CODINORP: um consórcio para revolucionar a educação pública

Para o primeiro secretário regional de Educação do Brasil, Amauri Monge Fernandes, consórcios municipais podem transformar a educação nos pequenos e médios municípios. E os sistemas de ensino desempenham um papel importante nessa mudança.

O Paraná pode estar iniciando uma revolução na gestão das redes municipais de ensino. Ao menos, isso é o que se depreende da proposta de trabalho do Consórcio de Desenvolvimento e Inovação do Norte do Paraná – CODINORP, que reúne dez municípios. São eles Cafeara, Centenário do Sul, Florestópolis, Guaraci, Jaguapitã, Lupionópolis, Miraselva, Primeiro de Maio, Porecatu e Prado Ferreira. Juntos, esses municípios escolheram um secretário regional de Educação (a partir de um processo seletivo técnico realizado no ano passado e que envolveu cerca de 400 candidatos), que está coordenando todas as ações. Esse secretário é Amauri Monge Fernandes, mestre em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas e doutor em Administração Pública pela Universidade de Lisboa.

Nesta quinta-feira (22), Amauri e um grupo de secretários, coordenadores, diretores e gestores de municípios do CODINORP estiveram na Editora Opet para conhecer a nossa proposta de trabalho e o sistema de ensino Sefe. Este encontro aconteceu dentro de uma série de visitas que estão sendo realizadas pelo Consórcio em editoras que desenvolvem sistemas de ensino. Em entrevista para a Editora Opet, Amauri falou sobre o Consórcio e sobre como sua ação pode transformar a educação pública de municípios.

 

Amauri Monge Fernandes, secretário regional de Educação do CODINORP

 

Editora Opet – Como funciona a secretaria regional de Educação do CODINORP?

Amauri – No ano passado, o CODINORP decidiu estruturar essa secretaria. É uma iniciativa pioneira no Brasil – secretarias semelhantes só existem nos Estados Unidos e na Alemanha – que existe para unir forças de municípios de pequeno e médio porte para melhorar cada vez mais a qualidade do nível de aprendizagem dos alunos de suas redes municipais de ensino.  É uma experiência nova, que, temos certeza, será muito boa para a educação do Brasil e, especialmente, da nossa região.

Editora Opet – Nesta semana, os representantes do consórcio visitaram várias editoras educacionais. Qual o objetivo dessas visitas?

Amauri – Nós estamos visitando diversas editoras porque estamos querendo implantar um sistema de ensino em todas as 47 escolas da nossa região. A gente sabe que o sistema de ensino estruturado dá um ganho de escala na qualidade da educação, e nós estamos visitando e vamos dar início ao processo licitatório já na primeira semana de abril.

Editora Opet – A Editora Opet é uma dentre as várias editoras visitadas pela comissão do Consórcio. Como você se sentiu recepcionado aqui?

Amauri –  Eu sou suspeito para falar da Editora Opet e do Sefe porque sou de São Paulo e, nos últimos 30 anos, morei em Santana de Paranaíba, que usa o sistema Sefe já há dois anos. E, lá, a experiência foi muito gratificante. Está dando resultados e eu penso que vocês, da Editora Opet, têm um excelente produto. Evidentemente, o processo licitatório vai considerar todos os aspectos técnicos de todas as editoras. Mas o mais importante de tudo isso é o modelo contratual que nós vamos usar: é um modelo oriundo da Inglaterra, que ainda não existe no Brasil, chamado CIS – Contrato de Impacto Social. Nós não vamos contratar simplesmente os livros e a assessoria pedagógica, nós vamos contratar resultados. Ou seja: a Editora começa o contrato recebendo um valor mínimo e, a partir do desenvolvimento do nível de aprendizagem dos alunos e dos resultados auferidos, é que ela começa a receber um valor maior, até chegar ao valor máximo colocado na licitação. Em outras palavras, até nisso nós estamos inovando porque estamos mostrando que é possível, sim, que administração pública e iniciativa privada podem fazer o melhor pela educação num jogo de ganha-ganha.

Editora Opet – As instituições que congregam dirigentes municipais de educação, como as UNDIMEs, já conhecem a proposta do CODINORP para a educação?

Amauri – As UNDIMEs nacional e regional já sabem, e nós vamos marcar uma reunião para aprofundar esse detalhamento. Mas todos os formadores de opinião sobre educação no Brasil já sabem do CODINORP e querem investir junto com a gente neste formato. O Ministério da Educação, por exemplo, sabe que é muito melhor lidar com 500 consórcios de municípios do que com 5.700 municípios. Enfim, é um formato que todo o Brasil espera que dê certo. Nós estamos fazendo a nossa parte, principalmente porque acreditamos que o Ensino Fundamental é, como o próprio nome já diz, elementar para que a gente tenha mais crianças alfabetizadas com qualidade, que possam ser adultos melhores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *