Plataforma Educacional Opet INspira fica mais inovadora, intuitiva e interativa

Mudanças melhoram o layout, a navegação e o sistema de busca

Há mais de um ano, a Plataforma Educacional Opet INspira passou a fazer parte da vida de milhares de estudantes, professores e famílias de todo o país. Ela é uma poderosa ferramenta educacional criada pela Editora Opet para seus parceiros nas áreas pública e privada, e traz recursos preciosos para o desenvolvimento das aulas remotas. São vídeos, áudios, simuladores, jogos educacionais, quizzes, trilhas de aprendizagem, coleções digitalizadas, provas, documentos oficiais da educação e muito mais!

O trabalho da equipe que desenvolve a Plataforma Educacional Opet INspira não para. E isso porque eles estão trabalhando sempre para torná-la cada vez mais amigável, mais próxima dos usuários.

“A ideia é fazer com que a plataforma seja a mais utilizável possível, direta, descomplicada e muito presente na vida dos estudantes e dos professores”, conta Luciano Rocha, coordenador de Tecnologias Educacionais da Editora e do trabalho com a ferramenta.

Novidades em um clique – E esse trabalho vem dando bons frutos! Hoje,  12 de abril, os usuários que acessam a plataforma estão encontrando algumas diferenças bem interessantes. A primeira delas é no layout da tela, que foi reorganizado. “A plataforma ficou mais bonita, mais harmoniosa. Nossa preocupação, porém, não foi apenas estética”, explica Luciano.

“Tivemos muito cuidado com a usabilidade da interface. Isso porque, com o reposicionamento e o  redimensionamento de alguns dos elementos e espaços, procuramos melhorar a experiência do usuário, tornando os recursos mais acessíveis e a navegação intuitiva.”

Agora, a página de abertura da plataforma conta com banners interativos que apresentam recursos importantes por perfil de usuário e oferecem links diretos. “Basta que o estudante ou docente clique no banner para que a plataforma o redirecione ao recurso apresentado”, explica Luciano.

Pesquisa facilitada – Já o menu de etapas facilita aos docentes e aos estudantes encontrar conteúdos específicos do nível de ensino. “Ao acessar esse menu, filtros são acionados automaticamente, apresentando ao usuário apenas os conteúdos criados para a etapa escolhida”.

Outra novidade é a “busca inteligente”, que mostra os conteúdos e assuntos pesquisados classificados por tipo de objeto. “Se o usuário digitar as palavras ‘futebol’ ou ‘hidrogênio’, por exemplo, terá como retorno de busca todos os elementos relacionados a elas”, explica Luciano.

Mais novidades – Em breve, outras novidades virão – e em escala macro. “Estamos trabalhando muito no desenvolvimento de um módulo de publicação de livros digitais interativos, que vão expandir enormemente a experiência dos nossos usuários com as coleções. Os livros vão dialogar muito mais com os usuários, oferecer conteúdos extras e conexões com outros conhecimentos, e isto com poucos cliques”, conta Luciano.

Além disso, serão lançados dois aplicativos para dispositivos móveis que, disponibilizarão os conteúdos de áudio, jogos, simuladores e ferramentas educacionais em 3D da plataforma Opet INspira para acesso e armazenamento, inclusive off-line, em celulares e tablets.

“A esteira de desenvolvimento desses recursos já está bem adiantada”, antecipa Luciano. “Pretendemos apresentar em breve essas novas ferramentas e proporcionar uma experiência ainda mais inspiradora aos nossos docentes e estudantes.”

Clique no vídeo abaixo e conheça todas as novidades deste novo momento da Plataforma Educacional Opet INspira!

Professoras de Cotia premiadas no “Ação Destaque” vencem mais um prêmio nacional da área de Educação

As professoras Adriane (E) e Ana Paula (D) com o secretário municipal de Educação Luciano Corrêa.

Ao longo dos anos, os professores da rede municipal de Cotia, município que é um dos mais importantes parceiros da Editora Opet no Estado de São Paulo, vêm ganhando reconhecimento pelo desenvolvimento de projetos relacionados à educação. Eles têm excelente desempenho, por exemplo, em prêmios como o “Ação Destaque”, realizado anualmente pela Editora, e em outros concursos nacionais que valorizam e promovem boas ideias e práticas educacionais.

Recentemente, esse compromisso com uma educação cidadã pautada em projetos foi confirmado mais uma vez: as professoras Adriane Passos Almeida e Ana Paula Nogueira Moreira Borella, vencedoras da última edição do “Ação Destaque”, no final do ano passado, também foram agraciadas no “Prêmio Educação Infantil: Boas Práticas de Professores Durante a Pandemia”, promovido pela Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal em parceria com a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME) e o Itaú Social.

O resultado foi divulgado no site dos organizadores no dia 31 de março. No total, mais de 700 práticas de todo Brasil foram inscritas e 100 iniciativas foram premiadas.

Projetos – O projeto da professora Adriane Passos foi “Escola e Família juntos para ensinar e amar”, e teve como foco o vínculo com as crianças e o acolhimento das famílias. “Tivemos o livro Entrelinhas como registro e complementamos com vídeos chamadas pelo Whatsapp, organizada em grupos, tendo a participação de toda a família”, conta ela. Com esse projeto, vale observar, Adriana também conquistou o primeiro lugar do prêmio Ação Destaque de 2020 na categoria “Educação Infantil”.

E a professora Ana Paula Borella desenvolveu o Projeto “Escola e Família: uma parceria de sucesso”, que busca ensinar de forma lúdica e com criatividade. “O desenvolvimento do projeto ocorreu na plataforma Google Sala de Aula e pelo WhatsApp, por onde eram enviados vídeos com brincadeiras, músicas, contação de histórias e explicações das atividades”, conta.

Segundo ela, foram diversas chamadas pelo Google Meet desde a suspensão das aulas presenciais. Em 2020, Ana Paula obteve o terceiro lugar do prêmio Ação Destaque na categoria “Educação Infantil” com o projeto “O Resgate da Cultura Popular em Tempos de Pandemia e Aulas Virtuais”.

Parceira premiada – Os dois projetos vencedores trazem uma forte relação com os materiais, ferramentas digitais e filosofia de trabalho pedagógico da Editora Opet. O que, na avaliação do gerente comercial da Editora Opet para a área pública, Roberto Costacurta, é uma demonstração cabal do sucesso da parceria com o município.

“Ficamos muito felizes com esses resultados e, em nome da Editora Opet, parabenizamos as professoras premiadas e os gestores de Cotia, que fazem um trabalho de alta qualidade na educação”, observa. “É muito bom ver nossos materiais e ferramentas sendo utilizados de uma forma tão assertiva em prol do conhecimento e da educação de crianças e jovens.”

O secretário municipal de Educação de Cotia, Luciano Corrêa, cumprimentou as professoras. “Parabéns à Adriane e à Ana Paula. Nos enchemos de orgulho de nossos professores. Quando vemos projetos que nasceram aqui premiados e com destaque nacional, ficamos ainda mais orgulhosos.”

(*) – Com informações da Assessoria de Imprensa de Cotia.

Competências em sala de aula

Mais do que adquirir conhecimentos, o aprendizado envolve a capacidade de aplicá-los na vida prática e de assumir uma atitude positiva e curiosa diante das possibilidades que determinado conteúdo oferece.

Esse processo só é possível a partir de uma educação integradora, isto é, um ensino que contemple todas as dimensões do desenvolvimento humano – cognitivo, físico, emocional e cultural.

Em uma educação integradora, a aprendizagem é vista como o desenvolvimento de competências, não apenas como aquisição de conhecimentos.

Nela, aparecem outros dois elementos fundamentais para o processo de ensino-aprendizagem: as habilidades e a atitude.

Entenda como isso se dá na prática!

A tríade do conhecimento: o sentido de desenvolver competências

Competências, como já mencionamos, podem ser definidas como o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes.

Aquisição de conhecimento: primeira etapa

O ensino dos conteúdos das disciplinas de português, matemática, ciências, história e geografia oferece ao estudante conhecimentos essenciais para a vida, aqueles conhecimentos clássicos, acumulados ao longo da história e que devem ser transmitidos para as próximas gerações – são conhecimentos civilizatórios.

Acontece que, se o ensino se detém em “repasse”, a criança simplesmente esquece o conteúdo. Afinal, ela não teve a oportunidade de praticar o que foi apresentado nos livros e aulas, então tudo ainda está muito abstrato para ela. As coisas só fazem sentido se associadas a outras, da própria vida de quem aprende.

Aquisição de habilidades: segunda etapa

A fim de consolidar o que foi aprendido na etapa anterior, é preciso que a criança aprenda a utilizar os conhecimentos de conteúdo escolar em diversos aspectos da vida para solucionar problemas e para entender aspectos do cotidiano.

É muito importante ter em mente que todo conteúdo deve ser útil – a teoria sempre deve andar com a prática. De pouco adianta passar dezenas de exercícios de gramática se o estudante não sabe se comunicar, debater e defender seus pontos de vista com base em argumentos válidos. Uma coisa, aqui, está integrada com a outra!

Da mesma forma, não adianta ensinar fórmulas de matemática se o estudante não compreender que os conceitos desta disciplina podem ser aplicados em várias áreas de sua vida, por exemplo, na vida financeira ou mesmo em projetos.

Atitude positiva

Tanto a aquisição de conhecimentos quanto a de habilidades podem ser repassadas para uma pessoa. O professor consegue formar o estudante por meio das aulas expositivas e indicações de leituras, bem como a partir da aplicação de atividades, situações-problema e projetos – as possibilidades são muitas!

Já a atitude é um aspecto comportamental, é algo que vem com o indivíduo. Isso não pode ser ensinado, mas pode ser percebido e trabalhado pelo professor. Tem a ver com aquela curiosidade, um brilho nos olhos, a vontade de aprender mais sobre algo.

O docente, então, pode trabalhar com abordagens que estimulem a criança a ter vontade de adquirir conhecimentos e habilidades. Só o fato de o estudante perceber que a teoria apresentada previamente pode ser aplicada em sua vida é um modo de incentivá-lo. É importante, no entanto, manter essa chama acessa. Isso pode ser feito a partir das escolhas do tipo de atividade, trabalho e ensino que se tem em sala de aula.

As crianças e jovens de hoje estão totalmente conectados às tecnologias digitais. Então, por que não utilizar essa realidade como ponto de partida para desenvolver trabalhos? Pode ser por meio de vídeos, podcasts ou na criação de uma animação.

Quais competências devem ser trabalhadas

Essa educação integradora pode partir das competências gerais que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) – um documento basilar da nossa educação – propõe. Confira a seguir:

1. Conhecimento

2. Pensamento científico, crítico e criativo

3. Repertório cultural

4. Comunicação

5. Cultura digital

6. Trabalho e projeto de vida

7. Argumentação

8. Autoconhecimento e autocuidado

9. Empatia e cooperação

10. Responsabilidade e cidadania

Essas 10 competências devem acompanhar o desenvolvimento das crianças desde a Educação Infantil até o Ensino Médio.

Como desenvolver e ensinar por competências

O ensino por competências deve ser feito de forma transversal, pois todas elas podem ser trabalhadas em todas as disciplinas. A competência de comunicação, por exemplo, apesar de estar usualmente envolvida nas aulas de português, também pode ser trabalhada nas disciplinas de matemática ou geografia.

Nas aulas de português, é possível trabalhar aspectos relacionados à qualidade da fala, à capacidade de argumentação e ao uso correto da gramática. Só não podemos esquecer de que a comunicação não envolve somente a fala e a escrita. A interpretação de um gráfico, em problemas de matemática, também configura comunicação, assim como a leitura correta de um mapa na disciplina de geografia.

Outra forma de desenvolver as competências nos estudantes é por meio de projetos em grupos, debates ou aprendizagem baseada em problemas. Dessa forma, é possível trabalhar competências relacionadas à comunicação, socialização e pensamento científico.

Afinal, nesse contexto, a criança precisa utilizar o conhecimento prévio, aplicá-lo no projeto, descobrir como socializar de forma saudável com os demais colegas, comunicar-se adequadamente com eles e argumentar em favor de suas ideias, bem como exercitar o pensamento científico, uma vez que precisa observar, elaborar hipóteses e investigar.

Como deve ser feita uma avaliação por competências

Assim como o modo de ensinar, realizar atividades e desenvolver projetos muda diante de uma educação por competências, a maneira de avaliar também deve ser diferente. A ideia não é deixar de aplicar a avaliação tradicional, mas também partir de outros aspectos para avaliar o estudante.

Antes de escolher uma atividade para averiguar as competências dos estudantes, é importante ter em mente que, nesse caso, mais do que o resultado, deve se avaliar o processo de realização da avaliação. Se as aulas levam em conta a aquisição de competências, com uma educação integradora, então a avaliação também deve partir desse critério.

O professor precisa, por exemplo, compreender e registrar o desempenho de comunicação, pensamento científico, socialização, aplicação de conhecimentos e demais competências ao longo da execução da atividade avaliativa proposta.

Da mesma forma que, como citamos, existem formas de trabalhar intencionalmente para o desenvolvimento da tríade conhecimento, habilidades e atitude, também existem formas de avaliar.

Confira abaixo algumas opções!

●    Desafios de lógica;

●    Análise de casos e situações;

●    Rodas de conversa;

●    Encenação e dramatização;

●    Seminários;

●    Trabalhos em grupo;

●    Debates;

●    Exposições;

●    Saraus;

●    Publicações temáticas, como revistas e jornais.

Durante todo o período em que os estudantes estiverem desenvolvendo os trabalhos, o professor deve analisar se o objetivo final está sendo alcançado. Ele também deve registrar etapas e acontecimentos ao longo do projeto, para posteriormente avaliar se, de fato, as competências necessárias foram empregadas na execução dos trabalhos.

Competências necessárias para os docentes

Além das crianças, os docentes também precisam desenvolver uma série de competências, desde a formação até a atuação em sala de aula, para obter sucesso no ensino dos estudantes.

Tais competências envolvem o conhecimento específico de sua disciplina, assim como de didática, processos de aprendizagem, metodologias de ensino e tecnologias digitais. Tudo o que é fundamental para repassar o conteúdo de modo que o indivíduo realmente aprenda.

