“Ceará Digital”: as ações do escritório da Editora em Fortaleza

Ao longo dos anos, o escritório da Editora Opet em Fortaleza, responsável por grande parte do nosso trabalho pedagógico no Nordeste, caracterizou-se por uma agenda intensa. Sua equipe, que envolve dez pessoas e recebe o suporte da gerência pedagógica em Curitiba,  circula bastante para as implantações, formações, visitas técnicas e assessoramento. Com a pandemia da COVID19 e o distanciamento social, nas últimas semanas todo esse trabalho migrou para o cenário digital. As agendas foram ajustadas, os meios foram disponibilizados e as ações foram mantidas.

Em Fortaleza, por exemplo, onde desde 2013 a Editora atende professores e estudantes do 2º ano do Ensino Fundamental com os materiais e ferramentas da Coleção “Caminhos e Vivências”, o escritório criou os “Diálogos Online”, que a cada quinze dias reúnem centenas de professores em formações pedagógicas online relacionadas aos materiais Sefe ou, então, para abordar um tema específico – já foram feitas duas edições, sempre com muito sucesso.

Além disso, dentro da agenda de visitas técnicas virtuais, cerca de 70% das escolas municipais já foram visitadas por nossos formadores. “Atendemos os professores e os gestores com ferramentas digitais como o Google Meet, que funcionam muito bem. Cada uma de nossas formadoras atende seis distritos educacionais de Fortaleza”, conta o supervisor regional da Editora para o Ceará, Francisco Glaylson Rodrigues. “São duas visitas online semanais, em que fazemos o atendimento, enviamos e sugerimos o uso de sequências didáticas, e também instruímos para o uso das ferramentas digitais.”

Esse trabalho, ressalta Glaylson, é a continuidade do que já vinha sendo feito presencialmente, com a diferença é que, agora, ele foi ampliado. “Além de orientar para o uso das ferramentas digitais, nós reforçamos o trabalho com as coleções, em especial em relação ao uso dos livros neste momento de pandemia. Como eles podem dialogar e se integrar com as ferramentas digitais, por exemplo.”

A gerente de formação pedagógica de Fortaleza, professora Elaine Lima de Oliveira, está satisfeita com o trabalho. Nesta semana, ela acompanhou o terceiro encontro do “Diálogos Online”, que teve nada menos de 230 participações simultâneas. “Eu gostaria de parabenizar a Editora pelo encontro de hoje. Fiquei muito feliz porque tivemos recorde de público. Um trabalho muito bom, com os professores muito participativos. Foi um sucesso! Obrigada mais uma vez à equipe Sefe, da Editora Opet!”

Em Fortaleza, a Editora também fornece os materiais didáticos (da Coleção “Entrelinhas para Você”) e dá apoio às ações da Educação Infantil 4 e 5. Nos últimos dias, todas as famílias das crianças atendidas também estão recebendo um livro da Coleção “Família Presente”, do Sefe. A obra, que faz parte das nossas coleções voltadas às famílias, foi escrita pela professora doutora Oralda Adur de Souza, uma das maiores especialistas brasileiras no tema.

“É um material bem importante dentro da relação família, criança e escola. Muito mais neste momento, em que os familiares estão mais próximos fisicamente da criança e do processo educacional”, observa Glaylson. Além da entrega, os professores também serão formados para o trabalho com os familiares.

Ipu e Paracuru – No último dia 22, a equipe também deu início às agendas de formações pedagógicas e às visitas técnicas online das redes municipais de ensino de Ipu e Paracuru, parceiros da Editora no Ceará. Lá, já foram feitos agendamentos e formações para o uso de ferramentas como o Google Classroom, que dá acesso a salas de aula virtuais e a sequências didáticas que podem ser combinadas com os materiais didáticos físicos. “O trabalho é intenso e o público, os professores e gestores, muito participativo”, conta Glaylson.

