Extra! Saiu a lista dos finalistas do 10º Prêmio Ação Destaque!

Aimagem destq Editora Opet acaba de divulgar os finalistas da décima edição do Prêmio Ação Destaque, que acontece no período de 20 a 22 de outubro dentro do VIII Seminário Nacional de Gestores Municipais em formato online. De 113 trabalhos inscritos, foram selecionados 30, sendo 10 para cada uma das três categorias do prêmio. Confira os trabalhos selecionados por categoria:

Categoria 01 – Educação Infantil

  1. Adriane Passos Almeida (Cotia – SP)
  2. Alan D. Ribas Mueler (Salto Veloso – SC)
  3. Ana Paula Nogueira Moreira Borella (Cotia – SP)
  4. Ederli Margreiter de Melo (Treze Tílias – SC)
  5. Gabriela Favarin (Arroio Trinta – SC)
  6. Henrique Maximiano Costa (Cotia – SP)
  7. Lenir Angélica Tomaz Madaloz (Santana de Parnaíba – SP)
  8. Maria Antoniete Bruno Furtado (Fortaleza – CE)
  9. Silvana Bolzon (Arroio Trinta – SC)
  10. Teresa Maria Barbosa Brandão (Santana de Parnaíba – SP)

Categoria 02 – Ensino Fundamental Anos Iniciais

  1. Ana Paula de Jesus Souza (Cotia – SP)
  2. Ariane Cristina Xavier (Ilha Solteira – SP)
  3. Daiane de Cássia Martins Fazan (Ibirá -SP)
  4. Débora Rederd França Vidal (Paranaguá – PR)
  5. Geovana Meire Gomes Franco de Albuquerque (Fortaleza – CE)
  6. Gláucia Burioli dos Santos (Santana de Parnaíba – SP)
  7. Isaura Silva Xavier Nunes (Cotia – SP)
  8. José Werley Carvalho Braga (Cabreúva – SP)
  9. Sílvia Maria do Nascimento Borges (Alto Araguaia – MT)
  10. Tatiani Chagas Alberto (Cambará – PR)

Categoria 03 – Ensino Fundamental Anos Finais e Ensino Médio

  1. Adriane Ranieri Valente (Santana de Parnaíba – SP)
  2. Anderson Antonio Ferreira de Almeida (Santana de Parnaíba – SP)
  3. Cibele das Neves Silva de Oliveira (Santana de Parnaíba – SP)
  4. Elaine Maria Xavier (Santana de Parnaíba – SP)
  5. Luciana Martines do Nascimento (Santana de Parnaíba – SP)
  6. Lucinéia dos Santos Magatti Silva (Santana de Parnaíba – SP)
  7. Mayara Ferreira Mendes (Santana de Parnaíba – SP)
  8. Núbia Rafaela Martins da Silva (Santana de Parnaíba – SP)
  9. Ricardo Manoel da Silva (Santana de Parnaíba – SP)
  10. Sheila Abdala Barreiros (Santana de Parnaíba – SP)

“Depois de uma avaliação cuidadosa e pautada em critérios técnicos, chegamos aos trinta trabalhos finalistas, que foram os mais bem avaliados”, explica a gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto. “Ficamos muito satisfeitos com o nível dos trabalhos, que está muito bom. Agora, os finalistas devem aguardar o contato da nossa equipe para um detalhamento dos próximos passos”, explica.

De acordo com o regulamento, cada finalista deverá gravar e enviar um vídeo de até três minutos de duração, que será transmitido durante o evento e servirá como elemento de avaliação para a etapa final. “Tanto o trabalho que foi entregue na primeira etapa quanto o vídeo com a apresentação ou relato terão peso na avaliação final. É importante que essas peças evidenciem o uso da metodologia e dos recursos propostos pela Editora Opet. Eles também devem ter coerência entre si, ou seja, a apresentação em vídeo deve trazer e detalhar os elementos do projeto”, explica Cliciane.

No terceiro dia do Seminário Nacional de Gestores de Escolas Conveniadas Opet, serão escolhidos e divulgados os três vencedores de cada categoria – um total de nove premiados (1º, 2º e 3º lugar), que receberão troféus, certificados e prêmios em dinheiro.

Prêmios – Em 2020, a Editora Opet destinou R$ 30 mil aos prêmios do Ação Destaque. Além dos troféus e certificados (menção honrosa), os primeiros lugares receberão um prêmio de R$ 5 mil, os segundos lugares um prêmio de R$ 3 mil e os terceiros lugares um prêmio de R$ 2 mil.

“Diálogos Pedagógicos 2020” atraem municípios de todo o país

Momentos dos “Diálogos Pedagógicos 2020”, que reuniu representantes de 75 municípios de todo o país.

A quinta-feira (23) foi muito especial para a Editora Opet: foi quando realizamos os “Diálogos Pedagógicos 2020”, momento de apresentar as soluções do selo educacional Sefe para as equipes pedagógicas de municípios de de todo o país.

Neste ano, o evento, que já é uma tradição da Editora, foi realizado em formato online, respeitando os protocolos sanitários da pandemia. E foi um grande sucesso: ao todo, participaram representantes de 75 municípios, dos Estados do Acre, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe.

“Ficamos muito felizes com a receptividade dos municípios e com o interesse no nosso trabalho”, diz o gerente comercial da Editora para a área pública, Roberto Costacurta. Segundo ele, as dimensões do evento estão além do aspecto comercial. “Com os Diálogos Pedagógicos, fazemos uma aproximação inteligente e respeitosa dos municípios. Não é apenas uma apresentação fria de materiais didáticos, mas um diálogo mesmo, uma oferta e uma troca de conhecimentos”, observa.

