Fogueira Virtual, animação real: uma jornada pelas festas juninas virtuais dos parceiros Opet

Para a escolas, as festas juninas são um momento de integração da comunidade e de promoção da cultura brasileira. Neste ano, por conta da pandemia e do distanciamento social, os gestores tiveram um desafio enorme: sem “deixar a peteca cair”, realizar as festas no ambiente virtual, engajando e animando as famílias.

Francisco Glaylson Rodrigues, supervisor regional da Editora Opet para o Ceará, é apaixonado pelas festas juninas. O mês de junho é o nosso mês mais alegre e colorido. É uma verdadeira celebração! O dia de São João, por exemplo, é como se fosse nosso Natal”, vibra. Apesar de tudo, em 2020 as festas aconteceram – adaptadas às novas circunstâncias, mas cheias de energia. “Não perdemos a alegria. Os gestores e as famílias criaram lives, videoconferências e festas online. Com direito a bolo de milho, pamonha, dança e confraternização em família.”

Em Fortaleza, a Escola Municipal Dois de Dezembro foi uma dentre muitas escolas que realizaram sua festa online. Sua coordenadora, professora Orlenilda de Souza, fala sobre a importância dessas festas. “Elas representam a cultura nordestina em seus diferentes aspectos: a comida, os trajes, a música, a dança, as parlendas, as brincadeiras”, explica. E aí reside sua importância em termos de educação. “Como toda essa tradição já faz parte do cotidiano da nossa gente nas diversas esferas, inclusive familiar, trabalhar as festas juninas torna os conteúdos curriculares mais significativos. Conhecer e valorizar o conhecimento de mundo do educando torna o processo de ensino e aprendizagem mais significativo.”

Normalmente, conta Orlenilda, as festas juninas são trabalhadas a partir de um projeto multidisciplinar que envolve toda a comunidade escolar em junho, culminando com um festival com quadrilhas e forró, barracas com comidas e bebidas típicas, além de muitas brincadeiras. “O papel das famílias é fundamental”, reforça.

Neste ano, esse projeto foi transposto para o ambiente virtual. “Todos participaram: alunos, professores e grupo gestor. E a culminância – o ‘forró virtual’ – foi construída a partir dos vídeos e fotos que os professores e os estudantes enviaram.”

Orlenilda ficou satisfeita. “Os desafios que esse momento nos trouxe fez com que agregássemos novas formas de pensar no processo ensino-aprendizagem. Esses conhecimentos, aliás, serão somados à nossa forma de ensino pós-pandemia.”

Crianças da Escola Municipal 02 de dezembro, de Fortaleza, mostram suas “artes juninas” nas redes sociais. Festas são forma de mergulhar na cultura brasileira.

Angicos – O Plenitude Complexo Educacional, escola particular de Angicos (RN), também não deixou passar as festas juninas em branco, como conta a diretora Rosicleide Sebastiana de Melo. O fio condutor foi um poema escrito por um estudante do sétimo ano do Ensino Fundamental, que relembrou os festejos de anos anteriores. O poema foi recitado e gravado pelos docentes. Além disso, durante as aulas virtuais, estudantes e professores trabalharam juntos a cultura nordestina associada à época.

Como substituir esse momento sem perder o encanto?”, pergunta Rosicleide.  Segundo ela, a solução foi produzir e distribuir vídeos. “O auxílio da plataforma Gsuite e da ferramenta Google Meet, da Editora Opet, assim como dos familiares em casa, foram determinantes para o nosso ‘Arraiá Virtuá’”, conta. “Cada família caprichou na caracterização das crianças com as fantasias, cenários e preparação das comidas típicas. E os professores trabalharam para empolgar os alunos, organizando brincadeiras e as tradicionais quadrilhas juninas. Cada um na sua casa, mas com muito empenho e amor!”.

Em Angicos, as famílias levaram o “Arraiá” para dentro das casas e compartilharam no meio digital.

Afogados da Ingazeira – A professora Cláudia Barros é mantenedora do Colégio Dom Hélder Câmara, tradicional instituição de ensino de Afogados da Ingazeira (PE). Segundo ela, o engajamento dos gestores, professores, estudantes e famílias foi fundamental para o sucesso da festa de 2020, que teve brincadeiras, danças, jogos e muita comida. Em cada casa, uma festa – conectada às outras festas pela via digital.

“As festas juninas são um marco de preservação da nossa cultura”, explica Cláudia. Para “esquentar o clima” e matar saudades, o colégio produziu um vídeo com os melhores momentos da festa de 2019. E a festa deste ano também rendeu um belo vídeo, o que prova a animação, mesmo em tempos de distanciamento social.

“Arraiá Virtual” do Colégio Opet teve música, culinária, quadrilha, música, dança, brincadeiras e bingo!

Mosaico com momentos do “Arraiá Virtual” do Colégio Opet. Planejada com muito cuidado, a festa virtual foi um grande sucesso!Em Curitiba, o Colégio Opet planejou com muito carinho sua festa junina virtual deste ano, o “Arraiá Virtual”, realizada no último dia 27. Ela foi pensada para oferecer à comunidade escolar uma experiência que, neste momento tão peculiar, traduzisse a alegria e os saberes de uma celebração muito rica e querida pelas pessoas.

A diretora pedagógica do Colégio, professora Caren Helpa, explica que a festa virtual foi pensada em três momentos: primeiro, foi feita uma live com os estudantes e suas famílias sobre a preparação dos enfeites e adornos juninos; a seguir, foi feita a entrega, em um drive-thru às famílias, de “kits juninos”, com doces, materiais para a confecção de um jogo de “pescaria” e uma cartela do bingo virtual; por fim, a coroação com a festa virtual, que aconteceu no ambiente digital, com atrações transmitidas (com todos os cuidados sanitários) diretamente do Colégio Opet.

“Com o ‘Arraiá Virtual’, tivemos como grande objetivo oferecer às famílias um momento cultural em contato com a arte, a dança, a culinária e a cultura juninas. Mas, principalmente, quisemos oferecer um momento de alegria na casa das pessoas”, conta Caren. O trabalho começou quarenta dias antes da festa. Nesse período, os professores se reuniram virtualmente para discutir como seria a festa e como seriam inseridos os elementos juninos trabalhados nas aulas remotas pelos professores com os estudantes. “Nessas reuniões semanais, fomos desenhando a festa e elaborando os roteiros até chegar à versão final, do sábado, dia 27”, explica a diretora.

