Dia Internacional da Música: arte, cultura, educação e aprendizagem

Em 01º de outubro, comemoramos o Dia Internacional da Música, instituído pelo International Music Council em 1975. A organização não governamental fundada com o apoio da Unesco buscava promover a paz e a solidariedade por intermédio da música, utilizando-se do seu incrível poder de identificação e conexão.

A música é uma arte ancestral e está presente no cotidiano das pessoas desde o início do processo civilizatório. Há quem diga que a música já nasce conosco, nas batidas do nosso coração, e que é por isso que ela exerce uma profunda influência, sendo capaz de emocionar, alegrar, acolher e ensinar.

 

A música no processo ensino-aprendizagem

A música é capaz de estimular a equilibrar a mente humana, aumentando as nossas conexões neurológicas e o nosso processo cognitivo, promovendo uma sensação de bem-estar. Também por isso, é um recurso pedagógico potente e que deve ser explorado amplamente na sala de aula em todos os níveis de ensino, desde a Educação Infantil até o Ensino Médio.

Além disso, a música é uma rica ferramenta de conteúdo cultural. Através dela, diversos povos registram suas angústias, crenças, alegrias, costumes e histórias. Utilizá-la para dar voz a essas pessoas e como ponto de partida para um olhar sobre expressão e manifestação cultural na sociedade também é uma estratégia extremamente edificante.

Como utilizar a música em sala de aula

Na Educação Infantil, a música é um dos recursos pedagógicos mais utilizados pela necessidade de ensinar de forma lúdica e interativa. As músicas infantis são compostas com esse propósito e trazem resultados comprovados no desenvolvimento psicomotor e psicoemocional da criança.

Esse uso se estende, geralmente, até o Ensino Fundamental, mas muitas vezes é reduzido quando os estudantes começam a entrar na fase da pré-adolescência. Isso porque há uma falsa sensação de que os estudantes vão perder o interesse ou se sentirão constrangidos ao cantar e dançar na sala. Mas isso requer uma adequação do método, não necessariamente a substituição do recurso.

A fase da adolescência tende a ser uma das mais musicais da nossa vida, na qual a formação da nossa identidade acontece a partir das referências culturais que temos. A mais comum é a música – por isto, é a fase dos ídolos. Utilizar-se disso para trabalhar os conteúdos escolares pode ser extremamente edificante, pois, além de ser um recurso com o qual o estudante tem familiaridade, promove uma aproximação emocional entre ele e o professor.

Além disso, a música pode ser uma ferramenta com conteúdos a serem explorados por diversos componentes, pois envolve linguagem, ciência, cultura, arte e sociedade.

Uma mesma música pode ser utilizada pelo professor de Português para trabalhar sintaxe, vocativos, orações subordinadas etc. Ao mesmo tempo, pode “frequentar” as aulas de Física em muitas abordagens, da mecânica à dinâmica.

Em resumo: a música faz parte da vida do ser humano, seja pela sua capacidade de emocionar, de estimular, de representar, de alegrar ou de expressar. Utilizá-la na sala de aula é uma estratégia que traz mais sensibilidade para o ensino, resultando em um aprendizado mais amplo, consciente e libertador.

Formações multirregionais em Língua Inglesa envolvem professores de 15 municípios!

Formações multirregionais engajaram os professores de Língua Inglesa.

Os últimos dias foram especiais para muitos professores de Língua Inglesa que utilizam a Coleção “Joy!”, do selo educacional Sefe. Eles se reuniram para formações online com a professora Vera Rauta, autora dos materiais. A primeira formação regional, que aconteceu nos dias 03, 06, 07 e 10, reuniu professores e diretores de Pinhais (PR), Vargeão (SC) e Flor do Sertão (SC). A segunda formação, que começou no dia 12 e terá encontros nos dias 14, 19, 21, 26, 27 e 28, reúne professores e diretores dos municípios de Meleiro, Morro da Fumaça, Passos Maia e São Lourenço do Oeste, de Santa Catarina, Alto Taquari, Campo Verde e Campinápolis, de Mato Grosso, Arandu e Ibirá, de São Paulo, e Paranaguá, Mercedes e Entre Rios do Oeste, do Paraná.