No evento de ontem, os participantes foram brindados com uma palestra do professor Renato Casagrande, um dos grandes especialistas em Educação do país. Ele falou sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), relacionando este importante documento ao processo de ensino-aprendizagem na pandemia. Além disso, puderam conhecer em detalhes os materiais e as bases teórico-metodológicas que norteiam o trabalho do Sefe, em apresentações realizadas pela gerente pedagógica da Editora, Cliciane Élen Augusto, e pelas supervisoras pedagógicas Marina Cabral Rhinow (Educação Infantil) e Rúbia Cristina da Costa (Ensino Fundamental, Ensino Médio e Especialidades). E ouviram os testemunhos dos secretários municipais de Educação de Cotia (SP), Luciano Corrêa, e de Fortaleza (CE), Dalila Saldanha. Ambos falaram sobre os bons resultados da parceria com a Editora Opet (Sefe) em seus municípios.

“A parceria com o Sefe se baseia integralmente em um critério técnico, inclusive com a participação dos professores na seleção dos materiais. E ela vem se aprimorando ano a ano com muito sucesso em relação à alfabetização, que era o nosso maior desafio”, observou a secretária Dalila, de Fortaleza. Há cerca de 15 dias, o Ceará divulgou os resultados de seu sistema de avaliação, o SPAECE, que mostrou que 94,4% dos estudantes de Fortaleza são alfabetizados na idade certa. E a parceria com o Sefe atende justamente a Educação Infantil e o 2º ano dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental – etapas críticas para a alfabetização.

O secretário de Educação de Cotia, Luciano Corrêa, destacou o processo seletivo que culminou na escolha dos materiais e soluções Sefe para o município. “Dentre todos os sistemas de ensino, o da Editora Opet foi o melhor. Além disso, ele se destaca na formação pedagógica ampla dos professores, um processo que vimos, inclusive, durante a pandemia, com as formações virtuais. Eu só tenho a enaltecer e a agradecer à Editora Opet.”

Aproximação – A gerente pedagógica da Editora, Cliciane Élen Augusto, destaca os Diálogos Pedagógicos em sua essência, de abrir um canal de comunicação com possíveis futuros parceiros, os chamados prospects, e com os próprios parceiros participantes. “É uma oportunidade de aproximação, de mostrar os fundamentos do nosso trabalho para além dos materiais didáticos. É, também, uma forma de mostrar como uma parceria com um sistema de ensino sério e comprometido amplia o alcance e a qualidade do trabalho de uma secretaria municipal de Educação.”

Para Roberto Costacurta, os municípios brasileiros estão em busca de inovação no campo educacional. Não apenas tecnológica, capaz de dar conta de questões como as colocadas na pandemia, mas humana, cidadã e de alta qualidade. “Isso, a Editora Opet tem a oferecer. Ficamos muito felizes com a confiança de todos os gestores participantes. Foi um bom começo! Estamos à disposição de todos para avançar na parceria.”

Avaliação de aprendizagem na pandemia e no mundo digital: desafios e oportunidades

A avaliação da aprendizagem é um instrumento fundamental para identificarmos a evolução dos estudantes durante todo o processo de ensino-aprendizagem. Ela acontece, em termos gerais, pela aplicação de provas e distribuição de notas. No entanto, a avaliação da aprendizagem não pode e não deve ser resumida a isso.

Estratégias como trabalhos em grupo, debates e discussões, realização de autoavaliação por parte dos estudantes, observação e anotações do educador durante as aulas e atividades são alguns exemplos da ampla variedade de formas de avaliação existentes.

Nesse sentido, para uma avaliação da aprendizagem efetiva, é necessário que haja um acompanhamento durante todas as etapas do processo educativo. Que leve em conta as habilidades e dificuldades de cada um como particularidades que devem ser respeitadas e consideradas no processo de ensino-aprendizagem.

A Editora Opet tem na avaliação do aprendizado uma de suas grandes preocupações. Para fortalecer esse processo, criou o Programa InDica de Gestão da Aprendizagem, que traz ferramentas muito precisas para o diagnóstico e o encaminhamento dos resultados.

 

Aa pandemia e suas implicações na avaliação

Diante do cenário de pandemia que estamos vivendo, tanto a avaliação da aprendizagem quanto todo o processo de ensino-aprendizagem precisaram ser repensados e adaptados de acordo com as medidas de distanciamento social adotadas.

Dessa forma, o campo da educação precisou se “desprender” do ambiente presencial e se adaptar à nova realidade no mundo digital. A tecnologia, quando usada com planejamento e criatividade, pode proporcionar um espaço de novas oportunidades e trocas entre estudantes e educadores. Além disso, novas estratégias de ensino e de avaliação foram desenvolvidas como formas de adaptação ao novo cenário.

No entanto, com o intenso uso da tecnologia como principal ferramenta de acesso ao ensino, muitos estudantes não estão conseguindo acompanhar o processo de ensino-aprendizagem devido à falta de acesso tanto à internet quanto a computadores, tablets ou smartphones.

 

Por um lado, o uso da tecnologia demonstrou a possibilidade de adaptação frente a realidade de pandemia para alguns estudantes e educadores. Mas, em contrapartida, escancarou, mais uma vez, a atual realidade brasileira de desigualdade do acesso à educação.

 

Avaliação a distância

Em meio a tantas dificuldades do ensino remoto durante o período de pandemia, está o desafio de realizar a avaliação da aprendizagem de forma remota. Repensar a forma de avaliação e desenvolver estratégias que funcionem no mundo digital têm sido um grande desafio.

Os recursos mais utilizados são os ambientes virtuais de aprendizagem, que servem tanto para a disponibilização de materiais por parte dos professores quanto para a realização de atividades e discussões em fóruns por parte dos estudantes.

Observar o engajamento dos estudantes durantes as aulas online e na realização de atividades nos ambientes virtuais também é uma forma de avaliação adotada.

O uso de alguns aplicativos para aprimorar o processo avaliativo e engajar os estudantes enquanto realizam testes também tem sido opção para os educadores.

Além disso, a relação entre professor e estudante pode ser uma das principais fontes de avaliação de aprendizagem durante o ensino remoto.