Claro que de nada adianta conhecer a teoria se o docente não consegue aplicar todo esse conteúdo em prol do ensino. O professor deve desenvolver um olhar analítico que mostre a ele quais os melhores métodos para determinada situação e indivíduo, a capacidade de liderança e de tomada de decisões, as habilidades necessárias para utilizar as ferramentas de ensino, sejam elas digitais ou não, e demais características que o ajudem a atuar como mediador entre o estudante e o objeto de aprendizagem.

Não se deve esquecer, no entanto, de que a atitude positiva deve vir do próprio professor, a vontade de ensinar, aquele brilho nos olhos que citamos acima. Por isso, é fundamental que esse profissional busque sempre novos caminhos, conhecimentos e habilidades, e esteja disposto a conhecer e considerar novas formas e ferramentas de ensino.

Essa vontade é essencial para que os demais elementos da tríade de competências sejam desenvolvidos.

Como adquirir competências discentes e docentes

Quando falamos em desenvolver competências em discentes, devemos voltar nossa atenção, principalmente, ao professor. É ele que, a partir das próprias competências, guia a criança e o estudante no processo de aquisição de conhecimentos e habilidades. Mas, assim como o docente deve trabalhar para formar os estudantes, o próprio docente (ou a escola) deve focar em sua própria formação.

Atualmente, os métodos de ensino têm se modificado bastante. Com o surgimento de novas tecnologias digitais, surgiram também novas maneiras de praticar a docência. Portanto, é fundamental treinar o professor constantemente para que ele esteja preparado para as novas demandas em sala de aula.

Também é importante que o docente tenha acesso às novas ferramentas advindas das tecnologias digitais. Isso ajudará na aplicação de seus conhecimentos em prol da aprendizagem dos discentes, tornará o ensino mais efetivo e ainda ajudará a estimular a atitude positiva das crianças e, consequentemente, do próprio professor.

Como preparar estudantes e professores

Na plataforma educacional Opet INspira há diversos materiais didáticos que auxiliam os educadores no desenvolvimento de atividades, avaliações e sequências didáticas.

Além disso, vários desses recursos são digitais, permitindo que o docente crie trilhas de aprendizagem e forneça roteiros de estudos aos discentes.

Sem contar as ferramentas de áudio, os bancos de imagens, os quizzes e os vídeos disponibilizados para professores e estudantes. Todos eles são recursos que ajudam na aplicação e desenvolvimento de atividades integradoras, capazes de trabalhar as competências gerais nas crianças.

Além das ferramentas digitais, diversas histórias infantis são disponibilizadas na plataforma. É um outro tipo de material essencial para estimular a atitude positiva dos discentes diante das atividades propostas, uma vez que trabalha a imaginação, a criatividade e a ludicidade, aspectos que geram muito interesse nos discentes.

Todos esses materiais e conteúdos servem como instrumento para o ensino, de modo que a criança adquira seus próprios conhecimentos e descubra como usá-los em diversas situações cotidianas.

Já para o professor, esses recursos digitais auxiliam na elaboração e aplicação de atividades e avaliações integradoras, permitindo que eles capacitem as crianças de forma mais eficaz e avaliem visando todo o processo e não apenas o resultado.

Os recursos que fazem da plataforma educacional Opet INspira uma das mais acessíveis do país!

Plataforma alcançou nível de acessibilidade de 91% segundo padrão internacional

Acessibilidade. Eis aí uma das palavras mais importantes da educação e da própria democracia. Afinal, é por meio dela, por meio de leis e de recursos cada vez mais avançados, que as pessoas com deficiência garantem o direito fundamental, constitucional, de aprender. Os números são impressionantes e mostram a urgência de se buscar soluções e caminhos para a inclusão: estimativas oficiais indicam que o país possui 9,7 milhões de pessoas com deficiência auditiva, 13,2 milhões de pessoas com deficiências motoras, 6,5 milhões de pessoas com alguma deficiência visual (entre cegos, portadores de baixa visão e de visão subnormal) e 8 milhões de daltônicos – e muitos deles são estudantes.

Há vários anos, a Editora Opet trabalha para garantir recursos de acessibilidade em todos os materiais e soluções que desenvolve. Em tempos mais recentes, levou esse conhecimento e esse compromisso às ferramentas educacionais digitais que desenvolve, como a plataforma educacional Opet INspira. E também conta com os recursos de acessibilidade Google Workspace for Education, parceira na educação digital dos nossos mais de 140 mil usuários. Atualmente, 80% dos recursos Google são acessíveis para pessoas com deficiência, e este percentual segue crescendo.

Sempre acessível – “A preocupação com a acessibilidade, no caso da Editora, nasceu muito antes do nosso projeto de uma plataforma digital. E foi integralmente absorvida por ele”, explica Luciano Rocha, coordenador de Tecnologias Educacionais da Editora Opet. Ele lembra que, desde 2015, com a promulgação do Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei N° 13.146/2015), a legislação brasileira obriga os sites a garantirem acesso às informações para pessoas com deficiência.

“A lei, por si, já seria suficiente para que pensássemos em termos de garantir acessibilidade sempre. Mas, no nosso caso, há também um compromisso com a educação, que deve chegar a todas as pessoas com a mesma qualidade. Assim, assumimos essa preocupação e estamos tornando o conteúdo da plataforma Opet INspira acessível a pessoas com diferentes tipos de deficiências, sejam elas motoras, auditivas ou visuais.”

A plataforma educacional Opet INspira integra duas das melhores ferramentas disponíveis no mercado brasileiro. “Todo o conteúdo textual da plataforma conta com o Hugo, intérprete em Libras da empresa HandTalk. Com ele, os deficientes auditivos podem ter acesso à tradução português-Libras em tempo real em todas as seções da plataforma”, explica Luciano.

No caso das demais deficiências – motora, baixa visão, daltonismo, dislexia e cegueira -, a plataforma oferece as ferramentas de acessibilidade do plugin UserWay. “A UserWay é, sem dúvida, a ferramenta de acessibilidade mais completa do mundo”, garante. Ela permite que os usuários digitais utilizem recursos que auxiliam a navegação, como voz eletrônica para leitura de textos, aumento do tamanho das fontes, melhoria do contraste, uso de fonte legível para pessoas com dislexia, mapa de navegação por teclado e gestos, entre outras possibilidades. “Esses recursos atendem a ampla maioria das dificuldades de acesso.”

E como funciona a validação de todo esse trabalho? Ela é feita por avaliadores de acessibilidade com base em um padrão internacional chamado WCAG 2.0, que oferece diretrizes extremamente detalhadas, voltadas a tornar conteúdos digitais plenamente acessíveis. “Essas diretrizes norteiam o trabalho de acessibilidade digital em todo o mundo”, explica Luciano.

A boa notícia é que, segundo avaliadores que utilizam o padrão WCAG 2.0, a plataforma educacional Opet INspira alcançou um nível de acessibilidade de 91%. “É um nível muito alto, que se destaca entre as ferramentas digitais disponíveis no mercado brasileiro e até internacional”, avalia. Os 9% faltantes para tornar a plataforma completamente acessível motivam a equipe de TE da Editora a trabalhar incansavelmente, até mesmo porque novos recursos educacionais são constantemente incorporados – inclusive na nova versão da plataforma que será lançada na próxima segunda-feira, dia 12.