A formação, como conta a professora Vera Rauta, envolve o trabalho com sequências didáticas da Língua Inglesa produzidas neste ano, que contemplam a metodologia de aprendizagem CLIL (Content and Language Integrated Learning), presente na Coleção “Joy!”.

“CLIL é uma abordagem interdisciplinar que ganhou espaço em escolas brasileiras nos anos recentes e que vem orientando matrizes curriculares internacionais. O objetivo é integrar o aprendizado da língua com o conhecimento de diversas áreas do saber adequado à maturidade do aluno”, explica.

Segundo ela, a adesão dos participantes à formação online foi grande, assim como a adaptação para o momento. “A situação atual é atípica e pegou escolas e educadores desprevenidos. Porém, este momento tem propiciado o desenvolvimento de competências socioemocionais fundamentais para enfrentar os desafios durante a pandemia: a colaboração, a resiliência, a comunicação, a adaptabilidade, empatia, a criatividade. Todos estamos aprendendo juntos um pouco mais sobre a relação ensino-aprendizagem em ambiente digital.”

Vera observa que a Editora tem contribuído para a educação remota com a oferta das ferramentas digitais e, também, de novas formas de aprendizagem. “É preciso ensinar a pensar a cultura digital, prevista como a competência número cinco da Base Nacional Comum Curricular”.

Entre as dúvidas mais comuns dos participantes está a relacionada à elaboração das atividades para os alunos que estão em casa. Nesse caso, Vera recomenda o acesso e o uso dos livros da Coleção, que os colocam em contato com a Língua Inglesa. “Ao manusear o livro, observar as ilustrações, ler as palavras em inglês que já foram aprendidas no ano anterior, o aluno permanece em contato com a língua inglesa, mesmo estando em casa. Os livros também auxiliam nas atividades que estão sendo enviadas”, observa.

Engajamento – A professora Sonia Gonçalves é coordenadora do Ensino Fundamental II de Campo Verde, Mato Grosso. Ela participou da formação e ficou satisfeita. “Foi a primeira formação desse tipo e foi muito satisfatória”, conta. “Os professores se engajaram e, realmente, gostaram das atividades.” Ela explica que, em Campo Verde, a Língua Inglesa está presente da Educação Infantil ao nono ano do Ensino Fundamental. “Depois que adquirimos o material do Sefe, o ensino ficou ainda melhor e com mais qualidade.”

A professora Simone Kaminski Ramos é coordenadora das escolas em tempo integral e projetos complementares da Secretaria Municipal de Educação de Pinhais (PR). Ela acompanhou o trabalho e gostou muito. “A formação ofertada pela Editora Opet foi fantástica! Ela aproximou os profissionais da professora Vera e contribuiu muito para que os professores percebam que a tecnologia precisa estar a nosso favor, principalmente neste momento.”

Segundo Simone, a qualidade dos encontros foi excepcional. “Já somos fãs da professora Vera e, nessa formação, ela se superou. Trouxe muitas sugestões e recursos que podem ser utilizados com os alunos adotando as ferramentas tecnológicas. Nossos profissionais simplesmente amaram e estão ansiosos para colocar em prática tudo que foi visto!”.

Parceiros Privados: “Jornada Virtual” reúne gestores de escolas privadas do RN

A escolas parceiras privadas da Editora Opet no Rio Grande do Norte começaram o segundo semestre letivo de 2020 com muita energia e com excelentes perspectivas de trabalho, especialmente em relação ao ensino digital, ao ensino híbrido e ao planejamento.

Na última sexta-feira (31), 95 pessoas, entre mantenedores e gestores de nove escolas – Primeiros Degraus, Amiguinhos de Jesus, IEVE, CIVE, Celinho, Sonho de Criança, Cardoso Júnior, Pequeno Mestre e Vitória Kids – participaram de uma formação remota com a supervisora pedagógica da Editora Opet, Rúbia Cristina. Ela falou sobre as possibilidades do Ensino Híbrido – modelo de ensino que tende a se firmar a partir de agora –, planejamento das aulas online e a integração entre os materiais impressos e os materiais digitais.

“A formação sobre Ensino Híbrido foi um momento significativo para pensarmos numa realidade atual e que fará parte da nossa rotina educacional”, avalia Rúbia. “Os participantes tiveram a oportunidade de questionar, compartilhar suas experiências e expor seus pensamentos sobre o ‘novo real’ que estamos vivendo. Juntos, enxergamos possibilidades para um futuro presente!”.

