Fortaleza: o sucesso de uma grande parceria

Nos últimos anos, Fortaleza, município parceiro da Editora Opet desde 2013, deu um salto de qualidade na educação pública. Investiu em planejamento, na formação continuada dos professores e na alfabetização dos estudantes na idade certa. E alcançou bons resultados: entre 2012 e 2018, o município saltou 81 posições no ranking cearense de alfabetização. E, entre 2011 e 2019, cresceu 48% no Ideb, que passou de 4,2 para 6,2 na 4ª série/5º ano e de 3,5 para 5,2 na 8ª série/9º ano. Em relação à alfabetização na idade certa, o crescimento também foi significativo: se, em 2012, pouco mais de 50% das crianças conseguiam ler e escrever até os sete anos, em 2019 este percentual saltou para 94,4%, segundo os dados mais recentes do Sistema de Avaliação da Educação Básica, o Saeb. Um dos melhores índices do Brasil.

Com o selo educacional Sefe, a Editora Opet atende os professores e os estudantes do 2º ano do Ensino Fundamental (Anos Iniciais), uma etapa essencial da alfabetização, e da Educação Infantil. A parceria abrange os materiais didáticos, as ferramentas educacionais digitais, o assessoramento e o acompanhamento pedagógico. E ela ficou ainda mais forte durante a pandemia, com o uso intensivo, pelos professores, estudantes e familiares, dos recursos educacionais digitais oferecidos pela Editora Opet – a plataforma educacional Opet INspira (sistema de gestão da aprendizagem) e as ferramentas Google Workspace for Education. Ambos os sistemas, aliás, trabalham integrados, o que torna a educação digital ainda mais próxima.

“Em Fortaleza, vemos que os professores e os gestores acreditam que a educação não pode parar, e este é um grande diferencial”, avalia Cliciane Élen Augusto, gerente pedagógica da Editora Opet.

Ela esteve na capital cearense recentemente para uma série de visitas e reuniões técnicas presenciais com a equipe da secretaria de Educação e, também, com o time do escritório da Editora em Fortaleza. O entusiasmo que encontramos aqui nos contagia. Essa sinergia e essa energia vêm de uma gestão comprometida com a educação. Elas são nossas também e funcionam como uma motivação constante”, acrescenta.

Encontro em Fortaleza: os gestores Osvaldo e Danuta com a gerente pedagógica Cliciane e o supervisor regional Glaylson.

Aproximação – “Essa visita foi importante para acompanhar presencialmente o resultado dos trabalhos desenvolvidos pelo município dentro da educação digital, sobre o acolhimento emocional aos professores e estudantes e, também, para conversar sobre os próximos passos”, observa Cliciane. Depois de três semestres de educação remota, segundo as informações mais recentes divulgadas pela prefeitura, a rede municipal de ensino de Fortaleza deve passar a adotar o modelo de ensino híbrido a partir do dia 08 de setembro.

Cliciane destaca o contato com os gestores e as conversas sobre o que foi adquirido, em termos de conhecimentos, com o período de ensino remoto. “A professora Danuta Sena, gerente da célula de formação de professores, e o professor Osvaldo Negreiros Filho, coordenador do Ensino Fundamental da secretaria, destacaram a importância da formação continuada dos professores de Fortaleza para o desenvolvimento das habilidades virtuais”, explica.

“E eles têm todo o nosso apoio. Em primeiro lugar, porque a educação virtual oferece muitas formas diferentes de ensinar. E, em segundo lugar, porque mesmo com o futuro retorno das atividades presenciais, os ganhos da educação digital vão permanecer. O importante é extrair o melhor de todos esses recursos para fortalecer o processo de ensino-aprendizagem.”

O fato é que, mesmo que no futuro as aulas online deixem de ocorrer ou sejam reduzidas, há muitos outros processos que seguirão no pós-pandemia, como as reuniões virtuais, as pesquisas e o uso do acervo de objetos de aprendizagem da plataforma educacional Opet INspira.

Segundo Cliciane, com as ferramentas digitais em constante aprimoramento e com a equipe pedagógica da Editora avançando cada vez mais em relação a novos conhecimentos, a parceria será aprimorada. “Temos muito a oferecer e, também, muito a aprender com o trabalho dos professores e gestores de Fortaleza.”

O supervisor regional da Editora Opet para o Ceará, Glaylson Rodrigues, acompanhou Cliciane nos encontros com os gestores em Fortaleza. Junto com sua equipe, ele é o responsável por atender mais diretamente as demandas do município. “A presença da nossa gerente, a Cliciane, foi importante para aprofundar a discussão das ações futuras com os gestores de Fortaleza. Isso nos aproxima ainda mais”, avalia.

Segundo Glaylson, a parceria entre Fortaleza e a Editora Opet caminha para um modelo de trabalho cada vez personalizado, que é como deve ser uma boa parceria educacional. “Nós estamos em um processo constante de imersão na secretaria de Educação de Fortaleza, focando suas questões e o atendimento aos professores e aos gestores. Como contrapartida, temos um engajamento cada vez maior de toda a equipe.” E, sem dúvida, uma educação cada vez mais significativa.

Primeira formação pedagógica do 2º semestre reúne centenas de professores em Santana de Parnaíba

A rede municipal de ensino de Santana de Parnaíba e a Editora Opet promoveram nesta semana, de quarta a sexta-feira (20 a 23), uma grande formação pedagógica. O encontro, o primeiro relativo ao segundo semestre do ano de 2021, foi realizado online e envolveu centenas de professores em salas de aula digitais. Ele abrangeu o trabalho com conteúdos pedagógicos, ferramentas digitais e temas de interesse da educação em todas as etapas da educação municipal, da Educação Infantil ao Ensino Médio. Também participaram os professores da Educação Especial, gestores e equipe da secretaria municipal de Educação.

A ação também abrangeu a participação da Editora no III Seminário Municipal de Alfabetização e Letramento, um dos mais importantes eventos anuais promovidos pela educação em Santana de Parnaíba. Nesta sexta-feira, a Editora participou com a palestra “O Desafio de Promover a Aprendizagem e a Avaliação Significativa através do Ensino Híbrido”, com a supervisora pedagógica Marina Rhinow. Em dois momentos, ela falou para um total de cerca de 1.600 participantes.

Trabalho primoroso – Nelson Bittencourt é o supervisor regional responsável, na Editora Opet, pelo atendimento de Santana de Parnaíba. Ele destacou a importância do momento formativo e, principalmente, a qualidade do trabalho realizado pelo município. “Santana de Parnaíba desenvolve um trabalho primoroso, com grande engajamento dos professores e dos gestores. O melhor exemplo disso é a participação massiva das pessoas na formação desta semana. E elas estão presentes de forma crítica, se engajam, dialogam e esclarecem dúvidas.”

Nelson Bittencourt acompanhando as formações em Santana de Parnaíba: “trabalho do município na educação é primoroso.”

