Para saber mais: Educação Montessoriana

Para muita gente, a primeira imagem que vem à mente quando falamos em Educação Montessoriana é a de móveis feitos sob medida para as crianças, assim como brinquedos e materiais para atividades. E essa é uma associação perfeitamente válida: afinal, o ambiente é um fator fundamental para esse método educacional criado pela médica e educadora italiana Maria Montessori (1870-1952) e seus colaboradores. Neste artigo, vamos trazer algumas informações sobre esse importante e revolucionário método de ensino. O tema, evidentemente, vai bem mais longe e pode ser conhecido em detalhes – no final, selecionamos algumas sugestões de leitura.

Para começar, poderíamos pensar na educação da segunda metade do século XIX, quando Maria Montessori começou a trabalhar com crianças. Naquela época, quase um século após a Revolução Francesa, a educação havia avançado bastante em relação aos séculos anteriores. Ainda assim, havia muito por descobrir e por avançar, e Maria Montessori contribuiu muito para este processo.

No método montessoriano, tudo é pensado com foco na autonomia do indivíduo. Desde os conceitos fundamentais até a maneira como o ambiente é preparado, os brinquedos e as práticas educacionais devem contribuir para um ensino autodirigido, a aprendizagem prática e o jogo colaborativo. O foco não é apenas transmitir conhecimentos, mas guiar o aprendizado e nutrir na criança o desejo natural que ela tem por conhecimento, compreensão e respeito.

Sala de aula montessoriana: em cada canto, um aprendizado 

No método montessoriano, toda intenção de ensino deve ser traduzida nos móveis, brinquedos, jogos e demais elementos que compõem o ambiente. Tanto a atuação do professor quanto a disposição dos objetos precisam direcionar as crianças para a aprendizagem.

Em uma sala de aula montessoriana, veremos pouca interferência do professor. Nela, as crianças têm total liberdade para fazer escolhas criativas no seu processo de aprendizado. Isso não quer dizer que o educador não tenha um papel ativo no ensino das crianças, mas apenas que isto é feito de maneira intencional e estratégica. 

A criança e sua habilidade natural de identificar o conhecimento 

Para ficar mais fácil de compreender, pense em um videogame. Quando estamos jogando, boa parte das ações e decisões que tomamos são baseadas nos elementos que estão na tela, certo? Na Educação Montessoriana, ocorre algo semelhante: como o ambiente não é um mero coadjuvante, o docente deve construí-lo para oferecer pistas aos estudantes sobre o que deve ser feito. 

Segundo Maria Montessori, o desenvolvimento e a aprendizagem ocorrem por fases. Então, considerando cada fase e o que a criança precisa em cada uma delas, o professor deve criar um cenário com as atividades adequadas à idade. E por que isso? Nesse método, a menor intervenção do educador ocorre em função da ideia de que, sendo cada fase naturalmente propícia para aprendizados específicos, a busca por eles é igualmente natural. 

Então, quando inseridas no ambiente adequado, as crianças são levadas a fazer as escolhas inerentes à fase em que estão. 

Interesses naturais das crianças alinhados à proposta de ensino 

É por isso que cada material de uma sala de aula montessoriana precisa estar relacionado a um aspecto do desenvolvimento infantil. A disposição dos elementos deve criar uma combinação entre os interesses naturais da criança e o conhecimento que o professor quer compartilhar/estimular. 

O impulso de investigar o ambiente é despertado quando a criança se depara com atividades práticas e multissensoriais que estimulam a exploração do mundo e priorizam a experiência própria, tudo no seu ritmo. 

Fases do desenvolvimento e prática montessoriana 

Mas, afinal, como se aplica todo esse conceito? 

O método criado por Maria Montessori está ancorado nas fases de desenvolvimento, que ela chamou de “Planos de Desenvolvimento”. Segundo a sua pedagogia, a cada plano as crianças buscam naturalmente por uma nova fase de independência em relação aos adultos.

Primeiro Plano de Desenvolvimento e a Primeira Infância (0 a 6 anos) 

Aprender como o mundo funciona para entender como funcionar nele e, assim, alcançar independência física em relação aos adulto. Esses são os dois objetivos que as crianças têm na primeira fase de vida. 

