Extra! Saiu a lista dos finalistas do 10º Prêmio Ação Destaque!

Aimagem destq Editora Opet acaba de divulgar os finalistas da décima edição do Prêmio Ação Destaque, que acontece no período de 20 a 22 de outubro dentro do VIII Seminário Nacional de Gestores Municipais em formato online. De 113 trabalhos inscritos, foram selecionados 30, sendo 10 para cada uma das três categorias do prêmio. Confira os trabalhos selecionados por categoria:

Categoria 01 – Educação Infantil

  1. Adriane Passos Almeida (Cotia – SP)
  2. Alan D. Ribas Mueler (Salto Veloso – SC)
  3. Ana Paula Nogueira Moreira Borella (Cotia – SP)
  4. Ederli Margreiter de Melo (Treze Tílias – SC)
  5. Gabriela Favarin (Arroio Trinta – SC)
  6. Henrique Maximiano Costa (Cotia – SP)
  7. Lenir Angélica Tomaz Madaloz (Santana de Parnaíba – SP)
  8. Maria Antoniete Bruno Furtado (Fortaleza – CE)
  9. Silvana Bolzon (Arroio Trinta – SC)
  10. Teresa Maria Barbosa Brandão (Santana de Parnaíba – SP)

Categoria 02 – Ensino Fundamental Anos Iniciais

  1. Ana Paula de Jesus Souza (Cotia – SP)
  2. Ariane Cristina Xavier (Ilha Solteira – SP)
  3. Daiane de Cássia Martins Fazan (Ibirá -SP)
  4. Débora Rederd França Vidal (Paranaguá – PR)
  5. Geovana Meire Gomes Franco de Albuquerque (Fortaleza – CE)
  6. Gláucia Burioli dos Santos (Santana de Parnaíba – SP)
  7. Isaura Silva Xavier Nunes (Cotia – SP)
  8. José Werley Carvalho Braga (Cabreúva – SP)
  9. Sílvia Maria do Nascimento Borges (Alto Araguaia – MT)
  10. Tatiani Chagas Alberto (Cambará – PR)

Categoria 03 – Ensino Fundamental Anos Finais e Ensino Médio

  1. Adriane Ranieri Valente (Santana de Parnaíba – SP)
  2. Anderson Antonio Ferreira de Almeida (Santana de Parnaíba – SP)
  3. Cibele das Neves Silva de Oliveira (Santana de Parnaíba – SP)
  4. Elaine Maria Xavier (Santana de Parnaíba – SP)
  5. Luciana Martines do Nascimento (Santana de Parnaíba – SP)
  6. Lucinéia dos Santos Magatti Silva (Santana de Parnaíba – SP)
  7. Mayara Ferreira Mendes (Santana de Parnaíba – SP)
  8. Núbia Rafaela Martins da Silva (Santana de Parnaíba – SP)
  9. Ricardo Manoel da Silva (Santana de Parnaíba – SP)
  10. Sheila Abdala Barreiros (Santana de Parnaíba – SP)

“Depois de uma avaliação cuidadosa e pautada em critérios técnicos, chegamos aos trinta trabalhos finalistas, que foram os mais bem avaliados”, explica a gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto. “Ficamos muito satisfeitos com o nível dos trabalhos, que está muito bom. Agora, os finalistas devem aguardar o contato da nossa equipe para um detalhamento dos próximos passos”, explica.

De acordo com o regulamento, cada finalista deverá gravar e enviar um vídeo de até três minutos de duração, que será transmitido durante o evento e servirá como elemento de avaliação para a etapa final. “Tanto o trabalho que foi entregue na primeira etapa quanto o vídeo com a apresentação ou relato terão peso na avaliação final. É importante que essas peças evidenciem o uso da metodologia e dos recursos propostos pela Editora Opet. Eles também devem ter coerência entre si, ou seja, a apresentação em vídeo deve trazer e detalhar os elementos do projeto”, explica Cliciane.

No terceiro dia do Seminário Nacional de Gestores de Escolas Conveniadas Opet, serão escolhidos e divulgados os três vencedores de cada categoria – um total de nove premiados (1º, 2º e 3º lugar), que receberão troféus, certificados e prêmios em dinheiro.

Prêmios – Em 2020, a Editora Opet destinou R$ 30 mil aos prêmios do Ação Destaque. Além dos troféus e certificados (menção honrosa), os primeiros lugares receberão um prêmio de R$ 5 mil, os segundos lugares um prêmio de R$ 3 mil e os terceiros lugares um prêmio de R$ 2 mil.

Vilhena: um excepcional parceiro Opet no Estado de Rondônia

Crianças da rede municipal de Educação de Vilhena com os materiais da Coleção entrelinhas para você. Crédito das fotos: Prefeitura de Vilhena (uso autorizado).

Parceiro da Editora Opet desde o início deste ano com os materiais e formações do selo Sefe para a Educação Infantil, o município de Vilhena – um dos mais importantes de Rondônia – vem se destacando pelo bom trabalho com a educação, mesmo em tempos de pandemia e aulas remotas. Nesse processo, conta com o apoio e os recursos tecnológicos oferecidos pela Editora Opet, como as plataformas Google for Education e Inspira, de conteúdos educacionais integrados aos materiais físicos Sefe.

O secretário municipal de Educação de Vilhena, Edson Willian Braga, destaca a qualidade dos materiais didáticos. “A Editora Opet fez a diferença em Vilhena com a Coleção Entrelinhas para Você, que foi aceita pelos professores e pelas  famílias. Os livros trazem um momento rico de aprendizagem para nossas crianças. O material é de qualidade e ainda temos a assessoria técnica da Editora para a equipe da nossa secretaria.”

Nesse processo, segundo ele, a formação pedagógica de implantação da Coleção Entrelinhas para Você foi fundamental. “Os apontamentos feitos durante a formação foram maravilhosos. Nossos professores puderam refletir sobre a sua própria prática docente e isto é muito significativo.”

Tecnologias EducacionaisComo Vilhena ainda apresenta algumas questões em relação à cobertura por internet para a população, as ferramentas digitais educacionais têm sido utilizadas especialmente pelos professores na organização e realização das formações pedagógicas e, também, para o compartilhamento de arquivos – aulas, conteúdos, objetos de conhecimento. Essa organização, porém, associada ao trabalho com os materiais físicos, tem rendido bons frutos em relação à educação das crianças.