Para trabalhar com os professores e gestores de Santana, a Editora escalou uma equipe de 18 assessores pedagógicos, que, ao longo da formação, coordenaram o trabalho em dezenas de salas virtuais. Entre os temas abordados estiveram as ferramentas digitais colocadas à disposição dos educadores pela Editora (a plataforma educacional Opet INspira e as ferramentas Google Workspace for Education) e seu uso na Educação Infantil, Interdisciplinaridade e Aprendizagem Criativa para resolver problemas (Ensino Fundamental), “Viajando nas asas da imaginação” (Ensino Fundamental), “Educação Criativa, Inovadora e Transformadora – possibilidades e desafios (Ensino Fundamental)”, “Possibilidades para viver o distanciamento social! O brincar como metodologia de ensino e aprendizagem! Uma viagem às possibilidades!” (Educação Física), “Audiodescrição, Capacitismo, Ética Profissional, Barreira Atitudinal” (Educação Especial) e “Prestação de Serviços – Qualidade de Atendimento” (para agentes de organização, alimentação e oficiais administrativos).

“Mais uma vez, ficamos muito animados com o trabalho desenvolvido na parceria com Santana de Parnaíba. Gostaríamos de agradecer à equipe da secretaria, ao secretário Clecius Romagnolli e a todos os participantes pelo empenho. A rede municipal de ensino de Santana, com certeza, terá um segundo semestre letivo da mais alta qualidade”, avalia Nelson Bittencourt.

A gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto, destaca a importância do planejamento dentro da parceria. “O sucesso de mais uma formação online realizada em Santana de Parnaíba comprova a qualidade dos planejamentos desenvolvidos com os professores e, em especial, a capacidade dos educadores de Santana de Parnaíba de estarem sempre se atualizando.”

A importância da Educação Financeira

Educação Financeira nas escolas 

Você já parou para pensar que, entre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio são mais de 10 anos de Educação Básica, mas que, nesse período, a Educação Financeira praticamente não aparece entre os conteúdos ensinados e aprendidos?

É um cenário preocupante, que, com certeza, compromete a relação da sociedade com as próprias finanças e prejudica o desenvolvimento do país.

Finanças: mais do que números, comportamento

A preocupação diante da falta de uma Educação Financeira é ainda maior quando paramos para pensar que uma vida financeira saudável vai muito além de aprender sobre juros, prazos, tipos de investimentos e sistema monetário. Envolve também habilidades comportamentais, como tomada de decisão, capacidade de planejamento e controle de impulsos. Por isso, é fundamental trabalhar esse tema durante os anos escolares, abordando, a partir dos recursos, ideias para cada fase do desenvolvimento.

Educação Financeira, interdisciplinaridade e BNCC

A Educação Financeira deve ser abordada de forma interdisciplinar, como preconizado pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento que descreve aos educadores quais as aprendizagens necessárias a serem desenvolvidas por todos os estudantes durante a Educação Básica. Na Base, o assunto é tratado como tema transversal, ou seja, ele “atravessa” todos os componentes curriculares. Faz sentido: afinal, as finanças estão em muitos aspectos da vida, da matemática à sustentabilidade.

A Educação Financeira foi inserida na BNCC não como componente curricular, mas como tema contemporâneo transversal, compondo o currículo de Matemática.

O que é um tema transversal?

Muitas vezes, um único componente não possui os elementos necessários para abranger determinado assunto. Os temas transversais são assuntos que, para ser compreendidos em sua totalidade, devem ser estudados em diversas disciplinas. A Educação Financeira é um deles.

Como trabalhar a Educação Financeira no espaço escolar

A Educação Financeira está incluída no tema transversal Economia e, além da Matemática, ela pode ser aplicada também em disciplinas como História e Sociologia.  Além disso, existem diversos recursos pedagógicos e tecnológicos, bem como métodos de ensino que podem facilitar esse trabalho escolar focado nas finanças.

Educação Financeira na Educação Infantil e a ludicidade

Para ensinar sobre finanças na Educação Infantil, é preciso considerar que a linguagem abordada deve ser lúdica. Trabalhar por meio de jogos, músicas e brincadeiras é a melhor forma de manter a atenção das crianças. Livros infantis que abordem o tema, por exemplo, são excelentes ferramentas. Sendo assim, o professor pode inserir o assunto por meio da contação de histórias. Os jogos on-line também ajudam muito. Neles, além de trabalhar aspectos numéricos, a criança precisará aprender a tomar decisões, algo fundamental para uma futura vida financeira saudável.

Além disso, existem habilidades que, a princípio, podem parecer não ter relação com o tema, mas que são fundamentais para o futuro. Elas ajudarão na capacidade de relacionar, comparar, analisar e planejar. São elas:

● Identificar, descrever, comparar e relacionar elementos de determinados objetos.

● Conhecer noções de grandeza, espaço e medidas.

● Aprender os termos e conceitos relacionados às unidades de medida e noções de tempo, de modo que a criança consiga utilizá-los para as suas necessidades e questões do cotidiano.

● Identificar e descrever quantidades, utilizando as diferentes formas de representação existentes.

● Perceber o que é e a importância de economizar.

Educação Financeira no Ensino Fundamental: a importância da interdisciplinaridade

Para o Ensino Fundamental, a BNCC propõe que o professor aborde os conceitos básicos de economia e finanças. Por exemplo:

● Taxa de juros.

● Inflação.

● Aplicações financeiras.

● Impostos.

Para que essa abordagem interdisciplinar seja bem-sucedida, a BNCC destaca que o tema deve ser associado a outros temas, como dimensões socioculturais, políticas e psicológicas que envolvem as finanças, além de mencionar também aspectos de consumo, trabalho e dinheiro. Essas abordagens podem ser trabalhadas, por exemplo, em História. Sobre isso, a BNCC preceitua o seguinte:

“É possível, por exemplo, desenvolver um projeto com a História, visando ao estudo do dinheiro e sua função na sociedade, da relação entre dinheiro e tempo, dos impostos em sociedades diversas, do consumo em diferentes momentos históricos, incluindo estratégias atuais de marketing” (MEC: BNCC, 2018).

Educação Financeira no Ensino Médio: preparar o estudante para uma vida financeira adulta e consciente

No Ensino Médio, segundo a BNCC, a Educação Financeira deve ser capaz de desenvolver as seguintes competências e habilidades:

Competência específica 3: “Utilizar estratégias, conceitos, definições e procedimentos matemáticos para interpretar, construir modelos e resolver problemas em diversos contextos, analisando a plausibilidade dos resultados e a adequação das soluções propostas, de modo a construir argumentação consistente” (MEC: BNCC, 2018).

Habilidades, segundo a BNCC:

1. (EM13MAT304) – Resolver e elaborar problemas com funções exponenciais nos quais seja necessário compreender e interpretar a variação das grandezas envolvidas, em contextos como o da matemática financeira, entre outros.

2. (EM13MAT305) – Resolver e elaborar problemas com funções logarítmicas nos quais seja necessário compreender e interpretar a variação das grandezas envolvidas, em contextos como os de abalos sísmicos, pH, radioatividade, matemática financeira, entre outros.

3. (EM13MAT503) – Investigar pontos de máximo ou de mínimo de funções quadráticas em contextos envolvendo superfícies, matemática financeira ou cinemática, entre outros, com apoio de tecnologias digitais (MEC: BNCC, 2018).

Para os estudantes do Ensino Médio, as atividades de Educação Financeira podem envolver os seguintes conhecimentos:

● Simular situações cotidianas.

● Elaborar planejamentos financeiro e pensar sobre as melhores decisões a partir deles.

