogo educativo é a leitura do roteiro. Daí, no caso de Eliana, existe um “acionamento” de memórias. “Primeiramente, eu leio o roteiro e de forma quase intuitiva me vem a inspiração visual que mais se adequa a determinado game”, conta ela.

Exemplo do processo de construção das artes de um jogo. As várias artes devem “conversar” entre si de forma harmônica.

Então, ela cria uma tela em branco do software gráfico InDesign e começa as combinar as primeiras ideias. “Defino o plano de fundo de todas as telas que o jogo terá, ou seja, a parte estática do game. Isso me possibilita determinar qual impressão geral pretendo dar ao jogo: se as cores serão mais suaves, transmitindo mais ternura, docilidade e calma, ou mais vivas, inspirando mais alegria, agitação e movimento.”

Após esse procedimento, ela começa a criar tela a tela, posicionando os elementos de forma harmônica, lembrando sempre que a criança precisa identificar rapidamente como executar a atividade. “Esse processo é o mais demorado, pois é necessário ter sempre em mente quais recursos gráficos – linhas, formas e personagens – estão mais de acordo com o tema do jogo e a faixa etária.”

Exemplos de telas de fundo dos jogos: trabalho abrange pesquisa e harmonização de cores e padrões gráficos.

Finalizado o layout das telas, assim com os botões e os elementos que o compõem, Eliana gera um arquivo PDF dessas telas, salva todos os elementos e os encaminha para a TE, para que se inicie a programação – “é quando as artes são integradas e começam a se transformar em um game propriamente dito”, explica.

E o que dá mais trabalho? Segundo Eliana, alcançar a harmonia dos elementos tela a tela. E isso porque, quando a arte é transportada para o mundo dos pixels, nem sempre as coisas combinam como imaginado. Nesses casos, ela volta ao computador e trabalha até encontrar o “ponto gráfico” correto.

Encontrar a harmonia dos elementos gráficos é fundamental para o sucesso do trabalho do artista gráfico.

E o que é o mais prazeroso em todo esse processo? “É muito gratificante ver todos esse processo imaginativo ‘brotando’ materialmente das suas mãos”, reflete. “Ainda mais, quando se tem em mente que aquele trabalho envolveu outras pessoas nas etapas anteriores e vai envolver outras nas etapas seguintes.”

Para cada idade, um jogo diferente – O desenvolvimento cognitivo e até as referências distintas de cada faixa etária pedem jogos diferentes para públicos diferentes. Essas diferenças também demandam um olhar cuidadoso de Eliana. “Ao desenvolver qualquer arte gráfica para a Educação Infantil e para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental busco, por meio de cores, elementos, formas e personagens despertar a inocência da criança, sua pureza”, explica. “Prezo para que o layout seja, de fato, infantil. Quando se trata de personagens que irão compor determinada tela, por exemplo, opto por aqueles com olhar e expressão que representam ingenuidade.”

No caso de jovens e adolescentes, os elementos gráficos são mais soltos, mais descontraídos – acompanhando o próprio fazer artístico deste público.  “Utilizo e gosto muito de formas irregulares, linhas que representam um rabisco que o aluno fez de forma descompromissada no caderno, por exemplo. Mantenho a harmonia do layout tendo como base a ideia do movimento, em que a composição não seja necessariamente linear e as cores sejam mais vivas, despertando, assim, o interesse desse jovem.” Entre as suas inspirações para o trabalho com essa faixa etária estão quadrinhos, capas de livros, planners (agendas de mesa) e páginas voltadas para jovens e adolescentes na internet.

Se você ainda não conhece os jogos educacionais digitais da plataforma educacional Opet INspira, conheça agora! Ou, então, entre em contato conosco para saber mais!

A Plataforma Educacional Opet INSpira vai ganhar novos jogos! (e você vai saber como eles são criados)

Um diferencial da espécie humana é o seu gosto pelos jogos: as pessoas adoram jogar, brincar, enfrentar desafios e solucionar enigmas. E, ao fazer isso, elas se relacionam com outras pessoas, testam e aprimoram o raciocínio, descobrem coisas e aprendem. O tamanho do mercado dos jogos digitais é a melhor prova disso: no ano de 2020, segundo a consultoria internacional Superdata/Nilsen, a receita global do setor chegou a US$ 126,6 bilhões, com um aumento de 12% em relação ao ano anterior. Muito dinheiro e, é claro, muita gente jogando!

A educação participa desse mercado. O segmento dos jogos educacionais digitais vem crescendo muito, e bons produtos são desenvolvidos a partir de um trabalho cuidadoso em relação a conteúdos, fundamentos pedagógicos e objetivos. A ideia é unir aprendizagem significativa e diversão.