Outro ponto que o secretário destaca é a valorização, na proposta do Sefe, de aproximação entre a família e a escola. Algo que ganhou força durante a pandemia, em especial por conta da aproximação física entre as famílias e filhos na hora de aprender. “Com as atividades propostas pela Editora Opet, essa aproximação é ainda maior, o que traz benefícios significativos para comunidade”, avalia o secretário.

Um dos pontos altos do ano, segundo Willian, foi uma live realizada em parceria com a Editora Opet em agosto. Ela reuniu a equipe da secretaria municipal de Educação e, também, autoridades – Yara Viscardi, promotora de Justiça de Vilhena (RO), Vilson Sena de Macedo, secretário de Educação de Espigão do Oeste (RO), presidente da UNDIME-RO e da UNDIME Região Norte do Brasil, Herbert Vasconcelos, secretário de Educação de Sobral (CE) e o próprio secretário Edson Willian Braga – para debater os protocolos de segurança em relação à volta das aulas presenciais.

Esse encontro foi mediado pela gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto, e, segundo o secretário, teve um grande impacto sobre o seu grupo de trabalho. “A live proporcionou uma reflexão única, e os participantes até quiseram que o tempo fosse maior para o debate. As discussões eram e são de suma importância para o momento tão difícil como o que estamos vivendo, quando todos procuram acertar. A participação dos palestrantes trazendo a realidade de outros Estados de outros municípios acalentou o coração dos nossos professores, gestores, supervisores e técnicos da Secretaria.”

Uma parceria única – Na avaliação do representante comercial da Editora Opet para a área pública em Rondônia, Gilberto Muniz Pereira, a parceria com Vilhena é estratégica. “Vilhena é, hoje, um dos municípios mais importantes de Rondônia, tanto em termos econômicos quanto em relação ao índice de desenvolvimento humano, que está diretamente relacionado à educação”, observa. “Nosso trabalho e nossa parceria, em Vilhena, geraram reconhecimento para além dos limites do município. E isso se deve, sem dúvida, a uma parceria de valor, em que temos a contrapartida humana dos gestores, dos professores e do secretário, que desenvolve um trabalho excepcional.”

Editora Opet celebra avanços dos municípios parceiros no IDEB

Nessa semana, o Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, o INEP, divulgou os resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) de 2019 para os Anos Iniciais, Anos Finais e Ensino Médio. E elas trouxeram bons resultados para os parceiros da Editora Opet por meio do selo educacional Sefe: a maioria dos municípios atendidos pela Editora Opet registrou um aumento importante dos percentuais do IDEB em algum dos níveis contemplados na avaliação. Em alguns municípios, esse aumento superou em mais de 10% o número da avaliação anterior, de 2017.

“Esses números são bem significativos e refletem um trabalho mais amplo, que começou quando os gestores se reuniram com suas equipes e traçaram uma estratégia de melhoramento. Ou seja, não são ganhos pontuais, mas construídos ao longo do tempo, com planejamento”, observa a gestora pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto.

Nesse processo, explica Cliciane, a parceria com um sistema de ensino como o Sefe, da Editora Opet, é importante para a melhoria da educação – algo que se reflete em índices como o IDEB. “A parceria com a Editora leva ao município a formação continuada de professores, materiais de qualidade alinhados aos documentos legais e a normas como a BNCC, ferramentas digitais, assessoramento e diálogo constantes. E, sempre, respeitando o tempo do município e traçando juntos estratégias. Isso faz toda a diferença. Ter um parceiro de fato.”

Cliciane observa que as reduções do IDEB verificadas em alguns municípios parceiros são pequenas. “Essas oscilações não são tão graves a ponto de desestimular a continuidade dos projetos municipais de educação. Na medida em que há mudanças a cada dois anos nos municípios, elas fazem parte do processo e devem servir como um fator de estímulo. O essencial é ter a educação como uma política pública, com continuidade. Nós estamos juntos nesse processo, abertos ao diálogo e a trabalhar de forma colaborativa para identificar as questões e superá-las.”

Bons resultados – O município de Alto Taquari, em Mato Grosso, é parceiro da Editora Opet desde 2018. No IDEB de 2019, para os anos iniciais, a rede municipal de ensino registrou uma melhora de 0,6 ponto em relação à avaliação anterior, de 2017, passando de 5,7 para 6,3 – um aumento de 10,52%. Para a secretária municipal de Educação, Fernanda Nogaroto Tonsis, o bom resultado do IDEB traduz uma melhoria real na qualidade da educação e a elevação do nível de aprendizagem dos alunos.

Encontro com professores de Alto Taquari para debater a BNCC. Crédito: Prefeitura de Alto Taquari.

“É um resultado que se deve ao empenho de toda a equipe pedagógica, aos professores e alunos e ao material de boa qualidade que utilizamos. Inclusive, as formações continuadas foram fundamentais para alcançarmos esse resultado”, observa. Formações que têm a participação direta da Editora Opet. “Temos o apoio de uma equipe de profissionais de qualidade e um material excelente!”

Para o município paranaense de Entre Rios do Oeste, a conquista do IDEB – um aumento de 0,8 ponto nos Anos Iniciais (passando de 5,8 para 6,6 – acréscimo de 13%) – tem um gosto ainda mais especial. Isso porque, em 2017, a educação havia perdido pontos na avaliação. “Isso nos forçou a mudar nossa maneira de trabalhar, nosso planejamento, tudo, enfim. E deu certo. Não tem como medir o impacto desse aumento para a cidade, mas é uma coisa muito boa, um sentimento muito gostoso”, revela a secretária municipal de Educação, Lucia Barcellos Weschenfelder.

Crianças de Entre Rios do Oeste com os materiais Sefe. Crédito: Prefeitura de Entre Rios do Oeste.

“Isso é fruto de um esforço comum, de uma equipe que está comprometida com a melhoria. Além disso, nós temos um aliado fortíssimo nos materiais e no atendimento do Sefe, da Editora Opet. É um material totalmente baseado nos preceitos da BNCC, com uma estrutura extremamente funcional, que nos ajudou muito em nosso sucesso”, avalia. “Queremos agradecer a vocês por existirem na nossa educação.”