● Ler e debater textos e situações associados à Educação Financeira.

● Entender as principais causas de endividamento.

● Aprender sobre o uso dos cartões de crédito.

● Aprender sobre Previdência.

● Conhecer os principais investimentos e saber escolher os melhores para cada objetivo.

● Conhecer os perfis de investidores.

● Conhecer o caminho para o primeiro emprego.

● Entender conceitos como renda, remuneração, dividendos, lucros.

● Conhecer as armadilhas ligadas ao consumo.

● Décimo terceiro salário.

● Empreendedorismo.

Tudo isso pode ser feito a partir de pesquisas e estratégias de ensino como aprendizagem baseada em problemas, projetos, metodologia STEM e outros.

A Educação Financeira e a Editora Opet

A Editora Opet oferece materiais de alta qualidade sobre Educação Financeira. Eles compõem os livros “O Mundo da Educação Financeira”, livro anual (aluno e professor) dirigido aos estudantes do 5º ano do Ensino Fundamental. A obra oferece propostas preciosas sobre finanças pessoais, familiares, consumo consciente e sustentabilidade. Saiba mais!

Além disso, na plataforma educacional Opet INspira é possível encontrar vários conteúdos – de vídeos a podcasts, de jogos educacionais a quizzes – que podem ser utilizados em abordagens transversais da Educação Financeira. Conheça!

A importância da formação continuada

Educar é preparar as pessoas para a vida em sociedade. Para a convivência, a colaboração, os desafios, a sustentabilidade e, é claro, as transformações que acontecem sem parar. Se quem está em sociedade precisa “correr” o tempo todo, quem ensina precisa correr mais ainda! E isso porque os professores têm uma grande responsabilidade. Mas, como preparar quem prepara outras pessoas? Apoiando suas iniciativas e, é claro, investindo em formação continuada.

Um bom exemplo de como as transformações sociais impactam a educação e exigem atualização constante do professor é o cenário atual. Desde o início da pandemia, toda a estrutura de aulas precisou ser modificada. Rapidamente, o ensino passou a ser aplicado no modelo on-line ou híbrido. Isso exigiu novos conhecimentos, metodologias e ferramentas.

 

Evolução tecnológica e neurociências mudam os rumos da educação 

Outro exemplo de transformação social que altera a forma de ensinar é a evolução tecnológica, que se acelerou nas últimas décadas, em especial com a popularização dos computadores e da internet. Ela é responsável por levar para a escola recursos digitais que modificam a estrutura das aulas e possibilitam maior inclusão e um aprofundamento dos conteúdos e possibilidades didático-pedagógicas.

Além disso, os avanços das neurociências também contribuem para modificar a forma de ensinar. Esse é um campo de estudo que visa compreender o modo como o cérebro aprende: a cada descoberta, novas práticas de ensino são incorporadas na educação a fim de garantir uma aprendizagem mais significativa aos educandos.

 

Como as tecnologias e as neurociências se relacionam e impactam a educação

Para deixar mais claro como todos esses elementos – tecnológicos e neurocientíficos – influenciam a educação e exigem do professor um aprimoramento constante, podemos citar alguns novos estilos de ensino baseados em tais descobertas. Os principais modos de ensino recentes são a chamada “cultura maker”, a “educação STEM” e a educação baseada em projetos ou em problemas. Mas existem vários outros que se encaixam nesse cenário de novidades educacionais.

Todos eles têm como ponto de partida o conceito de aprender fazendo. Isso porque, cada vez mais, os estudos neurocientíficos têm demonstrado que praticar algo é uma das formas mais poderosas de aprender um conteúdo novo. Outro ponto que os novos modelos de ensino possuem em comum é o uso de tecnologias no processo de desenvolvimento das atividades.

A aprendizagem STEM, por exemplo, propõe um ensino baseado nas áreas de Ciências, Tecnologias, Engenharia e Matemática (STEM é a sigla formada pelos nomes destas disciplinas em inglês). E isso não só porque essas áreas são mais exigidas no mercado de trabalho atual, mas porque elas se relacionam ao desenvolvimento da cognição – uma verdadeira “musculação cerebral”!

Esse método pode ser aplicado sozinho, mas também pode ser associado aos demais citados anteriormente. Uma das formas de fazer isso é associá-lo à educação baseada em problemas, em que todo o desenvolvimento do trabalho escolar parte de um problema específico que deve ser analisado por meio de hipóteses e observações e resolvido a partir de ferramentas educacionais tecnológicas.

Tantas novidades, é claro, pedem uma escola preparada. E, quando falamos em escola, estamos falando de infraestrutura, gestores e PROFESSORES.

 

O conteúdo da formação continuada deve ser associado a conhecimentos clássicos da educação 

Todos esses novos métodos dialogam e podem ser adaptados ao que o professor foi aprendeu na graduação, como os métodos dos principais teóricos educacionais e os aspectos da psicologia e sociologia do ensino. O fato é: o que se aprende na faculdade é fundamental, mas deve ser conectado e fortalecido por outros conhecimentos, saberes e fazeres, especialmente os relacionados às mudanças tecnológicas mais recentes. Isso atualiza e mantém os conhecimentos. A formação continuada garante ao professor maior conhecimento sobre recursos personalizados e inclusivos.

Além dos métodos e práticas de ensino, a tecnologia também possibilita o uso e até a criação de instrumentos de ensino, como trilhas de aprendizagem e sequências didáticas que facilitam o acesso dos estudantes aos conteúdos e avaliações.

Também contribuem para a elaboração de recursos de tecnologias assistivas, instrumentos que permitem a inclusão de crianças com deficiências ou transtornos de aprendizagem. Esses recursos garantem, por exemplo, a criação de funções personalizadas aos estudantes que utilizam a língua de sinais ou precisam de softwares de voz.

 

As tecnologias digitais facilitam a formação continuada dos educadores 

Os profissionais da educação devem estar atentos às possibilidades que os recursos digitais podem oferecer. Mas, com o dia a dia corrido, cheio de obrigações e responsabilidades, fica complicado encontrar um tempo para manter a rotina contínua de estudos. Um dos pontos positivos das novas tecnologias digitais é que elas facilitam não apenas a educação dos estudantes, mas também a formação continuada dos educadores.

Além disso, sistemas de ensino bem-estruturados e participativos, como é o caso dos oferecidos pela Editora Opet, também oferecem possibilidades para a formação continuada dos docentes. Esse, aliás, é um diferencial Opet: a excelência no trabalho pedagógico.

 

Professores podem se capacitar mesmo a distância 

Afinal, além das capacitações presenciais, existe a possibilidade de os educadores continuarem seus estudos na educação a distância (EAD) – outra facilidade disponibilizada pela Editora Opet aos seus parceiros.  Além disso, os gestores escolares podem implementar, nas escolas, diversas ferramentas e técnicas que aumentam as possibilidades de capacitação dos profissionais da educação.

 

Onde encontrar formas de manter os conhecimentos pedagógicos atualizados? 

Na Opet INspira, uma plataforma educacional da Editora Opet, há diversos recursos, materiais didáticos e objetos de aprendizagem que podem ser incorporados ao dia a dia da escola. Todos eles estão alinhados com as necessidades educacionais da atualidade. Para utilizá-los, basta acessar os documentos e tutoriais disponíveis na plataforma – eles são amigáveis e garantem um acesso rápido e seguro aos recursos. Para quem já é conveniado, basta acessar usando seu login e senha – os mesmos usados para acessar os recursos Google Workspace for Education. Se você não é conveniado, entre em contato conosco e peça para conhecer!