Desde o ano passado, quando lançou a plataforma educacional Opet INspira, a Editora Opet trabalha com a criação e a publicação de jogos educacionais digitais para seus estudantes e professores parceiros. Esses jogos são desenvolvidos pelos especialistas da Editora, dentro de um projeto que prevê a criação de mais de 200 jogos em português e inglês para a Educação Infantil o Ensino Fundamental e o Ensino Médio.

Já foram publicados 35 jogos, produzidos na primeira etapa do projeto – eles são voltados à Educação Infantil, Alfabetização e Matemática. Na segunda etapa, já iniciada e prevista para ser concluída até agosto, serão outros 30, dirigidos ao Ensino Fundamental (Anos Iniciais, 6º e 7º anos), em componentes curriculares como História e Geografia, e à Educação Infantil. “Ao produzir os jogos, assumimos um nível de qualidade compatível com o da plataforma Opet INspira e alinhamos a proposta aos fundamentos pedagógicos das coleções da Editora Opet”, explica Luciano Rocha, coordenador de Projetos em Tecnologias Educacionais da Editora.

Luciano Rocha com um dos novos jogos em fase de finalização.

O desenvolvimento de cada jogo passa por várias etapas: briefing, iconografia, design, análise linguística e revisão ortográfica, programação, análise e validação e, por fim, publicação na plataforma educacional Opet INspira. Os jogos são desenvolvidos em linguagem HTML5. Eles são visualmente atraentes, funcionam bem e podem ser jogados em desktops e smartphones.

E como são os jogos? “Eles são desenvolvidos com base em ‘mecânicas’ apropriadas para o contexto educacional, ou seja, formas e caminhos de jogar. E, aí, trabalhamos com movimento, memória, associações, estratégia, texto… são muitas as possibilidades, sempre com a ideia de engajamento do estudante”, explica Luciano.

Jogos também trabalham com temas socialmente relevantes, como a reciclagem de materiais.

Questão de validação – É importante que os jogos educacionais sejam testados e validados, inclusive em relação ao potencial de engajamento dos estudantes. Perguntado sobre essa validação, Luciano conta, sorrindo, que um importante testador é seu filho, de 12 anos. “Ele testa todos os jogos que desenvolvemos e é muito crítico!”, comenta.

Além dessa validação empírica, existe, é claro, uma validação técnica cuidadosa. Ela é feita por Cristina Pereira Chagas, colaboradora da equipe de Tecnologias Educacionais da Editora Opet e mestre em Educação e Novas Tecnologias. Ela é autora do “Almanaque do Mestre – Cultura Digital”, material complementar da própria Editora, e do livro “Tecnologias e Cognição: aprimorando habilidades e saberes docentes com jogos digitais”.

“A etapa de análise e validação possui dois objetivos principais: um tecnológico e outro educacional”, explica Cristina. A análise tecnológica possui duas fases, chamadas “alfa e beta”, em que o analista testa o jogo em diferentes navegadores de internet e em computadores e dispositivos móveis. “Isso garante a eficiência e a portabilidade pelos usuários da Opet INspira na maioria absoluta dos dispositivos digitais disponíveis.”

A segunda etapa, educacional, avalia se o jogo atende os requisitos de jogabilidade, usabilidade, feedback e objetivos pedagógicos. “Ela garante que as crianças e os estudantes terão autonomia e os professores poderão utilizar o jogo em uma proposta pedagógica integrada ao trabalho com os materiais didáticos e as metodologias ativas”.

Cristina Chagas: a especialista que analisa e valida os jogos produzidos pela Editora Opet.

Vai ser sucesso? – Jogo validado e publicado, chega-se a um outro momento crítico: o da recepção. Alguns jogos educacionais fazem mais sucesso do que outros. Mas, o que define se um jogo será, ou não, um “best seller”?

São vários os fatores envolvidos. “Se eu pudesse resumir, diria que são três: a motivação, a experiência do usuário e a aprendizagem”, avalia Cristina. A motivação diz respeito às habilidades envolvidas, à relevância dos conteúdos aprendidos no jogo e a satisfação de estar ali, jogando. A experiência do usuário contempla a imersão, o engajamento e a diversão. E a aprendizagem vai além dos conteúdos curriculares, pois contempla, também, o desenvolvimento de habilidades cognitivas e socioemocionais.