Por fim, apostar em diferentes instrumentos de avaliação da aprendizagem pode ser o grande diferencial para os educadores. Além disso, as estratégias utilizadas devem respeitar as habilidade e limitações de cada fase do ensino-aprendizagem para ser aplicadas.

 

Para saber mais:

(*) – Sobre avaliação do aprendizado, escute a edição especial do #OpetCast, o podcast de Educação da Editora Opet, com a supervisora pedagógica Rúbia Cristina da Costa. Disponível em:

https://soundcloud.com/editoraopet/avaliacao-da-aprendizagem-desafios-e-oportunidades

(*) – Sobre o Programa InDica de Gestão da Aprendizagem, escute a edição especial do #OpetCast com seu criador, Luciano Rocha. Disponível em:

https://soundcloud.com/editoraopet/conheca-o-programa-indica-de-gestao-de-aprendizagem

 

Saiu a relação dos trabalhos classificados na primeira etapa do X Prêmio ação Destaque!

A Editora Opet divulgou a relação dos trabalhos inscritos para a primeira etapa da décima edição do Prêmio Ação Destaque. Ao todo, foram feitas 130 inscrições, das quais 113 foram validadas. A Categoria 1, “Educação Infantil – Infantil 1, 2, 3, 4 e 5” (Coleções Primeira Infância, Entrelinhas para você!, Brincar e Pensar, Feito Criança e Cidadania), teve 48 inscrições. A Categoria 2, “Ensino Fundamental – Anos Iniciais – 1º ao 5º Ano” (Coleções Caminhos e Vivências, Cidadania – Ensino Fundamental, Meu Ambiente e Joy!), teve 52 inscritos. E a Categoria 3, “Ensino Fundamental Anos Finais e Ensino Médio” (Coleções Trilhas, Ensino Fundamental Anos Finais e Meu Ambiente), teve 13 inscrições. Confira a lista no final desta matéria!

Neste ano, a primeira etapa do Prêmio Ação Destaque teve a participação de projetos de redes municipais de São Paulo, Mato Grosso, Rondônia, Paraná e Santa Catarina. Por ordem alfabética, estão representadas as redes municipais de Alto Araguaia (MT), Arroio Trinta (SC), Cabreúva (SP), Cambará (PR), Campina Grande do Sul (PR), Cerejeiras (RO), Cianorte (PR), Cotia (SP), Entre Rios do Oeste (PR), Fortaleza (CE), Ibirá (SP), Ilha Solteira (SP), Irati (PR), Jundiaí do Sul (PR), Mercedes (PR), Paranaguá (PR), Rancho Queimado (SC), Rio Azul (PR), Salto Veloso (SC), Santana de Parnaíba (SP), Treze Tílias (SC) e Vargeão (SC).

Próxima etapa – Agora, explica a gestora pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto, esses trabalhos serão analisados por uma comissão de especialistas, envolvidos na primeira etapa avaliativa do prêmio. “Cada trabalho inscrito será avaliado por duas pessoas, a partir de critérios técnicos definidos no regulamento. Então, acontece a seleção de dez trabalhos por categoria com base no critério de maior nota, fechando uma lista de trinta finalistas.” Em breve, esses finalistas terão seus nomes divulgados pelas redes sociais da Editora Opet.

Os professores e gestores finalistas apresentarão seus trabalhos em formato digital, por meio de um vídeo de até três minutos de duração gravado antecipadamente e que será apresentado na etapa final do Prêmio (durante o VIII Seminário Nacional de Gestores Municipais, evento online), nos dias 20 a 22 de outubro. Os finalistas serão comunicados posteriormente e receberão informações e orientações sobre o momento da sua apresentação.

Vencedores – Os três trabalhos vencedores de cada categoria serão escolhidos por uma comissão julgadora e divulgados no terceiro dia do Seminário. A escolha desses vencedores será feita com base em critérios estabelecidos no regulamento, como, por exemplo, a relação entre o projeto e as propostas dos materiais Sefe e a coerência da apresentação. Os primeiros, segundos e terceiros colocados de cada categoria receberão troféus, certificados e prêmios em dinheiros no valor de R$ 5.000,00 (1º lugar), R$ 3.000,00 (2º lugar) e R$ 2.000,00 (3º lugar).

Expectativa – Para Cliciane Élen, a expectativa em relação aos trabalhos inscritos neste ano é a melhor possível. “O ano de 2020 desafiou os professores e os gestores de todos os segmentos, mas estes profissionais conseguiram se superar para manter a educação viva e funcionando com qualidade. E é isso que nós vamos ver e compartilhar: professores, gestores e suas práticas inovadoras!”, observa.

CONFIRA A LISTA DOS TRABALHOS INSCRITOS:

Categoria 01 – Educação Infantil (48 trabalhos):

Adão José Amorim

Adriane Passos Almeida

Alan Dhionni Ribas Mueler

Ana Paula Lourenço Fernandes Mazoni

Ana Paula Nogueira Moreira Borella

Angelita Lima Tomaz dos Santos

Antonia Evalda de Morais De Souza

Beatriz Rodrigues Oliveira

Claudia Jiane Oliveira Silva

Criciele Levinski

Daiane Paulo da Silva

Devanis Malici da Silva Souza

Ederli Margreiter de Mélo

Everalda Maria Alves da Silva

Gabriela Favarin

Gabrielle Alves de Queiroz

Giselle Rocha Cirino De Almeida

Henrique Maximiano Da Costa

Jhenifer Silveira Rocha

Karen Regina Alves

Karine Alessandra Dos Santos Simba

Kelly Cristini Neuhaus Schmitz

Laís Valenga Stankiewski

Lenir Angelica Tomaz Madaloz

Lúcia Aparecida da Silva Morales

Lucia de Oliveira

Marcela de Lima Carneiro

Márcia Cristina Camargo da Silva

Marcia Jerônimo

Margari Paz Siqueira

Margarida de Bortoli Alves

Maria Antoniete Bruno Furtado

Maria Aparecida Bilovus

Maria Inez Paulo da Silva

Marjure Bernardes da Silva

Michelle Soares Pereira

Mira Carolina dos Santos Zela

Renata Gomes de Holanda Cavalcanti

Renata Manenti

Rosa Ramos da Rocha Oliveira

Rosemeire Oliveira Vaz

Rosimara Rodrigues Ribeiro Borges

Samira Mohamad Sati Aloise

Silvana Bolzon

Tatiana Aparecida Carrão dos Santos

Teresa Maria Barbosa Brandão

Thaiz Silva dos Santos

Walquíria da Silva Bartosiwez

Categoria 02 – Ensino Fundamental Anos Iniciais (52 trabalhos):