A secretária municipal de Educação de Paranaguá (PR), Tenile Cibele do Rocio Xavier, acredita que o envolvimento de todos os profissionais da educação do município foi fundamental para o crescimento na pontuação do IDEB nos Anos Iniciais. O valor passou de 5,3 para 6,0, um aumento percentual de 13,2%.

“Desde o início da gestão, buscamos investir em formação, trocas de experiências e instrumentalização das instituições para que conhecêssemos melhor o nosso aluno e assim diminuir as dificuldades observadas. O avanço de 0,7 décimos em relação ao índice de 2017 é uma conquista de toda a rede municipal de Paranaguá.”

Secretária Tenile, de Paranaguá: “Sefe tem sido um parceiro importante em nosso município com as formações e assessoria pedagógica”

A secretária também destaca a parceria com a Editora Opet como um componente do sucesso do município. “O Sefe tem sido um parceiro importante em nosso município com as formações e assessoria pedagógica. O fato de estarem conosco há tanto tempo, desde 2013, faz com que os nossos profissionais já conheçam os materiais utilizando esse rico instrumento de maneira assertiva.” Em relação ao trabalho da Editora Opet, Tenile observa ainda a capacidade de adaptação das metodologias para o contexto educacional de Paranaguá. “Isso foi feito, por exemplo, na avaliação pedagógica dos alunos do quarto ano, após a divulgação da nota do IBED do ano 2017 e a formação in loco com os profissionais das nossas instituições.”

A professora Carmen Raymundi é secretária municipal de Educação de Vargeão, em Santa Catarina, parceiro Sefe desde 2017. Seu município registrou um aumento de 0,6 ponto no IDEB dos Anos Iniciais, passando de 6,5 para 7,1 – um acréscimo de 9,23%. “Tenho muito orgulho de nossas crianças e dos nossos profissionais da educação de Vargeão. Agora, o desafio é manter e seguir firmes os nossos propósitos!”, decreta. Para ela, o resultado do IDEB gera um elemento extra de motivação para todos.

“O envolvimento, o empenho, a dedicação e o compromisso das professoras, das diretoras, da equipe técnica da Secretaria de Educação, em parceria com as crianças e familiares, aliados à participação da Editora Opet e a tudo o que ela nos proporcionou desde a contratação dos serviços em 2017, tudo isso nos levou a colher bons frutos.”

Encontro de familiares promovido pela secretaria de Educação e pela Editora Opet em Vargeão (SC). Crédito? Prefeitura de Vargeão.

A diretora do Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação de Pinalzinho (SC), Ires Frozza, atribui o crescimento de 1,0 na nota do IDEB – que passou de 5,9 para 6,9, um aumento de 16,9% – a uma série de fatores. “Foram mudanças nas práticas metodológicas e em sala de aula, com ênfase especial à formação que foi oferecida pelo Sefe”. Ela também destaca os investimentos que o município realizou em equipamentos para as salas de aula, como tevês smart e notebooks com acesso à internet em cada sala de aula.

O município é parceiro da Editora Opet desde 2018. “No caso da implantação do Sefe, o material integrado deu a oportunidade de fazer um trabalho inovador, com maior participação dos estudantes e de suas famílias. A Editora Opet fez a diferença no nosso dia-a-dia, nas dinâmicas de sala de aula, nas metodologias, na formação e na gestão.”

Um trabalho que ficou mais forte com planejamento integrado, melhor gestão pedagógica e acompanhamento diário da ação dos professores pelas coordenadoras pedagógicas das escolas. A diretora também destaca a atuação do secretário municipal de Educação, Fabrício Fontana, que apoiou integralmente as mudanças.

Parceria a toda prova – O gerente comercial da Editora Opet para a área pública, Roberto Costacurta, acredita que o sucesso dos municípios parceiros no IDEB tem a ver, em grande medida, com a aproximação das pessoas. “Nós desenvolvemos um trabalho integrado e permanente entre professores, gestores e famílias. De acompanhamento, assessoria, planejamento e apoio. Estamos juntos, e essa aproximação colabora para os bons resultados do IDEB.” Ele também destaca o trabalho pedagógico cuidadoso e permanente, o planejamento em parceria e a atenção total aos professores. “Só posso parabenizar e agradecer a todos os participantes desses resultados, em especial aos secretários, que se sobrecarregam para defender a educação em seus municípios. Podem contar conosco!”.

Pandemia e Desigualdade Educacional

Um relatório divulgado pela UNESCO no mês de junho alertou que, devido à pandemia, houve um aumento das desigualdades educacionais no Brasil. Com a impossibilidade de aulas presenciais, o ensino remoto foi a única solução cabível para a maioria das escolas. Porém, uma parte dos estudantes brasileiros não tem acesso aos recursos necessários para assistir e aprender com as aulas online.
Esse é um problema para todos os brasileiros, pois a Educação é assunto de interesse público e de direito comum, seja ela promovida pela rede pública ou privada. É uma prioridade social que deve ser defendida por todos os que acreditam em um futuro melhor construído pelo conhecimento.
Por isso, hoje, falaremos sobre os legados da pandemia para a educação e também sobre boas práticas que todos podemos adotar para diminuir a desigualdade educacional no Brasil.

O que a pandemia nos ensinou sobre o ensino?
E ensino remoto gerou vários desafios, que, muitas vezes, geraram insegurança, frustração e cansaço – o que faz sentido, dado o ineditismo da situação. Porém, essas dificuldades tornam-se aprendizados quando pensamos nas habilidades que precisamos desenvolver para ter um sistema de ensino mais potente e resistente.

A capacidade de adaptabilidade e a autonomia desenvolvida pelos estudantes, certamente, expandirá seus espaços e condições de aprendizado. Além disso, vimos a importância de promover uma educação na qual o estudante é o protagonista de todo o processo e portador do seu projeto de vida, capaz de aprender por desejo e necessidade e não por obrigação.
Percebemos também que a discussão sobre inclusão digital na educação precisa ser aprofundada. O Brasil deve, necessariamente, ser um país mais digital, com maior acesso à internet.

