Aproxima Gestor! Editora Opet apresenta sua campanha de Matrículas para 2021

A Editora Opet lançou nesta semana a Campanha de Matrículas de 2021, com foco no apoio aos parceiros da área privada. A Campanha foi lançada oficialmente na terça-feira (22), durante o “Aproxima Gestor!”, momento de diálogo com os mantenedores e com os gestores das escolas parceiras do selo Opet Soluções Educacionais. A apresentação foi feita por Andre Remor, diretor da Agência Eureka, responsável pela produção das peças junto com a coordenação de Marketing da Editora Opet.

Todos os anos, a Editora Opet desenvolve uma Campanha de Matrículas para fortalecer a comunicação dos parceiros privados nesse momento que é crucial. Essa campanha, que está disponível em www.campanhaopet.com.br, envolve um conceito norteador e um conjunto de peças que podem ser usadas pelos parceiros em suas redes sociais, impressos e nas instalações das escolas. Para baixar as peças, os parceiros recebem login e uma senha, e têm o suporte da Editora para questões técnicas relacionadas, por exemplo, à aplicação das logos das escolas.

Conceito poderoso – “Na Campanha deste ano, optamos por manter o conceito de ‘Educação que Aproxima’, que é muito poderoso, especialmente no momento que estamos vivendo”, explica a coordenadora de Marketing da Editora, Deisi Cabrini. “A ideia, porém, vai mais longe: nas peças da campanha, apresentamos uma escola ao mesmo tempo tecnológica e humana, capaz de oferecer educação de alta qualidade. Que está pronta para atender as famílias em desafios como os do ensino remoto, do ensino híbrido e do retorno às aulas presenciais.”

Apoio total aos parceiros – O gerente comercial da Editora Opet para o segmento privado, Klinger Mota, acredita que, como nos anos anteriores, as escolas vão usar as peças da Campanha de Matrículas. A campanha de matrículas é um benefício que as escolas adoram. Neste ano, o marketing se saiu muito bem, adaptando as peças com uma linguagem digital e focando na comunicação em redes sociais”, afirma. “Agora, mais do que nunca, temos que ajudar nossas escolas a recuperar os alunos perdidos por conta da pandemia. Além disso, as dicas passadas nas nossas lives com o Andre, da Agência Eureka, estão sendo de grande valia para nossos parceiros.”

Na avaliação de Klinger, a ideia de “proximidade no distanciamento”, que faz parte do escopo da nova campanha de matrículas, é importante para a compreensão do caminho das escolas agora e no pós-pandemia. “Temos orientado nossos parceiros a manterem as famílias e os alunos ainda mais próximos de suas escolas. Isso é o que as equipes comercial e pedagógica têm feito com nossos clientes.”

Klinger também destaca as mudanças física na campanha de 2020/21. “Outra grande sacada foi substituir o envio de um banner por vários móbiles para que a escola enfeite sua sala de matrículas. O móbile é uma peça mais atual e moderna em relação ao banner.”

Klinger Mota é otimista em relação ao futuro dos parceiros da Editora Opet. “Quem sobreviver a esta pandemia – e acredito que nossos parceiros vão sobreviver – conseguirá se recuperar com resultados ainda melhores. A migração de alunos para a rede pública, por exemplo, é temporária, e assim que a economia e a geração de empregos se restabelecerem haverá uma demanda grande por matrículas na Educação Infantil da rede privada. É possível, inclusive, que faltem vagas.”

Pandemia e Desigualdade Educacional

Um relatório divulgado pela UNESCO no mês de junho alertou que, devido à pandemia, houve um aumento das desigualdades educacionais no Brasil. Com a impossibilidade de aulas presenciais, o ensino remoto foi a única solução cabível para a maioria das escolas. Porém, uma parte dos estudantes brasileiros não tem acesso aos recursos necessários para assistir e aprender com as aulas online.
Esse é um problema para todos os brasileiros, pois a Educação é assunto de interesse público e de direito comum, seja ela promovida pela rede pública ou privada. É uma prioridade social que deve ser defendida por todos os que acreditam em um futuro melhor construído pelo conhecimento.
Por isso, hoje, falaremos sobre os legados da pandemia para a educação e também sobre boas práticas que todos podemos adotar para diminuir a desigualdade educacional no Brasil.

O que a pandemia nos ensinou sobre o ensino?
E ensino remoto gerou vários desafios, que, muitas vezes, geraram insegurança, frustração e cansaço – o que faz sentido, dado o ineditismo da situação. Porém, essas dificuldades tornam-se aprendizados quando pensamos nas habilidades que precisamos desenvolver para ter um sistema de ensino mais potente e resistente.

A capacidade de adaptabilidade e a autonomia desenvolvida pelos estudantes, certamente, expandirá seus espaços e condições de aprendizado. Além disso, vimos a importância de promover uma educação na qual o estudante é o protagonista de todo o processo e portador do seu projeto de vida, capaz de aprender por desejo e necessidade e não por obrigação.
Percebemos também que a discussão sobre inclusão digital na educação precisa ser aprofundada. O Brasil deve, necessariamente, ser um país mais digital, com maior acesso à internet.

Vimos também, com muita emoção e orgulho, professores fazendo visitas voluntárias às casas de estudantes que não têm acesso ao computador e internet para assistir às aulas. Isso no ensina sobre dedicação e amor à profissão.
Entre anseios e aprendizados, de uma coisa nós não podemos esquecer: a desigualdade educacional é grande e a luta para mudar essa realidade é de todos os cidadãos.

Boas práticas para diminuir a desigualdade educacional.

Algumas práticas de consciência coletiva, responsabilidade social e generosidade são essenciais para combater a desigualdade educacional. Você, como cidadão, pode ajudar seu país a partir do apoio à educação:

  • Estamos próximos de uma eleição municipal. Escolha candidatos que se preocupem em promover e fiscalizar a educação pública. Conheça, também, suas propostas em relação às tecnologias digitais.
  • Procure conhecer e fazer contato com os gestores da escola pública mais próxima da sua casa, ou daquela onde sua filha ou filho estudam. Busque saber como ajudar.
  • Doe livros e materiais escolares para estudantes de baixa renda.
  •  Se você conhece os meios digitais, ofereça-se para orientar professores de mais idade que ainda não conseguiram se adaptar às ferramentas online.
  •  Participe de debates e da fiscalização das políticas públicas para educação.
  •  Seja voluntário ou voluntária em projetos de escolas públicas.
  •  Defenda uma educação de qualidade como direito básico de todos os brasileiros.
  • Seja solidário e consciente em relação às causas e lutas sociais.
  •  Defenda uma educação que aproxima e liberta.

Nós, como instituição advinda de um grupo educacional privado, trazemos este debate porque nossa missão é promover uma educação humana, cidadã, transformadora e inovadora. Para isso, é imprescindível defender o acesso ao ensino por todas as crianças e adolescentes como direito básico e dever da sociedade e do Estado – algo que, aliás, está previsto na Constituição (no Artigo 208). Assim, podemos vislumbrar um futuro melhor para todos!

Educação Privada: o sucesso do Colégio Dom Hélder com as ferramentas digitais

Em vinte anos de existência, o Colégio Dom Hélder Câmara, de Afogados da Ingazeira, no sertão de Pernambuco, tornou-se referência em educação. De uma pequena escola que atendia a Educação Infantil e o primeiro ano do Ensino Fundamental, transformou-se em um dos maiores colégios privados da região, oferecendo da Educação Infantil ao nono ano do Ensino Fundamental em instalações de alta qualidade. Desde o início deste ano, o Dom Hélder é, também, parceiro da Editora Opet, que proporciona os materiais didáticos e as ferramentas pedagógicas para todos os níveis de ensino oferecidos pela instituição.

Com a pandemia, o colégio precisou se organizar para dar conta das aulas remotas e da qualidade do ensino. “A pandemia mudou nossas vidas e o momento exigiu que nos readaptássemos”, conta a mantenedora e diretora administrativa e pedagógica, professora Cláudia Valéria da Silva Campos Barros. “Com muito estudo, planejamento e responsabilidade, iniciamos os atendimentos com as aulas remotas, já com a parceria da Editora Opet.”

Ela destaca, nesse processo, o apoio pedagógico oferecido pela Editora. “A parceria com a Editora Opet foi fundamental para o sucesso do nosso trabalho. As ferramentas de apoio proporcionaram um atendimento de qualidade, aproximando professores, estudantes e familiares, dinamizando o ensino e garantindo uma aprendizagem eficaz”, observa.

Segundo Cláudia Valéria, a Editora Opet tem sido fundamental em termos de apoio e capacitação para o “novo normal”. “A promoção de lives excelentes, com temas pertinentes para o momento, as formações pedagógicas e os inúmeros atendimentos foram fundamentais para o sucesso do nosso trabalho”. Um sucesso que se reflete, por exemplo, no engajamento dos estudantes e de suas famílias ao sistemas de aulas remotas.

“Com a utilização das novas ferramentas educacionais, o Dom Hélder deu  continuidade ao atendimento e proporcionou momentos satisfatórios de estudo e aprendizado. Mesmo remotamente, os cuidados com a aprendizagem continuam a permear a nossa prática”, garante. A mantenedora também destaca a aproximação das famílias, que se tornaram grandes parceiras do colégio, e de sua equipe de gestores e professores, que vêm realizando um excelente trabalho.

Pedro Santos Nobre é estudante do nono ano do Ensino Fundamental do Colégio Dom Hélder. Ele valoriza os esforços da instituição para garantir o acesso às ferramentas digitais e ao estudo nesta fase tão difícil para outros estudantes. “Posso dizer que sou privilegiado por estudar em um colégio assim, com os recursos que recebemos.”

Ele conta que, no início da pandemia, não ligava muito para a situação porque pensava que ela seria passageira, coisa de uma ou duas semanas. Em pouco tempo, porém, percebeu que a coisa era séria e se engajou nos estudos remotos. Hoje, ele acha o processo muito interessante: “É mais rápido e até mais relaxado estudar usando o computador. Recebemos um e-mail dedicado para o trabalho e eu gostei muito.” Fã declarado de ferramentas como o Google Meet e o Classroom, oferecidas pela Editora Opet dentro da parceria com a Google for Education, Pedro só tem elogios para o trabalho da escola, que, segundo ele, é muito bem organizado e garante o aprendizado.

A professora Wilma Geysa Diniz Marques dá aulas para o segundo ano do Ensino Fundamental no Dom Hélder. Segundo ela, as ferramentas digitais estão subsidiando o processo de ensino-aprendizagem. “A Editora Opet está de parabéns pelo apoio dado a nós educadores, desde as lives até os atendimentos particulares”, avalia.

Para Wilma, a plataforma digital é o grande destaque deste momento de ensino remoto. “Ela nos possibilita uma interação com os educandos, ligando o vínculo escola e família. Vale respaldar as possibilidades contidas nesta plataforma,  como o modo de apresentação,  atividades-teste e outras que vêm a somar no desenvolvimento da aprendizagem.” Ela vê seus alunos satisfeitos e motivados com as ferramentas digitais, que, neste momento, acabam sendo o único meio de contato com a escola.

Adriana Fialho é a assessora pedagógica da Editora responsável pelo atendimento do Colégio Dom Hélder. Em sua avaliação, um dos diferenciais do Colégio é estar, sempre, na vanguarda. “Os gestores estão sempre à frente e conduzem muito bem os processos de mudança.” Ela destaca, por exemplo, o engajamento para a adoção das ferramentas digitais no período da pandemia. “Nas reuniões formativas para o uso do Google for Education, por exemplo, a participação sempre foi massiva, e os participantes buscavam ir além para aprofundar o trabalho com as ferramentas digitais.” E isso deu muito certo, uma vez que, no Dom Hélder, essas ferramentas têm sido utilizadas com muita eficiência nas aulas e na gestão, por exemplo, para reuniões e eventos online. “Ficamos felizes em contribuir para esse sucesso. É muito bom trabalhar com parceiros que têm esse padrão de qualidade”, conclui Adriana.

Conceito (AP) promove “feira drive-thru” e live para debater Meio Ambiente

Com menos de um ano de existência, o Colégio Conceito Bilíngue, de Macapá, é  uma das mais novas instituições privadas de ensino do Estado do Amapá. Parceiro da Editora Opet, é, também, uma das mais arrojadas em sua proposta e ações, oferecendo a chamada “Educação 4.0”, fundada em valores, cidadania, afeto e tecnologia. Recentemente, o Conceito realizou um grande projeto ambiental, especialmente ajustado para o período da pandemia. E foi um grande sucesso!

Feira, live, ações em casa: projeto de Meio Ambiente do Colégio Conceito Bilíngue movimentou a comunidade escolar por uma causa nobre!

A mantenedora e diretora Ameliany Azevedo conta que o colégio trabalha com vários projetos, dos quais o de Meio Ambiente é o do mês de junho (quando se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente). “A envergadura do projeto é grande, e envolve elementos como sustentabilidade e consumo consciente. É um projeto importante, e não quisemos parar por conta da pandemia. Assim, adaptamos e ajustamos para que funcionasse com toda segurança para os professores, estudantes e famílias”, conta.

Atividades na quarentena – Os estudantes que participaram – da Educação Infantil aos Anos Iniciais do Ensino Fundamental – desenvolveram as atividades de forma remota, com orientação dos professores. “Tivemos, então, duas culminâncias: para as crianças da Educação Infantil e os estudantes dos Anos Iniciais, uma ‘feira drive-thru’ na frente da escola. E, para os estudantes dos Anos Finais, uma live”, explica Ameliany.

No caso da “feira drive-thru”, ela foi montada com trabalhos dos estudantes (previamente levados pelos pais até a escola) e dos professores. A visitação foi feita sem sair do carro, e as famílias receberam mudas para plantar em casa. No caso da live, ela foi montada a partir dos trabalhos gravados pelos estudantes e teve um bate-papo. “Essas ações reforçaram a afetividade e o contato entre as famílias e a escola, o que é muito importante neste momento de distanciamento social”, avalia Ameliany.