Alessandra Xavier de Lima Félix

Ana Cristina Batista da Silva

Ana Paula de Jesus Souza

André dos Santos

Ariana Aparecida dos Santos Rodrigues

Ariane Cristina Xavier

Carolina Rochelli Policarpo Ventura

Cássia Eufrasia da Silva Costa

Cibeli Aparecida de Souza Cordeiro

Cilene Souza da Silva

Cristiane Benovitt Draghetti

Cristiane da Silva Garcia

Cristiane Rigo Goberte

Daiane de Cássia Martins Fazan

Daniella Ferreira de Sousa

Débora Rederd França Vidal

Débora Roberta Ulmer Becker

Eduardo Fidelis de Souza

Erika Sanches Gonzales

Fabio Gonçalves Fernandes

Flávia Rosana Silva de Farias

Francisca da Costa Araújo

Francisca Kelma dos Santos

Geovana Meire Gomes Franco de Albuquerque

Gláucia Burioli dos Santos

Glaucia de Oliveira Targino

Indalice Lacerda Alves Santos

Ingridy Karoliny Silva Andrade

Isaura Silva Xavier Nunes

Ivany Araújo dos Santos Blau

Ivoni Bosa Cossa

José Werley Carvalho Braga

Kelly Cristina Martins Ortiz

Laudicéia Félix da Silva Gomes

Luziana da Silva Lima

Maria Ivanilda da Silva

Marili Moreira Lopes

Marlei Masson Martins

Marlene de Oliveira Souza

Marthina Anderle Frantz

Nilva Fernanda Garcia Momesso de Paula

Rosana Oliveira Rocha

Rosemeire Alves de Souza

Rosicler Joana Ribeiro de Moraes

Sheila Regina Batista Ferreira

Sílvia Maria do Nascimento Borges

Solange Santana dos Anjos

Tatiani Chagas Alberto

Tereza de Freitas Almeida

Valquiria Gonçalves de Lima

Vanessa Rosati Ponzio Silva

Zildene Ferreira dos Santos

Categoria 03 – Ensino Fundamental Anos Finais e Ensino Médio (13 trabalhos)

Adriana Santos Marques

Adriane Ranieri Valente

Anderson Antonio Ferreira de Almeida

Cibele das Neves Silva de Oliveira

Cristiane Bitencourt da Costa

Elaine Maria Xavier

Janine Carla de Jesus Dos Santos

Luciana Martines do Nascimento

Lucinéia dos Santos Magatti Silva

Mayara Ferreira Mendes

Núbia Rafaela Martins da Silva

Ricardo Manoel da Silva

Sheila Abdala Barreiros

Live reúne mil professores de Santana de Parnaíba (SP) para discutir os protocolos de retorno às aulas presenciais

A volta às aulas presenciais é uma questão importante da educação neste momento em várias partes do mundo. Qual o caminho para que esse retorno seja seguro? Quais os protocolos a serem adotados e como garantir a proteção das pessoas? E, nesse processo, como aproveitar os conhecimentos adquiridos durante a pandemia em relação, por exemplo, às ferramentas digitais?

Live com a equipe pedagógica da Editora reuniu mil profissionais de educação em Santana de Parnaíba.

Essas e outras perguntas foram respondidas na quarta-feira (09) para mais de mil professores do Ensino Básico (Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio) que participaram da live promovida pela Editora Opet com o município de Santana de Parnaíba, parceiro em São Paulo. O encontro, que foi introduzido pela assessora pedagógica Márcia Ribeiro e conduzido pelas supervisoras pedagógicas Marina Cabral Rhinow e Rúbia Cristina da Costa, examinou o tema à luz do Parecer Nº 11, de 2020, do Conselho Nacional de Educação (CNE).

“Em primeiro lugar, é importante frisar a participação dos professores, gestores e funcionários da educação nas discussões da live”, observa a supervisora Rúbia Cristina. “Eles fizeram colocações, trouxeram dúvidas, perguntas, e isso foi interessante para nortear a discussão.” Rúbia explica que a ideia foi aproximar os participantes das sugestões e orientações do Parecer Nº 11 do CNE, que trata dos protocolos para um eventual retorno às aulas.

O secretário municipal de Educação de Santana de Parnaíba, Clecius Romagnoli, destacou que ainda não há uma data de retorno definida para as aulas presenciais no município, mas que, ainda assim, é fundamental planejar e conversar com a comunidade escolar sobre o tema.

“Devemos ouvir todos os representantes da comunidade escolar. É de extrema importância encontrar caminhos juntos, para que possamos retornar com segurança. Oferecendo, enfim, a garantia da vida e a continuidade do processo de ensino-aprendizagem.” Clecius reforçou o valor da equipe da secretária de Educação – professores, gestores, funcionários –, que, segundo ele, trabalha exemplarmente para manter o alto nível do ensino no município.

O secretário observa que, em Santana, os procedimentos para um eventual retorno estão sendo assumidos em um processo que envolve a própria secretária, a vigilância sanitária, o ministério público e as famílias dos estudantes. E que o município já está se preparando tanto em relação à adequação dos espaços quanto em relação à formação das pessoas para os novos procedimentos de segurança, saúde e apoio emocional.