A professora Socorro Mororo é técnica da Secretaria Municipal de Educação de Ipu e coordenadora pedagógica para o 2º ano do Ensino Fundamental. Ela acompanhou de perto a primeira formação online com os professores e gestores. “Foi impactante! Tivemos somente comentários favoráveis dos professores e dos gestores. A formação deu um suporte para o trabalho, enriqueceu e conduziu os professores para que eles possam desenvolver aulas online cada vez melhores. Só tenho a agradecer aos formadores e à Editora Opet.”

Glaylson destaca a receptividade dos professores e dos gestores às ferramentas digitais. “Eles mostram muito interesse em aprender a usar e isso faz muita diferença. Temos tido bons resultados!”, conclui.

Desafios e realizações – “O trabalho com educação é permeado por desafios constantes. Nesse processo, a equipe pedagógica da Editora Opet busca sensibilizar os professores, aprimorar os atendimentos e intensificar a aproximação entre escola, família  e estudantes”, explica a gerente pedagógica da Editora, Cliciane Élen Augusto. “Nossos diálogos pedagógicos apresentam estratégias possíveis, utilizando recursos digitais e os materiais didáticos. Seguiremos assim, sempre buscando novas possibilidades de fazer a diferença na educação brasileira.”

Utilização dos materiais produzidos pelas escolas no pós-pandemia

Neste contexto de isolamento social, muitas escolas e professores despendem um esforço diário para conseguir manter a qualidade das aulas no ambiente virtual. Uma série de estratégias e materiais estão sendo desenvolvidos para qualificar o ensino a distância. Esses materiais podem ser um recurso de apoio para as escolas após a pandemia, visto que o retorno não será do ponto onde havíamos parado.

As pesquisas e a literatura científica mostram que os países que já passaram por quarentenas e isolamento social, seja por pandemias, desastres naturais ou guerras, tiveram que desenvolver um plano de ação de várias frentes para reparar os danos e recuperar as perdas. A ideia, aqui, é pensar maneiras de utilizar todos esses esforços que as escolas estão aplicando agora em um contexto de retorno instável, defasado, complexo e intrincado.

 

Retorno gradual

Sabemos que o retorno às atividades presenciais das escolas após a quarentena será completamente diferente da volta de recessos tradicionais. Uma série de medidas deve ser adotada por conta da instabilidade instalada pela pandemia.

Uma das alternativas para retomar de forma segura e responsável em relação à situação sanitária seria um regresso gradual. Nesse contexto, considerando um rodízio de estudantes e professores, manter parte das atividades a distância seria necessário. Continuar, então, utilizando as videoaulas e atividades online mesmo após o retorno presencial seria uma forma de transição.

 

Estratégias de recuperação de aprendizagem

Segundo a experiência de outros países, serão necessárias medidas de avaliação diagnóstica e recuperação de aprendizado, que poderão ter como recurso de apoio os próprios materiais desenvolvidos para as aulas não presenciais. As videoaulas, por exemplo, podem ser utilizadas como ponto de partida para atividades e material de estudo para avaliações e revisões.

 

Novo recurso didático

Apesar da limitação no sentido social, o ambiente virtual para ensino pode ser explorado em várias ocasiões e com diferentes objetivos. No caso de afastamento de estudantes por questões médicas, por exemplo, ter uma plataforma de manutenção das atividades é extremamente útil.

Além disso, a tecnologia e as mídias sociais são parte do nosso dia a dia. Utilizar essas ferramentas para incentivar uma interação intelectual entre os estudantes através de fóruns online, pesquisas, chats, aulas, etc. pode ser uma estratégia didática muito bem-sucedida.

As possibilidades de pesquisa rápida e conexão de conteúdos (a chamada “linkagem”) também podem ser orientadas para expandir o estudo e enriquecer o aprendizado.

O contexto atual reforça a necessidade de investimento na educação, do desenvolvimento de políticas públicas que contemplem a escola como ponto difusor do saber científico.

Tecnologia é estudo e ciência. Ela só existe pela procura e evolução do saber – ambos, ações inerentes à escola. Ter a tecnologia como uma das engrenagens desse grande mecanismo de ensino é ampliar as possibilidades, aprimorar o aprendizado e compreender que o conhecimento só existe para que possamos aprender cada vez mais, para buscar novos saberes, para sermos melhores.