Competências em sala de aula

Mais do que adquirir conhecimentos, o aprendizado envolve a capacidade de aplicá-los na vida prática e de assumir uma atitude positiva e curiosa diante das possibilidades que determinado conteúdo oferece.

Esse processo só é possível a partir de uma educação integradora, isto é, um ensino que contemple todas as dimensões do desenvolvimento humano – cognitivo, físico, emocional e cultural.

Em uma educação integradora, a aprendizagem é vista como o desenvolvimento de competências, não apenas como aquisição de conhecimentos.

Nela, aparecem outros dois elementos fundamentais para o processo de ensino-aprendizagem: as habilidades e a atitude.

Entenda como isso se dá na prática!

A tríade do conhecimento: o sentido de desenvolver competências

Competências, como já mencionamos, podem ser definidas como o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes.

Aquisição de conhecimento: primeira etapa

O ensino dos conteúdos das disciplinas de português, matemática, ciências, história e geografia oferece ao estudante conhecimentos essenciais para a vida, aqueles conhecimentos clássicos, acumulados ao longo da história e que devem ser transmitidos para as próximas gerações – são conhecimentos civilizatórios.

Acontece que, se o ensino se detém em “repasse”, a criança simplesmente esquece o conteúdo. Afinal, ela não teve a oportunidade de praticar o que foi apresentado nos livros e aulas, então tudo ainda está muito abstrato para ela. As coisas só fazem sentido se associadas a outras, da própria vida de quem aprende.

Aquisição de habilidades: segunda etapa

A fim de consolidar o que foi aprendido na etapa anterior, é preciso que a criança aprenda a utilizar os conhecimentos de conteúdo escolar em diversos aspectos da vida para solucionar problemas e para entender aspectos do cotidiano.

É muito importante ter em mente que todo conteúdo deve ser útil – a teoria sempre deve andar com a prática. De pouco adianta passar dezenas de exercícios de gramática se o estudante não sabe se comunicar, debater e defender seus pontos de vista com base em argumentos válidos. Uma coisa, aqui, está integrada com a outra!

Da mesma forma, não adianta ensinar fórmulas de matemática se o estudante não compreender que os conceitos desta disciplina podem ser aplicados em várias áreas de sua vida, por exemplo, na vida financeira ou mesmo em projetos.

Atitude positiva

Tanto a aquisição de conhecimentos quanto a de habilidades podem ser repassadas para uma pessoa. O professor consegue formar o estudante por meio das aulas expositivas e indicações de leituras, bem como a partir da aplicação de atividades, situações-problema e projetos – as possibilidades são muitas!

Já a atitude é um aspecto comportamental, é algo que vem com o indivíduo. Isso não pode ser ensinado, mas pode ser percebido e trabalhado pelo professor. Tem a ver com aquela curiosidade, um brilho nos olhos, a vontade de aprender mais sobre algo.

O docente, então, pode trabalhar com abordagens que estimulem a criança a ter vontade de adquirir conhecimentos e habilidades. Só o fato de o estudante perceber que a teoria apresentada previamente pode ser aplicada em sua vida é um modo de incentivá-lo. É importante, no entanto, manter essa chama acessa. Isso pode ser feito a partir das escolhas do tipo de atividade, trabalho e ensino que se tem em sala de aula.

As crianças e jovens de hoje estão totalmente conectados às tecnologias digitais. Então, por que não utilizar essa realidade como ponto de partida para desenvolver trabalhos? Pode ser por meio de vídeos, podcasts ou na criação de uma animação.

Quais competências devem ser trabalhadas

Essa educação integradora pode partir das competências gerais que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) – um documento basilar da nossa educação – propõe. Confira a seguir:

1. Conhecimento

2. Pensamento científico, crítico e criativo

3. Repertório cultural

4. Comunicação

5. Cultura digital

6. Trabalho e projeto de vida

7. Argumentação

8. Autoconhecimento e autocuidado

9. Empatia e cooperação

10. Responsabilidade e cidadania

Essas 10 competências devem acompanhar o desenvolvimento das crianças desde a Educação Infantil até o Ensino Médio.

Como desenvolver e ensinar por competências

O ensino por competências deve ser feito de forma transversal, pois todas elas podem ser trabalhadas em todas as disciplinas. A competência de comunicação, por exemplo, apesar de estar usualmente envolvida nas aulas de português, também pode ser trabalhada nas disciplinas de matemática ou geografia.

Nas aulas de português, é possível trabalhar aspectos relacionados à qualidade da fala, à capacidade de argumentação e ao uso correto da gramática. Só não podemos esquecer de que a comunicação não envolve somente a fala e a escrita. A interpretação de um gráfico, em problemas de matemática, também configura comunicação, assim como a leitura correta de um mapa na disciplina de geografia.

Outra forma de desenvolver as competências nos estudantes é por meio de projetos em grupos, debates ou aprendizagem baseada em problemas. Dessa forma, é possível trabalhar competências relacionadas à comunicação, socialização e pensamento científico.

Afinal, nesse contexto, a criança precisa utilizar o conhecimento prévio, aplicá-lo no projeto, descobrir como socializar de forma saudável com os demais colegas, comunicar-se adequadamente com eles e argumentar em favor de suas ideias, bem como exercitar o pensamento científico, uma vez que precisa observar, elaborar hipóteses e investigar.

Como deve ser feita uma avaliação por competências

Assim como o modo de ensinar, realizar atividades e desenvolver projetos muda diante de uma educação por competências, a maneira de avaliar também deve ser diferente. A ideia não é deixar de aplicar a avaliação tradicional, mas também partir de outros aspectos para avaliar o estudante.

Antes de escolher uma atividade para averiguar as competências dos estudantes, é importante ter em mente que, nesse caso, mais do que o resultado, deve se avaliar o processo de realização da avaliação. Se as aulas levam em conta a aquisição de competências, com uma educação integradora, então a avaliação também deve partir desse critério.

O professor precisa, por exemplo, compreender e registrar o desempenho de comunicação, pensamento científico, socialização, aplicação de conhecimentos e demais competências ao longo da execução da atividade avaliativa proposta.

Da mesma forma que, como citamos, existem formas de trabalhar intencionalmente para o desenvolvimento da tríade conhecimento, habilidades e atitude, também existem formas de avaliar.

Confira abaixo algumas opções!

●    Desafios de lógica;

●    Análise de casos e situações;

●    Rodas de conversa;

●    Encenação e dramatização;

●    Seminários;

●    Trabalhos em grupo;

●    Debates;

●    Exposições;

●    Saraus;

●    Publicações temáticas, como revistas e jornais.

Durante todo o período em que os estudantes estiverem desenvolvendo os trabalhos, o professor deve analisar se o objetivo final está sendo alcançado. Ele também deve registrar etapas e acontecimentos ao longo do projeto, para posteriormente avaliar se, de fato, as competências necessárias foram empregadas na execução dos trabalhos.