Formação Estratégica – A professora Milka Xavier de Araújo Menezes é diretora pedagógica do Celminho, de Parnamirim, parceiro da Editora Opet há cerca de dois anos no atendimento da Educação Infantil e do Ensino Fundamental – Anos Iniciais. Segundo ela, a formação com a professora Rúbia Cristina foi estratégica. “Ela serviu para deixar a equipe pedagógica cada vez mais orientada sobre o momento que estamos vivenciando, com a clareza nas orientações que precisaremos seguir para atender as novas demandas”, observa.

A diretora se diz satisfeita com a parceria. “A Editora Opet sempre surpreende com o acesso dado e não poderia ter sido diferente neste tempo. Desde o acesso através das aula online, os encontros semanais e a facilidade de sermos atendidos com rapidez.” Sua instituição utiliza diariamente os recursos do Meet, do Google for Education, e esta deve ser a tendência para os próximos meses, na medida em que, segundo Milka, muitas famílias não devem mandar seus filhos para as aulas presenciais nos próximos meses. “Para aqueles que voltarão às aulas presenciais, estamos preparando a estrutura física. Mas, não deixa de ser desafiador, principalmente por atendermos, na maior parte, à Educação Infantil”, observa.

A professora Ranilza Francisca da Silva é coordenadora do Ensino Fundamental 2 (Anos Finais) do Instituto da Criança, de São Gonçalo do Amaranto, parceiro da Editora desde o início deste ano. Ela ficou satisfeita em participar da formação e ver que a escola e a Editora estão caminhando em uma mesma direção em relação ao ensino híbrido e ao ensino digital. “Nossa escola já está trabalhando alguns pontos abordados na formação, como registros das aulas, avaliação diagnóstica e aspectos socioemocionais através das aulas remotas. Assim, vamos   pensando e repensando o retorno das aulas presenciais diante dos parâmetros do ensino híbrido.”

Segundo Ranilza, a parceria com a Editora Opet chegou no momento certo. Tivemos acesso à plataforma Inspira, que nos contemplou com excelentes materiais de suporte para os professores. Com a pandemia, a Opet buscou outras fontes e ferramentas que nos ajudassem com aulas remotas em tempo real. E a Editora nos presenteou com a parceria com o Google for Education.”

A supervisora regional da Editora Opet responsável pelo atendimento às escolas que participaram da formação, Janaína Bezerra, diz que desde o começo da pandemia os gestores e os professores se engajaram muito para garantir a continuidade do trabalho com qualidade e segurança. “Cada um, do seu jeito, conseguiu se adaptar a esta nova realidade. Abraçaram a nossa proposta de uso das ferramentas Google e conseguiram promover de modo criativo a continuidade das aulas”, pondera. “Na formação de sexta-feira, eles demonstraram isso com participação e empenho.”

Conceito (AP) promove “feira drive-thru” e live para debater Meio Ambiente

Com menos de um ano de existência, o Colégio Conceito Bilíngue, de Macapá, é  uma das mais novas instituições privadas de ensino do Estado do Amapá. Parceiro da Editora Opet, é, também, uma das mais arrojadas em sua proposta e ações, oferecendo a chamada “Educação 4.0”, fundada em valores, cidadania, afeto e tecnologia. Recentemente, o Conceito realizou um grande projeto ambiental, especialmente ajustado para o período da pandemia. E foi um grande sucesso!

Feira, live, ações em casa: projeto de Meio Ambiente do Colégio Conceito Bilíngue movimentou a comunidade escolar por uma causa nobre!

A mantenedora e diretora Ameliany Azevedo conta que o colégio trabalha com vários projetos, dos quais o de Meio Ambiente é o do mês de junho (quando se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente). “A envergadura do projeto é grande, e envolve elementos como sustentabilidade e consumo consciente. É um projeto importante, e não quisemos parar por conta da pandemia. Assim, adaptamos e ajustamos para que funcionasse com toda segurança para os professores, estudantes e famílias”, conta.

