A todo vapor: Editorial prepara novos cursos de EAD em Gestão Educacional e Primeira Infância

O setor editorial da Editora Opet está produzindo dois cursos de EAD estratégicos para o desenvolvimento da educação. Para o segundo semestre de 2018, a plataforma de EAD do Grupo Educacional Opet disponibilizará os cursos de Gestão Escolar e de Formação para Educadores da Primeira Infância. “Esses cursos foram construídos a partir de uma perspectiva nova, que une a fundamentação teórica à vivência prática. O objetivo é fazer com que os conteúdos do EAD representem uma diferença no dia a dia dos gestores e dos professores”, explica a gestora editorial Eloiza Jaguelte.

Ambos os cursos têm 180 horas de duração. O de Gestão Escolar é dividido em seis módulos, e o de Primeira Infância em cinco – e cada módulo tem, em média, três aulas. No caso do curso de Gestão Escolar, ele foi produzido por Jorge Bueno e Rúbia Costa, professores que fazem parte do time de consultores pedagógicos da Editora e têm grande conhecimento do tema. “São profissionais que, ao longo de todo o ano, estão junto com professores e gestores. Eles conhecem a fundo as questões que precisam ser trabalhadas”, observa Eloiza. “O enfoque do curso está nos processos administrativos, na gestão escolar democrática e na gestão compartilhada.” No curso voltado à Primeira Infância, a produção é de Daniele Cardoso Lima, professora, autora de livros e especialista na temática da Educação Infantil.

Outro diferencial dos novos cursos de EAD da Editora Opet é o formato, que tem como princípio o autogerenciamento. “Esses cursos não têm tutoria, ou seja, o aluno é quem conduz todo o processo”, explica a coordenadora editorial Anna Carolina Guimarães. Isso possibilita o gerenciamento completo do tempo – o estudante vai cursar as 180 horas de acordo com sua própria agenda, acessando os materiais (textos, vídeos, atividades), fazendo as avaliações e avançando de acordo com os resultados. “Ao final, tendo feito todo o percurso e alcançado os resultados, ele tem acesso ao certificado”, observa Anna. “É um processo moderno, ágil e eficiente.”

Eloiza faz questão de frisar que os novos cursos de EAD acompanham a evolução da produção editorial da Editora Opet, que, nos últimos anos, vivenciou uma revolução em relação aos processos e à qualidade. “Tudo o que vai para o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) recebe a mesma atenção que damos às nossas coleções. Da edição e revisão de língua do texto ao licenciamento de imagens de alta qualidade, passando pelo alinhamento em relação às nossas diretrizes teórico-metodológicas, tudo é feito com extremo cuidado. Pensando em quem está do outro lado e vai aplicar os conhecimentos em seu dia-a-dia.” Os cursos de EAD da Editora Opet estão disponíveis para parceiros contratantes e, também, para escolas não parceiras que queiram contratar esse serviço específico.

Carmen Gabardo fala sobre diretrizes teórico-pedagógicas da Editora Opet

Ao longo dos anos, a professora Carmen Lucia Gabardo – pedagoga, mestre em Administração de Sistemas Educacionais pela PUCRS e doutora em Letras e Estudos Linguísticos pela UFPR – se destacou como pensadora e como defensora de uma educação mais cidadã, crítica e capaz de transformar a sociedade. Uma parte importante dessa trajetória foi feita em parceria conosco: primeiro, no início do século 21, com a Base Editorial, que daria origem ao Sefe; depois, com o próprio Sefe e, a partir de 2015, com a Editora Opet, que congrega os selos educacionais Sefe (para a área pública) e Opet Soluções Educacionais (para a área privada). Junto com os colaboradores dos setores pedagógico e editorial, Carmen participa ativamente da construção e da materialização dos princípios filosóficos que norteiam a assessoria pedagógica e os materiais didáticos e da Editora Opet. Uma profissional, enfim, que conhece como poucos os princípios que nos movem na educação.

Nesta entrevista exclusiva, ela falou sobre as Diretrizes Teórico-Metodológicas da Editora Opet e do trabalho de fazer com que essas regras norteiem as coleções utilizadas por professores de escolas públicas e privadas de todo o país.