Competências necessárias para os docentes

Além das crianças, os docentes também precisam desenvolver uma série de competências, desde a formação até a atuação em sala de aula, para obter sucesso no ensino dos estudantes.

Tais competências envolvem o conhecimento específico de sua disciplina, assim como de didática, processos de aprendizagem, metodologias de ensino e tecnologias digitais. Tudo o que é fundamental para repassar o conteúdo de modo que o indivíduo realmente aprenda.

Claro que de nada adianta conhecer a teoria se o docente não consegue aplicar todo esse conteúdo em prol do ensino. O professor deve desenvolver um olhar analítico que mostre a ele quais os melhores métodos para determinada situação e indivíduo, a capacidade de liderança e de tomada de decisões, as habilidades necessárias para utilizar as ferramentas de ensino, sejam elas digitais ou não, e demais características que o ajudem a atuar como mediador entre o estudante e o objeto de aprendizagem.

Não se deve esquecer, no entanto, de que a atitude positiva deve vir do próprio professor, a vontade de ensinar, aquele brilho nos olhos que citamos acima. Por isso, é fundamental que esse profissional busque sempre novos caminhos, conhecimentos e habilidades, e esteja disposto a conhecer e considerar novas formas e ferramentas de ensino.

Essa vontade é essencial para que os demais elementos da tríade de competências sejam desenvolvidos.

Como adquirir competências discentes e docentes

Quando falamos em desenvolver competências em discentes, devemos voltar nossa atenção, principalmente, ao professor. É ele que, a partir das próprias competências, guia a criança e o estudante no processo de aquisição de conhecimentos e habilidades. Mas, assim como o docente deve trabalhar para formar os estudantes, o próprio docente (ou a escola) deve focar em sua própria formação.

Atualmente, os métodos de ensino têm se modificado bastante. Com o surgimento de novas tecnologias digitais, surgiram também novas maneiras de praticar a docência. Portanto, é fundamental treinar o professor constantemente para que ele esteja preparado para as novas demandas em sala de aula.

Também é importante que o docente tenha acesso às novas ferramentas advindas das tecnologias digitais. Isso ajudará na aplicação de seus conhecimentos em prol da aprendizagem dos discentes, tornará o ensino mais efetivo e ainda ajudará a estimular a atitude positiva das crianças e, consequentemente, do próprio professor.

Como preparar estudantes e professores

Na plataforma educacional Opet INspira há diversos materiais didáticos que auxiliam os educadores no desenvolvimento de atividades, avaliações e sequências didáticas.

Além disso, vários desses recursos são digitais, permitindo que o docente crie trilhas de aprendizagem e forneça roteiros de estudos aos discentes.

Sem contar as ferramentas de áudio, os bancos de imagens, os quizzes e os vídeos disponibilizados para professores e estudantes. Todos eles são recursos que ajudam na aplicação e desenvolvimento de atividades integradoras, capazes de trabalhar as competências gerais nas crianças.

Além das ferramentas digitais, diversas histórias infantis são disponibilizadas na plataforma. É um outro tipo de material essencial para estimular a atitude positiva dos discentes diante das atividades propostas, uma vez que trabalha a imaginação, a criatividade e a ludicidade, aspectos que geram muito interesse nos discentes.

Todos esses materiais e conteúdos servem como instrumento para o ensino, de modo que a criança adquira seus próprios conhecimentos e descubra como usá-los em diversas situações cotidianas.

Já para o professor, esses recursos digitais auxiliam na elaboração e aplicação de atividades e avaliações integradoras, permitindo que eles capacitem as crianças de forma mais eficaz e avaliem visando todo o processo e não apenas o resultado.

Todas as tecnologias para a educação brasileira

Os últimos meses nos ensinaram a conhecer e a valorizar ainda mais as ferramentas educacionais digitais. Com elas, vem sendo possível oferecer educação de qualidade a milhões de estudantes. Ainda há muitos desafios, como os representados pela falta de uma infraestrutura
adequada em várias regiões do país, algo que só pode ser resolvido com planejamento e ação do poder público. A chegada de tecnologias como a do chamado “5G”, por exemplo, promete revolucionar esse cenário e levar uma internet de melhor qualidade para mais lugares.

 

Como melhorar a qualidade da educação com o uso de tecnologias

Os professores, estudantes e famílias parceiros da Editora Opet nas áreas pública e privada têm acesso a um conjunto fantástico de soluções: a Plataforma Educacional Opet INspira, repleta de conteúdos organizados – jogos educacionais, simuladores, vídeos, áudios e muito mais – e integrada aos materiais didáticos, e as ferramentas Google Workspace for Education, que garantem a realização de aulas digitais de alta qualidade. E esses recursos não “chegam sozinhos”: nas nossas formações pedagógicas, os docentes parceiros aprendem a utilizá-los e, de quebra, descobrem muitos outros recursos em uso no universo da educação digital!

Mesmo os professores e os estudantes que não dispõem desses recursos, porém, podem fazer uso da internet para fortalecer o trabalho pedagógico. A rede oferece várias ferramentas, disponíveis em plataformas e sites de governo, como o do Ministério da Educação – MEC. Os chamados “repositórios” possuem diversos objetos digitais de aprendizagem como games, imagens e outros.

Também é possível encontrar bons conteúdos em sites e portais de universidades públicas, museus e centros de pesquisa. Vamos conhecer alguns deles?

  1. Currículo+: recursos digitais articulados com o Currículo do Estado de São Paulo. Oferece livros, áudios, jogos, infográficos, etc.
  2. Plataforma Anísio Teixiera. Desenvolvida pela Secretaria de Educação do Estado da Bahia. Traz rotinas de estudos para todas as fases da educação básica, notícias recentes da educação, vídeos, jogos, animações, imagens, planilhas, sites etc.
  3. PROEDU – Repositório de Recursos Educacionais Abertos para Educação Profissional e Tecnológica, desenvolvido pela Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) do MEC. Focado no ensino tecnológico, traz manuais, guias e aulas para download.
  4. Mundo Senai – Também focado em ensino tecnológico, oferece um grande número de livros digitais sobre várias atividades da indústria.
  5. Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin – Uma das mais importantes bibliotecas digitais sobre temas brasileiros, desenvolvida pela Universidade de São Paulo a partir do acervo doado por Guita e José Mindlin.
  6. Labvirt – Também desenvolvida pela USP (pela Escola do Futuro), oferece objetos de aprendizagem ligados ao ensino de Física e Química.

Tecnologia e acessibilidade à educação 

Quando se fala em tecnologias pedagógicas, um dos benefícios mais citados é a acessibilidade à educação, uma vez que os custos do ensino remoto são menores e permitem que muitas pessoas residentes possam estudar conteúdos a que não teriam acesso presencialmente devido às
limitações geográficas.

Esse cenário é possível graças à criação de ambientes de aprendizagem on-line, plataformas de ensino que permitem o indivíduo acessar as aulas, os livros e demais materiais.

Ao se pensar nesse modelo educacional, muitos já lembram dos cursos de graduação, mas não podemos esquecer de que o ensino híbrido – associação entre aulas presenciais e remotas – é uma realidade cada vez mais presente no ensino básico. Principalmente depois no início da pandemia, quando a única maneira de continuar as aulas foi com a adoção das aulas remotas.

