Educação: a importância da acessibilidade digital

Acessar a internet, clicar em aplicativos, ler e-books, assistir a vídeos e ouvir podcasts são ações corriqueiras em nossa época. A oferta de produtos é imensa, para todos os gostos. Em meio a esse “oceano digital”, porém, uma questão muitas vezes passa despercebida – uma questão, aliás, das mais importantes: e a acessibilidade desses produtos?

Segundo dados divulgados pelo IBGE em 2021, o Brasil possui algo como 8,4% de sua população com algum tipo de deficiência – são cerca de 17 milhões de pessoas, um número maior que o de habitantes da cidade de São Paulo, a mais populosa do país. São cidadãos que, é claro, têm o direito de acessar os bens do universo digital. Surge, então, uma outra questão: como fica a acessibilidade desses bens? E, no caso da escola, como proceder para oferecer ferramentas e objetos de aprendizagem digitais a alunos com deficiência?

O primeiro passo, por certo, é tomar consciência da questão. O segundo é encontrar caminhos para oferecer acessibilidade e cidadania plena aos estudantes deficientes.

A Editora Opet, como veremos à frente, possui uma das plataformas educacionais digitais mais acessíveis do país, a Opet INspira. Ela oferece recursos importantes que espelham, inclusive, a proposta Opet de educação humana e cidadã. É possível, contudo, ir além, tanto para aproveitar os recursos de acessibilidade da plataforma da melhor maneira quanto para avançar em termos de conhecimento e de cidadania. Vamos falar mais a respeito?

Acessibilidade digital
Antes de abordar o tema dos materiais acessíveis, é preciso entender do que trata a acessibilidade digital. Em termos diretos, acessibilidade digital é garantir acesso aos meios, produtos e serviços digitais disponíveis para as pessoas que não têm deficiência. Um acesso que abrange a internet, os elementos de hardware, os aplicativos e outras ferramentas digitais.
Estamos falando de obstáculos que podem ir de uma dificuldade mais simples – mas, ainda assim, uma dificuldade – até a total impossibilidade de acessar sites, conteúdos e aplicativos.
Para que isso não ocorra, é necessário aplicar um conjunto de recursos digitais capazes de tornar produtos digitais acessíveis, independentemente das deficiências ou limitações que o indivíduo possua.
Para que esse acesso seja garantido, faz-se necessário algum nível de adaptação desse local ou o uso de recursos, por parte do indivíduo com deficiência, que acessibilizem o acesso.

Nos ambientes físicos, a acessibilidade ocorre por meio de rampas, elevadores, banheiros adaptados e portas mais largas, cujas medidas são estabelecidas por normas da ABNT. Tudo isso é inserido nos espaços a fim de facilitar o acesso de pessoas com diferentes deficiências.
Da mesma forma que o espaço físico, o ambiente digital também precisa de recursos que viabilizem o acesso de pessoas com deficiência ou transtornos nos espaços online.
É aqui que entram os recursos de tecnologia assistiva.

Tecnologia assistiva: o que é
“Tecnologia Assistiva é uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação de pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social” (ATA VII – Comitê de Ajudas Técnicas – CAT, que reúne representantes do governo e da sociedade civil em prol da inclusão).


Tipos de recursos de tecnologia assistiva
As tecnologias assistivas podem ser usadas em diversos casos para ajudar na execução de vários tipos de tarefas. Em se tratando de materiais digitalmente acessíveis, elas servem para garantir o acesso em diversos formatos de mídias em um mesmo material.
Perceba que falamos “acessar o conteúdo”. Acessar o conteúdo do texto é diferente de lê-lo; acessar o conteúdo de um vídeo não é a mesma coisa que assisti-lo.
Isso porque, ao estruturar os materiais digitais de forma acessível, o consumo deles pode acontecer de diversas maneiras.
Graças a recursos de tecnologia assistiva, um único material, desde que desenvolvido a partir das diretrizes adequadas, é adaptável a qualquer pessoa.
Basta a pessoa escolher o recurso digital de acessibilidade indicado para a sua limitação que ela consegue consumir o material.
Veja alguns dos principais tipos de tecnologias assistivas e suas funções.
Alto contraste entre tela e texto
Facilita a navegação de pessoas com baixa visão.

Softwares de diminuição de contraste
Já crianças e adolescentes com autismo costumam apresentar muita sensibilidade a estímulos visuais e auditivos. É preciso reduzir o ruído e a claridade do ambiente e dos computadores. Trocar a cor do plano de fundo do computador para tons pastéis também ajuda na diminuição dos estímulos.

Textos ampliados
Softwares conhecidos como ampliadores de imagens ou lupas eletrônicas que ampliam textos e imagens para pessoas com baixa visão.

Softwares de tradução
Transformam conteúdo falado ou digitado em língua de sinais em tempo real.

Leitores de tela
Softwares que transformam textos escritos na tela em fala. Por meio deles, a pessoa cega consegue digitar textos, ouvir livros, navegar na Internet e afins.
Pessoas com limitações motoras também se beneficiam dessa ferramenta, já que navegam na web a partir do movimento da boca, dos olhos ou por meio de comandos de voz.

Comunicação alternativa
Ocorre por meio de vocalizadores, pranchas e cartões de comunicação. É utilizada por pessoas sem fala/escrita funcionais e com defasagem entre a necessidade comunicativa e fala/escrita. Para garantir a acessibilidade digital, é preciso estruturar os materiais de modo que essas ferramentas funcionem neles adequadamente.

Audiobooks, fontes não serifadas e elementos visuais
Fontes não serifadas facilitam a decodificação, e elementos visuais nos textos são recursos indicados para estudantes com dislexia.
Esse transtorno prejudica as habilidades de leitura e escrita, por exemplo, a capacidade de sequenciar as letras na hora de formar as palavras e de associar palavras e sons.
Mas elas possuem boas habilidades orais, dentre outras. Então, esses recursos facilitam o ensino.


Como aplicar as tecnologias assistivas no ensino e desenvolver materiais acessíveis
A necessidade de desenvolver materiais digitais acessíveis é importante em todas as esferas do digital, mas é ainda mais crítica no contexto educacional.
Afinal, é papel dos educadores garantir que todas as crianças possam aprender e tenham a oportunidade de atingir seu pleno potencial acadêmico.
Para isso, as instituições de ensino devem entregar aos estudantes um grau de inclusão digital que vá ao encontro de suas necessidades.
Uma das formas de garantir que crianças e adolescentes com deficiências tenham de fato oportunidades de desenvolvimento é justamente o desenvolvimento desses materiais digitalmente acessíveis.
Veja como!


Planejamento de documentos acessíveis
Um documento é considerado acessível quando os recursos de tecnologia assistiva citados acima conseguem “ler” suas informações e transformá-las em áudios, imagens ou legendas.
Como estruturar materiais digitalmente acessíveis:
Vídeos acessíveis precisam ter recursos para pessoas com deficiência auditiva e visual
Isso porque crianças e adolescentes com deficiência auditiva não entenderão – em parte ou totalmente – o áudio de vídeos sem legendas. As transcrições também ajudam os jovens com dificuldades visuais a reter melhor o conteúdo.


Veja as ferramentas de tecnologia assistiva que podem ser usadas.
● Legendas: transcrevem (ou traduzem) a caixa de diálogo.
● Legendas ocultas: descrevem indicações de áudio – música ou efeitos sonoros – que ocorrem fora da tela.
● Descrição do vídeo: narra os principais elementos visuais do vídeo.

Inclua descrições das imagens
Ao fazer isso, estudantes com limitações visuais podem usar programas de leitura de tela para ler o material digital.
Trata-se de uma tecnologia capaz de converter texto em discurso sintetizado. Dessa forma, o usuário escuta em vez de visualizar.
Mas isso só funciona se o educador adicionar texto alternativo descrevendo-as.
Basta inserir uma descrição sucinta, clara e imparcial das imagens, fotos, gráficos, organogramas, ilustrações por meio da ferramenta ALT.


Estruture o texto em ordem lógica
Para facilitar a leitura de documentos pelos leitores de tela, ferramentas utilizadas por pessoas que não visualizam a tela, faça o seguinte:
● coloque os títulos em uma ordem lógica, utilizando as ferramentas de formação;
● insira poucos parágrafos – pequenos – a cada título;
● utilize listas ordenadas;
● use marcadores;
● insira cabeçalhos, pois os leitores de tela usam as informações deles para identificar linhas e colunas.

Estruture os textos de maneira lógica e acessível visualmente
A estrutura e a disposição das informações do texto impactam a compreensão de pessoas com deficiência visual, que dependem de leitores de tela, ou com deficiência intelectual.
Por isso, existem algumas práticas de formatação que podem facilitar esse processo. Além disso, a estrutura adequada também garante que os leitores de telas informem o conteúdo das tabelas corretamente.
Então, é importante evitar os seguintes formatos:
● linhas e colunas em branco;
● tabelas aninhadas;
● células mescladas e divididas.

Tamanho e estilo da fonte
Fontes serifadas dificultam a leitura de pessoas com diferentes tipos de comprometimento visual e dislexia.
Em programas como o Word existe, inclusive, a possibilidade de se baixar uma fonte criada exclusivamente para estudantes com dislexia, a Open-Dyslexic. A fonte é aberta, e o download é gratuito.
Então, lembre-se: é melhor optar por fontes maiores, não serifadas e, se possível, manter um espaço maior entre frases e parágrafos.

Use contrastes para melhorar a visibilidade
Escolher as cores mais contrastantes nas páginas de textos, imagens, ícones e fundos é essencial para garantir que todos com algum nível de comprometimento da visão, como pessoas com daltonismo, consigam perceber todo o material.
Crianças com TDAH também são beneficiadas com uma estrutura dessa forma.

Use as ferramentas certas
Há uma série de ferramentas digitais para criar conteúdo acessível, desde ferramentas online gratuitas, como Skype e Google Classroom, até plataformas de objetos educacionais, como a Opet INspira da Editora Opet.
A solução educacional da Editora conta com recursos de tecnologia assistiva que ajudam no desenvolvimento de materiais digitais acessíveis.
Na plataforma educacional Opet INspira, o educador encontra, por exemplo, um Menu de Acessibilidade que permite a seleção de várias funções personalizadas, como:
● teclas de navegação;
● leitor de página;
● tamanho do texto e do cursor;
● espaçamento de texto;
● controle de contraste;
● etc.
Com os recursos da plataforma, o professor cria trilhas de aprendizagem e roteiros de estudos totalmente adaptados às necessidades de estudantes com deficiências ou transtornos diversos.
Para acessar a plataforma, é preciso que a escola seja conveniada, sendo necessário ter usuário (login) e senha individual. Ou seja, se você ainda não é parceiro e quer conhecer, entre em contato conosco!

Podcasts na educação: por que são tão interessantes?

Você já parou para pensar por que os podcasts são tão interessantes? Podemos arriscar algumas possibilidades de resposta. Para começar, eles somam o passado e o presente de uma forma bem atraente.

Como assim? Explicamos:

1) Os áudios, que são a base dos podcasts, têm sua origem no rádio, uma tecnologia avançada, mas relativamente antiga (as primeiras rádios surgiram há cerca de cem anos) e que é muito querida pelas pessoas. É difícil encontrar, enfim, quem não goste de ouvir um bom programa de rádio!