O valor da parceria – “A Editora Opet tem sido uma super parceira do Colégio Conceito Bilíngue”, diz a diretora. “Com a Plataforma Inspira e a parceria da Editora com a Google for Education, recebemos um verdadeiro ‘arsenal’ de suporte tecnológico que foi fundamental para que pudéssemos realizar as aulas remotas, tanto ao vivo quanto por meio do Google Sala de Aula. Isso, sem contar a assessoria pedagógica, que está o tempo todo à disposição, tirando dúvidas e ajudando. É um suporte maravilhoso.”

Fogueira Virtual, animação real: uma jornada pelas festas juninas virtuais dos parceiros Opet

Para a escolas, as festas juninas são um momento de integração da comunidade e de promoção da cultura brasileira. Neste ano, por conta da pandemia e do distanciamento social, os gestores tiveram um desafio enorme: sem “deixar a peteca cair”, realizar as festas no ambiente virtual, engajando e animando as famílias.

Francisco Glaylson Rodrigues, supervisor regional da Editora Opet para o Ceará, é apaixonado pelas festas juninas. O mês de junho é o nosso mês mais alegre e colorido. É uma verdadeira celebração! O dia de São João, por exemplo, é como se fosse nosso Natal”, vibra. Apesar de tudo, em 2020 as festas aconteceram – adaptadas às novas circunstâncias, mas cheias de energia. “Não perdemos a alegria. Os gestores e as famílias criaram lives, videoconferências e festas online. Com direito a bolo de milho, pamonha, dança e confraternização em família.”

Em Fortaleza, a Escola Municipal Dois de Dezembro foi uma dentre muitas escolas que realizaram sua festa online. Sua coordenadora, professora Orlenilda de Souza, fala sobre a importância dessas festas. “Elas representam a cultura nordestina em seus diferentes aspectos: a comida, os trajes, a música, a dança, as parlendas, as brincadeiras”, explica. E aí reside sua importância em termos de educação. “Como toda essa tradição já faz parte do cotidiano da nossa gente nas diversas esferas, inclusive familiar, trabalhar as festas juninas torna os conteúdos curriculares mais significativos. Conhecer e valorizar o conhecimento de mundo do educando torna o processo de ensino e aprendizagem mais significativo.”

Normalmente, conta Orlenilda, as festas juninas são trabalhadas a partir de um projeto multidisciplinar que envolve toda a comunidade escolar em junho, culminando com um festival com quadrilhas e forró, barracas com comidas e bebidas típicas, além de muitas brincadeiras. “O papel das famílias é fundamental”, reforça.

Neste ano, esse projeto foi transposto para o ambiente virtual. “Todos participaram: alunos, professores e grupo gestor. E a culminância – o ‘forró virtual’ – foi construída a partir dos vídeos e fotos que os professores e os estudantes enviaram.”

Orlenilda ficou satisfeita. “Os desafios que esse momento nos trouxe fez com que agregássemos novas formas de pensar no processo ensino-aprendizagem. Esses conhecimentos, aliás, serão somados à nossa forma de ensino pós-pandemia.”

Crianças da Escola Municipal 02 de dezembro, de Fortaleza, mostram suas “artes juninas” nas redes sociais. Festas são forma de mergulhar na cultura brasileira.

Angicos – O Plenitude Complexo Educacional, escola particular de Angicos (RN), também não deixou passar as festas juninas em branco, como conta a diretora Rosicleide Sebastiana de Melo. O fio condutor foi um poema escrito por um estudante do sétimo ano do Ensino Fundamental, que relembrou os festejos de anos anteriores. O poema foi recitado e gravado pelos docentes. Além disso, durante as aulas virtuais, estudantes e professores trabalharam juntos a cultura nordestina associada à época.

Como substituir esse momento sem perder o encanto?”, pergunta Rosicleide.  Segundo ela, a solução foi produzir e distribuir vídeos. “O auxílio da plataforma Gsuite e da ferramenta Google Meet, da Editora Opet, assim como dos familiares em casa, foram determinantes para o nosso ‘Arraiá Virtuá’”, conta. “Cada família caprichou na caracterização das crianças com as fantasias, cenários e preparação das comidas típicas. E os professores trabalharam para empolgar os alunos, organizando brincadeiras e as tradicionais quadrilhas juninas. Cada um na sua casa, mas com muito empenho e amor!”.

Em Angicos, as famílias levaram o “Arraiá” para dentro das casas e compartilharam no meio digital.

Afogados da Ingazeira – A professora Cláudia Barros é mantenedora do Colégio Dom Hélder Câmara, tradicional instituição de ensino de Afogados da Ingazeira (PE). Segundo ela, o engajamento dos gestores, professores, estudantes e famílias foi fundamental para o sucesso da festa de 2020, que teve brincadeiras, danças, jogos e muita comida. Em cada casa, uma festa – conectada às outras festas pela via digital.

