Aprendizagem Phygital: o melhor de dois mundos

Você já ouviu falar em “Aprendizagem Phygital”? É um nome um tanto “diferente” para uma ideia inteligente nascida com os avanços tecnológicos das últimas décadas. O termo “Phygital”, do inglês, surge da junção entre “physical” (“físico”, “material”) e “digital”. Sua proposta é somar recursos físicos e digitais de forma inteligente para que a aprendizagem seja a mais rica possível.
Um exemplo: quando você aciona um aplicativo de GPS para encontrar um endereço e, ao fim do trajeto, contribui enviando a programa uma foto do local de chegada – um museu ou loja, por exemplo –, isto já seria uma experiência phygital! Você, afinal, fez uso de um recurso digital para se guiar no mundo físico e, no fim, colaborou para aprimorar a experiência digital.
Ou seja: essas experiências estão muito mais perto do que imaginamos! E o mesmo vale para outras vivências possíveis graças à internet e aos smartphones, como imersões a partir da “fotografia” de QR Codes, reconhecimento digital de imagens e músicas e muito mais!

Um fenômeno da nossa época
O termo “phygital”, aliás, não aparece apenas na educação – ele é um fenômeno integral da nossa época e está cada vez mais presente em todas as áreas da vida, do marketing à saúde, do entretenimento ao meio ambiente.
Áreas como a da publicidade, por exemplo, vêm investindo muito em campanhas do tipo phygital, que envolvem experiências imersivas. A ideia, ao fim e ao cabo, é oferecer uma experiência ampla e envolvente pautada na hiperconectividade.

Muitos pontos de contato
E é exatamente esse o significado de hiperconectividade: muitas conexões entre os universos físico e digital! As experiências de hiperconexão do mundo phygital são construídas por meio de tecnologias como QR Codes, Internet das Coisas e Realidade Aumentada (RA), entre outras.
Na educação, é claro, a convergência entre esses espaços produz um novo campo de ação repleto de possibilidades.

Criando um ambiente phygital em Educação
Para o ensino phygital tenha sucesso, é importante que os educadores pensem nas aulas em termos de convergência e diálogo. Em como aproximar os recursos tecnológicos das aulas físicas, presenciais, valorizando cada momento no que ele tem de melhor.
Ao utilizar um aplicativo de reconhecimento de plantas em uma aula no jardim da escola, por exemplo, o professor pode começar apresentando o espaço com uma experiência sensorial que envolva o ver, o cheirar, o ouvir e o tocar, para, então, acionar digitalmente as informações sobre as espécies ali presentes. E, depois, voltar ao presencial para destacar a importância daquelas árvores ou plantas.

Benefícios do Phygital para a Educação
A tecnologia digital também pode desempenhar um papel importante na criação de atividades para estudantes com problemas de aprendizagem. Isso porque ela amplia as possibilidades de personalização do ensino, tornando o processo de aprendizagem mais acessível. A aprendizagem individualizada, vale observar, também potencializa habilidades e competências, contribuindo para o desenvolvimento integral do estudante.

Recursos imersivos e realidade aumentada
Quando falamos em “recursos imersivos”, estamos nos referindo a tecnologias que “mergulham” os sentidos e a atenção do usuário em um universo ou em elementos digitalmente construídos. Esse universo ou esses recursos podem ampliar ou simular uma realidade, sendo “lidos” pelo cérebro como se fossem reais.
E isso acontece pelo uso de sensores e câmeras – instalados em capacetes ou luvas, por exemplo – que funcionam como interfaces para os sentidos. Esses gadgets, por sua vez, conectam os sentidos e o cérebro a ambientes digitais ultrarrealistas fornecidos por aplicativos, jogos, sites ou plataformas.
E é nesse campo que entra a Realidade Aumentada (RA), recurso tecnológico que promove a integração de elementos ou informações virtuais, digitais, no mundo físico a partir de câmeras e sensores de movimento.
Com ela, o professor consegue demonstrar cenários e representações digitais no espaço físico e objetos 3D. Pode, ainda, “levar” os estudantes para conhecer um ponto turístico, reviver um momento histórico ou visitar um museu. Ou, então, propor simulações incríveis. Cria-se, então, um espaço de aprendizagem significativo, já que a tecnologia melhora as experiências visuais e as deixam mais contextualizadas.

Transformação Digital e Educação 4.0
O advento da Transformação Digital trouxe muitas mudanças para o setor de educação. Hoje em dia, cada vez mais as aulas precisam ser modificadas e equipadas com materiais didáticos e recursos digitais. Dentre eles estão plataformas escolares com atividades integradas, mídias de streaming, softwares em nuvem, quadros interativos e projetores.
Foi pensando nesse tipo de contexto de educação, nesse tipo de ambiente que privilegia uma educação tecnologicamente convergente, que a Editora Opet desenvolveu a plataforma educacional Opet INspira. Ela oferece uma série de recursos, de objetos de aprendizagem a elementos de conexão para as aulas e a comunicação, de simuladores a acervos de áudio e vídeo.
São ferramentas que também permitem a elaboração de aulas inclusivas, uma vez que permitem ao professor trabalhar com diferentes estratégias de ensino para crianças e adolescentes com deficiência ou transtornos de aprendizagem.

Editora Opet e o Educador 4.0
Além de todos os instrumentos disponíveis para o desenvolvimento de aulas na plataforma, há também recursos para ajudar os professores no uso desses materiais. São diversos tutoriais em formato de vídeo e PDF para orientá-los na utilização desses recursos disponíveis e da plataforma.
A Opet INspira é completa e está em constante atualização para garantir todas as condições para uma educação humana, cidadã, transformadora, inovadora e protagonista. Uma educação que aproxima a partir de uma tecnologia que humaniza!

Sem “lacração” nesta hora: a era digital e o preconceito linguístico

O preconceito linguístico é um desafio de comunicação da era digital.

Em tempos digitais, a comunicação ganhou uma dimensão extraordinária. Afinal, em nenhuma outra época tantas pessoas falaram tanto… para tanta gente! Em todo o mundo, vídeos curtos, lives, podcasts, memes e textos nas redes sociais e nos aplicativos de conversa “dão o recado” continuamente. São bilhões de mensagens e muitos terabytes trocados todos os dias.

Em meio a tamanha oferta e a tantas novidades, surgem, é claro, os “fiscais da língua”, que se encarregam de “apontar o dedo” para os falares e as escritas alheias com base no que identificam como “norma culta”. Mas, eles estão certos em “detonar” os supostos erros alheios? Ou estão manifestando preconceito linguístico?

Cristiane Marthendal de Oliveira (foto) é editora no time editorial Opet. Licenciada em Letras, Língua Portuguesa e Literatura pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), ela foi responsável, entre outras missões, pela roteirização e validação da série de mais de sessenta vídeos sobre os gêneros textuais disponível na plataforma educacional Opet INspira. Como profissional e como apaixonada pelas letras, ela acompanha com interesse os movimentos comunicacionais nas redes, das “lacrações” às discussões sérias sobre o assunto. O tema, aliás, é objeto de atenção da própria equipe editorial, gerenciada por Jardiel Loretto Filho.

Preconceito linguístico, norma culta e norma padrão

Uma de suas grandes preocupações é com o preconceito linguístico, que simplifica um universo expressivo muito rico, amplo e, principalmente, dinâmico. Um exemplo? A ideia de norma culta, usada como uma espécie de “talismã” por muitos críticos das comunicações alheias.