2) Soma-se a isso a popularização das tecnologias digitais, que tornaram o consumo dos áudios muito mais fácil! Agora, imagine poder escutar seu programa favorito de rádio em qualquer lugar, no momento que desejar, acessando a partir de seu smartphone. Pensou? Pois bem: essa é a lógica dos podcasts!

3) Os podcasts, porém, têm algo diferente: muitas vezes, eles são produzidos com foco em determinados temas ou assuntos de interesse, como História, novelas, Física, cinema, mistérios ou livros. Isso torna a escuta ainda mais interessante, até mesmo porque os produtores destes conteúdos são especialistas nos assuntos.

(*) – Ah, vale observar que muitos podcasts nascem das chamadas “mídias tradicionais”, como as próprias rádios, tevês ou portais de notícias; um número ainda maior, porém, é produzido por pessoas sem vínculo com o jornalismo, mas que conhecem os assuntos e querem se comunicar.

Pois bem: essa soma de fatores tornou os podcasts populares, especialmente nos últimos dez anos, quando eles “passaram a frequentar” diferentes plataformas digitais e, assim, ampliaram as possibilidades de acesso pelo público.

Aliás, pesquisas (como a realizada pela Associação Brasileira de Podcasters – ABPod) apontam o Brasil como um dos grandes mercados globais de podcasts. Produzimos e ouvimos muito! Há, evidentemente, podcasts de baixa qualidade, mas há muitos que são fantásticos e merecem ser ouvidos.

Uma boa seleção e curadoria de podcasts é um bom caminho, por exemplo, para que os professores ampliem seu rol de possibilidades de trabalho e engajamento dos estudantes. Eles trazem informação e podem ser analisados e debatidos em sala de aula ou, então, em estratégias pedagógicas como a de sala de aula invertida.

 

Criando e usando podcasts na educação!

As tecnologias digitais recentes facilitaram muito a produção audiovisual pelas pessoas. Hoje em dia, não é preciso ter uma emissora de rádio ou um estúdio de tevê para criar e lançar conteúdos. Isso, é claro, significa liberdade – mas implica grande responsabilidade também.

A ideia de produzir podcasts e videocasts pode e deve ser levada para o contexto da educação. Há, nela, diferentes possibilidades: de aprender, debater e construir junto aos estudantes. Muitas vezes, eles dominam as novas tecnologias com muito mais agilidade e estão “por dentro” das últimas novidades tecnológicas – e isso ajuda muito em um contexto de construção coletiva do conhecimento! O próprio processo de produção de um objeto de mídia como esse, que pede organização, planejamento, fontes, divisão de tarefas e prazo, é um ganho em termos educacionais.

As vantagens, enfim, são para quem produz e para quem ouve ou assiste. Então, que tal levar os podcasts para a sala de aula?

 

Podcasts como recurso de ensino

Apesar de os podcasts serem quase sempre associados à mídia de áudio, podemos classificá-los em três formatos:

Primeiro, temos o formato tradicional, o modelo que foi o primeiro a popularizar essa mídia. É o podcast de áudio.

Em seguida, temos o podcast de vídeo, que se refere aos formatos gravados a partir da combinação de ferramentas digitais de áudio e vídeo, podendo ser disponibilizados nos dois formatos de plataformas.

Por fim, temos os podcasts mistos, que articulam arquivos de áudio e vídeo para oferecer mais conteúdos. Normalmente, nesses casos, ocorre uma combinação de mídias, como fonte de áudio, arquivos de imagem, animações e sequências de vídeo.

 

Variedade de recursos resulta em diversidade de conteúdo e objetivos

Considerando a amplitude de recursos digitais envolvidos nos podcasts, esse formato de mídia oferece um “mundo de oportunidades” para o trabalho em sala de aula.

Isso é ainda mais evidente quando pensamos no contexto atual: de uma sociedade em movimento, que passa por constantes transformações, em função, principalmente, das tecnologias digitais, que estão em constante atualização.

 

Demandas que podem ser supridas a partir dos podcasts

Dentre as soluções oferecidas pelos podcasts, estão:

  • A necessidade de aplicar aulas com conteúdos que ajudem os estudantes a desenvolverem e a ampliar o uso de habilidades tecnológicas;
  • A importância de ensinar habilidades socioemocionais e a capacidade de aprender a aprender. Isso porque lidar com tantas transformações, mesmo tendo nascido em um cenário tão dinâmico, gera pressões e a necessidade de aprender a lidar com elas de forma saudável;
  • O foco em habilidades de socialização, empatia e autoconhecimento. É preciso saber se relacionar, já que os ambientes estão cada vez mais diversos. É preciso, também, saber diferenciar fato de opinião, verdade de Fake News, e caminhar com ética pelo universo digital;
  • A valorização do conceito de inteligências múltiplas devido ao surgimento de um cenário em que a resolução de problemas exige soluções cada vez mais complexas.

 

Cultivando habilidades

A criação de podcasts permite desenvolver habilidades como:

  • Competências escritas, já que é preciso elaborar o roteiro do programa, desenvolver habilidades de argumentação, capacidade de defender as próprias ideias;
  • Habilidades orais como entonação da voz, dicção e desenvoltura nas conversas e debates;
  • Competências digitais: aprendem a usar softwares de edição de vídeo, de áudio e de design, entre outros.

 

O valor do conteúdo

Até agora, falamos essencialmente sobre os conhecimentos e as demandas gerados pelas interações com as novas tecnologias digitais. Para além deles, porém, há um outro elemento central quando o assunto é educação: estamos falando dos temas que serão trabalhados. Os temas educacionais e culturais podem ser produzidos e disponibilizados em diferentes formatos de mídias.

Os caminhos, evidentemente, são muitos, e se relacionam com o nível de ensino contemplado, com o planejamento de cada professor e com os materiais didáticos utilizados. No caso dos parceiros da Editora Opet, os docentes encontram, no sistema de ensino, os recursos necessários ao trabalho. A partir dos livros, dos objetos de estudo e das ferramentas digitais, é possível ir mais longe no planejamento dos podcasts!

 

Podcasts e inclusão

Usando recursos como podcasts e videocasts, os professores também podem fortalecer a inclusão. Isso porque esses recursos podem ser modulados para atender estudantes com diferentes deficiências. Pensando no alcance da Internet, o primeiro elemento de inclusão que surge é a possibilidade de o educador criar e disponibilizar uma variedade de conhecimentos para os estudantes.

 

Personalização do conteúdo

Como a variedade de recursos digitais utilizados na execução do material é gigantesca, o professor consegue aplicar recursos visuais ou de áudio para diversos fins. Eles podem ser utilizados, por exemplo, para:

  • Tornar a apresentação mais cativante;
  • Criar estruturas visuais que facilitem o entendimento do tema;
  • Com o uso de estratégias de cores, formas e legendas, ampliar o acesso por estudantes com diferentes tipos de deficiências.

Lembrando que, do ponto de vista técnico, a execução e a distribuição dos podcasts nas plataformas, sejam públicas ou da própria instituição educacional, são relativamente simples. Uma delas, por exemplo, é a plataforma Anchor, associada ao Spotyfy e que permite a publicação gratuita de conteúdos. Outra, é claro, é o Youtube.

 

Atividades envolvidas na execução dos programas atendem a BNCC

Tanto as diretrizes da competência 4 quanto da competência 5 da BNCC são contempladas nesse ecossistema formado em torno do uso dos podcasts como recurso educacional.  Veja o que cada uma indica!

Competência 4:

Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como Libras, e escrita), corporal, visual, sonora e digital –, bem como conhecimentos das linguagens artística, matemática e científica, para se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos em diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao entendimento mútuo“.

Competência 5:

Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares) para se comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos, resolver problemas e exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva“.

Descubra as soluções da Opet INspira

A plataforma educacional Opet INspira da Editora Opet oferece um arsenal de ferramentas para estudantes e professores. São recursos que podem colaborar com a estruturação de podcasts e videocasts. Vamos conhecer alguns deles?

  • Acervo de conteúdos para desenvolver aulas, inclusive na modalidade híbrida;
  • Objetos educacionais digitais como: vídeos, áudios, apresentações, quizzes, banco de imagens e histórias infantis;
  • Ferramentas de acessibilidade como: teclas de navegação, leitor de página, tamanho do texto e do cursor, espaçamento de texto e contraste.

 

Para que o professor consiga disponibilizar seus conteúdos em diferentes formatos de mídias aos estudantes, a plataforma oferece ferramentas como:

  • Sequências didáticas;
  • Trilhas de aprendizagem;
  • Roteiros de estudos.

 

OpetCast: o canal de podcasts da Editora Opet!

A Editora Opet possui um canal de podcasts na plataforma Soundcloud. Lá, você vai encontrar dezenas de episódios com foco em educação, realizados por especialistas no assunto. Os temas abrangem vários aspectos desse universo, do trabalho editorial ao marketing escolar, da cultura digital às novas formas de educar. Confira agora CLICANDO AQUI!

 

“O mundo pós-escola”: como preparar os estudantes para os desafios que chegam após o Ensino médio?

Ensino Médio chegando ao fim e muitas portas se abrindo… são muitas as possibilidades, os desejos pessoais e as condições colocadas pelo mercado de trabalho. Para onde seguir? Continuar estudando, trabalhar, trabalhar e estudar? Seguir para que área?

Essas, evidentemente, são dúvidas muito comum entre os jovens. A escolha da carreira nunca foi uma decisão simples, muito mais agora, em tempos tão fluidos, de tantas oportunidades e necessidades de conhecimento.

A escola, é claro, desempenha um papel importante em todo esse processo: ela deve dialogar, perceber habilidades e inclinações, abrir horizontes e, principalmente, apoiar os jovens em suas escolhas. Um processo que não começa na etapa final do ensino, mas que deve acompanhar o estudante ao longo de todo o Ensino Fundamental.

Transformação Digital e o futuro do trabalho dos estudantes atuais

A chamada “Transformação Digital”, acelerada em função da pandemia, modificou completamente o mundo e, especialmente, o mercado de trabalho. Nesse cenário, surgem novas funções, cargos antigos são repaginados e outros acabam desaparecendo. Por isso, é importante trabalhar o assunto em sala de aula e mostrar aos estudantes que, além dos conhecimentos técnicos, eles precisam desenvolver habilidades socioemocionais.

Também é necessário mostrar a eles as mudanças do mercado de trabalho frente à transformação digital que vivemos, assim como a importância de se manter atualizado em um mundo que muda o tempo todo.

O futuro do trabalho: pesquisas e tendências que precisam ser consideradas

Para se ter uma ideia, estudos mostram que até 2030 diversas profissões vão deixar de existir, enquanto muitas outras vão surgir. Basicamente, os estudantes de hoje terão cargos e funções que ainda nem existem… já pensou?

Outra mudança, que percebemos especialmente com a chamada geração dos “millennials”, é a do exercício de várias profissões ao longo da vida. Um quadro que é ainda mais forte em um país como o Brasil, em que as pessoas, muitas vezes, são levadas a empreender por conta de fatores econômicos.

A chegada dos estudantes atuais ao mercado de trabalho

Independentemente do cargo que venham a ocupar, quando os estudantes chegam ao mercado de trabalho, precisam lidar não apenas com funções surgindo e desaparecendo. Eles precisam lidar, ainda, com as consequências desse mundo em constante mudança.

Tais consequências manifestam-se em alterações contínuas no ciclo de vida de processos, na necessidade de aprender a utilizar novas ferramentas rapidamente, na agilidade para se adaptar a novas tecnologias, bem como na implantação de automações.