Atividades na quarentena – Os estudantes que participaram – da Educação Infantil aos Anos Iniciais do Ensino Fundamental – desenvolveram as atividades de forma remota, com orientação dos professores. “Tivemos, então, duas culminâncias: para as crianças da Educação Infantil e os estudantes dos Anos Iniciais, uma ‘feira drive-thru’ na frente da escola. E, para os estudantes dos Anos Finais, uma live”, explica Ameliany.

No caso da “feira drive-thru”, ela foi montada com trabalhos dos estudantes (previamente levados pelos pais até a escola) e dos professores. A visitação foi feita sem sair do carro, e as famílias receberam mudas para plantar em casa. No caso da live, ela foi montada a partir dos trabalhos gravados pelos estudantes e teve um bate-papo. “Essas ações reforçaram a afetividade e o contato entre as famílias e a escola, o que é muito importante neste momento de distanciamento social”, avalia Ameliany.

O valor da parceria – “A Editora Opet tem sido uma super parceira do Colégio Conceito Bilíngue”, diz a diretora. “Com a Plataforma Inspira e a parceria da Editora com a Google for Education, recebemos um verdadeiro ‘arsenal’ de suporte tecnológico que foi fundamental para que pudéssemos realizar as aulas remotas, tanto ao vivo quanto por meio do Google Sala de Aula. Isso, sem contar a assessoria pedagógica, que está o tempo todo à disposição, tirando dúvidas e ajudando. É um suporte maravilhoso.”

Dia Nacional do Cinema Brasileiro – levando os filmes para a escola!

No dia 19 de junho é comemorado o Dia Nacional do Cinema Brasileiro. A data marca o primeiro registro de imagens em movimento do país, feitas pelo cinegrafista e diretor Afonso Segreto em 1898. A obra foi um documentário sobre a Baia de Guanabara, exibido na inauguração do Salão Novidades de Paris, no Rio de Janeiro. Desde então, o cinema brasileiro construiu um conjunto de obras rico e original, reconhecido e prestigiado mundialmente.

Fases e interfaces do cinema brasileiro – Os documentários foram as primeiras produções brasileiras. Compostos por imagens fotográficas em movimento e seguindo boa parte do que vinha sendo feito em outros países, eles registravam acontecimentos históricos, atos oficiais e cerimônias. Eram apresentados em sessões “mudas” – o cinema, então, não tinha som – ou, então, com o acompanhamento de músicos.

A partir da década de 1920, as obras de ficção “Na primavera da Vida” e “Os Três Irmãos”, de Humberto Mauro, inauguraram uma leva de produções nacionais pautadas em histórias. Em 1929, “Limite”, filmado por Mário Peixoto, foi o primeiro filme brasileiro totalmente sonorizado.

Em 1930 é instalado o primeiro estúdio de cinema do Brasil, o Cinédia. Criado por Adhemar Gonzaga, produzia comédias musicais e dramas populares. Em 1941, a produtora Atlântida, fundada por Moacir Fenelon e José Carlos Burle, fez sucesso com o gênero chanchada – histórias engraçadas, com tipos bem brasileiros. Em 1949, nascia a Companhia Cinematográfica Vera Cruz, fundada pelos amigos Franco Zampari e Francisco Matarazzo para trazer ao cinema brasileiro um padrão de produção hollywoodiano, de grandes estúdios e uma cenografia mais elaborada e grandiosa.

Por volta de 1960, inspirado no Neorrealismo italiano e na Nouvelle Vague (Nova Onda) francesa, surgiu o Cinema Novo. Os “veteranos” Nelson Pereira dos Santos e Roberto dos Santos e os iniciantes Glauber Rocha, Arnaldo Jabor e Joaquim Pedro de Andrade, entre outros, foram os principais nomes desse movi-mento. Com histórias intensas e uma estética ao mesmo tempo crua e requintada, o Cinema Novo tinha como temas preferido o Nordeste e as favelas do Rio de Janeiro, o que chocava (e atraía) a classe média brasileira e o público estrangeiro. Em 1964, ano do golpe militar, o Cinema Novo muda seu foco mas continua falando sobre o Brasil.

Em setembro de 1969 era criada a Empresa Brasileira de Filmes – Embrafilme, que teve extrema importância para o cinema nacional. Durante toda a década de 1970, a Embrafilme realizou produções que fizeram a história da cinematografia brasileira. Mas, na década de 1980, a empresa começa a declinar até sua total queda e fechamento, em 1990. Com isso, a produção cinematográfica se estagnou até 1995, ano que marca uma retomada do cinema brasileiro.