“O termo ‘norma culta’, em si, já traz um juízo de valor, já que ‘culta’ se refere à cultura, que não está ligada a somente uma das variantes da língua. Ao falar em ‘norma culta’, estamos pressupondo que as outras formas de se expressar sejam ‘incultas’ e, por isto, menos importantes”, observa Cristiane.

E é claro que elas não são, uma vez que expressam elementos culturais, históricos e locais. Um exemplo? Os falares regionais brasileiros, que acrescentam à língua palavras de origem indígena, africana ou, mesmo, de outras culturas (como a hebraica, grega, árabe, francesa, espanhola, alemã, japonesa…). Outro exemplo? Gírias e expressões de nicho nascidas justamente da dinâmica da cultura digital, que sintetizam e transmitem rapidamente ideias.

Desvendando o preconceito linguístico

Criticá-las, porém, é fácil, com base na ideia de que “eu me expresso certo e você, errado”. “O linguista Marcos Bagno, a maior autoridade brasileira no assunto, define o preconceito linguístico como todo juízo de valor negativo em relação às variedades linguísticas de menor prestígio social”, explica Cristiane.

“Assim, debochar ou constranger qualquer pessoa que use uma variedade linguística que não a norma padrão é exercer preconceito linguístico”, observa. O mais interessante, conclui, seria utilizar o termo “norma padrão”, que indica a variante linguística que é ensinada na escola e nos ambientes acadêmicos, ou seja, a variante linguística de maior prestígio social.

Uma questão estratégica

Mas, isso significa, então, que devemos abandonar a norma padrão e “aceitar” todos os falares? Não! A questão é muito mais de caráter estratégico, no sentido de aprender a norma padrão – que é a variante da língua associada à gramática normativa usada em situações de formalidade – mas, também, conviver com e respeitar outras variantes, sabendo quando e onde utilizá-las. Sabendo, inclusive, apreciá-las no que elas têm de rico e criativo.

“Aprendemos a norma padrão na escola para ampliar nossas possibilidades de comunicação e interação, para ter acesso ao conhecimento acadêmico e nos expressarmos em alguns ambientes”, observa Cristiane. “E não para menosprezar aqueles que não tiveram as mesmas oportunidades, ou que apresentam alguma dificuldade de aprendizagem, como a dislexia, por exemplo.”

Onde está o erro?

Assim, em se tratando de língua, em especial a da modalidade oral, não é adequado falar em “erro”. “Se a interação aconteceu, a língua cumpriu o seu papel”, pontua Cristiane. “Claro que é preciso observar o contexto em que as pessoas estão falando ou escrevendo. Existem situações em que uma variante é mais adequada do que outra. Assim, é importante saber adequar a linguagem ao contexto de comunicação, considerando o interlocutor e a função que língua exerce em determinados contextos de interação.”

A escola e o combate ao preconceito linguístico

Na escola, crianças e jovens aprendem a norma padrão e devem, também, reconhecer variantes linguísticas. E, principalmente, aprender a respeitar as diferenças para “navegar” nos diferentes oceanos da língua sem preconceito. Esse objetivo, aliás, está previsto nas habilidades preceituadas pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) de Língua Portuguesa.

“É importante que os professores de todos os componentes disciplinares conheçam e entendam essas questões, pois a escola deve ser o ambiente que ensina o respeito, que combate todo tipo de preconceito, inclusive o linguístico, em vez de validá-lo”, reforça Cristiane.

As variantes regionais e sociais, observa, estão presentes em diversos textos estudados na escola, desde grandes obras da literatura, como “Grande sertão: veredas”, de Guimarães Rosa, às tirinhas e HQs de personagens como Chico Bento, em letras de canções e muitos outros. “É preciso ensinar a respeitar o direito de todos os falantes se expressarem, independentemente da variante que usam”.

O trabalho da Editora Opet

Na Editora Opet, a produção dos materiais didáticos e das ferramentas educacionais digitais envolve um time de especialistas comprometidos com uma educação humana e cidadã – algo que pressupõe conhecimento e alteridade. Assim, em todos os produtos desenvolvidos para o sistema de ensino estão presentes reflexões para se combater toda forma de preconceito, inclusive o linguístico.

Na Plataforma Opet Inspira, por exemplo, há vários vídeos que tratam de temas como o uso da Linguagem formal e linguagem informal, gírias e estrangeirismos. E já está em produção um vídeo específico sobre o preconceito linguístico.

“Esse é um tema importante e, principalmente, necessário, muito mais em um país tão grande e tão conectado como o Brasil”, diz Cristiane. Assim, aguarde: em breve, teremos boas novidades!

Em busca de um ensino personalizado: recursos e formas de ensinar e aprender

Ensino personalizado… em sala de aula? Quando falamos em ensino personalizado, é comum que ele seja visto como algo inviável para a sala de aula. Faz sentido: afinal, como personalizar o ensino em um contexto em que várias pessoas estão aprendendo e interagindo juntas?
É importante ter em mente que, para que essa personalização aconteça – e ela é interessante, uma vez que se aproxima ainda mais do estudante –, é preciso adotar um mix de técnicas, métodos, práticas e ferramentas para transmitir o conhecimento.

Muitas pessoas, muitos aprendizados
Sabemos que cada estudante aprende de uma forma. Alguns possuem um estilo de aprendizagem mais visual, por exemplo. São pessoas que aprendem com maior facilidade quando usam mapas mentais e esquemas gráficos.


Por outro lado, há quem sintetize o conteúdo com maior facilidade quando ele é transmitido oralmente – são estudantes que usam mais a audição no processo. Aulas ao vivo ou por meio de vídeos e podcasts são excelentes para esse perfil.


Em ambos os casos, “colocar a mão na massa” é uma das formas mais efetivas de consolidar o conhecimento. Independentemente de o indivíduo aprender por meio de elementos visuais, da leitura ou da audição, estudos mostram que praticar e mesmo ensinar o que se acabou de aprender são bons métodos para aprender melhor qualquer coisa.
Praticar o que foi ensinado na teoria é tão importante que, nos últimos anos, temos visto as metodologias ativas cada vez mais presentes no ambiente escolar.


Estamos falando de métodos de ensino como o da sala de aula invertida, do STEAM e da aprendizagem baseada em projetos ou problemas, entre outros.
Mas, por mais que a eficácia da aprendizagem ativa seja unanimidade quando o assunto é retenção do conteúdo, ainda assim é necessário algum nível de personalização do ensino na hora de adotar e aplicar tais métodos.

Metodologias ativas e ensino personalizado
A sala de aula invertida, por exemplo, é uma prática que inverte a ordem pedagógica mais tradicional, em que o professor usa a sala de aula para a parte teórica e a etapa prática é desenvolvida pelo aluno em casa. Essa é uma excelente metodologia tanto para aqueles que aprendem melhor lendo e pesquisando quanto para aqueles que aprendem por meio de projetos.
Ao inverter a ordem da sala de aula, o professor propõe que a parte teórica seja aprendida em casa, para que, ao chegar na escola, o tempo das aulas seja utilizados para praticar e para a percepção dos trajetos de cada um para a resolução dos problemas.

A teoria também pode ser ativa: use isso a favor dos estudantes que aprendem melhor lendo e escrevendo
Nesse contexto, a própria teoria pode se tornar um processo ativo, se devidamente orientado pelo educador. Para aprender os conceitos fundamentais de um dado componente, o discente pode ser estimulado a pesquisá-los ativamente, em vez de receber o material pronto.


Imagine, por exemplo, pedir aos estudantes que pesquisem e produzam uma reportagem sobre os povos indígenas do Brasil na atualidade, por exemplo. Essas produções – em forma de texto, podcast ou videocast – serão compartilhadas e debatidas pelo grupo. Quais foram as fontes utilizadas?