A capacidade de “aprender a aprender”, assim como as habilidades socioemocionais, constroem o profissional do futuro. Então, independentemente da função que venham a desempenhar, os profissionais devem estar sempre prontos a adquirir novos conhecimentos.

Também é fundamental adquirir habilidades socioemocionais, tanto para lidar com um mundo ágil quanto para executar suas funções, já que os trabalhos repetitivos e burocráticos tendem a ser automatizados.

Habilidades e conhecimentos técnicos: na medida certa

O futuro do trabalho é muito mais sobre a capacidade de resolver problemas, tomar decisões, relacionar-se e ter capacidade de foco, planejamento e execução, do que dominar habilidades técnicas.

Afinal, quando o assunto é habilidade técnica e uso de ferramentas, sempre haverá novidades. Então, aqui, a ideia é ter capacidade de aprender rápido e acompanhar as mudanças. No entanto, não estamos falando que as habilidades técnicas também não serão fundamentais.

Novas metodologias de ensino a favor das novas dinâmicas de trabalho

Apesar de as ferramentas digitais mudarem com frequência, existem bases para o funcionamento dessas tecnologias que precisam ser aprendidas. Tanto que algumas das novas metodologias de ensino, como STEM, propõem justamente trazer elementos de Engenharia, Matemática e afins para as aulas.

Linguagem de programação, disciplinas de TI e uso de plataformas, recursos e ferramentas digitais, são fundamentais para preparar os estudantes ao mercado de trabalho.

Ainda mais quando falamos do Ensino Médio, momento que eles já estão com um pezinho nesse mundo de carreiras e profissões. Então, o sistema educacional precisará se adaptar para preparar os indivíduos ao mercado de trabalho em constante mudança.

E isso envolve não focar apenas em tecnologias, já que elas passam por mudanças e melhorias continuamente.

Mesmo assim, é importante busca adotar, na escola, um ambiente tecnológico e de inovação. Sem deixar de lado o ensino de conhecimentos mais tangíveis, ou seja, aqueles que não mudam, já que estão relacionados à natureza humana e, portanto, ao nosso comportamento.

 A importância de trabalhar habilidades socioemocionais com os estudantes do Ensino Médio

Isso ajudará a lidar com as mudanças, já que os estudantes, a partir de habilidades socioemocionais, estarão mais preparados para esse cenário.

E claro, estarão mais preparados para lidar com as pessoas. Afinal, quem sabe lidar com suas próprias questões, sabe lidar muito melhor com o próximo.

Isso é muito bom para todos os envolvidos, ainda mais considerando que os locais de trabalho possuem uma dinâmica cada vez mais diversa, composta por pessoas com culturas, ideias, opiniões e visões de mundo distintas.

Podemos dizer, assim, que para lidar com as pessoas no ambiente de trabalho, com as mudanças constantes no mundo e todas as demais estruturas de mercado, são necessárias muitas habilidades socioemocionais e competências diversas.

E, claro, é preciso mostrar aos estudantes a importância de, diante de tantas mudanças, obter treinamento e desenvolver novas habilidades ao longo de suas vidas profissionais.

Por isso, é fundamental que os educadores abordem esse tema em sala de aula. Seja por meio de conversas, preparação para os vestibulares ou de aplicações de atividades que trabalhem as habilidades socioemocionais mencionadas na BNCC.

Inteligência emocional e BNCC

E por falar em inteligência emocional, não é à toa que a BNCC traz uma série de práticas para a Educação Básica que ajudem os estudantes a desenvolver cinco habilidades socioemocionais. Sendo elas:

  • autoconsciência;
  • autogerenciamento;
  • tomada de decisão responsável;
  • consciência social;
  • habilidades de relacionamento.

Além disso, também é importante adotar um plano de carreira para que eles entendam aonde querem chegar e o que fazem para isso.

 O futuro do trabalho e a Editora Opet

A Opet INspira, plataforma educacional de recursos digitais desenvolvida pela Editora Opet, disponibiliza uma variedade de ferramentas e recursos para preparar os estudantes para o mundo atual.

Além das aulas das disciplinas tradicionais, que podem ser ensinadas a partir de diversas metodologias, como STEM, Sala de aula invertida ou Projetos, há vários recursos para ajudar a inserir os discentes nas tecnologias digitais usadas no mercado de trabalho.

Recursos audiovisuais, possibilitando a criação de vídeos, blogs, apresentações em diversos formatos, uso de áudios entre outros, podem ser usados para aplicar a parte teórica das disciplinas.

Tudo isso pode ser elaborado na plataforma por meio de sequências didáticas, trilhas de aprendizagem e roteiros de estudos. E, conforme informado acima, o mercado de trabalho está cada vez mais inclusivo e, na plataforma Opet INspira, não é diferente.

Nossas ferramentas também permitem a elaboração de aulas acessíveis utilizando o Menu de Acessibilidade que dá acesso a funções personalizadas, como teclas de navegação, leitor de página, tamanho do texto e do cursor, espaçamento de texto, contraste, entre outros.

Então, com a plataforma, os educadores conseguem planejar e aplicar aulas que vão ao encontro de tudo o que é necessário para preparar os estudantes do Ensino Médio para o que vem depois da Educação Básica.

METODOLOGIAS & TECNOLOGIA PROTAGONISMO!

No dia a dia, é preciso ter a habilidade de aprender e de reaprender, em especial no campo das novas tecnologias. Afinal, são muitas as mudanças que surgem em nossas telas e em nossas vidas…  o tempo todo! Isso, é claro, também vale para o contexto escolar, que, nos últimos anos, mergulhou fundo no universo digital e em métodos de ensino instigantes, desafiadores e que favorecem o protagonismo do estudante.

Nesse cenário, as aulas, muitas vezes, são híbridas, e métodos como STEAM e MAKER estão muito mais presentes, assim como o ensino baseado em projetos. Um mundo que interage com formas mais tradicionais de ensinar e aprender.

Conheça, a seguir, alguns métodos recentes de ensino neste guia rápido que preparamos especialmente:

Sala de aula invertida

Em vez de aprender em sala de aula, o estudante faz isso em casa, por meio de pesquisas temáticas indicadas pelo professor, e chega na aula já conhecendo os conceitos essenciais da disciplina. Lá, seus conhecimentos e o de seus colegas são contextualizados pelo docente, que traz os olhares, os conhecimentos, e propõem novos ângulos e perspectivas.

A ideia é que, a partir desse processo, sejam aplicadas atividades práticas para que ele aprenda fazendo. Por meio de debates e projetos, o estudante consegue utilizar a teoria aprendida em casa para fazer as atividades.

 Mas, afinal, como a sala de aula invertida pode preparar o jovem para as demandas da vida atual?

O fato de ele se deparar com a necessidade de aprender por meio de buscas e pesquisas já é um bom começo em termos de protagonismo, algo que é essencial à educação.

Pense que, na velocidade com que as coisas mudam, será cada vez mais essencial que o indivíduo tenha a capacidade de fazer boas perguntas e ir ele mesmo em busca do próprio conhecimento.

Sem contar que a pesquisa, por mais que esteja envolvida em um processo teórico, torna a aprendizagem ativa. Então, o estudante internaliza o conhecimento de forma mais eficaz. Em resumo, quando o estudante se depara com a necessidade de aprender algo novo, nos moldes da sala de aula invertida, ele trabalha os seguintes elementos:

  • Habilidades de pesquisa.
  • Capacidade de fazer boas perguntas.
  • Raciocínio lógico.
  • Discernimento (em relação à qualidade e veracidade do material encontrado).
  • Gestão de tempo.

 Práticas pedagógicas e a aplicação dos modelos educacionais

As atividades em sala de aula, aquelas baseadas no que o estudante aprendeu em casa – mas, sempre com a orientação dos professores –, podem ser aplicadas por meio de práticas como:

  • Aprendizagem baseada em problemas.
  • Aprendizagem baseada em projetos.
  • Gamificação.
  • Robótica.

Agora, descubra um pouco mais sobre como essas metodologias e práticas pedagógicas ativas!

Aprendizagem baseada em problemas ou em projetos: ao utilizar a estratégia do ensino por meio de problemas, o educador propõe um problema do mundo real, considerando, obviamente, o nível da turma e o conteúdo estudado para que os discentes possam analisar e encontrar a solução.

Aprendizagem baseada em projetos: o projeto pode ou não ser uma continuação do ensino por problemas. Aqui, o docente propõe também um problema desafiador, que estimule a imaginação e, a partir disso, os estudantes desenvolvem um projeto que solucione tal questão.

Em ambos os casos, o educador pode propor que os problemas ou projetos sejam solucionados a partir de práticas como:

  • Robótica.
  • Gamificação (uso dos conceitos dos jogos em atividades no ambiente físico, como etapas, pontuações, prêmios, avatares e desafios).
  • STEM (projetos que unam conceitos de Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática para solucionar problemas).
  • Representações tridimensionais.
  • Atividades audiovisuais, como podcasts; vídeos ou publicações em sites e blogs.

Um modelo híbrido de ensino, a distância ou de sala de aula invertida, aplicado em conjunto com metodologias como problemas e projetos, conduz o estudante naturalmente pelo caminho do desenvolvimento de habilidades como:

  • Debater ideias.
  • Fazer previsões.
  • Coletar e analisar dados.
  • Tirar conclusões.
  • Comunicar ideias e descobertas.
  • Desenvolver projetos.

É por isso que tais mudanças são tão importantes: elas preparam, capacitam e habilitam o estudante para a vida após a escola. Mas, antes de pensarmos em habilitar os discentes, precisamos falar sobre habilitar os docentes.

Veja tudo o que o docente precisa ser capaz de fazer e, que, devido ao aceleramento de muitas mudanças, vários deles têm encontrado dificuldades.

O professor cada vez mais preparado para um novo cenário educacional

O ensino remoto, inicialmente adotado como medida emergencial, no início da pandemia, mas posteriormente adotado como medida efetiva em muitas escolas, demanda que o professor tenha habilidades e conhecimentos como:

  • Aplicar tecnologias assistivas em favor do ensino e da inclusão.
  • Criar trilhas e roteiros de aprendizagem para guiar os estudos dos estudantes no ambiente online.
  • Desenvolver projetos como uso de ferramentas digitais interativas, como áudios, imagens, jogos, elementos de robótica, quizzes e outros.
  • Desenvolver aulas e criar metodologias próprias para as aulas híbridas e a distância.

Em seu trabalho, a Editora Opet oferece aos parceiros muitas dessas possibilidades de ação pedagógica, observando sua relação com os materiais didáticos, o trabalho e os saberes dos docentes e dos estudantes. E a plataforma educacional Opet INspira, da Editora Opet, oferece recursos para o trabalho dos professores no novo cenário tecnológico da educação.

São milhares de objetos educacionais, ferramentas para o desenvolvimento de aulas online, jogos, quizzes, questões, simuladores, vídeos, áudios, documentos legais sobre a educação e muito mais. Tudo conectado aos materiais didáticos e à proposta pedagógica da Editora Opet, com a curadoria de especialistas. Conheça!

Dislexia ou dificuldade de leitura? Diferenças e semelhanças entre os transtornos de leitura

Não é incomum que transtornos de leitura sejam confundidos com dislexia. Ambas as manifestações costumam ser utilizadas para os mesmos sintomas. No entanto, existem diferenças bem acentuadas que precisam ser compreendidas para solucionar o problema. Compreender as diferenças entre os diagnósticos é parte fundamental de intervenções eficazes na prática escolar.