Vimos também, com muita emoção e orgulho, professores fazendo visitas voluntárias às casas de estudantes que não têm acesso ao computador e internet para assistir às aulas. Isso no ensina sobre dedicação e amor à profissão.
Entre anseios e aprendizados, de uma coisa nós não podemos esquecer: a desigualdade educacional é grande e a luta para mudar essa realidade é de todos os cidadãos.

Boas práticas para diminuir a desigualdade educacional.

Algumas práticas de consciência coletiva, responsabilidade social e generosidade são essenciais para combater a desigualdade educacional. Você, como cidadão, pode ajudar seu país a partir do apoio à educação:

  • Estamos próximos de uma eleição municipal. Escolha candidatos que se preocupem em promover e fiscalizar a educação pública. Conheça, também, suas propostas em relação às tecnologias digitais.
  • Procure conhecer e fazer contato com os gestores da escola pública mais próxima da sua casa, ou daquela onde sua filha ou filho estudam. Busque saber como ajudar.
  • Doe livros e materiais escolares para estudantes de baixa renda.
  •  Se você conhece os meios digitais, ofereça-se para orientar professores de mais idade que ainda não conseguiram se adaptar às ferramentas online.
  •  Participe de debates e da fiscalização das políticas públicas para educação.
  •  Seja voluntário ou voluntária em projetos de escolas públicas.
  •  Defenda uma educação de qualidade como direito básico de todos os brasileiros.
  • Seja solidário e consciente em relação às causas e lutas sociais.
  •  Defenda uma educação que aproxima e liberta.

Nós, como instituição advinda de um grupo educacional privado, trazemos este debate porque nossa missão é promover uma educação humana, cidadã, transformadora e inovadora. Para isso, é imprescindível defender o acesso ao ensino por todas as crianças e adolescentes como direito básico e dever da sociedade e do Estado – algo que, aliás, está previsto na Constituição (no Artigo 208). Assim, podemos vislumbrar um futuro melhor para todos!

Vitória da Educação Brasileira: Senado aprova PEC que torna FUNDEB permanente e eleva verbas da União.

O texto aprovado por unanimidade pelo Senado amplia gradualmente a destinação de verbas federais para a educação; complementação aos recursos, que hoje é de 10% sobre o montante investido por Estados e municípios, vai chegar a 23% a partir de 2026. Emenda Constitucional deve ser promulgada nesta quarta-feira (26.09).

 

Entenda a PEC e a importância do dinheiro do FUNDEB para a Educação Básica no Brasil

A câmara dos deputados aprovou no dia 21/07 a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que trata da renovação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (FUNDEB) e propõe alterações em sua estrutura. Atualmente, em média 50% dos recursos aplicados à educação são provenientes do FUNDEB, que foi criado em 2007 e expiraria neste ano. Sua renovação veio sendo discutida desde 2015.

Vamos falar mais sobre a importância desse fundo para a educação pública e as características dessa nova proposta. Venha conosco!

 

O que é o FUNDEB?

Criado em 2007, o FUNDEB é um fundo especial de natureza contábil, formado por recursos de impostos e transferências dos Estados e Municípios, além de uma porcentagem de contribuição da União. Ao todo, 20% do que é arrecadado em tributos, na maioria estaduais, como ICMS e IPVA, é destinado ao FUNDEB, cujo valor total é dividido a partir do número de alunos de cada Estado. A quantia estipulada por estudante é de R$ 3 mil e os Estados que não atingem essa arrecadação recebem uma complementação da União, que corresponde a 10% do valor total do fundo.

A verba é utilizada para melhorias nas estruturas das escolas públicas e pagamento de salários dos professores. Em 2019, esse montante equivaleu a R$ 166,6 bilhões – recursos vitais para o funcionamento de toda a rede pública de ensino.

Entretanto, o FUNDEB foi criado como uma medida temporária e teria validade até 2020. Em 2015, uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para renovação do recurso foi apresentada, mas cancelada logo em seguida. Com o prazo final se aproximando, o poder legislativo, engajado pela movimentação da sociedade, de servidores e profissionais da educação, se articulou e retomou a pauta.

 

Novo FUNDEB – o que sugere a PEC?

O texto-base aprovado primeiro na Câmara dos Deputados (por 499 votos a favor e 7 contrários) e depois no Senado (por unanimidade) sugere mudanças no caráter do fundo, no modelo de distribuição e no valor de contribuição da União. Os principais pontos são:

 

Permanência

Uma das principais mudanças é que o FUNDEB passe a ser permanente e previsto na Constituição, sem data de validade como na forma anterior.

 

Modelo Híbrido de Distribuição

A PEC prevê um modelo híbrido de distribuição dos recursos federais, no qual a complementação da União contempla também as redes públicas municipais. O texto leva em consideração as diferentes realidades econômicas entre municípios de um mesmo Estado e elimina uma distorção grave. Com o modelo vigente, cidades mais vulneráveis situadas em Estados mais ricos deixam de receber o investimento, enquanto municípios mais ricos em Estados pobres são contemplados.

 

Reformulação Quantitativa da Distribuição

Foi estabelecido no texto que pelo menos 70% do valor do FUNDEB seja destinado ao pagamento de salários dos professores. Além disso, a proposta também prevê que cerca de 5% da participação da União sejam destinados à Educação Infantil, para que, em caso de falta de vagas nas creches da rede pública, o dinheiro possa ser repassado a instituições privadas sem fins lucrativos.

 

Aporte da União

Hoje, a União contribui com 10% do valor final do FUNDEB. O texto-base propõe um aumento gradativo dessa contribuição, chegando a 23% até 2026.

O aporte ficaria escalonado da seguinte forma:

Com a promulgação da PEC, o novo FUNDEB passa a valer em definitivo a partir de 01º de janeiro de 2021. Uma vitória importante da educação pública e da sociedade brasileira, que poderá ver mais recursos investidos nas escolas e nas pessoas

Ceará: municípios parceiros da Editora Opet dão salto de qualidade na alfabetização

Momentos da Editora Opet no Ceará em 2019/20. Em sentido horário, a partir do alto e à esquerda: formação em Sobral, entrega de materiais em Itaitinga, encontro formativo digital com professores de Fortaleza e formação em Ipu.