Formação para a acessibilidade – Na semana passada, a equipe pedagógica da Editora participou de uma formação com Luciano Rocha para o trabalho com os recursos de acessibilidade da plataforma Opet INspira. Nesse trabalho, foi apresentado o menu de acessibilidade, com informações detalhadas sobre todas as ferramentas.

A gerente pedagógica da Editora, Cliciane Élen Augusto, destaca a importância dos assessores e supervisores na divulgação dos recursos de acessibilidade. “Essa ação com as pessoas também faz parte do processo de acessibilidade, na medida em que nossa equipe vai multiplicar os conhecimentos juntos aos professores parceiros. Eles, por sua vez, vão levá-los aos estudantes com toda a qualidade.”

Cliciane reforça o compromisso da Editora com a acessibilidade. “Nossa missão, como Editora, é trabalhar para oferecer educação para todos. E isso tem impacto não apenas na inclusão digital, mas na inclusão social.” Em outras palavras: na Editora Opet, acessibilidade e inclusão aproximam as pessoas… do conhecimento!

Todas as tecnologias para a educação brasileira

Os últimos meses nos ensinaram a conhecer e a valorizar ainda mais as ferramentas educacionais digitais. Com elas, vem sendo possível oferecer educação de qualidade a milhões de estudantes. Ainda há muitos desafios, como os representados pela falta de uma infraestrutura
adequada em várias regiões do país, algo que só pode ser resolvido com planejamento e ação do poder público. A chegada de tecnologias como a do chamado “5G”, por exemplo, promete revolucionar esse cenário e levar uma internet de melhor qualidade para mais lugares.

 

Como melhorar a qualidade da educação com o uso de tecnologias

Os professores, estudantes e famílias parceiros da Editora Opet nas áreas pública e privada têm acesso a um conjunto fantástico de soluções: a Plataforma Educacional Opet INspira, repleta de conteúdos organizados – jogos educacionais, simuladores, vídeos, áudios e muito mais – e integrada aos materiais didáticos, e as ferramentas Google Workspace for Education, que garantem a realização de aulas digitais de alta qualidade. E esses recursos não “chegam sozinhos”: nas nossas formações pedagógicas, os docentes parceiros aprendem a utilizá-los e, de quebra, descobrem muitos outros recursos em uso no universo da educação digital!

Mesmo os professores e os estudantes que não dispõem desses recursos, porém, podem fazer uso da internet para fortalecer o trabalho pedagógico. A rede oferece várias ferramentas, disponíveis em plataformas e sites de governo, como o do Ministério da Educação – MEC. Os chamados “repositórios” possuem diversos objetos digitais de aprendizagem como games, imagens e outros.

Também é possível encontrar bons conteúdos em sites e portais de universidades públicas, museus e centros de pesquisa. Vamos conhecer alguns deles?

  1. Currículo+: recursos digitais articulados com o Currículo do Estado de São Paulo. Oferece livros, áudios, jogos, infográficos, etc.
  2. Plataforma Anísio Teixiera. Desenvolvida pela Secretaria de Educação do Estado da Bahia. Traz rotinas de estudos para todas as fases da educação básica, notícias recentes da educação, vídeos, jogos, animações, imagens, planilhas, sites etc.
  3. PROEDU – Repositório de Recursos Educacionais Abertos para Educação Profissional e Tecnológica, desenvolvido pela Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) do MEC. Focado no ensino tecnológico, traz manuais, guias e aulas para download.
  4. Mundo Senai – Também focado em ensino tecnológico, oferece um grande número de livros digitais sobre várias atividades da indústria.
  5. Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin – Uma das mais importantes bibliotecas digitais sobre temas brasileiros, desenvolvida pela Universidade de São Paulo a partir do acervo doado por Guita e José Mindlin.
  6. Labvirt – Também desenvolvida pela USP (pela Escola do Futuro), oferece objetos de aprendizagem ligados ao ensino de Física e Química.

Tecnologia e acessibilidade à educação 

Quando se fala em tecnologias pedagógicas, um dos benefícios mais citados é a acessibilidade à educação, uma vez que os custos do ensino remoto são menores e permitem que muitas pessoas residentes possam estudar conteúdos a que não teriam acesso presencialmente devido às
limitações geográficas.

Esse cenário é possível graças à criação de ambientes de aprendizagem on-line, plataformas de ensino que permitem o indivíduo acessar as aulas, os livros e demais materiais.

Ao se pensar nesse modelo educacional, muitos já lembram dos cursos de graduação, mas não podemos esquecer de que o ensino híbrido – associação entre aulas presenciais e remotas – é uma realidade cada vez mais presente no ensino básico. Principalmente depois no início da pandemia, quando a única maneira de continuar as aulas foi com a adoção das aulas remotas.

Áreas remotas e o acesso à internet: uma realidade em transformação

Mesmo com todos os benefícios que as aulas remotas proporcionam a estudantes de diversos níveis educacionais, é preciso ter em mente que nem todos conseguem ter acesso à internet. Isso é prejudicial não apenas por inviabilizar o ensino híbrido que escolas
públicas e privadas vêm adotando, mas também por dificultar o acesso às soluções proporcionadas pelas novas tecnologias de informação e comunicação.

Essa realidade, no entanto, vem mudando de algum tempo para cá, já que o governo tem criado diversos programas de distribuição via satélite para escolas presentes nesses locais. Dessa maneira, os estudantes podem driblar algumas dificuldades educacionais, como baixo investimento e falta de estrutura, e se beneficiar com as soluções de ferramentas educacionais digitais.

Tecnologias digitais são acessíveis e fazem parte do cotidiano das crianças

Com a questão do acesso à internet resolvida, crianças que estudam em escolas que recebem pouco investimento e estão localizadas em regiões remotas já conseguem um ganho significativo nos estudos. Isso porque elas passam a ter acesso aos recursos digitais disponíveis na web.

Além dos repositórios de objetos de aprendizagem já citados anteriormente, muitas empresas de tecnologia também oferecem treinamentos para professores e até softwares que garantem bons resultados.

Google, Microsoft e Samsung são exemplos de empresas que desenvolvem, na maioria das vezes em parceria com escolas públicas, programas interessantes para o corpo docente aplicar aos educandos.

Para além das ferramentas disponibilizadas em plataformas do governo ou de empresas de tecnologia, o educador pode ainda utilizar as mídias digitais presentes no dia a dia das crianças.

Muitas vezes, por já estarmos tão acostumados com elas, esquecemos destas opções, porém as redes sociais, os jogos on-line, os podcasts, os vlogs, os vídeos, os áudios, os blogs, os sites e os wikis, por exemplo, também são excelentes recursos para melhorar a qualidade das aulas. São muito populares e amigáveis, o que permite que os professores dominem seus princípios muito rápido. O melhor é que há pouco estranhamento quando o docente insere tais instrumentos em sala de aula, uma vez que boa parte dos estudantes já utiliza vários deles diariamente.

Todas essas ferramentas possuem um enorme potencial para desenvolvimento de aulas dinâmicas, em que as crianças podem colocar a mão na massa e aprender fazendo.

