Tecnologia Educacional: formações digitais que aproximam

A Editora Opet está trabalhando muito para desenvolver ferramentas tecnológicas que nos aproximem ainda mais dos nossos parceiros. Uma dessas tecnologias, que tem o suporte do laboratório multimídia que inauguramos no ano passado, é a das formações pedagógicas online, que ampliam o trabalho presencial feito nas escolas pelos assessores da Editora.

Em janeiro, quando muitos dos nossos parceiros privados iniciam o ano letivo, essas formações vêm ganhando espaço. “Como se trata de um período estratégico, de retorno às aulas, estar perto das escolas é um lema da Editora”, explica Cliciane Élen, gerente pedagógica da Editora. Para isso, valem a presença física, nas formações presenciais e as interações digitais.

 “Algumas escolas da rede privada precisam de apoio para organizar seus planejamentos, pensar em novas ações e até tirar dúvidas sobre os nossos materiais”, explica Cliciane. “Graças à tecnologia, em um instante estamos conectados com os professores, diretamente do nosso estúdio.”

Aproximação – No início de janeiro, os professores e gestores da Escola Sucesso Bilíngue e do Colégio Conceito Bilíngue, parceiros Opet em Macapá (AP), “inauguraram” o calendário de 2020 das formações pedagógicas presenciais da Editora. Ambas as instituições pertencem aos mesmos mantenedores e, no caso do Colégio Conceito, é um centro educacional novo, que já em seu primeiro ano de existência aderiu ao sistema de ensino Opet.

Na última semana, como uma extensão do trabalho presencial, os professores da Educação Infantil e do Ensino Fundamental – Anos Iniciais de ambas as escolas participaram de uma formação online que conectou a sede da Editora em Curitiba à capital amapaense.

Eles acompanharam um módulo audiovisual produzido pela Editora sobre as formas de correção a partir do uso dos materiais Opet e, depois, participaram de uma conversa com a supervisora pedagógica Rúbia Cristina da Costa e a supervisora regional Daiane Veiga.

“Eu considerei essa formação incrível, que ampliou o trabalho que já havíamos feito presencialmente nas escolas. Os professores tiveram uma oportunidade de tirar dúvidas e de enriquecer seus conhecimentos”, avalia Daiane. Segundo ela, as formações online reforçam uma das principais características do nosso trabalho, que é o da aproximação. Ela também destacou a facilidade da formação – com um mínimo de organização prévia, o trabalho fluiu sem interrupções.

“A Editora Opet tem como conceito a ideia de que a educação aproxima, e é isso que estamos fazendo”, observa a supervisora pedagógica Rúbia Cristina. “O uso da tecnologia é significativo. Não substituímos o olho no olho, o pegar na mão ou o abraço. Mas conseguimos, de forma significativa, estar perto também”. Em sua avaliação, esse é um processo cultural que vai crescer cada vez mais. “Com a tecnologia, nos aproximamos a partir da distância.”

Tecnologia que aproxima – Para a gestora Cliciane Élen, as formações e o trabalho de assessoria online mostram que é possível utilizar as novas tecnologias para uma educação mais próxima e humanizada. “A tecnologia precisa ser entendida como um facilitador das relações. Quando é bem utilizada, ela aproxima, sim, as pessoas!”, observa. Um movimento que, na Editora Opet, está ganhando força, com a implementação da Plataforma Inspira, atualmente em fase de homologação e que, em breve, vai chegar às nossas escolas parceiras.

 

Pedagógico Opet participa de formação para o uso da nova agenda digital

Neste ano letivo de 2020, a Editora Opet está avançando em relação ao uso das tecnologias educacionais. A proposta é fazer com que as novas tecnologias funcionem como ferramentas poderosas para uma educação mais humana, cidadã, transformadora e inovadora.

Dentro dessa proposta, na última quinta-feira (15) a equipe pedagógica participou de uma formação para o uso do aplicativo Agenda Opet (com tecnologia IsCool®), que será incorporado à plataforma digital Opet Inspira.

O aplicativo, como explica a gestora pedagógica Cliciane Élen, é uma agenda digital com muitos recursos e uso amigável, que vai facilitar o trabalho de professores e gestores. Em uma primeira etapa, ela estará disponível para os parceiros do segmento privado.