Carlota Joaquina: Princesa do Brasil”, dirigido por Carla Camurati, é o ponto inicial desse período. O filme abriu caminho para uma série de produções que conquistaram não só o público, mas também reconhecimento e prêmios internacionais.

Desde então, o cinema brasileiro seguiu produzindo bastante e bem. Comédias leves ambientadas no meio urbano, por exemplo, são um grande sucesso de público, assim como produções intimistas, animações e, mais recentemente, filmes policiais e de ficção científica financiados e difundidos por plataformas de streaming como a Netflix.

A sétima arte na sala de aula – A produção artística de um país é a expressão das angústias, alegrias e histórias de seu povo. Muito mais do que imagens em movimento, o cinema pode representar a reconstrução subjetiva de uma realidade, a exaltação de elementos e significados culturais ou a verbalização artística de discursos e debates sociais.

Com tantos elementos e tanta riqueza, o cinema pode ser utilizado como uma poderosa ferramenta didática. Os filmes atraem a atenção e, ao mesmo tempo, podem fomentar reflexões essenciais para o desenvolvimento cidadão dos estudantes, além de explorar conteúdos contemplados pelo currículo de forma mais dinâmica e interativa.

A arte reúne expressão criativa, política, social e emocional. O cinema traz todos esses aspectos em narrativas audiovisuais que são recebidas com simpatia e identificação pelas pessoas. Por isso, ao lado da música, é uma expressão artística popular capaz de comunicar-se amplamente com diversos públicos.

Levar o cinema para a sala de aula – seja ela presencial ou digital – pode engajar os estudantes em relação aos conteúdos e às discussões, estimulando seu desenvolvimento intelectual, aguçando sua criatividade e aumentando sua consciência em relação aos temas de estudo.

Listamos 5 produções brasileiras que trazem debates relevantes em relação à conteúdos curriculares. As sugestões de abordagens são mais genéricas, para que o professor se sinta livre para desenvolver as atividades de acordo com as especificidades de sua turma.

1 – “Olga” (Drama, 2004) – Baseado na obra de Fernando Morais, dirigido por Jayme Monjardim.

Conteúdos: Brasil do século XX, Alemanha nazista, governo Vargas, Coluna Prestes.

2 – “Saneamento Básico” (Comédia, 2007) – De Jorge Furtado.

Conteúdos: Brasil contemporâneo, organização do Estado Brasileiro, relações Estado-sociedade.

3 – “Auto da Compadecida” (Aventura, 2000) – Baseado na obra de Ariano Suassuna, dirigido por Guel Arraes

Conteúdos: tradições brasileiras, religiosidade popular, organização da sociedade brasileira, Brasil rural.

4 – “O Cangaceiro” (Aventura, 1953) – De Lima Barreto, com diálogos criados por Rachel de Queiroz.

Conteúdos: Cangaço, cultura nordestina, relações de poder.

5 – “Edifício Master” (Documentário, 2002) – De Eduardo Coutinho.

Conteúdos: Brasil urbano, sociabilidades, conflitos sociais, moradia.

Sugestões de leitura:

Cinema como proposta educativa – Lúcia Fernanda da Silva Prado.

Clique para acessar o CINEMA-COMO-PROPOSTA-EDUCATIVA.pdf

Utilização do cinema em sala de aula – Fernando de Moraes Toller e Vânia de Fátima Martino.

Clique para acessar o a-utilizacao-do-cinema-em-sala-de-aula-_1_.pdf

Utilização dos materiais produzidos pelas escolas no pós-pandemia

Neste contexto de isolamento social, muitas escolas e professores despendem um esforço diário para conseguir manter a qualidade das aulas no ambiente virtual. Uma série de estratégias e materiais estão sendo desenvolvidos para qualificar o ensino a distância. Esses materiais podem ser um recurso de apoio para as escolas após a pandemia, visto que o retorno não será do ponto onde havíamos parado.