Muito embora haja a premissa que atribui o caráter relacional do ensino-aprendizagem exclusivamente a professor e estudante, sabemos que a escola, como espaço de interação e desenvolvimento social, é, ao mesmo tempo, o que impulsiona e o que catalisa este processo. Na formação da identidade individual, as relações e referências advindas da escola são responsáveis por grande parte do reconhecimento do indivíduo enquanto ser social.

Em um contexto como o atual, de isolamento e ensino a distância, pode haver uma lacuna na configuração de estímulo cognitivo do estudante para aprendizagem. É preciso, portanto, buscar caminhos – inclusive, pela troca de experiências – para essa estimulação. Explorar as possibilidades de expansão através do ambiente virtual é uma ideia de ensino perspicaz, inovador e coerente.

 

Sugestões de leitura:

  • Políticas educacionais na pandemia da COVID-19: o que o Brasil pode aprender com o resto do mundo? Banco Mundial (2020)
  • Educação não formal: direitos e aprendizagens dos cidadãos(ãs) em tempos de coronavirus. Maria da Gloria Gohn (2020) https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/3259

A todo vapor: Editorial prepara novos cursos de EAD em Gestão Educacional e Primeira Infância

O setor editorial da Editora Opet está produzindo dois cursos de EAD estratégicos para o desenvolvimento da educação. Para o segundo semestre de 2018, a plataforma de EAD do Grupo Educacional Opet disponibilizará os cursos de Gestão Escolar e de Formação para Educadores da Primeira Infância. “Esses cursos foram construídos a partir de uma perspectiva nova, que une a fundamentação teórica à vivência prática. O objetivo é fazer com que os conteúdos do EAD representem uma diferença no dia a dia dos gestores e dos professores”, explica a gestora editorial Eloiza Jaguelte.

Ambos os cursos têm 180 horas de duração. O de Gestão Escolar é dividido em seis módulos, e o de Primeira Infância em cinco – e cada módulo tem, em média, três aulas. No caso do curso de Gestão Escolar, ele foi produzido por Jorge Bueno e Rúbia Costa, professores que fazem parte do time de consultores pedagógicos da Editora e têm grande conhecimento do tema. “São profissionais que, ao longo de todo o ano, estão junto com professores e gestores. Eles conhecem a fundo as questões que precisam ser trabalhadas”, observa Eloiza. “O enfoque do curso está nos processos administrativos, na gestão escolar democrática e na gestão compartilhada.” No curso voltado à Primeira Infância, a produção é de Daniele Cardoso Lima, professora, autora de livros e especialista na temática da Educação Infantil.

Outro diferencial dos novos cursos de EAD da Editora Opet é o formato, que tem como princípio o autogerenciamento. “Esses cursos não têm tutoria, ou seja, o aluno é quem conduz todo o processo”, explica a coordenadora editorial Anna Carolina Guimarães. Isso possibilita o gerenciamento completo do tempo – o estudante vai cursar as 180 horas de acordo com sua própria agenda, acessando os materiais (textos, vídeos, atividades), fazendo as avaliações e avançando de acordo com os resultados. “Ao final, tendo feito todo o percurso e alcançado os resultados, ele tem acesso ao certificado”, observa Anna. “É um processo moderno, ágil e eficiente.”

Eloiza faz questão de frisar que os novos cursos de EAD acompanham a evolução da produção editorial da Editora Opet, que, nos últimos anos, vivenciou uma revolução em relação aos processos e à qualidade. “Tudo o que vai para o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) recebe a mesma atenção que damos às nossas coleções. Da edição e revisão de língua do texto ao licenciamento de imagens de alta qualidade, passando pelo alinhamento em relação às nossas diretrizes teórico-metodológicas, tudo é feito com extremo cuidado. Pensando em quem está do outro lado e vai aplicar os conhecimentos em seu dia-a-dia.” Os cursos de EAD da Editora Opet estão disponíveis para parceiros contratantes e, também, para escolas não parceiras que queiram contratar esse serviço específico.