“A Agenda é uma ferramenta muito útil, que abrange vários elementos do dia a dia das escolas, além de ser um meio de comunicação seguro e dinâmico entre família e a equipe de gestão escolar.”

Entre esses elementos estão comunicados, notícias da escola com uma galeria de fotos, enquetes e pesquisas, agenda e registro de atividades escolares, calendário de eventos, pedidos de autorização para familiares.

Com o treinamento realizado pela equipe da IsCool App, a equipe pedagógica vivenciou a experiência de utilizar o aplicativo e conhecer a potencialidade das suas funcionalidades. “Estamos ansiosos para compartilhar essa ferramenta com os nossos professores, gestores e familiares das escolas conveniadas.”

Escolha acertada – O coordenador de Tecnologias Educacionais da Editora, Luciano Rocha, explica que a escolha da tecnologia IsCool para o aplicativo da agenda se deve ao seu nível de qualidade. “Uma plataforma como a Inspira, que a partir deste ano vai ser a grande ferramenta de tecnologia das escolas conveniadas à Editora Opet, oferece recursos próprios e também agrega o que existe de melhor no mercado. Essa gestão da tecnologia nos permite oferecer o que há de melhor, de mais moderno, aos nossos parceiros.”

A Inspira – Plataforma Educacional, explica Luciano, também vai incorporar outra tecnologia de grande sucesso, a da Prova Fácil®, que oferece uma série de recursos online para a produção e a correção de provas e avaliações.

No caso da Agenda Digital, Luciano observa que havia uma demanda muito grande, em especial por parte das escolas que oferecem Educação Infantil, de um aplicativo que permitisse a possibilidade de comunicação direta entre a escola e as famílias. “Com o aplicativo, garantimos essa comunicação e, também, outros recursos de acompanhamento do dia-a-dia das crianças na escola.”

Em funcionamento – Neste momento, como explica o coordenador de Tecnologia Educacional da Editora, a plataforma Inspira está em fase de homologação. São os últimos passos antes da entrada em pleno funcionamento, o que vai acontecer nos próximos dias. Na primeira etapa, a plataforma estará disponível para o segmento privado, cujo calendário começa um pouco mais cedo. Na sequência, será disponibilizada para os parceiros das escolas da rede pública.

 

Uma proposta transformadora para a Educação Física

Nos últimos meses, a equipe editorial da Editora Opet dedicou atenção especial aos seus materiais de Educação Física voltados ao Ensino Fundamental. Eles foram ampliados, atualizados e integrados à Coleção Cidadania (dirigida à área pública) com uma proposta de valorização do componente curricular em todas as suas dimensões, em consonância com o que preceitua a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Uma proposta que reflete a perspectiva Opet de oferecer educação humana, cidadã, transformadora e inovadora.

Nos livros – escritos por Bruna Bardini dos Santos, Carmela Bardini e Mário Cerdeira Fidalgo, com edição de José Augusto Real Limeira –, professores e estudantes se relacionam com a Educação Física a partir de uma perspectiva rica e instigante. Com um olhar que valoriza as competências socioemocionais e as conexões da Educação Física com outros componentes curriculares e valores.

“Os autores foram muito sensíveis ao trabalhar com essas conexões”, observa o editor José Augusto. “As práticas da Educação Física – como esportes, jogos e brincadeiras – são lidas a partir da valorização da pessoa, do trabalho coletivo, da inclusão e da interculturalidade. Além disso, elas estabelecem conexões com outros componentes curriculares, como História e Ciências, o que fortalece todo o trabalho educacional.”

A COLEÇÃOA Coleção Cidadania – Educação Física foi dividida em nove volumes anuais, que contemplam o Ensino Fundamental – Anos Iniciais e Anos Finais. Cada volume é dividido em quatro unidades para o trabalho bimestral. Um material que é muito rico em termos de conteúdo, propostas de trabalho (que são detalhadas no Livro do Professor) e iconografia.

Livro do Professor – O material do professor apresenta Orientações Didáticas que auxiliam o docente no desenvolvimento das atividades propostas no livro do aluno. Elas ampliam as mediações do professor por meio de abordagens contextualizadas e sugestões de novas atividades, sinalizam possibilidades de reflexão acerca de temáticas abordadas em seções didáticas e oferecem conhecimentos complementares e sugestões de pesquisa para subsidiar as mediações do professor.