Então, vamos entender mais a fundo as diferenças entre dislexia e outras manifestações de dificuldade de leitura?

O que é um transtorno de leitura?

Em primeiro lugar, não é preciso temer a palavra “transtorno” – em termos técnicos, ela designa uma gama muito grande de condições que afetam humor, raciocínio e comportamento. “Transtorno de leitura” é um termo “guarda-chuva” que engloba uma gama de distúrbios – inclusive, a dislexia – que afetam a capacidade de leitura de um indivíduo. Dentro desse espectro, é preciso ser específico e assertivo em relação à identificação, uma vez que ela guiará todo o tratamento e as práticas de leitura desenvolvidas na alfabetização da criança.

De acordo com a American Speech-Language-Hearing Association, além da dislexia, no espectro de distúrbios de leitura, estão inclusos também os seguintes transtornos:

  • deficiência de leitura;
  • transtorno de leitura;
  • transtorno específico de leitura;
  • déficit específico de compreensão de leitura.

Definição de distúrbio de leitura

De acordo com a Encyclopedia of Mental Disorders, um distúrbio de leitura “envolve uma deficiência significativa na precisão, velocidade ou compreensão da tecnologia leitura, na medida em que a deficiência interfere no desempenho acadêmico ou nas atividades da vida diária”.

Um indivíduo com transtorno de leitura terá algum grau de prejuízo nas suas habilidades de processamento fonológico, compreensão de leitura e/ou fluência de leitura, sendo que eles podem aparecer juntos ou separadamente. Além disso, nem sempre a origem da dificuldade específica de leitura reside em si mesma.

É comum, por exemplo, como veremos mais à frente na dislexia, que os prejuízos se manifestem não pelo estudante ter uma dificuldade específica em tal área, mas podem decorrer de outra dificuldade.

 Tipos de dificuldades de leitura

Processamento fonológico

Pessoas com prejuízos nessa parte da leitura vão apresentar dificuldades em:

  • detectar e criar palavras que rimam;
  • realizar divisões silábicas;
  • identificar os sons individuais no início ou no final das palavras;
  • isolar, substituir ou excluir esses sons individuais dentro da palavra.

As habilidades que chamamos de processamento fonológico são conhecidas como os “blocos de construção” do sucesso na leitura. São áreas afetadas na dislexia.

Compreensão de leitura: já um indivíduo com dificuldade na compreensão da leitura vai se deparar com prejuízos quanto à compreensão do conteúdo escrito.

Fluência de leitura: a dificuldade no âmbito da fluência da leitura implica problemas com a precisão e a velocidade do indivíduo enquanto lê.

 Como esses tipos de dificuldades de leitura podem se manifestar?

Dificuldade em qualquer uma dessas três habilidades pode ser classificada como um transtorno de leitura e se manifestar em conjunto ou isoladamente.

Um estudante pode, por exemplo, ser fluente na leitura, sem, porém, compreender o significado do texto, algo que seria para a fase escolar em que se encontra. Ou seja, ele lê, mas não “decifra” o significado.

 O que é dislexia?

A dislexia está dentro do que chamamos anteriormente de distúrbio de leitura. Então, toda dislexia será um distúrbio/transtorno de leitura, mas nem todo transtorno de leitura será dislexia.

De acordo com o Decoding Dyslexia Healthcare Screening, “a dislexia é uma deficiência de aprendizagem específica que é de origem neurológica. Caracteriza-se por dificuldades com o reconhecimento preciso e/ou fluente de palavras e por habilidades de ortografia e decodificação deficientes.”

A dislexia está associada, principalmente, àquele distúrbio do processamento fonológico e da fluência de leitura – precisão e velocidade.

A maioria dos indivíduos com dislexia possui grande dificuldade para identificar os sons de uma determinada letra ou segmentar um grupo de letras, bem como associar tais sons com o código escrito – no caso, a palavra.

Em função disso, o estudante que possui dislexia acaba tendo a fluência da leitura comprometida. Mas a dificuldade em decodificar e identificar sons também costuma afetar a compreensão da leitura.

E aqui é muito importante ficarmos atentos à origem das dificuldades de leitura. Perceba que as habilidades relacionadas à fluência e, principalmente, à compreensão, não são dificuldades primárias, mas questões que decorrem naturalmente da dificuldade neurológica desse indivíduo em decodificar palavras, identificar sons e/ou associar os sons às palavras de forma adequada.

É importante notar essas nuances entre os tipos de dificuldades de leitura e escrita, pois a intervenção em um estudante que tem dificuldade na fluência de leitura não é a mesma que deve ser feita naquele indivíduo que tem prejuízos nessa mesma fluência, mas que é uma questão originada na decodificação e não na fluência em si.

Então, os educadores não podem deixar de compreender a sutil diferença entre a dificuldade de ler palavras e parágrafos fluentemente, soletrar palavras e usar palavras por escrito que ocorre por conta apenas de um problema de fluência e compreensão e a dificuldade decorrente de uma questão neurológica.

Veja, se um estudante tem a fluência – precisão e velocidade – abaixo da média esperada, mas tem boa compreensão do conteúdo escrito, é possível que seu caso esteja associado à dislexia, se esse indivíduo apresentar ainda muitos prejuízos em:

  • rimar;
  • pronunciar palavras com várias sílabas;
  • conectar sons a letras;
  • reconhecer palavras que começam com o mesmo som;
  • bater palmas no ritmo de uma batida;
  • aprender a escrever;
  • identificar sons diferentes em palavras;
  • ter dificuldade em aprender os sons das letras;
  • inserir letras extras, excluir letras ou usar a ordem das letras ao soletrar.

Perceba: as dificuldades de leitura na dislexia sempre estão associadas a uma série de questões neurológicas de decodificar palavras e identificar sons.

Em resumo, quando usamos o termo dificuldades de leitura, transtorno de leitura ou distúrbios de leitura, estamos usando um termo genérico para uma educação com deficiência de aprendizagem específica que pode afetar:

  • áreas de processamento fonológico;
  • compreensão de leitura;
  • fluência de leitura.

A dislexia é um termo especializado para um tipo específico de deficiência de quem tem uma leitura caracterizada por dificuldades com processamento fonológico e fluência de leitura e dessas podem surgir outras dificuldades. Mas a origem do transtorno deve ser identificada com precisão para que as práticas pedagógicas sejam escolhidas com precisão.

A importância de um diagnóstico correto

As práticas pedagógicas devem ser aplicadas adequadamente em qualquer caso de dificuldade de leitura. Ocorre que, no caso da dislexia, essas intervenções precisam ser mais profundas.

Devido à sua origem neurológica, existem diversos softwares de leitura, práticas de alfabetização e, até mesmo, métodos de ensino e avaliação focados nesse modo de funcionamento cerebral.

 Dislexia pede intervenções mais estruturais no processo de alfabetização 

Sim, o estudante com dislexia possui uma estrutura cerebral que “funciona” diferentemente da estrutura cerebral dos estudantes que não sofrem com o transtorno. Inclusive, vale aqui explorar outras habilidades desses indivíduos. É sabido, por exemplo, que crianças com dislexia possuem excelentes habilidades de comunicação.

Tanto que muitos professores acabam substituindo a avaliação tradicional escrita pela avaliação oral.

Viu como identificar a origem da dificuldade de leitura é importante?

Se a dislexia não fosse diagnosticada nesse exemplo mencionado, o estudante poderia facilmente ser reprovado em razão de o professor pensar que o aprendizado não foi bem-sucedido. O que não é verdade nesse caso. O indivíduo aprendeu, sim, mas tem dificuldade em colocar em palavras.

Recursos tecnológicos em que o estudante lê enquanto ouve também são boas soluções nesse caso. O que talvez não seria necessário quando estamos falando especificamente de uma dificuldade de compreensão de leitura.

 Intervenções em outros distúrbios de leitura podem ter cunho unicamente pedagógico

No caso de outros transtornos de leitura, o educador pode optar por conversar com a criança sobre o livro antes de ela iniciar a leitura de fato. Adotar livros com imagens – a fim de melhorar a contextualização – e debater os temas abordados na história logo após a conclusão da leitura já podem ser suficientes aqui.

Por fim, vale ressaltar que também é crucial que sejam analisadas as práticas de alfabetização executadas. Alterar elementos envolvidos nos métodos de ensino, utilizar recursos tecnológicos e metodologias ativas também podem contribuir muito em todos os casos de distúrbios de leitura, sejam eles dislexia ou outro transtorno.

É essencial ao educador e à família respeitar o ritmo de cada indivíduo: isso é a base para qualquer prática pedagógica e metodologia de ensino.

Por fim, é importante ter em mente que algumas crianças só precisam de mais tempo e prática do que outras para desenvolver plenamente suas habilidades de leitura. Entender o ritmo dos estudantes, quando a dificuldade de leitura não está associada à dislexia, também é necessário para ajudá-los.

Então, quando você, educador, identificar que o distúrbio de leitura não tem origem neurológica, considere também que nem todas as crianças se desenvolvem no mesmo ritmo.

A importância das histórias na Educação Infantil

“Era uma vez…” é um início de frase conhecido por todos nós. Ele marca a abertura de histórias infantis, muitas delas extremamente antigas. Em diferentes culturas, em todo o mundo, aliás, há frases semelhantes e histórias semelhantes. Que servem para divertir, entreter e, principalmente, para ensinar e fazer refletir. Essas histórias, aliás, normalmente são moldadas para crianças, mas trazem lições que valem para toda a vida. Elas são, enfim, um incrível recurso que as civilizações criaram para a educação. E devem, é claro, estar presentes nas escolas.

Uma história para a vida
De modo geral, contos e histórias infantis introduzem o sentido da existência, os objetivos pré-estabelecidos pelos humanos, ensinam valores e indicam comportamentos. Muitos focam em questões como a da justiça e da injustiça, da maldade e da bondade, da importância do esforço, da paciência e se buscar sempre a sabedoria. Pense, por exemplo, na fábula do “Coelho e a Tartaruga”, atribuída ao escritor e contador de histórias Esopo, que viveu há 2.500 anos na Grécia. Uma história tão antiga e, ao mesmo tempo, tão cheia de significados em relação às virtudes e valores da perseverança, humildade e do esforço!
Podemos considerar, enfim, essas histórias um meio especialmente eficiente de inserir e retratar o mundo real por meio de fenômenos fantásticos que, por estarem mais próximos do universo infantil, induzem a criança a refletir e se desenvolver a partir disso.
Elas, porém, devem ser trabalhadas com sensibilidade pelos professores. Na medida em que “conversam” com o tempo presente – tão cheio de questões importantes –, merecem um olhar especial de quem trabalha com algo tão precioso como é a educação infantil.

Benefícios dos contos de fadas
Quanto aos benefícios dos contos, o próprio Albert Einstein disse uma vez: “Se você quer que seus filhos sejam inteligentes, leia contos de fadas para eles. Se você quer que eles sejam mais inteligentes, leia mais contos de fadas”. Então, seguindo o conselho de um dos maiores gênios da humanidade – podemos imaginar quantas histórias ele ouviu quando criança! -, selecionamos alguns benefícios que os contos de fadas e outros contos trazem para as crianças.

Alfabetização Cultural, Expansão cognitiva e Inteligência Emocional: Conheça os benefícios dos contos para o desenvolvimento das crianças
Além da criatividade e da imaginação, temos ainda outros benefícios voltados para o desenvolvimento cognitivo e a aquisição de bagagem cultural. Veja!