O gerente comercial da Editora Opet para a área pública, Roberto Costacurta, se disse muito feliz pela receptividade dos professores à live promovida pela Editora Opet. Segundo ele, é importante contribuir para que os municípios parceiros tenham total segurança, em todos os aspectos, quando do retorno. “Hoje, as incertezas são muitas e nós, da Editora Opet, podemos ajudar no processo de esclarecimento porque estamos próximos das secretarias, das escolas, e também das discussões de documentos e normativas da educação”, observa. “Nessa live, ajudamos a traduzir as normas e recomendações para uma perspectiva prática, trazendo mais segurança e serenidade para os profissionais da educação. E isso nos alegra muito.”

Parceiros Opet: o folclore digital do Instituto da Criança

O folclore, este universo de saberes, crenças, conhecimentos e artes populares, é um dos grandes patrimônios da humanidade. No caso do Brasil, ele é especialmente rico, já que nasce das contribuições das culturas indígenas, africanas e europeias que formaram a nossa sociedade.

O folclore brasileiro deve ser mais conhecido e vivido, em especial pelas novas gerações. Foi pensando nisso e tendo como motivo o Dia do Folclore (comemorado no dia 22 de agosto) que o Instituto da Criança, parceiro da Editora Opet em São Gonçalo do Amarante (RN), promoveu um festival de folclore online que mobilizou gestores, professores, estudantes e famílias.

A coordenadora do Ensino Fundamental II (Anos Finais) do Instituto, professora Ranilza Silva, conta que o “Festival Folclórico Online IC” teve como tema o folclore, com foco nos aspectos culturais locais. “Quisemos resgatar nossa cultura e valores. Além de retratar o folclore brasileiro, foi um momento para falar das nossas histórias e raízes. Buscamos mostrar que, assim como em outras cidades, São Gonçalo do Amarante também é rica em cultura.”

Live sobre folclore envolveu professores, estudantes e familiares em São Gonçalo do Amarante (RN). Crédito: Instituto da Criança

A professora Luara Carvalho, de Língua Portuguesa, coordenou o projeto junto com Ranilza. Ela explica que uma das finalidades do festival foi trazer mais conhecimento e leveza à vida das pessoas. Pensamos em algo que pudesse estimular nossos alunos e professores e avivar as memórias do que é nosso, da nossa cultura. Então, passamos a pensar quais aspectos do folclore gostaríamos de vivenciar com os nossos alunos. Selecionamos trava-línguas, brincadeiras, lendas e crendices.” Nesse processo, a escola contou com a participação de um artista local, Victor Melo, que enriqueceu festival.

Para festejar o folclore, a escola usou todas as ferramentas digitais disponíveis: WhatsApp, Instagram, Google Meet (oferecido pela Editora Opet) e Youtube. E deu muito certo. “Foi uma semana repleta de ‘folguedos’”, ri Luara.

“Começamos com um bate-papo descontraído com o Victor Melo, que interpreta vários papéis e que compareceu à live caracterizado de Birico, um personagem do Boi de Reis, Bumba Meu Boi ou Boi Calemba, como é mais conhecido em nossa região”, conta.

Cada dupla ou grupo de professores ficou responsável por uma atividade. A escola preparou “desafios folclóricos”, que eram prontamente respondidos pelos estudantes. O grau de engajamento deles e das famílias foi altíssimo.

O primeiro desafio, explica Luara, foi gravar um vídeo com um desafio trava-língua, o segundo foi outra gravação para explicar sobre uma brincadeira e o terceiro foi postar uma foto caracterizada de um mito do folclore brasileiro. “As criações ficaram incríveis!”, comemora.

Estudantes caracterizados como Iara e o Boto para um dos desafios do Festival de Folclore. Crédito: Instituto da Criança

Finalizando o projeto, os professores fizeram um bate-papo online via Google Meet e transmitido pelo YouTube no canal da escola. “Falamos sobre as crendices que crescemos ouvindo, fazendo e/ou vivendo de alguma forma”, explica Luara. A temática foi “Eu cresci acreditando em…” e gerou várias histórias, memórias e explicações. Com apoio do professor de História, foi possível ir mais longe na compreensão das crendices e dos mitos.

Colaboração Opet – A Editora Opet, que é parceira do Instituto da Criança, ajudou a viabilizar o processo. E isso se deu por meio tanto da tecnologia quanto dos materiais didáticos. As ferramentas digitais foram de grande importância”, conta Ranilza. “A Plataforma Inspira foi um apoio durante as aulas dos professores ao longo da semana, assim como o Meet do Google for Education, que possibilitou reunir os professores em um só lugar virtual para levarmos o conhecimento aos nossos estudantes no último dia do projeto.”

A coordenadora destaca a importância da parceria com a Editora para o sucesso digital da escola. “A Opet vem contribuindo de forma significativa com as ferramentas digitais, e os nossos professores-aprendizes desse novo formato estão ressignificando as aulas. Os projetos vão além dos conteúdos, pois buscamos resgatar valores históricos e vivências que internalizam a vida pessoal e social dos nossos estudantes.”

Sobre a integração entre a proposta do festival e as coleções Opet, quem fala é a professora Luara. “Houve uma integração perfeita! Em especial, com o material de Língua Portuguesa, que, através do gênero textual lenda e da prática da oralidade, conseguiu ampliar e enriquecer o trabalho.”

Escola antenada – A professora Janaína Bezerra é a assessora pedagógica da Editora Opet responsável pelo atendimento do Instituto da Criança. Para ela, o Festival de Folclore é um exemplo de valorização do material Opet dentro do contexto atual. “Além das ferramentas tecnológicas, a escola integrou o uso do material físico e da nossa proposta de educação, o que vai totalmente ao encontro da finalidade da parceria.”

Segundo Janaína, a parceria com o Instituto da Criança é muito sólida e veio para ficar. “A escola tem um projeto educativo alinhado com o material didático e a filosofia Opet de uma educação humana, cidadã, transformadora e inovadora. A equipe acata nossas sugestões e está antenada com nossas orientações através das formações pedagógicas.”