“As festas juninas são um marco de preservação da nossa cultura”, explica Cláudia. Para “esquentar o clima” e matar saudades, o colégio produziu um vídeo com os melhores momentos da festa de 2019. E a festa deste ano também rendeu um belo vídeo, o que prova a animação, mesmo em tempos de distanciamento social.

“Arraiá Virtual” do Colégio Opet teve música, culinária, quadrilha, música, dança, brincadeiras e bingo!

Mosaico com momentos do “Arraiá Virtual” do Colégio Opet. Planejada com muito cuidado, a festa virtual foi um grande sucesso!Em Curitiba, o Colégio Opet planejou com muito carinho sua festa junina virtual deste ano, o “Arraiá Virtual”, realizada no último dia 27. Ela foi pensada para oferecer à comunidade escolar uma experiência que, neste momento tão peculiar, traduzisse a alegria e os saberes de uma celebração muito rica e querida pelas pessoas.

A diretora pedagógica do Colégio, professora Caren Helpa, explica que a festa virtual foi pensada em três momentos: primeiro, foi feita uma live com os estudantes e suas famílias sobre a preparação dos enfeites e adornos juninos; a seguir, foi feita a entrega, em um drive-thru às famílias, de “kits juninos”, com doces, materiais para a confecção de um jogo de “pescaria” e uma cartela do bingo virtual; por fim, a coroação com a festa virtual, que aconteceu no ambiente digital, com atrações transmitidas (com todos os cuidados sanitários) diretamente do Colégio Opet.

“Com o ‘Arraiá Virtual’, tivemos como grande objetivo oferecer às famílias um momento cultural em contato com a arte, a dança, a culinária e a cultura juninas. Mas, principalmente, quisemos oferecer um momento de alegria na casa das pessoas”, conta Caren. O trabalho começou quarenta dias antes da festa. Nesse período, os professores se reuniram virtualmente para discutir como seria a festa e como seriam inseridos os elementos juninos trabalhados nas aulas remotas pelos professores com os estudantes. “Nessas reuniões semanais, fomos desenhando a festa e elaborando os roteiros até chegar à versão final, do sábado, dia 27”, explica a diretora.

Caren destaca o trabalho dos professores de Educação Física e Música e das professoras regentes, que ao longo do período, fizeram pesquisas, lives, videoaulas e leituras com suas turmas. “Enquanto, em uma instância, uma equipe planejava a festa junina para a comunidade, nessa instância os professores trabalharam os conteúdos com muito cuidado”, explica.

Ferramentas digitais – A realização dos encontros preparatórios e da própria festa virtual foi possível, também, graças ao suporte da Editora Opet, que forneceu e-mails “@souopet” para os estudantes e “@opeteducation” para os professores.

A partir do cadastro desses e-mails, dentro da ferramenta Google Meet, foi possível realizar os encontros virtuais e a própria festa. “É uma ferramenta importante porque fornece recursos que garantem segurança e grande interação no período de distanciamento”, observa a gerente pedagógica da Editora, Cliciane Élen Augusto. “Os encontros no Google Meet permitem reunir, por exemplo, até 250 pessoas simultaneamente, e oferecem a interação com vídeos, áudios e chat. Uma grande interação, enfim, necessária à educação e, é claro, a uma boa festa virtual.”

A festa – No dia 27, o “Arraiá Virtual” foi aberto oficialmente de dentro do Colégio Opet, pelo professor atelierista Guga Cidral. Acompanhado do professor de Educação Física Rafael Racciope e de dois músicos, ele explicou o porquê da festa em todos os seus elementos, da religiosidade às comidas, trajes, música e danças. Ao mesmo tempo, remotamente, os professores colaboraram com informações e atividades relacionadas à comemoração. E, é claro, aconteceu o famoso bingo, uma tradição junina do Colégio Opet.

As famílias, conta Caren, se engajaram fortemente. “Essa participação foi uma grande alegria. Antes da festa, fizemos uma live com dicas sobre a produção de bandeirinhas e adereços juninos. E, nas transmissões, vimos as casas decoradas e as pessoas com os trajes típicos. Foi uma emoção singular”, comemora. “Recebemos muitas mensagens de agradecimento pelo momento de alegria, leveza e interação que o Colégio proporcionou.”

Livros em casa, formações remotas e muita ação: os primeiros momentos da parceria Cotia-Editora Opet

As últimas semanas têm sido de grandes novidades e transformações na educação municipal de Cotia (SP), um dos mais novos parceiros da Editora Opet na área pública. O município, que acaba de adotar as coleções e ferramentas Sefe para a maioria de seus estudantes – Jardim I e II (Educação Infantil 4 e 5), Ensino Fundamental Anos Iniciais e Finais – aderiu com entusiasmo às implantações digitais e formações a distância proporcionadas pela Editora na parceria com o Google for Education.