Curitiba-Opet: sucesso no ensino de Inglês

Na segunda-feira (18), a Editora Opet e a prefeitura de Curitiba realizaram a última formação pedagógica de 2019 com os professores de Língua Inglesa da rede municipal de ensino. O encontro, que aconteceu na sede da Secretaria Municipal de Educação, reuniu cerca de 70 docentes, que participaram da formação com a professora Vera Rauta, autora dos livros da Coleção “Joy!”, do selo educacional Sefe, que foram adotados pela rede municipal de ensino.

A parceria entre a Editora Opet e a capital paranaense teve início em agosto deste ano. Ela beneficia quatro mil estudantes dos Anos Iniciais (Ensino Fundamental) da rede municipal de ensino. Antes de serem selecionados para adoção pela rede municipal, os materiais da Coleção “Joy!” foram cuidadosamente analisados pela Secretaria de Educação, que também se reuniu com a professora Vera Rauta para conhecer os fundamentos e as articulações pedagógicas do trabalho. Desde então, os livros passaram a ser utilizados pelos estudantes e por seus professores.

Engajamento – A secretária municipal de Educação de Curitiba, Maria Silvia Bacila, vê a parceria entre a prefeitura e a Editora Opet com bons olhos. “Temos, de ambos os lados, um potencial de boas intenções. Os professores, interessados na formação pedagógica específica, no trabalho e na extensão da carga horária. E a Editora Opet, que tem uma oportunidade de apresentar à sociedade o potencial do seu material e das formações.”

A secretária destaca o grande interesse e o forte engajamento dos professores nas ações formativas para o trabalho com os livros da coleção “Joy!”. “O nível de presença foi altíssimo nos encontros”, observa. “Nesse processo, não posso deixar de enaltecer o trabalho da professora Vera. Uma pessoa animada, que acredita na proposta. E isso é fundamental para o sucesso.” Segundo ela, a intenção da prefeitura de Curitiba é manter a parceria com a Editora Opet em 2020.

Interculturalidade – A professora Vera Rauta destaca o envolvimento dos professores em todas as formações, assim como seu trabalho em sala de aula com os estudantes. “O mais importante é a reação das crianças descrita pelos professores: elas gostam, estão motivadas e querem mais aulas”, observa.

Vera se diz orgulhosa de participar do projeto. “Levar a Língua Inglesa para as crianças da rede municipal de Curitiba é algo muito importante, e não só pela relevância do inglês no mundo atual”, observa. Neste ano, a rede municipal de ensino começou a oferecer aulas de Inglês, Espanhol e Italiano, e, para o ano que vem, haverá uma expansão para aulas de Francês e Alemão. “Essa iniciativa contempla, em grande parte, a identidade das crianças curitibanas. É um olhar multicultural, muito representativo da nossa cidade.”

Trabalho conjunto – Para a gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen, a parceria se fortalece quando os objetivos são definidos em conjunto. “Buscamos o desenvolvimento de crianças e jovens que possam exercer a cidadania e ampliar as suas possibilidades de interação nos mais diversos contextos. E o professor é peça-chave nesse processo, pois é mediador que apresenta esse mundo e suas possibilidades”, observa. “Estamos muito felizes em poder fazer parte desse momento tão importante para a educação pública de Curitiba.”

Paranaguá: formação reúne centenas de professores e gestores

Desde a semana passada, uma equipe de assessores pedagógicos da Editora Opet está em Paranaguá, uma das cidades mais antigas e importantes do Paraná, para realizar a formação pedagógica que encerra o ano letivo de 2019 com os professores e os gestores da rede municipal de ensino.

Paranaguá, que é parceiro da Editora desde 2013, adota os materiais, ferramentas e formações Sefe (selo educacional da Editora para o segmento público) para atender os estudantes da Educação Infantil 5 ao quinto ano do Ensino Fundamental de sua rede municipal de ensino. “Os professores e gestores de Paranaguá são grandes parceiros, profissionais realmente comprometidos com o avanço da educação. Eles se envolvem muito, e sempre com excelentes resultados”, observa o supervisor pedagógico Nelson Bittencourt, responsável, na Editora, pela coordenação do trabalho.