Os últimos dias foram de celebração para os 184 municípios cearenses, que alcançaram o nível de alfabetização desejada para o segundo ano do Ensino Fundamental (Anos Iniciais). O resultado foi divulgado pelo Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Estado do Ceará (SPAECE) e se refere a 2019. Ele está diretamente relacionado ao Programa de Alfabetização na Idade Certa (PAIC), uma ambiciosa política de Estado para o resgate e a promoção da Educação Básica, com resultados importantes. Apenas para se ter uma ideia do tamanho da transformação, em 2007 apenas 14 municípios – 7,6% do total – possuíam um nível de alfabetização desejada para a idade certa. Hoje, são 100%.

A Editora Opet, por meio do selo educacional Sefe, faze parte dessa história e desses resultados. Os materiais didáticos e a assessoria pedagógica Sefe – sob a coordenação da professora Oralda Adur de Souza – fizeram parte do PAIC já em 2008, auxiliando o Estado a promover sua revolução educacional. Desde então, o Sefe mantém um escritório pedagógico no Ceará, onde trabalham professores e pedagogos que atendem a vários municípios.

Os seis municípios atendidos pela Editora Opet no Ceará – Fortaleza, Sobral, Ipu, Paracuru, Itaitinga e Ubajara – apresentaram resultados importantes. Apenas para se ter uma ideia, em 2019/2020, nossos municípios parceiros tiveram várias de suas escolas vencedoras do “Escola Nota 10”, que premia os melhores resultados em Português e Matemática por unidade educacional. O prêmio é entregue durante a divulgação dos resultados educacionais do Estado pelo Spaece, o que aconteceu na semana passada.

Para conquistar a premiação, as escolas devem ter, no momento da avaliação, pelo menos 20 alunos matriculados na série avaliada, além de ter, no mínimo, 90% de participação de alunos. No 2º ano, a pontuação deve ficar entre 8,5 e 10, enquanto nos 5º e 9º anos os estudantes devem obter notas entre 7,5 e 10.

Pois bem: dos parceiros da Editora Opet, Sobral teve 25 escolas vencedoras do Prêmio, Fortaleza, uma unidade, Paracuru, 12 escolas e Ubajara, 14. “Em relação a Ipu e Fortaleza, foram os municípios que registraram o maior crescimento em relação ao índice de alfabetização. Ipu dobrou o número de escolas com o índice de alfabetização desejada e se manteve com os melhores resultados de sua região. E Fortaleza consolidou seu bom trabalho no segundo ano do Ensino Fundamental, que é o ano crítico da alfabetização”, analisa Glaylson Rodrigues, supervisor regional da Editora Opet para o Ceará.

Glaylson se diz muito satisfeito com os resultados dos parceiros da Editora, que são fruto de muito trabalho. “Nós contribuímos para além do material de qualidade que chega aos municípios. Participamos com a prestação de um conjunto de serviços, como acompanhamento em visitas técnicas, suporte aos professores e gestores das escolas, além de orientação aos familiares.” Glaylson destaca o esforço dos gestores e dos professores, que se engajam muito para que o trabalho dê resultados.

Vitória coletiva – De acordo com o SPAECE, todos os alunos do segundo ano do Ensino Fundamental (Anos Iniciais) de Paracuru alcançaram o nível desejável de alfabetização e letramento. “Tivemos um salto de qualidade na aprendizagem no 2º, 5º e 9º anos”, conta a professora Joana Angélica Lopes, gerente do Mais PAIC no município. Segundo Joana, os resultados são a soma de uma série de fatores, a começar pelo trabalho coletivo e pelos esforços e talento dos professores. Ela também destaca o valor da parceria com a Editora Opet por meio do selo educacional Sefe.

Equipe do Mais PAIC de Paracuru (professoras Joana Angélica, Lucila Rocha, Silvia Helena, Déborah Magalhães, Mirlândia Sá e Marina Claudia) com o secretário municipal de Educação, Wanderlei Cordulino.

“Na primeira etapa da Educação Básica, o Sefe desenvolve um excelente trabalho com o material estruturado da Coleção Entrelinhas. E também formações continuadas para os professores da Educação Infantil que trabalham temas atuais, como a utilização das mídias, estudos voltados para a BNCC e Referenciais Curriculares para a Educação Infantil.” Ela também destaca o acompanhamento pedagógico nas creches e pré-escolas e o Prêmio Ação Destaque, que valoriza os projetos dos professores. “O sucesso da aprendizagem dos alunos de Paracuru fundamenta-se na assistência de excelência disponibilizada pela Editora Opet-Sefe e na proatividade da Equipe do Mais Paic.”

Uma relação antiga e de valor – O gerente comercial da Editora Opet para a área pública, Roberto Costacurta, lembra que o Sefe esteve ao lado dos municípios cearenses desde 2007, ano de início do PAIC e do acompanhamento pelo SPAECE. “Pela qualidade do nosso trabalho, fomos escolhidos para participar desse grande programa”, conta. “Quando a primeira etapa do PAIC foi concluída, em 2015, o Sefe estava atendendo 64 municípios, um terço do total do Estado. E seguimos atendendo vários deles, com excelentes resultados.”

Para Roberto, os bons resultados dos municípios também são uma vitória da Editora Opet. “Quando uma escola recebe o Prêmio Nota Dez, que é muito importante dados os parâmetros de qualidade exigidos, nós nos sentimos premiados também. E desejamos manter e fortalecer essa bela parceria!”, conclui.

Encontro virtual com familiares em Cotia tem recorde de audiência no canal da Editora Opet no Youtube

Reunir famílias para conversar sobre a educação e a importância da parceria com a escola é algo muito especial. Agora, imagine o valor de reunir milhares de pessoas – mães, pais, avós, responsáveis – em um evento online para falar sobre o trabalho com o afeto, sobre direitos e deveres e sobre os papéis complementares de família e escola na educação. Pois foi exatamente isso que aconteceu na noite de quarta-feira (29) em Cotia, município paulista parceiro da Editora Opet por meio do selo educacional Sefe – Sistema Educacional Família e Escola.