Caren destaca o trabalho dos professores de Educação Física e Música e das professoras regentes, que ao longo do período, fizeram pesquisas, lives, videoaulas e leituras com suas turmas. “Enquanto, em uma instância, uma equipe planejava a festa junina para a comunidade, nessa instância os professores trabalharam os conteúdos com muito cuidado”, explica.

Ferramentas digitais – A realização dos encontros preparatórios e da própria festa virtual foi possível, também, graças ao suporte da Editora Opet, que forneceu e-mails “@souopet” para os estudantes e “@opeteducation” para os professores.

A partir do cadastro desses e-mails, dentro da ferramenta Google Meet, foi possível realizar os encontros virtuais e a própria festa. “É uma ferramenta importante porque fornece recursos que garantem segurança e grande interação no período de distanciamento”, observa a gerente pedagógica da Editora, Cliciane Élen Augusto. “Os encontros no Google Meet permitem reunir, por exemplo, até 250 pessoas simultaneamente, e oferecem a interação com vídeos, áudios e chat. Uma grande interação, enfim, necessária à educação e, é claro, a uma boa festa virtual.”

A festa – No dia 27, o “Arraiá Virtual” foi aberto oficialmente de dentro do Colégio Opet, pelo professor atelierista Guga Cidral. Acompanhado do professor de Educação Física Rafael Racciope e de dois músicos, ele explicou o porquê da festa em todos os seus elementos, da religiosidade às comidas, trajes, música e danças. Ao mesmo tempo, remotamente, os professores colaboraram com informações e atividades relacionadas à comemoração. E, é claro, aconteceu o famoso bingo, uma tradição junina do Colégio Opet.

As famílias, conta Caren, se engajaram fortemente. “Essa participação foi uma grande alegria. Antes da festa, fizemos uma live com dicas sobre a produção de bandeirinhas e adereços juninos. E, nas transmissões, vimos as casas decoradas e as pessoas com os trajes típicos. Foi uma emoção singular”, comemora. “Recebemos muitas mensagens de agradecimento pelo momento de alegria, leveza e interação que o Colégio proporcionou.”

As Sequências Didáticas da Editora Opet

Cientes da responsabilidade de oferecer uma educação que aproxima e emancipa, ainda no início do período de distanciamento social desenvolvemos materiais para orientar e inspirar professores no planejamento de suas aulas remotas. As Sequências Didáticas da Editora Opet foram elaboradas por nossa equipe de especialistas, associando-as também aos materiais didáticos e explorando recursos alternativos para que os educadores pudessem manter a qualidade das suas aulas, mesmo remotamente.

O objetivo deste artigo é fazer uma breve apresentação desse material, que está disponível em PDF para consulta ou download aqui mesmo, no nosso site. São sequências que abrangem desde a Educação Infantil até o Ensino Médio, com conteúdos, sugestões de atividades, reflexões e orientações de planejamento e uso das ferramentas digitais.

Educação Infantil

O material da Educação Infantil está divido pelas faixas etárias de 01 a 03, 04 e 05 anos. As orientações e enunciados contam com a ajuda de um mediador (um familiar da criança), que auxilia na condução das atividades.

As primeiras propostas, tanto para crianças de um a 03 anos quanto para as de 04 e 05 anos, abordam o tema do coronavírus, sugerindo uma conversa inicial sobre a doença e conscientizando-as sobre a importância dos hábitos de higiene e também para novas posturas sociais.

Ensino Fundamental

Considerando que os estudantes do 1º a 9º ano (Anos Iniciais e Anos Finais) do Ensino Fundamental têm maior autonomia para acompanhar as atividades virtuais, os enunciados já trazem orientações direcionadas ao seu entendimento. As sequências foram desenvolvidas para cada ano dos Anos Iniciais e, de modo interdisciplinar, para os Anos Finais, além de atividades para os componentes de Arte e Educação Física.

Ensino Médio

Em função do calendário de provas e exames para o ingresso no Ensino Superior, os estudantes do Ensino Médio se mostraram aflitos em relação à suspensão das aulas presenciais. Sabendo disso, utilizamos, nesse material, uma linguagem mais instigante, convidando-os a refletirem criticamente sobre todo o contexto atual, a relação da nossa realidade com os acontecimentos históricos e a importância da ciência para evolução do indivíduo e da sociedade, entre outras questões. Aqui, o conteúdo de Arte também está separado, trazendo uma abordagem mais cultural e expressiva, extremamente importante para que possamos atravessar momentos como este.

As sugestões de atividades também incluem a família e também trazem os amigos para a roda, uma vez que os adolescentes valorizam bastante a interação com seu ciclo social, o que influencia diretamente no seu desenvolvimento intelectual.

Todo o conteúdo das sequências didáticas está em consonância com as Diretrizes Básicas da Educação e foi desenvolvido por uma equipe pedagógica que trabalha diariamente com soluções educacionais. É um material preparado com propriedade, carinho e dedicação para educadores, familiares e estudantes, que, assim como nós, estão se reinventando a cada dia para superar as dificuldades deste contexto.

Vale observar que as sequências trazem orientações para os gestores, professores e mediadores (familiares dos estudantes). São as chamadas “Cartas de Orientação”, que abrangem todas as etapas, da Educação Infantil ao Ensino Médio.

Nosso objetivo é valorizar e expandir o conhecimento, consolidando uma educação que aproxima, mesmo no isolamento.

 

Tecnologia, engajamento e aprendizado: o caso do TikTok

A sociedade está vivendo um momento desafiador devido à pandemia. Os educadores têm se dedicado diariamente para que os estudantes recebam, ainda que à distância, as explicações, atividades e avaliações dos conteúdos escolares. Nesse processo, a preocupação com o rendimento, o engajamento dos estudantes e a qualidade do ensino nas aulas online é constante. Nessa busca por novos recursos didáticos para qualificar e aproximar as relações ensino-aprendizagem, os educadores chegaram à maior febre da internet no momento, em especial entre os jovens: a rede social TikTok.
Reinventar-se e explorar novas ferramentas permite que o professor estabeleça uma comunicação assertiva e eficaz com os estudantes. Utilizar as redes sociais, tão constantes e importantes no dia a dia dos adolescentes, pode trazer resultados não só em relação ao domínio dos conteúdos ensinados, mas também no sentido de como o discente interpreta o ato de estudar.