As pesquisas e a literatura científica mostram que os países que já passaram por quarentenas e isolamento social, seja por pandemias, desastres naturais ou guerras, tiveram que desenvolver um plano de ação de várias frentes para reparar os danos e recuperar as perdas. A ideia, aqui, é pensar maneiras de utilizar todos esses esforços que as escolas estão aplicando agora em um contexto de retorno instável, defasado, complexo e intrincado.

 

Retorno gradual

Sabemos que o retorno às atividades presenciais das escolas após a quarentena será completamente diferente da volta de recessos tradicionais. Uma série de medidas deve ser adotada por conta da instabilidade instalada pela pandemia.

Uma das alternativas para retomar de forma segura e responsável em relação à situação sanitária seria um regresso gradual. Nesse contexto, considerando um rodízio de estudantes e professores, manter parte das atividades a distância seria necessário. Continuar, então, utilizando as videoaulas e atividades online mesmo após o retorno presencial seria uma forma de transição.

 

Estratégias de recuperação de aprendizagem

Segundo a experiência de outros países, serão necessárias medidas de avaliação diagnóstica e recuperação de aprendizado, que poderão ter como recurso de apoio os próprios materiais desenvolvidos para as aulas não presenciais. As videoaulas, por exemplo, podem ser utilizadas como ponto de partida para atividades e material de estudo para avaliações e revisões.

 

Novo recurso didático

Apesar da limitação no sentido social, o ambiente virtual para ensino pode ser explorado em várias ocasiões e com diferentes objetivos. No caso de afastamento de estudantes por questões médicas, por exemplo, ter uma plataforma de manutenção das atividades é extremamente útil.

Além disso, a tecnologia e as mídias sociais são parte do nosso dia a dia. Utilizar essas ferramentas para incentivar uma interação intelectual entre os estudantes através de fóruns online, pesquisas, chats, aulas, etc. pode ser uma estratégia didática muito bem-sucedida.

As possibilidades de pesquisa rápida e conexão de conteúdos (a chamada “linkagem”) também podem ser orientadas para expandir o estudo e enriquecer o aprendizado.

O contexto atual reforça a necessidade de investimento na educação, do desenvolvimento de políticas públicas que contemplem a escola como ponto difusor do saber científico.

Tecnologia é estudo e ciência. Ela só existe pela procura e evolução do saber – ambos, ações inerentes à escola. Ter a tecnologia como uma das engrenagens desse grande mecanismo de ensino é ampliar as possibilidades, aprimorar o aprendizado e compreender que o conhecimento só existe para que possamos aprender cada vez mais, para buscar novos saberes, para sermos melhores.

Muito embora haja a premissa que atribui o caráter relacional do ensino-aprendizagem exclusivamente a professor e estudante, sabemos que a escola, como espaço de interação e desenvolvimento social, é, ao mesmo tempo, o que impulsiona e o que catalisa este processo. Na formação da identidade individual, as relações e referências advindas da escola são responsáveis por grande parte do reconhecimento do indivíduo enquanto ser social.

Em um contexto como o atual, de isolamento e ensino a distância, pode haver uma lacuna na configuração de estímulo cognitivo do estudante para aprendizagem. É preciso, portanto, buscar caminhos – inclusive, pela troca de experiências – para essa estimulação. Explorar as possibilidades de expansão através do ambiente virtual é uma ideia de ensino perspicaz, inovador e coerente.

 

Sugestões de leitura:

  • Políticas educacionais na pandemia da COVID-19: o que o Brasil pode aprender com o resto do mundo? Banco Mundial (2020)
  • Educação não formal: direitos e aprendizagens dos cidadãos(ãs) em tempos de coronavirus. Maria da Gloria Gohn (2020) https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/3259

Tecnologia, educação e integração: em Piancó, parceira Opet engaja professores, estudantes e famílias na educação digital

Com apenas onze anos de existência, o Colégio Américo Mesquita conseguiu se destacar como uma das principais instituições privadas de ensino de Piancó, um dos municípios mais antigos da Paraíba. É, hoje, a maior instituição de ensino em número de alunos na cidade e, também, a que apresenta os melhores resultados em exames como o ENEM e os vestibulares.

Desde o início deste ano, o Américo Mesquita passou a utilizar os materiais e ferramentas da Editora Opet – do selo Opet Soluções Educacionais -, com excelentes resultados. A parceria, que abrange da Educação Infantil aos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, também está auxiliando a escola a superar o desafio do distanciamento social e das aulas remotas durante o período da pandemia da COVID-19.