Possibilidades pedagógicas com as mídias digitais

Inserir as tecnologias digitais em sala de aula traz uma série de benefícios. Por isso, abaixo, mostraremos algumas possibilidades de atividades que elas proporcionam e as vantagens que as crianças obtêm com cada uma delas:

Ensino híbrido: anteriormente, mencionamos que o ensino híbrido permite às crianças acessar ao conteúdo escolar mesmo quando não podem estudar presencialmente. Porém, esse modelo garante ainda outro benefício: a possibilidade de o professor aplicar a
técnica sala de aula invertida”, prática em que a criança estuda a parte teórica em casa por meio dos livros e videoaulas.

 

Sala de aula invertida: aplicar essa estratégia de ensino garante que haja mais tempo para a parte prática, já que o estudante chega em sala de aula com o conteúdo parcialmente aprendido e com as dúvidas a ele associadas. Nesse caso, utilizar ferramentas como YouTube
e podcasts é uma excelente alternativa para que o professor consiga disponibilizar as aulas.

 

Learning By Doing ou Aprender Fazendo: método de ensino baseado no ensino através da prática. A ideia é que a criança aprenda através de simulações de situações reais do dia a dia. Esse método pode ser usado juntamente com a sala de aula invertida. Assim, o educando realiza aulas e
tarefas teóricas em casa e chega pronto para “aprender fazendo” na escola – com métodos como aprendizagem baseada em problemas, educação baseada em projetos, robótica e gamificação.

 

Aprendizagem baseada em problemas: uma metodologia focada na aquisição do conhecimento por meio da resolução de situações. O professor indica um problema
inicial e as crianças precisam encontrar soluções, desenvolver hipóteses, pesquisar teorias, debater entre outras atividades que as levem à conclusão da atividade. Além do objetivo em si, valoriza-se a estratégia de solução do problema.

 

Educação baseada em projetos: mais um método que foca na prática como premissa para a aquisição de conhecimento. Nele, com orientação do professor, estudante deve desenvolver um projeto específico, desde o planejamento, passando pela execução até chegar
na conclusão e apresentação. Ele pode utilizar diversas ferramentas como áudios, vídeos ou desenvolvimento de páginas em redes sociais para expor o trabalho.

O projeto pode ser justamente a criação de uma ferramenta digital, por exemplo, um jogo ou um blog.

 

 

Ensino de tecnologias sem recursos digitais no uso dos métodos robótica e gamificação

Apesar de a robótica educacional e da gamificação estarem muito associadas a protótipos, montagem e desmontagem de peças e placas-mãe, é possível ensinar a construção de tais tecnologias mesmo sem a presença dos elementos digitais.

A sucata, por exemplo, é um recurso que vem sendo bastante utilizado para o ensino de robótica. Esse material permite o ensino dos conceitos básicos da disciplina, programação desplugada, montagens de peças e outros aspectos relacionados ao tema.

O trabalho com gamificação também não precisa ser executado com games. O educador pode perfeitamente utilizar apenas conceitos dos jogos on-line nas atividades físicas. Afinal, conceitos como ranqueamento, bônus e vencer/perder também cabem em jogos off-line. O foco
é na cooperação e na superação de desafios.

 

Grandes Coleções Opet: Almanaque do Mestre e o Calendário Interativo ganham edição sobre a Cultura Digital

Nos últimos quarenta anos, desde que os computadores chegaram às casas das pessoas, teve início a chamada “Cultura Digital”. Um movimento que foi acelerado pela popularização da internet e dos smartphones. Essa revolução, é claro, já havia chegado à educação, mas ganhou uma força enorme com a pandemia de Covid-19, que transferiu as aulas para dentro do ambiente digital.

No caso da Editora Opet, que leva serviços educacionais digitais para pelo menos 140 mil pessoas em todo o país – entre estudantes, professores, gestores e famílias –, ela também foi acelerada pela pandemia. Com a plataforma educacional Opet INspira e uma parceria estratégica com a Google Workspace for Education, a Editora promoveu uma verdadeira “operação de guerra” que há mais de um ano garante a continuidade das aulas com conteúdos, contato e qualidade.

Foi exatamente nesse movimento que nasceu a edição do “Calendário Interativo” e do “Almanaque do Mestre” dedicada à Cultura Digital. O “Calendário” e o “Almanaque” são obras especialmente desenvolvidas pela Editora Opet para apoiar o trabalho dos professores da Educação Infantil e do Ensino Fundamental.

O “Almanaque do Mestre” é fruto de muito conhecimento sobre a Cultura Digital.

Na verdade, a ideia da produção nasceu um pouco antes, dentro de um movimento da própria Editora em relação à importância da Cultura Digital. A Cultura Digital, vale observar, é a quinta competência da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e está assim definida: “Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares) para se comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos, resolver problemas e exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva.”

Soluções Integradas – Quem conta essa história é a autora do material, Cristina Pereira Chagas. Ela é mestra em Educação e Novas Tecnologias, colaboradora da equipe de Tecnologias Educacionais da Editora e analista de Tecnologia Educacional da plataforma Opet INspira.

“Em junho de 2019, a gerência do departamento editorial da Editora entrou em contato comigo com o convite para produzir as obras. Foi desafiador porque são soluções educacionais integradas”, explica. “O Calendário Interativo faz provocações e convida ao trabalho com as propostas do Almanaque do Mestre, além de uma ‘camada digital’ com conteúdos para a plataforma educacional Opet Inspira. Me senti desafiada, honrada e muito grata pelo convite!”.

Cristina Pereira Chagas, a autora dos materiais, com sua criação.

 

Cristina acredita que a pandemia acelerou um processo que era necessário à educação brasileira: o de desenvolver competências digitais em docentes e estudantes – e de valorizar e promover a Cultura Digital no ambiente escolar. “Ou seja, o Almanaque do Mestre chegou na hora certa”, avalia.

E como funciona? – A “dobradinha” Calendário Interativo/Almanaque do Mestre oferece aos professores da Educação Infantil e do Ensino Fundamental muitas possibilidades de reflexão e, principalmente, de trabalho em sala de aula – digital, presencial ou híbrida.

“São materiais completos”, explica Cristina. “Eles abordam a Cultura Digital, as habilidades socioemocionais, a educação inclusiva, a valorização das mulheres nas ciências e tecnologias, propostas com temáticas como educomunicação, educação midiática, cidadania digital, letramento digital e pensamento computacional. Além de metodologias ativas como a aprendizagem baseada em jogos digitais, gamificação, STEAM – sigla em inglês para Artes, Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática – e aprendizagem criativa.”

O Almanaque aborda os principais temas da Cultura Digital em uma linguagem amigável.

 

Em cada nível de ensino são trabalhados aspectos associados à faixa etária e ao desenvolvimento. “Na Educação Infantil, é possível estimular o pensamento crítico e lógico, a curiosidade e a criatividade, o desenvolvimento motor e a linguagem, propiciando às crianças uma educação inclusiva e integral. E, no Ensino Fundamental, proporcionar aos estudantes, com a mediação docente, a utilização das novas tecnologias de forma ética, crítica, segura e responsável em todos os âmbitos da vida”, explica Cristina.