Áreas remotas e o acesso à internet: uma realidade em transformação

Mesmo com todos os benefícios que as aulas remotas proporcionam a estudantes de diversos níveis educacionais, é preciso ter em mente que nem todos conseguem ter acesso à internet. Isso é prejudicial não apenas por inviabilizar o ensino híbrido que escolas
públicas e privadas vêm adotando, mas também por dificultar o acesso às soluções proporcionadas pelas novas tecnologias de informação e comunicação.

Essa realidade, no entanto, vem mudando de algum tempo para cá, já que o governo tem criado diversos programas de distribuição via satélite para escolas presentes nesses locais. Dessa maneira, os estudantes podem driblar algumas dificuldades educacionais, como baixo investimento e falta de estrutura, e se beneficiar com as soluções de ferramentas educacionais digitais.

Tecnologias digitais são acessíveis e fazem parte do cotidiano das crianças

Com a questão do acesso à internet resolvida, crianças que estudam em escolas que recebem pouco investimento e estão localizadas em regiões remotas já conseguem um ganho significativo nos estudos. Isso porque elas passam a ter acesso aos recursos digitais disponíveis na web.

Além dos repositórios de objetos de aprendizagem já citados anteriormente, muitas empresas de tecnologia também oferecem treinamentos para professores e até softwares que garantem bons resultados.

Google, Microsoft e Samsung são exemplos de empresas que desenvolvem, na maioria das vezes em parceria com escolas públicas, programas interessantes para o corpo docente aplicar aos educandos.

Para além das ferramentas disponibilizadas em plataformas do governo ou de empresas de tecnologia, o educador pode ainda utilizar as mídias digitais presentes no dia a dia das crianças.

Muitas vezes, por já estarmos tão acostumados com elas, esquecemos destas opções, porém as redes sociais, os jogos on-line, os podcasts, os vlogs, os vídeos, os áudios, os blogs, os sites e os wikis, por exemplo, também são excelentes recursos para melhorar a qualidade das aulas. São muito populares e amigáveis, o que permite que os professores dominem seus princípios muito rápido. O melhor é que há pouco estranhamento quando o docente insere tais instrumentos em sala de aula, uma vez que boa parte dos estudantes já utiliza vários deles diariamente.

Todas essas ferramentas possuem um enorme potencial para desenvolvimento de aulas dinâmicas, em que as crianças podem colocar a mão na massa e aprender fazendo.

Possibilidades pedagógicas com as mídias digitais

Inserir as tecnologias digitais em sala de aula traz uma série de benefícios. Por isso, abaixo, mostraremos algumas possibilidades de atividades que elas proporcionam e as vantagens que as crianças obtêm com cada uma delas:

Ensino híbrido: anteriormente, mencionamos que o ensino híbrido permite às crianças acessar ao conteúdo escolar mesmo quando não podem estudar presencialmente. Porém, esse modelo garante ainda outro benefício: a possibilidade de o professor aplicar a
técnica sala de aula invertida”, prática em que a criança estuda a parte teórica em casa por meio dos livros e videoaulas.

 

Sala de aula invertida: aplicar essa estratégia de ensino garante que haja mais tempo para a parte prática, já que o estudante chega em sala de aula com o conteúdo parcialmente aprendido e com as dúvidas a ele associadas. Nesse caso, utilizar ferramentas como YouTube
e podcasts é uma excelente alternativa para que o professor consiga disponibilizar as aulas.

 

Learning By Doing ou Aprender Fazendo: método de ensino baseado no ensino através da prática. A ideia é que a criança aprenda através de simulações de situações reais do dia a dia. Esse método pode ser usado juntamente com a sala de aula invertida. Assim, o educando realiza aulas e
tarefas teóricas em casa e chega pronto para “aprender fazendo” na escola – com métodos como aprendizagem baseada em problemas, educação baseada em projetos, robótica e gamificação.

 

Aprendizagem baseada em problemas: uma metodologia focada na aquisição do conhecimento por meio da resolução de situações. O professor indica um problema
inicial e as crianças precisam encontrar soluções, desenvolver hipóteses, pesquisar teorias, debater entre outras atividades que as levem à conclusão da atividade. Além do objetivo em si, valoriza-se a estratégia de solução do problema.

 

Educação baseada em projetos: mais um método que foca na prática como premissa para a aquisição de conhecimento. Nele, com orientação do professor, estudante deve desenvolver um projeto específico, desde o planejamento, passando pela execução até chegar
na conclusão e apresentação. Ele pode utilizar diversas ferramentas como áudios, vídeos ou desenvolvimento de páginas em redes sociais para expor o trabalho.

O projeto pode ser justamente a criação de uma ferramenta digital, por exemplo, um jogo ou um blog.

 

 

Ensino de tecnologias sem recursos digitais no uso dos métodos robótica e gamificação

Apesar de a robótica educacional e da gamificação estarem muito associadas a protótipos, montagem e desmontagem de peças e placas-mãe, é possível ensinar a construção de tais tecnologias mesmo sem a presença dos elementos digitais.

A sucata, por exemplo, é um recurso que vem sendo bastante utilizado para o ensino de robótica. Esse material permite o ensino dos conceitos básicos da disciplina, programação desplugada, montagens de peças e outros aspectos relacionados ao tema.

O trabalho com gamificação também não precisa ser executado com games. O educador pode perfeitamente utilizar apenas conceitos dos jogos on-line nas atividades físicas. Afinal, conceitos como ranqueamento, bônus e vencer/perder também cabem em jogos off-line. O foco
é na cooperação e na superação de desafios.

 

“O quê? Quando? Onde? Como? Por quê?” – as perguntas como estratégia instigante para o aprendizado

Feche os olhos e imagine a figura de um filósofo grego. Provavelmente, ele estará lá, sentado em uma pedra e se perguntando alguma coisa: “Mas, como será que…?”. E, dali a pouco, já começa a construir pensamentos e a buscar respostas.

É isso: as perguntas são um importante ponto de partida para o conhecimento e para o aprendizado. Elas podem partir tanto do professor, quando quer instigar o aluno, quanto do próprio estudante. No caso do estudante, ora ele questiona a si mesmo, ora questiona o professor. Em outros momentos é o educador quem faz as perguntas, caminhando no sentido de um campo de conhecimento ou de outras perguntas importantes.

Podemos considerar, portanto, que há uma relação direta entre curiosidade, formulação de perguntas e processo de aprendizagem. Ou seja, o aprendizado ocorre quando há curiosidade suficiente para formulação de uma ou mais perguntas.

Para estimular o questionamento, questione o educando

Não apenas os aprendentes devem ser estimulados a fazer boas perguntas: o professor também deve buscar a excelência nesta arte. Uma boa pergunta é, acima de tudo, um convite, uma instigação. É papel do mestre formular questões que ajudem o estudante a pensar sobre um processo, desenvolver um pensamento divergente ou buscar mais pontos de investigação.

Do mesmo modo que o estudante chega ao conhecimento através dos questionamentos que faz, o educador consegue estimular reflexões importantes no educando quando pergunta com intencionalidade.

Ao fazer isso, o professor provoca desequilíbrios que favorecem um aprendizado mais reflexivo e crítico, ou seja, nascido com a participação direta do estudante. Nesse processo estão presentes dois aspectos importantes para a aprendizagem: a metacognição e a relação afetiva com o conhecimento.