Que perguntas foram feitas? Que pontos ficaram menos esclarecidos e por quê?
Para além das clássicas listas de exercícios utilizadas como parte da fixação do tema, o uso de perguntas também é a base de outras práticas. Uma técnica muito interessante nasce no próprio jornalismo: é a chamada “técnica das cinco perguntas”: “O quê? Quando? Onde? Como? Por quê? Quem?”.


Ao responder essas perguntas, os estudantes conseguem estabelecer rapidamente um recorte temático que facilita muito o aprendizado e que, com certeza, será importante em relação a aprendizados futuros.

Na etapa de “mão na massa”, não faltam práticas para personalizar as aulas
Veja as possibilidades para personalização do ensino por meio de metodologias ativas!


Debates: uma forma de aprender e adquirir habilidades
Na etapa de colocar a mão na massa, além dos projetos, o professor pode propor debates de ideias. Essa é uma excelente ideia para estimular o aprendizado ativo e trabalhar habilidades como raciocínio lógico, capacidade de improvisar, argumentar e ouvir, além da comunicação não violenta.


Ensino por competências: aprendizagem a partir dos pontos fortes do estudante
Por falar em habilidades, temos ainda o ensino por competências, uma metodologia de desenvolvimento e gestão vinda do ambiente corporativo que visa aprimorar as melhores habilidades de cada indivíduo.
Trata-se de um método muito ligado ao desenvolvimento do estudante para além da sala de aula. Afinal, a escola também prepara para a vida após a educação básica.


STEM: projetos, tecnologias e exatas a favor da personalização
Outro método de ensino que pode ajudar os jovens a aprender melhor, especialmente aqueles que possuem maior afinidade com as áreas de Tecnologias e Exatas, é o método STEM. A prática une os conhecimentos relacionados a Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática (que formam a sigla STEM em inglês) como base para o desenvolvimento de projetos.
É importante ressaltar, no entanto, que a aprendizagem baseada em projetos não precisa estar sempre ligada ao STEM. Aqui entra, mais uma vez, a importância da personalização no ensino.


Se os estudantes possuem mais afinidade com outros elementos tecnológicos, como o audiovisual, é uma boa ideia acrescentar o uso dessas ferramentas ao desenvolvimento desses trabalhos.

Interdisciplinaridade e integração de metodologias: o ponto-chave da personalização das aulas
Outra forma de personalizar as aulas tem a ver com a maneira de apresentar os temas das disciplinas. Como podemos ver, é natural que cada estudante tenha mais afinidade com determinado assunto.
No entanto, sabemos que, no mundo real, os saberes não são aplicados de forma separada. Um conjunto de conhecimentos se integra a outros e a outros conjuntos. Logo, os projetos e atividades estruturadas a partir de um conceito de interdisciplinaridade são algo fundamental.


E é justamente na interdisciplinaridade de saberes e na integração de todos esses métodos de ensino – e de vários outros que não mencionamos aqui – que reside a base da entrega de um conteúdo personalizado.

A diversidade de métodos e temas torna a personalização do ensino algo inerente ao dia a dia na escola
Perceba que é o intercâmbio entre os vários métodos que garante essa personalização de que estamos falando.


É comum pensarmos que, para fazer isso, é necessário criar um plano de ensino para cada estudante da sala – e sabemos que isso é inviável.
Porém, ao adotar diversas práticas para transmitir um mesmo assunto, automaticamente cada estudante vai aproveitar melhor uma dessas etapas, de acordo com o seu modo de aprender.


Pense que, no exemplo da sala de aula invertida citado acima, os discentes que aprendem melhor lendo, escrevendo e fazendo exercícios vão se beneficiar da etapa feita em casa. Ao chegar na escola, já estarão, portanto, mais preparados para colocar a mão na massa.


Por outro lado, aqueles que não têm um bom desempenho de aprendizagem quando o conteúdo é transmitido por meio da leitura ou mesmo elementos visuais podem ter uma clareza maior do que foi estudado quando o professor inicia um debate sobre o assunto.


Nesse caso, a troca de ideias entre os colegas pode ser o que faltava para o conhecimento se consolidar para esse indivíduo.


Personalizar o ensino, então, mais do que criar um plano individual, é o ato de criar um único plano que contemple diversos métodos e práticas em diferentes momentos para que todos da turma possam ter etapas da jornada de aprendizado que vão ao encontro de sua própria maneira de absorver o conhecimento.

Descubra as soluções da Opet INspira para a personalização do ensino
A plataforma educacional digital Opet INspira, da Editora Opet, oferece um arsenal de ferramentas para que os educadores desenvolvam um plano de ensino rico e personalizado. A seguir, estão alguns dos recursos para os educadores usarem nesse sentido.

• Acervo de conteúdos para aulas presenciais, remotas e híbridas.
• Objetos educacionais digitais que possibilitam a apresentação do conteúdo em diversos formatos, como vídeos, áudios, apresentações, quizzes, banco de imagens e histórias infantis.
• Ferramentas de acessibilidade para garantir um ensino ainda mais personalizado, dentre elas teclas de navegação, leitor de página, tamanho do texto e do cursor, espaçamento de texto e contraste.

Para que o professor consiga disponibilizar as aulas em diferentes formatos, a plataforma oferece ferramentas como:
• sequências didáticas;
• trilhas de aprendizagem;
• roteiros de estudos.

A Opet INspira é uma plataforma completa em recursos e tecnologias educacionais que está em constante atualização para garantir ao docente tudo o que ele precisa para a aplicação de um ensino personalizado e inclusivo em todas as etapas da educação básica.


Na plataforma, você encontra essas e várias outras ferramentas que serão suas grandes aliadas nesse processo. Então, que tal começar a usá-la no dia a dia escolar?

Presencial, virtual, plural: as formações pedagógicas da Editora Opet no pós-pandemia

A pandemia da Covid-19 provocou grandes transformações na educação. A principal foi a aceleração e a implantação do ensino remoto digital, que acompanhou professores e estudantes de todo o mundo – como modelo principal – por dois anos.

Foi um período de dúvidas e desafios que teve, entre tantos aprendizados, a conquista da aquisição de um novo e precioso campo de conhecimentos, circulação e troca de informações. 

É possível afirmar que hoje, no pós-pandemia, a comunidade escolar está muito mais conectada e preparada para transitar entre os universos analógico e virtual, integrando-os e colhendo bons resultados em relação ao processo de ensino-aprendizagem.

A Editora Opet viveu cada um desses momentos com seus parceiros e também precisou aprender. Trabalhou intensamente com sua própria equipe pedagógica, editorial e de tecnologia educacional. 

Logo no início da pandemia, fechou uma parceria histórica com o Google para o fornecimento das ferramentas digitais para a realização de aulas e lançou a plataforma educacional Opet INspira, uma das mais avançadas do mercado brasileiro, com milhares de objetos educacionais e recursos. E integrou os dois recursos.

E, assim, conseguiu manter e ampliar o trabalho com milhares de professores, estudantes, gestores e familiares em todo o país. Um trabalho que abrangeu as aulas e, também, os momentos de implantação, formação pedagógica e acompanhamento do trabalho.

Agora, a Editora está colhendo um fruto fantástico com os professores e gestores parceiros: a oportunidade de oferecer formações pedagógicas presenciais e virtuais, síncronas e assíncronas (ou seja, em tempo real ou não) de acordo com os interesses e as possibilidades de cada parceiro. 

“Como educadora e gestora pedagógica da Editora Opet, eu vejo que esse foi o grande aprendizado: a partir do trabalho digital, ampliamos a utilização de recursos pedagógicos digitais que complementam, facilitam e potencializam nossas mediações como educadores”, observa a gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto (foto).

Mas, existem diferenças de qualidade entre as formações presenciais e remotas? “Eu diria que não existe um modelo de formação ‘pior’ ou ‘melhor’. Elas, na verdade, se complementam, muito mais quando o foco é um só: o da formação continuada dos professores”, avalia Cliciane.

O modelo certo para cada parceiro

Pensando, por exemplo, nas dez competências estabelecidas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) – que, envolvem por exemplo, a Cultura Digital –, a gerente pedagógica da Editora Opet observa que, antes de serem trabalhadas com os alunos, elas devem fazer parte do olhar dos docentes, e isto é algo muito trabalhado nas formações pedagógicas, independentemente do formato.

“Em relação ao formato digital, a diferença está na forma de oferecer e de receber os recursos tecnológicos, digitais e midiáticos – neste caso, acontece uma apropriação diferente dos recursos”.

Na verdade, reflete, o ponto principal não reside no formato, mas nas demandas de cada parceiro público ou privado. “Nós temos municípios, por exemplo, que ainda estão em processo de digitalização, e precisamos respeitar isso”, observa.

“Temos parceiros que, por critérios de planejamento, preferiram retomar as formações presenciais. Para outros, as formações digitais, síncronas e assíncronas, são a melhor opção para a formação continuada. Nós respeitamos isso e oferecemos planejamentos adaptáveis a cada caso.” 

E há, é claro, soluções híbridas, em que momentos presenciais e digitais são estabelecidos a partir de um planejamento prévio – esta, aliás, é uma das tendências para a educação a partir de agora.

Mobilidade

Cliciane lembra que, em seu funcionamento e dinâmica, as escolas seguem as demais instituições da sociedade. Assim, seus protagonistas estão sujeitos às mesmas situações, muito mais na relação com as tecnologias recentes.

“Vivemos um momento de multitarefas, multialfabetizações e do desenvolvimento de múltiplas competências. E trazemos isso para as nossas formações, sejam elas digitais ou presenciais. Adotamos metodologias ativas e recursos de aprendizagem criativa para que os professores parceiros possam ter a formação mais significativa e mais prazerosa. Caminhamos juntos e aprendemos juntos. São muitas as possibilidades!”, finaliza.

As múltiplas inteligências e a educação

A mente humana é extraordinária! Essa condição pode ser percebida em um simples fato: pessoas diferentes possuem capacidades diferentes, talentos e habilidades “natas”. Há, por exemplo, quem seja um “talento natural” para a música, para o desenho, para a escrita ou para inventar coisas; há quem se saia fantasticamente bem contando histórias, interpretando, praticando esportes, dançando, planejando, vendendo…


Há muito tempo, essas diferenças chamam a atenção dos cientistas – psicólogos, pedagogos e neurocientistas –, que buscam desvendar os mecanismos e construções que fazem com que surjam essas habilidades. Um desses cientistas é Howard Gardner, psicólogo que formulou a teoria das Múltiplas Inteligências.


Gardner observou que a inteligência humana, em sua complexidade, não pode ser mensurada segundo um único critério ou medida, como acontece em um teste de QI ou outras aplicações que dão atenção apenas à inteligência linguística e lógico-matemática.


Isso porque existem, segundo ele, múltiplas inteligências. As pessoas podem, naturalmente, ter uma estrutura neural desenvolvida para uma dessas inteligências – como Mozart, que compôs sua primeira peça ainda criança -, mas também podem ser estimuladas a desenvolver outras inteligências.


E quais são elas? São oito: linguística, lógico-matemática, espacial, corporal-cinestésica, musical, interpessoal, intrapessoal e naturalista.
Outro fato interessante e importante é: apesar de existirem inteligências “naturais” – ou seja, aquelas em que as pessoas manifestam uma facilidade que se destaca –, também existe a possibilidade de se desenvolver as outras inteligências, o que contribui para a integralidade do ser. Valorizar e fortalecer o que já se tem e, ao mesmo tempo, desenvolver outros potenciais! E o que a escola tem a ver com esse desenvolvimento? Tudo! Entenda como cada inteligência se manifesta e afeta a vida dos estudantes!

 

Inteligência linguístico-verbal
Pessoas com inteligência linguístico-verbal são muito articuladas com palavras, tanto na escrita quanto na fala. Normalmente, são estudantes que escrevem boas histórias, possuem o hábito da leitura e memorizam informações com facilidade.


É importante frisar que, além da linguagem escrita e oral, esse tipo de inteligência também está relacionado à escrita gestual e corporal, entre outras.


Dentre as principais características dos indivíduos com a inteligência linguístico-verbal estão a capacidade de transmitir ideias, fazer discursos persuasivos, ensinar, convencer, negociar e motivar.
Possíveis escolhas de carreira
● Escritor/jornalista
● Advogado
● Professor
● Cineasta
● Vendedor
● Líder

 

Inteligência lógico-matemática
A inteligência lógico-matemática tem a ver com a capacidade de raciocinar, reconhecer padrões e analisar problemas logicamente. Como dominam números e atividades lógicas com facilidades, os estudantes com essa inteligência naturalmente desenvolvida conseguem realizar tarefas complexas como solucionar problemas matemáticos das áreas de informática, química ou física. Eles possuem facilidade para identificar projeções geométricas, conduzir experimentos científicos e resolver cálculos complexos.
Possíveis escolhas de carreira
● Cientista
● Matemático
● Programador de computadores
● Engenheiro
● Contador
● Economista
● Estatístico
● Analista

 

Inteligência visual-espacial
A inteligência visual-espacial tem a ver com uma percepção visual e espacial acima da média. Quando o estudante manifesta inteligência visual-espacial, seu senso de localização é apurado. Outra característica de pessoas com inteligência visual-espacial é a sua capacidade de interpretar e criar imagens visuais, bem como sua imaginação pictórica (facilidade para se expressar usando desenhos, pinturas e esculturas).
Algumas das habilidades desses indivíduos estão relacionadas a mapas, tabelas, gráficos, vídeos e fotos. Também são bons em montar quebra-cabeças e reconhecem padrões facilmente.
Possíveis escolhas de carreira
● Arquiteto
● Artista
● Engenheiro
● Estrategista

 

Inteligência corporal-cinestésica
A inteligência corporal-cinestésica é a capacidade de o indivíduo usar o próprio corpo para resolver problemas.
Quem possui esse tipo de inteligência se destaca quando o assunto é movimento corporal, equilíbrio, coordenação, controle físico e desenvolvimento de produtos manuais.
As principais características de uma pessoa com inteligência corporal-cinestésica é seu gosto e sua facilidade com dança, esportes, tarefas manuais e a preferência por aprender fazendo, em vez de vendo ou ouvindo.
Possíveis escolhas de carreira
● Dançarino
● Construtor
● Escultor
● Ator
● Artista circense
● Atleta
● Cirurgião
● Mecânico
● Mergulhador
● Bombeiro
● Motorista

 

Inteligência musical
Já as pessoas com a inteligência musical conseguem pensar em padrões, ritmos e sons. É um tipo de inteligência totalmente voltada para a capacidade de reconhecer notas musicais vindas de qualquer instrumento.
Dentre suas características, como já era de se esperar, está uma forte apreciação pela música. Além disso, tendem a ser bons compositores.
Por fim, quase sempre desenvolvem desde cedo o hábito de cantar e tocar instrumentos musicais.
Possíveis escolhas de carreira
● Músico
● Compositor
● Cantor
● Professor de música

 

Inteligência interpessoal
Aqueles que têm uma forte inteligência interpessoal são bons em entender e interagir com outras pessoas. Esses indivíduos são hábeis em avaliar as emoções, motivações, desejos e intenções daqueles ao seu redor.
A inteligência interpessoal é o desenvolvimento de empatia, ou seja, reconhecer e entender os sentimentos, desejos, as motivações e intenções de outras pessoas.