Esse tal TikTok
Criada por uma startup chinesa em 2016, o TikTok é uma rede social que viralizou no início deste ano. Nela, os usuários podem assistir e criar vídeos de até 15 segundos, utilizando filtros, efeitos e edições de áudios e imagens, para compartilhar e recriar memes, vídeos virais e conteúdos de humor e entretenimento.
Atualmente, é a quarta maior rede social do mundo, com 800 milhões de contas. E, apesar de ter usuários de todas as idades, grande parte dos perfis são de pessoas entre 13 e 24 anos – um público de grande interesse para a educação. A rede social tem uma política de segurança que filtra conteúdos inapropriados, impede a manifestação de mensagens de ódio e cyberbullying e permite que a família controle o tempo de acesso, caso julgue que os adolescentes estão passando muito tempo na plataforma.

TikTok na educação e o conceito de transdisciplinaridade
A utilização de recursos digitais e elementos do cotidiano dos estudantes nas aulas, sejam elas presenciais ou virtuais, aproxima a prática docente da transdisciplinaridade, que compreende o conhecimento de forma plural. Além de abordar a contextualização entre as diferentes áreas de conhecimento, esse conceito refere-se à uma prática de ensino que reconheça os diversos meios de estímulo e desenvolvimento cognitivo, para além dos recursos tradicionais (livros, textos, questionários, etc.).
Criado por Jean Piaget, o termo transdisciplinaridade sugere que a aquisição do conhecimento acontece de forma holística e contextualizada. Ou seja, é necessário que se crie uma conexão entre o assunto abordado e elementos de sentido e familiaridade com a realidade do indivíduo.
Aproximar a sua didática do universo do estudantes fará com que eles percebam o conteúdo de forma mais natural e prazerosa, sendo conquistados e engajados pelo ensino.
Para fazer isso utilizando o TikTok, ou qualquer outra rede social, é preciso criatividade e aproximação. Por isso, antes de sugerir o uso à turma, estude a ferramenta. Passe um tempo entendendo como ela funciona e qual o “tom” das postagens. Aproveite para “inverter a sala de aula” e aprender com seus estudantes – isto, inclusive, vai “legitimar” seu conhecimento junto ao seu público, o que aumenta o engajamento.
Você pode pedir que os estudantes criem vídeos relacionados aos conteúdos, associem os padrões de linguagem e interpretação de texto, equacionem as visualizações, sugestões do feed, alcance e demais logaritmos, comparem e identifiquem as diferenças culturais manifestadas… enfim, as possibilidades são infinitas. Use a sua criatividade!
Para compreender melhor como o TikTok funciona, separamos uma matéria do site Canal Tech com todos os detalhes da ferramenta. Além disso, sugerimos dois artigos que exploram a questão da transdisciplinaridade e do uso de recursos digitais e redes sociais na educação. Não deixe de conferir!

Referência:
O que é e como funciona o TikTok – Canal Tech
https://canaltech.com.br/redes-sociais/tiktok-tudo-sobre/

Sugestões de leitura:
Complexidade e Transdisciplinaridade na Educação: cinco princípios para resgatar o elo perdido – Akiko Santos
https://www.scielo.br/pdf/rbedu/v13n37/07.pdf

Redes Sociais na Educação – Jaime Miranda Junior (IFSC)
file:///C:/Users/O%20Foca/Downloads/Esp%20M%C3%ADdias%20na%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20-%20Redes%20Sociais%20e%20a%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20-%20MIOLO.pdf

Dia Nacional do Cinema Brasileiro – levando os filmes para a escola!

No dia 19 de junho é comemorado o Dia Nacional do Cinema Brasileiro. A data marca o primeiro registro de imagens em movimento do país, feitas pelo cinegrafista e diretor Afonso Segreto em 1898. A obra foi um documentário sobre a Baia de Guanabara, exibido na inauguração do Salão Novidades de Paris, no Rio de Janeiro. Desde então, o cinema brasileiro construiu um conjunto de obras rico e original, reconhecido e prestigiado mundialmente.

Fases e interfaces do cinema brasileiro – Os documentários foram as primeiras produções brasileiras. Compostos por imagens fotográficas em movimento e seguindo boa parte do que vinha sendo feito em outros países, eles registravam acontecimentos históricos, atos oficiais e cerimônias. Eram apresentados em sessões “mudas” – o cinema, então, não tinha som – ou, então, com o acompanhamento de músicos.

A partir da década de 1920, as obras de ficção “Na primavera da Vida” e “Os Três Irmãos”, de Humberto Mauro, inauguraram uma leva de produções nacionais pautadas em histórias. Em 1929, “Limite”, filmado por Mário Peixoto, foi o primeiro filme brasileiro totalmente sonorizado.

Em 1930 é instalado o primeiro estúdio de cinema do Brasil, o Cinédia. Criado por Adhemar Gonzaga, produzia comédias musicais e dramas populares. Em 1941, a produtora Atlântida, fundada por Moacir Fenelon e José Carlos Burle, fez sucesso com o gênero chanchada – histórias engraçadas, com tipos bem brasileiros. Em 1949, nascia a Companhia Cinematográfica Vera Cruz, fundada pelos amigos Franco Zampari e Francisco Matarazzo para trazer ao cinema brasileiro um padrão de produção hollywoodiano, de grandes estúdios e uma cenografia mais elaborada e grandiosa.

Por volta de 1960, inspirado no Neorrealismo italiano e na Nouvelle Vague (Nova Onda) francesa, surgiu o Cinema Novo. Os “veteranos” Nelson Pereira dos Santos e Roberto dos Santos e os iniciantes Glauber Rocha, Arnaldo Jabor e Joaquim Pedro de Andrade, entre outros, foram os principais nomes desse movi-mento. Com histórias intensas e uma estética ao mesmo tempo crua e requintada, o Cinema Novo tinha como temas preferido o Nordeste e as favelas do Rio de Janeiro, o que chocava (e atraía) a classe média brasileira e o público estrangeiro. Em 1964, ano do golpe militar, o Cinema Novo muda seu foco mas continua falando sobre o Brasil.

Em setembro de 1969 era criada a Empresa Brasileira de Filmes – Embrafilme, que teve extrema importância para o cinema nacional. Durante toda a década de 1970, a Embrafilme realizou produções que fizeram a história da cinematografia brasileira. Mas, na década de 1980, a empresa começa a declinar até sua total queda e fechamento, em 1990. Com isso, a produção cinematográfica se estagnou até 1995, ano que marca uma retomada do cinema brasileiro.