A metacognição refere-se a como o sujeito utiliza suas funções cognitivas. Já a relação afetiva com o conhecimento tem a ver com a percepção do estudante quanto à sua vinculação com o objeto de conhecimento.

Imaginação, contação de histórias e a arte de fazer perguntas: como o texto jornalístico pode colaborar nesse processo

Por falar no vínculo entre aprendizagem e relação afetiva com o conhecimento, uma boa maneira de trabalhar esse conceito é inserir atividades lúdicas por meio dos jogos, brincadeiras e do estímulo à imaginação.

Com esses elementos é possível instigar boas emoções, algo que está fortemente ligado com a criação de memórias e que ainda garante uma aprendizagem investigativa. É comum que, ao ter a imaginação estimulada, as crianças passem a questionar: “Como o avião voa?”, “Por que o arco-íris só aparece quando chove?”, “Princesas e bruxas existem de verdade?”.

Esse universo de fantasia também é um excelente caminho para o estímulo de boas perguntas, além de trabalhar a imaginação das crianças. Para isso, o professor pode, por exemplo, contar histórias, sejam lendas, mitos ou tradições de uma sociedade, de maneira que o estudante tenha vontade de realizar mais perguntas a respeito do tema.

Existe um costume judaico que pode exemplificar melhor essa ideia, de relacionar transmissão de conhecimentos e, ao mesmo tempo, estimular a imaginação e a curiosidade. Esse costume, que ocorre na noite de Pessach, visa estimular as crianças a questionar os adultos sobre o porquê de aquela noite ser diferente das demais. Esse é o ponto de partida perfeito para que os adultos contem sobre o significado da tradição.

Porém, para garantir uma aprendizagem realmente eficaz, seja por meio das brincadeiras, perguntas ou contação de histórias, é preciso que o professor desenvolva um planejamento cuidadoso e saiba utilizar diferentes recursos e materiais, além de ensinar o aprendente a como fazer as melhores perguntas.

Desenvolvendo boas perguntas com base na técnica jornalístico

Para desenvolver boas perguntas, o educador pode se guiar pelos pilares que norteiam o texto jornalístico.

Quando um jornalista escreve uma matéria, ele utiliza os seguintes questionamentos: O quê? Quem? Quando? Onde? Como? Por quê? Essas seis perguntas “cercam o tema” e vão oferecer uma base para direcionar sua entrevista, reportagem ou texto. São questões-chave para oferecer ao leitor tudo o que ele precisa saber sobre determinado assunto.

Portanto, elas também se adaptam perfeitamente a um contexto no qual o professor se propõe a trabalhar com esse ensino mais investigativo por meio das perguntas.

Aprendizagem baseada em investigação

Ao aprender a questionar sobre os pontos importantes relacionados ao objeto de aprendizagem, o estudante passa a construir suas próprias hipóteses a respeito dos problemas que lhe são apresentados.

Porém, aqui o professor deve tomar o cuidado de guiar o estudante para a melhor solução. Isso porque, ao deixar a criança agir e brincar efetivamente, lançando seu olhar curioso sobre os fatos, cada uma terá sua própria resposta em um primeiro momento.

Cabe ao professor analisar se tal resposta é satisfatória e, caso não seja, deve continuar a estimular o educando a questionar ainda mais. Sempre guiando-o por um caminho lógico e baseado em evidências. Esse, aliás, é um método que tem raízes na filosofia – mais exatamente na maiêutica, desenvolvida por Sócrates.

As crianças não pensam como adultos. Elas possuem uma perspectiva única que é desenvolvida a partir de sua curiosidade perante o mundo. Portanto, quanto mais são estimuladas, mais se tornam investigativas, lúdicas e construtoras – isto ajuda a gerar protagonismo.

Materiais e recursos digitais como ferramentas auxiliares do ensino inquisitivo

Como citamos, para garantir uma aprendizagem realmente eficaz, o professor deve saber planejar, ensinar o educando a criar boas perguntas e utilizar diferentes recursos e materiais.

Para ensinar a criar boas perguntas, já vimos que os pilares do texto jornalístico podem ajudar. Já para propor bons jogos e brincadeiras, é preciso fazer boas escolhas de recursos educacionais.

Gamificação, robótica e exercícios feitos por meio de quizzes são ótimas soluções para estimular no estudante a vontade de questionar. Por se tratar de soluções educacionais ativas, ou seja, processos em que o estudante coloca a “mão na massa”, muitas dúvidas vão surgindo no meio do caminho.

O mais interessante é que essas práticas de ensino também ajudam o estudante a buscar as respostas de diversas maneiras. Pode ser por meio de perguntas ao professor ou para os colegas que sabem algo que ele ainda não descobriu; pode ser pos pesquisas em livros ou internet; pode ser até mesmo por meio da observação do mundo – placas, monumentos, casas, cenário, pessoas…

Onde encontrar ferramentas para uma aprendizagem inquisitiva

A Opet INspira é uma plataforma educacional de recursos digitais desenvolvida pela Editora Opet. Lá, educadores e estudantes encontram um acervo de recursos pedagógicos como material didático, ferramentas de apoio e objetos educacionais digitais – vídeos, áudios, apresentações e quizzes.

Os conteúdos da plataforma educacional Opet INspira auxiliam os educadores no desenvolvimento de avaliações e sequências didáticas. Também permitem que o docente crie trilhas de aprendizagem e forneça roteiros de estudos aos estudantes.

Além disso, há opções para que o professor consiga promover um ensino inclusivo, pois a plataforma conta com recursos de tecnologia assistiva. Basta acessar o Menu de Acessibilidade para visualizar funções de teclas de navegação, leitor de página, tamanho do texto e do cursor, espaçamento de texto e contraste totalmente adaptados a diferentes necessidades.

Escolas: o futuro da educação é híbrido

O processo histórico transforma as sociedades e a realidade. Esse mesmo processo também transforma as escolas, que, por sua vez, colaboram para as mudanças. É um processo circular, dinâmico, movido por necessidades, desafios, erros, acertos e criatividade.

A escola, é claro, mudou muito e em pouco tempo. Se pensarmos que, há pouco mais cem anos, boa parte da população não ia à escola, que a escola pública era para poucos, que não havia universidades no Brasil e que às mulheres era recusado o direito de avançar nos estudos, vemos que houve grandes avanços.

Hoje, em 2021, em meio a uma pandemia, a Escola mudou novamente. Em outros sentidos, por outros motivos, mas mudou. A virtualização do ensino está nas reflexões e na prática diária de educadores, gestores, famílias e estudantes. Alguns mostram uma resistência compreensível, outros aversão e outros, ainda, um encantamento ingênuo. Fato é que esse assunto está na ordem do dia e precisa ser discutido.

Levando em conta que a escola não pode (nem consegue) ser estática em relação à sociedade, acompanhar a revolução digital e utilizar recursos e ferramentas tecnológicas são coisas imprescindíveis. Porém, não basta incluir um novo recurso ou dar aulas online para adaptar o ensino a uma nova estrutura, sistema e abordagem.