O atendimento escola a escola, explica Nelson, é realizado mensalmente desde o início deste ano, e atende uma demanda local. “Agora, estamos fazendo o trabalho de fechamento do ano de 2019. Nesse momento, verificamos tudo com vistas ao trabalho do ano que vem. O objetivo é saber com exatidão se o planejamento e as ações da parceria funcionaram bem e, também, o que pode ser aprimorado.”

Resultados satisfatórios – Na avaliação da secretária municipal de Educação de Paranaguá, professora Vandecy Silva Dutra, o modelo das formações escola a escola, adotado por solicitação do município, colaborou para os bons resultados do ano. “O Sefe atendeu ao nosso pedido e fez as adequações necessárias para o atendimento das nossas demandas”, observa. “Estamos finalizando o ano com mais uma formação de professores no formato com que iniciamos o ano, dentro das Escolas, com as realidades, desafios e possibilidades junto a todos os profissionais.”

 

Preparando 2020 com as escolas parceiras na Bahia e no Rio de Janeiro

Os últimos dias foram de muito e bom trabalho com nossos parceiros privados na Bahia e no Rio de Janeiro. Nossas supervisoras pedagógicas Selma Meirelles e Silnéia Chiquetto, responsáveis pelo atendimento às escolas privadas nesses Estados, visitaram várias escolas para avaliar o trabalho deste ano e preparar o caminho para as ações das parcerias em 2020.

Bahia – A supervisora pedagógica Selma Meirelles, responsável pela coordenação do atendimento na Bahia, visitou cinco escolas parceiras Opet Soluções Educacionais em Salvador e uma em Serrinha, município localizado a 170 km da capital baiana. Em Salvador, ela esteve no Colégio Evolução, no Centro Educacional Avante, no Centro Educacional Gabriela, na Escola Arca de Noé e no Centro Educacional Paraíso (em Lauro de Freitas, município vizinho à capital). Em Serrinha, Selma se reuniu com a equipe do Colégio Delta.

“Em cada encontro, pudemos ter um feedback do trabalho realizado no ano de 2019, com reflexões e escuta”, explica Selma Meirelles. “Nesses momentos, também fizemos o alinhamento das ações para 2020, com foco na personalização cada vez maior do atendimento.” Em relação ao ano de 2020, já está sendo planejado o calendário de formações e atendimento, assim como a preparação para o trabalho com a nova plataforma digital.

Rio de Janeiro – No Estado do Rio de Janeiro, foram feitas reuniões com as equipes de gestão de seis escolas parceiras Opet Soluções Educacionais. O trabalho envolveu o Jardim Escola Beija-Flor, o Centro Educacional Integrado Arvoredo, o Colégio São Fabiano, a Escola Educandário Luz do Saber, o Centro Educacional Viannay e o Colégio Batista Nova Betânia.

“É muito bom trabalhar com esses parceiros no Rio de Janeiro. Cada uma das instituições é muito atuante e nos representa muito bem”, observa a supervisora Silnéia Chiquetto. As reuniões com os gestores, explica, serviram para concluir o ano e planejar as próximas ações.

“Ao mesmo tempo, pudemos conversar sobre as novidades para 2020 em relação ao material, às formações pedagógicas e à plataforma digital que a Editora Opet está desenvolvendo.” No caso das formações, os parceiros demonstraram muito interesse pela modalidade online. “Eu acredito que já no primeiro semestre poderemos oferecer as formações online, que agradam muito porque atendem as escolas parceiras em suas especificidades, em especial os professores de área no Ensino Fundamental II e no Ensino Médio.”

Silnéia também destacou o sucesso da formação regional realizada com as escolas parceiras Opet fluminenses, que também poderá acontecer em 2020. “O retorno foi muito bom. Em 2020, como estamos ampliando a nossa presença no Rio de Janeiro, a formação poderá contar com um número ainda maior de participantes. Isso, além do atendimento continuado feito pela equipe pedagógica.”

Expectativas – O Centro Educacional Viannay, de São João de Meriti, é parceiro da Editora há um ano. Seu coordenador pedagógico, o professor Jonas Andrade, está satisfeito com o trabalho. “Conseguimos evoluir na área educacional. Através do trabalho com o sistema de ensino, conseguirmos sair da monotonia e aprendemos que, muitas vezes, precisamos aceitar as mudanças. Estamos super felizes!”.