O coordenador pedagógico do Colégio, Fernando Mesquita Leite, explica que a escola aderiu rapidamente às ferramentas digitais. “Enquanto os alunos estavam sendo cadastrados pela Editora Opet no Google Meet, nossa equipe do Mesquita já estava gravando videoaulas e enviando via grupos de WhatsApp, familiarizando as famílias, bem como as próprias professoras, para o uso das tecnologias.”

Segundo Fernando, a Editora Opet desempenhou um papel primordial nesse processo. “A ferramenta Google Meet aproximou mais a realidade da sala de aula, promovendo uma interação entre alunos, professores e a melhor de todas: as famílias. Com a formação da equipe gestora pela Opet para implantação da ferramenta, criamos o setor interno de tecnologia para dar suporte presencial e/ou virtual aos pais que não estavam conseguindo assimilar o uso tecnológico”, conta. Os professores também receberam uma formação pedagógica e, associando o Google for Education ao uso do livro digital na Plataforma Inspira, da Editora Opet, conseguiram engajar os alunos e pais no processo de aprendizagem remota.

O coordenador do Colégio Américo Mesquita destaca o “casamento” entre a tecnologia digital e os conteúdos dos livros Opet Soluções Educacionais. “Há um perfeito alinhamento entre as ferramentas educacionais colocadas à disposição pela Editora e o uso do material didático. Além do mais, a orientação pedagógica do Opet, feita pela assessora Adriana Fialho, facilitou esse processo adaptativo.

Reforço de empatia – Para reforçar a proximidade das famílias em relação à tecnologia, o Colégio desenvolveu uma ideia genial. No Dia das Mães, convidou dois líderes religiosos da cidade – um padre e um pastor muito queridos pela população – para uma benção especial. Detalhe: a benção seria feita por meio do Google Meet, a mesma ferramenta de videoconferências usada para as aulas.

“Quando anunciamos a solenidade e indicamos que ela seria pelo Google Meet, muitos pais baixaram o aplicativo e buscaram o colégio para conseguir acesso. Percebemos que a rejeição inicial à tecnologia não era por não saber usar, mas por não aceitar o desconhecido – a mudança abrupta provocada pela pandemia.” Depois disso, já foram realizadas reuniões com os pais via internet e, também, um vídeo de agradecimento às famílias pelo apoio e parceria.

Parceria – Fernando Mesquita considera o trabalho desenvolvido pela Editora Opet como indispensável. “Neste momento de pandemia, a assessoria foi primordial para o uso e adesão de toda a comunidade escolar às novas tecnologias. Só temos a agradecer ao sistema Opet e a sua equipe – Adriana, Erick de demais colaboradores – que têm nos agraciado com tamanha inovação e agilidade nesse processo que veio para ficar e fazer parte do contexto educacional do país.”

“O Américo Mesquita é uma referência educacional no Vale do Piancó, que abrange o oeste da Paraíba”, conta Adriana Fialho, assessora pedagógica da Editora Opet responsável pelo atendimento do colégio. “E isso acontece porque eles têm uma estrutura pedagógica encantadora, muito zelosa com a qualidade do trabalho, e muito respeito com as famílias.” Adriana explica que a instituição se preparou muito bem para o uso das ferramentas e que, para isso, contou com todo o apoio da Editora Opet. “Desde o início, quando foi feito o cadastro da escola, a equipe gestora e pedagógica recebeu as orientações para a utilização da plataforma. E eles estão usando especialmente o Google Meet e o Google Classroom, com muito sucesso.”

Erick Feijó é o consultor comercial responsável pelo atendimento do Colégio Américo Mesquita pela Editora Opet. Ele destaca o compromisso da instituição com a qualidade do ensino e, também, o olhar dos gestores. “Um exemplo interessante foi o da cerimônia ecumênica do Dia das Mães, em que a escola rendeu uma bela homenagem às mães dos estudantes e, ao mesmo tempo, aproximou as famílias da tecnologia.”  

Desafios do Marketing Escolar em Tempos de Migração Digital

A pandemia e o isolamento social que estamos vivendo nas últimas semanas transformaram a rotina das escolas, tanto no que diz respeito às aulas quanto à comunicação e marketing escolar.