Carlota Joaquina: Princesa do Brasil”, dirigido por Carla Camurati, é o ponto inicial desse período. O filme abriu caminho para uma série de produções que conquistaram não só o público, mas também reconhecimento e prêmios internacionais.

Desde então, o cinema brasileiro seguiu produzindo bastante e bem. Comédias leves ambientadas no meio urbano, por exemplo, são um grande sucesso de público, assim como produções intimistas, animações e, mais recentemente, filmes policiais e de ficção científica financiados e difundidos por plataformas de streaming como a Netflix.

A sétima arte na sala de aula – A produção artística de um país é a expressão das angústias, alegrias e histórias de seu povo. Muito mais do que imagens em movimento, o cinema pode representar a reconstrução subjetiva de uma realidade, a exaltação de elementos e significados culturais ou a verbalização artística de discursos e debates sociais.

Com tantos elementos e tanta riqueza, o cinema pode ser utilizado como uma poderosa ferramenta didática. Os filmes atraem a atenção e, ao mesmo tempo, podem fomentar reflexões essenciais para o desenvolvimento cidadão dos estudantes, além de explorar conteúdos contemplados pelo currículo de forma mais dinâmica e interativa.

A arte reúne expressão criativa, política, social e emocional. O cinema traz todos esses aspectos em narrativas audiovisuais que são recebidas com simpatia e identificação pelas pessoas. Por isso, ao lado da música, é uma expressão artística popular capaz de comunicar-se amplamente com diversos públicos.

Levar o cinema para a sala de aula – seja ela presencial ou digital – pode engajar os estudantes em relação aos conteúdos e às discussões, estimulando seu desenvolvimento intelectual, aguçando sua criatividade e aumentando sua consciência em relação aos temas de estudo.

Listamos 5 produções brasileiras que trazem debates relevantes em relação à conteúdos curriculares. As sugestões de abordagens são mais genéricas, para que o professor se sinta livre para desenvolver as atividades de acordo com as especificidades de sua turma.

1 – “Olga” (Drama, 2004) – Baseado na obra de Fernando Morais, dirigido por Jayme Monjardim.

Conteúdos: Brasil do século XX, Alemanha nazista, governo Vargas, Coluna Prestes.

2 – “Saneamento Básico” (Comédia, 2007) – De Jorge Furtado.

Conteúdos: Brasil contemporâneo, organização do Estado Brasileiro, relações Estado-sociedade.

3 – “Auto da Compadecida” (Aventura, 2000) – Baseado na obra de Ariano Suassuna, dirigido por Guel Arraes

Conteúdos: tradições brasileiras, religiosidade popular, organização da sociedade brasileira, Brasil rural.

4 – “O Cangaceiro” (Aventura, 1953) – De Lima Barreto, com diálogos criados por Rachel de Queiroz.

Conteúdos: Cangaço, cultura nordestina, relações de poder.

5 – “Edifício Master” (Documentário, 2002) – De Eduardo Coutinho.

Conteúdos: Brasil urbano, sociabilidades, conflitos sociais, moradia.

Sugestões de leitura:

Cinema como proposta educativa – Lúcia Fernanda da Silva Prado.

Clique para acessar o CINEMA-COMO-PROPOSTA-EDUCATIVA.pdf

Utilização do cinema em sala de aula – Fernando de Moraes Toller e Vânia de Fátima Martino.

Clique para acessar o a-utilizacao-do-cinema-em-sala-de-aula-_1_.pdf

Língua portuguesa: diversidade étnica e cultural

Dia da Língua Portuguesa

Um pequeno país cheio de histórias e um idioma que ganhou o mundo! Estamos falando, é claro, de Portugal e de sua língua, o nosso amado português. Pois hoje o mundo celebra o Dia da Língua Portuguesa, que é falada por 250 milhões de pessoas nos quatro cantos do mundo. A data lembra a morte de Luís Vaz de Camões (1524-1580), autor dos “Lusíadas”, poema épico que inaugurou a literatura portuguesa e ajudou a estruturar nosso idioma para além da forma falada. Um idioma tão importante também é comemorado em outras duas datas: 5 de maio e, no caso do Brasil, 5 de novembro.

Rico, complexo, hermético e diverso, o português é a quinta língua mais falada do planeta e a terceira entre as ocidentais (depois do inglês e do espanhol) e, em suas várias formas, é considerada a língua mais sonora do mundo.

 

Quem fala português?

Povos da Europa, África, América, Ásia e Oceania. A língua portuguesa acompanha a presença portuguesa no mundo a partir do século XVI. Assim, temos como países em que a língua portuguesa é o idioma oficial, além de Portugal, o Brasil (que responde por 80% dos falantes), Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Timor Leste e Guiné Equatorial. Até na China fala-se o português! Mais exatamente em Macau, ilha vizinha a Hong Kong que foi possessão portuguesa por séculos. E há, também, muitos falantes de português entre imigrantes, em países como os Estados Unidos, a França e o Japão.

Vale ressaltar que, ao nos referirmos ao português como idioma desses países, estamos falando de um código linguístico comum, mas que tem variações vocabulares, fonéticas e gramaticais de acordo com as particularidades geográficas e culturais de cada país. Essa diversidade pode ser ilustrada pela frase do escritor português José Saramago: “Não há uma língua portuguesa, há línguas em português”.

 

Origem

De onde veio o português? Misture romanos, fenícios, celtas, árabes e outros povos que circularam pela Península Ibérica e pronto! Eis aí a origem da língua portuguesa. Mas, claro, não é tão simples assim.

Estima-se que o português surgiu entre os séculos IX e XII, no período de estruturação do reino de Portugal. Assim como o catalão e o castelhano, o galaico-português, que resultou na língua portuguesa, tem sua origem no latim vulgar, idioma falado pelas classes baixas do Império Romano (o atual galego, um dos idiomas oficiais da Espanha, é bem parecido com o português).

As chamadas línguas neolatinas se difundiram pela Península Ibérica durante todo o período de dominação romana, sofrendo influência dos povos árabes e germânicos que também dominaram a região. Mas, somente por volta do século XI é que o galaico-português passou a ser falado e escrito livremente na Lusitânia (nome pelo qual a região de Portugal era conhecida pelos romanos).

Alguns séculos depois, a partir do século XV, a língua portuguesa foi estendida para regiões da África, América e Ásia, através dos movimentos colonizadores de Portugal.