Há alguns dias, as coleções foram enviadas de Curitiba para Cotia e o município organizou uma operação especial para a sua distribuição às famílias, o que aconteceu com apoio dos diretores das escolas. Por meio das redes sociais, o prefeito municipal, Rogério Franco, apresentou os materiais à comunidade, observando sua importância no contexto das atividades realizadas pelos estudantes em casa e com apoio das ferramentas virtuais.

O secretário municipal de Educação, Luciano Corrêa, destaca o desafio de implantar um sistema de ensino nesta época. “Nossa parceria com a Editora Opet se iniciou em um contexto muito peculiar, que é o da pandemia. Contudo, a resposta da Editora tem sido muito boa, atendendo prontamente às necessidades educacionais do momento.

Segundo ele, os professores gostaram muito das primeiras formações realizadas online. Nos próximos dias, os estudantes passam a usar a plataforma digital da Editora. “Estamos certos de que as soluções que estamos encontrando para esse momento servirão como um grande aprendizado e, com o passar do tempo, se consolidarão como poderosas ferramentas para o ensino-aprendizagem da rede de Cotia.”

A gestora pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen, observa que, historicamente, a Editora Opet realiza as implantações e as formações de forma presencial, mas que está se adaptando rapidamente às mudanças. “A formação presencial é uma característica do nosso trabalho, um diferencial. No entanto, diante das circunstâncias, nos fortalecemos para o trabalho online e estamos nos saindo muito bem”.

Ela explica que, num primeiro momento, os encontros em Cotia foram realizados com a equipe da Secretaria Municipal de Educação. “Desde o início, estamos fazendo essa troca de informações com a Secretaria para entender as expectativas do município. É uma parceria que envolve muito diálogo, muita discussão e muito respeito em busca de ideias e inovação”, observa Cliciane.

Já foram realizados dois encontros formativos. O primeiro deles, dividido de acordo com os segmentos de ensino atendidos, envolveu uma apresentação das coleções, ferramentas e concepção teórico-metodológica do sistema de ensino. E o segundo, que aconteceu ontem (23), colocou mil professores no ambiente virtual ao mesmo tempo, tendo como tema a sensibilização para ferramentas digitais como o Google Classroom. “Os professores são os protagonistas nesse processo. Buscamos sensibilizá-los para a potencialidade e para a facilidade de uso da plataforma digital”, explica Cliciane. E esse processo vai continuar. “Agora, com a expansão das implantações, das formações e das atividades pedagógicas, vamos mostrar para os professores, famílias e estudantes de como é possível continuarmos a ensinar e a aprender em um espaço virtual.” Ao todo, 1,8 mil professores vão utilizar as ferramentas.

O gerente comercial da Editora Opet para a área pública, Roberto Costacurta, considera a parceria com Cotia como estratégica, em especial pela dedicação do município à educação. “Cotia desenvolve um trabalho exemplar, de protagonismo na área educacional. E nós estamos juntos para isso, para fazer com que o município se destaque. Damos todo o suporte e todo o apoio”, observa.

O secretário de Educação Luciano Corrêa tem grandes expectativas em relação ao trabalho com a Editora. “Esperamos que, com essa parceria, possamos continuar avançando na oferta de educação de qualidade, oferecendo material pedagógico estruturado que funcione como uma importante ferramenta de trabalho pedagógico, enriquecendo as ações pedagógicas planejadas pelo professor. Também esperamos que os professores recebam formações que ampliem seus conhecimentos e sustentem seu trabalho. Dessa forma, vamos alcançar a figura mais importante, que é o estudante da nossa rede municipal.”

Parceira Opet no RN faz “drive thru” para entrega de materiais didáticos

Em tempo de isolamento social, as escolas estão encontrando formas criativas e seguras de distribuir os materiais didáticos e seguir ensinando. Um bom exemplo é o do Plenitude Complexo Educacional, parceiro da Editora Opet na cidade de Angicos, no Rio Grande do Norte. Lá, a escola montou um “drive thru” para que as famílias dos estudantes pudessem receber os materiais Opet Soluções Educacionais relativos ao atual período letivo com toda segurança. O resultado? Em um único dia, 85% dos estudantes receberam os materiais!

A “operação”, conta a diretora Rosicleide Sebastiana de Melo, aconteceu no dia 08, junto com uma entrega de ovos de Páscoa oferecidos pela escola para os alunos. As famílias receberam vários materiais – devidamente embalados -, como os livros das coleções “Joy!” (Língua Inglesa), “Família Presente” (Infantil e Fundamental Anos Iniciais) e volumes complementares de Educação Física, Filosofia e Espanhol.