Com base no andamento da parceria em 2019, Jonas acredita que o ano que vem será de muito sucesso. “Esperamos que 2020 seja ainda melhor. Nossa equipe está motivada para os diferenciais que o sistema de ensino nos proporciona em relação às experiências. Vai ser, com certeza, um ano de sucesso juntos com vocês.”

A diretora e mantenedora e mantenedora do Centro Educacional Integrado Arvoredo, Lucia Helena Perdigão de Medeiros, voltou a trabalhar com a Editora Opet em 2019. “Foi uma grande aquisição para a nossa instituição usar os materiais Opet. Retornei e amei!”, sintetiza. Segundo ela, os grandes diferenciais da parceria são a atenção, o carinho e o respeito com que a Editora trata com as escolas, independentemente de seu tamanho. “Outro ponto forte neste ano foi o Seminário Nacional de Gestores de Escolas Conveniadas Opet, de que participamos em Curitiba. Foi maravilhoso participar!”, observa.

 

 

Pedagógico OPET: Uma formação para “TIRAR DA FÔRMA”

A semana que passou foi intensa e de muitas descobertas para a equipe da gerência pedagógica da Editora Opet. Focando no planejamento e no trabalho com os parceiros no ano de 2020, os formadores e supervisores pedagógicos participaram de um trabalho diferente. “Foi uma formação pedagógica para ‘tirar a equipe da fôrma'”, explica a gerente pedagógica Cliciane Elen.

“Isso significa que, em todos os dias, buscamos conhecer e nos aprofundar em novas metodologias e em novos caminhos para o trabalho que realizamos com os professores. E examinamos como isso pode ser aplicado aos nossos planejamentos e ao nosso fazer pedagógico.”

Tudo, observa Cliciane, com foco na melhoria do processo de ensino e aprendizagem, em consonância com as questões levantadas pelas próprias escolas e pelos documentos oficiais da educação. A formação contou com a participação de especialistas convidados que trouxeram informações, propuseram atividades e debateram com a equipe.

Na segunda-feira, as atividades foram conduzidas pela própria Cliciane, que falou sobre estratégias de ensino-aprendizagem usando tecnologias, metodologias e “design educacional”.

“Busquei reforçar a ideia de que as novas tecnologias e metodologias não funcionam sozinhas e não substituem, mas potencializam o trabalho do professor. E aí entram elementos como a pessoa, a empatia e a colaboração.”

Na terça-feira, o trabalho foi conduzido pelo professor convidado Everton Renaud, que falou sobre metodologias ativas a partir da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). “Ele nos trouxe um workshop em que foi possível relacionar as metodologias ativas à BNCC e aos nossos materiais didáticos”, explica Cliciane.

Na quarta-feira, a programação foi voltada às competências socioemocionais, a partir não apenas da perspectiva do estudante, mas do professor e, principalmente, do professor formador de professores. Esse trabalho foi conduzido pela professora convidada Mara Águila. “Foi algo bem interessante, em especial porque pudemos conhecer de forma mais profunda o que são as competências socioemocionais e como elas funcionam em nossas próprias relações pessoais e profissionais”, observa a gestora pedagógica da Editora Opet.

Na quinta-feira, o trabalho foi conduzido pelo professor José Motta, que apresentou o workshop “Mão na Massa”, centrado na metodologia do “Peer Instruction” (desenvolvida na Universidade de Harvard pelo professor Eric Mazur). “Peer Instruction” ou “Instrução entre Pares” é uma metodologia que tem como premissa a substituição da figura do “professor instrutor” pela de um coletivo (professor + estudantes) que produz e compreende a partir do apoio mútuo.

Hoje, sexta-feira, o trabalho foi concluído com um workshop focado nos chamados “Mind Maps” (“Mapas Mentais”), que é uma estratégia de gerenciamento e organização de ideias. Ele foi conduzido pelo professor Danilo Augusto. “Com os mapas mentais, buscamos estabelecer, enquanto grupo, o que é uma formação pedagógica. E como, a partir dos elementos, missão e valores, ela é aplicada aos diferentes níveis de ensino com que trabalhamos”, observa Cliciane.

Importância para o trabalho com os professores – Na avaliação do assessor pedagógico Fernando Corrêa, a formação vai impactar em termos de qualidade. “Essa semana mostrou um movimento da própria Editora em relação à formação continuada de professores, no sentido de melhorar a qualidade da educação. Foi um trabalho interno, que envolveu a equipe, e que, com certeza, terá reflexos sobre o nosso trabalho com os professores.”