 

Língua Portuguesa no Brasil

É impossível falar sobre o português no Brasil sem considerar a riqueza da contribuição dos povos originários. O contato e a mistura entre a língua portuguesa e as muitas línguas indígenas no período colonial contribuíram para um enriquecimento extraordinário do nosso idioma. De acordo com a pesquisadora Ana Suelly Cabral, mais de 80% das palavras que nomeiam plantas e animais brasileiros são oriundas do tupinambá.

Os povos africanos trazidos pelo tráfico de escravos também contribuíram muito para a formação do idioma brasileiro. Embora tivessem sua cultura reprimida violentamente, os africanos escravizados não abandonaram sua herança e fizeram dela uma parte valiosa da nossa história. Dentre os diversos dialetos da África, os que tiveram maior impacto no Brasil foram o quimbundo, quicongo e umbundo, do grupo bantu. Isso representa grande parte do nosso dicionário, retratando uma miscigenação linguística cheia de história e valor.

Além disso, há uma diversidade vocabular regional no Brasil que acentua a pluralidade do idioma. Um mesmo pão, por exemplo, pode ter mais de cinco nomes de norte a sul do país! Na raiz de toda essa riqueza estão as invasões no período colonial e, especialmente, a presença dos imigrantes a partir de meados do século XIX.

Se há uma palavra que pode ilustrar a língua portuguesa, é esta: diversidade*.

Uma diversidade que se manifesta todos os dias na dinâmica do idioma, nos livros, notícias, gírias e falares. E que também está na história, no contato, na tensão e na composição dos olhares europeu, indígena e africano.

A língua portuguesa é nosso grande patrimônio. É a matéria-prima da nossa literatura e a verbalização da nossa história. Comemorar essa data é reconhecer e valorizar a expressão de um povo, é zelar pela nossa poesia e fortalecer a nossa fala.

Selecionamos 10 grandes obras da língua portuguesa, além de dois documentários, para celebrar o Dia da Língua Portuguesa com nossos leitores.

Aproveite!

1 – O quarto de despejo – Carolina de Jesus

2 – Dom Casmurro – Machado de Assis

3 – Ensaio sobre a cegueira – José Saramago

4 – Sepé Tiaraju: romance dos sete povos da missões – Alcy Cheuiche

5 – O Auto da Compadecida – Ariano Suassuna

6 – Mulheres de Cinza – Mia Couto

7 – Os Quinze – Rachel de Queiroz

8 – O Guarani – José de Alencar

9 – A Rosa do povo – Carlos Drummond de Andrade

10 – A hora da estrela – Clarice Lispector

Documentários:

Língua – Vidas em Português

https://www.youtube.com/watch?v=JBmLzbjmhhg

Português, a língua do Brasil

https://www.youtube.com/watch?v=-bbT7QmdNS

Sugestão de leitura complementar:

A língua que somos – José Ribamar Bessa Freire

http://www.taquiprati.com.br/cronica/1047-a-lingua-que-somos

 

*di-ver-si-da-de  – substantivo feminino

  1. qualidade daquilo que é diverso, variado, variedade;
  2. conjunto variado, multiplicidade

Importância do incentivo à prática de leitura por meio dos pais e educadores

A leitura é capaz de transformar o ser humano e, por consequência, o mundo. Ao ler, desenvolvemos habilidades linguísticas, interpretativas, de raciocínio, concentração, expressão e criatividade, entre outras. Paulo Freire vai além e diz que “ler é tomar consciência, é interpretar o mundo” e que todos queremos e precisamos ser capazes disso. Por isso é tão importante que nós, familiares e educadores, façamos com que nossas crianças tenham acesso a essa porta de entrada para os infinitos saberes do mundo e possam, através da leitura, identificar e valorizar sua potência humana.Falaremos aqui sobre como a prática da leitura atua no desenvolvimento cognitivo, social e emocional da criança. E como os adultos podem incentivá-la.

Leitura e infância – A infância é um período de buscas e descobertas. É nesse momento da vida que nossa mente inicia os processos psíquicos para o desenvolvimento da consciência. Para isso, a criança precisa receber estímulos e referências de seu meio para, então, poder interpretá-lo e se reconhecer nele. Isso significa que, na infância, a maior parte das ações e conteúdos acontecem de forma reflexiva, ou seja, na relação entre o ser e o mundo. Daí vem a máxima de que a melhor instrução que um adulto pode dar é o exemplo. No caso da leitura, isso é absolutamente válido: se a criança vê o adulto lendo, se percebe o afeto e o interesse do outro pelo livro e pela leitura, se tem livros por perto, cria uma referência de hábito e interesse.Além disso, a leitura é um exercício cognitivo que traz consigo estímulos sensoriais, linguísticos e sociais que são fundamentais para o desenvolvimento intelectual do indivíduo.

A literatura infantil, através da ludicidade, contribui para interpretação de conteúdos emocionais, valores culturais, ensinamentos éticos e sociais. É extremamente importante que ela faça parte do cotidiano da criança para que todas essas questões sejam exploradas de forma natural e fluida.

O Ato de ler e o Hábito da leitura – Para valorizar a prática da leitura e incentivar sua transformação em hábito, é necessário colocá-la como algo comum e agradável para as crianças. Muitas pessoas afirmam que não gostam ou não conseguem ler porque acham chato e cansativo. Isso acontece porque elas tendem a colocar os livros como uma obrigação e não como um costume ou divertimento. Por isso, uma dica é associar a leitura para momentos de lazer, sem cobranças ou imposições. Assim, o ato de ler será associado ao prazer, e torná-lo um hábito será muito mais fácil.

Na escola, é interessante que a criança tenha certa autonomia sobre a leitura, podendo associá-la para além das atividades regulamentares de ensino-aprendizagem. Por isso, na “hora da leitura”, deixe que os estudantes escolham o livro e assegure-se de que eles estejam fisicamente confortáveis, pois a postura do corpo também influencia na capacidade de concentração.

O mesmo vale para a casa. Certifique-se de que seu filho interpreta o momento da leitura como algo prazeroso, divertido, encantador e proveitoso. Além disso, como já observamos, ter o hábito de ler, ou buscar desenvolvê-lo, incentiva seus filhos a fazerem o mesmo.

Uma pequena lista de clássicos – Selecionamos 5 clássicos da literatura infantil brasileira que são excelentes para despertar o desejo pela leitura. São livros com histórias emocionantes e divertidas, adequados para crianças de 3 a 10 anos, e que envolvem os adultos também.