“A ideia do drive thru surgiu da necessidade de entrega do material didático que estava na escola. Esse material é importante para a continuidade das aulas, à distância. Por outro lado, precisávamos evitar aglomerações em função da pandemia”, conta Rosicleide.

Para a divulgação, a escola produziu um pequeno vídeo, que foi enviado previamente às famílias. Alguns professores foram chamados a participar e, no dia combinado, a entrega foi feita na frente da escola. Com segurança, distanciamento físico, máscaras, limpeza das mãos com álcool em gel a cada entrega e cartazes de conscientização para a comunidade escolar. “As pessoas respeitaram as regras e, em nenhum momento, tivemos aglomerações.”

Quase todas as famílias dos matriculados retiraram os materiais. “Ontem, segunda-feira, realizamos a entrega dos livros e dos materiais nas casas daquelas famílias que, por algum motivo, não puderam ir ao drive thru”, explica a diretora.

Parceria livros-plataforma – Rosicleide conta que, a partir do momento em que o governo do Rio Grande do Norte estabeleceu a suspensão das aulas presenciais (no dia 17 de março), sua instituição buscou iniciar a educação a distância com uso dos materiais didáticos físicos. E, para isso, teve apoio da Editora Opet.

“Nesse momento de pandemia, de confinamento, a parceria nas aulas a distância é essencial”, conta. “A iniciativa da Editora Opet, de divulgar e orientar o processo da educação a distância, no ajudou muito. Esse processo, adaptado à nossa realidade de Educação Infantil e Ensino Fundamental, enriqueceu a discussão, induziu o uso das ferramentas e facilitou a parceria família-escola.”

Uma parceria de valor – “Nós temos uma parceria de alguns anos com Plenitude Complexo Educacional. É uma instituição muito séria, que começou pequena, caminhando com cuidado, e que está crescendo e se afirmando como especialista no segmento educacional que oferece”, observa o consultor comercial Erick Feijó, que atende a escola junto com os demais departamentos da Editora.

A opinião é compartilhada por Adriana Fialho, supervisora regional da Editora que faz o atendimento pedagógico da escola. “Eu diria que o Plenitude é, hoje, a melhor escola privada de Angicos. A diretora Rosicleide se preocupa muito com a qualidade da educação e está sempre procurando o melhor para seus alunos. A iniciativa do drive-thru é um exemplo disso.”

 

Grandes Coleções Opet #1: “Família Presente” e “Família & Escola”

A Editora Opet acredita profundamente na parceria entre família e escola. Juntos, familiares, professores e gestores aprofundam o processo de ensino-aprendizado, oferecendo aos estudantes a possibilidade de uma formação humana, cidadã, inovadora e transformadora, com esforços e valores que se fortalecem mutuamente.

Nesta edição de “Fique por Dentro”, vamos focar os materiais para a família desenvolvidos pelo selo Opet Soluções Educacionais. Para a Educação Infantil, a coleção “Família Presente”, e para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental, “Família & Escola”. Esses materiais foram escritos pela Professora Oralda Adur de Souza, doutora em Educação pela UFPR e uma das principais pesquisadoras brasileiras no assunto. E eles estão totalmente alinhados aos principais documentos oficiais da Educação no Brasil.

As escolas privadas conveniadas na Educação Infantil e/ou nos Anos Iniciais recebem os livros e, a critério de seus gestores, podem organizar encontros com os familiares dos estudantes. Nesse processo, os assessores pedagógicos da Editora fazem a formação e o assessoramento dos professores que trabalharão com as famílias.

As Coleções – A Coleção “Família Presente” apresenta dois livros, “Amor, Cuidado e Educação” e “A Família e os Valores Humanos”. Ela focaliza algumas das principais dúvidas dos familiares de crianças dessa faixa etária em relação ao desenvolvimento e à educação. Por exemplo: quais as características gerais das crianças nessa etapa do desenvolvimento? Como escolher a primeira escola? Os livros também trazem orientações que permitem aos professores e aos familiares extrair o máximo dos conteúdos e, também, propostas de atividades lúdicas para fazer em família.

Voltada aos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, a Coleção Família & Escola foi escrita pela Professora Oralda Adur de Souza em coautoria com a Professora e pesquisadora Araci Asinelli Luz, doutora em Educação pela USP e docente da UFPR. Seus dois livros – “A Vida em Família” e “Família-Escola e as Competências Socioemocionais” – abordam temas fundamentais como afetividade, limites, autoestima, sexualidade e prevenção ao uso de drogas. Eles também propõem reflexões e orientações aos familiares sobre a educação, focando em conceitos essenciais, princípios e valores. Elementos que estão diretamente associados ao desempenho escolar. A Coleção propõe, ainda, atividades lúdicas que podem ser realizadas pelos estudantes com suas famílias. Materiais especiais, que fazem toda diferença para a educação!