Estímulos diversos são experimentados pela primeira vez nesse período. Tudo é novo e as crianças tentam absorver essa “enormidade” de coisas. Maria Montessori, percebendo a capacidade que o cérebro infantil tem de se transformar a cada informação, chamou a mente dos pequenos de “mente absorvente”. 

O desenvolvimento físico também ocorre de forma intensa aqui. Mas, considerando a tendência natural para se tornar independente, uma frase que traduz bem a necessidade do indivíduo é algo comumente dito pelas crianças: “Me ajuda a fazer sozinho”. Ou seja: elas querem aprender – e não que alguém faça – e “aprenda” – por elas. 

Os chamados “períodos sensíveis” – ciclos em que a criança direciona seus interesses, atenção e esforços para uma área do desenvolvimento – guiam esse plano. Existem ciclos para os sentidos, o movimento, a linguagem, a escrita e a matemática. E tudo isso será melhor vivenciado se o indivíduo puder explorar cada um deles com liberdade.

Como criar um ambiente adequado para o desenvolvimento na Primeira Infância 

Considerando a fase da Primeira Infância, a sala de aula montessoriana deve: 

● apresentar materiais montessorianos;

● favorecer que as crianças escolham o que e como estudar;

● trabalhar currículo multidisciplinar, ou seja, vários temas e disciplinas por diferentes perspectivas ao mesmo tempo;

● propiciar liberdade para que escolham onde desejam ficar;

● não diferenciar momentos de estudo de momentos de lazer;

● permitir a avaliação por meio da observação e de registros.

Materiais montessorianos para a sala de aula 

Para que o docente consiga estimular os sentidos, habilidades e aprendizados dessa fase da vida, é fundamental escolher os materiais adequados. Os estímulos sensoriais são elementos muito importantes no método montessoriano. 

Os jogos e as brincadeiras, assim como os livros e tudo que envolve imaginação, criatividade e investigação, também são fundamentais para promover esse tipo de ensino. 

Além dos objetos físicos, os recursos digitais podem ser utilizados e adaptados ao método. A Opet INspira, plataforma de objetos educacionais da Editora Opet, por exemplo, disponibiliza uma variedade de ferramentas e recursos educacionais digitais que podem ajudar muito. 

Para ir mais longe

As indicações de leitura a seguir não pretendem fazer um aprofundamento acadêmico em relação ao método montessoriano, mas aproximar ainda mais o leitor do tema e inspirá-lo a outras pesquisas.

“Montessori: o que ler e em que ordem” – artigo de Gabriel Salomão (doutor em Letras pela USP e especialista no método montessoriano) sobre as obras da educadora italiana. Uma introdução interessante à leitura de Maria Montessori.

“Maria Montessori: feminista, cientista e educadora” – Biografia de Maria Montessori no portal MultiRio, da Prefeitura do Rio de Janeiro.

“O método de ensino com o qual estudaram os criadores da Amazon, do Google e da Wikipedia” – Matéria da rede britânica BBC, em português, que aborda o êxito da Educação Montessoriana.

“Não, o método Montessori não é ‘aprender brincando’” – Matéria do jornal espanhol El País, em português, sobre os diferenciais do método montessoriano.

Uma introdução à Educação Midiática

Quando falamos em Educação Midiática, é comum que o termo seja associado aos canais digitais, que estão tão presentes em nossa vida. No entanto, a educação midiática não se limita à internet e às mídias eletrônicas. O termo “mídia”, no sentido de meio de comunicação, é anterior às tecnologias digitais, e se refere a todas as plataformas comunicacionais – o que inclui livros, transmissões radiofônicas e jornais, por exemplo.

Vale observar que a expressão “Educação Midiática” não aparece nas normas da educação brasileira. O termo, porém, é muito útil em termos instrumentais, para a compreensão de um campo de conhecimentos cada vez mais importante e necessário.