 

Editora Opet – No ano passado, a gerência pedagógica da Editora se reuniu para debater e estabelecer as Diretrizes Teórico-Metodológicas que passaram a nortear o trabalho desenvolvido com os parceiros das escolas públicas e privadas. A senhora teve um papel importante nesse processo. O que são as Diretrizes? Qual seu papel?

Carmen Gabardo –  A nossa preocupação sempre foi a de desenvolver uma filosofia, a do compromisso com a educação. E, a partir do momento em que você explicita o tipo de formação que se quer, como se quer realmente atingir a população escolar e os professores, cria condições para que esse processo seja de boa qualidade. Entram aí as concepções de homem, sociedade e educação, assim como as questões da função da escola e da família – estes elementos, todos, nos conduzem a uma reflexão teórica.

Então se tem, realmente, uma política educacional que busca uma formação plena do nosso aluno para a cidadania, respeitando o que preceituam as leis maiores que regem a educação. E isso nos possibilita adequar a parte pedagógica, a tradução metodológica desses princípios, em livros para os alunos, no instrumental necessário para o desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem.

Assim, a partir dessa concepção, que nós já tínhamos – que a Editora Opet já possuía e que o Sefe já possuía -, fizemos um entrosamento, uma explicitação, que foi materializada nas Diretrizes Teórico-Metodológicas. E, a partir delas, estamos analisando todas as obras desenvolvidas pela Editora Opet.

Quais são os princípios que norteiam as Diretrizes?

Carmen – A concepção de que o aluno é sujeito da História, que ele produz cultura, de que o ser humano, a partir do momento em que se relaciona, na interação com o outro, se faz e se vê. Assim, a própria concepção linguística é a do outro, do diálogo. Para que a gente possa realmente entender e fazer entender. Ouvir o outro, entendê-lo e trabalhar com ele no desenvolvimento das suas habilidades – do instrumental de conhecimento de que o indivíduo precisa para poder interferir na sociedade, transformando-a, quiçá para num bem comum e justo.

Essa é uma concepção baseada em Vygotsky? [Lev Vygotsky, 1896-1934, psicólogo e teórico do desenvolvimento]

Carmen – Nós temos nossa perspectiva de desenvolvimento humano pautada em Vygotsky. Claro que não negamos outras contribuições de conhecimento, mas Vygotsky foi muito feliz quando falou dessa interação e dessa mediação. E, quando falamos do aspecto linguístico, estamos falando da própria concepção bakhtiniana, porque Bakhthin [Mikhail Bakhtin, 1895-1975, filósofo da linguagem] também vai por essa razão do diálogo, da enunciação, do perceber o outro. E que esse outro realmente é reflexo histórico das condições em que vive, do entorno e com a relação com o outro.

De que forma Paulo Freire entra no DNA do nosso olhar pedagógico?

Carmen – Paulo Freire fez todas as suas pesquisas demonstrando que é a partir da percepção do outro, do mundo do outro, da forma como este outro interpreta o mundo, que podemos fazer as análises, as sínteses, as trocas. Então, é a mesma percepção de um social que se quer participativo, que não tem tantas desigualdades e que permite às possam usufruir, de fato, os bens culturais.

Ou seja: as nossas fontes, os nossos referenciais teóricos, guardam uma coerência que se reflete nas Diretrizes Teórico-Metodológicas.

Carmen – Sem dúvida!

O processo de um sistema de ensino contempla a necessidade de renovar coleções existentes e de se criar coleções novas, que atendam às mudanças no mundo. Como as Diretrizes Teórico-Metodológicas  participam desse processo?

Carmen – Você tem os conceitos estruturantes de cada disciplina, de cada área do conhecimento, e tem esses princípios filosóficos, que indicam como desenvolver determinadas formas de raciocínio e determinadas formas de aprender. Por exemplo: considere um especialista do sexto ao nono ano do Ensino Fundamental, por exemplo, com conhecimento em si da disciplina. Você vai trabalhar com ele didaticamente, e essa didática é que vai se prender à Psicologia, às teorias do desenvolvimento humano, para dizer que ele precisa ter determinadas atividades que desenvolvam as formas de pensar, que estabeleçam certas relações de compreensão crítica, a própria percepção de que esse conhecimento foi construído na História pelos próprios homens e que ele está se refazendo a cada momento. Que a ciência, apesar de estar falando “cientificamente”, também passa por modificações ao longo do tempo. Então, reunimos esses elementos. Por quê? Acreditamos que o indivíduo, quando se apropria do conhecimento, consegue interpretá-lo, perceber as diferentes visões de mundo e atuar em função do bem comum.