Dentro dos seus limites, as aulas virtuais têm conseguido conquistas no processo de ensino-aprendizagem neste momento de distanciamento social. Um processo importante, uma transformação cultural que, com certeza, terá reflexos no futuro. Mas, que não elimina – em hipótese alguma – o valor das aulas presenciais. Não é caso, aliás, de contrapor esses dois universos, mas de perceber como eles vão funcionar juntos, em um modelo híbrido, aproveitando o melhor de cada componente. Essa, com certeza, é uma das novas discussões da educação, que se soma a tantas outras. E nós, com nosso trabalho presencial, virtual e híbrido, estamos participando!

 

Sugestão de leitura:

Paulo Freire e as Novas Tendências na Educação – Judas Tadeu de Campos

https://ken.pucsp.br/curriculum/article/viewFile/3196/2118

Como manter o ensino remoto na Educação Infantil?

O ensino remoto, solução que ganhou força neste período de pandemia, é altamente desafiador, recebendo atenção extra de professores e familiares interessados em garantir a qualidade do processo de ensino-aprendizagem. Na Educação Infantil, há questionamentos sobre a necessidade de se manter o ensino remoto e também sobre como é possível ter aulas virtuais com crianças tão pequenas. Neste artigo, falaremos um pouco sobre o papel da Educação Infantil no desenvolvimento da criança e porque é importante que a família esteja engajada nas atividades remotas junto à escola.

 

Mas, afinal de contas, qual o papel da Educação Infantil?

Na Educação Infantil, trabalhamos capacidades essenciais para o desenvolvimento do ser humano. Os primeiros anos de vida são extremamente importantes para o desenvolvimento das habilidades sociais e expressivas. Além disso, as atividades aplicadas na escola têm o intuito de estimular o desenvolvimento cognitivo e intelectual da criança, preparando-a para processos mais profundos de aprendizado, como a alfabetização, por exemplo. A ludicidade, que é importante em vários níveis, mas especialmente na Educação Infantil, é utilizada de forma direcionada e com teor didático para conduzir tudo.

Em suma, é na Educação Infantil que trabalhamos as potencialidades das criança enquanto ser social, intelectual e emocional, valorizando seus conteúdos e apresentando as cores, formas, sons, rostos e gostos do mundo.

 

Como manter as atividades da educação infantil durante o isolamento?

Os professores da Educação Infantil, assim como dos outros níveis, têm trabalhado para que as atividades e conteúdos possam chegar até os estudantes. Obviamente, toda a interação emocional e sensorial que o professor promove na sala de aula presencialmente não acontece da mesma forma no ambiente virtual. Porém, é importante utilizar esses recursos nas aulas remotas para manter o contato entre as crianças e professores, pois a relação pessoal na Educação Infantil é extremamente importante.

A realização das atividades, é claro, acontece de forma diferente. Na maioria das vezes, quem auxilia as crianças na resolução é a família. É comum ver familiares inseguros em relação a essa nova tarefa de orientar os estudantes nas atividades da escola. Porém, essa interação pode ser extremamente valiosa e trabalhar uma aproximação familiar que pode trazer mais autoestima, autoconfiança e resiliência para as crianças, pois elas veem apoio no seu núcleo de convivência.

Por isso, é importante compreender, que nesse contexto de isolamento, é importante rever e adaptar a dinâmica familiar para que os estudantes tenham adultos a quem podem recorrer quando precisarem de algum apoio. E isso vale, sobretudo, para as crianças da educação infantil.

Nós, da Editora Opet, estamos engajados em contribuir para melhorar a experiência de estudantes, educadores e familiares nesse momento difícil. Por isso, desenvolvemos as Sequencias Didáticas, materiais desenvolvidos com uma linguagem clara e objetiva que pode ser utilizado por professores e pais para a realização das atividades escolares. O material de Educação Infantil é super completo, lúdico e interativo, e nossas ferramentas digitais – as plataformas Inspira e Google for Education – são o que existe de mais moderno em educação remota.

Confira o conteúdo no link abaixo e depois nos conte o que achou.

https://www.editoraopet.com.br/noticias.php

06 de Agosto – Dia do Profissional da Educação

O Brasil celebra hoje, 06 de agosto, o Dia do Profissional da Educação. A data é uma homenagem merecida àqueles profissionais que fazem as escolas funcionar e garantem o funcionamento da educação no Brasil. A data foi estipulada pela Lei Nº 13.054/14, sancionada em dezembro de 2014, com base na mudança da Lei de Diretrizes de Base da Educação (LDB), determinada pela Lei Nº 12.014/2009, que insere os funcionários de escola habilitados na categoria de profissionais da educação.

Nós, da Editora Opet, temos muitos profissionais de educação em nossa equipe e, diariamente, trabalhamos com esses profissionais em todo o Brasil. Assim, também nos sentimos homenageados! Mas, principalmente, gostaríamos de homenagear e agradecer a pessoas tão importantes.

 

Quem estamos homenageando hoje?

Além dos professores, a escola funciona através do trabalho de diretores, coordenadores, supervisores, orientadores e todos os que atuam direta ou indiretamente na disseminação da educação. Sem essas pessoas, não há matrículas, boletins, projeto pedagógico, calendário escolar, grade de horários, planejamento, gestão de recursos, etc. Tampouco há orientação, mediação, relação com a comunidade, diálogo e acolhimento.

Em resumo, não há escola sem todos esses profissionais! Por isso, o dia de hoje serve para reafirmar o valor de todos os educadores que compõem esse corpo intelectual e social que é a escola.

 

O que é ser educador?

Educador é o sujeito responsável por coordenar o processo de ensino e aprendizagem em suas diferentes etapas. É aquele que atua para oferecer condições de aprendizagem e desenvolvimento pleno dos estudantes, reafirmando sua unicidade enquanto indivíduos e sua coletividade enquanto seres sociais.

Como afirma Paulo Freire em “Pedagogia da Autonomia” (1996), “educar não é transferir conhecimentos, mas criar possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção”. Para isso, é preciso superar a visão simplista e autoritária de que o professor é o detentor de todo o saber e o estudante é seu receptáculo.

Educar é agir para promover o acesso ao conhecimento a partir de relações dialógicas de ensino aprendizagem. A escola, por sua vez, é um centro de oportunidades educativas, na qual o indivíduo se desenvolve em todas as suas dimensões – intelectual, social, física e afetiva.

Há várias pessoas, internas e externas à sala de aula, que atuam diretamente para a criação dessas oportunidades – elas também são educadoras.

Muito falamos sobre o poder transformador da educação e da necessidade de valorizá-la. De fato, o conhecimento é o principal meio para resolução de diversos problemas como pobreza, violência, desigualdade, caos ambiental, doenças, etc. Mas isso só é possível através da valorização daqueles que criam as condições necessárias para que a educação aconteça.

Valorizar os profissionais da educação é priorizar a qualidade do ensino. É zelar pelos nossos estudantes e semear um futuro em que o conhecimento seja tão difundido a ponto de eliminar todos esses problemas.

 

Sugestão de Leitura:

Pedagogia da Autonomia – Paulo Freire

http://www.apeoesp.org.br/sistema/ck/files/4-%20Freire_P_%20Pedagogia%20da%20autonomia.pdf

Formação de Profissionais da Educação: Visão Crítica e Perspectiva de Mudança – José Carlos Libâneo e Selma Garrido Pimenta

https://www.scielo.br/pdf/es/v20n68/a13v2068.pdf