É fato que a ampliação dos canais de comunicação no meio digital acelerou o debate e até mesmo a aplicação escolar da Educação Midiática. Porém, é importante ter em mente que o assunto aqui não tem a ver apenas com a mídia de onde vem a informação, mas, também, com a natureza dessa informação e a fala em si. Esse, aliás, é o grande objetivo da Educação Midiática: formar pessoas capazes de lidar não apenas com as tecnologias de comunicação, mas de perceber a qualidade, o sentido e o objetivo das informações transmitidas. Algo que é muito importante, especialmente em um tempo em que há tantas informações disponíveis.

Assim, a Educação Midiática deve abranger todos os aspectos da vida. Tem a ver com analisar tudo o que é dito. Isso pode incluir desde o grupo de WhatsApp da família até as notícias da TV, os artigos de jornais e posts em uma página do Instagram. 

Importância da Educação Midiática 

O objetivo da Educação Midiática é educar cidadãos capazes de analisar, interpretar e compreender o que está sendo dito. O olhar crítico é fundamental: afinal, as pessoas não podem se deixar levar por informações falsas ou discursos de ódio, por exemplo. 

Olhar crítico é a base da Educação Midiática 

A criticidade está diretamente ligada ao sucesso, às capacidades cognitivas e a ações assertivas. Essa é uma habilidade que pode e deve ser aprendida, exercitada e utilizada em qualquer situação. 

A democratização dos canais de comunicação exige atenção redobrada a respeito do conteúdo 

A democratização e a acessibilidade ampla aos canais de comunicação – algo positivo – permitiram que as pessoas pudessem criar e compartilhar informações. Se, antes, era preciso dispor de muitos recursos para criar um meio de comunicação – como um jornal ou uma rádio, por exemplo –, hoje qualquer pessoa que tenha acesso às tecnologias digitais pode criar seu próprio canal de vídeo, podcasts, blog, rede social, site ou livro digital. Um poder gigantesco!

Não podemos fechar os olhos, no entanto, para os riscos associados a essa conquista. E o maior deles reside, justamente, no poder de manipulação da informação: as novas mídias também são responsáveis pela disseminação de notícias falsas, distorcidas ou mal intencionadas, que podem gerar danos a pessoas e à sociedade. Como resolver esse problema? Por meio da educação midiática, que permite ao receptor da informação avaliar a sua confiabilidade. O tema é amplo, mas permite alguns recortes.

Fato ou opinião? É preciso saber diferenciar 

Muitas pessoas estão apenas opinando sobre algo, com base apenas na parte que elas conhecem ou com base na própria experiência. Há, ainda, as tão faladas “Fake News”, que são notícias falsas criadas para prejudicar alguém ou manipular as pessoas a pensarem sobre algo. Algumas fake news são facilmente detectáveis – outras, porém, são mais sofisticadas e merecem ainda mais cuidado.

A situação se complica diante da velocidade da informação, característica desse tipo de mídia. A informação é produzida, publicada e, em poucos instantes, acaba disseminada por pessoas que leram o conteúdo. Sem nem checar o dado, muitas pessoas o compartilham em suas redes e grupos – disseminando uma informação falsa e, muitas vezes, potencialmente perigosa! 

Como a Educação Midiática pode ser trabalhada na escola 

Primeiro, é importante destacar que esse tema pode ser abordado em qualquer idade. Esse processo tem início a partir do momento em que a criança sai para o mundo e inicia o contato com os colegas, os professores, recursos audiovisuais e midiáticos. 

Educação Midiática desde sempre

A Educação Midiática é fundamental para a alfabetização, mas deve vir antes da alfabetização, já na Educação Infantil. E isso porque, em nossa época, as crianças pequenas já são expostas a milhões de informações. Associadas, por exemplo, ao consumo, na publicidade. Cada faixa etária, por certo, deve merecer uma abordagem compatível ao seu grau de desenvolvimento cognitivo.

Hoje em dia, ser alfabetizado envolve, mais do que ler e interpretar. É preciso saber encontrar uma informação, decodificar os textos em vários formatos e linguagens e ter senso crítico para buscar a origem, a natureza e a intenção de qualquer publicação. Só assim é possível saber se o conteúdo é confiável e pode ser reproduzido. 

A abordagem deve ser interdisciplinar 

Além disso, é um assunto interdisciplinar, visto que o aprendizado adquirido aqui pode e deve ser aplicado em todas as áreas da vida. Como já citamos, isso tem a ver com a análise crítica da informação. Isso quer dizer que não basta abordar elementos específicos das mídias, como os recursos, verbetes e outros. 