1- “Meu pé de laranja lima” – José Mauro de Vasconcelos

2– “A bolsa amarela” – Lygia Bojunga

3- “Marcelo, marmelo, martelo” – Ruth Rocha

4- “O menino maluquinho” – Ziraldo

5- “Chapeuzinho amarelo” – Chico Buarque

Existem muitos portais e também aplicativos que oferecem obras literárias em formato digital, para acesso pelo smartphone ou pelo computador. Um desses aplicativos é o Curitiba App, da prefeitura de Curitiba. Dentro dele, há uma seção chamada “Curitiba Lê Digital”, com centenas de obras da literatura universal. O aplicativo é gratuito e as obras, muito interessantes!

(*) – Esta lista é um bom começo, mas a oferta editorial brasileira é muito maior. Temos milhares títulos que merecem ser lidos!

Transformar a leitura em um hábito requer dedicação e frequência, mas também precisa ser feito de forma leve e com significado para as crianças. Por isso, pesquise por temas interessantes, jogos associados a livros e, assim que as condições sanitárias permitirem, faça passeios em bibliotecas e livrarias. Atentando para os livros adequados a cada faixa etária, mostre para as crianças que e ler é conhecer, conectar e viajar, e que, através da leitura, o conhecimento se multiplica e o pensamento se eleva.

Sugestões de leitura:

  • A importância do ato de ler – Paulo Freire, 1981

https://educacaointegral.org.br/wp-content/uploads/2014/10/importancia_ato_ler.pdf

  • A literatura infantil e o desenvolvimento cognitivo na infância – Ana Paula Soares e Iraneide Tavares, 2013

http://nippromove.hospedagemdesites.ws/anais_simposio/arquivos_up/documentos/artigos/d6c01028bd50185b189c63d2b47cc304.pdf

Atendendo aos apelos da sociedade, ENEM 2020 é adiado

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira (INEP) anunciou no dia 20 de maio o adiamento da aplicação das provas do Exame Nacional do Ensino Médio, o ENEM, deste ano. A decisão do Ministério da Educação aconteceu após forte pressão da sociedade civil e do Congresso, visto que, devido à pandemia da covid-19, milhares de estudantes não têm condições de se preparar devidamente para a prova. A nova data ainda não foi definida, mas, de acordo com o texto do INEP, o exame acontecerá de 30 a 60 dias após a data divulgada anteriormente (novembro de 2020). Segundo o órgão, o MEC fará uma consulta aos estudantes em formato de enquete, prevista para o final de junho, para definir a nova data da aplicação. Por isso, se você se inscreveu, fique atento à página do participante para votar.

Desde a divulgação da abertura das inscrições e da propaganda do Governo Federal, a população veio pedindo, de forma contundente, o adiamento da prova. Isso porque, em um cenário com escolas e cursos preparatórios fechados por conta da pandemia e mais de 2 milhões de estudantes sem acesso à internet, pressupor que todos os candidatos terão plenas condições de estudar para o exame de forma satisfatória é, no mínimo, incoerente.

Entidades estudantis, parlamentares, artistas e populares manifestaram-se exigindo uma mudança no calendário. No dia 19 de maio, o Senado aprovou o Projeto de Lei Nº 1.277/2020, por 75 votos a favor e 1 contra, que prorroga os processos seletivos para acesso ao ensino superior, incluindo vestibulares e ENEM. O projeto segue para votação na Câmara dos Deputados, mas já demonstra um engajamento dos setores políticos, em consonância com a vontade popular.

Importância do Enem – O ENEM foi criado em 1998 para avaliar o desempenho dos alunos de Ensino Médio de todo o país, das redes pública e privada. É o maior exame vestibular do Brasil e o segundo maior do mundo, atrás apenas do chamado Gaokao, prova para admissão no ensino superior na República Popular da China.

É através do resultado do ENEM que milhares de estudantes brasileiros ingressam no ensino superior, sejam eles da rede pública, pelo Sistema de Seleção Unificada (SISU – 2010), ou da rede privada, pelo Programa Universidade para Todos (PROUNI – 2004).

Em 2019, quase 4 milhões de estudantes realizaram a prova, concorrendo a vagas nas universidades de todo o país. Neste ano, segundo portal do MEC, 4,3 milhões de inscrições foram realizadas.

É de extrema importância que o Estado brasileiro defina parâmetros e incorpore medidas para avaliação e aprimoramento do nosso sistema de ensino. Exames como o ENEM permitem não apenas aos responsáveis pela esfera pública, mas também a todos os profissionais da educação, compreender os dilemas do ensino aprendizagem na sociedade brasileira e agir para superá-los.

 Dicas de estudo: siga preparado para o ENEM!

Apesar da mudança no calendário e no funcionamento das escolas devido à pandemia, há um esforço coletivo para manter o ensino, ainda que à distância, e o preparo dos estudantes para o ENEM. A Editora Opet, por acreditar em uma educação humana, cidadã, transformadora e inovadora, segue atuando firmemente para garantir a educação. Por isso, separamos algumas dicas para que estudantes e professores se prepararem para o ENEM durante a quarentena.

– Canais online: há uma infinidade de conteúdos na internet – a começar por bancos de questões – direcionada para processos seletivos. É interessante buscar uma diversidade de abordagens, visto que cada indivíduo tem um processo diferente de aprendizado. Por isso, apostar em um conteúdo mais descontraído para introduzir determinado assunto e depois aprofundar-se nele pode ser uma boa estratégia. Aqui temos uma lista com 17 canais no Youtube que contêm dicas de estudo para as disciplinas do Ensino Médio. Além disso, há conteúdos semelhantes em todas as plataformas online da Editora Opet. Não deixe de conferir!

– Conversar, discutir e interagir: sempre respeitando firmemente as recomendações de isolamento social, busque trocar sugestões com colegas sobre conteúdos e técnicas de ensino e estudo. Isso vale para estudantes e professores. A união e a troca fortalecem o conhecimento e ampliam as possibilidades.

– Organize-se: faça planilhas, listas, quadros ou qualquer esquema de organização de estudos. Definir objetivos e conteúdos a serem explorados é muito importante para manter o ritmo. Se você é professor, ajude seus alunos a montarem um cronograma. Assim, vocês poderão equalizar suas rotinas e trabalhar de uma forma mais eficiente.

Mantenha-se pronto: apesar do adiamento do ENEM ser algo importante neste momento de dificuldades, haverá muito a ser recuperado após o fim da pandemia. Por isso, é importante continuarmos nos preparando durante a quarentena, explorando as estratégias e canais de ensino disponíveis e discutindo maneiras de sempre valorizar e enriquecer a educação.