Trilha de Aprendizagem – Os materiais “conversam” entre si e com a plataforma educacional Opet INspira, onde está uma Trilha de Aprendizagem gamificada – ou seja, lúdica – composta por treze Roteiros de Estudos, sendo um de Apresentação e doze abordando cada temática do Almanaque. “Essa Trilha contém doze vídeos exclusivos que orientam os docentes na utilização do Almanaque e do Calendário e, também, na realização das propostas com as tecnologias digitais.” Lá também estão um webinar, um podcast e materiais diversos com a curadoria da própria Cristina. “É um material complementar riquíssimo, que merece ser conhecido e explorado junto com o Almanaque!”, observa.

“O quê? Quando? Onde? Como? Por quê?” – as perguntas como estratégia instigante para o aprendizado

Feche os olhos e imagine a figura de um filósofo grego. Provavelmente, ele estará lá, sentado em uma pedra e se perguntando alguma coisa: “Mas, como será que…?”. E, dali a pouco, já começa a construir pensamentos e a buscar respostas.

É isso: as perguntas são um importante ponto de partida para o conhecimento e para o aprendizado. Elas podem partir tanto do professor, quando quer instigar o aluno, quanto do próprio estudante. No caso do estudante, ora ele questiona a si mesmo, ora questiona o professor. Em outros momentos é o educador quem faz as perguntas, caminhando no sentido de um campo de conhecimento ou de outras perguntas importantes.

Podemos considerar, portanto, que há uma relação direta entre curiosidade, formulação de perguntas e processo de aprendizagem. Ou seja, o aprendizado ocorre quando há curiosidade suficiente para formulação de uma ou mais perguntas.

Para estimular o questionamento, questione o educando

Não apenas os aprendentes devem ser estimulados a fazer boas perguntas: o professor também deve buscar a excelência nesta arte. Uma boa pergunta é, acima de tudo, um convite, uma instigação. É papel do mestre formular questões que ajudem o estudante a pensar sobre um processo, desenvolver um pensamento divergente ou buscar mais pontos de investigação.

Do mesmo modo que o estudante chega ao conhecimento através dos questionamentos que faz, o educador consegue estimular reflexões importantes no educando quando pergunta com intencionalidade.

Ao fazer isso, o professor provoca desequilíbrios que favorecem um aprendizado mais reflexivo e crítico, ou seja, nascido com a participação direta do estudante. Nesse processo estão presentes dois aspectos importantes para a aprendizagem: a metacognição e a relação afetiva com o conhecimento.

A metacognição refere-se a como o sujeito utiliza suas funções cognitivas. Já a relação afetiva com o conhecimento tem a ver com a percepção do estudante quanto à sua vinculação com o objeto de conhecimento.

Imaginação, contação de histórias e a arte de fazer perguntas: como o texto jornalístico pode colaborar nesse processo

Por falar no vínculo entre aprendizagem e relação afetiva com o conhecimento, uma boa maneira de trabalhar esse conceito é inserir atividades lúdicas por meio dos jogos, brincadeiras e do estímulo à imaginação.

Com esses elementos é possível instigar boas emoções, algo que está fortemente ligado com a criação de memórias e que ainda garante uma aprendizagem investigativa. É comum que, ao ter a imaginação estimulada, as crianças passem a questionar: “Como o avião voa?”, “Por que o arco-íris só aparece quando chove?”, “Princesas e bruxas existem de verdade?”.

Esse universo de fantasia também é um excelente caminho para o estímulo de boas perguntas, além de trabalhar a imaginação das crianças. Para isso, o professor pode, por exemplo, contar histórias, sejam lendas, mitos ou tradições de uma sociedade, de maneira que o estudante tenha vontade de realizar mais perguntas a respeito do tema.

Existe um costume judaico que pode exemplificar melhor essa ideia, de relacionar transmissão de conhecimentos e, ao mesmo tempo, estimular a imaginação e a curiosidade. Esse costume, que ocorre na noite de Pessach, visa estimular as crianças a questionar os adultos sobre o porquê de aquela noite ser diferente das demais. Esse é o ponto de partida perfeito para que os adultos contem sobre o significado da tradição.

Porém, para garantir uma aprendizagem realmente eficaz, seja por meio das brincadeiras, perguntas ou contação de histórias, é preciso que o professor desenvolva um planejamento cuidadoso e saiba utilizar diferentes recursos e materiais, além de ensinar o aprendente a como fazer as melhores perguntas.

Desenvolvendo boas perguntas com base na técnica jornalístico

Para desenvolver boas perguntas, o educador pode se guiar pelos pilares que norteiam o texto jornalístico.

Quando um jornalista escreve uma matéria, ele utiliza os seguintes questionamentos: O quê? Quem? Quando? Onde? Como? Por quê? Essas seis perguntas “cercam o tema” e vão oferecer uma base para direcionar sua entrevista, reportagem ou texto. São questões-chave para oferecer ao leitor tudo o que ele precisa saber sobre determinado assunto.

Portanto, elas também se adaptam perfeitamente a um contexto no qual o professor se propõe a trabalhar com esse ensino mais investigativo por meio das perguntas.

Aprendizagem baseada em investigação

Ao aprender a questionar sobre os pontos importantes relacionados ao objeto de aprendizagem, o estudante passa a construir suas próprias hipóteses a respeito dos problemas que lhe são apresentados.

Porém, aqui o professor deve tomar o cuidado de guiar o estudante para a melhor solução. Isso porque, ao deixar a criança agir e brincar efetivamente, lançando seu olhar curioso sobre os fatos, cada uma terá sua própria resposta em um primeiro momento.

Cabe ao professor analisar se tal resposta é satisfatória e, caso não seja, deve continuar a estimular o educando a questionar ainda mais. Sempre guiando-o por um caminho lógico e baseado em evidências. Esse, aliás, é um método que tem raízes na filosofia – mais exatamente na maiêutica, desenvolvida por Sócrates.

As crianças não pensam como adultos. Elas possuem uma perspectiva única que é desenvolvida a partir de sua curiosidade perante o mundo. Portanto, quanto mais são estimuladas, mais se tornam investigativas, lúdicas e construtoras – isto ajuda a gerar protagonismo.

Materiais e recursos digitais como ferramentas auxiliares do ensino inquisitivo

Como citamos, para garantir uma aprendizagem realmente eficaz, o professor deve saber planejar, ensinar o educando a criar boas perguntas e utilizar diferentes recursos e materiais.

Para ensinar a criar boas perguntas, já vimos que os pilares do texto jornalístico podem ajudar. Já para propor bons jogos e brincadeiras, é preciso fazer boas escolhas de recursos educacionais.

Gamificação, robótica e exercícios feitos por meio de quizzes são ótimas soluções para estimular no estudante a vontade de questionar. Por se tratar de soluções educacionais ativas, ou seja, processos em que o estudante coloca a “mão na massa”, muitas dúvidas vão surgindo no meio do caminho.

O mais interessante é que essas práticas de ensino também ajudam o estudante a buscar as respostas de diversas maneiras. Pode ser por meio de perguntas ao professor ou para os colegas que sabem algo que ele ainda não descobriu; pode ser pos pesquisas em livros ou internet; pode ser até mesmo por meio da observação do mundo – placas, monumentos, casas, cenário, pessoas…

Onde encontrar ferramentas para uma aprendizagem inquisitiva

A Opet INspira é uma plataforma educacional de recursos digitais desenvolvida pela Editora Opet. Lá, educadores e estudantes encontram um acervo de recursos pedagógicos como material didático, ferramentas de apoio e objetos educacionais digitais – vídeos, áudios, apresentações e quizzes.