No primeiro encontro com familiares realizado pela prefeitura e pela Editora, mais de 2,3 mil pessoas participaram em tempo real, com 9,3 mil visualizações da live em nosso canal no Youtube. “Foi um recorde em relação ao número de participantes para esse tipo de encontro”, comemora a gerente pedagógica da Editora, Cliciane Élen Augusto. “Foi um marco para a nossa equipe pedagógica, um momento muito elogiado pelos participantes, pelo secretário municipal de Educação e pelo prefeito.”

Cliciane explica que a parceria com Cotia é recente – ela começou neste ano – e que um encontro presencial com familiares havia sido programado. Por conta da pandemia, porém, acabou não acontecendo e foi substituído pelo encontro remoto. “A reunião virtual superou as nossas expectativas. Ficamos muito felizes e agradecidos pela adesão das famílias, o que mostra o quanto elas valorizam a educação.”

A live com os familiares foi aberta por Cliciane e pelo secretário municipal de Educação de Cotia, Luciano Corrêa dos Santos, que destacou a importância da educação, dos professores e da parceria família-escola. O prefeito Rogério Franco também esteve na live: ele agradeceu às famílias pela participação no encontro e à Editora pelo o papel desempenhado na educação municipal, em especial neste momento de pandemia.

A formadora Márcia Ribeiro, a gerente Cliciane Augusto e o secretário Luciano Corrêa durante a live.

Cotia e a Editora Opet são parcerias desde o início deste ano, com adoção, pela rede municipal de ensino, dos materiais didáticos Sefe e das ferramentas digitais para o Jardim I e II (Educação Infantil 4 e 5) e para o Ensino Fundamental nos Anos Iniciais e Finais. Os professores e gestores, aliás, também aderiram com entusiasmo às implantações digitais e às formações remotas proporcionadas pela Editora na parceria com o Google for Education.

Oportunidade de aproximação – A conversa com os familiares teve cerca de uma hora e meia de duração e foi conduzida pela professora Márcia Regina Ribeiro dos Santos, assessora pedagógica da Editora Opet. Ela diz que ficou até um pouco nervosa diante do tamanho da plateia, mas que a interação e o resultado do encontro compensaram muito a expectativa.

“O encontro foi uma grande oportunidade de aproximar escola e família, o que é fundamental para o sucesso da educação. Os comentários que recebemos no chat, com perguntas e opiniões, nos dão a certeza de que precisamos de momentos como esse.”

Conversando com a gerente pedagógica da Editora, o secretário municipal de Educação de Cotia, Luciano Corrêa dos Santos, se disse muito feliz pelo sucesso do encontro com os familiares. “Foi muito bom estar com vocês neste momento! Nós recebemos várias mensagens de diretores de escolas e de familiares de estudantes. Que riqueza para nós. É um caminho que precisamos seguir trilhando. Obrigado pela parceria!”.

Para o gerente comercial da Editora Opet para o segmento público, Roberto Costacurta, o sucesso da live com as famílias de Cotia é a melhor demonstração de que a empresa está no caminho certo. “A proximidade com as famílias faz parte do DNA da Editora, ela está na marca Sefe – Sistema Educacional Família e Escola – e é muito importante em nossa proposta de ensino. Realizar um encontro com familiares, neste momento, era um desafio que foi vencido com inteligência”, observa. “As famílias já consomem lives, já fazem reuniões pela internet. Assim, resolvemos caminhar por aí e foi um grande sucesso. Só temos a agradecer às famílias, ao prefeito Rogério e ao secretário Luciano pela confiança no nosso trabalho. A partir dessa live, vamos crescer ainda mais.”

O link da live está disponível AQUI – CLIQUE PARA ASSISTIR

Fogueira Virtual, animação real: uma jornada pelas festas juninas virtuais dos parceiros Opet

Para a escolas, as festas juninas são um momento de integração da comunidade e de promoção da cultura brasileira. Neste ano, por conta da pandemia e do distanciamento social, os gestores tiveram um desafio enorme: sem “deixar a peteca cair”, realizar as festas no ambiente virtual, engajando e animando as famílias.

Francisco Glaylson Rodrigues, supervisor regional da Editora Opet para o Ceará, é apaixonado pelas festas juninas. O mês de junho é o nosso mês mais alegre e colorido. É uma verdadeira celebração! O dia de São João, por exemplo, é como se fosse nosso Natal”, vibra. Apesar de tudo, em 2020 as festas aconteceram – adaptadas às novas circunstâncias, mas cheias de energia. “Não perdemos a alegria. Os gestores e as famílias criaram lives, videoconferências e festas online. Com direito a bolo de milho, pamonha, dança e confraternização em família.”

Em Fortaleza, a Escola Municipal Dois de Dezembro foi uma dentre muitas escolas que realizaram sua festa online. Sua coordenadora, professora Orlenilda de Souza, fala sobre a importância dessas festas. “Elas representam a cultura nordestina em seus diferentes aspectos: a comida, os trajes, a música, a dança, as parlendas, as brincadeiras”, explica. E aí reside sua importância em termos de educação. “Como toda essa tradição já faz parte do cotidiano da nossa gente nas diversas esferas, inclusive familiar, trabalhar as festas juninas torna os conteúdos curriculares mais significativos. Conhecer e valorizar o conhecimento de mundo do educando torna o processo de ensino e aprendizagem mais significativo.”

Normalmente, conta Orlenilda, as festas juninas são trabalhadas a partir de um projeto multidisciplinar que envolve toda a comunidade escolar em junho, culminando com um festival com quadrilhas e forró, barracas com comidas e bebidas típicas, além de muitas brincadeiras. “O papel das famílias é fundamental”, reforça.

Neste ano, esse projeto foi transposto para o ambiente virtual. “Todos participaram: alunos, professores e grupo gestor. E a culminância – o ‘forró virtual’ – foi construída a partir dos vídeos e fotos que os professores e os estudantes enviaram.”

Orlenilda ficou satisfeita. “Os desafios que esse momento nos trouxe fez com que agregássemos novas formas de pensar no processo ensino-aprendizagem. Esses conhecimentos, aliás, serão somados à nossa forma de ensino pós-pandemia.”