Como se coloca uma proposta de viés humanista quanto essa em coleções que são levadas ao mercado?

Carmen – Independente de se trabalhar para escolas públicas ou privadas, o educador, que se diz e se sabe educador, tem um compromisso com o desenvolvimento humano. Então, independente do lugar de onde se vem, quando você produz um livro, este livro deve contribuir para o desenvolvimento do aluno para o bem, seja ele da escola pública ou privada. Consequentemente, o trato que se tem é absolutamente o mesmo. Os profissionais que atuam tanto na escola pública quanto na escola privada (e muitos deles ocupam as duas posições) têm um compromisso com a ciência e com a educação. Eles vão utilizar instrumentos, sejam eles produzidos por uma empresa ou não, da melhor forma. No caso de uma obra que já existia e que está sendo atualizada, como é feito o trabalho de reestruturação? Fazendo-se a análise dela em função, até, das normas educacionais que estão sendo discutidas agora, que é o caso da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelecem tantos conteúdos e tantas metodologias, tantas competências e tantas habilidades. Então, você pega uma obra e a analisa esta obra em função dos princípios filosóficos, psicológicos, pedagógicos, e daí a complementa. Porque o conteúdo está aí, mesmo com a possibilidade de alterações e mudanças que são naturais.

Como você avalia as nossas coleções hoje. E para onde caminhamos?

Carmen – As percepções são feitas partindo do que os usuários dizem, do que apontam. Então, você tem proposições de quem usa, da base. E, como tem percepções dessa base, o que é o fundamental – até mesmo porque, se oferecer a obra e não oferecer o assessoramento, a discussão e o diálogo, estará pecando –, quando você tem esse vínculo, vai vendo que as nossas obras têm tudo para chegar lá. Porque elas provocam. E o profissional arejado, crítico, consegue pegar essas obras, esses elementos, e transformá-los naquilo que é necessário. As obras, enfim, são instrumentos. As obras são vivas porque são utilizadas, e a mediação é feita pelo professor.

CODINORP: um consórcio para revolucionar a educação pública

Para o primeiro secretário regional de Educação do Brasil, Amauri Monge Fernandes, consórcios municipais podem transformar a educação nos pequenos e médios municípios. E os sistemas de ensino desempenham um papel importante nessa mudança.

O Paraná pode estar iniciando uma revolução na gestão das redes municipais de ensino. Ao menos, isso é o que se depreende da proposta de trabalho do Consórcio de Desenvolvimento e Inovação do Norte do Paraná – CODINORP, que reúne dez municípios. São eles Cafeara, Centenário do Sul, Florestópolis, Guaraci, Jaguapitã, Lupionópolis, Miraselva, Primeiro de Maio, Porecatu e Prado Ferreira. Juntos, esses municípios escolheram um secretário regional de Educação (a partir de um processo seletivo técnico realizado no ano passado e que envolveu cerca de 400 candidatos), que está coordenando todas as ações. Esse secretário é Amauri Monge Fernandes, mestre em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas e doutor em Administração Pública pela Universidade de Lisboa.

Nesta quinta-feira (22), Amauri e um grupo de secretários, coordenadores, diretores e gestores de municípios do CODINORP estiveram na Editora Opet para conhecer a nossa proposta de trabalho e o sistema de ensino Sefe. Este encontro aconteceu dentro de uma série de visitas que estão sendo realizadas pelo Consórcio em editoras que desenvolvem sistemas de ensino. Em entrevista para a Editora Opet, Amauri falou sobre o Consórcio e sobre como sua ação pode transformar a educação pública de municípios.

 

Amauri Monge Fernandes, secretário regional de Educação do CODINORP

 

Editora Opet – Como funciona a secretaria regional de Educação do CODINORP?

Amauri – No ano passado, o CODINORP decidiu estruturar essa secretaria. É uma iniciativa pioneira no Brasil – secretarias semelhantes só existem nos Estados Unidos e na Alemanha – que existe para unir forças de municípios de pequeno e médio porte para melhorar cada vez mais a qualidade do nível de aprendizagem dos alunos de suas redes municipais de ensino.  É uma experiência nova, que, temos certeza, será muito boa para a educação do Brasil e, especialmente, da nossa região.

