06 de Agosto – Dia do Profissional da Educação

O Brasil celebra hoje, 06 de agosto, o Dia do Profissional da Educação. A data é uma homenagem merecida àqueles profissionais que fazem as escolas funcionar e garantem o funcionamento da educação no Brasil. A data foi estipulada pela Lei Nº 13.054/14, sancionada em dezembro de 2014, com base na mudança da Lei de Diretrizes de Base da Educação (LDB), determinada pela Lei Nº 12.014/2009, que insere os funcionários de escola habilitados na categoria de profissionais da educação.

Nós, da Editora Opet, temos muitos profissionais de educação em nossa equipe e, diariamente, trabalhamos com esses profissionais em todo o Brasil. Assim, também nos sentimos homenageados! Mas, principalmente, gostaríamos de homenagear e agradecer a pessoas tão importantes.

 

Quem estamos homenageando hoje?

Além dos professores, a escola funciona através do trabalho de diretores, coordenadores, supervisores, orientadores e todos os que atuam direta ou indiretamente na disseminação da educação. Sem essas pessoas, não há matrículas, boletins, projeto pedagógico, calendário escolar, grade de horários, planejamento, gestão de recursos, etc. Tampouco há orientação, mediação, relação com a comunidade, diálogo e acolhimento.

Em resumo, não há escola sem todos esses profissionais! Por isso, o dia de hoje serve para reafirmar o valor de todos os educadores que compõem esse corpo intelectual e social que é a escola.

 

O que é ser educador?

Educador é o sujeito responsável por coordenar o processo de ensino e aprendizagem em suas diferentes etapas. É aquele que atua para oferecer condições de aprendizagem e desenvolvimento pleno dos estudantes, reafirmando sua unicidade enquanto indivíduos e sua coletividade enquanto seres sociais.

Como afirma Paulo Freire em “Pedagogia da Autonomia” (1996), “educar não é transferir conhecimentos, mas criar possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção”. Para isso, é preciso superar a visão simplista e autoritária de que o professor é o detentor de todo o saber e o estudante é seu receptáculo.

Educar é agir para promover o acesso ao conhecimento a partir de relações dialógicas de ensino aprendizagem. A escola, por sua vez, é um centro de oportunidades educativas, na qual o indivíduo se desenvolve em todas as suas dimensões – intelectual, social, física e afetiva.

Há várias pessoas, internas e externas à sala de aula, que atuam diretamente para a criação dessas oportunidades – elas também são educadoras.

Muito falamos sobre o poder transformador da educação e da necessidade de valorizá-la. De fato, o conhecimento é o principal meio para resolução de diversos problemas como pobreza, violência, desigualdade, caos ambiental, doenças, etc. Mas isso só é possível através da valorização daqueles que criam as condições necessárias para que a educação aconteça.

Valorizar os profissionais da educação é priorizar a qualidade do ensino. É zelar pelos nossos estudantes e semear um futuro em que o conhecimento seja tão difundido a ponto de eliminar todos esses problemas.

 

Sugestão de Leitura:

Pedagogia da Autonomia – Paulo Freire

http://www.apeoesp.org.br/sistema/ck/files/4-%20Freire_P_%20Pedagogia%20da%20autonomia.pdf

Formação de Profissionais da Educação: Visão Crítica e Perspectiva de Mudança – José Carlos Libâneo e Selma Garrido Pimenta

https://www.scielo.br/pdf/es/v20n68/a13v2068.pdf

Diferentes ferramentas, um mesmo propósito: ensinar!

São João do Itaperiú (SC) uniu Whatsapp, Facebook e livros para garantir o ensino

Situado a cerca de 150 quilômetros de Florianópolis, São João do Itaperiú é um importante parceiro da Editora Opet na região leste de Santa Catarina. Lá, como acontece em todo o Brasil, a rede municipal de ensino se organizou para garantir educação de qualidade durante o período de distanciamento social. A secretária municipal de Educação, professora Elizete Moraes Hess, explica que, tão logo começou a quarentena, o município decretou um recesso escolar de 15 dias, tempo suficiente para que os gestores e os professores se organizassem. As aulas foram retomadas no dia 06 de abril.

E eles perceberam que o trabalho funcionaria bem com o uso de ferramentas digitais que a maioria conhecia e utilizava – o Whatsapp e os grupos do Facebook. “Optamos por essas ferramentas pela facilidade de acesso de todos, professores, estudantes e famílias. E, como elas funcionaram perfeitamente, decidimos seguir usando sem migrar para outras ferramentas”, explica a secretária. No caso dos estudantes que não possuem acesso à internet, que são poucos, as atividades são enviadas diretamente para as suas casas pelos professores, gestores e Secretaria.

Devolutivas – Somadas aos livros físicos do Sefe (selo educacional da Editora Opet para o segmento público), as ferramentas digitais estão permitindo desenvolver as atividades educacionais com grande sucesso. Segundo a secretária Elizete, os livros físicos, de que todos os estudantes dispõem, geram um ponto a mais de conexão. “Os materiais do Sefe têm sido essenciais neste momento. Eles facilitaram muito as aulas remotas. Os professores fazem seus planejamentos a partir dos livros e enviam as atividades; os estudantes recebem as atividades, desenvolvem e postam, e recebem a devolutiva dos professores.”

Um exemplo bem interessante desse trabalho é o das crianças do Pré-I e Pré-II da professora Marcia Gadotti Caldonho, da Escola Municipal Professora Maria Gasino Borba. Com o acompanhamento das famílias – algo que é necessário nessa etapa da Educação -, elas estão fazendo suas tarefas e postando em um grupo fechado no Facebook. Algumas fotos podem ser conferidas nesta matéria. Marcia conta que a participação das famílias é bem importante para o sucesso do trabalho. “A maioria das famílias é participativa. Elas ajudam e fazem o possível para que as crianças realizem as atividades dos livros. Mandam filmagens, fotos e áudios falando o que a criança fez.” O trabalho, observa, é inteiramente baseado nas atividades dos livros.

“Exploramos tudo o que a criança pode fazer em casa com a família. Eu faço explicações em vídeo da página da atividade e, em caso de dúvidas, ajudo.” Sobre a evolução das crianças, Marcia explica que é possível acompanhá-la de acordo com os registros que cada criança faz com apoio da família. “A dedicação da família é muito importante. Ela ajuda muito no desenvolvimento da criança.”

A gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto, considera ações como a dos gestores e professores de São João do Itaperiú fundamentais para o desenvolvimento da educação. Elas demonstram inteligência, criatividade e capacidade de engajamento. “Durante este momento tão difícil de distanciamento social, nossos conveniados têm demonstrado que a escola permanece viva em outros ambientes, sempre numa perspectiva de ampliar o processo de aprendizagem.” Cliciane lembra que o desafio é diário e é intenso, mas que o fazer pedagógico é a essência de ser educador. “Continuamos a fortalecer nossa parceria diante das dificuldades. Juntos, estamos enfrentando e superando este momento.”

 

Reconhecimento do trabalho da equipe da Editora Opet em Fortaleza

O ano de 2019 foi de muito trabalho e conquistas para a Editora Opet. Andamos por várias regiões do país apresentando nossa proposta educacional e auxiliando parceiros públicos e privados a implantarem uma educação humana, cidadã, inovadora e transformadora.

Foi o que aconteceu no Nordeste, onde, neste ano, consolidamos e ampliamos nossa presença. Isso, graças a uma estratégia de ação e aos esforços de uma equipe dedicada de assessores, supervisores pedagógicos, consultores e representantes comerciais. Na última segunda-feira (16), essa incrível equipe foi homenageada com um almoço no Restaurante Murano, em Fortaleza (CE), onde fica a sede regional da Editora Opet no Nordeste.

Participaram a equipe do escritório da Editora no Ceará, as assessoras e os representantes de Natal (RN), Recife (PE), Fortaleza (CE) e Maranhão, além do time do Rio de Janeiro, que foi ao Nordeste especialmente para o encontro. Representando a superintendente, Cristina Swiatovski, estiveram presentes a gerente pedagógica, Cliciane Élen, e o gerente comercial público, Roberto Costacurta.