Quando falamos de ela ser interdisciplinar, estamos nos referindo à necessidade de ser abordada em todos os componentes curriculares. É possível combater fake News, por exemplo, em aulas de Química, Biologia, Matemática e História. Da mesma forma, todas essas componentes curriculares possuem métodos e caminhos que ensinam uma pessoa a ser mais crítica, atenta e metódica na análise de qualquer informação.

Propor atividades em que o estudante possa produzir conteúdo, entrar em contato com as mídias e pesquisar, ou seja, ministrar aulas utilizando os recursos de mídias, é crucial para a Educação Midiática. 

Educação Midiática no Brasil 

O programa Educamídia, do Instituto Palavra Aberta, é uma das principais iniciativas voltadas para professores no campo da Educação Midiática. Ele possui três pilares – ler, escrever e participar. Trata-se de um excelente guia para implantar os elementos da Educação Midiática na escola. 

1 – Ler, o primeiro pilar, é a habilidade que deve ser trabalhada para estimular no discente a capacidade de filtrar, ler de forma crítica e dar sentido ao grande fluxo de informações que chegam todos os dias. 

Aqui entra leitura crítica de absolutamente todo tipo de informação, como imagens, posts, vídeos, memes, rótulos, notícias e artigos. 

A ideia é garantir que o indivíduo seja capaz de distinguir fato de opinião. Entender a intenção por trás da notícia, reconhecer os clickbaits (títulos polêmicos, criados apenas para chamar a atenção) e outros. 

2 – Escrever é o segundo pilar. Ele é a etapa que prevê atividades em que o estudante será o produtor do conteúdo. A ideia é garantir que ele saiba utilizar e se comunicar por meio de diversas linguagens. 

3 – Já no terceiro pilar, o “participar”, o foco está em entender temas como inclusão, empatia, diálogo, discriminação, discurso de ódio e outros. Sempre considerando o contexto midiático. 

Nesse pilar entram os temas relacionados à cidadania digital. O papel da Educação Midiática é justamente formar um cidadão capaz de analisar de forma crítica tudo o que chega até ele.

É necessário saber de onde vem, no que está embasado, qual objetivo de uma manchete, o motivo de um assunto ter sido abordado de determinada maneira.

Educação Midiática na BNCC 

Na BNCC, a “Cultura Digital” é apresentada como uma das competências gerais. Então, para trabalhar a Educação Midiática nesse contexto tecnológico, a BNCC propõe que o professor aplique atividades, utilizando as ferramentas digitais, de modo que os estudantes sejam capazes de: “Compreender, utilizar e criar tecnologias de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares) para se comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos, resolver problemas e receber exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva” (BNCC, 2018).

Opet INspira e os recursos para a Educação Midiática

Além de utilizar os conteúdos presentes na BNCC e no programa Educamídia, o professor também precisa de ferramentas, especialmente as digitais, para implementar esse tema em sala de aula. 

Por isso, na Opet INspira, plataforma educacional de objetos educacionais da Editora Opet, há diversos recursos tecnológicos e conteúdos disponíveis aos educadores – eles são objeto de uma curadoria cuidadosa que garante a veracidade das informações. 

Há ferramentas para que os estudantes possam produzir o próprio podcasts, por exemplo. Vídeos, áudios, jogos e livros também são recursos que possibilitam a aplicação de atividades em que é necessário ter criticidade para receber as informações. 

E, para facilitar as aulas, o professor encontra na plataforma Opet INspira, ferramentas como roteiros de estudos e trilhas de aprendizagem. Dessa forma, fica muito mais fácil criar e disponibilizar as atividades. 

Quer saber mais sobre Educação Midiática? Então, assista agora a live que realizamos em parceria com o Instituto Palavra Viva! Acesse: 

“Que livro incrível!”: como estimular a leitura entre crianças e adolescentes?

De acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a habilidade de leitura é definida como a “capacidade de entender, usar e refletir sobre textos escritos de modo a conquistar objetivos, desenvolver conhecimento e potencial e participar da sociedade”. 