Crianças da Escola Municipal 02 de dezembro, de Fortaleza, mostram suas “artes juninas” nas redes sociais. Festas são forma de mergulhar na cultura brasileira.

Angicos – O Plenitude Complexo Educacional, escola particular de Angicos (RN), também não deixou passar as festas juninas em branco, como conta a diretora Rosicleide Sebastiana de Melo. O fio condutor foi um poema escrito por um estudante do sétimo ano do Ensino Fundamental, que relembrou os festejos de anos anteriores. O poema foi recitado e gravado pelos docentes. Além disso, durante as aulas virtuais, estudantes e professores trabalharam juntos a cultura nordestina associada à época.

Como substituir esse momento sem perder o encanto?”, pergunta Rosicleide.  Segundo ela, a solução foi produzir e distribuir vídeos. “O auxílio da plataforma Gsuite e da ferramenta Google Meet, da Editora Opet, assim como dos familiares em casa, foram determinantes para o nosso ‘Arraiá Virtuá’”, conta. “Cada família caprichou na caracterização das crianças com as fantasias, cenários e preparação das comidas típicas. E os professores trabalharam para empolgar os alunos, organizando brincadeiras e as tradicionais quadrilhas juninas. Cada um na sua casa, mas com muito empenho e amor!”.

Em Angicos, as famílias levaram o “Arraiá” para dentro das casas e compartilharam no meio digital.

Afogados da Ingazeira – A professora Cláudia Barros é mantenedora do Colégio Dom Hélder Câmara, tradicional instituição de ensino de Afogados da Ingazeira (PE). Segundo ela, o engajamento dos gestores, professores, estudantes e famílias foi fundamental para o sucesso da festa de 2020, que teve brincadeiras, danças, jogos e muita comida. Em cada casa, uma festa – conectada às outras festas pela via digital.

“As festas juninas são um marco de preservação da nossa cultura”, explica Cláudia. Para “esquentar o clima” e matar saudades, o colégio produziu um vídeo com os melhores momentos da festa de 2019. E a festa deste ano também rendeu um belo vídeo, o que prova a animação, mesmo em tempos de distanciamento social.

“Arraiá Virtual” do Colégio Opet teve música, culinária, quadrilha, música, dança, brincadeiras e bingo!

Mosaico com momentos do “Arraiá Virtual” do Colégio Opet. Planejada com muito cuidado, a festa virtual foi um grande sucesso!Em Curitiba, o Colégio Opet planejou com muito carinho sua festa junina virtual deste ano, o “Arraiá Virtual”, realizada no último dia 27. Ela foi pensada para oferecer à comunidade escolar uma experiência que, neste momento tão peculiar, traduzisse a alegria e os saberes de uma celebração muito rica e querida pelas pessoas.

A diretora pedagógica do Colégio, professora Caren Helpa, explica que a festa virtual foi pensada em três momentos: primeiro, foi feita uma live com os estudantes e suas famílias sobre a preparação dos enfeites e adornos juninos; a seguir, foi feita a entrega, em um drive-thru às famílias, de “kits juninos”, com doces, materiais para a confecção de um jogo de “pescaria” e uma cartela do bingo virtual; por fim, a coroação com a festa virtual, que aconteceu no ambiente digital, com atrações transmitidas (com todos os cuidados sanitários) diretamente do Colégio Opet.

“Com o ‘Arraiá Virtual’, tivemos como grande objetivo oferecer às famílias um momento cultural em contato com a arte, a dança, a culinária e a cultura juninas. Mas, principalmente, quisemos oferecer um momento de alegria na casa das pessoas”, conta Caren. O trabalho começou quarenta dias antes da festa. Nesse período, os professores se reuniram virtualmente para discutir como seria a festa e como seriam inseridos os elementos juninos trabalhados nas aulas remotas pelos professores com os estudantes. “Nessas reuniões semanais, fomos desenhando a festa e elaborando os roteiros até chegar à versão final, do sábado, dia 27”, explica a diretora.

Caren destaca o trabalho dos professores de Educação Física e Música e das professoras regentes, que ao longo do período, fizeram pesquisas, lives, videoaulas e leituras com suas turmas. “Enquanto, em uma instância, uma equipe planejava a festa junina para a comunidade, nessa instância os professores trabalharam os conteúdos com muito cuidado”, explica.

Ferramentas digitais – A realização dos encontros preparatórios e da própria festa virtual foi possível, também, graças ao suporte da Editora Opet, que forneceu e-mails “@souopet” para os estudantes e “@opeteducation” para os professores.

A partir do cadastro desses e-mails, dentro da ferramenta Google Meet, foi possível realizar os encontros virtuais e a própria festa. “É uma ferramenta importante porque fornece recursos que garantem segurança e grande interação no período de distanciamento”, observa a gerente pedagógica da Editora, Cliciane Élen Augusto. “Os encontros no Google Meet permitem reunir, por exemplo, até 250 pessoas simultaneamente, e oferecem a interação com vídeos, áudios e chat. Uma grande interação, enfim, necessária à educação e, é claro, a uma boa festa virtual.”

A festa – No dia 27, o “Arraiá Virtual” foi aberto oficialmente de dentro do Colégio Opet, pelo professor atelierista Guga Cidral. Acompanhado do professor de Educação Física Rafael Racciope e de dois músicos, ele explicou o porquê da festa em todos os seus elementos, da religiosidade às comidas, trajes, música e danças. Ao mesmo tempo, remotamente, os professores colaboraram com informações e atividades relacionadas à comemoração. E, é claro, aconteceu o famoso bingo, uma tradição junina do Colégio Opet.

As famílias, conta Caren, se engajaram fortemente. “Essa participação foi uma grande alegria. Antes da festa, fizemos uma live com dicas sobre a produção de bandeirinhas e adereços juninos. E, nas transmissões, vimos as casas decoradas e as pessoas com os trajes típicos. Foi uma emoção singular”, comemora. “Recebemos muitas mensagens de agradecimento pelo momento de alegria, leveza e interação que o Colégio proporcionou.”

Diferentes ferramentas, um mesmo propósito: ensinar!