Para a assessora pedagógica Elis Vieira, a semana foi extremamente produtiva. “Foi um momento de provocação, de ‘sair fora da caixa’ e pensar em outras possibilidades. E de perceber que as metodologias ativas são significativas e importantes para a condução e para o enriquecimento do trabalho.”

 

Gamificação: o lúdico ganha força na educação

“Gamificação” é um neologismo que vem ganhando importância no cenário da educação brasileira. Como se pode perceber, ela tem a ver com o jogo (“gamificação” vem de “game”), o lúdico, a jornada, o desafio e a recompensa.
Nesta entrevista, conversamos com o coordenador de Tecnologia Educacional da Editora Opet, Luciano Rocha, sobre a gamificação e seu valor para os avanços da educação. Luciano também fala sobre como a gamificação passará a fazer parte da plataforma digital da Editora Opet a partir de 2020.

Entrevista a Rodrigo Wolff Apolloni

Quando falamos em “gamificação”, estamos falando exatamente no quê?
Luciano – O conceito de “gamificação”, embora esta palavra seja um neologismo, já existe há algum tempo. Ele consiste em trazer elementos presentes especialmente em jogos eletrônicos para um ambiente que não é o de um jogo. Então, você pode usar a gamificação em diferentes setores, inclusive no corporativo. As empresas podem utilizar técnicas que existem nos jogos eletrônicos para engajar e mobilizar seus colaboradores. No nosso caso, estamos utilizando essas técnicas para engajar e mobilizar os estudantes. Um exemplo: as metas, os objetivos, os níveis, a pontuação, a bonificação, as recompensas, são todos elementos presentes nos jogos eletrônicos e que você pode utilizar no cenário educacional para motivar os estudantes. Propondo desafios para que eles os superem.

Uma ideia que muitas pessoas têm em relação à gamificação é a de que ela se foca essencialmente na questão da recompensa. É só isso, mesmo?
Luciano – De maneira alguma. É claro que a gamificação deve ser planejada para que alcance os resultados pretendidos. É preciso, então, trazer os elementos de gamificação, para que não se torne um ambiente puramente competitivo. O que se deve fazer é construir mecânicas que valorizem mais a colaboração do que propriamente a competição. Ela funciona como um cenário de motivação extrínseca para que o estudante consiga manter o foco principal na atividade que ele faria sem compromisso se ele não tivesse os desafios e as recompensas. A recompensa é apenas um dos elementos para você engajar esse estudante.

Como, no processo de gamificação, é possível converter o conhecimento em prêmio e não apenas em um caminho para a obtenção de uma recompensa?
Luciano – A primeira premissa que o docente deve ter em mente é a de que os estudantes têm formas diferentes de aprender. Então, não faz sentido trabalhar com um currículo e uma forma de “tamanho único” se os estudantes vão ter o seu tempo e o seu modo de aprender. Então, a gamificação pode favorecer o processo nesse sentido: dando clareza ao professor de que nem todos os estudantes vão chegar ao final daquela meta que ele propôs. A construção de metas intermediárias favorece essa consolidação organizada. Se você constrói um objetivo único, acaba produzindo uma “binarização”, ou seja, no “conseguiu” ou “não conseguiu”. A gamificação permite mostrar ao professor até onde o estudante conseguiu chegar. E, com isso, o docente pode ajustar o percurso.

Qual vai ser a relação da plataforma digital que estamos desenvolvendo ao longo deste ano – e que estará ativa em 2020 – com a gamificação?
Luciano – A plataforma tem na gamificação uma das suas premissas, junto com outras, como a do protagonismo do estudante e a da construção de uma rede social de conhecimentos. Nesse processo, você tem a capacidade de transformar os professores em autores e produtores desse conhecimento. A plataforma vai dar a possibilidade de que essa informação não seja apenas oferecida pela Editora e consumida pelos professores, mas de que estes professores possam produzir, adaptar e modificar os conteúdos. E a gamificação um ponto estratégico nisso porque ela muda a forma como o estudante e o professor vão ter essa relação com os conteúdos. Tornando-os mais dinâmicos, mais atrativos, falando a linguagem do aluno. Hoje em dia, a maioria dos nossos jovens está inserida nesse contexto. Então, quando você fala em desafios, recompensas e níveis, esta é uma linguagem comum a todos os estudantes. Se você oferece esses conteúdos dentro dessa dinâmica, os aproxima da realidade do aluno. E isso contribui muito para o engajamento e para o aprendizado.