No Brasil, segundo uma pesquisa da própria OCDE, existe uma diferença gritante em relação ao nível de leitura entre pessoas de diferentes classes sociais – quanto menos favorecida é a família, menor o acesso aos livros e à leitura. Um problema estrutural dos mais sérios, que prejudica o desenvolvimento social do Brasil há muito tempo. Uma das formas de reverter esse quadro está no estímulo à leitura – e a escola pode desempenhar um papel-chave neste contexto.

Como melhorar os hábitos e habilidades relacionadas à leitura 

Neste artigo, vamos focar em coisas que podemos fazer na sala de aula para melhorar fortalecer os hábitos e a cultura leitora em nosso país. Essas práticas também podem ser colocadas em prática pelas famílias!

Como estimular o hábito da leitura em crianças e adolescentes?

A seguir, trazemos algumas sugestões de como professores podem estimular os estudantes a amar a leitura e como os familiares podem ajudar no processo. Tudo começa na associação da leitura com algo especial: agradável, divertido, enriquecedor e precioso!

Estimule a socialização por meio da leitura

Crie clubes do livro, grupos de leitura e círculos de literatura presenciais e no ambiente digital. A interação a partir da leitura aumenta muito a compreensão em relação às histórias e torna o processo mais agradável, especialmente entre leitores recentes. 

Conhecendo as bibliotecas locais

Levar os estudantes até as bibliotecas públicas da cidade, mostrando a riqueza dos acervos e dos lugares, é uma excelente maneira de estimular neles o gosto pela leitura. 

As crianças vão se encantar, por exemplo, com livros repletos de imagens e com gibis. Já os mais velhos podem se interessar por gêneros específicos e próprios para a sua faixa etária, como romances policiais, contos, crônicas ou ficção científica. 

Vamos ao teatro?

Que tal transformar os livros em roteiros de peças teatrais? Essa é uma maneira divertida e inteligente de unir a sala toda em um projeto. Cada um fica responsável por uma parte: alguns estudantes podem cuidar do próprio roteiro, com a supervisão do professor, enquanto outros ficam responsáveis pelos cenários, iluminação, guarda-roupa e interpretação.  

Leia para as crianças antes de dormir 

As crianças adoram histórias! Por meio delas, podem adentrar um mundo mágico onde tudo é possível. Então, que tal ler uma história antes de as crianças dormirem? O Brasil tem uma tradição fantástica de autores de livros infantis, com nomes como Ana Maria Machado, Ruth Rocha, Ziraldo e Lygia Bojunga. Isso, sem contar as fábulas, histórias do folclore e até textos sobre a nossa História adaptados ao público infanto-juvenil. Há muitas opções!

Proponha debates em sala de aula

Para os estudantes mais velhos, também é possível inserir os livros em discussões sobre temas atuais. Ao associar os assuntos da vida cotidiana às histórias, os discentes se identificam com os personagens e passam a se interessar cada vez mais pela leitura. 

Filmes e livros 

Estimular o hábito da leitura em adolescentes que nunca tiveram contato com o universo dos livros é desafiador. Uma maneira de fazer isso é propor a leitura de livros que viraram filmes. Como citamos, todos gostam de boas histórias, mas conhecer histórias por meio da leitura é mais desafiador do que por meio de filmes. Os filmes são mais fáceis de acompanhar e exigem menos capacidade de interpretar textos. Então, é comum que muitos jovens prefiram essa linguagem. 

Ao propor a leitura de um livro associado a um filme de que os estudantes já gostam, a resistência pode ser menor. Após a leitura, converse, por exemplo, sobre as semelhanças e diferenças entre a história do filme e do livro. Tente abordar o porquê das diferenças e até mesmo as alterações na personalidade e características dos personagens.

Opet INspira e o compromisso com a qualidade do nível de leitura 

A Opet INspira, plataforma digital de objetos educacionais da Editora Opet, disponibiliza uma variedade de ferramentas e recursos que contribuem para o estímulo dos hábitos de leitura. 

A partir dela, os professores podem fazer trilhas de aprendizagem e roteiros de estudos que podem ser compartilhados inclusive com as famílias para que estas possam acompanhar a evolução dos pequenos.

Há opções de histórias infantis e também de livros paradidáticos sobre muitos temas que, além de estimular a leitura e ensinar sobre assuntos relacionados à fase atual da criança, contam com ideias de atividades que podem ser executadas a partir das histórias lidas. 

Livros e ferramentas digitais: integração e transformação

Nos últimos meses, a educação digital cresceu de uma forma impressionante. Hoje, ela é utilizada por milhões de estudantes, e vai crescer cada vez mais. Nesse processo, qual o lugar dos livros? Como integrar o ensino digital aos volumes impressos? É possível, a partir dos avanços tecnológicos, pensar no surgimento de “super livros”?

Essas são algumas das perguntas que fizemos a Luciano Rocha, coordenador de Tecnologias Educacionais da Editora Opet e da plataforma educacional Opet INspira, na mais nova edição do OpetCast, o podcast de educação da Editora Opet. Clique e escute agora! Editora Opet: educação que aproxima!

Uma reflexão sobre as novas formas de educar

O OpetCast desta semana está tratando de um tema muito importante: a necessidade de se repensar as formas de educar. As aulas remotas nos fizeram ver que antigas práticas educacionais podem e devem dar lugar a um mundo mais dinâmico e digital. Para falar a respeito, chamamos a gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto, uma especialista em educação!

Tudo sobre a Plataforma Inspira!

Você conhece a Plataforma Inspira? Ela foi especialmente criada pela Editora Opet para oferecer conteúdos digitais, componentes curriculares e conexões com o conhecimento para milhares de estudantes e professores em todo o país. Uma ferramenta educacional poderosa, que está transformando a educação. Quer saber mais? Então, escute a edição especial do OpetCast sobre a Plataforma Inspira, com Luciano Rocha, coordenador de tecnologia educacional da Editora Opet.

Desafios e aprendizados.

Nos últimos meses, a Editora Opet se reorganizou para atender as demandas da pandemia. Esse processo gerou muitos conhecimentos e muitas novidades para os nossos parceiros. Um dos setores mais envolvidos foi o Editorial, que mergulhou no universo da educação digital. Na edição desta semana do OpetCast, conversamos com o diretor de produto da Editora Opet, Gilberto Soares dos Santos, sobre essas transformações e também sobre o futuro do livro impresso. Uma conversa esclarecedora!

A parceria entre Editora Opet e os Munícipios – Episódio 2

O ano de 2021 ainda gera muitas dúvidas para a educação pública. Quando, afinal, as aulas presenciais voltarão ao normal? A partir de que protocolos? E o ensino híbrido vai, mesmo, ser a nova realidade das escolas? No segundo episódio do OpetCast sobre a relação entre a educação pública e os sistemas de ensino, Roberto Costacurta, gerente comercial da Editora Opet para a área pública, fala sobre esse cenário e, também, sobre o valor das parcerias para superar os desafios e crescer. Não perca! É OpetCast: a Editora Opet de ouvir!

A parceria entre Editora Opet e os Munícipios

A pandemia teve reflexos importantes sobre a educação pública. Nesse cenário, os sistemas de ensino assumiram um papel importante de apoio aos municípios, auxiliando, por exemplo, na implantação do ensino remoto. A parceria entre a Editora Opet (Sefe) e os municípios e o tema da nova série especial do OpetCast em dois episódios. Nosso entrevistado é Roberto Costacurta, gestor comercial da Editora para a área pública. Não perca o primeiro episódio!

Digital + Real: Educação, Realidade Aumentada e o Google for Education

Você provavelmente já 15ouviu falar em Realidade Aumentada (RA). É uma tecnologia relativamente recente que, nos últimos anos, ganhou força, inclusive na educação. E que, com o aumento da velocidade e da capacidade das redes, em especial com a chegada da tecnologia 5G, deve se tornar ainda mais popular em pouco tempo. Assim, prepare-se!

Mas, afinal, o que é a Realidade Aumentada (RA)?

Realidade Aumentada (RA) é o nome dado à tecnologia de sobreposição de objetos digitais ao mundo real, em tempo real, com resultado de “aprofundamento” de informações. Imagine, por exemplo, “ver” dos órgãos internos do seu cachorro de estimação, usando para isso seu próprio smartphone e um aplicativo que traz imagens digitais tridimensionais destes órgãos e os “aplica” à realidade. Ou, então, ter acesso a várias informações sobre uma obra de arte apenas de apontar seu smartphone para ela. Isso é RA!

Ela se diferencia da Realidade Virtual (RV), que é composta exclusivamente de objetos e cenários criados digitalmente – como, por exemplo, nos jogos eletrônicos que simulam planetas alienígenas, cidades ou ambientes históricos.

Para que a Realidade Aumentada seja possível, é preciso um software que “cruze” o real e o digital e um aparelho capaz de fazer a leitura e exibição das imagens. Esses aparelhos podem ser tablets e smartphones ou, então, plataformas específicas. Diferentemente da realidade virtual, a realidade aumentada não cria um mundo completamente virtual e fictício, mas utiliza o ambiente real como cenário para um objeto digital. Um exemplo conhecido? O jogo “Pokémon Go”, que combina geolocalização e interação com personagens digitais.

Realidade aumentada na educação

Imagine o quão cativante seria uma aula em que as ilustrações pudessem “saltar” do livro e ter movimentos, expressões e falas. Ou poder ver, em uma parede da sala de aula, os movimentos do sistema solar, o curso da água pela estrutura de uma planta ou da lava até a erupção de um vulcão.

Com a realidade aumentada, a exposição à informação sensorial aumenta, o que facilita a interpretação, assimilação e compreensão dos conteúdos. É essa possibilidade de imersão que caracteriza a eficiência desse recurso para a educação, além de ser uma tecnologia acessível e de fácil aplicabilidade.

Outra vantagem é que o pano de fundo dessa experiência é o próprio ambiente escolar, o que faz com que o aluno associe aquela experiência de estudo à escola. Além disso, o componente digital faz parte de um universo muito popular e curioso para esta geração, o que coloca o interesse do estudante como ponto de partida para o desenvolvimento da aula e do conteúdo.

O professor

Por mais possibilidades que possa trazer, a tecnologia, por si, não promove educação. Ela é apenas um recurso eficiente para a comunicação entre os agentes do processo de ensino aprendizagem: o professor e o estudante. Por isso, é importante que o professor busque, antes de tudo, conhecer, estudar e compreender a realidade aumentada – assim como os conteúdos ministrados – para poder utilizá-la de forma relevante e contextualizada.

Engajar os estudantes é um dos principais desafios dos professores, e a RA pode ser uma aliada potente para isso.

A RA e o Google for Education

Os usuários do Google for Education – caso dos parceiros públicos e privados da Editora Opet – têm acesso a uma tecnologia poderosa de Realidade Aumentada. Ela atende pelo nome de “Google Expeditions” – um aplicativo – e permite uma exploração do mundo de forma virtual. Seus conteúdos abrangem, por exemplo, temas de História, Ciências, Artes e Mundo Natural, inseridos digitalmente na realidade em animações e gráficos fantásticos em 3-D. Pense, por exemplo, em dinossauros, astronomia, pintores renascentistas, fenômenos naturais, órgãos do corpo humano… tudo isto está lá e pode ser usado em aulas criativas e envolventes! As imagens em 360 graus permitem uma imersão no mundo virtual – e seu cruzamento com o mundo real -, em expedições guiadas pelo professor ou pelos próprios estudantes.

Para acessar o Google Expeditions, os requisitos mínimos são, além da conta no Google, o aplicativo “Expeditions”, disponível gratuitamente nas lojas Play Store e App Store, e um smartphone compatível com o aplicativo. Aos professores, o aplicativo também fornece a possibilidade de criação de conteúdos exclusivos para as aulas.

Para mais conteúdos como esse, acompanhe nosso blog e nossos perfis nas redes sociais.

Papelão, plástico e smartphone: o próprio Google fornece modelos de óculos de realidade aumentada/realidade virtual que podem ser produzidos em casa.

 

Professores parceiros da Editora Opet participando de formação pedagógica com o uso de leitores de Realidade Virtual.

Papelão, plástico e smartphone: o próprio Google fornece modelos de óculos de realidade aumentada/realidade virtual que podem ser produzidos em casa.