Foco, concentração e disciplina na quarentena: dicas para educadores organizarem sua rotina de Home Office

Sabemos o quanto pode ser difícil ter que mudar abruptamente os horários, estrutura, ambiente e modo de trabalho. A pandemia da COVID-19 exigiu que os profissionais da educação encontrassem maneiras rápidas e eficazes de adaptar suas metodologias ao ambiente virtual para dar seguimento ao ano letivo. Trabalhar em casa, porém, traz desafios que vão além da abordagem e método de ensino. São questões individuais e pessoais que influenciam diretamente no nosso desempenho, mas que podem ser trabalhadas a partir de uma reorganização da rotina e dos espaços.

Separamos 3 dicas básicas e cruciais para ajudar você a eliminar os fatores que causam desconcentração, dispersão, cansaço mental e improdutividade nesta quarentena.

 

1- Organize e defina seu espaço de trabalho

Estudos apontam que trabalhar em ambientes comuns de “descanso”, como o quarto, pode fazer com que nosso cérebro entre em um estado de confusão sobre quais impulsos deve enviar ao corpo. Isso acontece porque criamos associações mentais entre aquilo que estamos fazendo, o que deveríamos fazer e o lugar onde estamos.

Dessa forma, não só a produtividade é prejudicada, como também o nosso sono e, consequentemente, nossa saúde física e mental.

Por isso, é de extrema importância que as atividades do trabalho sejam realizadas fora do quarto, em um escritório ou mesmo em um outro cômodo que facilite o foco. A ideia é configurar a mente para um novo ambiente – nunca, o quarto – que seja associado ao trabalho. Assim, o sono e o relaxamento do corpo e da mente acontecerão com mais facilidade e qualidade.

Também é importante que o espaço seja organizado e sem muitos estímulos visuais e sonoros, para ajudar na concentração.

 

2- Gerencie seu tempo

Preparar as aulas virtuais pode demandar de mais tempo do que estamos acostumados. A maioria dos professores não tem experiência prévia com aulas remotas e acaba tendo dificuldades para desenvolver os conteúdos e atividades.

E está tudo bem! Esse formato é uma solução temporária, que tem exigido muito aprendizado por parte dos educadores. E aprendizado, como todos sabemos, não acontece de uma hora para outra.

Por isso, tenha como prioridade o bom gerenciamento do seu tempo. Divida sua rotina com horários estipulados para estudos e atualizações.

Se você destinar uma hora diária para pesquisar dicas de abordagens e atividades virtuais, em uma semana você terá desenvolvido inúmeras habilidades e aprendido coisas valiosas para ser mais ágil e assertivo no preparo das aulas.

Para isso, você vai precisar de disciplina e planejamento. Então, aposte em tabelas para que você possa visualizar melhor as horas do seu dia, organizando seus horários e eliminando a sensação de sobrecarga e falta de tempo.

 

3-Cuide da sua saúde mental

A ansiedade gerada pela instabilidade e vulnerabilidade que cerca nossas vidas pode fazer com que fiquemos estagnados, presos no medo e no sentimento de impotência. Ao organizar a sua rotina, não esqueça de destinar um tempo para realizar alguma atividade que traga a sensação de bem estar, seja envolvendo arte, cozinha, meditação, leitura, música ou qualquer outra coisa da sua preferência.

“Mas isso influencia no meu trabalho?”, você pode se pergunta. E a resposta é: sim, e de forma direta! Se você tem momentos de prazer e autocuidado, sua mente consegue se reabastecer de estímulos positivos, recuperar-se do cansaço e concentrar mais energia durante o trabalho.

Conte para a gente como tem sido sua rotina de trabalho em casa e se você tem encontrado dificuldades para se manter produtivo (a) nessa quarentena. Se sim, aplique essas dicas na sua rotina e depois nos conte os resultados. Se não, conte para a gente como você faz para aliviar essa pressão e se manter focado (a).

Ter uma rede de apoio e conversar sobre as experiências é excelente para saber que não estamos sozinhos – e que logo tudo isso vai passar, com boas lições!

As Sequências Didáticas da Editora Opet

Cientes da responsabilidade de oferecer uma educação que aproxima e emancipa, ainda no início do período de distanciamento social desenvolvemos materiais para orientar e inspirar professores no planejamento de suas aulas remotas. As Sequências Didáticas da Editora Opet foram elaboradas por nossa equipe de especialistas, associando-as também aos materiais didáticos e explorando recursos alternativos para que os educadores pudessem manter a qualidade das suas aulas, mesmo remotamente.

O objetivo deste artigo é fazer uma breve apresentação desse material, que está disponível em PDF para consulta ou download aqui mesmo, no nosso site. São sequências que abrangem desde a Educação Infantil até o Ensino Médio, com conteúdos, sugestões de atividades, reflexões e orientações de planejamento e uso das ferramentas digitais.

Educação Infantil

O material da Educação Infantil está divido pelas faixas etárias de 01 a 03, 04 e 05 anos. As orientações e enunciados contam com a ajuda de um mediador (um familiar da criança), que auxilia na condução das atividades.

As primeiras propostas, tanto para crianças de um a 03 anos quanto para as de 04 e 05 anos, abordam o tema do coronavírus, sugerindo uma conversa inicial sobre a doença e conscientizando-as sobre a importância dos hábitos de higiene e também para novas posturas sociais.

Ensino Fundamental

Considerando que os estudantes do 1º a 9º ano (Anos Iniciais e Anos Finais) do Ensino Fundamental têm maior autonomia para acompanhar as atividades virtuais, os enunciados já trazem orientações direcionadas ao seu entendimento. As sequências foram desenvolvidas para cada ano dos Anos Iniciais e, de modo interdisciplinar, para os Anos Finais, além de atividades para os componentes de Arte e Educação Física.