Desenvolvimento da alfabetização inicial
Um dos papéis mais importantes da contação de histórias para o desenvolvimento das crianças é sua contribuição para a alfabetização na Educação Infantil.
● Prepara para a alfabetização: mesmo antes da fase de alfabetização, as histórias atuam como um bloco de construção essencial para a alfabetização. Como observa Jean Piaget, um dos mais importantes pensadores da educação no século passado, o aprendizado ocorre em estruturas. Nesse contexto, os contos servem como base para a alfabetização.
● Ajuda a expressar ideias: além disso, é sempre bom conversar com as crianças sobre o que foi lido e sobre como a história se relaciona com o mundo real. Essa é uma etapa que colabora com a capacidade da criança em expressar ideias. Muitos contos possuem diferentes níveis de aprofundamento e reflexão – é importante, então, respeitar a etapa do desenvolvimento da criança.
● Amplia o vocabulário: ainda falando sobre alfabetização, os contos infantis são excelentes para ampliar o vocabulário antes e durante a fase de alfabetização. Afinal, nessa idade, as crianças ainda não tiveram tanto contato com diferentes grupos sociais.

Então, educadores e responsáveis podem usar a contação de histórias para diversos fins na alfabetização.

Cultura, diversidade, história e contos infantis
Ler contos não é apenas uma base para o desenvolvimento da alfabetização, mas também ajuda a trabalhar vários elementos e comportamentos transculturais.
Cultura: os contos de fadas, por exemplo, são ambientados em diferentes épocas e lugares do mundo. Dessa forma, a criança é exposta naturalmente à diversidade de culturas, pessoas e ideias.
● Cultura brasileira: não podemos esquecer que, no Brasil, temos lendas do nosso próprio folclore, influenciado pelas narrativas indígenas, africanas e europeias – um verdadeiro tesouro!
Com os contos, enfim, é possível trazer elementos culturais, inclusive da nossa própria cultura, e demonstrar várias manifestações e aspectos da diversidade presente no nosso país. Nós temos um tesouro, que deve ser mostrado às crianças!

Influência dramática trazida pelos contos
Outro benefício dos contos infantis, especialmente os contos de fadas, é a oportunidade que o professor tem de trazer para esses momentos a dramatização.
Assim como as histórias, as peças de teatro, fantoches e marionetes são ferramentas lúdicas que precisam fazer parte do universo infantil. E os contos permitem a introdução desses elementos de forma mais natural e intuitiva.

Habilidades positivas de resolução de problemas e resiliência com contos de fadas
Todos os contos possuem uma narrativa em que o herói se depara com inúmeras diversidades até alcançar a liberdade, a justiça ou qualquer outro benefício que esteja buscando. Isso mostra às crianças que é necessário se adaptar às situações, encontrando nelas as ferramentas que precisam para o “próximo passo”.
Esse cenário descrito acima acaba sendo um conector entre a história fantástica e a realidade. Com isso, grandes ensinamentos são tirados da história.
Dentre os principais ensinamentos que os estudantes podem tirar da história estão:
● Como ter uma visão positiva em meio a situações adversas e de ansiedades;
● Como lidar com os problemas da vida;
● Aquisição do pensamento crítico e raciocínio lógico.

Processamento Emocional
Uma das vantagens dos contos de fadas são as representações de sentimentos bons e ruins por meio dos personagens que representam e exteriorizam a partir de símbolos e arquétipos.
Dessa forma, a criança compreende e entende os sentimentos profundos de forma mais lúdica, o que facilita o processamento da informação e a compreensão de como lidar com emoções difíceis.
Com os contos de fada, as crianças podem projetar livremente seus próprios sentimentos ruins nos personagens malignos, ao passo que também se relacionam com os bondosos personagens principais – que, muitas vezes, também são crianças corajosas que triunfam sobre o mal.

Lições que as crianças podem aprender com os contos de fadas
Entre terras distantes e lugares mágicos repletos de bravos heróis e heroínas, bruxas malvadas, dragões, criaturas míticas, amigos e tapetes voadores, os educadores também podem tirar lições importantes e passá-las para as crianças. Confira!
● Aprenda a ser gentil com Cinderela, que não deixou de ser bondosa por causa da família adotiva má.
● Tente algo novo, como a Pequena Sereia, que se aventurou fora de sua zona de conforto.
● Seja paciente e planeje com antecedência para não ter problemas como os irmãos preguiçosos.
● Nunca tenha medo de pedir ajuda: todos os personagens tiveram grandes amigos para apoiá-los, como Cinderela, que teve apoio da madrinha e dos amigos animais (Pocahontas, de Meeko; Ariel, do Linguado; Ana, do Olaf; Pinóquio, do Grilo Falante; e Peter Pan, da Sininho.
● Tudo o que fazemos tem uma consequência, e os Três Porquinhos e o Pinóquio são ótimas referências para ensinar tal lição.
● Diferente, sim. E daí? Muitos personagens das histórias são “diferentões”, ou seja, fogem às convenções com que estamos acostumados. Isso não significa, porém, que eles sejam maus ou que representem uma ameaça – muito pelo contrário! Esse perceber e valorizar o “diferente” também faz das histórias infantis um bom caminho para trabalhar a diversidade, a empatia, o respeito, a interculturalidade e a inclusão.

Dicas da Editora Opet: contos que não podem faltar na vida das crianças
A seguir, listamos alguns contos de fadas, fábulas, mitos e lendas do folclore brasileiro que não podem deixar de fazer parte da formação dos estudantes. Confira!

Fábulas de Esopo
● A tartaruga e a lebre
● A gansa do ovo de ouro
● O lobo e o Cordeiro
● A Cigarra e a Formiga
● O Galo e a Raposa
Contos de fadas de Hans Christian Andersen
● O Patinho Feio
● A Pequena Sereia
● A Roupa Nova do Imperador
● A Rainha da Neve
● Polegarzinha
● A Princesa e a Ervilha

Contos de Fadas dos Irmão Grimm
● Branca de Neve
● Chapeuzinho Vermelho
● Cinderela
● Bela Adormecida
● Rapunzel

Outros mitos, folclores e contos que as crianças precisam conhecer!
Existem muitas coleções de literatura infantil. Além dos contos e das fábulas, temos, no nosso país, muitos mitos e lendas que fazem parte do folclore brasileiro.
Conheça alguns que não podem faltar na contação de histórias:
● Saci Pererê
● Curupira – guardião das florestas
● Sereia Iara – a guardiã das águas
● Lobisomem
● Mula sem Cabeça
● Cuca
● Boto-cor-de-rosa.
Temos ainda vários contos populares, os gibis de Maurício de Souza, retratando vários dos personagens do nosso folclore, e os livros de Monteiro Lobato, que inserem as crianças no mundo mágico do Sítio do Pica-pau Amarelo.

Materiais da Editora Opet para o desenvolvimento infantil por meio dos contos
Além dessas dicas, temos ainda vários vídeos sobre Arte Educação que podem complementar o trabalho com os contos infantis. No nosso canal de Youtube, criamos uma playlist com 24 vídeos sobre o tema que vão ajudar os educadores nesse processo.
Temos também, em nossa plataforma Opet INspira, diversos livros e áudios de histórias infantis, bem como uma série de materiais da Editora Opet para crianças da Educação Infantil e Fundamental I e II.
Tudo para garantir que as crianças não percam nada do que os contos de fadas, fábulas e lendas têm a oferecer para o seu desenvolvimento! 

“Ô, abre alas, que eu quero passar!”: o carnaval chega à sala de aula!

Pandeiro, cuíca, ritmo, fantasia, alegria… o carnaval é uma das festas mais ricas e complexas da cultura brasileira. E não apenas pelas cores, pela dispersão geográfica, irreverência ou criatividade: na verdade, o carnaval tem uma história muito antiga, mais antiga que a própria fundação do Brasil. Além disso, ele reúne e harmoniza elementos dos três grupos humanos formadores da nossa sociedade: indígenas, africanos e europeus.
Em outras palavras: uma festa tão importante é, também, um “prato cheio” para a educação! Assumindo o espírito carnavalesco, é possível compartilhar muitos conhecimentos com os alunos. Da Educação Infantil ao Ensino Médio, todos vão se divertir… e aprender!

“Confete, pedacinho colorido de saudade…”: memórias de carnaval

Um bom início de trabalho sobre o carnaval pode envolver as memórias das pessoas. Assim, pergunte aos alunos sobre como eles e suas famílias vivenciam a festa. E não há problema se, por acaso, alguns eles não tiverem essas memórias por questões relacionadas à religião, por exemplo, ou apenas por não gostar da festa. Essa é uma boa oportunidade, inclusive, de trabalhar a diversidade, assim como o respeito e o acolhimento às diferentes opiniões.
Em relação às memórias carnavalescas, elas podem se estender à família, aos pais ou avós, por exemplo. Vale lembrar ainda que, em várias regiões do país, as festas carnavalescas estão fortemente relacionadas à cultura local – caso, por exemplo, dos maracatus e do frevo em Pernambuco -, o que dá ainda mais cor às discussões.

Como tudo começou

As origens do carnaval ser situam em um passado muito remoto. A festa, incorporada pela cristandade europeia há muitos séculos, na Idade Média, tem elementos ainda mais antigos. Há quem afirme, por exemplo, que uma festa semelhante, caracterizada pela inversão de valores (com o rei se vestindo de servo e o servo de rei, por exemplo), teria surgido na Babilônia há milhares de anos.

Dito isso, podemos passar ao “resgate histórico” do carnaval:

1. Apresente uma linha do tempo sobre a História do carnaval. Mostre aos discentes como a festa chegou ao Brasil em meados do século XVII, sob influência das festas da Europa. Aqui, dependendo do nível de ensino, você pode até detalhar as origens psicossociais da festa, mostrando, por exemplo, as ideias de inversão e catarse (a este respeito, vale a pena conhecer a teoria da carnavalização de Mikhail Bakhtin).
2. Mostre imagens e vídeos de personagens famosos do nosso carnaval, como o rei momo, pierrô e colombina, que têm origem europeia. As influências, aqui, são muitas, do teatro italiano à corte francesa de Luís XIV, passando pelos bailes de máscaras de Veneza… é muita coisa interessante!
3. Também é importante contar que, no século XVII, foram criados os primeiros blocos de carnaval, mas que eles só se popularizaram no século XX.
4. Mostre ainda a origem das fantasias, que, assim como a decoração dos carros, ocorria de forma espontânea. Essa “improvisação” deu origem aos famosos carros alegóricos que temos atualmente.
5. Leve áudios de marchinhas para apresentar o gênero e mostrar que esse estilo musical contribuiu grandemente para a aceitação popular. Leve materiais para apresentar a primeira escola de samba, criada em 1928 no Rio de Janeiro – era a “Deixa Falar”, que, mais tarde, virou “Estácio de Sá”.
6. E, por fim, não deixe de mencionar como se deu o surgimento e as primeiras competições das escolas de samba em São Paulo e no Rio de Janeiro. E que, em outras regiões do país, se mantiveram os tradicionais carnavais de rua, com blocos e agremiações.

Os carnavais pelo Brasil

É possível que muitos alunos observem que, em sua região, em sua cidade, não existe carnaval. Isso não invalida a ideia de apresentar a festa em toda a sua grandeza, até mesmo porque em nosso país – e no mundo – há muitos carnavais. Dos bailes de salão aos trios elétricos, dos concursos de fantasias aos maracatus, são muitas as possibilidades! Vamos examinar por região do Brasil:
● Carnaval na região Sul: No Sul, principalmente em Florianópolis e em outras cidades litorâneas, há uma grande mistura de elementos, como desfiles de escolas de samba, clubes, blocos de rua e festas com DJs.
● Carnaval na região Sudeste: Desfiles das escolas de samba nos sambódromos Anhembi e Marquês de Sapucaí que são transmitidas na TV. Também há blocos de rua e festas particulares em clubes. Tudo com muita música, samba e marchinhas de carnaval.
● Carnaval na região Centro-Oeste: É em Goiás que ocorre uma das principais festas do Centro-Oeste. Há marchinhas, shows de várias bandas e desfiles de escolas de samba.
● Carnaval na região Nordeste: Temos variadas formas de comemorar o carnaval no Nordeste. Na Bahia tem os trio-elétricos e mais de 150 blocos organizados. O famoso carnaval de rua atrai cerca de 2 milhões de pessoas.
Muito além dos bonecos, o carnaval de Olinda, assim como o de Recife, se destaca pelas manifestações de dança e música. Em ambos, temos o Frevo e o Maracatu (uma mistura das culturas africana, portuguesa e indígena). Além é claro, dos blocos de rua.
● Carnaval na região Norte: Outro ponto interessante de levar para a sala de aula é o fato das festas no Norte estarem ligadas ao folclore. Em Manaus na mesma época acontece a Festa do Boi (Boi-Bumbá) e o aniversário da cidade.
São três dias de festa onde o público dança coreografias únicas ao som das tradicionais músicas de influência indígena e veste os tururis (abadás).

Como apresentar o carnaval e seus elementos?

Depois de apresentar a História do carnaval e suas diferentes manifestações no Brasil, é hora de aplicar atividades que coloquem os estudantes em um contato maior com o assunto.
Como essa festa tão marcante da cultura brasileira é formada por blocos, desfiles de escolas de samba, fantasias, músicas, marchinhas, danças, fantasias, personagens como a colombina e muito mais, é fácil perceber que este grupo de elementos não se encaixam em uma única disciplina, certo?
Inclusive, já mencionamos anteriormente que é possível trabalhar aspectos históricos, artísticos e da linguagem utilizando o carnaval como pano de fundo.
Mas, mais importante do que trabalhar em cada uma dessas disciplinas, deve-se trabalhar de forma interdisciplinar. Desse modo, ele não será estudado a partir de uma único componente curricular, mas de vários e em diálogo.
Então, ao explicar o tema e aplicar as atividades, tenha em mente trabalhar o carnaval de maneira a explorar diferentes temas, sempre em contexto.
Pensando nisso, algumas das formas de ensinar e aplicar atividades são:

Ideias para apresentar o tema carnaval

● Apresentação de imagens e vídeos.
● Sugestões de artigos, livros, sites, vídeos e músicas.
● Pergunte aos estudantes o que eles sabem sobre a festa a partir de um bate-papo.
● Leve áudios e letras de músicas, samba-enredo e marchinhas de carnaval para que além de ouvir e conhecer, os estudantes também possam analisar a letra e seus significados. Aqui é possível trabalhar linguagem, musicalidade e História.

Atividades para trabalhar o carnaval em sala de aula

● Solicitar a montagem de uma linha do tempo da História do carnaval e sua evolução.
● Propor a apresentação e grupos sobre o carnaval em cada região a partir de fotos e vídeos da festa.
● Propor atividades que envolvam dança, assim, além de aplicar danças e coreografias típicas do carnaval, também é possível trabalhar a coordenação motora e a linguagem corporal.
● Aplicar atividades que envolvam a construção de máscaras e fantasias, de modo a trabalhar também a coordenação motora e a criatividade. Uma boa ideia é criar e imprimir máscaras de carnaval para serem coloridas pelos discentes. Utilize também recortes, tecidos, glitter, purpurina, lantejoulas e afins.
● Peça às crianças que criem murais e painéis decorativos sobre o carnaval.
● Tire um dia para montar uma oficina de desenho e pintura.
● Crie exposições que mostram os trabalhos criados.
● Abordar a musicalidade por meio de sambas, batuques e demais aspectos musicais do carnaval.
● Estimular estudos da Língua Portuguesa por meio de sambas-enredos famosos do carnaval carioca; apresentação do gênero marchinhas – por exemplo, “Ó abre alas”; Maracatu e Afoxé (manifestação cultural da Bahia que une música e religião).
● Proponha desfiles em algum espaço escolar mais amplo.
● Promova uma comemoração e peça aos estudantes que decorem a escola.

Seja por meio de histórias, vídeos, músicas, apresentações, desfiles improvisados, oficinas de pintura, o mais importante é que os estudantes conheçam a riqueza cultural brasileira.
Ao trazer ritmos e grupos específicos de cada região, por exemplo, é possível trabalhar aspectos como diversidade e religião. Ainda sobre o carnaval brasileiro de norte a sul, é fundamental trazer a festa do Norte como pauta. A festa do Boi e a maneira como ela ocorre, juntamente com o carnaval, é uma das expressões mais ricas que temos no Brasil. Ainda mais por ter tanta influência indígena.
Ritmos, marchinhas e instrumentos, além de remeter à disciplina de Arte e História, são excelentes para trabalhar aspectos linguísticos e, mais uma vez, regionais. E as oficinas, além de tornar a aula mais dinâmica, também estimula criatividade, socialização e coordenação motora, assim como as danças e coreografias.
Então, como você vai apresentar a História, os símbolos, os ritmos, os personagens e a diversidade cultura contida nisso nas suas aulas? Opções não faltam, mas o mais importante, trabalhe de forma interdisciplinar!

Bullying na escola: sinais, consequências e intervenção

“Bullying” é uma palavra que assusta só de a gente ouvir. E assusta porque está ligada a sofrimento e preocupação. Sofrimento de quem é alvo, sofrimento de quem provoca, preocupação dos familiares e dos professores em resolver o problema e proteger as pessoas afetadas.
A solução passa, é claro, pelos cuidados em relação à situação concreta, ao caso de bullying que já está acontecendo. E passa, também, pela implementação de estratégias preventivas. Que fortaleçam a empatia, a diversidade, o acolhimento e a convivência pacífica. Um movimento que deve nascer na família e na escola, tendo como meta a sociedade e a vida de cada um!

Um problema grave e desafiador

Muitas vezes, casos de bullying terminam com a mudança escolar do estudante que sofre as agressões, ou seja, com uma ruptura em relação ao ambiente em que ocorre a opressão. Isso, claro, após várias medidas ineficazes, como a suspensão do agressor. Funciona? Para a situação imediata, sim. Mas, infelizmente, não resolve o problema.
Esse cenário nos traz uma conclusão pouco animadora: muitas escolas ainda não estão preparadas para lidar com situações de bullying no ambiente educacional, que acaba se firmando como algo “corriqueiro” ou mesmo como parte de uma “cultura” – um erro muito sério.
Além dos perigos imediatos do bullying na escola, temos muitas consequências que permanecem. Traumas sofridos por estudantes vítimas de bullying costumam culminar em baixo rendimento escolar, baixa autoestima, sofrimento psicológico e até em morte. Por isso, é fundamental, que responsáveis e educadores fiquem atentos aos sinais que as crianças e os adolescentes dão, pois os efeitos psicológicos do bullying na escola são muito fortes.

Conhecendo o problema

É fundamental conhecer o oponente ou o desafio que se vai enfrentar para, assim, superá-lo. Isso, é claro, ocorre com o bullying. O termo tem origem na língua inglesa e deriva da palavra “bully”, que significa “valentão”. É usado para identificar a prática de atos violentos de ordem física ou emocional, intencionais e repetidos, contra uma pessoa.
As práticas que caracterizam o bullying podem partir de uma criança ou adolescente, mas, normalmente, partem de duplas ou até de grupos. Ou seja, além dos atos, o fato de ser praticado por mais de um indivíduo faz com que a vítima se sinta ainda mais fragilizada diante das intimidações, humilhações e maus-tratos.
Ele se manifesta em ambientes presenciais, como a escola, e também no cenário digital – em ambos os casos, de modo insidioso e cruel.
Via de regra, as vítimas de bullying possuem um perfil específico. Quem mais sofre bullying são aqueles estudantes considerados “frágeis”. Essa ideia de fragilidade se sustenta na possibilidade de comparação e de diferenciação. Há vários marcadores – os mais comuns são:
● Renda;
● Orientação sexual;
● Religião;
● Origem geográfica ou étnica;
● Aparência;
● Timidez e baixa autoestima;
● Transtornos como os do espectro TDAH;
● Destaques positivos, como em relação a notas ou comportamento.

Tipos de bullying quanto à materialidade

Quando falamos em “materialidade”, estamos nos referindo à forma como o bullying acontece, como ele se manifesta. Alguns tipos de bullying, como veremos, deixam sinais físicos na própria vítima; outros, não – o dano, porém, é semelhante:
1. Físico: aproximadamente 3% dos jovens sofrem bullying físico, tipo que envolve atos violentos direcionados ao corpo, como chutes, rasteiras e outras agressões.
2. Verbal: o mais comum, no entanto, é o bullying verbal, que, como informa a Revista Saúde, é relatado por 13% dos estudantes.
3. Escrito: as ofensas e ameaças, nesse caso, acontecem por meio de mensagens escritas e desenhos em papéis ou riscados em paredes, carteiras etc., normalmente anônimos.
4. De dano material: cerca de 5% dos estudantes informaram sofrer um tipo de bullying que se manifesta por danos, subtração ou destruição de seus materiais, brinquedos, roupas ou outros objetos de uso.
5. Cyberbullying: na era digital, o bullying migrou para as redes sociais e para as caixas de e-mail. Como os jovens estão muito imersos nesse universo – e como ele alcança um número extraordinário de pessoas –, seu potencial lesivo é especialmente alto.

Tipos de bullying quanto à interação psicológica

Os tipos de bullying também variam segundo a forma como a vítima é atacada:
1. Moral: difamar alguém – xingando, ofendendo, rebaixando moralmente, atribuindo falsamente erros ou desvios ou destacando maldosamente características físicas e de comportamento – constitui o que chamamos de bullying moral;
2. Social: o bullying social é aquele em que as pessoas agredidas são ostensivamente excluídas, ignoradas ou “sabotadas” por seus pares.
3. Psicológico: temos, também o bullying psicológico, que, como informa o Instituto Paranaense de Terapia Cognitiva, é aquele que “não envolve confronto físico, uma vez que a vítima constantemente sofre intimidações ou chantagens, além de ser frequentemente alvo de calúnias e boatos, bem como de perseguições no que diz respeito à orientação sexual, religião ou peso. É um grande fomentador do desenvolvimento de transtornos psicológicos, pois toca em pontos muito específicos, criando gatilhos”.

Impactos do bullying no longo prazo

O bullying muitas vezes tem consequências sérias sobre a vida de quem é vítima. E isso ocorre porque a infância é uma fase em que a criança está em pleno desenvolvimento cognitivo. Os acontecimentos desse período são a base das estruturas psíquicas que se seguirão para a adolescência e a vida adulta.
Logo, ao sofrer bullying, essa estrutura, que ainda está em formação, é afetada. E, não sendo ela formada da maneira adequada, pode, no futuro, gerar sentimentos como:
● Baixa capacidade de enfrentar situações desafiadoras;
● Resposta passiva a qualquer ataque;
● Dificuldade em confiar nas pessoas;
● Alimentação de uma visão negativa de si mesmo;
● Percepção de que a agressividade responsiva – geradora de bullying – é um caminho aceitável de interação.