Editora Opet – Nesta semana, os representantes do consórcio visitaram várias editoras educacionais. Qual o objetivo dessas visitas?

Amauri – Nós estamos visitando diversas editoras porque estamos querendo implantar um sistema de ensino em todas as 47 escolas da nossa região. A gente sabe que o sistema de ensino estruturado dá um ganho de escala na qualidade da educação, e nós estamos visitando e vamos dar início ao processo licitatório já na primeira semana de abril.

Editora Opet – A Editora Opet é uma dentre as várias editoras visitadas pela comissão do Consórcio. Como você se sentiu recepcionado aqui?

Amauri –  Eu sou suspeito para falar da Editora Opet e do Sefe porque sou de São Paulo e, nos últimos 30 anos, morei em Santana de Paranaíba, que usa o sistema Sefe já há dois anos. E, lá, a experiência foi muito gratificante. Está dando resultados e eu penso que vocês, da Editora Opet, têm um excelente produto. Evidentemente, o processo licitatório vai considerar todos os aspectos técnicos de todas as editoras. Mas o mais importante de tudo isso é o modelo contratual que nós vamos usar: é um modelo oriundo da Inglaterra, que ainda não existe no Brasil, chamado CIS – Contrato de Impacto Social. Nós não vamos contratar simplesmente os livros e a assessoria pedagógica, nós vamos contratar resultados. Ou seja: a Editora começa o contrato recebendo um valor mínimo e, a partir do desenvolvimento do nível de aprendizagem dos alunos e dos resultados auferidos, é que ela começa a receber um valor maior, até chegar ao valor máximo colocado na licitação. Em outras palavras, até nisso nós estamos inovando porque estamos mostrando que é possível, sim, que administração pública e iniciativa privada podem fazer o melhor pela educação num jogo de ganha-ganha.

Editora Opet – As instituições que congregam dirigentes municipais de educação, como as UNDIMEs, já conhecem a proposta do CODINORP para a educação?

Amauri – As UNDIMEs nacional e regional já sabem, e nós vamos marcar uma reunião para aprofundar esse detalhamento. Mas todos os formadores de opinião sobre educação no Brasil já sabem do CODINORP e querem investir junto com a gente neste formato. O Ministério da Educação, por exemplo, sabe que é muito melhor lidar com 500 consórcios de municípios do que com 5.700 municípios. Enfim, é um formato que todo o Brasil espera que dê certo. Nós estamos fazendo a nossa parte, principalmente porque acreditamos que o Ensino Fundamental é, como o próprio nome já diz, elementar para que a gente tenha mais crianças alfabetizadas com qualidade, que possam ser adultos melhores.

Palestra com Marcos Meier movimenta 1200 professores em Paranaguá

Os professores da rede municipal de ensino de Paranaguá, município parceiro da Editora Opet no litoral do Paraná, começaram oficialmente o ano letivo de 2018 em grande estilo, com uma palestra ministrada pelo psicopedagogo e escritor Marcos Meier. Em três sessões realizadas pela manhã, à tarde e à noite no Teatro Municipal Rachel Costa, todos os cerca de 1.200 professores da Educação Infantil ao 5º ano do Ensino Fundamental da rede municipal ouviram Meier falar sobre o tema “Gestão Emocional – o papel da liderança no desafio de fazer acontecer”. A palestra foi promovida pela Editora Opet dentro da parceria com Paranaguá e está relacionada ao trabalho que o município desenvolve com as coleções, materiais e formações do selo educacional Sefe. O foco, nesse caso, foram os professores e seu papel na gestão e na liderança de pessoas.

Além de ser um dos palestrantes mais respeitados do Paraná em áreas como educação, criação de filhos e relações entre gerações, Marcos Meier também é coautor, junto com a professora Oralda Adur de Souza, da Coleção “Encontro com Familiares”, do Sefe. O prefeito de Paranaguá, Marcelo Roque, participou da palestra e falou sobre a importância das ações desenvolvidas pelo município para oferecer uma educação pública humana e cidadã.

Formação de professores em Juazeiro do Norte movimenta mais de 300 pessoas.

A formação de professores promovida pela equipe da área pedagógica da Editora Opet movimentou a cidade de Juazeiro do Norte. Foram mais de 200 professores e diversos gestores educacionais que presenciaram um novo modelo de educação.