Ensino Médio

Em função do calendário de provas e exames para o ingresso no Ensino Superior, os estudantes do Ensino Médio se mostraram aflitos em relação à suspensão das aulas presenciais. Sabendo disso, utilizamos, nesse material, uma linguagem mais instigante, convidando-os a refletirem criticamente sobre todo o contexto atual, a relação da nossa realidade com os acontecimentos históricos e a importância da ciência para evolução do indivíduo e da sociedade, entre outras questões. Aqui, o conteúdo de Arte também está separado, trazendo uma abordagem mais cultural e expressiva, extremamente importante para que possamos atravessar momentos como este.

As sugestões de atividades também incluem a família e também trazem os amigos para a roda, uma vez que os adolescentes valorizam bastante a interação com seu ciclo social, o que influencia diretamente no seu desenvolvimento intelectual.

Todo o conteúdo das sequências didáticas está em consonância com as Diretrizes Básicas da Educação e foi desenvolvido por uma equipe pedagógica que trabalha diariamente com soluções educacionais. É um material preparado com propriedade, carinho e dedicação para educadores, familiares e estudantes, que, assim como nós, estão se reinventando a cada dia para superar as dificuldades deste contexto.

Vale observar que as sequências trazem orientações para os gestores, professores e mediadores (familiares dos estudantes). São as chamadas “Cartas de Orientação”, que abrangem todas as etapas, da Educação Infantil ao Ensino Médio.

Nosso objetivo é valorizar e expandir o conhecimento, consolidando uma educação que aproxima, mesmo no isolamento.

 

Língua portuguesa: diversidade étnica e cultural

Dia da Língua Portuguesa

Um pequeno país cheio de histórias e um idioma que ganhou o mundo! Estamos falando, é claro, de Portugal e de sua língua, o nosso amado português. Pois hoje o mundo celebra o Dia da Língua Portuguesa, que é falada por 250 milhões de pessoas nos quatro cantos do mundo. A data lembra a morte de Luís Vaz de Camões (1524-1580), autor dos “Lusíadas”, poema épico que inaugurou a literatura portuguesa e ajudou a estruturar nosso idioma para além da forma falada. Um idioma tão importante também é comemorado em outras duas datas: 5 de maio e, no caso do Brasil, 5 de novembro.

Rico, complexo, hermético e diverso, o português é a quinta língua mais falada do planeta e a terceira entre as ocidentais (depois do inglês e do espanhol) e, em suas várias formas, é considerada a língua mais sonora do mundo.

 

Quem fala português?

Povos da Europa, África, América, Ásia e Oceania. A língua portuguesa acompanha a presença portuguesa no mundo a partir do século XVI. Assim, temos como países em que a língua portuguesa é o idioma oficial, além de Portugal, o Brasil (que responde por 80% dos falantes), Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Timor Leste e Guiné Equatorial. Até na China fala-se o português! Mais exatamente em Macau, ilha vizinha a Hong Kong que foi possessão portuguesa por séculos. E há, também, muitos falantes de português entre imigrantes, em países como os Estados Unidos, a França e o Japão.

Vale ressaltar que, ao nos referirmos ao português como idioma desses países, estamos falando de um código linguístico comum, mas que tem variações vocabulares, fonéticas e gramaticais de acordo com as particularidades geográficas e culturais de cada país. Essa diversidade pode ser ilustrada pela frase do escritor português José Saramago: “Não há uma língua portuguesa, há línguas em português”.

 

Origem

De onde veio o português? Misture romanos, fenícios, celtas, árabes e outros povos que circularam pela Península Ibérica e pronto! Eis aí a origem da língua portuguesa. Mas, claro, não é tão simples assim.

Estima-se que o português surgiu entre os séculos IX e XII, no período de estruturação do reino de Portugal. Assim como o catalão e o castelhano, o galaico-português, que resultou na língua portuguesa, tem sua origem no latim vulgar, idioma falado pelas classes baixas do Império Romano (o atual galego, um dos idiomas oficiais da Espanha, é bem parecido com o português).

As chamadas línguas neolatinas se difundiram pela Península Ibérica durante todo o período de dominação romana, sofrendo influência dos povos árabes e germânicos que também dominaram a região. Mas, somente por volta do século XI é que o galaico-português passou a ser falado e escrito livremente na Lusitânia (nome pelo qual a região de Portugal era conhecida pelos romanos).

Alguns séculos depois, a partir do século XV, a língua portuguesa foi estendida para regiões da África, América e Ásia, através dos movimentos colonizadores de Portugal.

 

Língua Portuguesa no Brasil

É impossível falar sobre o português no Brasil sem considerar a riqueza da contribuição dos povos originários. O contato e a mistura entre a língua portuguesa e as muitas línguas indígenas no período colonial contribuíram para um enriquecimento extraordinário do nosso idioma. De acordo com a pesquisadora Ana Suelly Cabral, mais de 80% das palavras que nomeiam plantas e animais brasileiros são oriundas do tupinambá.

Os povos africanos trazidos pelo tráfico de escravos também contribuíram muito para a formação do idioma brasileiro. Embora tivessem sua cultura reprimida violentamente, os africanos escravizados não abandonaram sua herança e fizeram dela uma parte valiosa da nossa história. Dentre os diversos dialetos da África, os que tiveram maior impacto no Brasil foram o quimbundo, quicongo e umbundo, do grupo bantu. Isso representa grande parte do nosso dicionário, retratando uma miscigenação linguística cheia de história e valor.

Além disso, há uma diversidade vocabular regional no Brasil que acentua a pluralidade do idioma. Um mesmo pão, por exemplo, pode ter mais de cinco nomes de norte a sul do país! Na raiz de toda essa riqueza estão as invasões no período colonial e, especialmente, a presença dos imigrantes a partir de meados do século XIX.

Se há uma palavra que pode ilustrar a língua portuguesa, é esta: diversidade*.

Uma diversidade que se manifesta todos os dias na dinâmica do idioma, nos livros, notícias, gírias e falares. E que também está na história, no contato, na tensão e na composição dos olhares europeu, indígena e africano.

A língua portuguesa é nosso grande patrimônio. É a matéria-prima da nossa literatura e a verbalização da nossa história. Comemorar essa data é reconhecer e valorizar a expressão de um povo, é zelar pela nossa poesia e fortalecer a nossa fala.