Na primeira edição do OpetCast, o podcast da Editora Opet, conversamos com a nossa coordenadora de marketing, Deisi Cabrini Brancaleone, sobre as questões e desafios do marketing em tempos de migração acelerada para o mundo digital.

Santana de Parnaíba: a primeira grande formação pedagógica do ano

Na semana passada, nos dias 27 e 28 (quinta e sexta-feira), a equipe de formadores pedagógicos da Editora Opet se mobilizou para uma formação pedagógica muito especial. Eles foram até Santana de Paranaíba, cidade que é um dos nossos principais parceiros na área pública no Estado de São Paulo, para a primeira formação pedagógica do ano com os professores e os gestores.

Santana e a Editora Opet trabalham juntos desde 2015, e a parceria contempla todo o Ensino Fundamental, da Educação Infantil ao Ensino Médio (que, em Santana, é municipalizado). “Em minha avaliação, a parceria é muito boa. Os profissionais da Opet são muito qualificados e organizados, e o trabalho envolve, sempre, novas metodologias que se relacionam com os livros”, avalia o secretário municipal de Educação de Santana, Clecius Romagnoli. Segundo ele, os formadores se preocupam com o desenvolvimento das competências trazidas pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC), e este é um diferencial. “A aceitação dos materiais pelos professores, no caso da Editora Opet, é a maior que já tivemos desde que o município adotou o sistema apostilado”, conclui Clecius.

Para Nelson Bittencourt, supervisor regional da Editora Opet e um dos coordenadores da formação, Santana de Parnaíba se destaca pela dedicação dos professores e gestores. “Nos últimos anos, Santana vem se destacando muito na educação municipal. Esse crescimento e essa qualidade estão diretamente relacionados ao envolvimento dos professores e dos gestores. Ficamos muito felizes em participar desse sucesso e colaborar para que a educação avance cada vez mais.”

TECNOLOGIAS DIGITAIS

Jornada digital: Editora Opet inaugura seu estúdio de produção audiovisual

A Editora Opet inaugurou oficialmente ontem, segunda-feira (13) seu estúdio de produção audiovisual. O estúdio, que foi montado em uma sala especialmente reformada na sede da Editora, em Curitiba, é um elemento estratégico para o projeto de fortalecimento dos nossos sistemas de ensino no ambiente digital. “Optamos por fazer o estúdio aqui, em nossa própria sede, para ganhar agilidade e escala de produção. E trabalhamos com muito cuidado para fornecer todos os recursos necessários à demanda que vai surgir”, explica o coordenador de Tecnologias Digitais da Editora Opet, Luciano Rocha. “Nesse estúdio, vamos produzir peças em todos os formatos: videoaulas, fundamentação teórica em formato de vídeo, transmissões ao vivo para formações, tomadas externas e podcasts.”
Para tanto, a Editora investiu em equipamentos de última geração – câmeras digitais com capacidade de gravação em 4k, ilha de edição, set de iluminação profissional, jogos de cromaqui e fundo infinito, teleprompter, microfones profissionais e isolamento acústico. Além disso, conta com a experiência de um colaborador, João Rodrigo Almeida, que é especialista em tecnologias digitais e de comunicação, além de todos os demais colaboradores das gerências editorial e pedagógica. “Temos, agora, a estrutura e a equipe necessárias a atender a plataforma digital, e podemos investir e crescer ainda mais. Estamos dando um passo importante para colocar a Editora Opet na vanguarda dos sistemas de ensino – e isso vai acontecer em muito pouco tempo”, garante Luciano. Nesta semana, aliás, começam as gravações, com a equipe do Pedagógico, da fundamentação teórica das coleções produzidas pela Editora.
Para o diretor de produto da Editora Opet, Gilberto Soares dos Santos, a construção do estúdio é resultado do engajamento da equipe no projeto que vai colocar a Editora Opet entre as mais avançadas do país no cenário de recursos digitais em educação. “Em termos simbólicos, o estúdio representa a segunda fase do projeto. A primeira foi a de construção da plataforma que vai receber os conteúdos digitais e as novas mídias.” A data final prevista para o “embarque” dos primeiros conteúdos na plataforma é 19 de novembro. A plataforma irá ao ar em pleno funcionamento em meados de dezembro.