Para saber mais, confira as sugestões de leitura a seguir e acompanhe os canais digitais da rede Opet.

 

Sugestões de leitura:
  • Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM): Uma Análise Crítica

https://www.scielo.br/pdf/rbef/v37n1/1806-1117-rbef-S1806-11173710001.pdf

  • As dificuldades do reconhecimento da importância do ENEM no ensino médio

https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/82

  • Inep – Nota Oficial Adiamento do ENEM

http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/nota-oficial-adiamento-do-enem-2020/21206

Diferentes ferramentas, um mesmo propósito: ensinar!

São João do Itaperiú (SC) uniu Whatsapp, Facebook e livros para garantir o ensino

Situado a cerca de 150 quilômetros de Florianópolis, São João do Itaperiú é um importante parceiro da Editora Opet na região leste de Santa Catarina. Lá, como acontece em todo o Brasil, a rede municipal de ensino se organizou para garantir educação de qualidade durante o período de distanciamento social. A secretária municipal de Educação, professora Elizete Moraes Hess, explica que, tão logo começou a quarentena, o município decretou um recesso escolar de 15 dias, tempo suficiente para que os gestores e os professores se organizassem. As aulas foram retomadas no dia 06 de abril.

E eles perceberam que o trabalho funcionaria bem com o uso de ferramentas digitais que a maioria conhecia e utilizava – o Whatsapp e os grupos do Facebook. “Optamos por essas ferramentas pela facilidade de acesso de todos, professores, estudantes e famílias. E, como elas funcionaram perfeitamente, decidimos seguir usando sem migrar para outras ferramentas”, explica a secretária. No caso dos estudantes que não possuem acesso à internet, que são poucos, as atividades são enviadas diretamente para as suas casas pelos professores, gestores e Secretaria.

Devolutivas – Somadas aos livros físicos do Sefe (selo educacional da Editora Opet para o segmento público), as ferramentas digitais estão permitindo desenvolver as atividades educacionais com grande sucesso. Segundo a secretária Elizete, os livros físicos, de que todos os estudantes dispõem, geram um ponto a mais de conexão. “Os materiais do Sefe têm sido essenciais neste momento. Eles facilitaram muito as aulas remotas. Os professores fazem seus planejamentos a partir dos livros e enviam as atividades; os estudantes recebem as atividades, desenvolvem e postam, e recebem a devolutiva dos professores.”

Um exemplo bem interessante desse trabalho é o das crianças do Pré-I e Pré-II da professora Marcia Gadotti Caldonho, da Escola Municipal Professora Maria Gasino Borba. Com o acompanhamento das famílias – algo que é necessário nessa etapa da Educação -, elas estão fazendo suas tarefas e postando em um grupo fechado no Facebook. Algumas fotos podem ser conferidas nesta matéria. Marcia conta que a participação das famílias é bem importante para o sucesso do trabalho. “A maioria das famílias é participativa. Elas ajudam e fazem o possível para que as crianças realizem as atividades dos livros. Mandam filmagens, fotos e áudios falando o que a criança fez.” O trabalho, observa, é inteiramente baseado nas atividades dos livros.

“Exploramos tudo o que a criança pode fazer em casa com a família. Eu faço explicações em vídeo da página da atividade e, em caso de dúvidas, ajudo.” Sobre a evolução das crianças, Marcia explica que é possível acompanhá-la de acordo com os registros que cada criança faz com apoio da família. “A dedicação da família é muito importante. Ela ajuda muito no desenvolvimento da criança.”

A gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto, considera ações como a dos gestores e professores de São João do Itaperiú fundamentais para o desenvolvimento da educação. Elas demonstram inteligência, criatividade e capacidade de engajamento. “Durante este momento tão difícil de distanciamento social, nossos conveniados têm demonstrado que a escola permanece viva em outros ambientes, sempre numa perspectiva de ampliar o processo de aprendizagem.” Cliciane lembra que o desafio é diário e é intenso, mas que o fazer pedagógico é a essência de ser educador. “Continuamos a fortalecer nossa parceria diante das dificuldades. Juntos, estamos enfrentando e superando este momento.”

 

Utilização dos materiais produzidos pelas escolas no pós-pandemia

Neste contexto de isolamento social, muitas escolas e professores despendem um esforço diário para conseguir manter a qualidade das aulas no ambiente virtual. Uma série de estratégias e materiais estão sendo desenvolvidos para qualificar o ensino a distância. Esses materiais podem ser um recurso de apoio para as escolas após a pandemia, visto que o retorno não será do ponto onde havíamos parado.

As pesquisas e a literatura científica mostram que os países que já passaram por quarentenas e isolamento social, seja por pandemias, desastres naturais ou guerras, tiveram que desenvolver um plano de ação de várias frentes para reparar os danos e recuperar as perdas. A ideia, aqui, é pensar maneiras de utilizar todos esses esforços que as escolas estão aplicando agora em um contexto de retorno instável, defasado, complexo e intrincado.

 

Retorno gradual

Sabemos que o retorno às atividades presenciais das escolas após a quarentena será completamente diferente da volta de recessos tradicionais. Uma série de medidas deve ser adotada por conta da instabilidade instalada pela pandemia.

Uma das alternativas para retomar de forma segura e responsável em relação à situação sanitária seria um regresso gradual. Nesse contexto, considerando um rodízio de estudantes e professores, manter parte das atividades a distância seria necessário. Continuar, então, utilizando as videoaulas e atividades online mesmo após o retorno presencial seria uma forma de transição.

 

Estratégias de recuperação de aprendizagem

Segundo a experiência de outros países, serão necessárias medidas de avaliação diagnóstica e recuperação de aprendizado, que poderão ter como recurso de apoio os próprios materiais desenvolvidos para as aulas não presenciais. As videoaulas, por exemplo, podem ser utilizadas como ponto de partida para atividades e material de estudo para avaliações e revisões.

 

Novo recurso didático

Apesar da limitação no sentido social, o ambiente virtual para ensino pode ser explorado em várias ocasiões e com diferentes objetivos. No caso de afastamento de estudantes por questões médicas, por exemplo, ter uma plataforma de manutenção das atividades é extremamente útil.

Além disso, a tecnologia e as mídias sociais são parte do nosso dia a dia. Utilizar essas ferramentas para incentivar uma interação intelectual entre os estudantes através de fóruns online, pesquisas, chats, aulas, etc. pode ser uma estratégia didática muito bem-sucedida.

As possibilidades de pesquisa rápida e conexão de conteúdos (a chamada “linkagem”) também podem ser orientadas para expandir o estudo e enriquecer o aprendizado.

O contexto atual reforça a necessidade de investimento na educação, do desenvolvimento de políticas públicas que contemplem a escola como ponto difusor do saber científico.

Tecnologia é estudo e ciência. Ela só existe pela procura e evolução do saber – ambos, ações inerentes à escola. Ter a tecnologia como uma das engrenagens desse grande mecanismo de ensino é ampliar as possibilidades, aprimorar o aprendizado e compreender que o conhecimento só existe para que possamos aprender cada vez mais, para buscar novos saberes, para sermos melhores.

Muito embora haja a premissa que atribui o caráter relacional do ensino-aprendizagem exclusivamente a professor e estudante, sabemos que a escola, como espaço de interação e desenvolvimento social, é, ao mesmo tempo, o que impulsiona e o que catalisa este processo. Na formação da identidade individual, as relações e referências advindas da escola são responsáveis por grande parte do reconhecimento do indivíduo enquanto ser social.

Em um contexto como o atual, de isolamento e ensino a distância, pode haver uma lacuna na configuração de estímulo cognitivo do estudante para aprendizagem. É preciso, portanto, buscar caminhos – inclusive, pela troca de experiências – para essa estimulação. Explorar as possibilidades de expansão através do ambiente virtual é uma ideia de ensino perspicaz, inovador e coerente.

 

Sugestões de leitura:

  • Políticas educacionais na pandemia da COVID-19: o que o Brasil pode aprender com o resto do mundo? Banco Mundial (2020)
  • Educação não formal: direitos e aprendizagens dos cidadãos(ãs) em tempos de coronavirus. Maria da Gloria Gohn (2020) https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/3259

Tecnologia, educação e integração: em Piancó, parceira Opet engaja professores, estudantes e famílias na educação digital

Com apenas onze anos de existência, o Colégio Américo Mesquita conseguiu se destacar como uma das principais instituições privadas de ensino de Piancó, um dos municípios mais antigos da Paraíba. É, hoje, a maior instituição de ensino em número de alunos na cidade e, também, a que apresenta os melhores resultados em exames como o ENEM e os vestibulares.

Desde o início deste ano, o Américo Mesquita passou a utilizar os materiais e ferramentas da Editora Opet – do selo Opet Soluções Educacionais -, com excelentes resultados. A parceria, que abrange da Educação Infantil aos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, também está auxiliando a escola a superar o desafio do distanciamento social e das aulas remotas durante o período da pandemia da COVID-19.

O coordenador pedagógico do Colégio, Fernando Mesquita Leite, explica que a escola aderiu rapidamente às ferramentas digitais. “Enquanto os alunos estavam sendo cadastrados pela Editora Opet no Google Meet, nossa equipe do Mesquita já estava gravando videoaulas e enviando via grupos de WhatsApp, familiarizando as famílias, bem como as próprias professoras, para o uso das tecnologias.”

Segundo Fernando, a Editora Opet desempenhou um papel primordial nesse processo. “A ferramenta Google Meet aproximou mais a realidade da sala de aula, promovendo uma interação entre alunos, professores e a melhor de todas: as famílias. Com a formação da equipe gestora pela Opet para implantação da ferramenta, criamos o setor interno de tecnologia para dar suporte presencial e/ou virtual aos pais que não estavam conseguindo assimilar o uso tecnológico”, conta. Os professores também receberam uma formação pedagógica e, associando o Google for Education ao uso do livro digital na Plataforma Inspira, da Editora Opet, conseguiram engajar os alunos e pais no processo de aprendizagem remota.

O coordenador do Colégio Américo Mesquita destaca o “casamento” entre a tecnologia digital e os conteúdos dos livros Opet Soluções Educacionais. “Há um perfeito alinhamento entre as ferramentas educacionais colocadas à disposição pela Editora e o uso do material didático. Além do mais, a orientação pedagógica do Opet, feita pela assessora Adriana Fialho, facilitou esse processo adaptativo.

Reforço de empatia – Para reforçar a proximidade das famílias em relação à tecnologia, o Colégio desenvolveu uma ideia genial. No Dia das Mães, convidou dois líderes religiosos da cidade – um padre e um pastor muito queridos pela população – para uma benção especial. Detalhe: a benção seria feita por meio do Google Meet, a mesma ferramenta de videoconferências usada para as aulas.

“Quando anunciamos a solenidade e indicamos que ela seria pelo Google Meet, muitos pais baixaram o aplicativo e buscaram o colégio para conseguir acesso. Percebemos que a rejeição inicial à tecnologia não era por não saber usar, mas por não aceitar o desconhecido – a mudança abrupta provocada pela pandemia.” Depois disso, já foram realizadas reuniões com os pais via internet e, também, um vídeo de agradecimento às famílias pelo apoio e parceria.

Parceria – Fernando Mesquita considera o trabalho desenvolvido pela Editora Opet como indispensável. “Neste momento de pandemia, a assessoria foi primordial para o uso e adesão de toda a comunidade escolar às novas tecnologias. Só temos a agradecer ao sistema Opet e a sua equipe – Adriana, Erick de demais colaboradores – que têm nos agraciado com tamanha inovação e agilidade nesse processo que veio para ficar e fazer parte do contexto educacional do país.”

“O Américo Mesquita é uma referência educacional no Vale do Piancó, que abrange o oeste da Paraíba”, conta Adriana Fialho, assessora pedagógica da Editora Opet responsável pelo atendimento do colégio. “E isso acontece porque eles têm uma estrutura pedagógica encantadora, muito zelosa com a qualidade do trabalho, e muito respeito com as famílias.” Adriana explica que a instituição se preparou muito bem para o uso das ferramentas e que, para isso, contou com todo o apoio da Editora Opet. “Desde o início, quando foi feito o cadastro da escola, a equipe gestora e pedagógica recebeu as orientações para a utilização da plataforma. E eles estão usando especialmente o Google Meet e o Google Classroom, com muito sucesso.”

Erick Feijó é o consultor comercial responsável pelo atendimento do Colégio Américo Mesquita pela Editora Opet. Ele destaca o compromisso da instituição com a qualidade do ensino e, também, o olhar dos gestores. “Um exemplo interessante foi o da cerimônia ecumênica do Dia das Mães, em que a escola rendeu uma bela homenagem às mães dos estudantes e, ao mesmo tempo, aproximou as famílias da tecnologia.”