“A confraternização em Fortaleza foi muito importante, em primeiro lugar, para homenagear as equipes que trabalham na capital, no Estado do Ceará e em todo o Nordeste”, avaliou a gerente pedagógica Cliciane Élen.
Ela destacou o fortalecimento do escritório da Editora em Fortaleza, que leva os selos Sefe e Opet Soluções Educacionais para os municípios e escolas privadas parceiras, e a unidade da equipe, que trabalha pela qualidade da educação. “Essa equipe nos representa muito bem e está de parabéns!”.

Para o gerente comercial para a área pública, Roberto Costacurta, o encontro de final de ano foi muito significativo. “Ele marca a retomada e o fortalecimento do nosso trabalho no Nordeste e no Norte nas áreas pública e privada. Hoje, nesses dois segmentos, nossa posição é muito mais elaborada. E temos muitas referências disso, como é o caso de municípios como Fortaleza e Sobral, no Ceará, e de uma escola privada como a Sucesso, em Macapá, na região Norte”.

Roberto também destacou o valor do escritório da Editora em Fortaleza, que fortalece muito o nosso trabalho em toda a região. “É uma sede estratégica. A partir dela, podemos prestar um serviço de alta qualidade, de forma mais racional em termos financeiros e com apoio a uma equipe de alta qualidade.”

A devolutiva de Fortaleza – Também na segunda-feira, Cliciane, Roberto, o supervisor pedagógico regional para o Ceará, Francisco Glaylson Rodrigues, e o supervisor comercial Eduardo Pereira estiveram reunidos com gestores da Secretaria Municipal de Educação de Fortaleza para uma devolutiva em relação ao ano de 2019 e também para falar sobre as ações de 2020.

“Ficamos muito felizes com o que ouvimos. Foi um feedback importante. Os gestores nos falaram sobre o impacto positivo do nosso trabalho no dia a dia dos professores e dos estudantes, do valor das visitas técnicas e das formações realizadas ao longo do ano pela equipe da Editora”, observou Cliciane Élen. Em Fortaleza, município parceiro desde 2013, a Editora Opet atende 28,9 mil estudantes.

O supervisor pedagógico regional para o Ceará, Francisco Glaylson Rodrigues, destacou alguns aspectos do trabalho realizado neste ano, como a assertividade das formações e as ações realizadas com os diretores de ensino. “Vamos manter esse trabalho em 2020, com um olhar ainda mais refinado. A ideia é buscar a excelência na educação.”

 

Editora Opet participa do 6º Fórum de Educação de Cabreúva

De 14 a 22 de outubro, o município paulista de Cabreúva – parceiro da Editora Opet há mais de uma década – realizou um de seus mais importantes eventos educacionais, o 6º Fórum de Educação de Cabreúva. O evento, que mobilizou professores, gestores e a comunidade, teve a nossa participação.

Dentro da parceria, levamos três palestrantes ao Fórum. Realizamos a palestra de encerramento do primeiro dia do evento, com o tema “Neurociência aplicada à aprendizagem e desenvolvimento”, com o professor Júlio Luchmann, e também as palestras “Formação do Professor no Âmbito da BNCC”, com a supervisora pedagógica Rubia da Costa, e “Escola e Família”, com a assessora pedagógica Márcia Ribeiro.

Atualmente, por meio do selo Sefe, oferecemos coleções, ferramentas pedagógicas e formações para os professores da rede municipal de Cabreúva. A parceria abrange os níveis 04 e 05 da Educação Infantil e do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental. Além disso, também fazemos o trabalho com as avaliações diagnósticas para os estudantes do 5º ano.

Nos últimos anos, Cabreúva vem experimentando avanços importantes na educação municipal, como, por exemplo, um aumento expressivo do IDEB, que na última avaliação superou de forma significativa a meta prevista.

“Feito Criança”: Editora Opet apresenta sua nova coleção para a Educação Infantil

A Editora Opet apresentou oficialmente nesta semana sua nova coleção didática para a Educação Infantil, “Feito Criança”. Escrita pela pedagoga e editora pedagógica Ross Mary Strano Vieira (foto), a Coleção foi a primeira a ser inteiramente desenvolvida dentro do novo conceito editorial Opet. Esse conceito integra os materiais impressos a uma poderosa plataforma de recursos digitais.


No segmento público, ela vai substituir a Coleção “Brincar e Pensar”, escrita pela professora Regina Shudo, e também passará a ser oferecida como produto alternativo aos municípios parceiros no Ceará. No segmento privado, ela será disponibilizada no sistema de E-commerce da Editora Opet, com foco em escolas de menor porte.


“A Coleção Feito Criança foi organizada e escrita a partir de três grandes documentos: as Diretrizes teórico-metodológicas da própria Editora, que são fruto de uma ampla reflexão e de muito trabalho com educação, as Diretrizes Nacionais para a Educação Infantil e a Base Nacional Comum Curricular, que orienta a elaboração dos currículos para todo o país”, explica Ross Mary.
“A ideia é respeitar a realidade e promover o protagonismo da criança. É ela, afinal, que vai elaborar e vivenciar as experiências a partir do trabalho desenvolvido pelo professor.”


No caso dos professores, eles têm uma orientação detalhada, página a página, para o trabalho com a coleção. Além disso, eles contam com os recursos digitais da Plataforma Opet, que abrangem toda a fundamentação pedagógica do material, vídeos, contos tradicionais, músicas, materiais relativos a datas comemorativas e muitas atividades que podem ser desenvolvidas em sala e em outros ambientes de aprendizado, inclusive o da família.


A Coleção – Os livros da Coleção Feito Criança são anuais, isto é, há um livro para cada um dos cinco anos da Educação Infantil. “Nós escrevemos cada livro pensando nas possibilidades de trabalho fora da mesinha”, explica Ross Mary. “O material didático não tem a função de fazer a criança ficar sentada por horas fazendo tarefas. Ele propõe várias vivências fora da mesinha e até fora da sala de aula, e são elas que vão trazer desenvolvimento e aprendizagem para a criança. E, no retorno, é que ela vai registrar no material o que viveu. Ou seja: é um material fisicamente um pouco mais enxuto, mas com uma gama de vivências e possibilidades muito grande.”


Ross Mary acredita no sucesso da Coleção Feito Criança. “Foi um trabalho de muitos meses, que envolveu muitas pessoas – inclusive, a professora Regina Shudo, que fez a consultoria pedagógica – e muito cuidado em todos os aspectos, da iconografia à revisão de língua. E o material ficou alegre, comunicativo, atraente para a criança e interessante para o trabalho do professor.”


Sobre a autora – Ross Mary Strano Vieira é formada em Letras e Pedagogia, com especialização em Educação Infantil e em Literatura Infantil. Ela trabalha na Editora Opet há 15 anos.

Editora Opet no “Educa Ribeirão Preto”!

Nesta semana, nossas equipes comercial e pedagógica estiveram em Ribeirão Preto, um dos municípios mais importantes de São Paulo, participando do “Educa Ribeirão Preto”, promovido pela EDUCA – Excelência em Educação. O evento, que teve como tema “A BNCC, os currículos e os desafios da educação para o século XXI”, reuniu professores e gestores públicos e privados de cerca de 100 cidades do Estado de São Paulo para debates e palestras. E nós estivemos lá com um estande que atraiu a atenção de centenas de pessoas, interessadas em nossas soluções para a área pública.

A professora Magda Milanezi, supervisora do Ensino Fundamental I do município parceiro de Ilha Solteira, foi uma das visitantes. “Fiquei muito feliz em ver a Editora Opet aqui, em um evento tão importante. Nós adoramos o material Sefe. Foi o que escolhemos e com que trabalhamos. E estamos muito satisfeitos com essa opção!”, disse.

A professora Marialba Carneiro é responsável, na EDUCA, pela seleção dos conteúdos apresentados em eventos como o “Educa Ribeirão Preto”. Ela, que já foi presidente da seccional São Paulo da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME-SP), destacou o valor da marca Opet e a consonância dos materiais produzidos pela Editora em relação à BNCC. “É uma honra ter a Editora Opet presente nesse evento, que reúne tantos municípios paulistas, em especial os de menor porte. É um motivo de muito prestigio, especialmente quando vemos um material, do selo Sefe, de tamanha qualidade.”

O gerente comercial da Editora Opet para a área pública, Roberto Costacurta, ficou feliz com os resultados. “Fomos muito visitados. E, com o apoio das equipes comercial e pedagógica, mostramos os diferenciais do nosso material. A partir dos contatos feitos aqui, vamos reforçar nosso trabalho em todo o Estado de São Paulo.”

Santana de Parnaíba: uma parceria muito especial

No início da tarde desta quarta-feira (15), nosso estande na BETT Educar foi brindado com a presença de um parceiro muito especial, o secretário municipal de Educação de Santana de Parnaíba (SP), professor Clécius Romagnolli dos Santos. Ele destacou o valor da parceria e o crescimento mútuo. “Nossa parceria com a Editora Opet é um grande sucesso. Ela é construída em vários aspectos, começando pela formação dos professores, que é feita de acordo com as nossas necessidades específicas. Não é algo que ‘vem pronto’, mas que é construído em conjunto. Isso é muito importante.” A parceria com a Editora contempla todos os estudantes da rede municipal, da Educação Infantil ao Ensino Médio (em Santana, o Ensino Médio é municipalizado).

Um pouco de descontração: o secretário Clécius e a superintendente da Editora Opet, Cristina Swiatovski, nos balanços montados dentro do estande da Editora Opet na BETT Educar.


Para a Editora Opet, é um orgulho ser parceiro de um município como Santana de Parnaíba. Apenas para se ter uma ideia, em 2017 Santana registrou o maior crescimento do IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) no Estado de São Paulo – fantásticos 32% em relação à avaliação anterior, de 2015 -, e tem o maior índice entre os 39 municípios da região metropolitana da capital paulista. Além disso, uma auditoria realizada pelo Instituto Ayrton Senna colocou Santana como o melhor município do país no desenvolvimento de competências socioemocionais, contempladas pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e que são muito importantes para o desenvolvimento integral dos estudantes.

Entrevista do secretário Clécius ao canal de vídeos da Editora Opet.

Um fator que contribui para esses resultados é a aceitação dos professores em relação aos materiais da Editora Opet (do selo educacional Sefe). Os materiais são construídos a partir de uma abordagem focada na educação humana e cidadã. “A aceitação dos professores em relação aos materiais e às formações Opet é fantástica. Poucas vezes vi algo assim no município”, observou o secretário Clécius. Para a Editora Opet, é uma honra fazer parte dessa história!

CODINORP: um consórcio para revolucionar a educação pública

Para o primeiro secretário regional de Educação do Brasil, Amauri Monge Fernandes, consórcios municipais podem transformar a educação nos pequenos e médios municípios. E os sistemas de ensino desempenham um papel importante nessa mudança.

O Paraná pode estar iniciando uma revolução na gestão das redes municipais de ensino. Ao menos, isso é o que se depreende da proposta de trabalho do Consórcio de Desenvolvimento e Inovação do Norte do Paraná – CODINORP, que reúne dez municípios. São eles Cafeara, Centenário do Sul, Florestópolis, Guaraci, Jaguapitã, Lupionópolis, Miraselva, Primeiro de Maio, Porecatu e Prado Ferreira. Juntos, esses municípios escolheram um secretário regional de Educação (a partir de um processo seletivo técnico realizado no ano passado e que envolveu cerca de 400 candidatos), que está coordenando todas as ações. Esse secretário é Amauri Monge Fernandes, mestre em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas e doutor em Administração Pública pela Universidade de Lisboa.