Os conteúdos da plataforma educacional Opet INspira auxiliam os educadores no desenvolvimento de avaliações e sequências didáticas. Também permitem que o docente crie trilhas de aprendizagem e forneça roteiros de estudos aos estudantes.

Além disso, há opções para que o professor consiga promover um ensino inclusivo, pois a plataforma conta com recursos de tecnologia assistiva. Basta acessar o Menu de Acessibilidade para visualizar funções de teclas de navegação, leitor de página, tamanho do texto e do cursor, espaçamento de texto e contraste totalmente adaptados a diferentes necessidades.

Quadrinhos Digitais: uma opção pedagógica para encantar e engajar!

Imagens, textos, roteiro, arte sequencial e histórias envolventes sobre os mais diferentes temas, de super-heróis a temas históricos e literários. Há mais de cem anos, desde que surgiram, as histórias em quadrinhos são um caminho certo para o entretenimento e para uma conexão muito especial com a cultura. Em tempos mais recentes, elas também passaram a fazer parte do arsenal de recursos pedagógicos utilizados por professores em todo o mundo. Em especial, como objeto de leitura e interpretação. Seus limites, porém, não param por aí. Que tal pensar na hipótese de fazer com que professores e alunos produzam suas próprias histórias em quadrinhos? E que tal fazer isso usando recursos digitais, que dinamizam o facilitam o processo?

Pois é exatamente esse o caminho que está sendo seguido pela equipe pedagógica da Editora Opet, que participou recentemente de um curso para a produção de HQs digitais com o professor Marciel Oliveira Rocha, da Nuvem Mestra. A Nuvem Mestra é parceira da Editora Opet na implementação das ferramentas Google Workspace for Education, utilizadas por cerca de 140 mil estudantes e professores que utilizam as coleções Sefe e Opet Soluções Educacionais.

Esse aprendizado, é claro, será replicado nas formações pedagógicas para que professores parceiros de todo o país também possam “mergulhar” no universo criativo e pedagógico das histórias em quadrinhos.

“Nossa equipe de assessores e supervisores está em constante aprendizado, justamente para oferecer esses recursos aos nossos professores parceiros”, explica a gerente pedagógica da Editora Opet, Cliciane Élen Augusto. “E fazemos isso com uma antecedência considerável em relação às formações pedagógicas, que é justamente para abranger todas as possibilidades de uso, os níveis mais adequados de aplicação, as dificuldades e as vantagens.” No caso das histórias em quadrinhos digitais, elas entrarão na programação das formações pedagógicas a partir do segundo semestre.

Gênero textual – Os quadrinhos são um gênero textual apontado pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) dentro dos objetivos de aprendizagem, práticas de aprendizagem e habilidades nos três níveis de ensino – Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio. Cliciane acredita que as HQs são especialmente interessantes para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental, etapa que abrange, entre outros conhecimentos, a alfabetização.

Nessa etapa, o diálogo texto-imagem proposto pelos quadrinhos, em especial no formato online, pode ser muito enriquecedor. “Tudo depende da abordagem e da ênfase que se dá aos elementos que envolvem essa forma de comunicação”, observa.

Outro aspecto destacado pela gerente pedagógica da Editora Opet é o fator afetivo que nos conecta aos quadrinhos. “Essas histórias permitem revisitar uma memória afetiva que é tanto dos estudantes quanto dos professores. Afinal, são poucas as pessoas que não tiveram contato – e não se divertiram – com os quadrinhos.”

Ferramentas – E a equipe pedagógica da Editora se divertiu – e aprendeu bastante – com a formação. “É diferente trabalhar com essas ferramentas. É sempre um formato muito lúdico, muito prazeroso”, observa Cliciane. Segundo ela, o trabalho pedagógico envolveu ferramentas e aplicativos gratuitos, que permitem trabalhar de forma descomplicada.

Uma dessas ferramentas é o Pixton, desenvolvido em parceria por instituições como o Departamento de Educação de Nova Iorque, as escolas públicas de Chicago e as universidades de Harvard, Michigan e Stanford. “O acesso é bem fácil e, apesar de o site estar em inglês, ele é muito amigável e pode ser aprendido e utilizado rapidamente”, explica Cliciane.

Exemplos de telas de trabalho do Pixton. Ferramenta foi desenvolvida por universidades e escolas dos Estados Unidos.

Com o Pixton, é possível criar histórias em quadrinhos do zero, selecionando todos os elementos – como personagens e cenários – com muitas possibilidades de edição. “O Pixton é apenas uma entre muitas opções com que vamos trabalhar em nossas formações”, antecipa. E os professores interessados em começar já podem encontrar tutoriais interessantes disponíveis na internet, como o desenvolvido pelo Espaço de Apoio ao Ensino Híbrido da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), em São Paulo – clique aqui e acesse!

Cliciane reforça a necessidade de, neste momento de ensino remoto, conhecer e acessar novas formas de engajamento e encantamento dos estudantes. “Proporcionar boas histórias, por exemplo, é algo importante. E os quadrinhos nos fornecem essa possibilidade de uma forma muito rica por meio das imagens, personagens e enredo. E também da memória afetiva que nos conecta aos quadrinhos.”

Dia Mundial da Infância, momento de refletir

Em 21 de março, comemora-se o Dia Mundial da Infância, data criada pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) para promover uma reflexão a respeito das condições de vida das crianças no mundo. A data também é um convite para a compreensão da importância desse período de vida e para que as pessoas lutem pelos direitos das crianças.

É um tempo, sem dúvida, de celebrar as belezas e a magia de uma etapa tão especial da vida. Mais do que isso, porém, é um tempo de recordar e lutar pelas crianças em situação de vulnerabilidade, que não possuem o mínimo para se desenvolver plenamente. Em todo o mundo, elas são milhões – inclusive, no Brasil.

Direito das crianças no Brasil: ECA e marco da primeira infância

No Brasil, os direitos das crianças são assegurados pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), publicado em 1990. Nele, foi determinado que pessoas de até 12 anos incompletos são consideradas crianças e, portanto, devem ter oportunidades e facilidades que assegurem o pleno desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social em condições de liberdade e de dignidade.

Além dos direitos já estipulados no ECA, em 2016, o Brasil teve ainda um outro avanço em relação aos direitos das crianças. Nesse ano, foi criado o Marco Legal da Primeira Infância (Lei Federal Nº 13.257/2016), que contempla as crianças de zero a seis anos. Essa lei, que foi adicionada ao ECA, estipulou, dentre vários outros termos, as seguintes diretrizes:

  • Aumento da licença-paternidade para 20 dias;
  • Direito ao brincar;
  • Conjunto de direitos a gestantes;
  • Prioridade para formação de profissionais envolvidos com a Primeira Infância;
  • Necessidade de expandir a educação infantil.