Identificando sinais de bullying

Crianças que sofrem bullying podem apresentar várias mudanças de comportamento, bem como a recusa em ir para a escola. Além disso, os sinais mais comuns em crianças que sofrem bullying são:
● Dor de estômago;
● Dor de cabeça;
● Falta de apetite;
● Gagueira;
● Hiperatividade;
● Náuseas;
● Tensão muscular.

Sinais psicológicos de que um estudante pode estar sofrendo bullying na escola:
● Baixa concentração;
● Desinteresse repentino;
● Redução de desempenho em diversas atividades;
● Agressividade;
● Desobediência;
● Dificuldades nas relações interpessoais;
● Hipersensibilidade;
● Impaciência;
● Insegurança;
● Introversão súbita;
● Medo ou choro excessivo;
● Pesadelos e terror noturno;
● Baixa autoestima;
● Tristeza que pode evoluir para depressão;
● Níveis elevados de ansiedade, o que é compreensível, já que a escola passa a ser um meio hostil;
● Sintomas psicossomáticos, queixas físicas sem causa orgânica, mas associadas à ansiedade e ao estresse.

Como combater o bullying de forma efetiva?

A promoção das competências socioemocionais, como auto­estima, empatia e tolerância à frustração, é um importante aliado, já que podem ajudar tanto no combate quanto na prevenção do bullying escolar.
Nesse contexto, escola e família devem trabalhar juntas. Entenda!
Segundo a Car­ti­lha Bullying, do Conselho Nacional de Justiça, a escola é corresponsável nos casos de violência. Por isso, cabe a ela acionar os familiares, bem como o Conselho Tutelar e os órgãos de defesa da criança e do adolescente, se for o caso.
Os educadores precisam estar preparados para ir além dessas medidas. Isso passa por implementar planos de contingência com participação de todos: funcionários, alunos e comunidade escolar. O que envolve:

● Capacitar funcionários e orientar pais;
● Explicar aos alunos;
● Estar presente no recreio;
● Discutir soluções e ouvir a vítima;
● Acionar autoridades.

O papel da família

Primeiro de tudo, para a criança contar à família o que acontece com ela, é preciso que ela se sinta segura para fazer isso. Então, criar um ambiente de acolhimento no lar é fundamental para que os responsáveis tenham uma relação transparente com os pequenos.
Dito isso, alguns cuidados devem ser tomados quando a criança contar o ocorrido:
● Não incentivar a mesma reação; a ideia é quebrar o ciclo de violência e evitar novas atitudes agressivas.
● Mostrar equilíbrio em ouvir e falar sobre o assunto.
● Tomar cuidado para não minimizar ou supervalorizar os fatos.
● Não pressionar a criança ou fazer perguntas muito diretas. Deixe-a falar livremente e, posteriormente, leve as informações para os educadores – assim, eles poderão tomar as medidas cabíveis.
● Evitar colocar a criança na posição de coitada/frágil demais, isso pode prejudicar sua autoestima no espaço escolar. Em vez disso, mostre a ela como criar mecanismos para superar a situação e evitar novos casos como esses.
● Mostrar à criança que o bullying é algo errado e preocupante, mas que tem solução.

Materiais de apoio para ensinar sobre o bullying na escola: uma parceria com a Opet INspira

O bullying na escola causa sérios prejuízos a quem sofre a violência. Indica, ainda, questões que precisam ser resolvidas em algum aspecto da vida do agressor. E isso porque quem agride também está mergulhado em uma situação séria de desequilíbrio e sofrimento – praticar bullying não é normal, muito pelo contrário!
Deve-se investigar, então: quais são os motivadores de quem pratica o bullying? O que esse jovem quer demonstrar? O que ele deve aprender em relação à convivência e ao acolhimento? Como acolhê-lo, enfim, para que ele “baixe as armas” em relação a pessoas que ele considera mais fracas e merecedoras de seus ataques?
O fato é que o bullying deve combatido previamente, a partir da construção de uma cultura de paz e convivência. Por meio da inserção de atividades que visem a conscientização e a empatia entre os estudantes, bem como a observação contínua dos professores. E, por fim, é importante ter em mente a melhor maneira de combater o bullying é prevenir que ele aconteça.
As atividades e demais práticas propostas aqui podem ser implantadas em um cenário em que se deseja combater e eliminar uma situação de bullying já existente. Mas, aplicá-las antes de surgir um caso desse na escola é a melhor garantia de um ambiente seguro aos estudantes.
A Editora Opet, responsável pela Opet INspira, plataforma de objetos educacionais, possui uma série de livros no catálogo Sefe que fornecem uma grande contribuição aos educadores nessa missão de construir uma escola segura, empática e livre de violência.
Para usar nossos materiais, é preciso que a escola tenha um login de acesso. Dessa forma, além dos materiais, é possível encontrar ainda diversos materiais e ferramentas digitais para o desenvolvimento de várias das atividades lúdicas indicadas aqui.
Temos uma série de ferramentas inclusivas, graças ao nosso menu com funcionalidades de acessibilidade e que facilitam o desenvolvimento de projetos e outros tipos de trabalho em grupo. Isso é algo muito importante para criar uma cultura escolar pautada no respeito e na diversidade de pessoas e pensamentos, bem como no desenvolvimento de habilidades sociais.
Juntos, vamos combater o bullying na escola!

Educar para Competências e habilidades

“Competência”: eis aí uma palavra poderosa. Quando percebemos que alguém é competente ou quando sentimos que somos competentes para fazer alguma coisa, ficamos satisfeitos. E, quando percebemos a incompetência – a nossa ou a dos outros –, ficamos irritados ou assustados. E isso porque, em muitas situações, ter competência é vital.

Mas, se alguém pedisse para você definir “competência”, você saberia fazer isso?

 Fácil: em termos gerais, competência é a capacidade de fazer alguma coisa ou desempenhar plenamente uma função. É algo que se aprende, que é desenvolvido por meio de estudo e, principalmente, pela prática. E que, muitas vezes, precisa ser alimentado e atualizado.

A escola é um dos melhores ambientes para o desenvolvimento de competências. É lá que os estudantes vão conhecer, aprender, exercitar, errar e acertar, com apoio dos professores. É lá que eles terão suas competências avaliadas em um ambiente seguro e especialmente estabelecido para isto. E é lá, também, que elas serão associadas às habilidades.

A BNCC e as Competências

Publicada em 1997, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) colocou as competências “no mapa”, fazendo com que elas assumissem sua merecida importância no contexto da educação. Esse documento, que possui um caráter normativo e estruturante, passou a focar uma aprendizagem menos “conteudista” e mais focada na formação das crianças e adolescentes para os contextos da vida em sociedade.

Então, confira as possibilidades de um ensino por competências aliado ainda ao desenvolvimento de habilidades. Antes de adentrar na aplicação desse modelo de ensino, porém, é preciso avançar nos conceitos de competências e habilidades. Então, vamos lá!

 O que são competências?

Ao procurarmos o termo competência no Dicionário Aurélio, vamos nos deparar com três definições:

  • Faculdade concedida por lei a um funcionário, juiz ou tribunal para apreciar e julgar certos pleitos ou questões.
  • Qualidade de quem é capaz de apreciar e resolver certo assunto, fazer determinada coisa; capacidade, habilidade, aptidão, idoneidade.
  • Oposição, conflito, luta.

 

Quando falamos sobre competência no contexto escolar, bem como no da BNCC, o nosso foco deve ser a seguinte definição:

Competência no contexto escolar: qualidade de quem é capaz de apreciar e resolver certo assunto, fazer determinada coisa; capacidade, habilidade, aptidão, idoneidade.

Então, fica claro que educar por competências significa ir além da transmissão de conhecimentos acumulados – é, principalmente, conectar estes conhecimentos à razão e ao fazer.

 A importância de desenvolver competências

Quando falamos em desenvolver competências, a ideia é garantir que o estudante seja capaz de utilizar os conhecimentos para resolver problemas. É isso que o torna capaz de atuar em sociedade.

Não podemos nos ater à educação por competências no sentido profissional. É claro que esse setor da vida é essencial. Em um cenário em que, devido ao rápido avanço tecnológico, as coisas mudam rapidamente, ensinar competências relacionadas a eventos que vão enfrentar na carreira é primordial.

Desenvolvimento de competências: um modo de educar para a vida

Porém, a educação baseada em competências vai mais longe: ela tem a ver com ajudar o estudante a desenvolver habilidades que o tornem capaz de conduzir todas as áreas de sua vida com sucesso.

Afinal, nossos relacionamentos pessoais, nossa capacidade de gerenciar emoções e projetos de estudo, por exemplo, estão tão ligados às competências que desenvolvemos como às nossas possibilidades profissionais.

Há pouco, falamos sobre as habilidades. E, aqui, entra outro elemento importante da educação por competências. Podemos dizer que o ato de tornar o indivíduo capaz de “apreciar e resolver certo assunto, fazer determinada coisa” está fundamentado no desenvolvimento de habilidades.

Podemos dizer, então, que essa é uma maneira de educar para a vida.

Então não há educação por competências sem educação focada no desenvolvimento de habilidades.

Para ficar mais claro a relação entre os termos, vamos ao conceito de habilidades. 

O que são habilidades e como elas se relaciona com as competências?

Competência significa desenvolver no estudante a capacidade de saber que sabe e, sabendo disso, saber ainda utilizar seus conhecimentos aliados aos recursos e ferramentas disponíveis para solucionar qualquer questão que lhe vier à mão.

Já as habilidades são tudo aquilo que um indivíduo sabe fazer. Se sabemos ler e escrever, podemos dizer que temos habilidades de linguagem. Nós, educadores, temos ainda a habilidade de ensinar, sabemos como funciona o cérebro humano e, com base nisto, criamos estratégias para facilitar ao estudante a compreensão do conteúdo.

Mas, para aplicar essa habilidade, é preciso desenvolvermos outras e outras, como manusear ferramentas, utilizar aplicativos, etc.

Adquirimos uma habilidade à medida que dominamos um processo. Então, esse termo se refere à aplicação prática de algo que sabemos fazer. Por fim, a competência vem quando essas habilidades são utilizadas e unificadas em prol de uma situação que precisa ser alterada.

 Ensino por competências a partir da Base Nacional Comum Curricular – BNCC

Você se lembra que falamos sobre a BNCC ajudar os educadores no processo de educar com foco em desenvolver nos discentes as competências?

Pois bem, esse documento, que estabelece os tipos de aprendizagens que devem ser ensinadas e em qual fase do ensino fazer isso, define que competências, no âmbito educacional, são a:

Capacidade de mobilizar habilidades, atitudes, recursos, valores e conhecimentos para solucionar problemas e diversas outras demandas da vida cotidiana e, futuramente, do trabalho.

E informa que as 10 competências gerais para serem trabalhadas na escolha e que precisam ser desenvolvidas nos estudantes da educação básica são:

  1. Conhecimento
  2. Pensamento científico, crítico e criativo.
  3. Repertório cultural.
  4. Comunicação.
  5. Cultura digital.
  6. Trabalho e projeto de vida.
  7. Argumentação.
  8. Autoconhecimento e autocuidado.
  9. Empatia e cooperação.
  10. Responsabilidade e cidadania.