O melhor resultado? A educação! “Aliados aos materiais didáticos e aos objetos educacionais da plataforma Opet INspira, os jogos compõem uma estratégia completa junto ao plano de ação pedagógico”, garante Cristina. Ela destaca o papel dessas ferramentas na aquisição, pelos estudantes, da quinta competência da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a da Cultura Digital. “Adquirir essa competência ludicamente é sempre algo muito interessante!”, conclui.

ENTREVISTA: A concepção pedagógica dos jogos educacionais da Editora Opet

Ross Mary Strano Vieira (foto) é editora na Editora Opet. Ela também é responsável pela concepção educacional dos jogos desenvolvidos pela equipe para a plataforma educacional Opet INspira. Nesta entrevista, ela explica como funciona a concepção dos jogos.

Editora Opet – Produzir um jogo educacional é diferente de produzir um jogo digital comum. Como editora e como especialista em educação, a que elementos você fica atenta no processo de concepção e construção dos jogos?

Ross Mary – Os jogos educacionais digitais e os jogos casuais têm elementos comuns em sua estrutura que sustentam a ideia de jogo, como por exemplo o desafio, as regras e a interatividade. Porém, o objetivo é o elemento que diferencia esses dois tipos de jogos. Nos jogos casuais, o objetivo é apenas o entretenimento, a diversão, enquanto que nos jogos educacionais a criança está envolvida, de modo divertido, num processo de aprendizagem. Portanto, a concepção do jogo educacional digital deve estar atrelada ao objetivo pedagógico que se quer alcançar.

EO – Você é a especialista responsável pela parte educacional dos jogos, por aproximá-los dos objetivos pedagógicos. Como funciona, exatamente o seu trabalho? Você trabalha, por exemplo, com a proposição dos jogos?

RM – A produção de um jogo educacional digital é um processo longo e minucioso, que envolve diversos profissionais e suas expertises. Até que um jogo seja disponibilizado na Plataforma Opet INspira, ele passa por ao menos dez fases. Meu trabalho começa logo após a aquisição do motor do jogo, quando faço uma análise para definir uma concepção de jogo que potencialize as aprendizagens das crianças, elencando as adequações necessárias para tornar o jogo interativo, dinâmico, envolvente e adequado à faixa etária a qual será destinado. Nessa fase, a determinação do objetivo pedagógico é que direciona todas as escolhas e decisões. Após essa fase inicial de determinação de objetivos e da mecânica de jogo, o trabalho segue um fluxo que passa por outros profissionais para complementar com iconografia, design de telas, programação e customização, até retornar para que eu faça a validação e o produto siga para revisão, análise, testes e cadastro e indexação na Plataforma Opet INspira.

EO – A que elementos uma especialista como você deve estar atenta ao “conversar” com os diferentes públicos da educação?

RM – Para que os jogos atendam as diferentes faixas etárias e níveis de ensino é necessário conhecer e respeitar as características das crianças/estudantes e as relações que estabelecem com o conhecimento. É importante salientar que cada jogo educacional digital da Plataforma Opet INspira é pensado a partir das propostas presentes nas coleções da Editora Opet. Dessa forma, garante-se que o jogo contribua para o percurso educativo das crianças, pois está atrelado aos objetivos de aprendizagem e desenvolvimento propostos para cada faixa etária.

EO – Por fim: como educadora, como você avalia o papel dos jogos educacionais digitais para a educação?

RM – Os jogos são recursos amplamente utilizados nas Instituições de Educação Infantil e nas escolas porque são ferramentas eficientes e efetivas para potencializar a aprendizagem e o desenvolvimento da criança e do estudante. De forma lúdica e prazerosa a criança se defronta com desafios e problemas, tendo oportunidade de fazer reflexões e estabelecer relações para a busca de soluções. Paralelo ao uso de jogos físicos como tabuleiros com jogos de percurso e cartas, por exemplo, os jogos educacionais digitais constituem uma tecnologia que amplia a diversidade de estratégias que visam o aprendizado. Acrescente a isso o fator de inclusão digital que esse tipo de jogo proporciona, o que colabora para o desenvolvimento da competência relacionada à Cultura Digital – prevista na BNCC – que prevê que o estudante compreenda, utilize e crie tecnologias digitais de forma crítica, significativa, reflexiva e ética. Portanto, os jogos educacionais digitais são potentes recursos didáticos, em especial quando fazem parte de um bom planejamento pedagógico e são mediados pelo professor, no sentido de ajudar o estudante a desenvolver autonomia, aprendendo a aprender. Nosso objetivo é que os estudantes das instituições conveniadas, que utilizam os materiais didáticos da Editora Opet, vivenciem experiências de aprendizagem lúdicas, desafiadoras e comprometidas com seu desenvolvimento.