Percebemos essa inteligência em pessoas com sociabilidade, cooperação, capacidade de fazer amigos e comunicabilidade.
Pessoas assim tendem a trabalhar como terapeutas, professores, psicólogos, médicos, profissionais de RH, políticos, líderes religiosos, conselheiros, vendedores, gerentes, advogados, pedagogos e líderes, pois sabem ler nas entrelinhas o que os outros pensam e como se sentem no dia a dia.
Possíveis escolhas de carreira
● Psicólogo
● Filósofo
● Conselheiro
● Vendedor
● Político

 

Inteligência intrapessoal
A inteligência intrapessoal está relacionada com a compreensão do indivíduo a respeito dos seus próprios estados emocionais, sentimentos e motivações. Com forte tendência à autorreflexão e à análise, eles conseguem avaliar seus pontos fortes e fracos. Dificilmente têm problemas com autoestima e praticam a autoaceitação. Em resumo, são pessoas voltadas ao autoconhecimento.


Essas características as ajudam a entender suas limitações e focar em potencialidades. Por isso, além de ter bons relacionamentos, elas costumam lidar bem com quase todos os tipos de trabalho.
Possíveis escolhas de carreira
● Filósofo
● Escritor
● Teórico
● Cientista
● Psicólogo

Inteligência naturalista
Pessoas com inteligência naturalista possuem grande sintonia com a natureza.


Na escola, esses estudantes estão mais interessados em explorar o ambiente e aprender sobre outras espécies, por exemplo.
Dentre as principais características está o interesse em assuntos como botânica, biologia e zoologia. Além disso, categorizam e catalogam informações facilmente.


Por fim, o indivíduo com inteligência naturalista é, normalmente, aquele que gosta de camping, jardinagem, caminhadas ao ar livre e afins.Possíveis escolhas de carreira
● Biólogo
● Jardineiro/Paisagista
● Agricultor
● Veterinário
● Geólogo
● Engenheiro climático
● Meteorologista

 

Muitas habilidades
É importante lembrar que uma pessoa com grande tendência para uma área específica, como a inteligência musical, pode ainda desenvolver uma série de habilidades além dessa.


Por exemplo, um indivíduo pode ser forte em inteligência verbal, musical e naturalista. Porém, ele provavelmente vai se destacar um pouco mais na parte verbal.

 

E como a escola pode fortalecer essas inteligências?
Atividades para estimular a inteligência linguístico-verbal:
● contação de histórias;
● produção de textos;
● transformação de um gênero textual para outro, como adaptação de um conto de fadas para um roteiro de teatro.
Atividades para estimular a inteligência lógico-matemática:
● jogos de raciocínio e estratégia envolvendo enigmas;
● dama ou xadrez;
● dominó;
● sudoku;
● trabalhos com gráficos.

Atividades para estimular a inteligência espacial:
● brinquedos de desmontar e montar ou encaixar peças, como lego, origami e tétris;
● atividades relacionadas a desenho, como cópia a olho nu;
● uso de massinhas ou argila para esculpir e criar esculturas;
● trabalhos com mapas.

 

Atividades para estimular a inteligência musical:
● construção de brinquedos musicais usando madeira, panelas, copos, lápis e demais objetos que produzam ritmos e melodias;
● imitação de sons, como dos bichos.

 

Atividades para estimular a inteligência corporal-cinestésica:
● mímicas;
● esportes em geral;
● trabalho manual com cerâmica;
● grupo de dança;
● teatro.

 

Atividades para estimular a inteligência interpessoal:
● atividades em grupo;
● jogos como futebol.

 

Atividades para estimular a inteligência intrapessoal:
● explicar sobre as emoções;
● ajudar o estudante a entender os próprios sentimentos e a perceber suas reações;
● usar livros com personagens que possuem realidades semelhantes às da criança;
● desenhar expressões;
● criar um diário para escrever os próprios sentimentos.

 

Atividades para estimular a inteligência naturalista:
• caminhadas por florestas ou montanhas;
• realização de acampamentos;
• visitas a zoológicos, aquários, parques etc.

 

A Editora Opet e as múltiplas inteligências
Em seus objetos de aprendizado, os materiais didáticos e ferramentas educacionais, a Editora Opet auxilia os professores a desenvolver as múltiplas inteligências de seus alunos. A começar pelos materiais didáticos de apoio aos docentes, que os auxiliam no planejamento e desenvolvimento de aulas dinâmicas, com recursos para criar trilhas de aprendizagem, roteiros de estudos e sequências didáticas.
E a plataforma educacional Opet INspira disponibiliza milhares de objetos – de vídeos a histórias infantis, de simuladores a jogos educacionais, entre outros recursos – que estimulam e instigam todas as inteligências. Conheça!

Encontro com familiares reúne 400 pessoas em Vargeão (SC)

A parceria família-escola é um diferencial Opet. A partir dela, construímos uma educação humana, cidadã e transformadora em escolas de todo o país. E, nessa parceria, um momento é muito especial: o dos Encontros com Familiares (EFAM), que reúnem familiares, professores, gestores e a equipe pedagógica da Editora. Seu objetivo é dialogar aproximar ainda mais as pessoas da educação.

Esses encontros são, sempre, um grande sucesso! Como o que realizamos recentemente (16) em Vargeão, município do oeste catarinense que é parceiro de longa data da Editora Opet.

Lá, nada menos do que 400 pessoas participaram do EFAM, que teve como tema “Comunicação afetiva – regatando o diálogo em família”. O encontro aconteceu na sede da Sociedade Cultural e Recreativa Palmeiras, um dos principais pontos de encontro do município.

A apresentação foi conduzida com maestria pela professora Rubia Cristina da Costa, supervisora pedagógica da Editora, e teve a participação do prefeito Volmir Felipe, da secretária municipal de Educação, Carmen Raymundi, dos profissionais da educação municipal e de outras autoridades. 

“A participação das famílias foi incrível!”, sintetiza Rubia, que agradece o empenho de todos os envolvidos para acolher as famílias. “O local foi preparado com muito carinho com memórias da infância das famílias e com trabalhos realizados pelas crianças e adolescentes da creche, da pré-escola e das escolas municipais.”

Apoio à parceria família-escola: o prefeito Volmir Felipe, a secretária Carmem Raymundi e a supervisora Rubia Cristina.

Carinho e acolhida

A secretária municipal de Educação de Vargeão, professora Carmem Raymundi (foto), conta que o último EFAM presencial havia acontecido em 2019, antes, portanto, da pandemia e de seus efeitos sobre a comunidade escolar.

“Assim, pensamos neste encontro com muito cuidado. E foi emocionante acolher com carinho as famílias, com um chá quentinho, um lanche delicioso e com a apresentação cultural de pais que cantaram na abertura do encontro”, conta.

“A partir de uma pesquisa com as famílias, montamos um cenário representando as memórias de brincadeiras e brinquedos da infância dos pais. Além disso, trouxemos atividades desenvolvidas nas escolas por cada criança, que os pais puderam levar para casa no final do encontro.”