Esses 10 elementos citados pela BNCC podem ser resumidos na definição que citamos acima: “Qualidade de quem é capaz de apreciar e resolver certo assunto, fazer determinada coisa; capacidade, habilidade, aptidão, idoneidade”.

Acontece que essa frase precisou ser destrinchada em 10 elementos para que as competências pudessem ser trabalhadas em níveis. Todas são trabalhadas em todas as etapas, mas em níveis de compreensão distintos.

 Competências e Ensino Médio

Além das competências gerais, existem também as competências específicas de cada área de conhecimento. No Ensino Médio, a área de Linguagem e suas Tecnologias demanda, por exemplo, o desenvolvimento de uma competência específica.

Veja a seguir o que diz a BNCC sobre isso:

Compreender as línguas como fenômeno geopolítico, histórico, cultural, social, variável, heterogêneo e sensível aos contextos de uso, reconhecendo suas variedades e vivenciando-as como formas de expressões identitárias, pessoais e coletivas, bem como agindo no enfrentamento de preconceitos de qualquer natureza”.

Perceba que não basta desenvolver uma habilidade em linguagem. É preciso que, ao saber sobre os processos de linguagem, o estudante saiba compreendê-los dentro de um contexto geopolítico, histórico, cultural, social, etc.

É essa competência que o tornará apto para aplicar suas habilidades de linguagem em função de uma alteração de contexto, de resolução de problemas.

 Ensino Médio: fase de consolidação e preparo

O desenvolvimento de competências é especialmente importante no Ensino Médio, pois é nele que se concretizam todas as demais competências trabalhadas até esta etapa da Educação Básica.

Mas, mais do que isso, sendo essa a última etapa escolar, trata-se também de um momento em que, de fato, o estudante está indo para esse mundo que falamos durante o artigo. Um mundo em constante mudança, onde todas as suas relações pessoais, acadêmicas ou de trabalho dependem das competências desenvolvidas até então.

 A BNCC, o novo Ensino Médio e as Competências

A BNCC indica as competências importantes para cada área do ensino. As competências são gerais, aquelas comuns a todas as fases, e específicas, voltadas ao Ensino Médio.

As competências específicas para o Ensino Médio referem-se às 4 áreas da BNCC. São elas:

  • Linguagens e suas Tecnologias.
  • Matemática e suas Tecnologias.
  • Ciências da Natureza e suas Tecnologias.
  • Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.

 

Mas, a coisa não fica por aí. As competências no Ensino Médio também precisam abarcar elementos como:

  • Protagonismo do estudante.
  • Mundo do trabalho.

Ou seja, elas também ajudam o discente em relação aos acontecimentos do presente, às situações que estão acontecendo no “agora”, como o vestibular e o ENEM, eventos que costumam tirar o sono de muitos jovens.

Percebe como o desenvolvimento dessas competências no Ensino Médio possui uma natureza distinta das demais fases?

 Desenvolvimento de competências e Educação Ativa: entenda a relação

Fato é que, seja no Ensino Médio, seja no Fundamental I ou II, o ensino orientado a competências convida o estudante a deixar sua posição passiva nas aulas e adotar uma postura ativa.

E, nisso, temos contribuído bastante. Nossos materiais e recursos são construídos para ajudar os educadores na elaboração de aulas em que se utilizam as metodologias ativas.

Tais métodos envolvem desenvolvimento de projetos, pesquisas, uso de tecnologias e aplicativos. Além disso, nossos livros didáticos e paradidáticos estão repletos de sugestões de atividades que seguem a mesma linha: deixar o discente ser protagonista do próprio aprendizado.

 Opet INspira: conheça nosso acervo de recursos educacionais digitais para um ensino orientado a competências

Na plataforma educacional Opet Inspira, os educadores encontram um acervo de conteúdos para criar suas aulas. Entre as ferramentas disponibilizadas estão:

  • Material didático.
  • Objetos educacionais digitais como vídeos, áudios e apresentações.
  •  
  • Banco de imagens.
  • Histórias infantis.

Tais ferramentas são fundamentais para que os estudantes utilizem suas habilidades a fim de resolver problemas e, consequentemente, desenvolver as competências que citamos acima e que a BNCC tanto valoriza.

 Recursos para professores que querem ajudar os estudantes no desenvolvimento de competências:

A Opet INspira, plataforma de recursos educacionais, disponibiliza aos professores recursos como:

  • Ferramentas para aulas inclusivas, como teclas de navegação, leitor de página, funções para alterar o tamanho do texto e do cursor, espaçamento de texto, contraste, entre outros.
  • Conteúdos que auxiliam no desenvolvimento de avaliações, sequências didáticas, trilhas de aprendizagem e roteiros de estudos.
  • Tutoriais em formato de vídeo e PDF.

A Opet INspira está em constante atualização para garantir que o docente cumpra seu compromisso com a aprendizagem ativa, um ensino capaz de desenvolver nos estudantes as competências necessárias para todos os aspectos de sua vida.

Como despertar o Protagonismo?

Admirável mundo novo: recursos e práticas que instigam e geram protagonismo

“Eureka!”: essa palavra, que significa “Descobri!”, foi exclamada há 23 séculos pelo matemático grego Arquimedes de Siracusa. Desde então, ela simboliza a alegria da descoberta e, principalmente, o protagonismo de quem quer aprender. E é justamente sobre esse protagonismo, esse envolvimento verdadeiro do estudante no processo de ensino-aprendizagem, que vamos tratar.
Como, afinal, antigos e novos recursos, especialmente os digitais, podem tornar os estudantes os protagonistas do conhecimento? Qual o papel do professor nesse processo? Vamos saber mais focando algumas possibilidades.

 

Sala de aula invertida

A sala de aula invertida não é, exatamente, um recurso educacional recente. Ele, porém, ganhou força e muitas possibilidades com a chegada da internet. A ideia é interessante: a partir de premissas e instruções transmitidas pelo professor, levar o estudante a desvendar e a se aprofundar na pesquisa de temas em casa, e a mostrar na escola suas descobertas, dúvidas e caminhos de pesquisa.
Temos, aqui, um investimento direto no protagonismo do estudante. Ele, é claro, não irá a campo, para a pesquisa, sem orientações prévias dadas pelo professor (O que se deseja? Como fazer?). No entanto, terá a oportunidade de desenvolver os próprios caminhos de pesquisa; aprenderá a perguntar e a se perguntar sobre os assuntos; ganhará conhecimentos ampliados sobre um determinado tema. E poderá até expô-los digitalmente, em um blog ou uma página de rede social. Exemplos? Investigar e explicar o ciclo da água, o surgimento das cidades modernas, a escravidão no Brasil etc.
Em síntese – quando o estudante se depara com a necessidade de aprender algo novo, nos moldes da sala de aula invertida ele trabalha com os seguintes elementos:
● Habilidades de pesquisa.
● Capacidade de fazer boas perguntas.
● Raciocínio lógico.
● Discernimento (em relação à qualidade e à veracidade do material encontrado).
● Gestão de tempo e da atenção.

Nesse processo, cabe ao professor orientar, receber e auxiliar o estudante na “entrega” de suas descobertas e conclusões. Nas orientações, por exemplo, ele pode e deve trabalhar com temas da educação midiática, como a checagem de informações e a escolha de fontes confiáveis. E também pode estimulá-lo a apresentar esses conhecimentos a partir de suas próprias habilidades digitais, em recursos que vão do TikTok aos podcasts. Vamos ampliar essa discussão a seguir.

 

Novas práticas e a ampliação das possibilidades de ensino-aprendizagem

Como vimos, a sala de aula invertida é interessante, especialmente, por seu “chamado ao protagonismo”. Ao colocar o estudante no papel de investigador, o professor estimula o desenvolvimento de habilidades de grande importância para a própria humanidade.
Além da sala de aula invertida, porém, há outros recursos – digitais ou não – que podem fazer com que as aulas brilhem e o aprendizado seja prazeroso e significativo! Vamos conhecê-los de forma sintética:
● Aprendizagem baseada em problemas: ao utilizar a estratégia do ensino por meio de problemas, o educador propõe um problema do mundo real, considerando o nível de conhecimento da turma e o conteúdo estudando, para que os discentes possam analisar e encontrar uma solução. Por exemplo: a partir de informações prévias, os estudantes podem propor soluções para a conservação dos recursos hídricos de uma cidade ou região.
● Aprendizagem baseada em projetos: o projeto pode ou não ser uma continuação do ensino por problemas. Nele, o docente propõe também um problema desafiador, que estimule a imaginação e, a partir disso, os estudantes desenvolvem um projeto que solucione tal questão.
Em ambos os casos, é possível trazer outras táticas instigantes de envolvimento e participação dos estudantes. Entre elas, estão:
● Robótica.
● Gamificação (uso dos conceitos dos jogos em atividades no ambiente físico, como etapas, pontuações, prêmios, avatares e desafios).
● STEM (projetos que unam conceitos de Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática para solucionar problemas).
● Representações tridimensionais.
● Fotografia.
● Atividades audiovisuais como podcasts; vídeos ou publicações em sites e blogs.
Um modelo híbrido de ensino, a distância ou de sala de aula invertida aplicado em conjunto com metodologias como problemas e projetos, conduz o estudante para o desenvolvimento de habilidades como:
● Debater ideias.
● Fazer previsões.
● Planejar.
● Experimentar.
● Coletar e analisar dados.
● Tirar conclusões.
● Comunicar ideias e descobertas.
● Desenvolver projetos.

 

Protagonismo e as novas tecnologias

Nas últimas décadas, as tecnologias digitais entraram na vida das pessoas. Se, antes, elas estavam restritas aos laboratórios e às instalações militares, hoje estão nas nossas mãos. E são extremamente poderosas: um único smartphone de 2022, por exemplo, possui mais tecnologia que os computadores usados pela NASA para colocar os primeiros seres humanos na Lua, há pouco mais de cinquenta anos!
A aceleração tecnológica, é claro, também chegou à educação. Algo que, no caso da Educação Básica, ganhou tração e visibilidade nos últimos dois anos e meio, com a pandemia da Covid-19. Boa parte dos professores, que utilizava as tecnologias digitais de forma comum – para trocar mensagens, acessar redes sociais e se informar –, mergulhou em usos até então inéditos, no planejamento e desenvolvimento de aulas. Foi um avanço civilizatório, que acabou incorporado ao dia-a-dia da educação.
A Editora Opet viveu ativamente esse processo, aprendendo e se antecipando em muitas situações: desenvolveu a plataforma educacional Opet INspira, um recurso poderoso, amigável e integrado às coleções e às suas propostas didático-pedagógicas, e firmou uma parceria estratégica com a Google Workspace for Education para o pleno desenvolvimento das aulas online.
Esse sistema de aulas remotas – que inclui, também, as formações pedagógicas feitas com professores das redes pública e privada de todo o país, assim como os encontros com familiares (os chamados EFAM’s) e gestores – contempla milhares de pessoas. Além disso, investiga permanentemente novas formas de educar, buscando somar estas inovações a um olhar humano, protagonista e inclusivo.
Na plataforma, há opções de materiais para atividades online, a distância e híbridas. Entre os recursos estão materiais didáticos digitalizados e objetos educacionais como vídeos, áudios, apresentações, quizzes, banco de imagens, jogos, simuladores e histórias infantis. Essas ferramentas também permitem a elaboração de aulas inclusivas – afinal, as tecnologias digitais ampliam as possibilidades nesse sentido também.