A importância da Primeira Infância

Investir nos primeiros anos de vida das crianças é crucial para a formação dos indivíduos. Os primeiros mil dias de vida – da gestação até os dois anos de idade – é uma janela única de oportunidades para o desenvolvimento neurológico, cognitivo, psicomotor e emocional das crianças. Infelizmente, apesar de todos os marcos legais, projetos públicos e datas especiais, muitas crianças não gozam desses direitos. Isso é o que mostram algumas pesquisas recentes.

Dados sobre os direitos gerais das crianças no mundo

Em 2018, um relatório publicado pela UNICEF mostrou que, de cada 10 crianças, 6 vivem em situação precária. Quase 12 milhões não têm a maioria de seus direitos assegurados, sendo que pelo menos 6 milhões vivem em situação de extrema pobreza (em famílias que sobrevivem com menos de US$ 1 por dia).

Em 2019, outra pesquisa trouxe dados a respeito da situação nutricional das crianças ao redor do mundo. Os resultados mostraram que 1 em cada 3 crianças com menos de 5 anos não recebiam nutrição adequada para crescer bem.

Situação geral das crianças no Brasil

Infelizmente, os dados de pesquisas feita especificamente no Brasil são tão desanimadores quanto os dados recolhidos ao redor do mundo. Para se ter ideia, em 2019, foram registradas 159 mil denúncias de violação dos direitos humanos, sendo que desse total 86 mil envolviam crianças e adolescentes. Das denúncias que envolviam crianças e adolescentes, 4,2 mil estavam relacionadas com trabalho ilegal.

Cerca de 17 mil dessas denúncias têm relação com violência sexual. Quanto a esse tipo de violência, há ainda o agravante de que, muitas vezes, é um tipo de violação de menos visibilidade.

Violência contra a criança e a pandemia

Segundo dados do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, o número de denúncias relacionadas à violência contra crianças e adolescentes caiu 12% na pandemia. Essa notícia, no entanto, não tem relação com a diminuição da violência, mas com a redução de sua percepção e denúncia. Isso porque, com o fechamento das escolas, boa parte dos casos – que eram descobertos por educadores e cuidadores – estão ficando sem registro. Isso é algo muito sério.

Campanhas e projetos do governo para assegurar os direitos das crianças

Existem diversas políticas e campanhas em prol dos direitos das crianças. Todas elas visam combater as formas de violência e chamar a atenção das pessoas para o assunto. A campanha “Maio Laranja”, por exemplo, tem como escopo o desenvolvimento de atividades que conscientizem, informem, mobilizem e sensibilizem a comunidade no combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes.

Há, ainda, o Programa Criança Feliz , uma ferramenta que ajuda as famílias, com crianças entre zero e seis anos, a receber recursos para o desenvolvimento integral dos filhos.

Denunciar é fundamental

Além das campanhas e dos programas, é fundamental que a sociedade saiba como denunciar qualquer tipo de maltrato infantil. Inclusive as denúncias podem ocorrer de forma anônima. Canais como o Disque 100, o aplicativo Direitos Humanos e o site da ONDH são gratuitos e funcionam 24 horas por dia, mesmo em finais de semana e feriados.

Direitos à educação, cultura e lazer para todos, sem discriminação

Segundo o Artigo 4º do ECA, os direitos à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária devem ser prioridade.

Ainda de acordo com o Estatuto, tais direitos se aplicam a todas as crianças e adolescentes, sem discriminação. No entanto, na prática, a situação – infelizmente – é outra.

Direito à educação é negligenciado, mesmo sendo garantido no ECA

No site da UNICEF, é possível ver que, em 2019, 1,5 milhão de crianças e adolescentes, com idade entre 4 e 17 anos, não frequentavam a escola no Brasil. Sendo que a exclusão escolar afeta principalmente as crianças mais vulneráveis da população, já privadas de outros direitos. Ainda de acordo com UNICEF, outro problema relacionado ao direito de acesso à educação é a qualidade do ensino. Muitas crianças, apesar de matrículas nas escolas, estão sem aprender, pois o sistema de educação brasileiro não tem obtido êxito em garantir oportunidades de aprendizagem a todos.

Dados de 2018 mostram que 6,4 milhões de estudantes das escolas estaduais e municipais tinham dois ou mais anos de atraso escolar. Sendo que uma das principais consequências dessa má qualidade do ensino é o abandono escolar, já que, após ser reprovados diversas vezes, muitos abandonam a escola.

Discriminação piora o acesso à educação

Conforme citamos acima, o ECA prevê direitos para todos, sem discriminação – outra situação que, na prática, é bem diferente. A UNICEF afirma que, por trás desses problemas relacionados à educação, estão temas complexos, dentre eles o fato de que crianças e adolescentes pobres, LGBT, com deficiências, entre outros, sofrerem discriminação.

Programas da UNICEF para garantir os direitos das crianças no Brasil

A UNICEF também criou diversas iniciativas no Brasil, visando o direito à educação para as crianças. A Busca Ativa Escolar,  por exemplo, é uma plataforma que ajuda a identificar crianças e adolescentes fora da escola.

Já a estratégia Trajetórias de Sucesso Escolar tem o objetivo de construir boas práticas nas escolas públicas, para que as crianças com atraso escolar consigam superar suas dificuldades educacionais.

O Portas Abertas para a Inclusão  visa formar professores, em todo o Brasil, capazes de incluir crianças com deficiência nas aulas de Educação Física.

Além desses, há ainda o Qualidade na Educação, o Globo Educação e o Programa Itaú Social UNICEF . Cada um direcionado à solução de um aspecto da educação.

Educação humana e cidadã: facilitando o acesso à educação através das tecnologias digitais

A plataforma educacional Opet INspira, da Editora Opet, conta com diversos recursos digitais para a promoção de uma educação humana e cidadã a todas as crianças. Nela há um acervo de conteúdos, material didático, ferramentas de apoio e objetos educacionais digitais que permitem ao educador desenvolver aulas para trabalhar diversos aspectos, sempre visando o desenvolvimento pleno da criança.

Recursos educacionais digitais colaboram com o pleno desenvolvimento das crianças

Dentre os recursos educacionais disponíveis, destacam-se opções como vídeos, áudios, jogos, quizzes e histórias infantis. Afinal, trabalhar a ludicidade, a imaginação e as brincadeiras pedagógicas é essencial para o desenvolvimento neurológico, cognitivo e motor das crianças.

A INspira dispõe ainda de objetos educacionais que permitem a inclusão de crianças com deficiência. Ao acessar a plataforma INspira, o educador encontra um Menu de Acessibilidade que dá acesso a diversas funções personalizadas, como teclas de navegação, leitor de página, tamanho do texto e do cursor, espaçamento de texto, contraste, entre outros.

Livros e ferramentas digitais: integração e transformação

Nos últimos meses, a educação digital cresceu de uma forma impressionante. Hoje, ela é utilizada por milhões de estudantes, e vai crescer cada vez mais. Nesse processo, qual o lugar dos livros? Como integrar o ensino digital aos volumes impressos? É possível, a partir dos avanços tecnológicos, pensar no surgimento de “super livros”?

Essas são algumas das perguntas que fizemos a Luciano Rocha, coordenador de Tecnologias Educacionais da Editora Opet e da plataforma educacional Opet INspira, na mais nova edição do OpetCast, o podcast de educação da Editora Opet. Clique e escute agora! Editora Opet: educação que aproxima!