A secretária Carmem considera a aproximação família-escola essencial para a educação. “Ela demonstra que, juntos, devemos cuidar das crianças e adolescentes, educar e proteger com afetividade, dando prioridade ao desenvolvimento e à aprendizagem de todos.” E foi justamente esse o tema abordado pela professora Rubia Cristina da Costa em sua fala às famílias.  

“Essa reflexão contribui para as ações educativas do cotidiano familiar. A família e a escola têm especificidades em relação à educação, mas ambas precisam atuar em parceria. Os pais participaram expressivamente, demonstrando responsabilidade em nos ajudar no processo educativo”, avalia a secretária.

Fazendo um retrospecto dos últimos dois anos da educação, a secretária afirma que o desenvolvimento e a aprendizagem não foram afetados. “Nossos professores têm superado com maestria este pós-pandemia, com uma intensa atuação da equipe técnica – formada por psicóloga, assistente social, coordenadora pedagógica e gestores –, que dá suporte em todas as atividades. O que percebemos no geral, é que muitas habilidades de vida foram desenvolvidas – cuidar de si, do outro e do mundo”.

Segundo a secretária, a parceria com a Editora Opet dá segurança para um trabalho educacional diferenciado. “São anos de trabalho conjunto. E, cada vez, nos sentimos mais seguros diante das ações com as famílias.”

Educação: a importância da acessibilidade digital

Acessar a internet, clicar em aplicativos, ler e-books, assistir a vídeos e ouvir podcasts são ações corriqueiras em nossa época. A oferta de produtos é imensa, para todos os gostos. Em meio a esse “oceano digital”, porém, uma questão muitas vezes passa despercebida – uma questão, aliás, das mais importantes: e a acessibilidade desses produtos?

Segundo dados divulgados pelo IBGE em 2021, o Brasil possui algo como 8,4% de sua população com algum tipo de deficiência – são cerca de 17 milhões de pessoas, um número maior que o de habitantes da cidade de São Paulo, a mais populosa do país. São cidadãos que, é claro, têm o direito de acessar os bens do universo digital. Surge, então, uma outra questão: como fica a acessibilidade desses bens? E, no caso da escola, como proceder para oferecer ferramentas e objetos de aprendizagem digitais a alunos com deficiência?

O primeiro passo, por certo, é tomar consciência da questão. O segundo é encontrar caminhos para oferecer acessibilidade e cidadania plena aos estudantes deficientes.

A Editora Opet, como veremos à frente, possui uma das plataformas educacionais digitais mais acessíveis do país, a Opet INspira. Ela oferece recursos importantes que espelham, inclusive, a proposta Opet de educação humana e cidadã. É possível, contudo, ir além, tanto para aproveitar os recursos de acessibilidade da plataforma da melhor maneira quanto para avançar em termos de conhecimento e de cidadania. Vamos falar mais a respeito?

Acessibilidade digital
Antes de abordar o tema dos materiais acessíveis, é preciso entender do que trata a acessibilidade digital. Em termos diretos, acessibilidade digital é garantir acesso aos meios, produtos e serviços digitais disponíveis para as pessoas que não têm deficiência. Um acesso que abrange a internet, os elementos de hardware, os aplicativos e outras ferramentas digitais.
Estamos falando de obstáculos que podem ir de uma dificuldade mais simples – mas, ainda assim, uma dificuldade – até a total impossibilidade de acessar sites, conteúdos e aplicativos.
Para que isso não ocorra, é necessário aplicar um conjunto de recursos digitais capazes de tornar produtos digitais acessíveis, independentemente das deficiências ou limitações que o indivíduo possua.
Para que esse acesso seja garantido, faz-se necessário algum nível de adaptação desse local ou o uso de recursos, por parte do indivíduo com deficiência, que acessibilizem o acesso.

Nos ambientes físicos, a acessibilidade ocorre por meio de rampas, elevadores, banheiros adaptados e portas mais largas, cujas medidas são estabelecidas por normas da ABNT. Tudo isso é inserido nos espaços a fim de facilitar o acesso de pessoas com diferentes deficiências.
Da mesma forma que o espaço físico, o ambiente digital também precisa de recursos que viabilizem o acesso de pessoas com deficiência ou transtornos nos espaços online.
É aqui que entram os recursos de tecnologia assistiva.

Tecnologia assistiva: o que é
“Tecnologia Assistiva é uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação de pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social” (ATA VII – Comitê de Ajudas Técnicas – CAT, que reúne representantes do governo e da sociedade civil em prol da inclusão).


Tipos de recursos de tecnologia assistiva
As tecnologias assistivas podem ser usadas em diversos casos para ajudar na execução de vários tipos de tarefas. Em se tratando de materiais digitalmente acessíveis, elas servem para garantir o acesso em diversos formatos de mídias em um mesmo material.
Perceba que falamos “acessar o conteúdo”. Acessar o conteúdo do texto é diferente de lê-lo; acessar o conteúdo de um vídeo não é a mesma coisa que assisti-lo.
Isso porque, ao estruturar os materiais digitais de forma acessível, o consumo deles pode acontecer de diversas maneiras.
Graças a recursos de tecnologia assistiva, um único material, desde que desenvolvido a partir das diretrizes adequadas, é adaptável a qualquer pessoa.
Basta a pessoa escolher o recurso digital de acessibilidade indicado para a sua limitação que ela consegue consumir o material.
Veja alguns dos principais tipos de tecnologias assistivas e suas funções.
Alto contraste entre tela e texto
Facilita a navegação de pessoas com baixa visão.

Softwares de diminuição de contraste
Já crianças e adolescentes com autismo costumam apresentar muita sensibilidade a estímulos visuais e auditivos. É preciso reduzir o ruído e a claridade do ambiente e dos computadores. Trocar a cor do plano de fundo do computador para tons pastéis também ajuda na diminuição dos estímulos.

Textos ampliados
Softwares conhecidos como ampliadores de imagens ou lupas eletrônicas que ampliam textos e imagens para pessoas com baixa visão.

Softwares de tradução
Transformam conteúdo falado ou digitado em língua de sinais em tempo real.

Leitores de tela
Softwares que transformam textos escritos na tela em fala. Por meio deles, a pessoa cega consegue digitar textos, ouvir livros, navegar na Internet e afins.
Pessoas com limitações motoras também se beneficiam dessa ferramenta, já que navegam na web a partir do movimento da boca, dos olhos ou por meio de comandos de voz.

Comunicação alternativa
Ocorre por meio de vocalizadores, pranchas e cartões de comunicação. É utilizada por pessoas sem fala/escrita funcionais e com defasagem entre a necessidade comunicativa e fala/escrita. Para garantir a acessibilidade digital, é preciso estruturar os materiais de modo que essas ferramentas funcionem neles adequadamente.

Audiobooks, fontes não serifadas e elementos visuais
Fontes não serifadas facilitam a decodificação, e elementos visuais nos textos são recursos indicados para estudantes com dislexia.
Esse transtorno prejudica as habilidades de leitura e escrita, por exemplo, a capacidade de sequenciar as letras na hora de formar as palavras e de associar palavras e sons.
Mas elas possuem boas habilidades orais, dentre outras. Então, esses recursos facilitam o ensino.


Como aplicar as tecnologias assistivas no ensino e desenvolver materiais acessíveis
A necessidade de desenvolver materiais digitais acessíveis é importante em todas as esferas do digital, mas é ainda mais crítica no contexto educacional.
Afinal, é papel dos educadores garantir que todas as crianças possam aprender e tenham a oportunidade de atingir seu pleno potencial acadêmico.
Para isso, as instituições de ensino devem entregar aos estudantes um grau de inclusão digital que vá ao encontro de suas necessidades.
Uma das formas de garantir que crianças e adolescentes com deficiências tenham de fato oportunidades de desenvolvimento é justamente o desenvolvimento desses materiais digitalmente acessíveis.
Veja como!


Planejamento de documentos acessíveis
Um documento é considerado acessível quando os recursos de tecnologia assistiva citados acima conseguem “ler” suas informações e transformá-las em áudios, imagens ou legendas.
Como estruturar materiais digitalmente acessíveis:
Vídeos acessíveis precisam ter recursos para pessoas com deficiência auditiva e visual
Isso porque crianças e adolescentes com deficiência auditiva não entenderão – em parte ou totalmente – o áudio de vídeos sem legendas. As transcrições também ajudam os jovens com dificuldades visuais a reter melhor o conteúdo.


Veja as ferramentas de tecnologia assistiva que podem ser usadas.
● Legendas: transcrevem (ou traduzem) a caixa de diálogo.
● Legendas ocultas: descrevem indicações de áudio – música ou efeitos sonoros – que ocorrem fora da tela.
● Descrição do vídeo: narra os principais elementos visuais do vídeo.

Inclua descrições das imagens
Ao fazer isso, estudantes com limitações visuais podem usar programas de leitura de tela para ler o material digital.
Trata-se de uma tecnologia capaz de converter texto em discurso sintetizado. Dessa forma, o usuário escuta em vez de visualizar.
Mas isso só funciona se o educador adicionar texto alternativo descrevendo-as.
Basta inserir uma descrição sucinta, clara e imparcial das imagens, fotos, gráficos, organogramas, ilustrações por meio da ferramenta ALT.


Estruture o texto em ordem lógica
Para facilitar a leitura de documentos pelos leitores de tela, ferramentas utilizadas por pessoas que não visualizam a tela, faça o seguinte:
● coloque os títulos em uma ordem lógica, utilizando as ferramentas de formação;
● insira poucos parágrafos – pequenos – a cada título;
● utilize listas ordenadas;
● use marcadores;
● insira cabeçalhos, pois os leitores de tela usam as informações deles para identificar linhas e colunas.

Estruture os textos de maneira lógica e acessível visualmente
A estrutura e a disposição das informações do texto impactam a compreensão de pessoas com deficiência visual, que dependem de leitores de tela, ou com deficiência intelectual.
Por isso, existem algumas práticas de formatação que podem facilitar esse processo. Além disso, a estrutura adequada também garante que os leitores de telas informem o conteúdo das tabelas corretamente.
Então, é importante evitar os seguintes formatos:
● linhas e colunas em branco;
● tabelas aninhadas;
● células mescladas e divididas.

Tamanho e estilo da fonte
Fontes serifadas dificultam a leitura de pessoas com diferentes tipos de comprometimento visual e dislexia.
Em programas como o Word existe, inclusive, a possibilidade de se baixar uma fonte criada exclusivamente para estudantes com dislexia, a Open-Dyslexic. A fonte é aberta, e o download é gratuito.
Então, lembre-se: é melhor optar por fontes maiores, não serifadas e, se possível, manter um espaço maior entre frases e parágrafos.

Use contrastes para melhorar a visibilidade
Escolher as cores mais contrastantes nas páginas de textos, imagens, ícones e fundos é essencial para garantir que todos com algum nível de comprometimento da visão, como pessoas com daltonismo, consigam perceber todo o material.
Crianças com TDAH também são beneficiadas com uma estrutura dessa forma.

Use as ferramentas certas
Há uma série de ferramentas digitais para criar conteúdo acessível, desde ferramentas online gratuitas, como Skype e Google Classroom, até plataformas de objetos educacionais, como a Opet INspira da Editora Opet.
A solução educacional da Editora conta com recursos de tecnologia assistiva que ajudam no desenvolvimento de materiais digitais acessíveis.
Na plataforma educacional Opet INspira, o educador encontra, por exemplo, um Menu de Acessibilidade que permite a seleção de várias funções personalizadas, como:
● teclas de navegação;
● leitor de página;
● tamanho do texto e do cursor;
● espaçamento de texto;
● controle de contraste;
● etc.
Com os recursos da plataforma, o professor cria trilhas de aprendizagem e roteiros de estudos totalmente adaptados às necessidades de estudantes com deficiências ou transtornos diversos.
Para acessar a plataforma, é preciso que a escola seja conveniada, sendo necessário ter usuário (login) e senha individual. Ou seja, se você ainda não é parceiro e quer conhecer, entre em contato conosco!

Tintim por tintim! Tutoriais facilitam e ampliam a navegação na plataforma educacional Opet INspira

Tutoriais tiram dúvidas e ampliam as possibilidades de uso dos recursos da plataforma educacional Opet INspira.

Um dos grandes desafios da tecnologia reside em uma palavra: usabilidade. Ao criar uma solução, os desenvolvedores devem pensar em como pensa o usuário. E, é claro, buscar todos os recursos para que o uso seja o mais fácil, democrático e amigável possível. Do tipo “ligou, funcionou”.

Os desenvolvedores da plataforma educacional Opet INspira, da Editora Opet, assumiram o princípio da usabilidade como fundamental. Tanto que, hoje, ela é uma das mais acessíveis do país, atendendo milhares de estudantes, professores, gestores e famílias. Lá, os usuários encontram milhares de objetos educacionais – de roteiros de aprendizado a vídeos, jogos, quizzes, livros e muito mais –, além de ferramentas que permitem o compartilhamento e a realização de aulas em modo remoto.

“A Opet INspira é uma tecnologia educacional desenvolvida uma equipe composta por profissionais de tecnologia, desenvolvimento, educação e designers”, conta Cristina Pereira Chagas, coordenadora de Projetos em Tecnologias Educacionais da Editora Opet. “As telas, ferramentas e recursos da Opet INspira são embasadas nos conceitos do que chamamos de chamamos de UX Desing, UI Design e UX Writing, ou seja, em estudos acerca da experiência do usuário, de interface do usuário e da escrita de textos específicos para plataformas educacionais. Por essa razão, ela é uma das mais fáceis de acessar e de utilizar.”

Cristina Pereira Chagas: “Além de conhecer essas ferramentas, ao acessar os tutoriais, os usuários vão descobrir como ir mais longe na utilização”.

Usar e ir além – Tudo muito tranquilo, a um clique de distância. Mas, e quando surge aquela dúvida sobre como utilizar um dos recursos? E como saber se eu estou aproveitando todos o potencial de um recurso da plataforma?

Pensando nisso, as equipes de Tecnologias Educacionais (TE) e do Editorial da Editora Opet desenvolveram uma série de tutoriais para esclarecer as dúvidas e expandir as possibilidades de navegação e utilização das ferramentas, recursos e objetos educacionais Opet INspira. Eles podem ser acessados já na tela inicial da plataforma, ou seja, mesmo antes do login. E, depois que o usuário já entrou, podem ser encontrados rapidamente no menu.

Os tutoriais, explica Cristina, são divididos em categorias e disponibilizados na plataforma segundo o perfil do usuário (estudante/família, docente e gestor). “Docentes e gestores acessam todos os tutoriais. Já os estudantes e responsáveis acessam os tutoriais específicos para as suas necessidades de acesso às ferramentas, recursos e objetos da Opet INspira”.

A primeira categoria é a de “Navegação”, e foca no acesso e no uso da própria plataforma. “A ideia, aqui, é oferecer todas as informações para que a experiência com a plataforma seja completa. São os primeiros passos. Assim, recomendamos a todos os usuários que vejam os vídeos e leiam os documentos em pdf”, recomenda Cristina.