Nesta quinta-feira (22), Amauri e um grupo de secretários, coordenadores, diretores e gestores de municípios do CODINORP estiveram na Editora Opet para conhecer a nossa proposta de trabalho e o sistema de ensino Sefe. Este encontro aconteceu dentro de uma série de visitas que estão sendo realizadas pelo Consórcio em editoras que desenvolvem sistemas de ensino. Em entrevista para a Editora Opet, Amauri falou sobre o Consórcio e sobre como sua ação pode transformar a educação pública de municípios.

 

Amauri Monge Fernandes, secretário regional de Educação do CODINORP

 

Editora Opet – Como funciona a secretaria regional de Educação do CODINORP?

Amauri – No ano passado, o CODINORP decidiu estruturar essa secretaria. É uma iniciativa pioneira no Brasil – secretarias semelhantes só existem nos Estados Unidos e na Alemanha – que existe para unir forças de municípios de pequeno e médio porte para melhorar cada vez mais a qualidade do nível de aprendizagem dos alunos de suas redes municipais de ensino.  É uma experiência nova, que, temos certeza, será muito boa para a educação do Brasil e, especialmente, da nossa região.

Editora Opet – Nesta semana, os representantes do consórcio visitaram várias editoras educacionais. Qual o objetivo dessas visitas?

Amauri – Nós estamos visitando diversas editoras porque estamos querendo implantar um sistema de ensino em todas as 47 escolas da nossa região. A gente sabe que o sistema de ensino estruturado dá um ganho de escala na qualidade da educação, e nós estamos visitando e vamos dar início ao processo licitatório já na primeira semana de abril.

Editora Opet – A Editora Opet é uma dentre as várias editoras visitadas pela comissão do Consórcio. Como você se sentiu recepcionado aqui?

Amauri –  Eu sou suspeito para falar da Editora Opet e do Sefe porque sou de São Paulo e, nos últimos 30 anos, morei em Santana de Paranaíba, que usa o sistema Sefe já há dois anos. E, lá, a experiência foi muito gratificante. Está dando resultados e eu penso que vocês, da Editora Opet, têm um excelente produto. Evidentemente, o processo licitatório vai considerar todos os aspectos técnicos de todas as editoras. Mas o mais importante de tudo isso é o modelo contratual que nós vamos usar: é um modelo oriundo da Inglaterra, que ainda não existe no Brasil, chamado CIS – Contrato de Impacto Social. Nós não vamos contratar simplesmente os livros e a assessoria pedagógica, nós vamos contratar resultados. Ou seja: a Editora começa o contrato recebendo um valor mínimo e, a partir do desenvolvimento do nível de aprendizagem dos alunos e dos resultados auferidos, é que ela começa a receber um valor maior, até chegar ao valor máximo colocado na licitação. Em outras palavras, até nisso nós estamos inovando porque estamos mostrando que é possível, sim, que administração pública e iniciativa privada podem fazer o melhor pela educação num jogo de ganha-ganha.

Editora Opet – As instituições que congregam dirigentes municipais de educação, como as UNDIMEs, já conhecem a proposta do CODINORP para a educação?

Amauri – As UNDIMEs nacional e regional já sabem, e nós vamos marcar uma reunião para aprofundar esse detalhamento. Mas todos os formadores de opinião sobre educação no Brasil já sabem do CODINORP e querem investir junto com a gente neste formato. O Ministério da Educação, por exemplo, sabe que é muito melhor lidar com 500 consórcios de municípios do que com 5.700 municípios. Enfim, é um formato que todo o Brasil espera que dê certo. Nós estamos fazendo a nossa parte, principalmente porque acreditamos que o Ensino Fundamental é, como o próprio nome já diz, elementar para que a gente tenha mais crianças alfabetizadas com qualidade, que possam ser adultos melhores.

Formação de professores em Juazeiro do Norte movimenta mais de 300 pessoas.

A formação de professores promovida pela equipe da área pedagógica da Editora Opet movimentou a cidade de Juazeiro do Norte. Foram mais de 200 professores e diversos gestores educacionais que presenciaram um novo modelo de educação.