 

(*) – Na próxima reportagem, vamos falar sobre os materiais para a família utilizados pelos parceiros Sefe (área pública)!

Uma maratona de implantações no Nordeste!

O mês de janeiro foi de aproximação, envolvimento e muito trabalho por uma educação humana, cidadã e transformadora.

Nos Estados do Ceará, Paraíba, Sergipe, Pernambuco e Rio Grande do Norte, as assessoras pedagógicas Adriana Fialho e Janaína Bezerra coordenaram a implantação dos materiais e ferramentas Opet Soluções Educacionais em várias instituições privadas de ensino que, em 2020, passaram a ser nossas parceiras. Janaina e Adriana fazem parte do nosso time de atendimento pedagógico, que tem como compromisso a satisfação dos conveniados na utilização das soluções educacionais Opet.

No Ceará, as implantações envolveram os professores e as equipes gestoras dos colégios Vera Cristo (Juazeiro do Norte) e Nova Dimensão (Fortaleza). Na Paraíba, o Educandário Américo Mesquita (Piancó) e o Centro de Educação Brasileiro (João Pessoa). Em Sergipe, o Colégio Dom Bosco (Itabaiana). Em Pernambuco, o Educandário Nivaldo da Silva (Tamandaré), o Colégio AIO (Goiana), o Colégio Santa Cecília (Jaboatão dos Guararapes) e o Colégio Dom Hélder Câmara (Afogados da Ingazeira). E, no Rio Grande do Norte, o Colégio Plenitude (Angicos) e o Instituto da Criança (São Gonçalo do Amarante). Em algumas escolas, o trabalho teve a participação do consultor comercial Erick Feijó, responsável pelas parcerias.

“Ficamos muito felizes com a aproximação e, especialmente, com o encantamento dos professores e dos gestores pelos materiais da Editora Opet”, diz a assessora pedagógica Adriana Fialho. “Ao conhecer os materiais durante as implantações, eles perceberam a riqueza e o cuidado com que desenvolvemos o nosso trabalho. Em breve, com a plataforma digital Inspira, vão se encantar mais uma vez”, garante.

Para Janaína Bezerra, as implantações também mostraram a receptividade e as expectativas em relação ao trabalho com a Editora. “Os professores e as equipes gestoras receberam muito bem os materiais e a proposta pedagógica Opet.”

As implantações seguem em fevereiro, com parceiros que estão chegando agora. Confira algumas fotos das implantações!

Coleção Cidadania: um olhar diferenciado para o ensino da Arte

O ano letivo de 2020 está começando com uma mudança importante nos livros de Arte da Coleção Cidadania – Anos Iniciais (1º ao 5º ano) do selo Opet Soluções Educacionais (área privada). No segundo semestre do ano passado, os livros do componente curricular de Arte foram totalmente reformulados pela equipe editorial da Editora Opet. Um trabalho cuidadoso, realizado pela equipe editorial com apoio da equipe pedagógica, a participação das autoras, as professoras Cibele Bahr e Fátima Nogueira, e de uma analista crítica externa.

A editora Cristiane Marthendal de Oliveira foi a responsável pela coordenação do trabalho. Ela explica que, com a reformulação, os livros foram adequados ao que estabelece a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento normativo oficial que traz as competências e aprendizagens essenciais aos estudantes brasileiros no Ensino Fundamental. A BNCC é uma norma avançada, que segue parâmetros internacionais de qualidade em educação e traz a importância do desenvolvimento das competências socioemocionais.

“A BNCC destacou a importância das quatro linguagens da Arte, que são as Artes Visuais, a Música, a Dança e o Teatro. Com a reformulação dos livros da Coleção Cidadania, elas passaram a ser trabalhadas de forma integrada. Nesse processo, os conteúdos e os textos foram atualizados”, observa Cristiane.

O projeto gráfico também foi atualizado, em conformidade com o projeto da atual Coleção Cidadania. “Nos livros, as novas aberturas de Unidade introduzem o tema a ser trabalhado. Também foram criados ícones para as propostas que se relacionam com as linguagens da Arte”, explica Cristiane.

Outra preocupação foi com o Livro do Professor, que recebeu a inclusão de gabaritos e orientações didáticas em quinta cor. “Toda a fundamentação teórica foi revista e atualizada para que o trabalho docente fique em plena conformidade com a BNCC.”

Com as mudanças, o resultado é uma coleção que oferece os conteúdos de Arte com conhecimento, ludicidade, criatividade, inteligência e estímulo ao aprendizado. “A ideia é exatamente esta: oferecer aos professores e aos estudantes livros que estimulem o aprendizado, a curiosidade, a descoberta e a vivência das linguagens da Arte”, conclui Cristiane.