Macapá: Editora Opet no 4º Sucesso Plug & Play

Uma grande festa pela educação na capital do Amapá. Assim pode ser resumida a quarta edição do Sucesso Plug & Play, que na quinta-feira (24) reuniu cerca de 700 pessoas no auditório do Sebrae em Macapá. O evento foi promovido pela Escola Sucesso Bilíngue, parceira privada da Editora Opet no Estado do Amapá e uma das instituições de ensino de maior sucesso na região.

“O Sucesso Plug & Play é um divisor de águas para a nossa instituição”, explica a mantenedora e diretora pedagógica da Escola Sucesso Bilíngue, Ameliany Azevedo. “O evento marca o lançamento da campanha de matrículas do ano seguinte e também é uma oportunidade de apresentação das novidades e da nossa forma de trabalhar com a educação.”

Neste ano, a Editora Opet levou ao evento uma atração especial: o palhaço Alípio (Rafael Barreiros, um dos principais representantes brasileiros da arte da palhaçaria), que interagiu com os participantes.

“A participação da Editora Opet foi fantástica! Com o Alípio, o evento ficou superdinâmico, alegre e inovador, combinando totalmente com o nosso planejamento de algo voltado para crianças e adultos”, conta Ameliany. “Conseguimos falar da educação como algo que está dentro de uma perspectiva de felicidade. E é assim que trabalhamos.”

Em 2020, a escola vai somar elementos importantes ao seu trabalho, como o ensino bilíngue incorporado ao currículo e a robótica incorporada à matriz curricular do primeiro ao nono ano (Ensino Fundamental).
O gerente comercial da Editora Opet para o segmento privado, Klinger Motta, prestigiou o evento. “A Escola Sucesso é um parceiro estratégico no Amapá e no norte do país. É uma instituição que está em total sintonia com a proposta educacional Opet de educação cidadã, humana, transformadora e inovadora.”

Parceria – Ameliany se diz satisfeita com a parceria estabelecida com a Editora Opet, que já tem dois anos. “Os materiais e ferramentas têm tudo a ver com a nossa proposta. Eles atendem as necessidades dos estudantes e, também, as necessidades institucionais da escola. A Editora Opet também nos dá um bom suporte de capacitação, sempre muito presente e muito solícita. E muito preocupada em capacitar e em melhorar os nossos serviços para os nossos clientes diretos, os estudantes.” Diante desses fatos, a parceria foi renovada para 2020. “Estamos renovando e queremos que siga assim por muitos anos”, conclui Ameliany.

Parceiros da Editora Opet: Educação humana e cidadã no Oeste de SC

Nos dias 21, 22 e 23, estivemos no Oeste de Santa Catarina para trabalhar com nossos parceiros municipais em Vargeão, Pinhalzinho e Passos Maia.

Em Vargeão, as atividades aconteceram no dia 21 e envolveram uma visita técnica durante o dia e, à noite, um encontro com os familiares dos estudantes com o tema “A importância da Afetividade no processo de Formação Humana”.

Em Pinhalzinho, a visita técnica aconteceu no dia 22 e, no dia 23, em Passos Maia. O trabalho foi realizado pela assessora pedagógica Mara Dumke. “A visita técnica de acompanhamento pedagógico é o momento em que podemos acompanhar o desenvolvimento da proposta educacional”, explica o professor Nelson Bittencourt, supervisor pedagógico da Editora para o Estado de Santa Catarina. “Ela também permite avaliar o resultado das nossas ações e viabilizar futuras estratégias que contribuam para a melhora constante da ação didática”.

Em parceria com a Editora Opet, as redes municipais de educação de Vargeão, Pinhalzinho e Passos Maia promovem a educação cidadã, humana, transformadora e inovadora com a adoção dos materiais e ferramentas pedagógicas Sefe. Na região Oeste catarinense, a Editora Opet também está em Chapecó, Treze Tílias, Macieira, Arroio Trinta e Salto Veloso.