São João do Itaperiú (SC) uniu Whatsapp, Facebook e livros para garantir o ensino

Situado a cerca de 150 quilômetros de Florianópolis, São João do Itaperiú é um importante parceiro da Editora Opet na região leste de Santa Catarina. Lá, como acontece em todo o Brasil, a rede municipal de ensino se organizou para garantir educação de qualidade durante o período de distanciamento social. A secretária municipal de Educação, professora Elizete Moraes Hess, explica que, tão logo começou a quarentena, o município decretou um recesso escolar de 15 dias, tempo suficiente para que os gestores e os professores se organizassem. As aulas foram retomadas no dia 06 de abril.

E eles perceberam que o trabalho funcionaria bem com o uso de ferramentas digitais que a maioria conhecia e utilizava – o Whatsapp e os grupos do Facebook. “Optamos por essas ferramentas pela facilidade de acesso de todos, professores, estudantes e famílias. E, como elas funcionaram perfeitamente, decidimos seguir usando sem migrar para outras ferramentas”, explica a secretária. No caso dos estudantes que não possuem acesso à internet, que são poucos, as atividades são enviadas diretamente para as suas casas pelos professores, gestores e Secretaria.

Devolutivas – Somadas aos livros físicos do Sefe (selo educacional da Editora Opet para o segmento público), as ferramentas digitais estão permitindo desenvolver as atividades educacionais com grande sucesso. Segundo a secretária Elizete, os livros físicos, de que todos os estudantes dispõem, geram um ponto a mais de conexão. “Os materiais do Sefe têm sido essenciais neste momento. Eles facilitaram muito as aulas remotas. Os professores fazem seus planejamentos a partir dos livros e enviam as atividades; os estudantes recebem as atividades, desenvolvem e postam, e recebem a devolutiva dos professores.”

Um exemplo bem interessante desse trabalho é o das crianças do Pré-I e Pré-II da professora Marcia Gadotti Caldonho, da Escola Municipal Professora Maria Gasino Borba. Com o acompanhamento das famílias – algo que é necessário nessa etapa da Educação -, elas estão fazendo suas tarefas e postando em um grupo fechado no Facebook. Algumas fotos podem ser conferidas nesta matéria. Marcia conta que a participação das famílias é bem importante para o sucesso do trabalho. “A maioria das famílias é participativa. Elas ajudam e fazem o possível para que as crianças realizem as atividades dos livros. Mandam filmagens, fotos e áudios falando o que a criança fez.” O trabalho, observa, é inteiramente baseado nas atividades dos livros.

“Exploramos tudo o que a criança pode fazer em casa com a família. Eu faço explicações em vídeo da página da atividade e, em caso de dúvidas, ajudo.” Sobre a evolução das crianças, Marcia explica que é possível acompanhá-la de acordo com os registros que cada criança faz com apoio da família. “A dedicação da família é muito importante. Ela ajuda muito no desenvolvimento da criança.”

A gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto, considera ações como a dos gestores e professores de São João do Itaperiú fundamentais para o desenvolvimento da educação. Elas demonstram inteligência, criatividade e capacidade de engajamento. “Durante este momento tão difícil de distanciamento social, nossos conveniados têm demonstrado que a escola permanece viva em outros ambientes, sempre numa perspectiva de ampliar o processo de aprendizagem.” Cliciane lembra que o desafio é diário e é intenso, mas que o fazer pedagógico é a essência de ser educador. “Continuamos a fortalecer nossa parceria diante das dificuldades. Juntos, estamos enfrentando e superando este momento.”

 

Barra do Garças (MT): implantação e formação pedagógica

Há alguns anos, a Editora Opet, por meio do selo educacional Sefe, desenvolve um trabalho importante junto às redes de ensino de municípios do Mato Grosso. Nesta semana, nosso time pedagógico esteve em Barra do Garças, município de aproximadamente 80 mil habitantes onde aconteceu a implantação dos materiais didáticos da Coleção “Entrelinhas para Você” (4 e 5). O trabalho, realizado no campus do Centro Universitário do Vale do Araguaia (UNIVAR), envolveu 110 professores da rede municipal, que trabalharam com a assessora pedagógica Elis Vieira, e 18 gestores educacionais, que fizeram a formação com a assessora pedagógica Mara Dumke.

“Barra do Garças é um novo parceiro da Editora Opet”, explica Danuza Peraceta, supervisora regional que atende aos municípios do Mato Grosso e que acompanhou a formação. “Com essa formação pedagógica, demos início a uma parceria de muito sucesso. Percebemos que tanto os professores quanto os gestores se mostraram bastante interessados nos materiais didáticos e na formação pedagógica, o que possibilitou o compartilhamento de conhecimentos e experiências.”

Qualidade – Cristina Alves Moreira é a assessora técnica pedagógica da Secretaria de Educação de Alto Garças. Segundo ela, o município busca qualidade educacional. “Nós temos uma preocupação muito grande com a infraestrutura e também pensamos muito na qualidade pedagógica. Precisamos ter formação docente continuada e assessoria pedagógica – e isto, a Editora Opet nos oferece.”

Para Cristina, a implantação marcou um bom início de trabalho. “As três formadoras da Opet, a Mara, a Elis e a Danuza, são muito experientes e nos deram uma excelente base.” Segundo ela, os materiais da Coleção “Entrelinhas para Você”, que vão atender as crianças de quatro e cinco anos, são exatamente aquilo de que o município precisa. “Não é um sistema de ensino fechado. Assim, podemos complementar o trabalho com nossas próprias particularidades.” Além disso, Cristina também destaca a proximidade entre a fundamentação teórica Opet e o documento curricular do próprio município.

Sobre o trabalho com os gestores, a assessora pedagógica observa que muitos dos diretores das escolas estão assumindo agora, e que o trabalho feito pela assessora Mara Dumke os auxiliou muito em relação aos primeiros passos na gestão.

Ação Destaque – Cristina ainda falou sobre o interesse dos professores pelo Prêmio Ação Destaque, promovido anualmente pela Editora Opet para valorizar projetos e práticas pedagógicas dos professores parceiros. “Muitos dos nossos professores trabalham com projetos e ficaram empolgados com a ideia de participar. Eles vão se inscrever, com certeza!”.