As outras categorias focalizam as ferramentas Opet INspira, mais exatamente as “Trilhas e Roteiros” e os “Quizzes”, que são recursos fantásticos para o desenvolvimento dos estudos. Elas estão disponíveis para o perfil dos professores e gestores. “Além de conhecer essas ferramentas, ao acessar os tutoriais, os usuários vão descobrir como ir mais longe na utilização. E a nossa ideia foi exatamente esta: fazer com que os usuários se apropriem da plataforma.”

Ao acessar os tutoriais, os usuários perceberão que eles têm a mesma qualidade dos demais elementos da plataforma. E isso porque foram construídos com o mesmo cuidado, com o mesmo zelo, e pelos mesmos profissionais. “Os tutoriais seguem os mesmos fluxos de trabalho de todos os objetos e recursos da plataforma. Eles são uma criação coletiva que conta com profissionais de audiovisual, design, iconografia, revisão ANL e especialistas em educação, entre outros”, observa Cristina.

“Essa inteligência coletiva, garante que os Tutoriais da Opet INspira, tenham a mesma qualidade que os vídeos e os livros didáticos das coleções. Vale a pena acessar, aprender, navegar e se INspirar!”. E não é? Então, acesse agora!

Olho no olho! A primeira formação presencial em Cotia (SP)

Formação presencial em Cotia (SP) reuniu 1.800 professores.

A quinta e sexta-feira (5 e 6) foram muito especiais para a parceria entre a Editora Opet e o município paulista de Cotia. Foi quando aconteceu o Encontro de Educadores, evento da secretaria municipal de Educação especialmente programado para o trabalho dos professores com os formadores pedagógicos da Editora. O foco: os materiais do selo Sefe, utilizados por toda a rede municipal. Em 2022, a parceria entrou em seu terceiro ano.

Ao todo, participam nada menos do que 1.800 professores, além de uma equipe de trinta assessores pedagógicos Opet e duzentos profissionais de apoio. A parceria com Cotia contempla a Educação Infantil, os Anos Iniciais e Finais do Ensino Fundamental.

Equipe da da Editora com o secretário municipal de Educação de Cotia, Luciano Corrêa.

“Somos parceiros desde 2020 e esta é a primeira vez que nossos formadores se encontram presencialmente com os professores. Olho no olho, sem a mediação das telas e dos recursos digitais que foi tão necessária durante a pandemia”, conta Cliciane Éllen Augusto, gerente pedagógica da Editora. Ela esteve em Cotia para acompanhar as formações e conversar com os gestores.

Cliciane explica que o Encontro de Educadores foi especialmente concebido para o trabalho com os materiais da Editora. “A primeira edição foi realizada no ano passado, em modo remoto, e teve uma grande participação dos professores. Eles se engajaram muito! Agora, na segunda edição, demos continuidade ao trabalho, com o mesmo espírito de aproximação. E é uma aproximação de possibilidades, de saberes e dessas trocas tão ricas que nascem do discutir e do refletir com os professores.”

O secretário municipal de Educação de Cotia, Luciano Corrêa, exalta a qualidade do trabalho realizado pelos formadores da Editora Opet.

“Só tenho a agradecer a todos os colaboradores da Editora Opet. O encontro foi um sucesso!”, avalia. “Estou realmente muito feliz pelos resultados. Vários participantes comentaram comigo sobre a importância desse encontro, que foi um marco. E isso é fruto de parceria, de compromisso. Muito obrigado!”

Equipe da Editora com participantes do 2º Encontro de Educadores de Cotia. Evento foi um grande sucesso.

Opet INspira: série especial de vídeos desvenda os gêneros textuais

Poema, e-mail, paródia, rótulo, fábula, notícia, acróstico… os gêneros textuais são assim: incríveis! Por um lado, eles estão ali o tempo todo, nas muitas comunicações do dia a dia. E transitam conosco em nossas andanças pelo mundo, abrindo caminhos e estabelecendo o diálogo; por outro lado, quando viram tema de avaliação, geram aquele “friozinho na barriga”. Afinal, o que são gêneros textuais? Como reconhecer cada um deles? Como usá-los corretamente? Como, enfim, não se confundir? Socorro!

Para ajudar a solucionar esse “mistério” – e, de quebra, ampliar os horizontes dos estudantes sobre a riqueza e a beleza dos gêneros textuais –, a Editora Opet produziu uma série de vídeos muito especial a respeito. Eles estão na plataforma educacional Opet INspira e podem ser acessados por todos os professores, estudantes e gestores parceiros.

Cristiane Marthendal de Oliveira, editora responsável, junto com um time de profissionais, pelos vídeos da série de gêneros textuais.

Trabalho de equipe – Uma das principais responsáveis pelo desenvolvimento do projeto é a editora Cristiane Marthendal de Oliveira, que elabora todos os roteiros e valida os vídeos. O trabalho também tem a participação chave de outros colaboradores da própria equipe editorial – como na produção audiovisual, na revisão de língua e na inscrição na plataforma Opet INspira –, da coordenação pedagógica e também de um parceiro externo, uma produtora que grava parte dos vídeos. A curadoria de todo o material, porém, fica a cargo da própria Cristiane.

“Cada produção abrange aproximadamente 12 etapas e envolve funções como as de editor de conteúdo, coordenador pedagógico, revisor, iconógrafo, locutor de áudio, editor de vídeo, designer e analista de tecnologia”, explica Cristiane. “São diversos processos que podem variar dependendo do formato que adotamos para o vídeo.”  Tudo em nome da qualidade e do melhor resultado: aproximar os estudantes dos gêneros textuais, afugentando as dúvidas e facilitando a aprendizagem!

E qual é a proposta dos vídeos?

“A ideia”, conta Cristiane, “foi compor uma série com as definições dos principais gêneros textuais. Como um dicionário em formato de vídeo, com as informações apresentadas de forma dinâmica e lúdica para os estudantes e professores”.

Os vídeos seguem uma estrutura semelhante, que traz a definição do gênero, sua estrutura e a linguagem usada, o domínio discursivo ou campo de atuação, assim como os espaços de circulação e a origem. Ou seja: está tudo lá, no lugar certo, para quem quer aprender ou esclarecer dúvidas.

Mas, em um universo que contempla mais de 600 gêneros textuais – e que, em especial, por conta da tecnologia, está em franca expansão –, quais foram os escolhidos? “A princípio, mapeamos e produzimos os vídeos considerando os gêneros contemplados nas coleções da Editora e que também estão previstos na Base Nacional Comum Curricular, a BNCC. Assim, já temos quase 50 gêneros contemplados para a etapa dos Anos Iniciais e 15 gêneros para os Anos Finais”. E a série continua crescendo!

O gerente editorial da Editora Opet, Jardiel Loretto, destaca as conexões entre os vídeos e os materiais didáticos. Como o processo de produção é integrado, os resultados se comunicam bem. “Essa é uma regra do nosso trabalho na Editora. Os materiais e os objetos de aprendizagem digitais devem conversar, até mesmo para facilitar o planejamento e a utilização pelos professores.” Isso é possível graças à curadoria feita pela própria equipe editorial, bem como pelo grande conhecimento dos colaboradores em relação aos materiais didáticos.

Para acessar os vídeos sobre os gêneros textuais – e descobrir, por exemplo, por que o texto que você está lendo é classificado como “notícia” – basta acessar a plataforma educacional Opet INspira, clicar em “Vídeos” è “Língua Portuguesa” e, na caixa de pesquisa, colocar “gêneros textuais”. Pode chegar!