Selecionamos 10 grandes obras da língua portuguesa, além de dois documentários, para celebrar o Dia da Língua Portuguesa com nossos leitores.

Aproveite!

1 – O quarto de despejo – Carolina de Jesus

2 – Dom Casmurro – Machado de Assis

3 – Ensaio sobre a cegueira – José Saramago

4 – Sepé Tiaraju: romance dos sete povos da missões – Alcy Cheuiche

5 – O Auto da Compadecida – Ariano Suassuna

6 – Mulheres de Cinza – Mia Couto

7 – Os Quinze – Rachel de Queiroz

8 – O Guarani – José de Alencar

9 – A Rosa do povo – Carlos Drummond de Andrade

10 – A hora da estrela – Clarice Lispector

Documentários:

Língua – Vidas em Português

https://www.youtube.com/watch?v=JBmLzbjmhhg

Português, a língua do Brasil

https://www.youtube.com/watch?v=-bbT7QmdNS

Sugestão de leitura complementar:

A língua que somos – José Ribamar Bessa Freire

http://www.taquiprati.com.br/cronica/1047-a-lingua-que-somos

 

*di-ver-si-da-de  – substantivo feminino

  1. qualidade daquilo que é diverso, variado, variedade;
  2. conjunto variado, multiplicidade

Ressignificar, aprender, explorar: atitudes fundamentais de quem educa em tempos de pandemia

Com a pandemia do coronavírus, 1,5 bilhão de estudantes tiveram suas aulas suspensas ou reconfiguradas para um cenário de distanciamento social. De acordo com a UNESCO, esse número corresponde a mais de 90% dos estudantes do mundo. Isso significa que milhões de educadores também se encontram, agora, diante do desafio de “reaprender” a ensinar.
O uso das tecnologias digitais na educação já é uma realidade em grande parte do mundo, mas a escola física, como espaço material, instituição social e lugar de pertencimento, ainda é a fonte propulsora da educação.
Não tratamos, neste artigo, da ideia de “superar” esse conceito de escola, tão antigo e arraigado, ou de substituir o ensino presencial pelo remoto. Mas, sim, de como ressignificar este período de isolamento e adaptar o processo de ensino aprendizagem ao ambiente virtual.
Desafios são a tônica do dia a dia dos educadores. O que estamos vivendo é apenas mais um, que vai ser superado com compromisso, diálogo e aprendizado. Algumas atitudes são fundamentais nesse processo:
Ressignificar
Antes de qualquer instrução sobre plataformas on-line e ferramentas virtuais, é preciso reorientar a nossa mentalidade. Agora, mais do que nunca, nós, educadores, precisamos estar dispostos a reaprender a trabalhar, porque só através da educação, da ciência, da informação e da consciência, é que poderemos evitar crises semelhantes no futuro.
Ensinar é uma ação relacional, de interação, escuta e troca. A atmosfera da sala de aula é de protagonismo, transformação, superação e coisas novas. Isso tudo ainda é possível! À distância, sem a segurança das paredes, mas também sem seus limites. O mundo todo está compartilhando medos, angústias e frustrações; mas, também a esperança, a vontade da mudança e a busca por soluções. Nem toda distância é ausência e, graças ao saber, à ciência e à tecnologia, cá estamos nós, dentro de casa, mas com uma ou mais janelas abertas para o mundo.
Aprender, aprender e aprender…
Embora saibamos que quem ensina tem o dever de estudar sempre, é importante focar no fato de que toda renovação exige aprendizado. É necessário rever nossos métodos e adaptar nossa abordagem, com base nos recursos de que dispomos. Se você faz parte da geração das pilhas de livros, do globo e da lousa, peça dicas aos colegas, pesquise sobre as ferramentas disponíveis para educação à distância e fortaleça seus conhecimentos.
Lembre-se de que os conhecimentos que você já tem são muito importantes, e podem ser acrescidos de outras informações. Uma dica é a central de recursos do Google for Education, que disponibiliza uma série de materiais e sugestões para explorar as plataformas online e construir uma abordagem pedagógica eficiente a partir delas. Você e seus colegas também podem montar grupos de WhatsApp e fóruns de interação para trocar ideias e analisar resultados. Comunique-se, traga dúvidas, ofereça soluções, compartilhe!
Explorar
Se sua escola já possui um espaço on-line, busque maneiras para utilizá-lo de forma dinâmica, sem se limitar à postagem de um exercício ou texto. Se esse ambiente não dispuser de outros recursos, ferramentas como o Google Sala de Aula e os Hangout Meets são excelentes para atividades, avaliação on-line e videochamadas. Lembre-se de que é necessário alinhar o planejamento pedagógico do professor com  a coordenação da escola.
Busque interagir para engajar os estudantes, explorando a principal condição material para suas aulas neste momento: a internet. Incentive pesquisas, sugira vídeos e conteúdos extras, abra espaço para que eles se expressem e se identifiquem (enquetes, jogos, quizzes, fóruns etc.).
Lembre-se de que, nesse sentido, conexão pode ser um paradoxo; de nada adianta termos o privilégio de estar “conectados” pela tecnologia, se agimos de forma mecânica e impessoal na frente da tela. A tecnologia é um grande meio, não um fim em si – na educação, ela brilha a partir de quem a utiliza com empatia, talento e criatividade.
Sabemos que o ambiente escolar – físico e simbólico – é cheio de significados de extrema importância para o desenvolvimento do estudante. Estímulos cognitivos, sensoriais, emocionais e sociais fazem parte da rotina na escola. Essa é a limitação do ambiente virtual; falta um acesso mais orgânico à abertura relacional para o aprendizado.
Mas, neste momento, essa ausência pode e deve ser superada com uma boa conexão, nascida da inteligência, dedicação, aprendizado, empatia, diálogo e capacidade de adaptação. Com ela, não apenas superaremos este momento, como sairemos fortalecidos no pós-pandemia.
Sugestões de leitura: